Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 29/10/2019 - 06:29Atualizado em 29/10/2019 - 06:35

O governador Carlos Moisés, PSL, voltará ao sul do estado em novembro para cumprir agenda em Forquilhinha e Araranguá.

A assessoria não confirma, mas pelas cidades onde ele irá, a tendência é que sejam anunciados recursos para as obras de pavimentação da rodovia Jacob Westrup, em Forquilhinha, e a segunda ponte sobre o rio Araranguá, em Araranguá.

Deve ser a ultima vinda de Moisés à região em 2019.

O Anel

A última etapa da obra do anel de contorno viário, orçada em R$ 22,7 milhões, deve ficar para 2020. Inicialmente o previsto era de anuncio da obra em novembro ou dezembro.

De qualquer forma, as obras na Jacob Westrup e a segunda ponte de Araranguá, se confirmadas, terão investimento em torno de R$ 16 milhões.

Somados aos anúncios feitos na viagem anterior (em Criciúma e Jaguaruna), vão permitir que o governador Moisés feche o ano com investimentos anunciados de quase R$ 50 milhões na região.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 28/10/2019 - 19:10Atualizado em 28/10/2019 - 19:22

O denunciado desvio de carne da Afasc, revelado pela policia, foi profundamente lamentável, por tudo o que evolve. Dificil até de assimilar. 

Reações rápidas (ou imediatas) tiveram que ser adotadas para diminuir o estrago (ou prejuizo).

Numa entrevista coletiva, no fim da tarde,  a direção da Afasc anunciou que não teve redução no volume distribuido de merenda, não faltou comida nas escolas, o valor médio investido não mudou e o contrato com a cooperativa que prestava serviço foi cancelado unilateralmente. Era o que tinha que ser feito. E foi.

É evidente que outras medidas e decisões ainda virão, como punição pelo ocorrido, que é da maior gravidade.

Na Unesc, a reitoria também agiu rapido, cancelando o contrato com a empresa que administrativa o restaurante universitário.

Os vereadores estão fazendo a parte que lhes, cabe de fiscalizar e cobrar informações/explicações.

 

 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 28/10/2019 - 06:53Atualizado em 28/10/2019 - 07:35

A principal informação do fim de semana em Criciúma, que movimentou os bastidores da política, foi o anúncio do ex-deputado Jorge Boeira, na reunião do diretório do PP, que está preparado para ser candidato a prefeito.

Como Boeira defendeu chapa pura, com um vice dos bairros, dois nomes passaram a ser citados.

Vereador Edson Paiol, presidente da União de Associações de Bairros, e vereador Miri Dagostim, presidente da Câmara.

Quem vai

Com a sinalização deo Beira, a eleição de 2020 em Criciúma se encaminha para cinco candidaturas.

O primeiro confirmado é o prefeito Clésio Salvaro, candidato a reeleição.

Depois, Jeferson Monteiro, que tentou ser candidato pelo MDB, mas previu dificuldades e migrou para o PL. Assinou filiação na semana passada.

MDB, PT, PDT e PSL também estão anunciando que terão candidatos. Dois deles devem confirmar.

O recurso

A executiva estadual do PP vai decidir hoje sobre o pedido de um grupo de filiados de Criciuma de revisão da eleição da nova executiva municipal.

O grupo protocolou documento na semana passada, onde relaciona ilegalidades que teriam sido cometidas no processo de eleição.

Na executiva estadual não existe abertura para discutir proposta de intervenção. Mas, poderá ser aprovada um indicativo de entendimento.

Tags: PP

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 28/10/2019 - 06:52Atualizado em 28/10/2019 - 07:37

O deputado criciumense Jessé Lopes, PSL, prepara mais uma iniciativa polêmica, de enfrentamento político com o governador Carlos Moisés, também do PSL. Na semana passada, Jessé colocou uma placa na frente da Casa da Agronômica, residência oficial do governador, colocando o imóvel a venda.

Agora, vai agora encaminhar projeto para a Assembleia autorizar a venda do imóvel. O projeto deverá ser protocolado durante a semana. Depende apenas de alguns ajustes.

Em principio, o objetivo será a revogação de iniciativa anterior, aprovada pela Assembleia, proposta pelo deputado João Amin, PP, que proíbe a venda da Agronômica. A previsão é que o projeto de Jessé seja aprovado sem nenhuma dificuldade na comissão de constituição e justiça, e levado na sequência para aprovação em plenário.

O projeto de Jessé vai autorizar, mas a venda só poderá ser encaminhada por projeto de iniciativa do governador. A Assembleia não tem poder para tomar iniciativa sobre isso.
Será mais uma situação de constrangimento para o governador, resultado do isolamento a que se submeteu.

Na Assembleia, a sua principal base de apoio é a bancada do MDB. Mas, já existem sinais de divisão entre os emedebistas.

Ele não tem maioria em nenhuma das comissões técnicas da Assembleia, perdeu o líder de governo, e na bancada do seu partido, o PSL, dos seis deputados, só tem o apoio de dois. Entre os quatro do PSL que estão rompidos com o governador, o deputado criciumense Jessé Lopes é um deles. Por sinal, foi o primeiro a se afastar.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/10/2019 - 18:30Atualizado em 14/10/2019 - 18:45

Sobre ferrovias, a cumprimentar os deputados do sul que estavam juntos fortalecendo a bancada e deixando a impressão, para nós do sul, que efetivamente eles estão na mesma sintonia. Foi no evento desta segunda-feira na Acic. Aquela proposta de bancada do sul parece funcionar, vai trazer bons frutos para a região. A parte boa dessa reunião de hoje é essa, a unidade dos deputados do sul, na mesma batida, falando das mesmas questões.

Segundo, o empresariado da região integrado com isso. Essa integração do setor produtivo com o setor político é muito boa. O que me incomodou do saldo do evento da Acic é que, de novo, a gente constata que o desenvolvimento da região trava ali no Morro dos Cavalos. A duplicação já foi assim, demorou uma eternidade, pois ali há uma aldeia indígena. É um absurdo esse atraso ao desenvolvimento, não pelos índios, mas pela falta de uma solução.

Confira a íntegra do comentário no podcast:

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/10/2019 - 07:24Atualizado em 14/10/2019 - 07:34

Na mesma família, três candidatos a vereador de Criciúma. Julio Colombo (atual vereador), advogado Guilherme Colombo (o filho) e jornalista Julia Zanatta (a nora). Os três estão se articulando, tem reais possibilidades de ir para a disputa.

O vereador Julio Colombo, ex-presidente da Câmara, já esteve na lista dos candidatos a vice-prefeito para 2020. Hoje, não figura mais pelo menos entre os mais citados. Mas, ele  ainda alimenta a esperança.

Filiado no PSB, só está esperando a abertura da “janela de transferência”, em março. Já decidiu que vai trocar de partido.  
“Não vou ficar em um partido que é contra as reformas encaminharas pelo Governo Federal”, afirmou ontem.

Ele ja estava praticamente no PSD, depois no PSDB. E deve ficar por ali. Optando por um dos dois.

Guilherme já está no PSD. É ligado pessoal e politicamente ao deputado federal Ricardo Guidi.

Julia está do PSL, porque é amiga pessoal dos Bolsonaro, desde muito tempo antes de o presidente Jair virar “mito”.

Julia estava entre os poucos convidados para o casamento do deputado Eduardo Bolsonaro, possível futuro embaixador nos Estados Unidos.

Julia e Guilherme estiveram com Eduardo no fim de semana em São Paulo, durante evento politico.

Os três não deverão disputar a eleição. Estão em sintonia

Se Julio for candidato a reeleição, Julia também deve disputar. Guilherme não vai.

Se não disputar a reeleição, ou conseguir emplacar para vice, Guilherme deve ser o candidato. Julia, neste caso, não disputará.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 13/10/2019 - 19:51Atualizado em 13/10/2019 - 20:20

Acaba de falecer o presidente estadual do PSDB, ex-deputado Marco Tebaldi.

Ele lutava contra um câncer e seu estado de saúde se agravou nos útimos 30 dias.

Natural de Erechim, RS, Tebaldi foi vice-prefeito de Joinville, duas vezes prefeito da cidade, duas vezes deputado federal e secretario de educação do estado.

Ele disputou reeleição para deputado federal em 2018, mas não consegiu novo mandato.

Com a sua morte, a deputada federal criciumense Geovania de Sá assume a presidência estadual do PSDB.

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/10/2019 - 05:51Atualizado em 11/10/2019 - 06:41

Será o primeiro ato para montagem do plano de desenvolvimento econômico de Içara.

Não será ação política, nem para um governo, ou mandato. Será uma contribuição para o futuro da cidade.

Içara cresce três vezes mais que a média do estado, cinco vezes mais que a média da região, e continua com o pé no acelerador.

Se nada for feito, o benefício vai trazer problema. Porque vai comprometer a mobilidade.

Mesmo com a Via Rápida, a SC-445, rodovia Paulino Búrigo, é a segunda rodovia estadual com maior fluxo. É onde está a industria e o comércio.

A Unesc, como única universidade comunitária da região, comprometida com o desenvolvimento ordenado, vai fazer o plano de desenvolvimento econômico para a cidade, tendo o Fórum de hoje como uma das bases.

O Tribuna de Notícias e a Rádio Som Maior estão com a universidade neste processo, entendendo que podem (e devem) ir além do informar e oferecer entretenimento.

Ontem à tarde, estrutura montada, plenário preparado para receber os participantes. A Unesc vai colocar um time de 40 técnicos para trabalhar na retaguarda.

O Forum de hoje será o quarto. Antes, foram feitos em Criciúma, Turvo e Balneário Rincão. Mas, esse será o primeiro com foco definido. Discutir alternativas de logística para evitar (ou atenuar) problemas de mobilidade para a cidade.

O Fórum será aberto e transparente, para discutir o futuro da cidade.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/10/2019 - 06:05Atualizado em 10/10/2019 - 06:59

A Via Rápida (rodovia Aristides Bolan) foi a maior obra do Governo do Estado para Criciúma. Os benefícios são imensos. Nada pode diminuir a sua importância.

Mas, até hoje não está concluída, pendências continuam sem solução, e os riscos são evidentes (e graves).

Ontem, mais um acidente, de relativa gravidade, e a Policia Militar Rodoviária, mesmo instalada muito próximo, não pode atender. Está impedida de ir até a rodovia porque ela não está 100% concluída, de acordo com o projeto, e por isso não consta do plano rodoviário estadual.

Também por isso que não cortam o mato. Porque a rodovia está sem pai, nem mãe.

Um burocrata empolaria o peito, dois dedos ao queijo, e da sua mesa sentenciaria  - “não poderiam era ter liberado a rodovia antes de totalmente concluída”.

Ah sim. Então, teriam todos que continuar até hoje enlatados na rodovia Paulino Burigo?

E por tempo indeterminado, porque até hoje não concluíram a obra, porque não negociaram algumas desapropriações, e não perspectiva para isso. Outras foram negociadas, e não foram pagas.

Liberar a rodovia foi a melhor solução. Prevaleceu o bom senso. Milhares de pessoas são beneficiadas.

Pode ser sido liberada precariamente,  mas está liberada. É fato. Ignorar, beira a sandice.

O que precisa é ter um tratamento excepcional para a rodovia, para permitir que ela seja fiscalizada, preservada, mato cortado, mesmo sem estar 100% concluída, nem incluída no plano rodoviário estadual.

Se não tem jeito de a fazer com a legislação vigente, não tenho nenhuma dúvida que os deputados estaduais aprovariam uma lei específica, em caráter emergencial.

Isso é tratar com o mundo real.

O segundo

O segundo problema em relação a Via Rápida é que tem comunidades que estão isoladas. Para ter acesso tem, tem que fazer uma “gambiarra”, circulando um pedaço na contra-mão. Além disso, tem que implantar iluminação, fazer o portal de entrada (na saída da BR-101), consertar aquele trevo de acesso (que é candidato a mais confuso do mundo), e instalar placas (enormes) na BR-101 para orientar motoristas que não são “da casa” que o novo acesso à Criciúma é por ali.

O terceiro

O outro problema, é que a Via Rápida foi lançada com a ideia de se formar no entorno uma grande área industrial. A mais privilegiada do grande do sul, pela localização estratégica.
Foi recomendado, inclusive, que cada município (Içara e Criciúma) deveria incluir no seu plano diretor que aquela área às margens da rodovia era exclusivamente industrial.
Mas, a Via Rápida foi construída sem possibilidade de acesso às propriedades. Como implantar indústria por ali, sem entrada/saída?

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/10/2019 - 18:41Atualizado em 09/10/2019 - 18:42

O presidente Jair Bolsonaro criou o fato político do dia ao decidir que vai sair do PSL. Cabe lembrar que, antes de Bolsonaro, o PSL não existia praticamente, e que existiu depois de Bolsonaro aparecer. Lembro do PRN, que nada era antes de Collor de Mello, daí virou um partido conhecido pois era o partido do presidente. É o caso do PSL. Não sabemos das circunstâncias para a saída do presidente do PSL, mas o que vai produzir de desdobramentos?

Há pouco, soube que os deputados Felipe Estevão, Ana Campagnolo e Sargento Lima conversaram no plenário da Alesc dizendo que são Bolsonaro, antes de tudo. O deputado Jessé Lopes, que não estava nessa conversa, é Bolsonaro antes de tudo. O PSL foi caminho cartorial para eles participarem do processo. O governador Comandante Moisés já deu sinais de que é PSL, e se Bolsonaro fizer o movimento de saída, ele não vai. Quem vai seguir Bolsonaro se afastando de Moisés? Ou quem vai se afastar de Bolsonaro e ficar com Moisés? Governador corre o risco de ficar com minoria, que a maioria siga o caminho de Bolsonaro. A grande maioria tem a consciência que foram eleitos pela onda Bolsonaro. Estará criado um grande fato, uma circunstância política importante de desdobramentos sérios, que poderá dar novo alinhamento político ao Estado e ao País.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/10/2019 - 05:51Atualizado em 09/10/2019 - 06:40

Seria julgado ontem no TRE, mas foi retirado da pauta em cima da hora, o processo contra o deputado Nazareno Martins, movido pelo ex-deputado Cleiton Salvaro, que pode levar a cassação do seu mandato.

Nazareno foi processado por infidelidade partidária (porque saiu do partido, o PSB). Se for cassado, Cleiton assume como deputado.

Julgamento 2

O TRE deve pautar para a próxima semana o julgamento de outro processo movido por Cleiton Salvaro. Desta vez, contra o deputado Bruno Souza, pelo mesmo motivo. Infidelidade partidária (porque trocou de partido).

Assessoria e aliados de Cleiton apostando todas as fichas em vitória neste processo.

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/10/2019 - 05:50Atualizado em 09/10/2019 - 06:43

O ex-governador Eduardo Moreira aterrissa em Criciuma na próxima semana para iniciar processo de ajuste de sintonia com o seu partido, o MDB.

Ele emite sinais que pode disputar eleição para deputado federal em 2022, e para isso precisa se recompor com a sua base principal.

Nos últimos meses, Eduardo se distanciou do MDB de Criciúma, por divergências com o grupo que assumiu o comando do partido, liderado pelo deputado Luiz Fernando Vampiro.

Ele fez vários movimentos, tentou articulações, mas o comando do partido não deu sequência, e fez diferente.

Um destes movimentos foi para tentar evitar a saída do partido do vereador Ademir Honorato.

Ele veio a Criciuma só para pedir ao vereador que ficasse, mas quatro dias depois o comando do partido lhe deu “carta de alforria”.

Depois disso, o comando do partido se posicionou sobre candidaturas para eleição de 2018, sem consultá-lo.

Como efeito, houve um distanciamento com o deputado Luiz Fernando Vampiro, que era o seu afilhado político. Os dois não conversam faz de dois meses.

No encontro do MDB em Siderópolis, no sábado, eles nem trocaram cumprimentos.

Ontem à noite, Eduardo disse que não viu Vampiro, e teve que sair mais cedo.  

Em principio, logo depois que deixou o Governo, Eduardo anunciou disposição de disputar o Senado.

Mas, o espaço para federal está aberto na região, o MDB do sul não elegeu ninguém em 2018.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/10/2019 - 11:05Atualizado em 08/10/2019 - 11:17

A Justiça Federal vai fazer um mutirão nesta quarta e quinta-feira em Araranguá. A ação visa encaminhar acordos de desapropriação das áreas necessárias para realização das obras na BR-285, Serra da Rocinha.

Serão realizadas 78 audiências nesses dois dias na unidade avançada da Justiça Federal do Município. A coordenação dos trabalhos é do desembargador criciumense Jorge Maurique, do Tribunal Regional Federal.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/10/2019 - 06:03Atualizado em 08/10/2019 - 07:24

A ida de Arleu da Silveira para a Câmara de Vereadores não altera os compromissos e encaminhamentos do prefeito Clésio Salvaro com os outros vereadores. Especialmente, Tita Beloli, MDB, e Aldinei Potelecki, PRB.

Tita continua sendo o candidato do prefeito a presidência da Câmara para 2020, último ano do mandato, eleição a ser feita no fim de dezembro.

Poteleck está mantido como líder do governo na Câmara de Vereadores.

Arleu não será presidente, até porque o entendimento majoritário na Câmara é que a vaga seja do MDB.

De outro lado, Arleu será o vereador do governo no plenário (já deixou isso muito evidente ontem), mas não precisará ocupar a função de líder do governo.

Afinal, se a operação feita por Salvaro foi para fortalecer a sua representação na Câmara, ele faria gol contra se mexesse no que estava acertado. Faria conta de diminuir, ao invés de somar.

Tita Beloli se consolidou como candidato do prefeito a presidente depois do seu voto de acordo com a orientação do Paço, na semana passada, quando quase todos da base do governo votaram contra.

A eleição de Tita não será por consenso na câmara, já que o vereador Salesio Lima, PSD, está se articulando, e tenta quebrar a unidade do grupo dos nove. O que até agora, não conseguiu.

Mas, com apoio do prefeito e com o grupo dos nove fechado, sua eleição não tem volta.

Compensação

O vereador Paulo Ferrarezi, MDB, também pleiteia a presidência da Câmara.

Como o jogo está bem encaminhado para Tita, ele deverá ter “medidas compensatórias”.

O comando do MDB vai operar para que ele não saia fragilizado do processo.

Problema de sintonia

Na primeira sessão depois da operação feita pelo prefeito Salvaro para consolidar a sua bancada de apoio na Câmara, dois vereadores do governo votaram contra a orientação do Paço. Camila do Nascimento e Salésio Lima, os dois do PSD.

Foi na votação do veto do prefeito a um projeto aproado pela Câmara. O veto foi mantido, mas sem os votos dos dois.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 07/10/2019 - 18:41Atualizado em 07/10/2019 - 18:42

A volta de Arleu da Silveira para a Câmara de Vereadores suscitou duas discussões nos corredores do Legislativo: se ele, Arleu, volta para ser presidente da Câmara em 2020, e se ele volta para ser o líder do governo. Isso acabou gerando muitas especulações, mas o prefeito Clésio Salvaro tratou de acomodar tudo. Ele chamou hoje o vereador Tita Beloli (MDB) e garantiu que ele será o presidente da Câmara em 2020, e não Arleu. E ele chamou o vereador Aldinei Potelecki (PRB) e assegurou que ele continuará líder do governo  na Cãmara.

Tita Beloli é o candidato de Salvaro para a presidência da Câmara em 2020. Provavelmente, ele terá os votos do grupo dos 9, o mesmo grupo que elegeu os presidentes Julio Colombo (PSB) e Miri Dagostin (PP). O vereador Salésio Lima (PSD) se movimenta para trazer alguém do grupo dos 9 e se eleger presidente em 2020. Mas Tita deu um grande passo para consolidar o apoio de Salvaro. Foi na semana passada, quando ele votou com o governo quando até vereadores da bancada do Paço foram contrários. Com isso, ele praticamente consolidou a sua posição de provável futuro presidente da Casa.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 07/10/2019 - 07:16Atualizado em 07/10/2019 - 08:15

A família Guglielmi, que tem várias empresas no Grupo Guglielmi, um dos mais fortes e tradicionais do Sul, conseguiu resolver uma pendência interna e familiar que se arrastava por 20 anos, e que acabou atrapalhando o crescimento para novos negócios.

A família tinha uma dívida grande com um dos herdeiros, e muitas das empresas estavam em garantia ou eram garantidoras do empréstimo.

Depois de longos anos de discussões, negociações e intenso desgastes, a família fechou acordo com o herdeiro/credor. De todas as empresas do grupo, foram vendidos o Hotel da Guarda e a Água Mineral Da Guarda, e o Hospital São João Batista foi arrendado. Nas outras empresas, foram feitas algumas adequações societárias.

Vencido o impasse, o Grupo vai focar em projetos novos. Alguns já estão sendo encaminhados (na Fazenda de Tubarão e em Laguna Internacional).

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 07/10/2019 - 06:00Atualizado em 07/10/2019 - 07:21

No dia de hoje, ano que vem, os eleitos ja terão comemorado, feito entrevista coletiva e provavelmente iniciado o processo de composição de governo. A eleição será no dia 4.

Em política, um ano passa rápido. Mas, há muito ainda a ser encaminhado em Criciúma, maior cidade do Sul, para definir o mapa da eleição.

Antes disso, há duas perguntas a responder.

Primeira - o “furacão" de 2018 ainda vai produzir desdobramentos e influenciar na decisão de voto?

Segunda - vai ter vários candidatos a prefeito ou vai ter um de situação e um de oposição?

A partir das respostas, e quando elas puderem ser dadas com segurança, o mapa estará definido e as apostas poderão ser feitas com maior segurança. Porque, dependendo da resposta, muda tudo.

Hoje, a rigor, tem um candidato na praça. O prefeito Clésio Salvaro, PSDB, que vai a reeleição. Provavelmente com o mesmo vice, Ricardo Fabris, PSD.
Além dele, tudo é especulação (e muito chute).

Jorge Boeira (PP), deputado Jessé Lopes, coronel Cosme e vereador Julio Kaminski (PSL), Angela Mello (MDB), Jeferson Monteiro (PL), deputado Rodrigo Minotto (PDT) e Andre Casagrande (Novo) são os mais citados.

Quantos e quais serão confirmados, vai depender das articulações a partir de agora, do desempenho do Governo Salvaro e suas relações com a sociedade, das influências externas e do ambiente predominante.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/10/2019 - 19:52Atualizado em 06/10/2019 - 20:21

A psicóloga Carla Leal Cunha foi a mais votada na eleição por uma das 10 vagas para o Conselho Tutelar de Criciúma. Ela teve 452 votos.

A campeã de votos

Durante o domingo, foram indetificadas irregularidades na eleição, destaque para uma Van que transportava eleitores, flagrada pelo Ministério Público.

Dois boletins de ocorrência foramregistrados na polícia.

Para as outras vagas no Conselho, só um homem foi eleito.

Todos os eleitos, abaixo:

Carla Leal - 452 votos

Andreia de Souza Crispim - 422 votos

Maria Rosimeri Monteiro - 389 votos

Sonia de Souza - 378 votos

Vanderleia Alexandre - 330 votos

Rosilene da Silva - 329 votos

Silvia Custodio - 268 votos

Valdiza Gloria - 237 votos

Marcio da Silva - 222 votos

Andreia Machado - 197 votos

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 05/10/2019 - 12:52Atualizado em 05/10/2019 - 12:53

Até as pedrinhas de petit pave do parque Centenário sabem que Arleu da Silveira é o braço direito do prefeito Clesio Salvaro. Por isso, a saída do governo não representa demissão ou descarte.
Acontece que o prefeito está no terceiro ano de mandato e não consegue ter uma base solida/segura na câmara.
Tem maioria suficiente para aprovar algumas matérias, mas tem que engolir derrotas quando não espera, como foi o caso da semana, quando teve apenas três votos. O próprio líder do governo, Aldinei Poteleck, votou contra.
Como o ambiente político tende a ficar mais pesado daqui a em diante, por causa da eleição de 2020, e isso vai repercutir na câmara, o prefeito decidiu fazer a operação para reforçar a base de apoio e ter mais um articulador afinadíssimo com ele e com o governo.
Arleu da Silveira foi campeão de votos na eleição de 2016 (3.431 votos), mas nem chegou a assumir na câmara. Vai estrear neste mandato na segunda-feira.
Em condições normais, essa mudança seria feita no final de marco, no prazo de desincompatibilização.
Mas, as circunstâncias adversas determinaram que fosse antecipada.
Tomada a decisão de deslocar Arleu para a câmara, o prefeito optou por um novo secretário de governo com perfil técnico, reconhecidamente competente, sem carreira política. Vagner Espíndola, o Vaguinho, é da sua confiança, é o homem dos grandes projetos, operações com bancos e relações com os governos federal e do estado.
Vaguinho foi da equipe de governo do primeiro mandato de Salvaro.
Foi uma mudança apenas, mas na posição mais estratégica do governo.

Quem sai
Com a ida de Arleu para a câmara, Alisson Pires volta à condição de suplente.
A propósito, não é por isso, mas ele deve sair do PSDB nos próximos dias.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 05/10/2019 - 12:51Atualizado em 05/10/2019 - 12:52

O ex-deputado federal Jorge Boeira, PP, até então muito discreto, sem se manifestar em público, operando apenas nos bastidores, fez um primeiro movimento politico nesta sexta-feira, sinalizando para sua candidatura a prefeito em Criciúma, em oposição ao prefeito Salvaro.
Boeira publicou um longo texto no facebook em defesa da atenção às crianças e investimento na educação.
No conteúdo, fez questionamentos e criticas à postura do prefeito nos casos de meningite e pela declaração infeliz sobre as crianças da rede púbica que não tomam banho e não sabem que é o pai.
Mais tarde, sobre a repercussão que teve o texto, Boeira comentou:
" Acho que o prefeito está muito cansado e irritado, afinal de contas faz cinco eleições que ele disputa e sobram após as eleições disputas jurídicas que o coloca em estado de tensão permanente”.

Jessé candidato
O deputado estadual Jesse Lopes, PSL, que havia rechaçado a possibilidade de disputar a eleição para prefeito de Criciuma em 2020, mudou de opinião e se apresentou como candidato.
Na nota que publicou, ele justificou a decisão:
Dado ao atual cenário a respeito dos possíveis candidatos do PSL, se não houver uma definição que agrade a maioria, se qualquer definição dada não tiver respaldo do apoio popular, eu colocarei meu nome a disposição”.
Com isso, está sinalizando que não aprova os nomes especulados. Ou pelo menos, os que foram citados mais recentemente, que o fizeram mudar de opinião.

Jessé 2
A decisão do deputado Jessé pode criar embaraço para o governador Moisés, que não abre mão de candidatura do PSL a prefeito de Criciúma.
Mas, ele está rompido com Jessé, que é fundador do partido em Criciúma e era o presidente da executiva municipal até agosto.
Se não conseguir viabilizar uma alternativa com maior potencial de votos, o governador terá que administrar a situação com Jessé.

 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13