Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 07/11/2018 - 06:55Atualizado em 07/11/2018 - 09:17

O governador Eduardo Moreira oficializou na reunião com deputados estaduais do MDB, ontem, em Florianópolis, a sua intenção de voltar a presidir a executiva estadual do partido. Mas, sem disputa.

Ele enfatizou que não tem disposição para disputar a presidência com outros pretendentes.

Antes, lembrou que presidiu o partido por 10 anos e deixou o posto para encaminhar o consenso em torno do deputado Mauro Mariani, que o sucedeu.

Depois, como governador, era candidato natural à reeleição, mas abriu mão de novo em favor Mariani, para evitar a disputa interna, com tendência de racha.

Agora, disse que está estimulado para a missão de motivar o partido, ampliar sua capilaridade e modernizar a gestão.

O prefeito de Joinville, Udo Döhler, estava na reunião e sinalizou apoio para candidatura de Eduardo.

Eduardo, Udo e o deputado estadual reeleito Luiz Fernando Vampiro se reuniram depois na Casa da Agronômica (foto).

A maioria da bancada do MDB apoia Eduardo.

Ele deu a entender que pode rever a decisão de morar alguns meses no exterior em 2019, se for eleito presidente do partido.

Ao lado de Eduardo estava sentado o deputado federal eleito Carlos Chiodini, ligado a Mauro Mariani, que também se apresenta como candidato à presidência do partido.

Em princípio, a eleição da nova executiva estadual do MDB está marcada para o dia 8 de dezembro. Mas, o grupo de Mariani e Chiodini tenta prorrogar para 2019.


PR deve filiar Tati

O PR está em vias de confirmar a filiação da ex-vereadora Tati Teixeira, hoje filiada ao PPS.

Ela foi candidata a deputada estadual e recebeu 7.010 votos em Criciúma. Foi a quarta mais votada no município.

No total, fez 11. 256 votos.

A filiação de Tati, se confirmada, faz parte da estratégia do partido de se fortalecer para eleição de 2020.


Nicola assume Fundação

O jornalista Nicola Martins, presidente municipal do PR, será anunciado até amanhã como novo presidente da Fundação Municipal de Esportes. Com isso, o PR passará a fazer parte do governo do prefeito Clésio Salvaro e do seu projeto em buscar a reeleição em 2020.

Nicola foi convidado na segunda-feira, recebeu sinal verde do senador eleito e presidente estadual do partido, Jorginho Mello, e já decidiu aceitar.


Primeira peça

A entrada de Nicola é a primeira movimentação que Salvaro faz no “tabuleiro” projetando a eleição de 2020.

Outras mudanças serão feitas até a virada de ano.

Além do PR, outros partidos devem ser atraídos para o governo.

Salvaro também articula para levar pelo menos dois vereadores para o PSDB.


Estrago

O convite de Salvaro para Nicola assumir a fundação de esportes provocou desconforto interno, porque o atual presidente, Sandro Araújo, não sabia de nada. Nem seus aliados (e apoiadores) como o secretário Arleu da Silveira e o empresário Flavinho Spillere.


Sem garantia

Quando Acélio Casagrande, secretário de Saúde do Estado, anunciou a referência em oncopediatria para o Hospital São José, na segunda-feira, não havia nenhuma garantia de recursos para os serviços.

Tanto é que o documento só foi assinado por Acélio como hospital. A Prefeitura não assinou.

Somente ontem à tarde chegou no hospital o documento informando sobre remanejamento de recursos que estavam previstos para atender crianças da região de Laguna no Hospital Joana de Gusmão, em Florianópolis.

Em torno de R$ 14 mil/mês.

Decisão tomada na reunião de ontem, um dia depois da cerimônia feita. E o repasse ainda precisa ser confirmado, dependendo de teto e outras detalhes técnicos.


Dia de decisão

Será hoje, em Brasília, o julgamento no STF do recurso do deputado federal João Rodrigues (PSD), que pede o reconhecimento da prescrição da centena que o levou à prisão.

Se o recurso for acolhido pela maioria, João estará liberado, elegível e os seus votos serão validados.

Nesta condição, ele se reelege e pega a vaga que é do criciumense Ricardo Guidi (PSD).

Mas, se perder o recurso, voltará para a cadeia e Guidi estará confirmado deputado federal.


Só na quente

O jornalista Arthur Lessa perguntou para Acélio Casagrande, no estúdio da Som Maior, segunda-feira, se ele projeta candidatura para eleição de 2020 em Criciúma.

Acélio disse que precisa avaliar, mas arrematou: “eu só não vou mais entrar em fria”.


Com o MP

O governador eleito, Carlos Moisés (PSL) esteve, ontem, no Ministério Público de Santa Catarina. Foi conhecer as ferramentas de gestão oferecidas pelo órgão (foto). Foi uma das únicas reuniões, nos últimos dias, que não fora da estrutura do Governo do Estado onde está focado em adquirir o maior número de informações.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/11/2018 - 06:54Atualizado em 06/11/2018 - 09:15

Uma comissão de técnicos da Fiesc virá a Criciúma, amanhã, especialmente para a reunião com prefeitos e empresários da região sobre a proposta do Governo Federal para implantação de praças de pedágio no trecho Sul da BR-101 e a tarifa pretendida.

A reunião de amanhã, 14h, está sendo convocada pela Amrec.

A vinda da comissão de técnicos foi articulada na Fiesc pelo presidente da Acic, empresário Moacir Dagostim. É, sem dúvida, uma boa notícia, porque garante maior respaldo aos encaminhamentos que serão feitos a partir da reunião.

Mas, a melhor notícia é que prefeitos e empresários da região estão decididos a produzir documento único para ser protocolado no Governo Federal, com sugestões para alterações no cronograma que está apresentado.

O prazo para envio de sugestões para a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) termina na sexta-feira, dia 9.

A única possibilidade de mudar alguma coisa do que está encaminhado é com demonstração de unidade do Sul, com empresários e prefeitos juntos de fato, através de suas associações, com o apoio político explícito de deputados e senadores do estado (os atuais e os que vão assumir em 2019).

O Sul não pode ser contra o pedágio, porque é a única forma de garantir a manutenção da estrada.

Mas, é inadmissível que sejam adotadas regras diferentes para os trechos Norte e Sul da BR-101 no estado.

No trecho Norte, de Florianópolis para cima, a tarifa é R$ 2,70 e tem três praças de pedágio, uma distante 100 quilômetros da outra.

Para o trecho Sul estão projetando mais quatro praças, distante 50 quilômetros uma da outra, e tarifa de R$ 4,20, valor de hoje, que vai sendo atualizado até a implantação.

O mínimo que o Sul deve cobrar é mesmo tratamento. Nem mais, nem menos. Mas, mesmo que pareça óbvio, simples, vai ser preciso muita briga em Brasília.


Uma questão de tempo

Em Florianópolis, ontem, a Câmara de Vereadores aprovou projeto de lei que estabelece horário livre para o comércio.

A proposta do vereador Bruno Souza (PSB) foi aprovada por 16 votos favoráveis, três abstenções e quatro ausências.

Atualmente, a legislação permite que os estabelecimentos comerciais funcionem das 7 às 22h, durante a semana, e das 7 às 20h, aos sábados. Quando o projeto virar lei, cada loja define o seu horário.

A flexibilidade é efeito dos novos tempos e costumes.

Nem todas as lojas precisam abrir ou fechar nos mesmos horários. O comércio precisa se adaptar cada vez mais à disponibilidade do consumidor.

Em Criciúma, a discussão sobre horário livre já foi feita quando Eduardo Moreira era prefeito e Fábio Carpes o secretário de Planejamento, década de 90.


Clésio com o Comandante

O prefeito Clésio Salvaro (PSDB) se reuniu, ontem, com o governador eleito Comandante Moisés (PSL), em Florianópolis.

Foi o primeiro prefeito a se reunir com Moisés depois da sua eleição no segundo turno.

A conversa foi no centro administrativo, a pedido do prefeito, e demorou poucos minutos.

Salvaro informou que precisa tratar do CASE e Moisés garantiu que sua assessoria vai marcar audiência para os próximos dias.

O prefeito estava acompanhado dos vereadores Geovana Zanette (PSDB) e Ademir Honorato (MDB).


Com o Comandante 2

Salvaro recorreu ao governador eleito depois de ouvir do atual governo que não há previsão para execução das obras incluídas nas medidas compensatórias negociadas com a comunidade para operação do CASE.

A obra está pronta, mas enquanto o governo não anunciar o cronograma de obras, a prefeitura não emite licença para operação.


O primeiro

Antes de Salvaro, o governador eleito Comandante Moisés despachou, ontem, com outro criciumense. Secretário Acélio Casagrande, da Saúde.

Mas, a reunião entre eles demorou mais de três horas. Acélio deu todos os detalhes do funcionamento da secretaria e da dívida que vai ficar.

Segundo Acélio, será em torno e R$ 500 milhões, o que representa menos da metade do que recebeu em fevereiro.


Sob nova direção

O deputado estadual eleito Coronel Mocelin (PSL), já anunciado como futuro líder do governo do Comandante Moisés na Assembleia, reiterou, ontem, na Som Maior, que o fechamento das secretarias regionais estará entre os primeiros atos, em janeiro.

Descartou, no entanto, a possibilidade de privatização da Casan e Celesc. “Se a empresa pública dá lucro, não tem que privatizar, e essas duas estão superavitárias, e bem administradas”, argumentou.

 
Do quadro

Mocelin disse também que a equipe de governo terá muitos técnicos que são funcionários de carreira do Estado.

“Em todas as secretarias tem profissionais competentes”, disse


Fora do comando

O deputado Mocelin informou que o PSL decidiu não que não terá candidato à presidência da Assembleia.

Vai compor com outras forças políticas alinhadas ao novo governo.

Disse que o PSL só vai pleitear um cargo na mesa, que será ocupado pelo deputado Ricardo Alba, de Blumenau, o mais votado entre todos os deputados eleitos.

Mas, garantiu que não há nenhuma negociação em andamento.


Julio no páreo

O deputado estadual eleito da região Julio Garcia (PSD) é o mais forte candidato à presidência da Assembleia.

Ele vem recebendo manifestações de apoio de deputados de vários partidos. Mas, por enquanto, ainda não confirmou a candidatura.

Se for eleito presidente, Julio será a principal função política de Criciúma a partir de janeiro.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 05/11/2018 - 06:53

A rodovia Aristides Bolan, conhecida como Via Rápida, foi inaugurada no dia 20 de dezembro. Faz quase um ano. Mas, ficaram pendências que até hoje não foram resolvidas.

Nada diminui a obra. O maior investimento do Governo do Estado em Criciúma e Içara, mais de R$ 120 milhões, que garante acesso rápido à BR-101.

Até hoje, no entanto, não existe sinalização adequada na BR-101 para orientar sobre a existência do novo acesso a Criciúma. Porque quem não mora em Criciúma, ou na região, não sabe da existência da Via Rápida.

A inclusão do nome "Via Rápida" na placa padrão colocada na BR-101, entre outras indicações de bairros, comunidades e cidades, não explica. Não diz o que é.

Além disso, aquele trevo de acesso, para quem vem do Sul, é um quebra-cabeça. Mesmo quem está acostumado, tem que tomar cuidado para não se atrapalhar.

Também falta a iluminação, que foi prometida, mas não instalada.

A manutenção não está sendo feita. O mato está alto. Começam a surgir os primeiros buracos na pista. Teve alguns deslizamentos (pequenos) e problemas no meio fio e acostamento, quase todos por causa de batidas e pequenos acidentes.

Ainda tem indenizações que não foram pagas e o Governo do Estado não faz sequer sinalização de prazo. E são muitos casos.

Os credores são agricultores, que cederam suas terras para que a obra fosse feita e tiveram que aceitar os valores estabelecidos pelo Estado para pagamento. Mas, estão esperando faz anos.

Nada a questionar em relação à obra. Importante, histórica, necessária, coloca a BR-101 mais perto de Criciúma.

Só que o Governo do Estado precisa efetivamente concluir a obra, resolvendo todas as suas pendências.

Na beira da praia

Ontem, a beira da praia do Rincão teve carros fazendo "cavalo de pau” e outras manobras. E teve motos também. Principalmente na Zona Sul.

Moradores e veranistas fizeram vídeos e repassaram. Todos indignados. Porque parecia terra de ninguém!

Aparentemente, motoristas embriagados.

Enquanto isso, adultos e crianças circulavam no mesmo espaço. Em perigo!

Até quando ?!

Na Praça

O vice-prefeito Ricardo Fabris, representando o governo municipal, e a reitora da Unesc, professora Luciane Ceretta, com representantes da rede Angeloni e Duna Veículos, cortaram o bolo de aniversário de emancipação de Criciúma, na festa de sábado, na Praça Nereu Ramos.

Foi um evento especial, organizado mais uma vez pela Som Maior, com show da Camerata Florianópolis.

Apesar da chuva, tinha muita gente. As cadeiras na estrutura coberta e nos camarotes estavam todas ocupadas, e muitos ficaram de pé, de guarda chuva.

A mostrar que o criciumense gosta de música, e de bons espetáculos.

No aeroporto

Um empresário de Criciúma embarcou no Aeroporto de Jaguaruna para São Paulo e deixou o seu carro no estacionamento pago.

Por questão de horário, teve que retornar pelo Aeroporto de Florianópolis.

Quando foi buscar seu carro em Jaguaruna, a surpresa. O estacionamento estava fechado e na guarita um aviso: “já volto”.

Por cima

Na GloboSat, canal pago, foi apresentado, ontem à tarde, no programa “Brasil visto por cima” um material fantástico sobre as serras do Rio do Rastro e Corvo Branco.

Teve imagens de impressionar o mundo dos canyons, do Morro da Igreja (em Bom Jardim, limite com Orleans), da pedra furada.

Bom Jardim, Orleans, Grão Pará, Urubici, Urupema e Lages foram destacadas.

Fake News

O Ministério da Educação teve que se apressar em desmentir uma notícia falsa, que simulando o site G1, circulou dizendo que as provas do Enem haviam sido canceladas por suspeitas de fraudes. As fake news foram o maior desafio durante o pleito eleitoral e pelo jeito seguem desafiando os órgãos competentes. A Polícia Federal deverá investigar de onde partiu a informação falsa.

Pós-eleição

A Associação Empresarial de Criciúma (ACIC) encaminhou ofício para todos os eleitos pela região Sul, são oito deputados estaduais e três federais. Além de parabenizar pela vitória nas urnas, lembrou da campanha do Sul pelo Sul que incentivou o voto em candidatos daqui, mas também elencou uma pauta de prioridades e que agora deve ser cobrada.

Atendimento ampliado

O Hospital São José passa a ser oficialmente referência em Oncopediatria para todo o Sul do estado. Hoje, o secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande, a primeira-dama do Estado, Nicole Torret Moreira, a direção do Hospital São José e Casa Guido, assinam o Termo de Compromisso de Alta Complexidade de Oncologia Pediátrica para a Região Sul de Santa Catarina. Na prática, aumentará o atendimento de crianças em tratamento contra o câncer.

Fortalecimento dos hospitais

O Hospital Dom Joaquim, de Sombrio, há anos vem numa luta para não fechar em definitivo suas portas. Agora, parece viver um momento de estabilidade e isso tem a importante participação do secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande. Foram autorizadas pelo Governo do Estado, por meio do contrato para atendimentos pelo SUS, mais 150 cirurgias de varizes e 280 ultrassons com doppler por mês.

Projeto Ver

A Secretaria de Saúde que foi notícia pelo tamanho da dívida, aos poucos, passa a ter dados positivos. O Projeto Ver, de cirurgias de cataratas, comemora R$ 20 milhões investidos que beneficiaram mais de 18,5 mil pacientes e até dezembro deste ano serão 20 mil cirurgias.

Transição

Essa semana marca a transição de gestão no Hospital Regional de Araranguá (HRA) do Ideas, que resolveu por conta própria deixar a entidade, para o Instituto Maria Shmitt, segundo colocado na licitação. Para a oficialização está sendo aguardado o parecer da Procuradoria Geral do Estado, solicitado pela comissão de licitação da Secretaria de Estado da Saúde, para que seja realizada ou não a rescisão do contrato com o Ideas e oficializada a posse do Maria Schmitt.

Adesivaço

Representantes da chapa 81 para a OAB estadual e 101 para subseção de Criciúma realizaram um adesivaço, no fim da tarde deste domingo. O atual presidente da OAB Criciúma, Fábio Jeremias, concorre ao Conselho Federal na chapa que tem Rafael Horn disputando a presidência da Ordem em Santa Catarina. Rafael Búrigo é o candidato a presidente da OAB Criciúma.

Pelas redes sociais

Desde antes e durante a campanha já era costume do agora presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), se comunicar através das redes sociais, tanto é que assim que as urnas confirmaram sua vitória fez primeiro um pronunciamento através do Facebook para depois falar em rede nacional. Agora, o PSL lançou uma página oficial, denominada Muda de Verdade, e onde serão postadas as decisões durante o período de transição a partir desta semana. Ainda há canais no Twitter, Facebook e Instagram.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 03/11/2018 - 06:55

Enquanto o futuro governo de Jair Bolsonaro já tem cinco ministros anunciados.

Todos os nomes causaram boa impressão, com destaque para o juiz federal Sérgio Moro, o economista Paulo Guedes e o astronauta Marcos Pontes.

O presidente eleito Bolsonaro apresentará na segunda-feira os 24 nomes da sua equipe de transição e anunciará todos os ministros até o final de novembro.

Enquanto isso, em Santa Catarina o governo do Comandante Moisés continua "zerado".

O Comandante está pessoalmente envolvido em longas reuniões fechadas com técnicos do atual governo, conhecendo detalhes da máquina estatal, e praticamente sozinho. Só levou dois professores da universidade federal. Ninguém da sua equipe de campanha. Nem Lucas Esmeraldino, presidente estadual do partido, que o colocou no partido e bancou sua candidatura ao governo.

A vice, Daniela Reinehr, foi convidada para uma das quatro reuniões realizadas.

No entorno do Comandante Moisés tem um grupo de coronéis da reserva e oficiais da

Polícia Militar que o mantêm isolado, inacessível.

Moisés só fez uma reunião política depois de eleito.

Chamou os deputados eleitos do PSL, seu partido, para “comunicar” que o líder de governo será o Coronel Mocelin, que será deputado de primeiro mandato, sem nenhuma experiência política, mas que foi o escolhido porque é seu amigo pessoal de muito anos.

A tradição indica que o líder de governo seja um deputado habilidoso, de bom trânsito com outras bancadas, para ter condições de facilitar o relacionamento do governo e encaminhamento de projetos. Mocelin é conhecido por posições radicais. Ele repudia relação com políticos tradicionais.

O governador eleito não havia feito nenhuma discussão com a direção do partido ou com os deputados sobre a definição do líder de governo. Na reunião, ouviu reação, mas não recuou. Manteve a decisão.

Os primeiros movimentos preocupam até aliados do Comandante.

 

A transição

O Comandante Moisés desmontou o seu comitê de campanha, dispensou todo mundo e passou a usar até a estrutura de imprensa do atual governo.

As informações repassadas são mínimas. Restritas basicamente aos participantes das reuniões com técnicos do governo.

 

Conhecendo

Deputado estadual eleito Jesse Lopes (PSL) tem deixado boa impressão.

Na véspera da eleição de segundo turno, estava em cima do caminhão que liderou a carreata do PSL.

Na apuração do segundo turno, apesar de convidado para estar na Capital, ficou em Criciúma, no Parque das Nações, como o eleitor comum.

Na reunião com outros deputados eleitos de Criciúma, passou todo o tempo buscando informações.

Na semana passada, foi com o pai, Julio Lopes, presidente local do PSL, se reunir com o presidente da Assembleia, Silvio Dreveck (foto).

 

Novos nomes

Em Araranguá, os movimentos para a eleição de prefeito em 2020 indicam para uma disputa entre novos nomes.

Primo Junior (atual vice-prefeito), Beto Risoto (presidente da Aciva) e Evandro Scaini (ex-prefeito de Arroio do Silva, comerciante na cidade) são os que mais tem se movimentado e largam na frente.

 

Giassi exonerado

O Conselho Universitário da Unesc aprovou por unanimidade o desligamento em definitivo, e por justa causa, do professor Dorival Giassi.

Ele já estava afastado das funções e respondendo a inquérito administrativo desde dezembro de 2017. Mas, mesmo afastado, continuava a receber remuneração.

 

Giassi 2

A exoneração de Giassi é mais uma decorrência de sua condenação pela Justiça por improbidade administrativa.

Ele foi denunciado por desvio de recursos na época em que era pró-reitor financeiro da universidade.

No mesmo processo também foi condenado o professor Miguel Mastella, que era funcionário da universidade e secretário do Sistema Econômico da Prefeitura de Criciúma.

A sentença foi assinada pelo juiz Pedro Aujor Furtado Júnior, da Comarca de Criciúma, que obriga os condenados a devolver aos cofres públicos R$ 707 mil.

Giassi era coordenador do curso de Ciências Contábeis em dezembro de 2017, quando foi afastado.

 

Alunos de outras cidades

Na polêmica das rematrículas de alunos de outros municípios nas escolas de Criciúma, chamou a atenção a postura equivocada do prefeito de Forquilhinha, Dimas Kammer.

Não aceita fazer nenhuma compensação financeira. Se mostrou preocupado apenas com o financeiro, e deu de ombros para a situação das crianças.

A rigor, nenhum problema se alguns alunos de uma escola, cinco ou seis, sejam de outros municípios. Mas, na escola do Bairro São Roque, Criciúma, mais da metade é de Forquilhinha.

Alunos de Criciúma não conseguem estudar ali porque a escola está lotada. Não tem mais vagas.

Toda a estrutura da escola é custeada por Criciúma (professores, estagiários, merendeiras, limpeza, etc).

 

Juíza tem parentes no estado

A juíza Gabriela Hardt, que vai assumir os processos da Lava Jato que estavam com o juiz Sergio Moro, é neta de catarinense.

Seu avô, Jorge Hardt, empresário de Indaial, fundou as Lojas Hardt faz quase 100 anos.

Ela é sobrinha de Frederico Hardt, conhecido como Lico, que foi prefeito de Indaial entre 1993 e 1996.

Gabriela Hardt tem 42 anos e ficará à frente dos processos da Lava Jato até que seja escolhido um novo juiz titular - ela não pode assumir em definitivo porque é juíza substituta.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 01/11/2018 - 16:58Atualizado em 01/11/2018 - 17:10

O Conselho Universitário da Unesc, reunido nesta quinta-feira, aprovou o desligamento em definitivo, e por justa causa, do professor Dorival Giassi.

Ele já estava afastado das funções e respondendo a inquerito administrativo desde dezembro de 2017.

Mas, mesmo afastado, continuava a receber remuneração.

Decisão de ontem no Conselho foi aprovada por unanimidade.

As decisões são decorrência do fato de Dorival Giassi ter sido condenado pela justiça por improbidade administrativa.

Ele foi denunciado por desvio de recursos da época em que era pró-reitor financeiro da universidade.

No mesmo processo também foi condenado o professor Miguel Mastela, que era funcinário da universidade e secretário do Sistema Econômico da Prefeitura de Criciúma.

 A sentença foi assinada pelo juiz Pedro Aujor Furtado Júnior, da Comarca de Criciúma, que obriga os condenados a devolver aos cofres públicos R$ 707 mil.

Giassi era coordenador do curso de ciências contábeis em dezembro de 2017, quando foi afastado. 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 01/11/2018 - 06:55Atualizado em 01/11/2018 - 09:11

O governador eleito Comandante Moisés (PSL) tem vários secretários definidos, mas só vai fazer anúncios na próxima semana, depois de concluir a busca de informações setoriais junto ao Governo do Estado.

É provável que dois secretários sejam do Sul.

Moisés começou a tratar de nomes para o colegiado depois do debate do segundo turno realizado na Som Maior FM, o último da campanha, no dia 23 de outubro.

De acordo com assessores próximos, a condição de Gelson Merisio (PSD) naquele debate deu a entender que ele havia “registrado o golpe” e que a vitória era perspectiva real.

Naquele debate, Merisio estava abatido, irritado, tenso.

A partir daquele debate, técnicos de carreira do Governo do Estado e da iniciativa privada, professores de universidades, profissionais liberais e gestores públicos passaram a ser envolvidos nas discussões com o Comandante Moisés para montagem do plano de governo.

Na segunda-feira, Moisés informou aos integrantes da coordenação de campanha que faria as reuniões setoriais com o atual governo apenas com o professor Dr Luiz Felipe Ferreira, do departamento de Ciências Contábeis da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), que é da sua relação pessoal.

A primeira reunião foi na terça-feira com o secretário da Fazenda, Paulo Eli, e sua equipe. Ontem, foi com o secretário de Administração, Milton Martini, e seus assessores mais próximos.

Moisés e o professor Luiz Felipe têm feito verdadeiras entrevistas, indo aos mínimos detalhes, para dissecar tudo sobre procedimentos, limites legais, sistemas, estruturas, restrições, processos de licitações.

Hoje, será com Planejamento e Defesa Civil.

Como tem o feriado, amanhã, as reuniões devem se estender até quarta-feira.


Os nomes

Mais um nome do Sul do estado passou a integrar a lista de especulações para o secretariado do Comandante Moisés. Professor Silvestre Herdt, ex-reitor da Unisul. Estaria mapeado para a Educação.

Além dele, estão citados Julio Lopes (para Cultura, Esporte e Turismo) e Julio Kaminski.

O presidente estadual do PSL, Lucas Esmeraldino, de Tubarão, será secretário de estado se o TSE não cassar o senador eleito Jorginho Mello (PR), o que viabilizaria a sua posse no Senado.


Nada oficial

O deputado estadual eleito Jessé Lopes (PSL) esteve, ontem, com o Comandante Moisés e ouviu que ninguém ainda foi oficialmente convidado para compor o futuro secretariado.

Moisés teria confirmado que convites só serão feitos a partir da próxima semana.


Para prefeito

O PSL pode não investir apenas no vereador Julio Kaminski (hoje ainda no PSDB) para ser o candidato a prefeito de Criciúma em 2020.

O empresário Cesar Smielevski, ex-presidente da Acic, já teria sido convidado a filiar com o mesmo objetivo - eleição municipal de 2020.


Mais uma semana

A confirmação da posse do deputado federal eleito Ricardo Guidi (PSD) ficou para a próxima semana.

O ministro Gilmar Mendes, relator do processo que trata no STF do caso do deputado federal João Rodrigues, pediu adiamento durante a sessão de ontem.

O processo estava na pauta de julgamento da sessão do STF, mas o ministro Gilmar justificou o adiamento pelas ausências de dois ministros. Provavelmente, preocupado com o “placar final”.

O parecer de Gilmar é favorável a João Rodrigues. O ministro Luiz Barroso é radicalmente contra. Foi ele quem mandou prender o deputado João.

No recurso, João Rodrigues pede que seja reconhecida a prescrição da pena. Se vencer no STF, será liberado, recupera a elegibilidade e os votos que recebeu no dia 7 de outubro serão validados. E assim, ganhará a segunda vaga do PSD e Guidi vai para a suplência.

Se João Rodrigues perder o recurso, o mandato de Guidi estará assegurado.


Acordo garante rematrícula

Acabou sendo bem resolvida a polêmica das rematrículas na rede pública de Criciúma para alunos de outras cidades.

Em síntese, os municípios onde as crianças vão repassar uma compensação financeira.

O entendimento foi aprovado durante reunião do prefeito Clésio Salvaro com os prefeitos de Içara, Murialdo Gastaldon, e de Forquilhinha, Dimas Kammer.

Mas, só o de Içara bateu o martelo e fechou o acordo.

O prefeito de Forquilhinha pediu tempo para avaliar com sua equipe.


Não é SUS

Nesse caso, quem não pode sair perdendo, ou prejudicada, é a criança. Tem que garantir escola, e no lugar que for melhor.

Mas, Criciúma não pode pagar a conta que é de outros municípios. Não tem SUS na educação.

O Fundeb (fundo de educação básica), repassado pelo Governo Federal, paga só uma parte do custo por criança.

O que o prefeito Salvaro fez foi colocar “o bode na sala”. Anunciou que iria proibir rematrícula de aluno de outras cidades, provocou reações, e fez com que os "prefeitos vizinhos” viessem negociar.


Já está proibido

Acontece que a intenção anunciada por Salvaro de proibir quem é de fora, já é prática em Forquilhinha.

Aluno de fora não matricula na rede municipal. O criciumense Luiz Paulo Zanette Mendes é um caso.

Ele diz que sua mulher trabalha em Forquilhinha, mas mesmo assim não aceitaram os seus filhos rede pública do município.

Ele teve que sair do emprego para cuidar dos filhos (três gêmeos).


Sem demagogia

Depois de encaminhar acordo com os prefeitos, Salvaro se reuniu com vereadores, porque tem que ser aprovado pela Câmara Municipal.

Mas, ele abriu a reunião disparando - “temos que acabar com a demagogia e a hipocrisia, o assunto é sério e tem que ser tratado com responsabilidade”.

Era um recado principalmente ao vereador Pastor Jair Alexandre, que havia se posicionado contra o corte da rematrícula e feito críticas a intenção anunciada.


Parabéns a Você

Depois da reunião sobre a rematrícula, o prefeito Salvaro mandou trazer um bolo para homenagear o vereador Ademir Honorato (MDB), que estava de aniversário. Seguido do parabéns a você.


Regulamentação

A regulamentação de transportes por aplicativos em Criciúma passa a ser discutida na Câmara de Vereadores. O projeto de lei foi encaminhado, nesta quarta-feira, logo após apresentação aos vereadores, que participaram de reunião no Paço Municipal com o prefeito Clésio Salvaro (PSDB). A intenção de mudar a forma de administração dos terminais de transporte coletivo, por meio de condomínio, também entrou na pauta do encontro.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 31/10/2018 - 17:18Atualizado em 31/10/2018 - 17:35

Prorrogado o tempo de angústia para o deputado federal eleito Ricardo Guidi (PSD).

O julgamento no STF do recurso do deputado federal João Rodrigues (PSD), que estava pautado para hoje à tarde, foi adiado para a próxima semana.

O ministro Gilmar Mendes, relator do processo, pediu adiamento do julgamento devido ao baixo quórum. Ele preferiu incluir na pauta da sessão do STF da semana que vem. Não estavam presentes os ministros Luiz Fux e Dias Toffoli.

No recurso, o deputado João Rodrigues pede que seja reconhecida a prescrição da sentença que o levou à cadeia no inicio do ano. O parecer do relator é a seu favor.

Se o recurso for acolhido, Rodrigues ficará elegível, seus votos validarão e ele será o segundo deputado federal do PSD, ocupando a vaga de Ricardo Guidi.

Amparado numa liminar, João Rodrigues está em liberdade e disputou reeleição para federal. Mas, os seus votos foram "geladeira", não constam no registro oficial, porque aguardam a decisão do STF.

         

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 30/10/2018 - 06:10Atualizado em 30/10/2018 - 08:54

A derrota imposta aos principais partidos do estado pelo tsunami eleitoral deve levar a troca dos seus comandos. Em alguns casos, por entendimento/consenso. Em outros, com disputa.

O processo já foi deflagrado logo depois do primeiro turno, e está em curso. Políticos do sul estão diretamente envolvidos.

No MDB, o presidente da executiva estadual, deputado Mauro Mariani, que impôs sua candidatura ao governo e não conseguiu chegar no segundo turno, tomou a iniciativa de jogar a toalha e pedir para sair. Passa o bastão em dezembro. Ele teve humildade para percebeu que sua capacidade de comando se esvaiu depois do “vexame eleitoral”. 

O governador Eduardo Moreira, ex-prefeito de Criciúma, é candidato à presidente e está trabalhando para isso.

No PSDB, o deputado Marcos Vieira, presidente estadual, não demonstra interesse em deixar o cargo, mas existem articulações fortes para isso, em função da derrota do partido nas urnas.

O PSDB tem hoje dois senadores e dois deputados federais, mas no próximo mandato só terá uma deputada federal. A criciumense Geovania de Sá, reeleita com o dobro de votos da eleição anterior.

Ela é candidata a presidente e trata do assunto com o ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes.

No PP, a direção apostou todas as fichas na aliança com Gelson Merisio, PSD, e se deu mal. O partido encolheu na eleição. 

Ademais, os deputados que estão no comando do partido e disputaram a eleição, ficaram na estrada (como Valmir Comin).

O deputado federal Jorge Boeira, que não disputou reeleição, pode se apresentar para liderar o processo de reestruturação do partido. Mas, terá que vencer a resistência da “velha guarda”.

O PSD, presidido por Gelson Merisio, também sai da eleição derrotado, menor, e dividido. 

Merisio teve a maior derrota de toda a historia de Santa Catarina numa eleição para governador pelo voto direto.

É inevitável, o questionamento à sua liderança e às condições políticas para seguir no comando do partido.

A sucessão deve passar pelo deputado eleito Julio Garcia, seu desafeto, que foi o mais votado do partido e na aliança.

Se Julio não for o novo presidente, deve participar da decisão de quem será.


Barrados

Entidades respeitadas, reconhecidas e com bons serviços prestados, como Nossa Casa, Casa Guidi e Bairro da Juventude, não conseguiram aprovar seus projetos no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente para uso de verba do FIA (Fundo da Infância da Adolescência).

Na mesma reunião, o Conselho aprovou dois projetos da Afasc.

A presidente da Associação Nossa Casa, Isabel Cristina Feijo, contrariada com o Conselho, registou: “As entidades vão recorrer dessa decisão inusitada e um tanto suspeita”.


A transição por acaso

O Comandante Moisés procurou o governador Eduardo Moreira para falar da sua segurança pessoal depois da eleição, até a posse. Mas, o governador aproveitou para dar inicio ao processo de transição de governo.

Os dois se reuniram por quase quatro horas. Sem testemunhas. E acertaram efetivamente o inicio da transição para hoje.

Um espaço será colocado a disposição do governador eleito e sua equipe no ambiente do centro administrativo.


Marqueteiro

A campanha do Comandante Moisés na televisão teve a digital de um publicitário de Criciúma, que assinou campanhas eleitorais em Criciúma nos últimos 20 anos. Beto Soares.

Ele integrou a equipe liderada pelo publicitário Sergio Caldara.


Com Paulo Guedes

O deputado federal eleito Daniel Freitas (PSL) vai levar o governador eleito Comandate Moisés para reunião com o futuro ministro da economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes, até quinta-feira.

Encontro ficou acertado ontem, durante reunião de Daniel com o futuro ministro, no Rio.


Com Maia

Daniel Freitas também esteve ontem no Rio com o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia (DEM), que está em campanha para continuar no cargo. 

Maia pediu o voto de Daniel, que comunicou que vai seguir orientação do partido.


Dois recados

O Comandante Moisés disse ontem na rádio Som Maior que deputados serão deputados e que Lucas Esmeraldino tem a difícil missão de tocar o partido.

Deu a entender que não vai chamar deputados para o governo, nem Lucas Esmeraldino.

Lucas é de Tubarão, ex-vereador, presidente estadual do PSL, quase eleito senador e responsável por sua candidatura ao governo.


Eleição e o queijo

Julio Scussel, de Sideropolis: 

"Pode-se comparar a eleição estadual às criações disruptivas que acontecem atualmente com a tecnologia. Num dado momento estão todos avançando numa direção e, de repente, vem alguém e arrasa com tudo. 

A derrota de Mauro Mariani e Merisio tem a ver com o que aconteceu com a indústria tradicional de celulares, nas quais todos produziam aparelhos pequenos e com teclas. De repente chega a Apple e lança um aparelho multifunção, sem teclas (i-phone), grande e que desbanca todo mundo.

Para fechar: acho que uma literatura básica a ser recomendada para os políticos tradicionais é “Quem Mexeu no meu Queijo?” de Spencer Johnson”.


Rubinho merece

Câmara de Vereadores prestou justa homenagem ao empresário criciumense Rubens Angelotti, presidente da Federação Catarinense Futebol.

A partir de janeiro, quando Eduardo Moreira não for mais governador, Rubinho será a principal autoridade de Criciúma.

Ele assumiu a Federação para cumprir mandato tampão, com a morte de Delfim Peixoto, mas foi eleito por aclamação um ano e meio depois para novo mandato, pela sua retidão e a capacidade de gestão.


Mario perde a Jussara

Mario Lima, o amigo da galera, perdeu a sua Jussara.

Ela era a sua base, a segurança, a retaguarda.

Jussara foi uma grande mulher, mãe maravilhosa, gestora do seu núcleo familiar.

A melhor definição - uma guerreira.

Mario perdeu um pedaço de si. Todos vão sentir a falta da Jussara.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 29/10/2018 - 06:54Atualizado em 29/10/2018 - 10:00

Como previsto, deu Bolsonaro e Comandante Moisés. Já havíamos especulado que só um novo tsunami impediria a vitória de um dos dois. Mas não havia nenhuma previsão para isso. Ao contrário.

Bolsonaro ganhou com diferença menor do que estava projetado no início do segundo turno. Não foi goleada.

O Comandante Moisés não apenas ganhou, mas deu “um banho”. Foi a maior vitória de um governador eleito pelo voto popular na história de Santa Catarina.

Haddad perdeu, mas não fez feio. Ele se consolidou como liderança nacional e poderá comandar a reconstrução do PT.

Merisio não apenas perdeu. Foi desmoralizado. Não repetiu os votos que fez no primeiro turno.

Foi uma eleição atípica, marcada pela indignação e pela retirada dos políticos que estão no poder e no seu entorno.

Mudança, uma limpa geral, renovação - foi o que mais se ouviu.

A campanha mostrou que a direita se levantou e se fez protagonista. Ventos da mudança.

A democracia é assim. Hoje um lado está majoritário, amanhã pode ser o outro, e depois o outro.

Acima de tudo, venceu a democracia. As instituição foram preservadas e fortalecidas.

Como escreveu Ruy Castro, "que o Brasil seja grande o suficiente para absorver qualquer dos dois, digeri-lo e, em seu tempo, expeli-lo, até que surja alguém melhor”.

Que as urnas tenham levado o país e o estado para um caminho melhor, de prosperidade, crescimento e desenvolvimento.

E que todos tenham a maturidade para assimilar e administrar vitória e derrota.


Vitória menor

No fim das contas, uma vitória menor para Bolsonaro evita o sentimento de poder absoluto.

Não foi dado um cheque em branco.

Ele tem o apoio da maioria para fazer mudanças necessárias e não repetir as práticas velhas (ou velhacas).

Para tudo isso, terá o apoio do povo nas ruas.


O outro lado

O PT foi levado ao poder porque o eleitor acreditou que ele faria diferente. Não iria dar continuidade ao balcão de negócios para governador, nem às velhas práticas contaminadas pela corrupção. Mas foi aí que o PT decepcionou. E o eleitor, indignado, deu o troco nas urnas.


A dúvida

A pergunta feita depois dos eleitos de ontem - até quando vai se manter o “tsunami da mudança”?

A resposta - se Moisés e Bolsonaro fizerem governos razoáveis, e não decepcionarem no que é fundamental, isso pode ser levado até a eleição de 2020.


O nome

O vereador Julio Kaminski, ainda do PSDB, foi chamado a Florianópolis, ontem à tarde, para participar da comemoração da vitória com o Comandante Moisés, o comando do PSL e os deputados eleitos do partido.

Aliados apostam que será o candidato do partido a prefeito de Criciúma.


Só depois

Comandante Moisés afirmou depois de eleito que primeiro vai tentar encaminhar na Assembleia a alteração da estrutura administrativa do governo, a fim de reduzir o número de secretarias.

Pretende anunciar integrantes de sua equipe de governo só depois.

Mas isso vai depender da transição que fará com o governador Eduardo Moreira e da relação que conseguirá estabelecer com os atuais deputados.


Os nomes

Mesmo que o Comandante Moisés não trate de secretários, alguns nomes são citados como "muito prováveis”.

O primeiro é do Sul. Vereador Lucas Esmeraldino, presidente estadual do PSL e quase senador (perdeu vaga para Jorginho Mello por 18 mil votos).

A rigor, ele poderá “escolher" o espaço a ocupar. Mas é citado para Secretaria de Saúde (ele é dentista), Planejamento e Infraestrutura.


Está disposta

A deputada federal reeleita Geovania de Sá participou da cobertura da eleição na Som Maior e admitiu assumir a presidência estadual do PSDB.

Mas ela disse que pretende discutir o assunto com os principais políticos do partido no estado. Não quer entrar numa disputa para assumir um partido rachado.

Geovania deve articular junto com Napoleão Bernardes, que foi candidato a vice-governador, para “reconstrução" do PSDB no estado.


O retorno

O governador Eduardo Moreira repetiu ontem, depois de votar em Criciúma, que vai facilitar o processo de transição no estado.

Sobre a vitória de Moisés e Bolsonaro, disse estar convencido que esse “febrão" vai passar e comparou o PSL ao PRN - “pouco tempo depois da eleição do Collor, o PRN sumiu”.

Eduardo confirmou disposição para assumir a presidência estadual do MDB. Disse que vem sendo “estimulado" para isso.


As datas de posse

Observação pertinente faz o cidadão Luiz Mariano de Souza - " Mudaram a data das eleições na Constituição de 1988 e esqueceram da posse dos eleitos.

As datas atuais de posse, mais de dois meses depois da eleição para o Executivo e quase quatro meses para o Legislativo, não se justificam, são um acinte à democracia e à nossa inteligência.

O que vão fazer até a posse os que perderam, não se reelegeram?

Depois, vai assumir o Executivo (em 1º de janeiro) e não tem Legislativo novo (que só assume em 1º de fevereiro).

Isso é imoral, pois a sociedade atestou nas urnas que não quer mais vê-los".


Na festa da vitória

Publicitário criciumense Alexandre Costa estava no grupo que participou da festa da vitória do Comandante Moisés, ontem à noite, em Florianópolis.


Primeira vice mulher

Santa Catarina terá, a partir de 1º de janeiro de 2019, uma vice-governadora. Daniela Reinehr, do Oeste catarinense. É primeira mulher a ocupar o cargo em toda história catarinense.


Fato triste

O fato lamentável neste domingo na região foi registrado em Criciúma. Uma família foi agredida quando chegava para votar, no Bairro Boa Vista. Foi um fato isolado, sim, mas não pode passar despercebido pela gravidade. Que sirva de lição para que não se repita e o respeito ao próximo sempre prevaleça.


Novo desafio

É praticamente unânime o entendimento de representantes da Justiça Eleitoral de que o grande desafio do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para o próximo pleito é o combate às notícias falsas. Ninguém estava esperado essa enxurrada de fake news e, principalmente, voltada contra a própria Justiça Eleitoral e o sistema de votação que utiliza as urnas eletrônicas. O fato fez com que vários juízes, promotores, desembargadores e ministros fossem à imprensa garantir a confiabilidade nas urnas.


Vitória de criciumenses

A vitória de Reinaldo Azambuja (PSDB), no Mato Grosso do Sul, significa também a vitória dos profissionais da Ápice Comunicação, agência de Criciúma, comandada pelos irmãos Lucas e Felipe Borges e que trabalham com Azambuja desde a eleição de 2014. O Instituto de Pesquisas Catarinense (IPC), também de Criciúma, atuou na eleição de Mato Grosso do Sul.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 27/10/2018 - 20:43Atualizado em 27/10/2018 - 20:53

As ultimas pesquisas do DataFolha e Ibope para eleição presidencial foram divulgadas agora a pouco.

No Ibope, a vantagem de Bolsonaro sobre Haddad caiu para 8 pontos.

Na primeira pesquisa do segundo turno, Bolsonaro tinha vantagem de 18 pontos

Na pesquisa de hoje, considerando só votos validos, Bolsonaro teve 54% e Haddad 46%.

No DataFolha, a vantagem de Bolsonaro é de 10 pontos.

Na primeira pesquisa de segundo turno a vantagem era 16 pontos.

Na pesquisa de hoje, considerando apenas votos válidos, Bolsonaro teve 55% e Haddad 45%.

   

 

  

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 27/10/2018 - 07:05

Eleição não dá para contar definida antes de aberta a urna. Surpresas acontecem. Como foi a passagem do Comandante Moises (PSL) para o segundo turno no estado.

Mesmo assim, dá para correr o risco e cravar que a eleição está “muito bem encaminhada” para Jair Bolsonaro (PSL) na eleição presidencial e Comandante Moisés (PSL) na disputa pelo Governo do Estado.

Só um novo tsunami eleitoral para reverter esse processo. Muito mais que fatos novos. O tempo é curto e a vantagem dos dois, de acordo com as pesquisas, é folgada.

No estado, Gelson Merisio (PSD) projetou toda a sua campanha para enfrentar o MDB no segundo turno. Mas, deu errado. Ele não se estava preparado para enfrentar Moisés. Não tinha o que dizer dele. E a canoa virou!

No país, Bolsonaro está sendo levado por dois sentimentos muito fortes - a indignação geral e o anti-PT.

Mas, Bolsonaro será eleito e vai assumir o poder pela via democrática. Não será golpe de estado.

As instituições não foram atropeladas, ou derrubadas. Nem a constituição. Há que respeitá-las.

Ele terá apoio maciço das ruas para implementar as mudanças prometidas e necessárias.

Mas, não terá poder absoluto. Nem tudo poderá fazer.

Terá que negociar, articular, transigir. É do processo democrático.

No momento, há alguns exageros no ar.  Que levaram o ministro Barroso, do STF, a ter que afirmar - "Polícia só deve entrar em universidade se for para estudar”.

Porque já estavam falando até em interferência policial nas universidades. Entre outras ideias do tipo. Além de Barroso, os demais ministros do STF e TSE reagiram.

Devagar com o andor!

Por aqui, a Unesc também foi pauta (e alvo). Um grupo foi à reitoria, no embalo da onda, pedir menos esquerda e mais direita.

Mas, isso não é produzido, organizado. As portas da universidade estão abertas. Ninguém fica na porta pedindo carteirinha de direita ou esquerda!

Agora, na tradição, a esquerda faz mais barulho, se mexe mais, e por isso aparece mais. A direita é silenciosa.

A Unesc sempre teve a marca da pluralidade e da liberdade, com garantia de manifestação a todos.

Não há condução da gestão da universidade para esquerda ou direita.

A reitora Luciane Ceretta não é esquerda, nem direita. É uma democrata. De postura elogiável, adequada, que atende a todos da mesma forma.

Os últimos reitores também não eram de perfil de esquerda.

Então, por que mexer onde não precisa?

Há um país a consertar e recolocar no rumo, e um estado para reequilibrar. Já é serviço demais!

Desnecessário ficar colocando chifre em cabeça de cavalo.

 

Ibope mantém 18 pontos

Pesquisa do Ibope em Santa Catarina sobre eleição para governador, concluída ontem, mostrou um quadro consolidado. Os números foram os mesmos da pesquisa divulgada no dia 19.

Comandante Moisés - 59% e Merisio - 41%. Vantagem de 18 pontos para Moisés.

 

A ausência

Foi arriscado para o Comandante Moisés não participar do último debate e deixar o adversário falando sozinho, durante 20 minutos, horário nobre, “depois da novela” da Globo. E a praticamente dois dias da eleição.

Mas, Merisio não aproveitou bem. Parecia nervoso, tenso, e não apresentou dados/fatos novos. Repetiu informações que vinha tratando na campanha. Provavelmente por isso, não mexeu nada na pesquisa.

 

Na justiça

A ausência no debate ainda gerou uma representação no TRE feita pelo Comandante Moisés e o seu partido, o PSL. O fato motivador foi uma fake news que viralizou na quinta-feira à noite.

Foi alterado o título de uma nota do jornalista Anderson Silva, do portal NSC Total, inserindo que Moisés não foi ao debate por medo. O próprio jornalista publicou que era fake.

Moisés justificou ausência por problema de saúde.

 

Na cadeia

Sem dúvida, o ataque mais duro de toda a campanha eleitoral foi feito pelo governador Eduardo Moreira contra o candidato do PSD ao governo, Gelson Merisio.

Pelo twitter, Eduardo previu que Merisio será preso. Antes, disse que ele é mentiroso compulsivo.

A assessoria de Merisio disse que ele não vai responder.

 

O tiro

Texto publicado por Eduardo Moreira:

“Merisio é mentiroso compulsivo. Faz política velhaca. Cadeia nele é questão de tempo”.

Isso escrito por qualquer cidadão, já seria grave. Mas, escrito pelo governador do estado ganha maior peso.

 

Bons números

O portal 4Oito, que acaba de completar um ano, ultrapassou ontem a marca de 400 mil pageviews, mais de 113 mil usuários, apenas dentro de outubro. A tendência é que chegue a 450 mil no fim do mês.

As informações sobre a eleição foram as mais procuradas/visualizadas.

Se contar os últimos 30 dias, foram 117 mil usuários e 426 mil pageviews até 19h de sexta-feira.

São números expressivos, resultado do trabalho/emprenho de uma equipe competente envolvida com o portal.

 

Por vídeo

Comandante Moisés (PSL) gravou um vídeo, na sexta-feira à tarde, agradecendo seus eleitores. Ele fala por apenas alguns segundos com a voz debilitada (foto). O candidato está ausente dos últimos atos de campanha devido a uma inflamação nas vias aéreas e em tratamento em casa.

 

Voto em Tubarão

Comandante Moisés vota em Tubarão, às 11h. E depois segue para Florianópolis de onde deve acompanhar a apuração com a família.

 

Voto em Chapecó

Gelson Merisio (PSD) vota às 8h55min em Chapecó, depois acompanha a esposa Márcia no voto em Xanxerê. Segue para Florianópolis e acompanha o voto do filho Arthur, que está votando pela primeira vez nessa eleição e deve acompanhar a apuração na sua casa, na Capital.

 

Preparados

Mesmo com o ciclone perdendo força, a Justiça Eleitoral de Santa Catarina está preparada em caso de algum estrago causado por ventos. A integração conta com órgão como a Defesa Civil e a Celesc.

 

PF apura notícia de que eleitor votou armado

Chegou até a Justiça Eleitoral a denúncia de que um eleitor teria ido armado votar e feito um vídeo. A denúncia foi feita pelo aplicativo Pardal e foi encaminhado para a Polícia Federal, que irá instaurar um inquérito policial para apurar a veracidade do fato.

 

Processo seguro

A Justiça Eleitoral de Criciúma recebeu a imprensa, ontem, para esclarecer dúvidas especialmente relacionadas às notícias falsas colocando em cheque o sistema eleitoral brasileiro. Juízes, promotores e chefes de cartório eleitoral voltaram a reafirmar a confiança total nas urnas eletrônicas.

 

Primeiras audiências

Estão marcadas para início de novembro as primeiras audiências de crimes cometidos durante o dia de votação do primeiro turno. Um dos casos é um presidente de mesa que supostamente teria pedido voto a um candidato. Ele também não irá atuar na função no segundo turno.

 

Lançamento OAB

O lançamento em Criciúma da “Chapa 81 - Advocacia Unida” que tem o advogado Rafael Horn, candidato à presidência da OAB/SC será na segunda-feira, a partir das 19h, no Criciúma Clube. Também será feita a apresentação dos candidatos da chapa ao Conselho Estadual por Criciúma e da nominata da chapa candidata à Subseção local, que é liderada pelo advogado Rafael Búrigo. As duas candidaturas são de situação. O atual presidente da OAB Criciúma, Fábio Jeremias, está candidato ao Conselho Federal.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 26/10/2018 - 06:56Atualizado em 26/10/2018 - 10:50

A região do carvão firmou posição. Só aceita duas praças de pedágio no Sul e quer a mesma tarifa cobrada no trecho Norte. Posição perfeita.

Não faz o menor sentido o Sul pagar quase o dobro da tarifa do trecho Norte e ter uma praça de pedágio praticamente a cada 50 quilômetros, enquanto no Norte a distância é o dobro.

O projeto do Governo Federal é cobrar tarifa (valor de hoje) a R$ 4,20 (no Norte é R$ 2,70) e implantar quatro praças de pedágio. No Norte (a partir de Florianópolis) tem três.

O Sul tem que insistir na paridade. Nada menos do que no Norte, mas também nada mais.

Prefeitos e empresários da região do carvão vão assinar documento que será entregue à ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre).

A reunião de ontem, que fechou posição, teve prefeitos, empresários e técnicos. Reunião produtiva, e positiva.

Os prefeitos do Vale do Araranguá já haviam fechado posição. A mesma.

Muito bom ver a representação formal da região se mexendo, trabalhando junto, marcando posição e seguindo as vias formais. Porque não adianta só falar aqui. Tem que registrar lá em Brasília. Na ANTT, no Ministério dos Transportes e no Palácio do Planalto. Porque é lá que são tomadas as decisões.

O prazo para entrega dos documentos do Sul na ANTT termina no dia 9 de novembro. Mas, poderá ficar aberto espaço para negociação política com o Governo Federal, dependendo da capacidade de articulação e mobilização do Sul.

Importante - o pedágio é inevitável, irreversível. Não tem como ter a BR-101 segura, com manutenção permanente, sem fazer a concessão do trecho e cobrança de pedágio. Os primeiros trechos duplicados já estão se deteriorando, porque o governo não faz a manutenção. Em poucos anos, a rodovia estará como a Rodovia Jorge Lacerda (acesso Sul de Criciúma).

Mas, dentro de padrões aceitáveis.


Impacto 1

O prefeito de Lauro Müller, Valdir Fontanella (PP), também é empresário do ramo de transporte. Ontem, durante reunião com os prefeitos da Amrec revelou que já fez as contas e cada caminhão da frota da sua empresa irá pagar, se as regras da ANTT prevalecerem, R$ 151,20 só de ida no trecho entre São João do Sul e Laguna. Fontanella não é contra a concessão, mas entende que o valor deve ser menor, assim como o número de praças. A ANTT quer quatro praças, os prefeitos da Amrec fecham em duas e com preços equiparados ao Norte.


Impacto 2

O empresário Waldeci Rampinelli, do Arroz Rampinelli, contou durante o Debate Aberto, da Rádio Som Maior, que a empresa gasta mensalmente R$ 30 mil por mês com pedágios entre São Paulo e o Rio Grande do Sul. Mas os benefícios com as estradas e a redução de gastos com a manutenção compensam, segundo ele. Para o trecho Sul da 101, Rampinelli vem na mesma opinião dos prefeitos, deve haver concessão, mas com número menor de praças.


Adeus, Juninho

Perdemos um amigo ontem. Amigo daqueles de fé, de guardar no lado direito do peito. Olmar Vieira Junior, o nosso Juninho, foi vencido pela doença. Mas, resistiu enquanto foi possível.

Estava internado em São Paulo.

Juninho era um dos tradicionais das redações de Criciúma.

Foi diagramador do Correio do Sudeste, década de 70, depois do Jornal da Manhã, e durante muito tempo foi servidor da Unesc.

Vamos sentir a sua falta.

Na foto, com o que ele mais amava na vida - sua mulher, Carminha, que conheceu na redação do Jornal da Manhã (à direita), e os filhos.


Ausente

Comandante Moisés (PSL) foi “abatido" com uma infecção aguda, seguida de perda de voz, e não foi no debate da NSC TV, ontem à noite.

A NSC colocou no ar uma entrevista especial com Gelson Merisio (PSD).

Foi o fato novo na reta final da campanha. Arriscado/perigoso para Moisés.

Difícil saber a reação à ausência, mesmo sendo por problema de saúde, mas principalmente pelas acusações feitas por Merisio, em horário nobre na televisão, colado novela.

Ganhar, certamente Moisés não ganha nada com isso.

Quanto a Merisio, só pode ganhar.

Com a ausência de Moisés no debate de ontem, o último da campanha foi realizado na Som Maior, terça feira.

A Som Maior, então, fez o primeiro e o último debate na eleição de 2018.


Não é a mesma coisa

Logo que foi confirmada a ausência de Moisés, foi especulado que teria sido para repetir a postura de Bolsonaro, que não foi a nenhum debate desde que saiu do hospital (pós facada).

Difícil de acreditar. Porque seria primário.

Moises não é Bolsonaro, o ambiente no estado é diferente, e aqui não teve facada.


Pela bancada de Criciúma

O primeiro grande ato pós eleição, foi a reunião dos deputados estaduais e federais eleitos por Criciúma para discutir a bancada da região e as prioridades que serão tratadas no próximo mandato.

Foi na quarta-feira à noite, iniciativa da Unesc e Acic, com A Tribuna e Rádio Som Maior.

Foi a primeira reunião dos eleitos no dia 7 de outubro.

Evento foi desdobramento do Fórum "Criciúma do Amanhã", realizado na Unesc, em julho.

Ficou definido que formada a bancada parlamentar da região, que passará a trabalhar de forma sistemática pelas prioridades da região, listadas pela Acic e pelo Fórum “Criciúma do Amanhã”.

Importante tudo isso porque a “bancada" será a força política de Criciúma, que estará fora do núcleo de poder a partir de janeiro. Não terá governador, nem vice.

Participaram os deputados estaduais reeleitos Luiz Fernando Vampiro (MDB) e Rodrigo Minotto (PDT), os deputados estaduais eleitos Jessé Lopes e Julio Garcia (PSD), a deputada federal reeleita Geovania de Sa (PSDB), e os deputados federais eleitos Daniel Freitas (PSL) e Ricardo Guidi (PSD).

Pela Unesc, a reitora Luciane Ceretta, e pela Acic, o presidente Moacir Dagostim.


Eliane foi vendida por US$ 250 milhões

O grupo norte-americano Mohawk revelou, ontem, em comunicado aos acionistas, o valor pago pela Eliane Revestimentos Cerâmicos. A negociação foi de aproximadamente US$ 250 milhões, cerca de R$ 930 milhões em valor atual.

No comunicado divulgado no site da empresa um relato das movimentações da empresa nos últimos meses. Entre as ações, está a compra da empresa catarinense. "Em 15 de outubro, assinamos um acordo para comprar a Eliane, uma das maiores empresas de revestimentos cerâmicos do Brasil, por aproximadamente US$ 250 milhões. O Brasil é o terceiro maior mercado de revestimentos cerâmicos do mundo, onde a Eliane é líder em porcelana premium com vendas anuais de aproximadamente US$ 215 milhões. Nós antecipamos o fechamento da aquisição no quarto trimestre”, anunciou assim o presidente CEO da norte-americana, Jeffrey S. Lorberbaum.

A venda da Eliane, fundada e administrada até hoje pela família Gaidzinski, foi anunciada na sexta-feira passada. Os administradores não haviam revelado o valor por uma cláusula contratual. A empresa que tem sede em Cocal do Sul continuará com a mesma gestão e a negociação com a Mohawk irá proporcionar novos investimentos.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/10/2018 - 20:26Atualizado em 25/10/2018 - 20:31

Assessoria do Comandante Moisés (PSL) acaba de informar que ele realmente não vai participar do debate de logo mais na NSC Tv.

Ele passou por uma avaliação médica pouco antes das 20h.

Ainda de acordo com a assessoria, Moisés está com uma infecção aguda das vias áereas superiores, seguida de perda de voz.

Ele já havia cancelado participação em um programa da RIC Tv na noite de ontem.

A NSC anunciou que, no lugar do debate, vai colocar no ar uma entrevista ao vivo com Gelson Merisio, com duração de 20min, depois da novela Segundo Sol.

Trata-se de um fato novo na reta final. É delicado. Arriscado para Moisés.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/10/2018 - 19:09Atualizado em 25/10/2018 - 19:16

Acaba de ser divulgado a resultado da pesquisa DataFolha na eleição presidencial, segundo turno.

A vantagem de Jair Bolsonaro (PSL) para Fernando Haddad (PSD) caiu seis pontos, mas ainda é de doze pontos percentuais.

O levantamento foi realizado nesta quarta-feira (24) e quinta-feira (25) e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

Pela pesquisa divulgada agora,

Bolsonaro tem 56% das intenções / votos validos

Fernando Haddad tem 44% das intenções / votos validos

No levantamento anterior, semana passada, dia 18, Bolsonaro tinha 59% e Haddad 41%.

Nos votos totais, pesquisa de agora,

Bolsonaro tem 48%

Haddad - 38%

Branco/Nulo/Nenhum - 8%

Não sabe - 6%

 

 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/10/2018 - 16:22Atualizado em 25/10/2018 - 17:22

A assessoria do Comandante Moisés acaba de distribuir uma nota oficial informando que ele teve que suspender toda a agenda de campanha por recomendações médicas.

Está com infecção nas vias aéreas e passará por nova avaliação médica às 19h.

Isso representa que ele poderá não participar do debate de hoje à noite na NSC TV, o último da campanha.

Abaixo, a nota da sua assessoria, na íntegra:

"Nota Oficial Comandante Moisés 17

A assessoria do candidato ao Governo de Santa Catarina pelo Partido Social Liberal (PSL), Comandante Moisés 17, vem através desta, informar que o mesmo apresentou uma piora no quadro clínico, sendo atendido em domicílio por equipe médica, nofinal da manhã desta quinta -feira(25), que diagnosticou infecção aguda das vias aéreas superiores –CID 10 –J06.

É importar salientar que, em virtude deste mesmo problema, na última quarta-feira (24), a agenda do postulante ao Governo do PSL, Comandante Moisés, já havia sido suspensa pelo candidato.

Desta forma, a assessoria pontua que, o candidato de Bolsonaro em Santa Catarina passará por uma nova avaliação, às 19 horas, para saber se terá alta médica, bem como condições físicas, para participar das agendas dos três últimos dias de campanha, neste segundo turno".

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/10/2018 - 16:09Atualizado em 25/10/2018 - 16:47

Acabo de perder um amigo!

Olmar Junior, o nosso Juninho, acaba de ser vencido pela doença!

Resistiu enquanto foi possível. Mas não conseguiu vencer!

Acaba de falecer. Estava internado em São Paulo.

Juninho era um dos tradicionais das redações de Criciuma.

Foi diagramador do Correio do Sudeste, década de 70, depois do Jornal da Manhã, e durante muito tempo foi servidor da Unesc, entre outras tantas atividades.

Aprendemos todos com ele. Era um amigo. Um parceiro. Um agregador.

Vamos sentir a sua falta.

Sentimentos à Carminha e aos filhos. Abraço bem forte!

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/10/2018 - 06:16Atualizado em 25/10/2018 - 09:31

As urnas ainda nem esfriaram da votação de 7 de outubro, tem o segundo turno no domingo, mas já é possível fazer projeções para a nova “bancada" de Criciúma e região que vai assumir em 2019.

Foram eleitos cinco deputados estaduais e três federais.

Dos oito, quatro reeleitos - Rodrigo Minotto (PDT), Vampiro (MDB), Ada de Luca (MDB) e Geovânia de Sá (PSDB).

O deputado Ricardo Guidi (PSD) é hoje estadual e foi eleito federal. A rigor, não foi reeleito para o mesmo posto.

Três novos - Julio Garcia (PSD), Jesse Lopes (PSL) e Daniel Freitas (PSL).

Aliás, o deputado Julio Garcia é novo, mas nem tanto. Foi eleito para novo mandato, depois de oito anos fora da política, mas antes disso teve vários mandados e forte/intensa atuação política.

Pela sua postura, tem trânsito e boas relações em praticamente todos os grupos e partidos. Por isso, está sendo citado como candidato forte a presidência da Assembléia (função que já desempenhou duas vezes).

Se o previsto for confirmado, será a principal “autoridade" da região.

A deputada federal Geovânia de Sá, campeã de votos no seu partido, saiu da eleição fortalecida. 

Fez votação estadualizada pelo trabalho feito durante o atual mandato e isso lhe dá “autonomia política”.

Ela já está sendo apresentada para assumir a presidência estadual do PSDB. Hoje faz parte da executiva.

O deputado federal eleito Daniel Freitas (PSL) foi o grande vencedor da eleição. Fez 150 mil votos. Votação espetacular.

Foi beneficiado pela “onda 17”, claro. Mas, está eleito e todo esses votos reforçam o seu “cacife politico”.

Daniel pode ser secretário de estado, em um eventual governo do Comandante Moisés. 

Mas, se não for, certamente terá poder de influência para indicar. E deverá ter trânsito em Brasilia, se souber usar o prestigio que ganhou das urnas.

O deputado Luiz Fernando Vampiro foi reeleito, aumentou sua votação (indo na contramão do tsunamis) e passou a ser o principal politico do MDB no sul do estado.

Pode “reconstruir" o partido na região e assumir o comando. O caminho está aberto para isso.


O voto do “sobrinho"

O ex-governador Raimundo Colombo (PSD) escreveu no twitter que não tem nada a ver com a posição do deputado Gabriel Ribeiro (PSD) e não concorda.

Mas, Gabriel é seu sobrinho. São de Lages. Fizeram campanha juntos. Fazem parte do mesmo grupo.

O voto de Gabriel no Comandante Moisés (PSL), anunciado ontem, tem peso maior exatamente por isso.

É mais que um deputado do PSD. É o deputado do partido presidido por Gelson Merisio e sobrinho de Colombo.


Contra a velha politica

Em video que fez circular nas redes sociais, o deputado estadual Gabriel Ribeiro (PSD) anunciou voto no 17 para presidente e para governador.

Em nota distribuída pela assessoria, justificou: “a decisão pelo 17 nas duas esferas significa o rompimento com a velha política. O Brasil necessita de transformações, o Estado precisa continuar avançando, e isso só será feito com uma mudança profunda”.


Uma noite de horror

O projeto do vereador Diego Goulart (DEM), protocolado na câmara de Criciúma, que pretende a derrubada da APA (área de preservação ambiental do Morro Albino), deve ser uma das matérias mais polemicas dos próximos meses, devendo ter decisão só em 2019.

Aquela área de preservação foi criada por projeto de lei do executivo (prefeito da época era Eduardo Moreira), aprovado na câmara de vereadores em votação apertada. E depois de proclamado o resultado, o prédio do Forum de Criciúma, onde foi feita a sessão, foi depredado e quase invadido por mineiros. Foram horas de horror. 

Os vereadores e assessores que estavam dentro do prédio tiveram que se jogar no chão. A policia protegia o prédio, mas teve um momento em que a invasão parecia inevitável e o juiz diretor do Forum, Jânio Machado, deu a ordem - “podem atirar”.

Por pouco não aconteceu uma tragédia.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 24/10/2018 - 15:47Atualizado em 24/10/2018 - 17:03

O deputado estadual Gabriel Ribeiro (PSD), sobrinho do ex-governador Raimundo Colombo, acaba de anunciar que votará para governador, segundo turno, no Comandante Moisés (PSL).

Gelson Merisio é o candidato do PSD e presidente estadual do partido.

Gabriel Ribeiro é sobrinho do ex-governador Raimundo Colombo. 

Ele gravou video com declaração de voto e já publicou nas redes sociais.

Disse que vai votar 17 lá e 17 cá. Bolsonaro e Comandante Moisés.

Acrescentou que não conhece pessoalmemte o Comandante Moisés, mas acredita ser uma pessoa com perfil adequado para governar o estado com ética e que vai fazer as mudanças que são necessárias. 

Pela sua assessoria, o deputado acrescentou que "a decisão pelo 17 nas duas esferas significa o rompimento com a velha política. O Brasil necessita de transformações, o Estado precisa continuar avançando, e isso só será feito com uma mudança profunda”.

Acompanhe o vídeo abaixo.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

No próximo domingo eu voto 2 x 17, Bolsonaro Presidente e Comandante Moisés Governador.

Uma publicação compartilhada por Gabriel Ribeiro (@gabrielribeiro_55) em

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 24/10/2018 - 06:53Atualizado em 24/10/2018 - 09:10

Enfim, um debate de fato! Gelson Merisio (PSD) e Comandante Moisés (PSL) não se esconderam, nem tergiversaram. Foram para o confronto direto. Cada um ao seu estilo.

Até apresentaram propostas, mas a marca do debate foi o “troca" de petardos.

De cara, um tentou pegar o outro na contradição. Pela aposentadoria do Moisés, ou pelos gastos elevados de Merisio na Assembleia.

Depois, Merisio voltou a vincular Moisés ao MDB. Disse que ele foi nomeado por Ronaldo Benedet.

Moisés negou, disse que entrou no governo como concursado muito antes de Benedet fazer parte da estrutura de poder e que não tem compromisso, nem acordo, com ninguém do MDB ou qualquer partido. E emendou: "apoio a gente não rejeita, não nega, inclusive muitos prefeitos do seu partido estão me apoiando, o que não quer dizer que eu tenha qualquer acordo com o PSD”.

E foi assim durante todo o tempo.

Com as pesquisas sinalizando para uma derrota de “goleada", no domingo, Merisio estava visivelmente irritado desde o início. Parecia registrar o golpe.

Moisés, calmo e sereno como sempre. Mesmo quando atacou.

Merisio precisava sair do debate como o grande vencedor. A ponto de gerar um fato novo no processo, de impacto, com força suficiente para começar a quebrar o favoritismo de Moisés. E ele entrou no debate nesse clima. Mas, não conseguiu atingir o objetivo.

Em alguns momentos, foi agressivo demais, quase desrespeitoso com Moisés. E isso não ajuda.

Pelo debate de ontem, e considerando as reações dos ouvintes via whatsapp, a situação se mantém muito favorável a Moisés.

Também pelas propostas e pela sua postura, mas principalmente porque representa renovação e mudança do time que está no comando do Estado.

Moisés encarnou isso. E Merisio não conseguiu tirar.


O primeiro

Gelson Merisio atacou o deputado eleito Julio Garcia, que na semana passada o responsabilizou pela derrota do PSD na eleição e o condenou pela postura autoritária, sinalizando que votará em Moises.

Merisio disse que Julio é da velha política.

Mas, esqueceu que Julio foi o mais votado do seu partido na eleição entre os candidatos a deputado estadual.


O convite para a reitora

A reitora da Unesc, professora Luciane Ceretta, foi convidada para ser secretária de Educação do eventual governo de Gelson Merisio, mas declinou.

Primeiro, Ceretta recebeu uma sondagem do deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT), que está na aliança de Merisio.

Depois, o vice de Merisio, deputado federal João Paulo Kleinübing (DEM), veio a Criciúma na segunda-feira apenas para formular o convite à reitora.

Aos dois, Ceretta destacou que não tem filiação partidária. Assegurou que não tem intenção de ingressar na política, nem ocupar cargos na gestão pública, e que está focada apenas na gestão da Unesc.


Segundo tiro

Foi a segunda vez que Merisio tentou emplacar um secretário de Criciúma, sem êxito.

Faz 10 dias, o empresário Oscar Balsini foi convidado para assumir a Secretaria de Inovação e Tecnologia, chegou a aceitar, mas desistiu poucas horas antes do anúncio.


A secretária

Diante da negativa de Luciane Ceretta, Gelson Merisio anunciou no debate da Som Maior a professora Lucia Dalagnelo como secretária de Educação no seu eventual governo.

Antes, Merisio já havia anunciado Odair Tramontin (Segurança), Guilherme Zighelli (Fazenda) e Cristina Pires Pauluci (Saúde).


Com o Mito

O empresário criciumense Ricardo Faria, que reside em São Paulo, esteve ontem pela manhã em Criciúma, acompanhou parte do debate na rádio Som Maior, e depois viajou para o Rio de Janeiro, onde foi recebido pelo presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), na sua casa. Foi a segunda vez em uma semana que os dois se encontraram.

Os dois gravaram um vídeo, onde Bolsonaro agradece o apoio dos catarinenses e Faria projeta 90% para o candidato em Santa Catarina no segundo turno.


Números ruins

A última planilha com números do movimento econômico da Região Carbonífera volta a acender luz amarela para Criciúma.

No comparativo com 2017, período de janeiro a setembro, Criciúma registra percentual negativo (-1,87%). Quer dizer que decresceu.

Como polo da região, e com índice negativo, Criciúma está puxando para baixo o valor agregado da AMREC.

O melhor índice de crescimento no período foi de Siderópolis - 26,6%. Depois, Içara - 13,73%.


Para a saúde

Geovania de Sá (PSDB), deputada federal reeleita, elegeu a saúde como uma de suas prioridades na Câmara Federal e é para essa área que vem destinando boa parte de suas emendas. Ontem, esteve em Morro da Fumaça, com o prefeito Noi Coral (PP), e oficializou a entrega de R$ 100 mil (foto). Recurso já está liberado.


Criciúma tem Lei de Inovação

Falta somente a sanção do prefeito Clésio Salvaro para Criciúma ter sua Lei de Inovação. Na sessão de ontem, os vereadores aprovaram o projeto de lei que foi construído entre Legislativo, Executivo e entidades representativas. Duas emendas também foram aprovadas. Uma apenas para corrigir o nome da Satc e a outra trata da dotação orçamentária de até 10% do ISS de empresas da área de base tecnológica do ano anterior ao vigente. A nova lei prevê incentivos para o desenvolvimento de projetos na área de inovação. Aliás, a inovação e tecnologia vem sendo a aposta para o crescimento econômico não só de Criciúma, mas da região.


Emendas retiradas

Outras emendas, que causaram atrito entre os vereadores Zairo Casagrande (PSD) e Aldinei Potelecki (PRB) foram retiradas depois de um ofício da Comissão de Implantação do Centro de Inovação de Criciúma.


CCZ será terceirizado

O vereador Daniel Cipriano (PSDB) levantou um dos assuntos mais debatidos na sessão de ontem: as políticas públicas para animais de rua. Destaque para a informação de que o Centro de Controle de Zoonoses, o CCZ, deverá ser administrado, em breve, por uma Organização Social. Expectativa é que aumente o número de castrações realizadas.


Sem respostas

A vereadora Camila do Nascimento (PSD) entende que há descaso do Executivo com o Legislativo no momento em que não são respondidos os requerimentos encaminhados pelos vereadores. Citou um caso especifico em que fez o pedido em maio e ainda não obteve resposta. Diz ainda que quando vem são vagas. A vereadora colocou ainda que essa falta de resposta é uma infração administrativa. O presidente da Casa, Julio Colombo (PSB), afirmou que vão ser tomadas as providências e o Governo Municipal será informado das sanções que poderá sofrer caso o fato continue se repetindo.


Lei das Isenções

O vereador Aldinei Potelecki aproveitou para cobrar que o Executivo encaminhe o projeto de lei que trata das isenções revogadas com o novo Código Tributário e que é compromisso do prefeito. Restam 12 sessões até o fim do ano.


Iniciativa

O prefeito de Morro da Fumaça, Noi Coral (PP), encaminhou um projeto de lei à Câmara de Vereadores que favorece às mães e incentiva amamentação. A proposta prevê redução da jornada de trabalho das servidoras municipais para amamentação até que o filho complete um ano de idade.


Não votou

Aconteceria na sessão de ontem da Câmara de Vereadores de Morro da Fumaça a segunda votação do projeto de lei que institui o Escola Sem Partido. Na próxima segunda-feira, terá um encontro com representantes da educação para tratar do assunto. A votação foi adiada depois de manifestações recebidas pelo presidente Miguel Zaccaron Da Rolt de profissionais da área que foram pegos de surpresa com a tramitação. A autoria do projeto é de Antonio Deluca e Jerson Maragno.


Confiança

A Associação dos Magistrados Catarinenses emitiu nota em apoio à Justiça Eleitoral. Destacou o fato de que são mais de 100 juízes em todo o estado atuando para que o processo eleitoral transcorra na mais completa lisura, dentro das normas estabelecidas pela Legislação e em total tranquilidade. São ainda 200 servidores da Justiça Eleitoral, além de servidores convocados em órgãos da administração pública e voluntários.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 23/10/2018 - 16:03Atualizado em 23/10/2018 - 16:20

Em menos de uma semana, o empresário criciumense Ricardo Faria foi recebido de novo pelo presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), na sua casa, no Rio de Janeiro.

Faria esteve hoje pela manhã em Criciúma, acompanhou parte do debate entre os candidatos a governador no estúdio da rádio Som Maior FM, junto com o deputado federal eleito Daniel Freitas (PSL), e depois viajou para o Rio de Janeiro.

Agora à tarde, foi recebido por Bolsonaro, junto com grupo de empresários e politicos.

Os dois gravaram um vídeo, onde Bolsonaro agradece o apoio recebido no estado e projetam vitoria por 90% no segundo turno em Santa Catarina.

 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13