Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 16/10/2018 - 06:55Atualizado há 3 horas

Não será tranquila a audiência pública de quinta-feira, em Criciúma, para discutir a implantação de praças para cobrança de pedágio no trecho Sul da BR-101, projetada pelo Governo Federal.

Os prefeitos da região, especialmente os do Vale do Araranguá, estão se mobilizando contra a proposta. Os vereadores de Criciúma também.

O prefeito Zênio Cardoso, de Sombrio, presidente da AMESC, vai reunir hoje os prefeitos do Vale para decidir o que fazer. Mas, já disse que está indignado com a intenção anunciada do Governo Federal de implantar quatro praças de pedágio no trecho Sul, sendo duas entre Araranguá e São João do Sul.

As outras duas praças estão projetadas para Tubarão e Laguna.

Os vereadores Tita Belloli (MDB) e Julio Colombo (PSB) defenderam ontem na sessão da Câmara de Criciúma um “movimento de repúdio" contra a implantação das quatro praças.

Tita fez as contas: “Se colocar todas essas praças, para ir de Criciúma a Florianópolis vamos ter pagar três pedágios, isso é um absurdo, fica inviável”.

No caso, Tita considera as duas novas que seriam implantadas, Tubarão e Laguna, e mais a de Palhoça, que já funciona.

Será a segunda vez que a criação de praças de pedágio na BR-101 no Sul catarinense é levada a discussão em audiência pública.

A primeira, foi em março de2017. Governo não conseguiu passar o que queria. Os prefeitos não deixaram.

Na época, a intenção era implantar uma praça em São João do Sul, sendo que os recursos ali arrecadados seriam usados para manutenção do trecho gaúcho da BR-101.

Depois de uma audiência pública tumultuada, que não encerrou, o Governo Federal passou aquela praça para o Rio Grande do Sul (Três Cachoeiras).

Agora, o assunto volta à tona, com um diferencial. Os recursos arrecadados serão usados para recuperação da rodovia no Sul catarinense. Mas, o problema agora é o número. Quatro praças, é considerado demais.


Criciúma na chapa

A advogada criciumense Andréa Dota foi anunciada candidata a vice na chapa de oposição na eleição da OAB de Santa Catarina.

O candidato a presidente é o advogado Hélio Rubens Brasil.


Criciúma na chapa (2)

Na chapa de situação na eleição da OAB, que tem como candidato a presidente o advogado Rafael Horn, o advogado criciumense Fabio Jeremias, presidente da OAB local, é candidato ao Conselho Federal da Ordem.

A chapa ainda terá outros seis membros de Criciúma como candidatos ao Conselho de Advogados.


Somatem pede para sair

A concessão dos cemitérios de Criciúma à iniciativa privada foi feita no governo Paulo Meller (MDB) e até rende dúvidas e especulações.

As regras estabelecidas justificaram muitas reclamações. O assunto gerou polêmica por muito tempo.

A Somatem operou dentro do que foi acordado. O problema foi a forma como o poder público fez o negócio.

Agora, a Somatem toma a iniciativa de abrir o negócio. Pediu rescisão. Vai embora.

Se o caminho for continuar com a operação terceirizada dos cemitérios, que pelo menos não sejam repetidos os mesmos erros.

Mas, será que é o caso - terceirizar cemitério?


Bolsonaro descola

Na primeira pesquisa do IBOPE no segundo turno da eleição presidencial, Jair Bolsonaro (PSL) já faz vantagem de 18 pontos sobre Fernando Haddad (PT) - 59% x 41%.

Com a garantia da vitória (mais de 50%) a diferença deve aumentar. Bolsonaro pode fazer a maior diferença numa disputa presidencial.

É possível especular que passe dos 65%.


Das aposentadorias

O vereador Ademir Honorato (MDB) continua insistindo no caso das aposentadorias irregulares na Prefeitura de Criciúma.

Na sessão de ontem, fez aprovar mais dois requerimentos à Prefeitura e ao CriciumaPrev.

Ele pede a relação de todos os servidores com pedido de aposentadoria em andamento (em análise), o número total de servidores efetivos ativos que ingressaram no serviço público até dezembro de 2003 e o número dos servidores que ingressaram depois de janeiro de 2004.


Não vai

O secretário de Infraestrutura do eventual governo de Gelson Merisio (PSD) não será o ex-deputado Paulo Bornhausen (PSB).

Bornhausen apoia Merisio, foi um dos articuladores da coligação, mas não fará parte do secretariado.

O secretário de Infraestrutura deve ser de Joinville.


PDT se reúne na quinta

O deputado reeleito Rodrigo Minotto (PDT) segue firme na campanha de Gelson Merisio (PSD) no segundo turno para o Governo do Estado. Sobre a posição na disputa presidencial, aguarda uma reunião do PDT de Santa Catarina que está marcada para quinta-feira.


De Bolsonaro

Ricardo Guidi (PSD) que se elegeu para deputado federal já definiu e vai de Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno, assim como no primeiro. Para o Estado fica com Gelson Merisio, do seu partido.


Nomes só depois

Comandante Moisés, que concorre ao Governo do Estado pelo PSL, emitiu nota para reafirmar que não revelará nenhum nome de sua equipe antes do resultado das urnas no segundo turno. Segue mantendo a posição de um governo técnico com profissionais de carreira. Apesar de muitas declarações de votos de figuras conhecidas do MDB, o PSL não admite qualquer aliança com o partido.


Regularização

A regularização do comércio ambulante em Criciúma também foi pauta na sessão, de ontem à noite, na Câmara de Criciúma. O assunto foi puxado pelo vereador Salésio Lima (PSD) que apresentou pedido ao prefeito Clésio Salvaro (PSDB). Alegou que o município está perdendo dinheiro com quem quer trabalhar e regularizar a situação. A atual legislação tem 28 anos e está defasada.


Soltou o verbo

O vereador Julio Kaminski (PSDB) soltou o verbo na sessão de ontem na Câmara de Vereadores de Criciúma. Pediu a rescisão do contrato da Prefeitura com a Agência Reguladora da Água e Esgoto de Santa Catarina, Aresc. Os motivos o valor elevado cobrado, são R$ 0,37 por habitante e a ineficácia na prestação de serviços. O requerimento ainda foi assinado pelos vereadores Camila Nascimento (PSD), Pastor Jair Alexandre (PSC), Ademir Honorato (MDB), e Aldinei Potelecki (PRB).

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/10/2018 - 19:43Atualizado em 15/10/2018 - 19:49

Primeira pesquisa de segundo na eleição presidencial foi divulgada agora a pouco pelo IBOPE.

Mostrou Jair Bolsonaro (PSL) na liderança com 59% de votos validos.

Fernando Haddad (PT) - 41%.

O levantamento foi realizado na sábado (13) e domingo (14), e tem margem de erro de 2 pontos, para mais ou para menos.

No final do primeiro turno, Bolsonaro teve 49,03% e Haddad 29.28%. Diferença era de 16,75 pontos.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/10/2018 - 06:00Atualizado em 15/10/2018 - 09:03

Seria um nome novo. Jovem empresário, bem sucedido, vencedor, sem passado politico. Mas, Oscar Balsini declinou. Preferiu seguir com seus compromissos na iniciativa privada. Vai ficar na torcida de Gelson Merisio (PSD).

No sábado, depois que seu nome foi revelado por essa coluna, Oscar distribuiu nota confirmando o convite recebido de Merisio para ser o secretario de Inovação e Tecnologia do seu eventual governo, e dando as razões para não aceitar.

Na verdade, ele aceitou, e voltou atrás no dia do anuncio.

Merisio procura outro nome de Criciúma, se possível com o mesmo perfil. Quer anunciar nos próximos dias. Conta com a ajuda de empresários da sua relação pessoal na cidade.

Mas, o politico local que terá espaço e peso no seu governo será o deputado Valmir Comin, PP, que não conseguiu se reeleger.

Foi dos principais operadores no PP pela aliança com Merisio. Se não secretário, terá função importante e atuação política efetiva.

No eventual governo do Comandante Moisés (PSL), o deputado federal eleito Daniel Freitas (PSL) poderá ser secretário. Se não for, terá força para indicar.

Mas, sendo secretário ou não, ele será o braço politico do governo em Criciúma e região.

Daniel foi o campeão de votos do PSL no estado e o segundo mais votado do estado entre todos os candidatos. Sai muito califado das urnas.

Já disse que não quer disputar a prefeitura de Criciuma em 2020. Quer fazer um bom mandato de deputado, estadualizar o seu nome e projetar uma candidatura majoritária (governo, vice ou senado).


O próximo secretário

O ex-deputado Paulo Bornhausen (PSB) deve ser o próximo secretário anunciado por Gelson Merisio para seu eventual governo.

Paulinho está mapeado para secretaria de infraestrutura.

Já foram anunciados Guilherme Zigheli para fazenda, Odair Tramontin na segurança pública e Rodrigo Morateli na secretaria das cidades (que será criada).

Merisio prometeu todos os seus secretários durante a campanha se segundo turno. 


A primeira pesquisa

A primeira pesquisa estadual do segundo turno para o governo do estado será publicada amanhã, pela NSC TV.

Pesquisa feita pelo IBOPE.


A aposentadoria

Se a artilharia de Gelson Merisio contra o Comandante Moises ficar no valor da aposentadoria, não deve produzir o efeito esperado.

O Comandante reagiu bem, explicou, mostrou que não há de ilegal ou irregular, e não baixou o nível.


Com o MDB

Merisio tenta a todo custo colar o MDB na candidatura do Comandante Moises. 

No debate de sábado, na radio Peperí, ele disse que o Comandante está negociando com o MDB e emendou: "O MDB, para apoiar, não é de graça, isso todo mundo já conhece. O MDB gosta de cargos, gosta de participar do governo”.

Moisés garante que não negociando com o MDB e com nenhum outro partido. Está seguindo a campanha com o seu “time" do primeiro turno.


Boeira quer reorganizar PP

O deputado federal Jorge Boeira (PP), que não disputou reeleição, disse ontem que está avaliando o quadro para disputa de segundo turno em Santa Catarina e deve se posicionar até amanhã.

Mas, ele disse que fica no PP e que vai se colocar a disposição para encaminhar o processo de reorganização do partido em Criciúma.

Ele pensa na eleição municipal de 2020.


Muda de vida

O deputado Valmir Comin (PP) estava sexta-feira no mercado, com o filho pequeno, para compras para um churrasco em casa com a família.

Com a derrota na eleição, disse que deve fazer uma mudança na sua vida: “Agora vou cuidar dos negócios da família e acompanhar um pouco o crescimento do meu filho pequeno”, disse.


Assumiu

O tenente coronel Evandro Fraga, que deixou o comando da PM em Criciúma faz 10 dias, abriu seu voto no facebook: "Comandante Carlos Moisés da Silva - 17”.


Criar partido

Aproveitado o clima da campanha do segundo turno, o deputado estadual eleito Jesse Lopes, presidente do PSL em Criciúma, está mobilizando o seu grupo para o “dia de filiações”, sábado. 

Um “banca" será montada na parca Nereu Ramos.

O objetivo é atingir logo o numero mínimo de filiações para que o PSL tenha diretório e direção definitiva, não mais comissão provisória, como é hoje.


Prestigiado

Daniel Freitas conversou com o astronauta Marcos Pontes, que será ministro de Bolsonaro, e o convidou a vir em Santa Catarina (e Criciúma) durante dezembro.


Luto

Um entendido das questões da mobilidade urbana, um pensador da cidade, um defensor de novas alternativas ao sistema viário. Arquiteto Roberto Cabral.

Prestou serviço à cidade e à região estando ou fora do governo. Era um critico do mesmismo. Defendia a busca de caminhos novos.

Faleceu ontem, aos 52 anos, vitima de um câncer devastador que havia descoberto faz mais ou menos 30 dias.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 13/10/2018 - 11:04Atualizado em 13/10/2018 - 11:15

O empresário criciumense Oscar Balsini confirmou agora pela manhã informação dada pela coluna em A Tribuna e no 4Oito. Foi convidado pelo candidato a governador Gelson Merisio (PSD) para assumir a secretaria de Inovação e Tecnologia no seu eventual governo, mas declinou por questões pessoais e profissionais.

Abaixo, a nota de Balsini:

"Realmente houve o convite por parte do candidato.  Durante nossa conversa, além de honrado, confesso que fiquei impressionado com os planos que Merísio tem para esta área. São propostas inovadoras que beneficiarão muito o cidadão catarinense e a gestão do estado. Infelizmente, devido a compromissos profissionais assumidos e novos projetos recém-iniciados, declinei do convite de participar de um governo que, pessoalmente, avalio como a melhor opção para Santa Catarina. Fico extremamente triste em não poder colaborar com meu estado como Secretário de Inovação e Tecnologia, mas continuarei ajudando o estado e a região sul com aquilo que sei fazer bem, gerando empregos e movimentado a economia à frente das empresas das quais sou sócio. Agradeço ao Merísio pelo convite e pela confiança depositada e sigo torcendo pela sua vitória. Oscar Balsini"    

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 13/10/2018 - 07:05

O deputado federal eleito Daniel Freitas (PSL) foi o grande campeão de votos de Criciúma em 2018, com 27.654 votos para deputado federal. Foi o segundo mais votado do estado para deputado federal, com 142.571 votos no total. Naturalmente, passou a ser especulado como possível candidato para eleição municipal de 2020, sucessão do prefeito Clésio Salvaro (PSDB). Mas, ele rechaça a possibilidade.

Está focado em participar ativamente da campanha de segundo turno para Bolsonaro no país e o Comandante Moisés no estado, os candidatos do seu partido. Está otimista em relação a vitória “tranquila" dos dois. Depois, quer fazer pelo menos dois mandatos de deputado.

“De forma nenhuma, não penso e não vou ser candidato a prefeito”, reagiu de primeira, sem titubear, ao ser consultado sobre possível candidatura local. “Quero me destacar como deputado”, emendou.

A especulação do nome de Daniel é desdobramento natural do tsunami que se abateu na política e que alterou profundamente a correlação de forças e o mapa político.

Em Criciúma, projetando a eleição municipal, depois do 7 de outubro, os primeiros nomes relacionados são os do próprio prefeito Salvaro (candidato à reeleição, e favorito), deputado eleito Daniel Freitas, vice-prefeito Ricardo Fabris (PSD), deputada Geovania de Sá (PSDB) e deputado Luiz Fernando Vampiro (MDB).

Como Daniel disse que não vai, o nome do PSL pode ser o vereador Julio Kaminski, ainda filiado ao PSDB, mas que está saindo do partido desde do ano passado, e foi um dos coordenadores da campanha de Daniel.

Fabris saiu fortalecido da eleição por ter coordenado as campanhas vencedoras dos deputados eleitos Julio Garcia e Ricardo Guidi (PSD).

A deputada Geovania de Sá reafirma intenção de continuar deputada, mas é nome natural no caso de Clésio mudar de planos. Mas, só nessa condição.

Vampiro, deputado eleito com boa votação, trabalho elogiado como secretário de estado, é o nome do MDB, mas precisa renovar e reciclar o partido, se tiver intenção de tentar a Prefeitura.

Resta ainda o segundo turno e os primeiros meses dos futuros governos para consolidar o quadro, mas os primeiros movimentos começam a ser feitos em torno desses nomes.

 

A desistência de Balsini

O empresário criciumense Oscar Balsini, dono da Betha Sistemas, foi secretário do eventual governo de Gelson Merisio por três dias.

Iria coordenar a área de ciência e tecnologia, que terá foco diferenciado.

Na segunda-feira à noite, dia 8, numa reunião em Criciúma, tudo ficou definido.

Na quarta-feira, dia 10, Merisio revelou durante entrevista na Som Maior, em primeira mão, que anunciaria o primeiro criciumense do seu governo no ato regional que faria na quinta-feira, 19h.

Mas, quando chegou em Criciúma para o evento, quinta à tarde, Merisio foi comunicado por Balsini que estava declinando. Agradeceu, prometeu ajudar como puder, mas não como secretário.

Um dos motivos teria sido aquisição recente de uma nova empresa em Criciúma.

 

Sem Clésio

Gelson Merisio tentou o apoio do prefeito Clésio Salvaro (PSDB) no segundo turno. Mas, não levou.

O senador eleito Esperidião Amin (PP) se empenhou para isso.

Mas, Clésio telefonou aos dois para informar que não vai assumir nenhum dos dois candidatos no segundo turno para governador e que vai se dedicar ao trabalho na Prefeitura.

Para presidente, vota e apoia Bolsonaro.

 

Com aliados

Na quinta-feira à noite, Merisio fez encontro em Criciúma com aliados e políticos da coligação que apoia desde o primeiro turno (foto). Estava acompanhado do senador eleito Esperidião Amin (PP). Antes do encontro, os dois caminharam pelo calçadão e o comércio do centro da cidade.

 

O único

O deputado estadual reeleito Rodrigo Minotto (PDT) participou do evento de Merisio em Criciúma.

Minotto é o único parlamentar eleito da Região Carbonífera da base de apoio a Merisio. O pedetista já anunciou que fará um roteiro no estado na campanha do segundo turno.

 

Comando da segurança

No primeiro programa do horário eleitoral de segundo turno, Merisio anunciou o comando da Segurança Pública no seu eventual governo. Odair Tramontin, de Blumenau, promotor de Justiça, será o secretário, e Ivan Ziollowski, delegado da Polícia Federal, o adjunto.

 

No ataque

No início da propaganda eleitoral para o segundo turno, tanto Gelson Merisio (PSD) quanto Comandante Moisés (PSL) partiram para o ataque.

Merisio mostrou a aposentadoria de Moisés, que é de bombeiro militar da reserva, valor de R$ 26 mil.

Moisés vinculou Merisio com a velha política e disse que ele foi relator do projeto na Assembleia que deu título de cidadão honorário para Lula e o mostrou ao lado de Ciro Gomes e Dilma. Disse que o apoio que ele deu a Bolsonaro foi oportunismo.

 

Apoio de Bolsonaro

Depois da anunciada neutralidade, Jair Bolsonaro assumiu de vez a campanha do Comandante Moisés no encontro que teve com todo os eleitos do PSL, no Rio, quinta-feira.

Ele gravou depoimento para Moisés, que será veiculado no horário eleitoral nos próximos dias.

Além disso, os principais eleitos do PSL e os filhos de Bolsonaro, eleitos senador pelo Rio e deputado por São Paulo.

 

Sem MDB

Daniel Freitas garantiu ontem à noite: “Não existe nenhuma negociação com MDB para apoio ao Comandante Moises e não terá com nenhum partido; ninguém vai proibir apoio espontâneo, mas o Comandante não vai tratar com nenhum partido”.

 

Não vai para a Esplanada

O empresário criciumense Ricardo Faria, um dos maiores do país na avicultura, garante que não será ministro da Agricultura no eventual governo de Bolsonaro.

Ele é amigo do presidenciável, está em campanha por ele, mas tem projetos ousados para o setor privado que o impedem que assumir compromissos na gestão pública no momento.

Mas, Ricardo vai participar da definição do futuro ministro.

 

Decide amanhã

A deputada federal eleita Geovania de Sá (PSDB) vai decidir amanhã o seu voto para o segundo turno na eleição para governador, entre Merisio (PSD) ou Comandante Moisés (PSL).

Ela está ouvindo aliados e reunirá o seu grupo de apoio para tomada de decisão.

No primeiro turno, Geovania estava ligada à coligação que apoiou a candidatura de Mauro Mariani (MDB).

Ela foi a segunda federal mais votada em Criciúma (16.585) e a mais votada para a Câmara Federal na coligação estadual.

 

Reunidos na Unesc

A reitora da Unesc, Luciane Ceretta, recebeu, nesta sexta-feira, os presidentes de Diretórios Acadêmicos das universidades do Sistema Acafe. Na pauta, foram discutidos assuntos muito importantes para o sistema de universidades comunitárias: fortalecimento das comunitárias, artigo 170, audiências públicas sobre educação, ações articuladas entre todo o sistema. Estiveram presentes alunos desde a Unochapecó até Univille.

 

Boa notícia

Uma notícia boa para o turismo catarinense. O Governo Federal confirmou ao governador Eduardo Moreira (MDB) a liberação de R$ 20 milhões para obras de contenção de encostas na SC-390, a Serra do Rio do Rastro. A notícia foi dada pelos ministros Carlos Marun, da Secretaria de Governo, Vinícius Lummertz, do Turismo, que é de Santa Catarina, e pelo secretário nacional da Defesa Civil, o também catarinense Newton Ramlow. A princípio estava prevista uma visita na serra, mas um problema na aeronave impossibilitou o deslocamento. A liberação desse recurso vinha sendo solicita há meses por Moreira. A obra dará mais segurança a um dos principais cartões postais do estado.

 

Na finaleira

O secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande, segue com seu roteiro de visitas às obras do Hospital Materno Infantil Santa Catarina. Desta vez, esteve acompanhado do procurador da República em Criciúma, Fábio de Oliveira, que ficou entusiasmado ao ver o andamento das obras.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/10/2018 - 06:55

Em 24h, o PSL catarinense conseguiu uma “correção de rota” do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) em relação ao segundo turno no estado. Novo vídeo foi gravado pelo candidato, ontem à tarde, agora destacando o desempenho do Comandante Moisés (PSL) no primeiro turno e anunciando que está torcendo por ele.

Antes, Bolsonaro agradece o apoio de Gelson Merisio (PSD) no primeiro turno, mas diz que agora tem o Comandante Moisés no segundo turno, do seu partido, que define como um fenômeno assim como ele é na eleição presidencial.

No dia anterior, viralizou outro vídeo com Bolsonaro falando, durante entrevista para a Jovem Pan, em São Paulo, que não apoiaria nenhum dos dois candidatos em Santa Catarina, mesmo um dos candidatos sendo do seu partido, porque foi o mais votado no estado no primeiro turno e se agora ficasse com um lado, iria ficar mal com o outro e perderia votos.

O vídeo de ontem, se não tivesse o primeiro, não teria chamado tanta a atenção.

Afinal, Bolsonaro disse o que parece óbvio. Tem um candidato do partido disputando o segundo turno, o mínimo é cumprimentá-lo e desejar boa sorte.

Conta vai, conta vem, nada disso deve interferir na votação de Merisio. Apenas refaz um mal-estar na campanha do Comandante Moisés.

Agora, os dois pegam a estrada.

Moisés vai hoje para o Rio se encontrar com o próprio Bolsonaro, acompanhado dos quatro deputados federais e seis estaduais do PSL.

Merisio virá para Criciúma, onde fará uma reunião regional de campanha.

Expectativa para o nome do criciumense que ele vai anunciar para o secretariado do seu eventual governo. Será um empresário.

Decisão saiu de uma reunião na terça-feira à noite.

Expectativa também para a possível adesão do prefeito Clésio Salvaro (PSDB) à sua campanha.

Merisio pediu apoio, mas o prefeito convocou uma reunião do partido, hoje, 12h, para tomar a decisão.

Primeiro voto

O vice-presidente da executiva municipal do PSDB, vereador Alisson Pires, já se adiantou à reunião de hoje da executiva com o prefeito Salvaro, e anunciou, ontem, pelas redes sociais, seu apoio ao Comandante Moisés (PSL).

Faria com o Mito 

O empresário criciumense Ricardo Faria, um dos maiores do país na indústria da avicultura, foi recebido, ontem, pelo presidenciável do PSL na sua residência, no Rio de Janeiro.

Faria estava acompanhado do empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, e os deputados federais catarinenses Valdir Colato e Celso Maldaner.

Ele falou em nome do grupo, destacando a votação histórica que Bolsonaro teve no estado e especificamente em Criciúma.

O candidato agradeceu.

Tríplice coroa

O publicitário e marqueteiro Alexandre Costa teve que fazer três festas depois do primeiro turno.

Porque fez as campanhas vencedoras da deputada federal Geovania de Sá (reeleita e campeã de votos na coligação), a deputada estadual eleita Paulinha Silva (mais votada do PDT) e o deputado federal eleito Daniel Freitas (o segundo mais votado do estado, campeão no seu partido).

Tudo como era

As relações entre Clésio Salvaro e o MDB voltam à normalidade depois do primeiro turno - água e óleo. Não se misturam. Já são adversários para 2020.

No primeiro turno, segundo a aliança estatal PSDB-PMDB, Clésio chegou a colocar o 15 no peito. Mas, diz que seu eleitor não gostou.

Não engoliu

Ontem, quem procurou essa coluna no seu espaço tradicional, encontrou no lugar (página 3) um protesto (página inteira) do prefeito de Siderópolis, Hélio Cesa, o Alemão.

A cidade estava duas semanas sem sinal de celular da Vivo, o prefeito cansado de reclamar, não tinha mais para onde recorrer, resolveu registrar “cobrança pública”. E o fez muito bem.

Não há porque engolir essas coisas no seco, e calado.

Se tudo mundo fizesse o mesmo, as operadoras mudariam o tratamento com o cliente.

Memória

O Centro de Cultura e Memória Valdenir Zanette, na Câmara de Vereadores de Criciúma, virou arquivo morto, ou depósito.

Impressionante o desrespeito!

O espaço foi montado em homenagem ao maestro, radialista e ex-vereador Valdenir Zanette, o Zé do Mato.

Sem novidades

Primeira pesquisa Datafolha para o segundo turno de presidente da República não traz muitas surpresas. Jair Bolsonaro (PSL) tem 58% e o candidato do PR, Fernando Haddad aparece com 42%. O levantamento foi realizado nesta quarta-feira.

Refis em Siderópolis

O prefeito de Siderópolis, Helio Cesa, o Alemão, encaminha para a Câmara de Vereadores, na próxima segunda-feira, projeto de lei para o Refis. Com o projeto aprovado, o contribuinte em dívida com a Prefeitura terá 100% de desconto em juros e multas para pagamento em conta única e 90% para pagar em seis parcelas e por aí vai. A Prefeitura espera recuperar R$ 1,2 milhão. Alemão, que também é presidente da AMREC, disse que todos os municípios estão alinhados nesse sentido.

TRE aciona Polícia Federal

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina, desembargador Ricardo Roesler, acionou a Polícia Federal para investigar a disseminação de fake News que atacam a Justiça Eleitoral. As notícias falsas têm sido o grande desafio dessa eleição.

Derrota do MDB

O candidato a governador pelo MDB, Mauro Mariani, não venceu em nenhuma cidade da AMREC. Nem mesmo em Orleans, Siderópolis, Içara ou Balneário Rincão, municípios governados por emedebistas.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/10/2018 - 19:17Atualizado em 10/10/2018 - 19:21

Foi divulgado agora o resultado da primeira pesquisa para a eleição nacional de segundo turno, feita pelo Instituto DataFolha.

Considerando apenas os votos validos:

Jair Bolsonaro (PSL) - 58%

Fernando Haddad (PT) - 42%.

No primeiro turno, Bolsonaro teve 46,03% dos votos validos e Haddad 29,28%. 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/10/2018 - 17:57Atualizado em 10/10/2018 - 18:09

O empresário criciumense Ricardo Faria, um dos maiores do país na industria da avicultura, foi recebido hoje à tarde pelo presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) na sua residência, no Rio de Janeiro.

Faria estava acompanhado do empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, e os deputados federais catarinenses Valdir Colato e Celso Maldaner.

Ricardo falou em nome do grupo.

Destacou a votação historica de Bolsonaro no estado, a maior do país, e citou especificamente o percentual de mais de 70% em Criciúma.

Bolsonaro agradeceu a votação e o video com todos projetando "90% no segundo turno".

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/10/2018 - 16:46Atualizado em 10/10/2018 - 18:26

Um dia depois da "bomba" que explodiu no estado com a declaração de Jair Bolsonaro que não vai apoiar o candidato do seu partido ao governo no segundo turno, o Comandante Moisés, um novo vídeo foi gravado para contornar a situação.

Nele, Bolsonaro agradece o apoio de Gelson Merisio (PSD) no primeiro turno, mas acrescenta que agora no segundo turno tem o Comandante Moisés, do seu partido, o PSL, deseja boa sorte e diz que ele é um fenômeno em Santa Catarina. "Moisés, boa sorte, felicidades, estamos torcendo por você", conclui.

Moisés disputa segundo turno no estado contra Merisio.

O segundo vídeo foi gravado faz poucos minutos e já está viralizando nas redes sociais, principalmente grupos de WhatsApp, repassado principalmente por dirigentes, filiados, deputados eleitos e militantes do PSL.  

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/10/2018 - 08:07Atualizado em 10/10/2018 - 08:28

O candidato a governador Gelson Merisio (PSD) acaba de anunciar na Som Maior FM que vai apresentar, nesta quinta-feira (11), o futuro secretáro de Criciúma no seu eventual governo.

O possível secretário será apresentado durante reunião regional de campanha para o segundo turno, que Merisio vai fazer em Criciúma, a partir de 19h.

Ele não adiantou o nome, disse apenas que é alguém que "representa a cidade e tem reconhecimento na área em que atua".

Pelo que disse, pode ser na área da Inovação e Tecnologia.

Merisio disse também que vai começar a anunciar paulatinamente os eventuais futuros secretários de seu governo. O primeiro será o da Segurança Pública.

   

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/10/2018 - 13:21Atualizado em 09/10/2018 - 14:09

O presidenciavel Jair Bolsonaro (PSL) anunciou no programa Pânico, da rádio Jovem Pan, que não vai assumir "nenhum" candidato a governador Santa Catarina. Ele citou o "Comandante", candidato do seu partido no Estado no segundo turno, mas justificou que teve quase 70 % dos votos e não pode tomar um lado porque vai perder votos.

A declaração de Bolsonaro, dada agora a pouco, dá um ânimo para Gelson Merisio (PSD) e representa uma ducha gelada na campanha do Comandante Moises (PSL).

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/10/2018 - 06:55Atualizado em 09/10/2018 - 07:38

Depois do “furacão 17”, começam as discussões no MDB e PSDB para troca de comando. O MDB terá convenção estadual em dezembro (já estava marcado). Como o deputado Mauro Mariani, atual presidente, já anunciou “fim de carreira”, será o motivo alegado para abertura das conversas (se não for esse o motivo, será qualquer outro).

É evidente que a derrota acachapante do MDB na eleição de domingo é o “fato motivador”.

Ainda mais que muitos “debitam” na conta de Mariani, por ele ser o presidente do partido, e pela sua postura como candidato (pouco acessível e de difícil trato).

O governador Eduardo Moreira, que presidiu o partido por 10 anos, já é citado para a função.

Hoje, 14h, o comando estadual do MDB vai se reunir em Florianópolis para avaliar a eleição, abrir debate sobre a sucessão na executiva e definir posição para o segundo turno.

A tendência também é aprovar indicativo de apoio na disputa pelo governo para o Comandante Moisés (PSL), e para Bolsonaro, na disputa presidencial.

Não devem ir além porque sabem que o Comandante Moisés não quer fazer acordos, nem se “misturar" com partidos tradicionais. É o que mostram as pesquisas.

No PSDB, também tem movimentos para mudança da executiva, com a participação do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro.

Ele apresentou durante reunião com prefeitos do PSDB do estado, ontem, em Florianópolis, o nome da deputada federal criciumense Geovania de Sá, reeleita com mais de 100 mil votos, para assumir o partido.

O “fato motivador” para a proposta é o mesmo. O PSDB diminuiu na eleição. Só elegeu dois deputados estaduais e uma federal. Ficou com o tamanho de "partido pequeno".

Para o segundo turno, prefeitos e deputados do PSDB estão sendo procurados por Gelson Merisio (PSD).

Ontem, ele conversou por telefone com o prefeito Clésio Salvaro e se reuniu com o presidente estadual do PSDB, Marcos Vieira.

Por enquanto, nada decidido, mas já tem tucanos (principalmente prefeitos), fechados com Merisio.


Mudar o tom

Gelson Merisio quer “desnacionalizar” a eleição no segundo turno, disputa pelo Governo do Estado.

Quer tratar apenas de temas locais (estaduais).

É a forma que tem para tentar evitar o efeito do apoio de Bolsonaro para o Comandante Moisés.

Hoje, Merisio vai almoçar com deputados estaduais do PSD na Assembleia.


Estava escrito

Ulysses Guimarães dizia: “Ou mudamos ou seremos mudados”.

Políticos e partidos tradicionais que não entenderam o recado, não mudaram, e foram mudados.


Ponta a ponta

Se teve no estado o “furacão 17”, o olho do furacão foi em Criciúma.

Bolsonaro fez em Criciúma 72,35% dos votos, Comandante Moisés foi o candidato a governador mais votado - 36,76%; Lucas Esmeraldino o candidato ao Senado mais votado (na frente de Esperidião Amin) - 23,83%, o segundo deputado federal mais votado no estado foi Daniel Freitas (26,61%) e o deputado estadual mais votado foi Jessé Lopes – (26,61%). Todos PSL. Chapa completa.


Caiu

A deputada federal reeleita Geovania de Sá (PSDB) teve praticamente o dobro da votação que teve na eleição de 2014.

Mesmo assim, diminuiu quase 11 mil votos a votação em Criciúma.

Mais uma na conta do prefeito Salvaro.


Deixou passar

Quando estava migrando para o PSL, Daniel Freitas procurou o ex-prefeito de Forquilhinha, Lei Alexandre (PP), e insistiu para que o seguisse. Teria garantia de vaga para disputar eleição de deputado estadual. Mas, Lei resistiu, ficou no PP, e foi candidato a estadual. Fez 11.790 votos.

Com a negativa de Lei, Daniel Freitas e o comando do PSL convenceram o dentista Jessé Lopes, que era o presidente do partido, a sair candidato. Ele evitou, mas foi. Fez 31.595 votos. Foi o deputado mais votado em Criciúma.


De casa

O Comandante Moisés, que entra forte na disputa de segundo turno pelo Governo do Estado, é bem relacionado em Criciúma. Porque ele tem uma casa na praia de Ipoã, região do Farol, Laguna. Inclusive, é o síndico do condomínio.

Ele tem vizinhos criciumenses.


Guidi garantido

Se o deputado federal João Rodrigues (PDS) venceu o recurso judicial que tramita, os votos que recebeu serão validados e estará reeleito. Mas, não vai pegar a vaga do deputado criciumense Ricardo Guidi (PSD). Porque o PSD, na soma da legada, terá direito a mais uma vaga.

Quem vai pegar a vaga será o deputado eleito do NOVO.

Hoje, os votos dados a João Rodrigues estão "arquivados", aguardando julgamento. Foram contados, mas não considerados.


Primeira pesquisa

Sai hoje a primeira pesquisa do segundo turno da eleição presidencial. É do Instituto Datafolha e será divulgada pela Globo, início da noite.


Alerta

Ademir Honorato (MDB) fez uma denúncia grave, na tribuna da Câmara de Vereadores, na sessão de ontem. Ele disse que antigos servidores da Prefeitura de Criciúma, que já saíram do serviço público há muitos anos, estão encontrando brechas na lei para retornar e conseguir aposentadoria pelo sistema de previdência do Município, o CriciúmaPrev, que permite um aposento maior do que o da iniciativa privada. O problema é que não contribuíram por todos esses anos ao CriciúmaPrev. Vale lembrar que o CriciúmaPrev já está como tema central de discussões devido a sua dívida e a possibilidade de quebrar dentro de alguns anos.


20 anos

O resultado do pleito eleitoral predominou na Câmara de Vereadores de Criciúma, ontem. Aldinei Potelecki comemorou a conquista de uma vaga na Câmara dos Deputados com a vitória de Hélio Costa (PRB). Seu grupo política tentava há 20 anos eleger um deputado federal. O triunfo veio com o deputado mais votado deste ano. O partido também elegeu Sérgio Motta para estadual.


Participação de Kaminski

Outro vereador que comemorou os resultados das urnas, foi Julio Kaminski. Mesmo no PSDB, ele coordenou a campanha a deputado federal de Daniel Freitas, do PSL. O resultado de Daniel surpreendeu positivamente com a segunda maior votação no estado, com mais de 140 mil votos. Somente na AMREC foram 50 mil votos. O resultado surpreendeu até mesmo a própria equipe, que projetava até 80 mil votos.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/10/2018 - 06:45Atualizado em 08/10/2018 - 11:28

A política catarinense foi atingida de frente pelo "tsunami Bolsonaro”. MDB foi o mais atingido. Sofreu a maior derrota da sua historia. Foi retirado do segundo turno na disputa do governo por um até então desconhecido e principiante Comandante Moisés (PSL).

Alem disso, o partido de Bolsonaro, sozinho, elegeu a segunda maior bancada da Assembléia, com seis deputados, e maior representação da bancada federal catarinense, com quatro federais.

Mas, não foi o “tsunami Bolsonaro” que derrotou o MDB na disputa pelo governo. O próprio MDB ajudou bastante. Pelas suas brigas internas, a desorganização da campanha e a incapacidade de envolver os prefeitos, deputados, candidatos e o governador do partido.

De outro lado, Gelson Merisio (PSD) venceu pela sua determinação, o trabalho intenso e a capacidade articulação.

Ele enfrentou políticos importantes no seu partido e no arco de alianças, mas foi candidato montando a aliança que queria e a chapa que projetou.

O que ele não esperava era enfrentar o candidato de Bolsonaro no segundo turno. Estava preparado para enfrentar o MDB.

Por isso, saiu na frente e abriu voto para Bolsonaro. Apostando numa contrapartida no segundo turno.

Agora, Bolsonaro terá candidato próprio no estado.

Merisio terá que rever posições, especialmente contra MDB e PT, para tentar ampliar sua votação no segundo turno.

Quanto ao Comandante Moisés, o desafio é atrair o apoio dos eleitores e “cabos eleitorais” de Bolsonaro no estado que não ficaram com ele no primeiro turno.

Como é “cristão novo”, não tem passado de brigas ou rompimentos, não tem “pontes” derrubadas com políticos ou partidos, dispõe de maior espaço de manobra para encaminhar acordos.

Por isso, mesmo que Merisio comece em vantagem no segundo turno, a eleição está aberta. O Comandante está no jogo.


As diferenças

Na disputa presidencial, a diferença de Bolsonaro (PSL) para Haddad (PT) no primeiro turno muito grande. Vai ser muito difícil para Haddad fazer a virada.

No estado, Merisio (PSD) ficou na frente, mas a diferença para o Comandante Moisés (PSL) é muito pequena. Fácil para ser superada.


A invertida

Na eleição nacional foi dito que o ato “Ele não”, contra Bolsonaro, liderado por mulheres, pode ter dado efeito contrário. Porque Bolsonaro passou a crescer a partir dali.

Na eleição do estado, o apoio de Merisio para Bolsonaro pode ter “aditivado" a campanha de Comandante Moisés. Porque mexeu com seus brios, ele mudou a postura (passou a ser mais contundente) e fez os Bolsonaro se posicionarem a favor de sua candidatura.


Os dois deputados

O deputado federal eleito Daniel Freitas (PSL) terá participação importante na campanha do Comandante Moisés no segundo turno. Foi o segundo deputado federal mais votado do estado, com mais de 140 mil votos por todo o estado.

Jessé Lopes, deputado estadual eleito, também deve se integrar à campanha nos primeiros dias.


Para o Paço

Daniel Freitas "recupera" para a família a cadeira na Câmara Federal que foi do seu bisavô, Diomicio Freitas, deputado federal na década de 60.  

Com a votação que fez, passa a ser nome natural para a disputa da prefeitura de Criciúma em 2020.


Vitorias de Julio

O ex-deputado Julio Garcia sai da eleição com vitorias importantes a contabilizar.

A primeira, foi o terceiro mais votado do estado, o primeiro do seu partido, depois de oito anos fora da militância política.

A segunda, venceu sem qualquer apoio do partido ou candidato a governador. Não aceitou “um centavo” do fundo partidário e não gravou programas de radio e televisão. Trabalhou só com seu “time".

A terceira, a eleição de Ricardo Guidi como deputado federal, assumida por ele como questão de honra. Em alguns momentos, se dedicou mais a campanha de Guidi do que a dele.


Na prorrogação

Ricardo Guidi entrou na lista dos eleitos para deputado federal na ultima soma de votos. Se fosse um jogo de futebol, teria sido no ultimo minuto na prorrogação.

A emoção foi grande. Quando falou na rádio Som Maior, estava chorando copiosamente. Lembrou quatro vezes do pai, ex-prefeito Altair Guidi, e chorou em todas.

Foi a sua primeira eleição que o pai, que faleceu no ano passado.


Os eleitos

Criciúma sai bem da eleição em relação a representação parlamentar.

Elegeu três federais (Geovânia de Sá, Daniel Freitas e Ricardo Guidi), e seis estaduais (Julio Garcia, Ada de Luca, Vampiro, Rodrigo Minotto e Jesse Lopes).

O sul elegeu mais três estaduais (Felipe Estevão, Volnei Weber e José Milton Schefer).

A região tem condições de formar uma boa bancada para lutar pelos interesses comuns, para compensar a falta de representante do núcleo de poder do estado.


Na estrada

Surpreendeu a derrota do deputado Valmir Comin (PP). 

Ele sempre teve eleição com votos de fora (em outras regiões), não dependia só na Amrec. Mas, a expectativa é que ele tivesse ampliado mais ainda as suas “amarrações" políticas pelo estado com a passagem pela secretaria de ação social. Não se confirmou.

De qualquer forma, Se Merisio for governador, ele será deputado ou secretário de estado. Vai escolher.


Na estrada 2

Deputados Cleiton Salvaro (PSB) e Doia Guglielmi (PSDB) também não se elegeram. 

Doia foi o candidato do prefeito Clesio Salvaro. Cleiton foi o candidato do empresário Henrique Salvaro.

A ex-vereadora Tati Teixeira também não entrou. 

O delegado Ulysses Gabriel (PSD) não se elegeu, mas ficou numa das primeiras suplências. Pode assumir se Merisio for governador.


Na estrada 3

A derrota do deputado federal Ronaldo Benedet é a derrota do comando do MDB criciumense.

O gabinete do governador Eduardo Moreira se envolveu diretamente para sua reeleição.


As bancadas

O MDB passa a ter a maior bancada na Assembleia Legislativa, com nove deputados. Do sul, só Volney Weber, da Amurel. 

A segunda, é a do PSL, com seis. Do sul, Jesse Lopes e Felipe Estevão.

Depois, a do PSD, com cinco. Do sul, Julio Garcia.


Os dois líderes

Prefeito Clesio Salvaro (PSDB) e governador Eduardo Moreira (MDB) estão saindo mal da eleição.

Dos candidatos do prefeito, só Geovania de Sá se elegeu. Sendo que ela tem uma parte da campanha, que é só dela, na igreja, que estabilizou seu nome.

Os demais candidatos, levaram “bomba” - Alckmin, Paulo Bauer, Doia e Mauro Mariani.

Dos candidatos de Eduardo, só Vampiro se elegeu.


Voz das ruas

Os políticos que não ouviram a voz das ruas.

Não perceberam que o clima era diferente, muito estranho.

Apostaram que na “hora h”, as estruturas partidárias, os esquemas, colocariam o trem no trilho e tudo seria resolvido. Foram atropelados.


O Mito

Em fevereiro escrevi nesta coluna de A Tribuna que a “onda Bolsonaro" era forte/consistente, não era apenas uma “marolinha”.

Por detalhe, não ganhou no primeiro turno. Mas, vai entrar no segundo turno como favorito.

Jair Bolsonaro se fez o depositário da indignação dos brasileiros e o principal contraponto ao PT. E assim, foi o mais votado no primeiro turno no país, e fez praticamente 70% dos votos em Criciuma. Sem nunca ter vindo aqui, nem passado por perto.


Na rua

Reeleição garantida, deputado Rodrigo Minotto PDT) liderou carreata em Forquilhinha, com a família.

Nas ruas de Criciúma, carretas de Geovania de Sá, Jesse Lopes, Daniel Freitas.


Nos ombros

Deputada Geovania de Sá (PSDB) praticamente dobrou sua votação, comparando a primeira eleição, e garantiu única vaga do partido na bancada federal do estado. 

Ela acompanhou a apuração com a família, e quando saiu para a rua, foi carregada nos braços

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/10/2018 - 21:04Atualizado em 06/10/2018 - 21:21

Datafolha e Ibope divulgaram hoje à noite as ultimas pesquisas de intenção de voto na eleição presidencial antes do primeiro turno.

Jair Bolsonaro lidera com folga nas duas pesquisas e Fernando Haddad se mantêm em segundo. 

Se tiver segundo turno, será entre os dois. Mas, pela progressão de Bolsonaro, é possivel sua vitória no primeiro turno. 

Os numeros da pesquisa, considerando apenas os votos válidos:

. Jair Bolsonaro (PSL): 40%

. Fernando Haddad (PT): 25%

. Ciro Gomes (PDT): 15%

. Geraldo Alckmin (PSDB): 8%

. Marina Silva (REDE): 3%

.  João Amoêdo (NOVO): 3%

. Alvaro Dias (PODEMOS): 2%

. Henrique Meirelles (MDB): 2%

. Cabo Daciolo (PATRIOTA): 1%

. Guilherme Boulos (PSOL):  1%

. Vera Lucia (PSTU): 0%

. João Goulart Filho (PPL): 0%

. Eymael (DC): 0%

 

Os numeros do Ibope, também considerado apenas os votos validos:

. Jair Bolsonaro (PSL): 41%

. Fernando Haddad (PT): 25%

. Ciro Gomes (PDT): 13%

. Geraldo Alckmin (PSDB): 8%

. Marina Silva (REDE): 3%

. João Amoêdo (NOVO): 3%

.  Alvaro Dias (PODEMOS): 2%

. Cabo Daciolo (PATRIOTA): 2%

. Henrique Meirelles (MDB): 2%

. Guilherme Boulos (PSOL): 1%

. Eymael (DC): 0%

. João Goulart Filho (PPL): 0%

. Vera Lúcia (PSTU): 0%

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/10/2018 - 07:05

Apesar dos pesares, e nas circunstâncias que se apresentam, é possível traçar boas perspectivas para Criciúma em relação a eleição deste domingo.

Não parece correto com os candidatos fazer uma lista de nomes cotados, porque a eleição ainda vai acontecer, e poderia prejudicar ou beneficiar alguns.

Mas, a tendência é que Criciúma tem reais possibilidades de eleger neste domingo quatro deputados federais e pode chegar a sete estaduais.

Quando se fala de Criciúma, considere-se também políticos que tem domicilio eleitoral nos municípios do seu entorno.

Entre os quatro federais e sete estaduais, há políticos novos, mas a maioria é de reeleições.

Isso tem a ver com a campanha liderada pela ACIC pelo voto em candidatos da região. Muito ou pouco, mas tem a ver. A campanha foi bem assimilada.

Apesar de ter muitos candidatos de fora “garimpando" votos por aqui, é comum ouvir em conversas informais, fora das reuniões políticas, que é importante eleger deputados daqui. Que não adianta ajudar a eleger deputados de outras regiões, porque depois eles vão se envolver com as questões das suas comunidades. Não estarão disponíveis todo o tempo para as “lutas" de Criciúma.

Se esse pensamento for predominante no domingo, a projeção vai se confirmar, e Criciúma vai acabar saindo mais forte do que entrou na eleição na sua representação parlamentar.

Criciúma não estará no núcleo de poder a partir de janeiro, porque não terá governador e nem vice.

E não terá senador.

A saída, para ter voz e poder de influência no Governo do Estado e no Governo Federal, é ter uma boa representação parlamentar.

Depois, a ACIC deve trabalhar com os eleitos para articular a formação da “bancada do sul”, para que os deputados trabalhem de forma organizada, em cima de metas e objetivos de interesse coletivo.

O presidente Moacir Dagostim já disse que vai fazer isso.

Se conseguir, estará fazendo do limão à limonada.

 

Ibope - Mauro na frente

Pesquisa Ibope divulgada, nesta sexta-feira à noite, aliviou as tensões no MDB.

Mauro Mariani (MDB) foi a 25% e Gelson Merisio ficou em segundo com 23%.

Mauro cresceu quatro pontos em relação à pesquisa anterior, Merisio cresceu cinco.

Décio Lima (PT) ficou com 19%.

Tecnicamente, os três empatados na margem de erro.

 

Aliviou tensões

O ambiente na coligação MDB-PSDB estava tenso desde a publicação da pesquisa do Instituto IPC em Criciúma, com Gelson Merisio (PSD) na frente de Mauro Mariani (MDB), e Paulo Bauer (PSDB) atrás de Amin e Colombo.

Afinal, é a terra do prefeito Clésio Salvaro (PSDB), político mais popular do Sul, e do governador Eduardo Moreira (MDB), ex-prefeito de Criciúma.

Além disso, na cidade tem dois deputados federais e quatro estaduais da coligação.

 

Campanhas solteiras

Nos bastidores da aliança liderada MDB-PSDB é dito que em Criciúma os políticos trataram dos seus projetos, basicamente eleição dos deputados, e não assumiram as campanhas majoritárias (governador e senador).

 

Comin prestigiado

A vitória de Gelson Merisio (PSD) em Criciúma tem a ver com as suas relações pessoais e políticas, mas também com o engajamento de setores do PP da região. Especialmente, o grupo ligado ao deputado Valmir Comin.

Se Merisio vier a ser governador, o principal líder do Sul no governo será Valmir Comin.

Desde o primeiro momento, Comin trabalhou pela candidatura de Merisio no PP e colocou seu time no “trecho" logo que as candidaturas foram homologadas.

 

Na área

O candidato a vice de Merisio, deputado João Paulo Kleinübing (DEM), cumpre agenda de campanha neste sábado em Criciúma.

 

Sem compromisso

O candidato a deputado estadual Julio Garcia (PSD) está encerrando a campanha sem ter aparecido uma vez sequer no horário eleitoral no rádio e televisão. Porque não gravou.

Ele fez campanha descolado do candidato a governador Gelson Merisio (PSD).

Para o segundo turno, diz que vai avaliar depois de domingo.

 

Voto no 13

Prefeito de Içara, Murialdo Gastaldon (MDB), provocou reações iradas no seu partido ao abrir voto para Fernando Haddad (PT) para presidente neste domingo. Ele disse que no segundo turno vai fazer campanha.

Nas redes sociais, e nos grupos do MDB, muitas críticas ao prefeito.

 

Na Praça

Mulheres que apoiam Jair Bolsonaro, e integram o movimento “Ele Sim”, vão fazer manifestação na Praça Nereu Ramos, neste sábado, a partir de 10h.

 

Na canela

Virou chute na canela a disputa entre os candidatos ao Senado Paulo Bauer (PSDB) e Jorginho Mello (PR). Os dois, da mesma coligação, companheiros de chapa.

O caso gerou ações judiciais. Com denúncias graves.

 

A surpresa

Embalado pela “onda Bolsonaro”, o candidatos governador Comandante Moisés (PSL) deve surpreender neste domingo.

Há indicativos fortes que ele pode ficar em terceiro. Mas, há apostas para mais que isso.

Principalmente porque ainda há um percentual muito expressivo de indecisos/indefinidos ou que admitem mudar o voto. E Bolsonaro deve fazer mais que 50% dos votos em Santa Catarina.

 

Merisio no ar

O candidato a governador Gelson Merisio (PSD) voltará para o ar neste sábado na televisão.

Vai usar o direito de resposta que lhe foi concedido pelo TRE, contra veiculado da campanha de Mauro Mariani.

 

Missão cumprida

Vamos concluir, neste fim de semana, mais uma cobertura de campanha eleitoral.

Fizemos durante o período que antecedeu as eleições tudo o que foi possível para informar e esclarecer os leitores/eleitores.

Porque entendemos que eleição é coisa séria, e que um mundo melhor para todos passa por aí.

A Tribuna não tem candidato, os seus donos não tem partido, nem vínculos políticos.

E essa independência norteou o trabalho de cobertura.

Não demos tratamento privilegiado para nenhum candidato.

Não demos espaço mais para um que para o outro.

Fizemos entrevistas exclusivas com candidatos a governador e senador, acompanhamos e repercutimos debates e pesquisas.

A postura adotada foi não entrevistar candidatos a deputado, porque a lei prevê tratamento com isonomia e não seria ouvir todos. Só no Sul são mais de 80 candidatos a deputado.

Mas, todos os dias batemos na tecla que o eleitor daqui deve votar em candidatos da cidade e região. E publicamos todos os dias a lista completa dos candidatos a deputado estadual e federal pelo sul catarinense.

Um grande time de profissionais está mobilizado para cobertura do dia do voto, a apuração e os resultados.

Uma cobertura completa, isenta, esclarecedora, técnica.

 

Apoio dos prefeitos

Buscando a reeleição para a Assembleia Legislativa, Valmir Comin (PP) divulgou vídeo com o apoio de prefeitos. Da AMREC, gravaram Ademir Magagnin de Cocal do Sul, Gustavo Cancelier de Urussanga, Jaimir Comin de Treviso e Valdir Fontanella de Lauro Müller.

 

112 municípios

O candidato ao Governo do Estado pelo MDB, Mauro Mariani, percorreu 112 municípios em 50 dias de campanha. Na sexta-feira, esteve em Joinville, nas instalações do parque industrial da Embraco. Ao presidente Luis Felipe Dau, Mariani reiterou seu compromisso com o setor produtivo. Terminou o dia no Planalto Serrado. Em Urubici, realizou carreata.

 

Agendas na Capital

As agendas dos candidatos no último dia antes da votação devem se encontrar em Florianópolis. A capital foi escolhida para caminhadas pela chapa de Mauro Mariani (MDB), que será acompanhada pelo governador Eduardo Moreira (MDB) pela manhã. Gelson Merisio (PSD) também faz caminhadas no período da manhã pela região central. Essa também foi a opção de Décio Lima, do PT, e Leonel Camasão, do PSOL.

 

Camisetas liberadas

Antes proibidas, o uso das camisetas de candidatos foi liberado, nesta sexta-feira, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O eleitor poderá usar a camiseta do seu candidato, mas não pode fazer manifestação a favor e nem participar de aglomerações.

 

Sub judice

Ângelo Castro, do PCO, que concorria ao Governo do Estado, nem aparecerá nas urnas. Os demais candidatos da sigla seguem concorrendo sub judice.

 

Voto do Eduardo

O governador Eduardo Moreira (MDB) vota em Criciúma. Ele vai estar no Colégio Marista entre 10h30 e 11h.

 

Segurança

Uma ação inédita no estado foi montada para o pleito deste ano e junta as forças de segurança, nas esferas municipal, estadual e federal, com a Justiça Eleitoral. Efetivos das polícias Civil, Militar, Militar Rodoviária Estadual, Corpo de Bombeiros, Instituto Geral de Perícias (IGP), das secretarias de Estado da Justiça e Cidadania, Defesa Civil, Comunicação, Eletrosul e Celesc são os representantes dos órgãos do Governo do Estado que estarão reunidos no no Cigerd. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin), a Guarda Municipal, o Tribunal Regional Eleitoral e as polícias Federal e Rodoviária Federal também terão equipes no local.

 

Na feirinha

O prefeito Clésio Salvaro (PSDB) e a diretora de Agricultura, Maristela Borgert, foram conferir de perto o primeiro dia de Feirinha Colonial, no Shopping Della, na Praça Nereu Ramos. A parceria é da Cooperativa Nosso Fruto com o empreendimento e foi intermediada pela Prefeitura.

 

Sem sequestro de valores

Decisão liminar do Supremo Tribunal Federal suspende o sequestro de valores, até o fim do julgamento, das contas do Município de Araranguá por conta de precatórios. A decisão ainda autoriza o depósito do percentual de comprometimento mínimo para 0,43%, ou seja, a prestação mensal que era no valor de R$ 600 mil, passará para R$ 56 mil.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 05/10/2018 - 06:55Atualizado em 05/10/2018 - 09:01

O candidato a governador Gelson Merisio (PSD) fez a campanha até agora em Criciúma praticamente sozinho. O seu partido, o PSD, não está com ele. O PP, principal aliado, está muito reduzido e quem fez campanha tratou muito mais de pedir votos para seus candidatos a deputado.

Merisio trabalhou com os contatos e relacionamentos pessoais, e alguns partidos pequenos. E conseguiu ultrapassar o candidato do prefeito Clésio Salvaro (PSDB) e do governador Eduardo Moreira (MDB). Uma vitória importante, sem dúvida, para candidatado PSD.

Quanto a Clésio e Eduardo, ficam em situação delicada.

Eles serão cobrados internamente se as intenções forem consignadas em votos no domingo.

Além dos dois, Mariani tem no seu palanque aqui, os deputados federais Geovania de Sá (PSDB) e Ronaldo Benedet (MDB), e os deputados estaduais Luiz Fernando Vampiro e Ada De Luca (MDB), e Dóia Guglielmi (PSDB). E todos eles estão nas listas de prováveis reeleitos. Isso quer dizer que fizeram campanhas “solteiras”.

A aliança de Mauro Mariani vai ter que sentar no divã depois da pesquisa IPC e principalmente no encaminhamento para o segundo turno.

Em relação aos demais, Décio Lima (PT) caiu, refletindo a fragilidade do PT na cidade, enquanto o Comandante Moisés (PSL) subiu na onda Bolsonaro. E pode subir mais.

Mas, ainda há uma multidão de indecisos, indefinidos e inclinados a votar branco ou nulo. Quase 40%.

Para onde vão esses votos ninguém sabe. Mas, eles podem decidir o jogo, na medida em que uma “onda" se consolidar nas ruas.

Os números são impactantes, mas confirmam o sentimento das ruas.

Primeiro, porque ninguém ainda está "brigando" pelos candidatos a governador (o que explica o grande percentual de votos abertos).

Segundo, os grandes líderes políticos não “pegaram" a campanha.


Bolsonaro/Mito

Para presidente, nada de novo. Os números refletem o que se ouve pela cidade. Só dá Bolsonaro (PSL).

Ele fez 47,84%. O mais próximo dele, Fernando Haddad (PT), tem 9,76%.

O desempenho de Geraldo Alckmin impressionante, por tão insignificante. Míseros 5,28%.

E olha que Alckmin é o candidato do prefeito Clésio Salvaro e do governador Eduardo Moreira. Tem um deputado federal e um estadual do PSDB.

Se dependesse de Criciúma, Bolsonaro venceria no primeiro turno, porque tem 62,42% dos votos válidos.


Senado

Para o Senado, a dobradinha Amin/Colombo funcionou. Os dois tem desempenho muito semelhante.

Esperidião Amin (PP) - 25,76% e Raimundo Colombo (PSD) - 24,48%.

De novo, o prefeito Salvaro fica em “maus lençóis”. Paulo Bauer (PSDB), o seu candidato, a favor de quem disse estar empenhado, fica em terceiro - 13,12%.

No calcanhar de Bauer aparece Jorginho Mello (PR) - 10,88%. Os dois estão tecnicamente empatados.


A última

Hoje será divulgada a última pesquisa estadual no primeiro turno para governador, senador e presidente.

Pesquisa feita pelo IBOPE para a NSC TV. Os números serão anunciados no NSC Noticia, início da noite.


Últimos atos

O deputado Ricardo Guidi (PSD), candidato a deputado federal, abriu espaço na agenda ontem para acompanhar a feira tecnológica no Bairro da Juventude.


Da urna

Sem citar nomes, para não prejudicar ninguém (nem beneficiar), é possível afirmar que Criciúma pode sair da eleição com três ou quatro deputados federais eleitos.

E cinco ou seis estaduais. Considerando os eleitos de todo o sul, pode passar dos oito e fazer a maior bancada de todos os tempos.

Mas, só se o eleitor não der votos para outras regiões. Votar em candidatos daqui.


No Sul

O governador Eduardo Moreira (MDB) concentra no Sul os seus últimos movimentos de campanha.

Ontem teve reunião em Tubarão.

Hoje estará em Criciúma, onde fica até domingo, dia do voto.


Refis valendo

A lei do Refis já está valendo e quem quiser quitar suas dúvidas com o Executivo de Criciúma, já pode procurar o setor de arrecadação, no primeiro piso do Paço Municipal. Uma equipe está designada para atender o contribuinte e ajudar nas contas e na melhor forma de quitar a dívida, garante Celito Cardoso, secretário da Fazenda. O desconto dos juros e multas é de 99% e há possibilidade de parcelamento, desde que a dívida seja quitada até 21 de dezembro deste ano.


Primeiro prefeito

O PSL de Santa Catarina comemora a filiação do primeiro prefeito. Moisés Diersmann, de Luzerna, assinou ficha de filiação nesta semana. Diersmann, que está no segundo mandato, deixou o PSD. O presidente do PSL no estado, Lucas Esmeraldino, indica que logo novos prefeitos assinarão com a sigla que cresce junto com a onda do presidenciável Jair Bolsonaro.


O voto dos candidatos

Joinville, Chapecó, Florianópolis, Camboriú, Blumenau, Tubarão e Palhoça são as cidades em que votam os candidatos ao Governo do Estado. Mauro Mariani (MDB) em Joinville, Gelson Merisio (PSD) em Chapecó, Rogério Portanova (Rede) e Leonel Camasão (PSOL) em Florianópolis, Jessé Pereira em Camboriú, Décio Lima (PT) em Blumenau, Comandante Moisés (PSL) em Tubarão e Ingrid Assis (PSTU) em Palhoça. Todos os candidatos votam pela manhã.


Nas redes

O candidato ao Governo do Estado pelo PSOL, Leonel Camasão, comemora a visibilidade que ganhou após o último debate, realizado na NSC TV, na terça-feira. Segundo ele, os acesso às redes sociais e busca por informações aumentaram surpreendentemente, assim como vem recebendo várias mensagens pelos seus contatos pessoais.

No Google Trends ele foi um dos mais pesquisados. O termo mais buscado, considerando o nome dos candidatos, foi "Camasão", Depois, Mauro Mariani, Leonel Camasão, Comandante Moisés e Décio Lima.


30 anos da Constituição

O dia de hoje marca os 30 anos da promulgação da Constituição. Entre os deputados constituintes em 1988, que foram os responsáveis pelo texto, o atual governador de Santa Catarina, Eduardo Moreira (MDB). Para ele, é necessário uma atualização. O texto foi aprovado pela Assembleia Nacional em 22 de setembro e promulgado em 5 de outubro. Moreira também lembra que foram dois anos de trabalho e reuniões que entraram madrugada a dentro.


Princípios da democracia

A OAB Criciúma também lembra os 30 anos da Constituição. “Com suas balizas, que devem ser por todos respeitada, garantimos a sobrevivência da democracia”, destacou o presidente da Subseção Criciúma, Fábio Jeremias.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 04/10/2018 - 16:25Atualizado em 04/10/2018 - 16:36

Instituto IPC concluiu agora à tarde apuração de dados da ultima pesquisa sobre a intenção de votos do eleitor de Criciúma para governador e presidência da república.

Pesquisa foi feita nos dias 2 e 3 de outubro  (terça-feira e quarta-feira).

Pesquisa exclusiva para radio Som Maior, A Tribuna e portal 4Oito.

Os números serão divulgados a partir de 18h na radio Som Maior, programa Ponto Final, e portal 4Oito.

Amanhã, todos os dados e cruzamentos e evolução dos númeos em A Tribuna.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 04/10/2018 - 06:55Atualizado em 04/10/2018 - 09:10

Estreante em política, o Comandante Moisés (PSL) pode ser a novidade na eleição para governador do Estado, no domingo. Não que ele esteja cotado para passar ao segundo turno. Mas, ele pode conseguir duas “proezas”.

Evitar a migração na reta final de votos de Bolsonaro para Gelson Merisio (PSD) e ultrapassar Décio Lima (PT), prejudicado pelo recrudescimento do antipetismo.

No debate de terça-feira à noite, na NSC TV, o último do primeiro turno, o Comandante se mostrou com nova postura, mais firme, decidido a se colar em Bolsonaro, falando em “chapa Bolsonaro" e condenando a estratégia de Gelson Merisio, que taxou de “oportunista”.

Merisio abriu voto para Bolsonaro na semana passada.

Ontem, o PSL distribuiu vídeo nas redes sociais com um dos filhos de Bolsonaro, falando em nome do pai, pedia votos para o Comandante Moisés, com filmagem de encontro entre os dois - Comandante Moises e próprio Jair Bolsonaro.

A última pesquisa estadual do IBOPE sai amanhã. Mas, os trackings (levantamentos diários) mostram que o Comandante Moisés vem subindo nos últimos dias, pela vinculação com Bolsonaro.

A propósito, o debate da NSC, o Comandante teve bom desempenho. Leonel Camasão (PSOL), também.

Gelson Merisio (PSD), parecia nervoso. Mauro Mariani (MDB), controlado.

Foi o debate mais movimentado (quente) de toda a campanha de primeiro turno.

De cara, Merisio disparou contra Mariani, que deu o troco. E seguiram-se outras estocadas.

Vieram à tona a denúncia no Ministério Púbico Federal, a sogra-secretária, o dinheiro para a campanha, as inspeções fiscais para os “amigos”, as nomeações nas regionais.

Na disputa pelo comando do Estado, não é se vai ter segundo turno. É como chegarão os dois “classificados”. Em números (qual diferença entre eles) e em que condições (o quanto estarão “baleados”).

Além disso, em que condições para ampliar o arco de alianças.


Fora do sul

Napoleão Bernardes (PSDB), vice de Mauro Mariani (MDB), chegaria hoje à região para cumprir última agenda de campanha. Cancelou ontem à noite. Vai concentrar em Blumenau, sua base.

Mariani também ficará em Joinville e região até domingo.

Gelson Merisio (PSD) já estava ontem no Oeste, e ficará lá até domingo.


Eduardo na área

O governador Eduardo Moreira visitou ontem à noite o novo neto, Antônio, que nasceu no fim da tarde.

Hoje, vem para o Sul para se dedicar à campanha. Ficará até domingo, quando votará as 10h no Marista.


O “Kaiser” com Mariani

O ex-governador e ex-senador Jorge Bornhausen abriu o seu voto para governador. Vai de Mauro Mariani (MDB).

Ele tem feito críticas duras a Gelson Merisio (PSD).

Para deputado estadual, confirmou voto em Julio Garcia (PSD), seu amigo pessoal e braço direito na política durante muitos anos.


Perdas

Candidatos do PCdoB e PDT, partidos que estão na coligação de Gelson Merisio, estão distribuindo "colinhas" e "santinhos" sem candidato a governador .

Desde que Merisio anunciou voto em Bolsonaro.


Ibope reanima petistas

Pesquisa Ibope de ontem à noite reanimou petistas e conteve bolsonaristas.

Bolsonaro subiu um ponto, mas Haddad subiu dois.

Bolsonaro não manteve a mesma onda de crescimento que permitia projetar vitória no primeiro turno.

Bolsonaro tem 32% e Haddad 23%. Diferença de nove pontos.

Ciro caiu um ponto e agora tem 10%. Alckmin caiu um e está com 7%.

Nos votos válidos, Bolsonaro está com 38% e Haddad 28%.

Hoje, nova pesquisa nacional, do Instituto DataFolha.


Pesquisa em Criciúma

Instituto IPC conclui hoje última pesquisa em Criciúma no primeiro turno, exclusiva para Rádio Som Maior e A Tribuna.

Os números serão divulgados a partir de 18h na Rádio Som Maior e portal 4oito.


Apoio externo

O vereador de Forquilhinha Arlei Dondóssola (PR) anunciou ontem apoio para a candidatura do sindicalista Célio Elias (PT) a deputado federal.


Porta a porta

O deputado estadual Valmir Comin (PP), candidato à reeleição, está na região pedindo votos em empresas. Ontem, esteve em Urussanga e foi na Ibrap, do empresário Gera Fornazza (no centro, de óculos). Estava acompanhado do ex-prefeito Luiz Carlos Zen.


Dois pontos

Há três anos que Criciúma não recebia um voluma de chuva como esse dos últimos dias. Dois fatos a se constatar. 1 – O canal auxiliar vem cumprindo bem o seu papel e evitando muitas cheias, que em épocas anteriores seria certo. 2 – Enquanto isso, a Prefeitura ainda não conseguiu resolver o problema de alagamento no Teatro Elias Angeloni. A dificuldade estaria na falta da planta do local, perdida nos incêndios ao Paço Municipal.


Nova Prefeitura

O prefeito de Içara, Murialdo Gastaldon (MDB) dá um passo importante na construção do novo prédio da Prefeitura. Hoje, faz ato, para assinatura do contrato com a Caixa Econômica Federal. Reúne ex-prefeitos e ex-vice-prefeitos. São R$ 10 milhões em duas obras, sendo R$ 7,5 milhões para o novo Paço e R$ 2,5 milhões para a revitalização viária central.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 03/10/2018 - 19:12Atualizado em 03/10/2018 - 19:16

Ibope acaba de divulgar o resultado de mais uma pesquisa de intenção de voto para presidente.

De novo, Bolsonaro subiu, mas desta vez Haddad também.

Em relação a pesquisa anterior (de segunda-feira), Bolsonaro passou de 31% para 32% e Haddad foi de 21% para 23%.

Ciro caiu um ponto - de 11% com 10%. Alckmin também caiu um - de 8% para 7%.

Marina se manteve com 4%. 

Os indecisos foram de 5% para 6% e os brancos ou nulos, de 12% para 11%.

Contando apenas os votos validos, Bolsonaro tem 38%, Haddad 28%. 

Os numeros:

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 03/10/2018 - 06:11Atualizado em 03/10/2018 - 07:06

Professor Renato Rampinelli, diretor do Instituto IPC, analisando os números do Ibope de segunda-feira à noite, projetou ontem que Jair Bolsonaro (PSL) pode ganhar a eleição para presidente no primeiro turno se atingir entre 39% e 40% das intenções de votos. Seria o suficiente para fazer mais de 50% dos votos validos.

À noite, o Instituto DataFolha mostrou que Bolsonaro já chegou a 32% das intenções de voto. Se considerar a margem de erro, de dois pontos, ele pode estar com 34%. A mostrar que está perto da vitoria no primeiro turno.

Além disso, o principal adversário, Fernando Haddad (PT), caiu um ponto nas intenções de voto e aumentou o percentual de rejeição. E os outros, ou estagnaram, ou caíram. Sinal que o voto útil está funcionando a favor de Bolsonaro.

O sentimento antipetista está decidindo a eleição.

Quando ficou evidente que a eleição seria decidida entre a volta do PT ou Bolsonaro, e que Bolsonaro perderia no segundo turno, acabou prevalecendo o voto útil. Para não correr o risco de ter a volta do PT ao poder.

Geraldo Alckmin (PSDB) contribuiu para isso, quando passou a alertar para a possibilidade real se o PT vencer no segundo turno contra Bolsonaro. Mas, não se beneficiou. Ajudou Bolsonaro, que foi quem encarnou o sentimento anti-PT.

Até 2014 esse espaço era do PSDB, mas o partido se perdeu pelo meio do caminho. E Alckmin pagou a conta.

Além disso, Bolsonaro conseguiu se colocar como o depositário da indignação do cidadão comum pagador de impostos (e de todo tipo de indignação).

É verdadeiro que pesquisa constata tendências e movimentos do eleitorado, não é antecipação de resultado. Tudo pode mudar até domingo. Mas, só se tiver um fato muito importante, uma bomba, para conseguir conter a água que começa a descer morro abaixo.

Ou, a onda pode aumentar e virar tsunami.

 

Os números

Pesquisa DataFolha, de ontem à noite: Bolsonaro 32%, Haddad 21%, Ciro 11%, Alckmin 9%, Marina 4%

Bolsonaro subiu de 28% para 32%, Haddad caiu de 22% para 21%, Ciro repetiu o que ja tinha, Alckmin caiu de 10% para 9% e Marina caiu de 5% para 4%.

Os outros: Amoedo 3%, Alvaro Dias, Meireles e Cabo Daciolo estão empatados com 2%. 

Pela movimentação dos números, Alvaro Dias e Meireles, caindo, podem perder para o Cabo Daciolo, subindo. 

E Marina, caindo, deve ser superada por Amoedo, subindo.

 

Querem Bolsonaro, e querem o PT

Em Santa Catarina, o quadro é outro. Decisão em primeiro turno, sem chance.

Segundo turno deve ser disputado entre Mauro Mariani (MDB) e Gelson Merisio (PSD).

Merisio já está com Bolsonaro e vai tentar o seu apoio. 

Mariani também vai fechar com o “Mito" e espera neutralizar eventual apoio a Merisio pelos deputados Peninha e Colato (ambos MDB), amigos pessoais de Bolsonaro.

Mas, tanto Merisio quanto Mariani querem os votos do PT. E já negociam para isso.

 

As ondas

Decio Lima (PT) chegou a alimentar a possibilidade de buscar uma vaga no segundo se tivesse uma “onda Haddad” no estado. Que não aconteceu. 

Agora, Decio tem que cuidar para que a “onda Bolsonaro” não cole no Comandante Moisés.

 

Declaração de voto

Na sessão de ontem à noite da câmara de Criciúma, o vereador Ademir Honorato (MDB) fez discurso citando versículos da Bíblia e encerrou com a frase/slogam de Bolsonaro - “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

 

Fazendo as contas

Ainda tem muito voto sendo dado para candidato de fora, mas pelas contas, considerando o volume de campanha dos candidatos e os levantamentos feitos, é possível projetar para Criciuma a eleição de 3 a 4 federais (com uma surpresa) e 5 a 6 estaduais (também com uma surpresa).

 

Três na disputa

A eleição para o senado em Santa Catarina está sinalizando para uma disputa tripla pela segunda vaga. Raimundo Colombo (PSD), Paulo Bauer (PSDB) e Jorginho Mello (PR).

A primeira parece encaminhada para Esperidião Amin (PP)

« 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13