Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
Henrique Packter
Por Henrique Packter 06/04/2021 - 06:19

Historiadores concordam com que o passado muda todo dia. De acordo com as motivações do presente, alguns personagens ganham brilho enquanto outros se apagam; episódios inspiram feriados cívicos, anônimos viram heróis.

Até 2003 Dilma era personagem pouco relevante na luta contra a ditadura. Ministra das Minas e Energia, já cotada para a sucessão de Lula, seu passado se transfigurou. Virou protagonista. Na 1ª edição do livro Mulheres que foram à luta Armada (1999), do jornalista Luiz M. Carvalho, a presidenta nem sequer aparece. Em 2003 (caso exemplar de como o passado muda de acordo com o presente), o jornalista adicionou a história de Dilma ao livro.

ROMEU PINICILINA, natural de Itajaí, 29.12.1921, filho de José Lopes de Carvalho e de Etelvina Ramos de Carvalho, casou-se com Carmezinda (Carmem) Freitas de Carvalho: o casal não teve filhos. Funcionário autárquico do IAPETEC de Criciúma, onde executou as funções de enfermagem ambulatorial, incorporado depois ao INAMPS, era dotado de zelo e capacidade invulgares. Vereador com mandato de 1970-1972, era vice-presidente do legislativo. Foi suplente de deputado federal. Desenvolveu intensa atividade social, sobretudo em inúmeros eventos de caráter esportivo.  Presidente da Banda Musical Cruzeiro do Sul também fundou e foi  presidente da Associação Ciclistas de Criciúma e presidente da Escola de Samba Vila Isabel. Os mais antigos vão lembrar-se dos desfiles de bicicletas adornadas com as cores pátrias, sua responsabilidade nos desfiles de 7 de setembro. Faleceu em Criciúma em 26.4.1999, 78 anos.

Romeu Pinicilina era personagem menor do folclore criciumense, mas não menos importante. Filiado ao PTB tentava galgar os degraus da política pela Câmara de Vereadores.

ROMEU LOPES DE CARVALHO, O ROMEU PENICILINA. ENFERMEIRO, MEMBRO DO DIRETÓRIO DO PTB, CICLISTA                        

Os vereadores à Câmara Municipal de Criciúma (1963/1966) foram Abílio dos Santos, Arlindo Junkes – agricultor, comerciante, filósofo, professor de latim no Madre Teresa Michel, prefeito ante a renúncia de Nery Jesuíno da Rosa,  jornalista Aryovaldo Huascar Machado - imprensa, rádio e TV, presidente da Câmara de Vereadores,  Fidélis Back -  servidor público e vice-prefeito de Algemiro Manique Barreto, Fidélis Barato – contabilista, empresário, natural de Jaraguá do Sul, fixa-se em Criciúma aos 17 anos, presidente do legislativo local, Antônio Guglielmi Sº- pecuarista, vereador duas vezes, presidente da edilidade, deputado estadual, falecido aos 45 anos, José Martinho Luiz, Lafaiete Borba - funcionário do IAPETEC,  Nelson Alexandrino – presidente da Câmara, técnico  em contabilidade, economista, advogado; aos 90 anos reside em Florianópolis, Pedro Guidi – servidor público municipal, duas vezes vereador, pai de Nereu (advogado, vereador, presidente da Câmara, dois mandatos de deputado federal), e de Nelson (médico pediatra), Wilmar Zózimo Peixoto – de Porto Belo, topógrafo e agrimensor, três mandatos consecutivos de vereador, presidente por duas vezes do legislativo municipal, fundador e presidente da LARM, fundador e dirigente do EC Próspera. Foram suplentes:  Apolinário Tiskoski, Antônio Casagrande, Edgar Cândido da Rosa, João Antônio Nunes, Matias Ricardo Paz, Nicolau Destri Napoleão, Nilton Francisco Rebello, Otávio Pacheco dos Reis, Romeu Lopes de Carvalho, Tibélio Otávio Milanez).

OS COMEÇOS. FICHA DE ATENDIMENTOS EM OFTALMOLOGIA

Conheci ROMEU LOPES de CARVALHO, o Romeu Pinicilina, atendendo-o profissionalmente em 08.9.1960, quando ele contava 38 anos de idade. Natural de Itajaí, agora residia em Criciúma. Tinha pterígios internos . Voltou a consulta em 29.3.1962.  Era míope de -2.00 graus.  Tinha pressão arterial e ocular normais. Ainda consultou em 20.1.1967, 08.1.1969, 11.2.1976, 8.1.1969, 11.2.1976, 17.10.1979, 11.1.1983, 23.3.1983 quando remove seu pterígio interno no OE.  Os pontos são removidos em 29.3. 1983. Tinha queixa de estafa em 13.3.1990.  A PA sobe e chega a 14x10.  Em 29.10.1992, aos 71 anos de idade  seu último exame em minha clínica já apresentando um catarata em AO e com PA normalizada.

Locomovia-se pela cidade de bicicleta, mini guarda- chuva pendurado na cintura. Estudava à noite no Colégio Sebastião Toledo dos Santos. Nos desfiles de 7 de setembro invariavelmente sua bicicleta era a mais vistosa com fitas verde-amarelas que resplandeciam ao sol. Perseguia incansavelmente um lugar na Câmara de Vereadores e era membro convicto do diretório municipal do PTB.

1945, ANO ZERO

Nesse ano, morre o presidente dos EUA, Franklin Delano Roosevelt, por AVC. Assume seu cargo o vice-presidente Harry Truman. 08.5.1945 é o dia da vitória na Europa, dia em que a Alemanha nazista rendeu-se incondicionalmente às forças aliadas. A 6 e 9 de agosto Hiroshima e Nagasaki são bombardeadas com armas nucleares. A Segunda Guerra Mundial vai terminar a 2.9.1945 com a vitória dos aliados. A 24 de outubro a ONU é fundada e a 29 de outubro Getúlio Vargas é deposto da presidência do Brasil, finda o Estado Novo. Aporelly, o Barão de Itararé se regozija. Eterna vítima da violência da polícia política carioca, em seu box de trabalho no Jornal A Manhã (sua coluna chamava-se A Manha), pendurara aviso:

- Entre sem bater! 

Quando HENRIQUE DAURO MARTINGAGO  retorna a Criciúma, início dos anos 60, a cidade está em efervescência, exatamente o ambiente que sua personalidade inquieta requeria. Imagino-o apresentando armas ao chegar:

- Quem mandava aqui?

BRASIL, PAÍS SEM MEMÓRIA. O IMBECIL COLETIVO

Noutros países o passado integra o presente; mesmo vilões como GUEVARA ganham investigadores e admiração. Na Argentina há verdadeira disputa em torno de personagens enterrados, embalsamados e de seus ossos – o caso de Perón. No Brasil essas coisas não são levadas muito a sério e há ossos ilustres perdidos por aí.

A vida de ROMEU LOPES DE CARVALHO, vivida em Criciúma, é tanto mais notável por se passar num momento decisivo de nosso desenvolvimento, quando todos grandes protagonistas de nossa história já aqui estavam e contracenaram com nosso singular personagem. Às vezes, ler registros daquela Criciúma exige visão ampla e estômago forte. A indústria carvoeira, suas semelhanças e estranhamentos com todo o resto; seus sindicatos, empresários e mineiros, políticos, religiosos, comerciantes, médicos, engenheiros, contadores, jornalistas -, estranho, cruel e impiedoso mundo de negócios em que tudo precisava estar em seu devido lugar sob pena de catástrofe. 
Historiadores sabem que o passado não é um campo imóvel de contornos definidos. As interpretações históricas favorecem a ampliação do conhecimento possibilitando conhecer os fatos tal como eles realmente ocorreram. A análise do passado não nos obriga à ingestão de pratos feitos, quase sempre indigestos. Assassinos da memória parecem não ter dúvidas a respeito do caminho percorrido e a percorrer. Para ficar numa só voz crítica, vinda do universo religioso, Leonardo Boff disse a respeito:

- Quem tem tanta certeza não pode ter misericórdia. Não pode entender e respeitar a convicção alheia – condição indispensável da vida democrática.
 

Henrique Packter
Por Henrique Packter 31/03/2021 - 07:10Atualizado em 31/03/2021 - 07:14

Quantos lembrarão do advogado HELMUT ANTON SCHAARSMIDT, nome de rua na Próspera, que brilhou nas lides jurídicas em Criciúma nos anos 60, 70 e 80? Atuou na área trabalhista, não deixando de brilhar também no crime. Era natural de Guaíba, na grande POA/RS. Aqui chegando, logo passa a advogar para o grupo Diomício Freitas, chegando a ocupar uma diretoria na CECRISA (Cerâmica Criciúma S.A.). Depois, trabalhou no TRT em Florianópolis, cidade onde faleceu prematuramente, últimos anos do século 20.

Pouco antes de vir a falecer, esteve em Criciúma para ser homenageado pela Fundação Cultural (FCC), por mim presidida à época. Trouxe trabalhos artísticos que executara em parceria com artista criciumense: versos seus emoldurados por belas paisagens. Foi uma noite nostálgica, casarão da rua Pedro Benedet lotado e havia um brilho particular naquela noite destinada a confidências. Helmut mostrou mágoa ao relatar que certos trabalhos seus em prol da comunidade haviam sido ignorados pelas autoridades. Estava doente, sabia que sua morte não tardaria e, diante da morte quase todos falamos a verdade. O Helmut brincalhão que conhecêramos não mais existia, víamos um homem amargo e até certo ponto desiludido. Não era segredo para ninguém que ele muito lutara e apoiara a esposa, dona Marlene, que sofreu por anos de moléstia que a impedia de apanhar o sol do Morro dos Conventos em Araranguá.

Torcedor do Grêmio Portoalegrense ficou famoso pelo vigor que emprestava às suas atuações nas mesmas areias araranguaienses, em ensolaradas tardes futebolísticas de sábado. Ganhou mesmo, pelas suas atuações, o apelido de Baidek, truculento zagueiro do tricolor gaúcho das antigas. Tempo houve em que o balneário Morro dos Conventos, era o favorito das famílias criciumenses. Fins dos anos 60 tinham moradias de veraneio naquele balneário David Luis Boianowski, Adhemar e Beverly Godoy Costa, Boris Pakter, Henrique Packter, Jacy Eustachio Fretta, Dino Gorini, Helmut Schaarsmidt, a família de Vánio Sampaio da Farmácia Sampaio, Giácomo João Puggina - e outros mais.

O CACHORRO DE HELMUT

Em Criciúma sempre morei na rua Lauro Müller e Helmut na rua José Tarquínio Balsini, a rua do Criciúma Clube. Vizinhávamos, portanto. Tinha ele um cão de guarda portentoso, acho que um Dog Alemão que frequentemente fugia da coleira e punha o bairro em polvorosa. Era dono de porte soberbo, cabeça sempre  elevada, rabo empinado, sem aqueles balanços amistosos. Ladrava alto e forte, assustando a pacífica gente do bairro. Eu também tinha um Dog alemão, porém dócil, amistoso, apesar do porte, da aparência. Nossos cães tinham um veterinário comum, AMADEU LUZ, eterno candidato pelo PCB a vereador, deputado, senador ou governador. Que eu saiba, nunca se elegeu, mas por conta de sua filiação partidária esteve preso e chegou a ser torturado em Curitiba. Era funcionário do cartório ALDO LUZ, de seu irmão.  Na verdade, Amadeu era  um veterinário não ex-offício. Tinha muitos cães num canil caseiro e, graças a isso adquiriu grande conhecimento no trato de doenças  de cães sendo uma autoridade inquestionável e respeitada na área. Certo dia,  Amadeu saia de minha casa após atender meu cão, o Blue. Com a mão ainda no portão semi-aberto chamou o cão do Helmut que passava pela calçada oposta com pose de rei da Inglaterra. Amadeu chamou-o pelo nome com seu vozeirão  de grande fumante. O cachorro nem olhou: colocando o rabo entre as pernas, cabeça baixa, escafedeu-se velozmente.

HELMUT, JUIZ CLASSISTA

Em 20.12.1989 foram nomeados juízes classistas temporários, Helmut Anton Schaarschmidt (representante dos empregadores), e Amauri Izaías Lúcio, representante dos empregados, e seus respectivos suplentes, Telmo Joaquim Nunes e João Carlos Nunes Mota, que tomaram posse em Sessão Solene no dia 18.1.1990. O final de 1989 assinala o fim das atividades em Criciúma de Helmut.

O COMODORO HELMUT SCHAARSMIDT

Helmut decide-se por adquirir uma vistosa lancha e pilotá-la em alto mar. Para isso precisava fazer curso na Capitania dos Portos de Laguna, do Ministério da Marinha. A lancha já fora adquirida e após curto espaço de tempo Helmut anuncia a conclusão do curso, detendo, portanto, plena capacitação para pilotar a embarcação.

Era novamente verão e um dos sábados da temporada foi destinado à chegada de Helmut, pilotando sua lancha, A Rainha dos Mares, vinda da Laguna. A praia estava lotada de gente. Lá pelo farol, verdadeira multidão, munida de fogos de artifício,  aguardava o momento da grande chegada na foz do rio Araranguá. Grande alarido se ouviu quando foi anunciado, pelos espectadores munidos de binóculos  que a lancha fora avistada. O céu claro e sem nuvens daquele belo dia de verão enegreceu-se com o fumo dos rojões, piorado por barulho ensurdecedor. O barco apontou na curva do rio.  De repente, ó surpresa! Agora, um silêncio perturbador e afinal, gritos por toda a parte. Era a embarcação  que adernava perigosamente, fazendo água e depois de poucos instantes, afundava! A tripulação chegou à praia a nado. Helmut nunca mais tocou no assunto. Todos nós outros, prudentemente, também esquecemos o naufrágio após refletir sobre as qualidades do zagueirão Helmut que dividia todas nas peladas. Melhor deixar as coisas assim mesmo.

Seu Otavinho, morador nas proximidades e que cuidava de nossas propriedades no balneário e que muito ouvia e muito repetia os ditos de DIOMÍCIO FREITAS, proprietário do único hotel da praia e de quase todos os seus terrenos, contava o acontecido para quem quisesse ouvir, acrescentando:

- Não há o que não haja! 

Henrique Packter
Por Henrique Packter 24/03/2021 - 07:50Atualizado em 24/03/2021 - 07:52

Meu falecido amigo, o engenheiro GIÁCOMO PUGGINA, vindo da cidade de Rio Grande/RS, a Criciúma/SC, para trabalhar na mineração de carvão e especificamente na Cia. Próspera, falou-me do tio, comerciante varejista em sua cidade natal, cujos negócios não iam nada bem em virtude da GRIPE ASIÁTICA de 1957. Abria a loja diariamente na esperança de que as coisas viessem a melhorar, e nada!

Ia até a calçada, olhava o céu de onde despencava chuva torrencial, olhava para um lado, olhava para o outro e voltava desanimado para dentro da loja, exclamando:

- I piove, governo ladro!

No idioma italiano a expressão Piove, governo ladro! (Chove, governo ladrão!), é utilizada como paródia de slogans contra o governo, que seria o culpado pelo que há de negativo e até mesmo pela chuva. A expressão italiana satiriza o hábito de se atribuir ao governo a culpa por tudo.

Puggina trabalhava na mina Próspera. No intuito de incrementar a produção, no final da década de 1950 a Cia. Próspera trouxe para Siderópolis a Shovel Marion 5323 e a famosa Dragline Marion 7800, com 27 m³ de caçamba e lança de 70 m de comprimento, a maior da América Latina.

O carvão bruto extraído das entranhas das minas era tratado industrialmente, possibilitando a separação do carvão metalúrgico a ser utilizado na usina siderúrgica de Volta Redonda (RJ). Patrocinado pela CSN entrou em operação o Lavador de Capivari (SC) para separar o carvão bruto do carvão metalúrgico (1945), além da Usina Termelétrica de Capivari. O lavador, instalado na rota da estrada de ferro Dona Tereza Cristina, entre o porto de Imbituba e as minas de Criciúma, era local com bons mananciais.  A implantação do Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, década de 50 em Capivari de Baixo (SC), deveu-se à enorme quantidade de carvão depositado no local e subutilizado, sendo destinado como matéria-prima para a termelétrica.

No início dos anos 70 estavam em atividade 11 mineradoras, a maioria pertencente a empresários locais.

A indústria carbonífera teve seu auge na década de 70, rápido crescimento em resposta à crise mundial do petróleo. No auge da atividade carbonífera havia perto de 15.000 mineiros na região, hoje reduzidos a 5.000. No início da década de 90 foram retirados os incentivos do setor, levando a região sul catarinense a profunda crise.

2.    A IMPORTÂNCIA DO VERNÁCULO

Nos tempos em que o Distrito Federal era no RJ, a Câmara dos Deputados era um repositório de histórias, quase sempre jocosas. Nas eleições de 1934 elegeram-se para o Palácio Tiradentes, Álvaro Teixeira Pinto Filho e Benedito Nilo de Alvarenga, entre muitos outros. O primeiro tinha um discurso eloquente e que respeitava com rigor nosso sempre combalido vernáculo. Já o segundo não era tanto assim. Certo dia, para surpresa geral, Álvaro Teixeira Pinto vai à tribuna para invectivar contra discurso de Benedito que considerou ofensivo pelos crimes cometidos contra o purismo da língua. Benedito se defende. Diz que certas regras do discurso parlamentar podem ser flexíveis em razão de maior entendimento para as gentes. O exemplo mais flagrante – disse -, era o próprio deputado Álvaro.

- Como, de que jeito, pergunta o surpreso Álvaro.

- Ora, diz Benedito, o nome de Vossa Excelência é Teixeira Pinto. A obedecer-se o que recomenda o português castiço deveria eu chama-lo de Cheira-te Pinto!

3.    IVETE VARGAS X CARLOS LACERDA

Lacerda, Deputado Federal (1955-1959 e 1959-1963), era temível tribuno. Ganhou a alcunha de O Corvo.

Nasceu no RJ em 30.4.1914. Jornalista, escritor e empresário, fundou o jornal Tribuna da Imprensa e a editora Nova Fronteira. Político marxista a princípio, em 23.3.1935, participa da fundação da Aliança Nacional Libertadora (ANL), frente popular contra o integralismo, o imperialismo e o latifúndio. Rompeu com o comunismo em 1939, publicando artigo que o fez ser acusado de traidor pelos ex-correligionários. Em 1945, filiou-se à UDN, elegendo-se Vereador do RJ, então DF (1947). Renuncia ao mandato no mesmo ano, em protesto contra a aprovação pelo Senado da diminuição das prerrogativas da Câmara Municipal. Opositor ferrenho do segundo Governo Getúlio Vargas, foi uma das vítimas  do Atentado da Toneleros, em 5.8.1954 (ferimento no pé), desencadeando crise que levaria Vargas ao suicídio.

Deputado Federal em outubro seguinte com a maior votação do DF, participou em 1955 de conspiração para impedir eleição e posse de Juscelino Kubitschek e seu vice João Goulart na Presidência da República. Na Câmara, foi líder da UDN (1957-1958) e, reeleito (deputado mais votado), tornou-se líder da Minoria (1959, UDN e PL). Eleito em outubro de 1960 Governador da Guanabara, Estado recém-criado, renuncia ao mandato parlamentar para assumir o governo estadual (1960-1965). Remove favelas e realiza importantes obras viárias, de abastecimento de água e de esgotamento sanitário. Entrou em choque com o Presidente Jânio Quadros (jan.-ago./1961) por várias vezes e fez oposição sistemática a João Goulart (1961-1964). Apoiou o Golpe de 1964 e em novembro, divergindo dos militares que haviam tomado o poder, lançou-se candidato pela UDN à Presidência da República. Ato Institucional no 2 (AI-2), de 27.10.1965, frustrou suas pretensões, terminando com a eleição direta para Presidente da República. Em 1966, apoiado pelos exilados Kubitschek e Goulart, articulou a Frente Ampla, pregando a união das forças políticas  pela redemocratização do País. Em abril de 1968, banida a Frente, em 14/12, um dia após a edição do AI-5, Lacerda é preso. Libertado após uma semana de greve de fome, tem seus direitos políticos suspensos por dez anos. Morre no RJ em 22.5.1977.

Polemizava ele, certo dia, no Palácio Tiradentes, com a deputada federal IVETE VARGAS do PTB, que termina por chama-lo de purgante.

- Vossa excelência é um purgante!

- E o resultado é Vossa Excelência, retruca Lacerda

Henrique Packter
Por Henrique Packter 18/03/2021 - 06:36

Uso das máscaras reduz em 87% as chances de ser infectado pelo coronavírus. Evita que pessoa contaminada transmita a doença, funciona como barreira impedindo que gotículas de saliva contaminadas alcancem os outros. Se precisar retirar a máscara, certifique-se de que não há pessoas ao redor para evitar risco de contaminá-las ou ser contaminado. Segure a máscara sempre pelas beiradas ou pelos elásticos. Nunca toque no meio do tecido, como fez nosso quarto ministro da doença na sua primeira entrevista. Se seus dedos estiverem contaminados, você conduzirá o coronavírus direto para o nariz e boca. Higienize as mãos antes de tocar o rosto.

 

Qual o modelo de máscara mais recomendado?

Fundamental: uso correto da máscara  indicada, lavar as mãos com álcool a 70º e distanciamento social. Máscaras caseiras de maneira geral devem ser evitadas.  Recomenda-se as industrializadas, sobretudo em espaços públicos. Usar a N95 ou a PFF2, principalmente para lugares fechados e maior exposição. As caseiras somente em locais abertos e limitada circulação de pessoas. A peça precisa cobrir nariz, boca e queixo. Mantenha-a rente à pele, sem frestas nas bochechas. Há máscaras que ficam presas na orelha ou são amarradas atrás da cabeça. Tanto faz.

 

PFF2 E N95

Há estruturas com poder de filtragem superior, maior vedação (ficam completamente presas ao rosto). Talvez a PFF2 seja a mais recomendável, sobretudo para consultas médicas, idas ao banco, supermercados,  transporte público, taxis, viagens. Consideradas descartáveis, não devem ser lavadas nem nelas passar álcool ou outro produto para limpeza. Após uso deixar descansar por 3 dias para inativação do vírus. Depois desse período usar normalmente. Do ponto de vista de proteção, são  as melhores. Chegam a filtrar 95% do ar e retém partículas pequeníssimas. Máscaras N95 são as que oferecem mais proteção, pois selam firmemente ao redor do nariz e da boca. Geralmente reservadas para profissionais de saúde.

 

MATERIAL DAS MÁSCARAS

As melhores devem ser confeccionadas com algodão em 3 camadas e espaço para inserção de folha de polipropileno com celulose  (pano ou papel de toalha-papel reutilizável). Evitar tecidos muito  porosos e máscaras com costuras no meio (tipo bico de pato). A OMS recomenda que as máscaras tenham três camadas: uma interna que absorve, uma do meio de filtragem e uma terceira externa, feita de material não absorvente, como poliéster. São as chamadas máscaras híbridas, feitas com mais de um material.

Trocar as máscaras a cada 2 horas ou quando estiverem úmidas.  Elas também podem ser desinfetadas, deixando-as de molho em solução de água sanitária (2 coleres de sopa para cada litro d´água) ou em água com sabão por 30 minutos. Enxaguar em água limpa. A máquina de lavar desgasta o tecido mais rapidamente e, portanto, deve ser evitada.    Descartar após 30 lavagens. Devem ser feitas com três tecidos. As camadas interna e intermediária precisam ser de algodão. A parte mais externa pode ser de poliéster ou polipropileno. Há quem prefira deixar a peça de molho por cerca de 20 minutos num balde com pouco de água sanitária diluída. Outra opção é colocar na máquina junto com as outras roupas e fazer o ciclo completo de lavagem com sabão e amaciante. Na sequência, deixe secar no varal. Para se certificar de que a trama do tecido não carrega nenhuma partícula de vírus, alguns passam a máscara a ferro. O calor inativaria qualquer ameaça que restasse. Como regra geral para uma máscara, o tecido de composição deve ser o mais firme possível e grande contagem de fios, que são melhores na filtragem de partículas.

MÁSCARAS CIRURGICAS

São feitas de TNT em 3 camadas. Têm boa capacidade de filtragem, mas vedação inferior à PFF2. Devem ser descartadas após o uso. São finas  e umedecem mais rapidamente. As proteções cirúrgicas descartáveis também são eficazes. Estudo de 2013 concluiu que esse material era cerca de três vezes mais eficiente no bloqueio dos aerossóis da gripe do que máscaras faciais caseiras.

 

FACE SHIELD E ÓCULOS DE PROTEÇÃO

Devem ser utilizados sempre com máscara. A chance de contaminação através dos olhos é pequena. Máscaras transparentes de vinil NUNCA DEVEM SER USADAS.  Além do material não ser capaz de filtrar o ar inspirado ou expirado não oferecem boa adesão ao rosto. Esse escudo de acrílico protege os olhos e é uma boa para profissionais de saúde e para quem tem contato com o público.

 

E DUAS PEÇAS?

Prática que aumenta a segurança usando diferentes materiais e melhor vedação lateral. Mas, para lugares quentes este artifício não é prático.

 

BANDANAS E LENÇOS
Estudo publicado pelo Journal of Hospital Infection apontou que um lenço só filtra 44% das gotículas inicialmente. Após 20 minutos de exposição a uma pessoa infectada, por exemplo, o lenço só filtra 24% das partículas. Da mesma forma, os pesquisadores da Universidade Duke descobriram que as bandanas apresentam baixos índices de proteção, são o tipo de material menos protetor – comparado com semelhantes.

No entanto, na maioria das vezes, qualquer cobertura facial é melhor que nenhuma, com apenas uma exceção: máscaras com válvulas de ventilação. Proteções do tipo podem expelir partículas infecciosas para a atmosfera, ajudando na propagação do vírus.

MÁSCARA N95.......................................................................................↑PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE

MÁSCARA CIRÚRGICA.........................................................................↑PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE

MÁSCARA HIBRIDA E/OU DE ALGODÃO COM 2 CAMADAS...........PARA USO EM PÚBLICO, LOCAIS FECHADOS OU LOTADOS

MÁSCARA DE PANO OU DE 100% DE ALGODÃO..............................PARA USO EM ÁREAS EXTERNAS

MÁSCARA DE SEDA NATURAL............................................................↓PARA USO EM ÁREAS EXTERNAS

BANDANA...............................................................................................COMO ÚLTIMO RECURSO; COMO TANGO ARGENTINO: SÓ NA HORA DA MORTE

MÁSCARA COM VÁLVULA DE VENTILAÇÃO....................................NUNCA!     

 

E OS RESULTADOS?
Máscaras têm desempenho diferente dependendo de como são usadas Mesmo com indicação de eficácia, é sempre bom ter cautela com os resultados alcançados. Nem sempre é fácil simular o desemprenho de uma máscara na vida real. Alguns testes imitam diretamente o tamanho de partículas do novo coronavírus, enquanto outros avaliam o desemprenho da proteção com base em vírus semelhantes, como o da gripe.

Diferentes estudos também testam máscaras em diferentes circunstâncias. Alguns imitam o forte fluxo de ar produzido quando uma pessoa tosse, enquanto outros testam o ar quando um indivíduo fala ou respira normalmente.

Por tudo isso é recomendado que sejam utilizadas e avaliadas de acordo com a necessidade.

Henrique Packter
Por Henrique Packter 11/03/2021 - 10:41

Nascido em Montenegro, RS,  graduou-se em engenharia mecânica pela Universidade Federal do RS.  Engenharia econômica, administração de empresas e finanças industriais, todas  pela UFSC.

CARREIRA POLÍTICA
Foi deputado federal (1983 a 1987), prefeito de Blumenau  (1989 a 1990), governador de SC  (1991 a 1994) e senador (1995 a 1998). Exerceu ainda os cargos de secretário de Agricultura e Abastecimento de SC.

Kleinübing, vice-líder do governo no Senado era um dos mais ativos senadores na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). Na CPI dos Títulos Públicos ficou evidente sua preocupação com o zelo na fiscalização do endividamento público de estados e municípios, das principais competências do Senado Federal. Casado com Vera Maria Karam Kleinübing teve três filhos: João Paulo, Eduardo e Diogo.

MORTE
O senador Vilson Kleinübing (PFL-SC) morreu em 23.10.1998 aos 54 anos, vitimado por câncer de pulmão, no Hospital de Caridade de Florianópolis. À época, era Senador, eleito pelo extinto Partido da Frente Liberal. Geraldo Althoff, ex-vereador  e médico em Tubarão, completou seu mandato no Senado Federal na qualidade de primeiro suplente eleito em 1990. Kleinubing foi sepultado no Cemitério Jardim da Paz de Florianópolis.

Em 22.11.1996 atendi o senador VILSON PEDRO KLEINUBING em meu consultório no Hospital de Caridade, Florianópolis. O pai falecera de cardiopatia aos 88 anos. Contou-me que corria 10km diariamente em Brasília com seu assessor no senado. Disse:

- Henrique, eu era um atleta!

VAI DAÍ QUE COOPER PASSA PELO BRASIL

É quando o médico americano revisa sua teoria revolucionária e inclui boa alimentação e distância do cigarro como fatores determinantes para saúde. Em passagem pelo Brasil para o Congresso Brasileiro de Medicina do Exercício e do Esporte, Cooper participa de caminhada de 3km na Cidade Universitária de SP. “Minha maior conquista na vida foi mostrar que o exercício é um excelente remédio” (Kenneth Cooper).
Tudo ia bem até que Kleinubing viu entrevista de Glória Maria com Keneth Cooper, exibida no Fantástico  e ficou convencido que estava fazendo justamente o que Cooper condenava. Cooper, ficou mundialmente ligado à corrida depois de desenvolver um teste simples para medir a capacidade física de atletas amadores, inicialmente membros das Forças Armadas Americanas, na década de 1960. O chamado teste Cooper consiste em uma corrida de 12 minutos, em que se mede o consumo máximo de oxigênio pelo corpo (VO2max) para estabelecer parâmetros de condicionamento. Seus conceitos foram muito além dos limites do exército, dando início a um nova concepção de saúde pelo esporte.  

KLEINUBING VAI A DALLAS, TEXAS, EUA

Como constava em sua agenda visitar brevemente os EUA para atender a compromissos políticos, na volta de Washington faz escala em Dallas onde se submete a exames com Cooper. Foi nesse momento que soube ser portador de câncer de pulmão (“tumor no lobo superior do pulmão direito”).  Passa por 28 sessões de radioterapia após cirurgia (pneumectomia) na Santa Casa de POA.

COOPER VISITA O BRASIL

- Minha maior conquista na vida foi mostrar que o exercício é um excelente remédio. Isso tem sido provado em estudos científicos. Hoje o exercício é base de qualquer programa de medicina preventiva e reduz mortes por todas as causas (incluindo doenças do coração, diabetes e câncer) e prolonga vidas - disse enquanto caminhava.

Cooper prega que o médico deve seguir as mesmas orientações que dá aos pacientes, servindo de exemplo e motivação. Mas afirma que cometeu um erro em sua publicação mais famosa, o livro Aerobics, de 1968.

- Pensava que um bom programa de exercício compensaria o excesso de peso corporal, nutrição, e mesmo os efeitos do hábito de fumar. Naquela época, eu e outros cientistas pensávamos que se você corresse uma maratona estaria livre de morrer de um ataque cardíaco – cita, como exemplo.

 A teoria foi revista depois de noticiados alguns casos de ataques cardíacos em pessoas ativas, ou problemas pulmonares em corredores que também eram fumantes. Desde 1982 Cooper mudou seu discurso para “corra 24km por semana, controle seu peso e pare de fumar” e isso vai lhe garantir uma vida saudável. Faço isso há 60 anos e funciona bem pra mim   (Kenneth Cooper). Novos estudos mostraram que o exercício sozinho não garante a saúde, mas faz parte de uma boa combinação.  (Cont.)

Henrique Packter
Por Henrique Packter 05/03/2021 - 07:58Atualizado em 05/03/2021 - 07:59

Foi em 17.6.1959, no estádio Santiago Bernabeu, Madrid, diante de 70.000 pessoas, jogo amistoso arbitrado pelo holandes Leo Horn. No Santos jogava Pelé,  jovem campeão do mundo (1958) aos 19 anos incompletos e o time espanhol, verdadeira legião estrangeira, tinha o veterano craque argentino Alfredo Di Stefano, 32 anos, em final de carreira.

1959 foi o ano  de minha formatura na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Paraná. Graduado em dezembro, aproveitei as férias de julho para vir a Criciúma e conhecer a cidade onde iria trabalhar e onde resido até os dias de hoje. No dia 31.7.1959, no consultório do Dr. David Raskin, Hospital São José de Criciúma (ele atualmente reside em POA), atendi ao Dr. Sebastião Toledo dos Santos, nascido em 8.9.1932, Paraisópolis, MG. Engenheiro civil, foi sócio em Criciúma dos empresários João Zanette e Jorge Cechinel. Faleceu súbita e precocemente no aeroporto de Congonhas, SP, aguardando voo para Criciúma, aos 49 anos de idade em 1981.

Em 15.12.1959 houve concorrida reunião em Criciúma, na S.R. Mampituba, centro da cidade, convocada pela FIESC, então presidida pelo Dr. Celso Ramos, futuro governador de SC. Sebastião Toledo dos Santos era presidente da Comissão Permanente do Sindicato dos Mineradores e como tal participou da reunião.

Depois, atendi-o em 27.4.1961, no mesmo consultório, quando David Raskin já transferira residência para POA.

Do primeiro atendimento guardo na memória história que Toledo me contou. Ele, mais um grupo  de mineradores da nossa bacia carbonífera, buscavam na Europa adquirir navios para transportar nosso carvão mineral. Seus colegas de viagem ficaram sabendo do jogo Real Madrid x Santos e conseguiram ingressos para todos com imensa dificuldade. Sebastião Toledo dos Santos foi praticamente coagido a ir ao estádio: não gostava e nem sequer havia presenciado jogo de futebol em toda sua vida. Mal se acomodara no assento, entra o Santos em campo. Aplausos aqui e ali. Toledo quer saber:

- Quem é o Pelé?

Alguém informa:

- Camisa branca, número 10 às costas.

Toledo dá-se conta que não via nem o número dez pintado na camisa de Pelé nem o número de qualquer outro jogador. Mal retorna da viagem de negócios procura o consultório de Raskin para submeter-se a exame de olhos. 

Pré-jogo

O amistoso ocorreu duas semanas depois do Real Madrid conquistar seu quarto título europeu. O Santos, campeão paulista, excursionava pela Europa tendo vencido 11 de 13 jogos disputados. Nas últimas três partidas, a equipe paulista vencera o Hamburgo, campeão alemão daquele ano por 6x0, o Hanover por 7 a 1 e o Twente por 5 a 0. Arrasador, o Santos acumulava escore agregado de 18 a 1 nos últimos 3 jogos.

A partida com o Real Madrid homenageava Miguel Muñoz, que encerrava sua carreira. A crônica espanhola via a peleja como confronto entre Alfredo Di Stéfano (32 anos), considerado o maior jogador do futebol europeu e o jovem Pelé (18 anos), campeão do mundo na Copa do Mundo FIFA de 1958 na Suécia.

A delegação santista hospedada no antigo hotel Alexandra chegava cercada de expectativas na capital espanhola. O técnico Lula advertiu contra o clima de já ganhou. “Recomendou que tivéssemos cuidado com o ataque do Real Madrid, principalmente com Alfredo Di Stéfano. O time deles era quase perfeito”, relembra Pelé. O Jornal dos Sports, dia anterior ao jogo, chamou-o de “autêntica final de campeonato mundial de clubes".

O JOGO

Logo aos 10 minutos, Pelé acerta forte chute de fora da área, abrindo o marcador. Porém, em 20 minutos o Santos sofreu três gols do atacante Enrique Mateos aproveitando três notáveis assistências de Alfredo Di Stéfano. No segundo tempo, reação brasileira. Pepe marcou, em violenta cobrança de pênalti, sofrido por Pelé. Os donos da casa ampliaram com Ferenc Puskás: mergulho de peixinho testando a bola, dentro da área. Major Puskas, do exército magiar, foi estrela maior da grande seleção húngara de 1954, vice-campeã mundial na Suiça. Mas, Pelé chutou forte, o goleiro espalmou e o rebote ficou com Coutinho, 16 anos recém-completados, que empurrou para as redes: 4x3! Aos 38 minutos, Di Stéfano realiza sua última e quarta assistência. Avança pelo meio e lança passe milimétrico para Gento fechar o placar: 5x3!

PÓS-JOGO

O argentino Luis Carniglia, treinador do Real Madrid, elogiou Pelé: "mostrou grande facilidade de chutar, muita malícia, malandragem. Carrega a bola muito bem e infiltra perigosamente. Mas foi muito bem marcado”.  Presidente do clube merengue, Santiago Bernabéu passou pelo hotel Alexandra para visitar a delegação santista; embora encantado com o futebol de Pelé, concluiu que ele ainda era muito jovem! Já para o Marca, o jogo mostrou que Alfredo Di Stéfano era o melhor jogador do mundo. Descreveu o "grande trabalho de Alfredo Di Stéfano, um maestro, capaz de literalmente destruir um rival lento e pretensioso.” Conclusão espanhola: o Santos tinha quatro grandes atacantes (Pepe, Pelé, Pagão e Coutinho), mas uma defesa lenta e fraca. E Pelé era grande promessa, embora muito individualista. Diferente de Alfredo Di Stéfano: “no Santos, o time joga para Pelé. No Madrid, Alfredo Di Stéfano joga para o time”, analisou Agustín Gaínza.

Henrique Packter
Por Henrique Packter 02/03/2021 - 11:05Atualizado em 02/03/2021 - 11:05

Vai fazer 3 anos em março, sessão do STF foi suspensa, duas horas depois de iniciada,  após entrevero entre dois ministros, Luiz Roberto Barroso e Gilmar Mendes, por troca de acusações.

Barroso reagiu às críticas proferidas por Gilmar Mendes por decisões do STF. Principalmente àquela que proibiu empresas de doarem para campanhas eleitorais. Na sessão, a Corte discutia a proibição de doações ocultas. Gilmar Mendes fez referência a decisão de 2016, ocasião em que Primeira Turma revogou a prisão preventiva de cinco médicos e funcionários de uma clínica de aborto. O voto que levou à decisão foi de Barroso que se insurgiu contra tal pronunciamento:

"Me deixa de fora desse seu mau sentimento, você é uma pessoa horrível, uma mistura do mal com atraso e pitadas de psicopatia. (Barroso reagia a críticas de Gilmar Mendes por decisões do STF). Após a fala de Barroso, a presidente (presidenta?) do STF, Carmen Lúcia, anunciou que suspenderia a sessão, mas Gilmar Mendes interferiu: “- Presidente, eu estou com a palavra e continuo com a palavra. (...) Presidente, vou recomendar ao ministro Barroso que feche seu escritório de advocacia”, disse Gilmar Mendes.  

-Isso não tem nada a ver com o que está sendo julgado. É um absurdo você vir aqui fazer um comício cheio de ofensas, grosserias. Você não consegue articular um argumento, fica procurando, já ofendeu a presidente, já ofendeu o ministro Fux, agora chegou a mim. A vida para você é ofender as pessoas, não tem nenhuma idéia, nenhuma, nenhuma, só ofende as pessoas", disse Barroso na sessão transmitida pela TV Justiça. Em seguida, a sessão foi suspensa por Carmen Lúcia.  

Depois, o ministro Luís Roberto Barroso enviou carta à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, afirmando que se desligara de seu escritório de advocacia em 2013, antes de sua posse no Supremo.

Segundo ele, “houve informação falsa feita hoje em plenário”. “Jamais atuei em processo por ele (escritório) patrocinado ou por qualquer de seus sócios”, disse o ministro.

EPISÓDIOS ANTERIORES

Não é a primeira vez que Barroso e Mendes se estranham em sessão do plenário do STF.

Já haviam se enfrentado depois que Gilmar Mendes fez críticas à forma como o RJ – estado de origem de Barroso e em grave crise fiscal – vinha utilizando dinheiro de terceiros depositados na Justiça para pagar dívidas que tinha com pessoas e empresas. Divergiram também durante debate sobre o trabalho do Ministério Público e do Judiciário no combate à corrupção, especialmente no âmbito da Operação Lava Jato.

Também trocaram ofensas por meio do blog de Andreia Sadi. Gilmar Mendes disse que Barroso fala pelos cotovelos e teria de suspender a própria língua. Barroso respondeu por meio de nota, afirmando, sem citar o nome de Gilmar Mendes: "Não frequento palácios, não troco mensagens amistosas com réus e não vivo para ofender as pessoas".

Esse ambiente no Supremo, pelo menos entre dois de seus membros, trocando frequentemente acusações sérias, revela que a corrupção ronda o STF. (Gregório: vê se minhas críticas são muito severas e caso o sejam, para evitar mais uma prisão desagradável, a minha, estás autorizado a fazer os necessários cortes neste artigo)...

STF, VÍTIMA E JUIZ, SIMULTANEAMENTE, SEGUNDO J.R.GUZZO

Vai daí, para mostrar que só ministro pode falar mal de ministro e a plebe rude deve limitar-se a aplaudir a brava gente alçada aos pináculos da justiça nacional e que faz o que bem entende, J.R. GUZZO, no INFORME ESPECIAL de ZERO HORA, edição de sábado, 20.2.2021, pág., 4 escreveu:

 Digamos que o deputado federal Daniel Silveira do RJ, primeira linha da direita nacional, tenha cometido crimes tão graves que não deixem nem sequer possibilidade de fiança por parte do acusado. Mas, o deputado não cometeu crime nenhum e muito menos foi preso em flagrante. Mas, fez um vídeo de 20 minutos falando o diabo dos ministros do STF, declarando que ficaria feliz se todos eles levassem uma surra.  É opinião, pura e simples, talvez da pior qualidade, mas é só isso- opinião.

 Mesmo que Silveira tivesse praticado crime hediondo (racismo, tortura, terrorismo, tráfico de drogas, rufianismo), só poderia ser julgado e punido pela Câmara dos Deputados – e não preso pela polícia, de madrugada, por ordem de um ministro do STF com aval de seus 10 colegas.

 ERRO JURIS OU ERRO DE DIREITO

 O artigo 53 da Constituição Federal assegura que os mandatos dos parlamentares brasileiros são invioláveis; podem até ser cassados, caso o plenário da Câmara julgar que houve rompimento de obrigações, mas só o Congresso pode assim agir.

 A Câmara pode até considerar que as palavras de Silveira caracterizam injúria aos ministros do STF ou incentivo à violência e que por isso merece ser punido com a suspensão ou perda do mandato. Tudo bem, o STF pode ser vítima e nessa condição apresentar suas queixas. Mas não pode ser juiz. A prisão arbitrária e ilegal do deputado Silveira é apenas mais um chute no pau de barraca da democracia brasileira”.

É o Fim

Henrique Packter
Por Henrique Packter 19/02/2021 - 13:06Atualizado em 19/02/2021 - 15:39

1.    DIREITO AO ESQUECIMENTO

"Num país de triste desmemória, discutir e julgar o esquecimento como direito fundamental de alguém poder impor o silêncio de ato ou fato que pode ser de relevância de interesse público, parece um desaforo jurídico para sua geração. Brasil é um país no qual a minha geração lutou pelo direito de lembrar"  (Ministra Carmen Lúcia do STF em julgamento sobre o esquecimento).

O STF decidiu no dia 11.2.2021, por maioria, não reconhecer o direito ao esquecimento. A questão trata do uso da imagem de pessoas envolvidas em casos de grande repercussão. 

Após quatro sessões de julgamento, a maioria dos ministros (9x1), entendeu que o direito não está previsto no ordenamento jurídico e não pode sobrepor-se à liberdade de expressão prevista na Constituição. A Corte julga o recurso da família de Aída Curi, jovem assassinada após tentativa de estupro (1958, RJ). 

Segundo a defesa, a reconstituição da morte em programa de TV provocou sofrimento aos parentes.

No julgamento, a maioria dos ministros seguiu voto do ministro Dias Toffoli, relator do processo. No entendimento de Toffoli, o pretenso direito ao esquecimento não é compatível com a Constituição. Segundo ele, a liberdade de expressão não perde seu valor ao longo do tempo. 

Os ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio, Luiz Fux  acompanharam o relator nesse ponto. 

Nas sessões anteriores, os ministros Nunes Marques, Alexandre de Moraes e Rosa Weber também votaram contra o reconhecimento. 

O ministro Edson Fachin reconheceu o direito ao esquecimento, mas entendeu que a questão deve ser analisada caso a caso.

2.    LEWANDOWSKI, MELHOR JOGADOR DE FUTEBOL DO MUNDO EM 2020

Robert Lewandowski, futebolista polonês, atacante do Bayern de Munique e da Seleção Polonesa, reconhecido por sua eficiência, finalização e grande número de gols assinalados, é considerado muitas vezes como o melhor centroavante da atualidade.

Capitão da Seleção Polonesa desde 2014, Lewandowski tem 116 jogos e 63 gols oficiais, sendo o maior goleador da história e o jogador com mais partidas. Representou sua nação na Eurocopa de 2012 e 2016 e na Copa do Mundo de 2018, sendo o principal jogador da classificação polonesa para o mundial. Nas eliminatórias da Eurocopa de 2020,  entrou na lista dos dez maiores artilheiros europeus por seleção, na história.

Na estreia do Mundial de Clubes, marcou 2 gols na vitória de 2–0 sobre Al-Ahly, levando o Bayern à final. Foi campeão ao derrotar o Tigres por 1 a 0 na decisão, além de ser eleito o melhor jogador do mundial, ganhando a Bola de Ouro da Copa da competição.

De família de desportistas,  o pai de Lewandowski foi judoca e a mãe jogou voleibol. Casado desde junho de 2013 com Anna Stachurska, em dezembro de 2016 Lewandowski anunciou em 4.5.2017 o nascimento da primeira filha, Klara Lewandowski.

Em 9.10.2017, Lewandowski formou-se em Educação Física pela Universidade de Varsóvia, um dia após o jogo contra Montenegro, que classificou os poloneses ao Mundial de 2018,

3.    AINDA A VACINAÇÃO

Vamos vacinar o país em 2021: 50% até junho 50% até dezembro (Eduardo Pazuello). Mas, o governo federal apostou novamente errado fechando contrato com poucos fornecedores  da vacina contra o coronavírus. A saída encontrada em meio à escassez de doses  foi restringir o público-alvo  diminuindo o ritmo de vacinações de profissionais da saúde e da população idosa. Levando-se em conta apenas a ompetência da pasta demonstrada até agora  é uma estimativa exageradamente otimista.

Sabemos que é um desafio, mas queremos vencê-lo (Luiza Trajano, aquela do Magazine  e  da campanha Unidos pela Vacina, cuja meta é vacinar todos até setembro). Supondo que a vacinação ora comandada pelo general –médico honorário, reduz a o número de óbitos pela metade das mais de mil mortes diárias de nossos dias, ainda teremos de lamentar a perda de mais 150 mil vidas graças ao general-logístico. Somadas às perdas verificadas até hoje, teremos quase 400 mil brasileiros mortos pelo Covid-19 no reinado de Pazuello, primeiro e único.

4.    COMO SABER SE VOCÊ É NOVO OU VELHO (IDOSO) EM TEMPOS DE PANDEMIA

A idade é só um número. A cabeça é que decide se você é novo ou velho (LEWANDOWSKI)

Mas, é bom saber que V é velho, quando:

a.     Seu nariz teima em ficar fora da máscara

b.    Fala, tocando a máscara

c.     Esquece de tirar a máscara quando chega em casa

d.    Esquece onde largou a máscara

e.     Continua dando um pulinho no banco para ver o saldo

f.      Não tem a menor noção do que é baixar ou usar aplicativos

g.     Acha que pagar conta pelo telefone é coisa de filme de ficção científica

h.    Anda de carro 4 quilômetros por semana, o equivalente  a duas visitas ao supermercado e sua farmácia

i.       Acompanha a vacinação dos idosos, reclama em alta voz  porque sua vacinação está atrasada em relação às outras cidades. 4.787

Henrique Packter
Por Henrique Packter 16/02/2021 - 17:34Atualizado em 16/02/2021 - 17:40

O preço do confinamento está sendo cobrado, além da devastação econômica, da perda de empregos e de outras desgraças, também no agravamento dos problemas mentais, sua multiplicação e variedade. Fator chave para propagação de distúrbios psicológicos é a repetição maciça de advertências, alarmes e ameaças sobre o risco fatal  que estaríamos correndo, sem exceção. O pânico da população é agravado com essas advertências, - de resto e aliás, necessárias, como as estatísticas estão a demonstrar.

O PREÇO DO CONFINAMENTO PELA COVID-19

Além da pandêmica devastação econômica, hipertrofiam-se casos de estresse, ansiedade, agressividade, apatia, delírio, cisma, teima, obsessão, desconfiança,  insensatez, demência, medo, neurastenia, egocentrismo, paranoia, - pipocando entre os adultos. E,  quanto aos malefícios a que as crianças foram submetidas? Os campos de concentração domiciliares não atingem por igual a todas as crianças. As manifestações piores estão da classe média para cima.  Os pobres já têm seu inferno permanente.  Ficou decidido para o bem de todos que crianças e jovens estavam proibidos (e já faz um ano) de ir à escola, brincar, chegar perto de outras crianças ou jovens,  ir ao parquinho, - não podem fazer nada.

-Você vai matar sua avó se não ficar em casa!

A vida para essas crianças se resume em tela do joguinho, ao ensino remoto e ao delivery.

Nosso infeliz confinamento não impediu que chegássemos à perda de 250 mil vidas. Os piores efeitos colaterais seriam de responsabilidade de um confinamento mal instituído, pior planejado e tiranicamente impostos.    

FILOSOFIA DE VIDA  POLÍTICA URBI ET ORBI

Se tudo vai bem, pode dizer a verdade. Se está mais ou menos, minta. Se está bem ruim, calunie.

SOBRE AMIGOS E INIMIGOS

Amigos vão e vêm. Inimigos se acumulam (Thomas Jones).

PROPAGANDA DE REMÉDIO POPULAR, BONDES CARIOCAS ANOS 70

Veja ilustre passageiro,

O belo tipo faceiro

Que você tem a seu lado.

E, no entanto acredite,

Quase matou-o a bronquite:

Salvou-o o Rum Creosotado!   (Bastos Tigre)

IMORTAL PUBLICIDADE DE MELHORAL NAS RÁDIOS DE LÍNGUA ESPANHOLA AMÉRICA LATINA

Mejor mejora Mejoral. Mejoral mejora mejor.

PROPAGANDA DAS ANTIGAS DE ... FÓSFOROS

Aviso a quem é fumante:

Tanto o Príncipe de Gales

Como o Doutor Campos Sales

Usam fósforos Brilhante!  (Olavo Bilac)

ESCRITORES TOMAM PLACIDAMENTE CHOPINHOS NO AMARELINHO, RJ, QUANDO SURGE O EDITOR PENHA, ACOMPANHADO POR MULHER DE MÁ REPUTAÇÃO. EMÍLIO SACA NA HORA:

Um homem que se diz Penha por uma mulher que se disputa!

EMÍLIO, ESTUDANTE EM CURITIBA, ASSISTE AULA DO PROFESSOR SABOIA

- Sr. Emílio defina sabedoria!

- Sabedoria mestre, é algo que tem efetivamente muito peso ... se colocado n’água ela afunda.

- E a ignorância, então?

- A ignorância? Ora, essa boia!

HAIR

Filme de 1979, do diretor Milos Forman, baseado em musical da Broadway de 1968 (lá remontado em 1977), gravado  no Central Park e Washington Square Park, Nova York, difere em muito do musical original, começando pela eliminação de várias músicas da peça.

Personagens tiveram perfis mudados. Claude, inocente recruta de Oklahoma, chega a Nova York convocado para a Guerra do Vietnã. Sheila - hippie da Tribo - é socialite nova-iorquina, por quem ele se apaixona. A maior liberdade com a história original: um engano acaba mandando Berger(líder dos hoppies), ao invés de Claude (o recruta inocente), ao Vietnã, onde morre.

Sucesso de público, o filme recebeu críticas positivas importantes. Vincent Canby (New York Times): " ...as invenções de Weller (o roteirista) fizeram este Hair ser mais divertido que o original. Também deu tempo e espaço para o desenvolvimento dos personagens que, no palco, deviam expressar a si mesmos, quase que só por música. Elenco soberbo em filme, de maneira geral, delicioso." A TIME concordou: "Hair é bem sucedido em todos os níveis - como divertimento vulgar, drama emocional, espetáculo estimulante e observação social provocadora."

Os desgostosos autores da peça com o resultado, acham que Forman retratou os hippies como “algum tipo de aberração" sem vinculação com o movimento pacifista, falhando em levar para a tela a essência da obra. Declararam que semelhanças entre o filme e o musical se limitam a algumas canções, o título em comum e o nome dos personagens. Acreditam que a verdadeira versão cinematográfica de Hair ainda está por vir.  

Da peça e do filme: Passarinho que come pedra sabe o ânus que tem (1) Noite passada fui a praia, maré estava baixa e molhei os meus pezinhos. Ué, diz outro, não rimou. Por que não rimou? Não rimou porque a maré estava baixa... (2)  4.639

Henrique Packter
Por Henrique Packter 08/02/2021 - 08:49Atualizado em 08/02/2021 - 08:57

Como ter certeza que as lentes escolhidas realmente têm a proteção UV? A maioria dos óculos importados e legítimos traz selo de certificação, caso contrário, dificilmente teriam essa garantia. Então, entra em cena pesquisa do Departamento de Engenharia Elétrica da USP São Carlos, desenvolvida no Laboratório de Instrumentação Oftálmica.

A partir de medições de proteção ultravioleta (UV) em óculos de sol, solicitadas à universidade pelo Inmetro, foi criado um totem de Autoatendimento para Verificação da Proteção Ultravioleta de Óculos de Sol.  Com capacidade para medir até 400 nm (comprimentos de radiação UV) o totem é o primeiro sistema de autoatendimento do mundo a verificar se os óculos contam mesmo com proteção UV. Antes, só era possível a verificação por um especialista, que usava (nas raras vezes de que dispunha) de um espectrofotômetro.  Agora, está ao alcance do público de forma simples, rápida e moderna.

COMO VERIFICAR A PROTEÇÃO OFERECIDA POR LENTES DE  ÓCULOS

Ponha os óculos em local indicado no totem e siga as indicações dadas no monitor. Em segundos o equipamento identifica a categoria dos óculos, qual o grau de escurecimento das lentes, aponta as situações em que pode ser usado, qual a proteção UV que possuem e se a proteção está adequada. Por cadastro requisitado após o teste, o totem mantém um banco de dados com os resultados obtidos. Dos óculos já testados, mais de 30% foram reprovados: não apresentavam proteção adequada.

Dado bem acima do esperado pelos pesquisadores, isto é preocupante, pois usar óculos de sol sem proteção é pior do que não usá-lo. Porém, a grande surpresa revelada pelo totem diz respeito aos óculos comprados em camelôs que apresentaram proteção adequada, ao contrário das previsões. Problema é o pouco tempo de durabilidade dessa proteção. Todos os óculos de sol, mesmo aqueles de boa qualidade, possuem vida útil, em relação à proteção, que não ultrapassa dois anos.

O primeiro totem de Autoatendimento para Verificação da Proteção Ultravioleta de Óculos de Sol foi criado em 2001: Lensômetro Digital CLE-70, Fabricante  Essilor Solutions

Lensômetro é equipamento que costuma faz parte do laboratório da ótica. Por isso, antes de adquirir óculos pergunte ao vendedor se a loja possui aparelho para a realização do teste. Alguns modelos de lensômetro possuem impressora para emissão do resultado da verificação dos óculos, comprovante semelhante aos recibos emitidos pelas máquinas de cartões de crédito. O resultado desse teste é a garantia de que os óculos de sol irão proteger seus olhos. Nada é cobrado para essa verificação.

INFORMAÇÃO E DICAS IMPORTANTES

A informação UV 400 indica que as lentes dos óculos de sol oferecem a proteção máxima contra a radiação UVA e UVB.

1.   Ao comprar óculos de sol solicite sempre teste para verificação da proteção UV das lentes. Se a loja não possuir o equipamento, vá atrás de outra ótica.

2.   Lentes de qualidade possuem certificado de garantia. A loja revendedora tem obrigação de fornecer o certificado, devidamente preenchido, assinado e carimbado.  

3.   Lentes muito escuras não significam que ofereçam proteção segura. Elas estimulam a dilatação das pupilas, permitindo maior exposição solar do tecido ocular.(As melhores lentes são aquela que possuem leve degradê de tom - mais claro na base da lente e mais escura no topo. Essa característica permite melhor ajuste da visão em diversas situações).

4.   Jamais compre óculos de sol sem procedência ou garantia, por oferecer riscos à sua saúde. 

5.   Lentes corretivas em óculos de sol só devem ser adquiridas em ótica especializada. Lentes de grau para óculos de sol são feitas sob encomenda. Perde-se dinheiro ao comprar óculos de sol e ao enviá-lo ao laboratório, constatar que a curvatura da armação não permite a fabricação da lente com grau.

6.   Quem usa óculos de grau deve usar lentes fotossensíveis ou sempre fazer a troca para o óculos de sol em ambientes abertos. 

7.   Óculos de sol devem ser usados o ano todo, não apenas na temporada de primavera/verão.

8.   Em dias com níveis críticos de radiação UV, use chapéu ou boné para aumentar a proteção. Esse acessórios funcionam como refletores de radiação (horários críticos entre 11 e 15 horas).  (Continua) 4.240
 

Henrique Packter
Por Henrique Packter 28/01/2021 - 16:22Atualizado em 28/01/2021 - 16:25

OTTO LARA REZENDE, consagrado jornalista e escritor mineiro, radicado no RJ e redator da MANCHETE, contava histórias da predileção de Bloch. Uma delas, envolvia mulher maltratada pelo marido. Ele, voltando à tardinha do emprego, costumava fazer escala, passar em revista os botequins do centro da cidade. Ao chegar em casa, muita vez alta madrugada, mal reunia forças para engolir o requentado jantar. Nessas horas reclamava em altas vozes de tudo e de nada; até bater na mulher, já batera. E nunca chorara seu perdão.

Certo dia, chegando em casa, galos da  madrugada acordando o sol, encontra a mulher vestida para sair, pequena maleta e guarda-chuva nas mãos.

- Chega de tanta humilhação, diz ela. Chega de tanta ausência, de bebedeiras, desrespeito. Vou embora!

Imponente, ele responde, olheiras dramáticas, voz cavernosa de cigarros sem conta:

- Você tem toda razão! Estou de pleno acordo! Pera aí que vou apanhar minha mala, também vou contigo!

BOTEQUINS DO RJ

Como todo mundo sabe, a origens dos botequins foram as boticas, farmácias onde os homens se encontravam e também dos quiosques espalhados pelo Rio, que vendiam aguardente, cigarro. No Passeio Público ainda restam alguns.

Desde seu princípio,  botequins ou botecos, são locais importantes de transformações da cidade. De característica alegre, com música, comida e bebida, era local onde muita gente se reunia (e ainda se reúne) para conversar sobre futebol, política, economia, música popular... Olavo Bilac, Emílio de Menezes e Noel Rosa eram assíduos frequentadores de botequins.

– Nos botequins era onde as revoluções culturais aconteciam. Por isso, no Império, muitas boticas foram proibidas de funcionarem em determinados horários, a Corte temia possíveis reuniões de revoltosos, início de alguma revolução. Nos botequins também eram criados sambas, obras literárias e partidos, como é o caso do Bar Amarelinho, do chope famoso na Cinelândia, onde foi criado o Partido Comunista.

Alguém lembra de curiosa história envolvendo alunos do Pedro II que invadiram o Bar Luiz, durante a Segunda Guerra? O mais que centenário bar, de1887, tem uma cerveja gelada que vou te contar e a salada de batata, marca registrada do bar, é glória gastronômica de reconhecimento internacional. Ele se chamava Bar Adolf e os alunos pensaram ser uma homenagem a Hitler. O bar foi salvo por Ary Barroso que frequentava o local. E o caso do Zicartola, restaurante da Dona Zika e do Cartola, que funcionou por apenas 2 anos, apesar de ser famoso e ter originado o show Opinião e Rosa de Ouro? Durou pouco porque Cartola nunca cobrava dos amigos e todos eram amigos do Cartola. Outros, maldosamente afirmam que Cartola teria bebido o estoque todo.  Tem ainda o Bar da Brahma, o Bar Monteiro e uma infinidade de outros célebres templos de libação.

OS BARES DO RJ NA VISÃO DE BLOCH

Adolpho Bloch quando contestado com irritação e nervosismo pelo clã familiar diante de investimentos arrojados que empreendia, dizia coisas como: vá para o tranquilizante, o grande macete dos inquietos de nossos tempos de gloriosa circulação entre as cultas gentes. Apontava alternativas: os botecos do RJ. Ou chorar; lágrimas produzem milagres. Jesus chorou quando soube da morte de Lázaro e o ressuscitou.

CLASSIFICAÇÃO DA RAÇA  HUMANA SEGUNDO BLOCH

Bloch  definia as personagens de nosso tempo em duas categorias: os que têm boa presença e os que têm péssima ausência. Boa presença era quando todos falam bem de um sujeito presente. Péssima ausência era quando ausente, o sujeito monopolizava a conversa, cada qual juntando um graveto para queimá-lo na alegre pira da maledicência. Onde ele próprio estaria classificado?  (Continua) 3.649

Henrique Packter
Por Henrique Packter 25/01/2021 - 15:08Atualizado em 25/01/2021 - 16:48

A TV MANCHETE

Comunicação eletrônica nunca foi objetivo de Adolpho Bloch, empresário e jornalista. Contudo, em 1980, ele e o sobrinho Pedro Jack Kapeller, lançam a Rede Manchete de Rádio FM, com 5 emissoras pelo Brasil e a Rádio Manchete AM, no RJ,  12 anos após a morte de  Assis Chateaubriand, o rei da comunicação no Brasil (1968). Investir numa rede de televisão não fazia parte dos projetos ou prioridades  de Bloch. Queria, sim, continuar aplicando na editora e realizar o projeto de fabricar latas de alumínio.

Em 1981, os irmãos Adolpho e Oscar Bloch e sobrinho Pedro Jack Kapeller recebem as 4 concessões, antes pertencente à Rede Tupi. Em 5.6.1983,  depois de vários adiamentos, inauguram a Rede Manchete. No mesmo ano, Adolpho compra a Rádio Clube do Pará, que conserva por quase 10 anos (1992). Inaugurado o canal de TV, o primeiro filme exibido pela emissora, após a inauguração foi Contatos Imediatos do 3º grau, do cineasta judeu Steven Spielberg. Colocou a Manchete na liderança da audiência  com 27 pontos, contra 12 da Globo. A primeira novela produzida pela Manchete foi A Marquesa de Santos, (1984), mas o grande sucesso foi Pantanal (1990).

Primeiros 7 anos são de sucesso, culminando com a apresentação das novelas Kananga do Japão (de ideia original sua) e O Pantanal. Problemas de gerenciamento influem na programação; obriga-se a vender a rede de televisão a grupo paulista.

A IBF assume a Rede Manchete, gestão cassada pela justiça. Adolpho recebe de volta o encargo de rede nacional, com os salários dos funcionários atrasados 6 meses. Pede tempo aos empregados, normaliza em 4 meses o pagamento da folha, mas o esforço de caixa continua repercutindo na programação.

Luta para equilibrar receita e despesa. Conseguindo esse equilíbrio, lança a novela, Tocaia Grande, construindo cidade cenográfica em Maricá (RJ) por R$ 2 milhões.

BLOCH EDITORES

Da fundação a meados da década de 1970, a Bloch Editores tinha sede na rua Frei Caneca, centro do Rio. Em 1968, inaugura a nova sede da sua editora, na Praia do Russel (zona sul do RJ), com 3 prédios projetados por Oscar Niemeyer. Ali funcionam as redações do grupo, emissoras de AM e FM, teatro, museu, restaurantes, piscina, salões de recepção, ambulatório. JK ganha escritório no local.

Sábado, 26.4.1952 surge nas bancas do RJ a revista Manchete, capa impressa em cores que a destacam. Enfrentaria a forte concorrência da revista O Cruzeiro, dos Diários Associados, líder no segmento, mas Bloch confiava haver espaço para mais uma revista semanal de variedades.

A logomarca da Manchete chamava a atenção: o M inicial em amarelo, os demais caracteres, em preto, tudo sobre um fundo vermelho. Atuando por cerca de 30 anos no ramo gráfico, a família Bloch inovou combinando modernas técnicas editoriais com os recursos de seu atualizado parque industrial.

A revista apostava no fotojornalismo,  combinação entre fotografia e narrativa jornalística. Com o tempo, Manchete ficaria conhecida também por sua proximidade com o poder, ensinamento de Chatô, precursor deste figurino e pioneiro a trilhar estes caminhos.

Lema da revista: Aconteceu, virou Manchete. As matérias versavam  sobre variedade de temas: esporte, celebridades nacionais e mundiais, grandes acontecimentos, política, moda, concursos de beleza, tragédias e inovações científicas, além de colunas sociais. Criou colunas autorais, como O episódio da semana, (Sérgio Porto, o Stanislau Ponte Preta) e Meu personagem da semana (Nelson Rodrigues).

Em fevereiro de 1953, Manchete publicou, quarta-feira de cinzas, uma primeira edição especial sobre o carnaval do RJ, com reportagens sobre desfiles das escolas de samba, bailes cariocas mais concorridos, tudo ilustrado por grandes fotos coloridas. Desde então, o Brasil aguardaria o fim do carnaval para ler (e ver) a cobertura da revista.

Destaques: em 1954, no atentado contra o jornalista Carlos Lacerda, Manchete abriu espaço para um dos principais críticos do presidente Getúlio Vargas, o brigadeiro Eduardo Gomes, da UDN. Afinal, seu grupo poderia subir ao poder se a crise levasse à renúncia de Vargas. Edição tiritando no prelo quando Bloch sabe do suicídio do presidente. Paralisa as rotativas e troca a capa. Críticas dão lugar a rasgados elogios ao presidente morto que naquele momento era chorado pelo povo revoltado nas ruas. À noite, a edição se esgota.

A partir daí, a cobertura política de Manchete, comandada por Bloch, faz da revista veículo de propaganda governamental. Bloch reequipa o parque gráfico e cria novas revistas: Fatos e Fotos, Joia, Pais e Filhos, Ele e Ela, Desfile, Amiga, Sétimo Céu, Manchete Esportiva, Os Trapalhões e outras. 4.639

Henrique Packter
Por Henrique Packter 18/01/2021 - 07:51

O ucraniano Avram Yossievitch Bloch (Jitomir, Império Russo, 8.10.1908   — SP, 19.11.1995),  foi um dos mais importantes empresários da imprensa e TV brasileiras. Jitomir, a 120 km de Kiev, era capital da Ucrânia. Filho de Josef e Ginda Bloch, o pai, gráfico nas 2 cidades, orienta os 3 filhos homens (Adolpho, Arnaldo e Boris) no seu ofício. Ainda em Kiev, Adolpho toma gosto pelas artes gráficas e teatro, auxiliando na impressão de cartazes e vendendo libretos com resumo das óperas encenadas no teatro local. Aos 9 anos Adolpho vê os primeiros pogroms contra judeus e a Guerra Civil de 1917, após a queda do czar.

 Durante o regime provisório de Alexander Kerenski, imprimiu o dinheiro que circularia nos primeiros tempos da Revolução Russa. Em 1912 Kerenski  foi eleito membro da quarta Duma por partido moderado. Duma Federal e Soviete da Federação, formam o Legislativo da Federação Russa. A Duma é a câmara baixa da Assembleia Federal; o Soviete da Federação é a câmara alta. Têm sede em Moscou. A Duma compõe-se de 450 deputados, eleitos para mandatos de quatro anos. Criação do Império Russo, seria extinta em 1917, mas, com o fim da URSS, foi reestabelecida (1993), pelo presidente Boris Iéltsin, após sua vitória política na Crise constitucional daquele ano.

Kerenski desempenha papel decisivo na queda do regime czarista. Ministro da Justiça, introduz reformas, incluindo abolição da pena capital, liberdades civis básicas (liberdade de imprensa, abolição da discriminação étnica e religiosa e planos para a introdução do sufrágio universal). Ministro da Guerra e Primeiro-Ministro entre julho a novembro de 1917, prosseguiu guerra contra a Alemanha. Mas não pôde evitar a Revolução de Outubro, quando os bolcheviques liderados por Lênin tomam o poder. Exila-se na Europa Ocidental (1918), depois vive nos EUA (1940) e morre de câncer (Nova Iorque,11.6.1970).

Adolpho Bloch, casado duas vezes (com Lucy Mendes Bloch e Ana Bentes Bloch), não teve filhos.

 A FAMÍLIA BLOCH FOGE PARA O BRASIL

A origem judaica da família Bloch foi motivo para se envolver em problemas (1917, época da Revolução Russa). Passavam fome e assim, com dezessete parentes, Adolpho Bloch troca sua terra natal, Jitomir, por Kiev. Em 1921, deixam a Ucrânia para morar 9 meses em Nápoles, na Itália. Viajam 3ª classe no Re d'Italia, chegam ao RJ em 1922.

OS COMEÇOS

Fundou o grupo de mídia com seu sobrenome, a Rede Manchete (1983), hoje extinta.

Os Bloch já em 1923 compram pequena impressora manual, primeira tipografia na vida de Adolpho Bloch. Os Diários Associados de Assis Chateaubriand, falecido em 1968, são de 2.10.1924. Vão morar em Aldeia Campista (zona norte RJ). Josef Bloch, com minguados recursos trazidos da Rússia, instala modesta gráfica. A família trouxe apenas pilãozinho, usado para espremer especiarias. Daí o título de sua biografia O Pilão, lançada em 1978. Era primo do escritor e médico ORL Pedro Bloch, primeiro foniatra brasileiro. Adolpho estudava à noite no Colégio Pedro 2º e de dia corria o comércio buscando encomendas.

Começam rodando folhas numeradas para o hoje ilegal jogo do bicho. Na década de 40, Adolpho trabalha na editora Rio Gráfica, de Roberto Marinho. Nas redações do RJ conhece boêmios, jornalistas e escritores. torna-se amigo de artistas e políticos; frequenta a área boêmia do RJ, as rodas de gafieira. O Grêmio Recreativo Familiar Kananga do Japão, inspiraria a novela Kananga do Japão, da Rede Manchete (1989), idealizada por Adolpho.

Na redação de A Vanguarda, Adolpho obtém o primeiro grande negócio quando sabe de exportador atrás de embalar laranjas em papel de seda especial. Nenhuma gráfica no RJ tinha condições de executar o trabalho. Adolpho aceitou a encomenda, providencia máquinas, tornando a gráfica Bloch conhecida.

A MANCHETE

Morrendo Josef, os 3 filhos, Adolpho, Arnaldo e Boris, administram a gráfica, e logo Adolpho revela qualidades que o tornariam líder. Vence a resistência dos irmãos e lança a revista Manchete – algo considerado rasgo de loucura -, o mercado era pequeno e havia um gigante na praça, a revista O Cruzeiro, com tiragem  de 700 mil exemplares por semana.

Em 26.4.1952,  três meses após  Irineu Noal ter seu teco-teco laçado em pleno voo em Santa Maria, RS,  Adolfo Bloch lança Manchete, semanário de âmbito nacional. É o início de um dos maiores impérios de mídia da América Latina. A revista se torna a mais lida do Brasil, ganhando projeção mundial.

Difíceis os primeiros anos de Manchete, embora a revista reunisse equipe de jornalistas de primeira ordem: Carlos Drummond de Andrade, Magalhães Júnior, Rubem Braga, Sérgio Porto, Lúcio Rangel, Vinícius de Moraes, Henrique Pongetti, Otto Lara Resende, Fernando Sabino e Paulo Mendes Campos.  (Continua) 4.703

Henrique Packter
Por Henrique Packter 15/01/2021 - 08:43Atualizado em 15/01/2021 - 08:44

VERSÃO BRASILEIRA DE CARYL CHESSMAN

Alguém ainda lembra de JOÃO ACÁCIO PEREIRA DA COSTA, criminoso notório, o nosso bandido da luz vermelha? Nasceu em  Joinville, 24.6.1942, morrendo lá mesmo a  5.1.1998. 

Órfão aos 4 anos de idade, ele e o irmão mais velho, Joaquim Tavares Pereira, passam a ser criados por um tio. Em 1967, 25 anos de idade,  preso em Curitiba, Luz Vermelha conta que ele e o irmão eram submetidos a trabalhos forçados pelo tio em troca de comida. Teriam sido torturados física e psicologicamente pelo tio, que negou as acusações.  Quando pré-adolescente, teria sido  estuprado por meninos mais velhos, seus rivais, agressões que parecem ter despertado seus piores instintos.

Na adolescência vai morar em SP, fugindo dos furtos que praticara em SC. Fixa residência em Santos. Lá, apresentava-se como filho de fazendeiro, bom moço, levando vida tranquila. Praticava seus crimes em SP, voltando ileso para Santos.

Também praticou roubos e desmanches de carros no RJ. "Ia para o Rio de ônibus, voltando de carro. Chega a roubar 50 veículos", informa  o jornalista e escritor Gonçalo Junior, autor do livro Famigerado! — A História de Luz Vermelha, o bandido que aterrorizou São Paulo.

PERSONALIDADE QUADRIPARTITE           

Passava-se por quatro diferentes assaltantes: o incendiário, que punha fogo nos corredores de casas para provocar pânico nos moradores, o mascarado que roubava joias, o bandido macaco, por usar macaco de carro para abrir as janelas, e o Bandido da Luz Vermelha, por usar lanterna de aro avermelhado adquirida na loja de departamentos da Mappin.

Foram mais de 5 anos perturbando a ordem pública com dezenas de assaltos, estupros e homicídios, atribuídos a ele pela polícia. Teria praticado assaltos em 4 dias da semana, sempre das 2 às 4 horas da madrugada. Preferia mansões e utilizava figurino próprio ao cometer os crimes. Altas horas, interrompia a energia da casa. Cobria o rosto com lenço e tinha como principal marca a lanterna com lente vermelha. A imprensa apelidou-o de Bandido da Luz Vermelha, referência ao criminoso estadunidense Caryl Chessman, que tinha o mesmo apelido.

Luz Vermelha era vaidoso, vestia-se com cores vivas,  para chamar atenção, chapéus extravagantes e lenços de caubói cobrindo o rosto. Gostava de usar perucas. Costumava  passar-se por músico, carregando a tiracolo guitarra afanada.

Gastava o dinheiro obtido nos assaltos com mulheres e boates. Custou à  polícia seis anos para identificá-lo e só alcançou isso após ele deixar suas impressões digitais na janela de uma mansão.

PRISÃO

João Acácio foi preso em 8.8.1967 em Curitiba, onde vivia sob a falsa identidade de Roberto da Silva.

No interrogatório, confessou 4 crimes:

1.O primeiro em 3.10.1966, quando Walter Bedran, estudante de 19 anos, foi alvejado com tiro na cabeça ao tentar surpreender o bandido, que invadira seu quintal no Sumaré.

2.Dez dias depois, morre o operário José Enéas da Costa, 23, morto numa briga com o criminoso em bar da Bela Vista.

3.Em 7.6.1967, no Jardim América, o industrial Jean von Christian Szaraspatack, foi morto a tiros ao reagir a assalto,  

4.Em 6.7.1967, matou o vigia José Fortunato, que tentou impedir sua entrada na mansão em que era guarda no Ipiranga.

Foi condenado por 4 assassinatos, 7 tentativas de homicídio e 77 assaltos, a pena de 351 anos, 9 meses e 3 dias de prisão.

Nunca ficou comprovado, porém, que Acácio cometeu estupro ou que teve relações sexuais com suas vítimas.

LIBERDADE

Cumpridos os 30 anos previstos em lei, foi libertado na noite de 26.8.1997 e retornou para Joinville, mantendo uma certa popularidade, pela obsessão em vestir roupas vermelhas e quando alguém lhe pedia autógrafo, ele escrevia Autógrafo ...

MORTE

4 meses e 20 dias em liberdade, durante briga num bar, João é assassinado com tiro de espingarda em 5.1.1988.

Na época, o jornal Notícias Populares, publicou que o algoz do ex-detento alegou ter efetuado o disparo para salvar a vida do irmão, que fora agarrado e ameaçado com faca. Tudo depois desentendimento por suposto assédio sexual cometido por Luz Vermelha contra mãe e mulher do algoz. Em novembro de 2004, o autor da morte do bandido da luz vermelha foi absolvido em Joinville, aceita a tese de legítima defesa.

CINEMA

Sua vida criminosa inspirou o filme O Bandido da Luz Vermelha (1968), do cineasta Rogério Sganzerla, estrelado pelo ator Paulo Villaça. No filme, o personagem comete suicídio.
Luz nas trevas - A volta do bandido da luz vermelha, sequência do primeiro filme foi um dos filmes selecionados para a competição internacional do 63º Festival de Locarno, Suíça. Filme dirigido por Ícaro Martins e Helena Ignez, viúva de Rogério Sganzerla, estrelado pelo cantor Ney Matogrosso. Rodado em 2009, estreou em 2010.

LIVROS

Em 2019 sai Famigerado! — A História de Luz Vermelha, o bandido que aterrorizou São Paulo, do jornalista e escritor Gonçalo Junior.

MÚSICA

Virou música nas mãos do grupo de rock Ira! em Rubro Zorro, que abre o terceiro disco Psicoacústica (1988) e a faixa ainda possui algumas falas do filme O Bandido da Luz Vermelha de 1968, do cineasta Rogério Sganzerla. O cantor de horrorcore, Patrick Horla, também o cita como base para a canção O bandido da lupa vermelha.

Henrique Packter
Por Henrique Packter 12/01/2021 - 10:03

A pena capital, seja por qual forma for praticada, ainda suscita discussões intermináveis. Na verdade já vão rareando as execuções capitais como resultado de julgamentos legais. Relutam as pessoas sorteadas para compor juris cujo resultado possa ser a aplicação desta pena sem volta.

Um advogado nova-iorquino tenta convencer a esposa a participar de júri para o qual fora escolhida.

- Mas, diz ela, sou contra a pena de morte...

- Tire esta preocupação da cabeça. Trata-se de julgamento de noivo que prometeu casaco de peles mink à noiva e não cumpriu a promessa. É coisa pouca. Detenção por meses ou multa. Nada a ver com pena de morte.

A esposa põe-se a pensar:

- Prometeu casaco de peles e não cumpriu? Pensando bem, a pena de morte pode ter aplicações bem educativas, às vezes...

CARYL CHESSMAN

Nasceu em Saint Joseph (Michigan), 27.05.1921 e foi executado na câmara de gás em 02.05.1960, Califórnia, acusado de ser o bandido da luz vermelha  de lá -, por provas circunstanciais, acusações nunca comprovadas. Preso, dispensou advogado, estudou Direito, fez sua própria defesa (já se disse que todo autodidata tem um tolo como professor). Na prisão, escreveu obras autobiográficas: 2455-Cela da Morte, A Lei Quer Que Eu Morra, A Face Cruel da Justiça e O Garoto era Um Assassino. Os livros correram mundo, despertaram sentimentos contraditórios e reflexões sobre a pena de morte na Califórnia e  no resto do mundo. Formei-me no mesmo ano em que Chessman foi executado, na verdade cinco meses antes.

Ele teria inspirado o brasileiro João Acácio Pereira da Costa a cometer crimes usando lanterna de luz vermelha em SP. CHESSMAN, teve várias vezes cancelada sua execução no último momento, o trivial nos filmes americanos.

EVERALDO SABBATINI e esposa, sendo eu solteiro, minha noiva residindo em POA, convidavam-me para jantar um pato recheado em sua nova residência. Não é demais repetir que em 1960 quando Sabbatini e esposa chegaram a Criciúma e em 1968  quando chegam Albino José de Souza Filho e Dulce, mais a filha Mônica de 2 meses, simplesmente não havia apartamento ou casa para alugar em Criciúma. Os dois médicos e respectivas esposas, mais Mônica, ficaram hospedados em apartamentos do Hospital São José, claro, pagando diárias, como qualquer mortal.

Everaldo Sabbatini  e Teresa Moura Ferro Sabbatini, após longa espera, alugam casa próxima onde estão instalados hoje os advogados Góes, na João Pessoa. Convidando-me para saborear um pato com laranja. Everaldo já foi avisando:

- É prato de se comer rezando, coisa muito especial de boa.

Combinado o almoço para o final de semana, lá vinha dia de sol esplendoroso e lá ia eu para POA. Assim, íamos adiando a execução do Pato ... CHESSMAN!  No mesmo mês de maio em que CHESSMAN foi executado na California, nosso pato foi sacrificado e servido à ... Califórnia em Criciúma! Em tempo: nesse dia chovia o que Deus manda em Criciúma.  2.905

Henrique Packter
Por Henrique Packter 05/01/2021 - 09:01

Lupion governador, deu início a uma campanha (seu talão vale um milhão) para aumentar a arrecadação tributária e combater a sonegação fiscal. Os contribuintes deveriam juntar notas fiscais no valor de 3 mil cruzeiros e trocar por um talão que dava direito ao sorteio de um milhão de cruzeiros.

A 8.12.1959, a poucos dias  de minha formatura no Curso de Medicina, na mesma cidade de Curitiba, o subtenente da Polícia Militar, Haroldo Tavares, entrou no Bazar Centenário, na Praça Tiradentes, para comprar um pente. Escolheu um, achou caro o preço de 15 cruzeiros, reclama, mas paga e exige a nota fiscal.

O proprietário, o sírio Hermede Najar, não quer dar a nota exigida, os dois discutem e se atracam. Como logo vai se ver, Najar tinha o QI de uma ostra de porte médio. Segundo algumas testemunhas, outros dois sírios ajudam Hermede na agressão ao militar que sai da briga com a perna quebrada. Do lado de fora da loja, populares que a tudo assistiram, revoltam-se; vaiam e atiram pedras. Por precaução, o comerciante baixa as portas de aço de seu estabelecimento. Outras pessoas, a maioria nas filas de ônibus, engrossam o movimento. O tumulto ganha força, a porta de aço é arrombada e a loja, depredada.

A partir daquele momento, em correrias, a massa humana começa um quebra-quebra geral. Diversas lojas vizinhas são atacadas expandindo-se a revolta para as ruas 15 de novembro, Marechal Floriano e Marechal Deodoro e para as praças Osório e Rui Barbosa. Lojas, residências e até carrinhos de pipoca não escapam da ira popular. 120 lojas de comerciantes conhecidos como turcos, mas na verdade árabes, judeus, italianos, e até brasileiros experimentam a fúria de uma população descontrolada. Nem órgãos públicos como a COAP (Comissão de Abastecimento e Preços) a DFDG (Delegacia de Falsificações e Defraudações em Geral), a Chefatura de Polícia, a Biblioteca Pública, as sedes do IPASE e do IAPC escaparam ao vandalismo.  A Polícia Militar põe as tropas na rua. Os policiais atacam a cacetadas, bombas de gás lacrimogêneo e tiros. A população revida com pedradas e pauladas. Há mais de 50 feridos, entre eles o chefe de polícia Alfredo Pinheiro Jr e o comissário Eudes Brandão.

A polícia não consegue controlar a situação. Várias pessoas são presas e uma multidão se reúne em frente à chefatura de polícia, tentando soltar os presos. A muito custo é contida. Bombeiros são convocados a auxiliar para conter os ânimos. O povo corta as mangueiras dos carros-pipas para evitar os jatos d'água. A trégua vem com o cair da noite. A população vai dormir e, no dia seguinte, recomeça o tumulto.

Diante da gravidade da situação, o Exército entra em ação, colocando tanques de guerra nas ruas e esvazia o movimento. Pelotões de soldados armados com baionetas e metralhadoras sob o comando do capitão José Olavo de Castro (Polícia do Exército) e do general Oromar Osório impõem medidas drásticas para conter a rebelião: bares fecham às 20 horas, pontos de ônibus são transferidos de local, aglomerações são proibidas.  O Arcebispo, D. Manoel da Silva Delboeux, conclamou a população a retornar ao seu cotidiano de trabalho, sensatez e paz. Clamou contra a "tragédia triste do vandalismo", contra a "baderna predatória".

Este episódio encerrou a campanha seu tostão vale um milhão. Melhor não haver campanha nenhuma do que suportar os elevados prejuízos de uma revolta popular, prejuízos muitas vezes irrecuperáveis. 

Henrique Packter
Por Henrique Packter 28/12/2020 - 12:00Atualizado em 28/12/2020 - 12:04

Há quem afirme que a diretoria do aeroclube percebeu o pedaço do laço enrolado na hélice e obrigou o piloto a contar do que escapara. Diante do fato, os diretores do aeroclube, em reunião, decidiram cassar a licença do piloto Noal. Ele ainda pagou multa pela transgressão. Em 1999, aos 68 anos, perguntado sobre o fato, não se sentiu muito à vontade para falar sobre a façanha.

Disse: -Foi uma brincadeira de guri. Mesmo arredio, o piloto admitiu o perigo da manobra e desdenhou da habilidade do peão. (Aquele não laçava nem vaca. Foi uma sorte muito grande). Noal não conseguiu lembrar o dia exato do episódio. A façanha tornou famosos piloto e peão. A ousadia do piloto rendeu sucesso entre as garotas da época. Noal recebeu cartas que elogiavam sua coragem.

A RAZÃO CONQUISTA PREMIO DA ARI PELA REPORTAGEM HISTÓRICA

A matéria valeu À RAZÃO o 49º prêmio ASSOCIAÇÃO RIOGRANDENSE DE IMPRENSA (o caso do peão que laçou um avião).

Autor da façanha de laçar um avião pelo focinho, o peão Euclides Guterres, 24 anos, solteiro, foi descrito na época como vivaz, fazedor e contador de proezas e espanholadas. Quase todos os peões das estâncias do Rio Grande são assim. Morreu de leucemia em 1981. Nascido em Santa Maria, tornou-se celebridade instantânea em 20.1.1952, ao laçar o avião CAP4/Paulistinha (prefixo PP-HFP), que dava rasantes na fazenda de seu patrão.

"Eu não fiz por maldade. Foi pura brincadeira. Para falar a verdade, não acreditava que pudesse pegar o aviãozinho pelas guampas num tiro de laço." (Peão Euclides Guterres).

O fato (20.1.1952, 15 horas) encontra-se registrado em jornais da época (A Razão, Diário de Notícias, Almanaque do Correio do Povo e até na Time Magazine americana, que circulou em 11.2.1952). Em 1999 o feito mereceu ampla reportagem na Zero Hora, jornal de POA. A Base Aérea de Santa Maria também mantém em seu acervo vários jornais e revistas da época, relatando a incrível façanha do peão Euclides Guterres, que acabou conhecido como o Rei do Laço. Não existem registros de casos semelhantes.2.026

Henrique Packter
Por Henrique Packter 24/12/2020 - 10:59Atualizado em 24/12/2020 - 11:01

FELIZ NATAL, GENTE! FELIZ 2021! SAÚDE!

 Ao sobrevoar a Fazenda Tronqueiras, proximidades de Santa Maria, RS, Irineu embicou o Paulistinha numa série de rasantes sobre a mesma, espantando umas vacas que o peão Euclides Guterres acabara de apartar. No alto de uma das elevações, Euclides cuidava de uma novilha com bicheira e não gostou nem um pouco do que ocorria.  As passagens sobre a casa grande e a mangueira fizeram o peão passar a mão do laço de treze braças e 4 tentos que arremessou por diversas vezes em direção ao pequeno monomotor. (1 braça = 1,83 metros; tentos: pequenas tiras de couro às quais se prende o que se quer trazer à garupa).

 Eram os primeiros anos de  1952. A cada arremetida Irineu voava desafiadoramente mais baixo para inticar com o laçador. Na terceira ou quarta tentativa o avião foi laçado. Balançou, só não caindo porque a hélice cortou o laço de couro que acertara o bico do teco-teco. Por estar preso na cincha do arreio sobre o cavalo, o laço, com o impacto, rebentou na presilha e seguiu pendurado no avião. Estava feito!

 Outra versão dá conta que o peão Euclides Guterres, para não ser carregado pelo avião, largou o laço. Mas, a hélice, de golpe, já havia partido em duas as 13 braças de couro cru trançado. O jovem piloto tinha na frente dos olhos um pedaço do laço. Virou o nariz do aparelho e voou em direção a Camobi com a hélice partida!

O motor pipocou algumas vezes, perdeu altura para depois nivelar e sumir em direção a Santa Maria, levando preso na fuselagem um pedaço de laço gaúcho de treze braças, quatro tentos, couro cru.

Assustado, tratou de pousar. Ainda na cabeceira da pista, longe do hangar, teria retirado o laço que escondeu no meio das macegas. Como houve dano na hélice do aparelho, o piloto estava ameaçado de demissão, por ter agido de forma imprudente e provocativa, e por não ter comunicado o fato às autoridades aeronáuticas. Três dias depois do evento, A RAZÃO promoveu um encontro entre os protagonistas do episódio.

http://wp.clicrbs.com.br/almanaquegaucho/files/2012/11/0086115f.jpgHá quem afirme que a diretoria do aeroclube percebeu o pedaço do laço enrolado na hélice e obrigou o piloto a contar tudo, tin tin por tintin. É quando os diretores do aeroclube decidem cassar a licença do piloto Noal. Ele ainda pagou multa pela transgressão. Em 1999, aos 68 anos, perguntado sobre o fato, não se sentiu muito à vontade para falar sobre a façanha.

Disse:

-Foi uma brincadeira de guri. Mesmo arredio, o piloto admitiu o perigo da manobra e desdenhou da habilidade do peão. (Aquele não laçava nem vaca. Foi uma sorte muito grande). Noal não conseguiu lembrar o dia exato do episódio.

 A FAMA

Irineu falava dos namoricos e dos amassos vindos com a fama inesperada.

Nem sempre gostava de falar sobre o assunto, embora a história lhe rendesse certa fama. Irineu foi casado com Maryolanda, com quem teve três filhos - Alexandre, Giovani e Lorraine.  Versões validam as declarações de um dos filhos de Irineu, Alexandre Noal. – Não por acaso Irineu era conhecido como Gringo Louco. Ele gostava de pilotar e, mais ainda, de aventura. O meu avô tinha medo de voar. Mas, uma vez, meu pai o convenceu a voar com ele. Quando o vô percebeu, eles estavam passando por baixo da ponte do Passo do Verde – lembra o filho Alexandre Noal, 48 anos. Segundo Alexandre, apesar das diferentes versões para o fato, seu pai afirmava que pretendia devolver as cartas de uma ex-namorada. Por isso, resolveu dar rasantes na fazenda Tronqueiras, onde a moça morava e que até hoje pertence à família Xavier. Esperava que ela saísse de casa e ele pudesse arremessar as correspondências.

O voo de Noal entre a fazenda e o aeroclube não demorou nem oito minutos. Ao pousar mentiu que sofrera um acidente. Porém, foi denunciado pelo pedaço de laço enrolado na hélice. Acabou multado, foi expulso, teve o brevet cassado. Irineu guardou a hélice do paulistinha com o pedaço do laço. 3.803

Henrique Packter
Por Henrique Packter 30/11/2020 - 08:28Atualizado em 30/11/2020 - 08:43

"Nada nos pode parecer mais estranho do que a notícia de que um homem tenha laçado um avião. A vontade que a gente sente é de duvidar. Mas, a verdade é que a extraordinária façanha aconteceu no pampa gaúcho, em Tronqueiras, na rica fazenda de Arroio do Só, município de Santa Maria."

(Abertura da reportagem de 3 páginas, publicada n’O Cruzeiro, em 23.2.1952, assinada por Cláudio Candiota).

Há 68 anos atrás, inacreditável acontecimento colocou Santa Maria no mapa do mundo. Felizmente não foi nenhuma tragédia como esta mais recente da boate Kiss a responsável pela súbita notoriedade.

Irineu Gabriel Noal

Causou o reboliço meu colega do 2º ano científico do Colégio Santa Maria, Santa Maria, RS, Irineu Gabriel Noal. Avançava na escola com grande dificuldade, demonstrando pouco apetite para o estudo. Deu-se por satisfeito com a conquista do término deste segundo ano científico, não prosseguindo os estudos. Não ingressou em nenhum curso superior, que se saiba.

Lembro-me dele, falando sem olhar o interlocutor nos olhos, cigarro preso em dois dedos em pinça da mão. Acompanhava a fala desenhando (com o cigarro), semicírculos rápidos e nervosos no ar, na linha da cintura.

Era alto, moreno, cabelos crespos, lavados. Irineu, pilotando um teco-teco foi laçado por um peão de fazenda, justo quando recente tragédia aérea aconselhava prudência aos aeronautas. Em 12.7.1951 um avião das Linhas Aéreas Paulistas chocou-se com uma árvore a 3 km do aeroporto de Aracaju. No acidente morreram 32 pessoas entre passageiros e tripulantes.

O começo

Irineu voava num dia de janeiro de 52 para demostração, para impressionar a filha de rico e influente estancieiro. Teve sorte de ser apenas laçado. E se o pai da moça resolvesse atirar contra o imprudente piloto do monomotor que realizava rasantes em sua propriedade?  E se o peão-laçador mantivesse o laço preso nas mãos? Irineu foi notícia na imprensa mundial merecendo reportagem de destaque  n’O Cruzeiro, nº 19 (23.02.1952), a mais importante revista do país.

A imprensa da época

O José Adelor Lessa de então

Tarde de janeiro de 1952, o jornalista Cláudio Candiota, diretor do jornal A Razão, de Santa Maria, foi procurado em sua sala pelo comandante Fernando Pereyron, do aeroclube da cidade. O visitante trazia uma notícia de impacto, mas não queria sua divulgação. Pelo contrário, queria escondê-la. Temia causar prejuízo à imagem da escola de pilotagem sob sua responsabilidade, no aeroporto de Camobi. 

Quem era Fernando Pereyron Mocellin?

Herói da IIª Grande Guerra, foi Aspirante Aviador da Reserva, convocado durante o conflito. (Nome de Guerra: Mocellin). Era filho do joalheiro João Pereyron Mocellin. Nasceu em 20.06.1922 em Santa Maria e faleceu a 05.06.2001 (78 anos) em POA. Escreveu Missão 60, relatando sua preparação para combate na Segunda Guerra  Mundial, assim como algumas de suas 59 missões de combate. Para ele, a 60ª missão foi escrever o livro onde narra suas vivências da guerra. Apresentou-se ao 1o Grupo de Caça em Suffolk, vindo de uma escola de caças americana. Piloto de combate de esquadrilha, sua primeira missão foi em 12.11.44 e a última em 01.5.45. Ferido em combate por estilhaço da artilharia inimiga durante sua 24º missão em 02.1.45, foi promovido a 2o Tenente, 19 dias depois.

Recebeu várias Condecorações: Cruz de Sangue, Cruz de Aviação com 2 estrelas, Distinguished Flying Cross(EUA); Campanha da Itália, Air Medal 2 palmas (EUA); Presidential Unit Citation (EUA).

Pouco tempo após regressar ao Brasil pediu baixa da FAB, e voltou para Santa Maria e  para trabalhar na Joalheria do pai.

Henrique Packter
Por Henrique Packter 23/11/2020 - 10:43Atualizado em 23/11/2020 - 10:44

Santa Maria (RS), que se saiba e ao menos até 1953, era famosa por ser o mais importante entroncamento ferroviário do estado, pelo basquete praticado por seus quatro times e por sediar comando de forças militares de grande importância estratégica. Vem-me à lembrança e com facilidade o aeroporto de Camobi, 7º RI, 5º RAM, 3º BCCL, além da Brigada Militar comandada por um coronel. Na cidade a 3ª Divisão de Exército (3ª DE) já completou111 anos de história. As forças do exército eram comandadas por um general, hierarquicamente. situado entre os postos de coronel e de general de divisão.

General tem estrelas?

O distintivo, genérico, dos titulares da patente de general - igual ao dos antigos tenentes-generais e generais de divisão - era composto por três estrelas 

O que é um general 5 estrelas?

Têm cinco estrelas o almirante (Marinha), o marechal (Exército) e o marechal- do- ar (Aeronáutica). São militares com obrigatória participação em guerra. Quatro estrelas são dadas aos almirantes de esquadra, generais de exército e tenentes-brigadeiro. Santa Maria tinha um general 4 estrelas.

Rudolf Lange

Mas, o Cine Independência virou shopping popular, abrigando os camelôs que vagavam pelas ruas da cidade. Ao invés do Gordo e o Magro, Roy Rogers, Durango Kid, Carlitos, mercadorias piratas do Paraguai.

O Cine-Theatro Imperial, na segunda quadra da Dr. Bozano, transformou-se numa filial das Casas Eny de calçados. Ao invés das grandes peças de teatro que Edmundo Cardoso apresentava uma vez por ano com sua Escola de Teatro Leopoldo Froes...tênis, sandálias, sapatos e hawaianas. Claro, hoje existem as salas de cinema dos shoppings da cidade, com cerca de 80 lugares cada uma. Nada semelhante aos 1200 lugares do Cine Independência dos bons tempos. Também sumiram espetáculos de teatro com Maria Della Costa, Sandro Polônio, Procópio Ferreira.

Quem da faixa etária dos 60 ou 70 anos ainda lembra do tradicional matinê da 1,15 como era chamada a sessão dominical das 13,15 horas do Cine-Theatro Imperial? Passava filme de mocinho (nome dos filmes de faroeste americano), seguido de um seriado (cada domingo exibia um capítulo de longa história de aventuras, que chegava a durar dois meses). Na frente do cinema, antes das sessões, ocorria o tradicional troca-troca de gibis (revistas em quadrinhos dos heróis da época). Ou então, troca de figurinhas do famoso Álbum das Balas Rute.

Seu Aurélio

Lanterninha do Cine-Theatro Imperial, famoso pelo duro que dava na gurizada durante as sessões. Em sua homenagem existe o Cine-Clube Lanterninha Aurélio. A patota da rua Acampamento tinha seu Código de Honra. O Código exigia que novos moradores da região deveriam obrigatoriamente atravessar longo duto subterrâneo de águas pluviais da Rua Tuiutí, local sem qualquer iluminação e habitado por sapos enormes e, às vezes, outros bichos. Para provar que se era homem todos nos submetemos à prova para não sermos apontados em plena Rua do Acampamento como frescos, afeminados. Corria o ano de 1952 destinado a se tornar o mais célebre de nossa história como alunos do Colégio Marista.

Os bailes

Os grandes bailes eram  no Caixeiral (14.02.1886) e no Comerciário. Nos fundos do Caixeiral o Corintians, time de basquete da cidade, tinha sua quadra dotada de refletores para jogos noturnos..

Galináceo no matinê dominical do Cine Imperial

Um dos nossos colegas, aí na casa dos 16, 17 anos apostou que entraria no matinê com uma galinha e que seu Aurélio não perceberia. Não só entrou com a galinha, bico laboriosamente amarrado e por debaixo do grosso casacão de inverno), como sentou-se na primeira fila de cadeiras do mezanino (a parte superior da sala de exibição). Na hora mais romântica do filme, quando o mocinho pede a mão da moça em casamento, a galinha foi atirada lá de cima. A coitada, agora com bico desamarrado,  voou como pôde e foi se estatelar nas cabeças da gurizada lá embaixo. Um Seu Aurélio enfurecido interrompe a sessão no meio da algazarra generalizada. Luzes acesas, sobe ao mezanino. Queria porque queria saber quem tinha jogado o galináceo. Amedrontado,  nosso anônimo herói deixou o cinema debaixo dos aplausos da seleta assistência e ainda ganhou a aposta: 6 guaranás Cyrillinha, famoso refrigerante da época, fabricado em Santa Maria mesmo.

« 1 2 3 4 5