Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 08/01/2018 - 16:06Atualizado em 08/01/2018 - 16:11

Eduardo Moreira vai pedir que todos os cargos de confiança do Governo sejam postos a disposição assim que assumir o comando do Estado, o que está programado para acontecer no final de fevereiro.

Ele confirmou a informação em entrevista ao jornalista Marco Aurélio Gomes, publicada nesta segunda (8) na Rede de Notícias Acaert, defendendo que “assim como o Governador vai sair mais cedo, também é justo que os secretários que vão ficar até o final do mandato possam assumir com mais tempo e menos ‘engessamento’”.

Na sequência, Moreira afirma que as vagas serão preenchidas seguindo o critério de conhecimento da área. “Provavelmente muitos serão dos quadros da própria área de atuação. São basicamente técnicos.”. Outra informação confirmada pelo vice-governador é que, por questão de economia no fechamento de contas do mandato, nem todas as lacunas serão preenchidas. “No último ano a Lei de Responsabilidade Fiscal é mais rigorosa”. 

Prioridade para a Saúde

Quando questionado sobre o que fará no curto período em que estará a frente do Governo, Moreira deu destaque à Saúde e Segurança Pública. “A dívida chega a R$ 1 bilhão, então é um setor que vai exigir esforço hercúleo no sentido de equacionar. E a questão da Segurança Pública tem que ter uma visão diferenciada e por isso eu preciso implantar em fevereiro novas ações que deem uma nova faceta à Segurança Pública”. 

Acélio na Saúde

Nome certo no Governo de Eduardo desde o fim de 2017. Acélio Casagrande não foi o único citado para assumir a Secretaria de Saúde, pasta mais delicada do Executivo. Além de Casagrande, que tem experiência como adjunto da pasta, secretário de saúde de Criciúma no mandato do próprio Moreira (1993/1996) e bom relacionamento em Brasília, onde atua como Secretário de Articulação Nacional, o futuro governador citou também o médico ortopedista Marcelo Lemos, com experiência na direção do Hospital Celso Ramos e na Superintendência de Hospitais Públicos do Estado. Quando perguntado se seria um dos dois, ele afirmou que, provavelmente, serão os dois. 

(A afirmação dá a entender que o Lemos será o Adjunto, já que Moreira confirmou Casagrande como titular da pasta na última sexta (5)no Programa Adelor Lessa, da rádio Som Maior FM)

No páreo

Pensando na eleição desse ano, Moreira afirma que a política é dinâmica, seu nome segue comentado como possível candidato, mas espera trabalhar em apoio a Mauro Mariani. “O Mauro está em pré-campanha dentro do partido, ele tem méritos indiscutíveis e é hoje o nosso provável candidato. Espero que ele consolide definitivamente a candidatura que eu possa ser o seu principal cabo eleitoral”.

“O problema é no PMDB nacional”

Quando questionado sobre a principal preocupação apresentada pela militância do partido, Moreira foi taxativo ao citar a situação nacional do PMDB. “O PMDB catarinense é diferente mesmo, a nossa constituição foi diferente, tanto que nós temos o melhor desempenho do Brasil. São 16 deputados federais de Santa Catarina, sendo 5 nossos”. Segundo ele, o seu PMDB é o “do Luiz Henrique” e não “do Renan Calheiros”. “Luiz Henrique era o mentor político. Era um visionário. Ele repetia que ‘pensar grande e pensar pequeno custa o mesmo’. Ele deixa uma lacuna não preenchida”. 

Sem arrependimento

Moreira teve outras oportunidades de concorrer ao Governo do Estado e não consolidou a candidatura, mas não se arrepende dessa situação. “Em 2010 sofri um esvaziamento da minha candidatura, em parte pelo próprio PMDB. O partido estava dividido e isolado, por isso desisti e decidi ser vice de Raimundo Colombo. Não me arrependi, mas foi uma das decisões mais difíceis da minha vida”.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 20/12/2017 - 09:06Atualizado em 20/12/2017 - 15:57

O fato é sério.

O músico criciumense Robson Brígido, guitarrista de bandas como “Leopoldo & Valéria” e “Don Capone”, foi roubado na noite desta terça-feira (19) no bairro Michel, na saída de um ensaio. Levaram o carro dele, um HB20 preto, placa MKW8417, e vários instrumentos musicais.

Levaram:

- Marshall JCM2000 TSL 60 watts;

- Caixa Borne 2x12;

- Uma bolsa com vários cabos, adaptadores, fontes, pedestais e outros acessórios, e dentro estavam um pedal Fulltone OCD, um empower fuzz'n'bender, um BBE boosta grande, e um Radial London Bones;

- Um Pedalboard Landscape PS8, com fonte e com um Morley Maverick mini wah, um Ibanez TS9 tube screamer, um Boss DD5 delay, um EHX nano Chorus, um nux mod core, um Hotone Komp, um Polytune mini, além do footswitch de cinco vias do Marshall;

- Uma guitarra Gretsch Eletromatic Pro Jet com Bigsby (foto abaixo), preta, com case KGB.

Como são instrumentos pouco comuns, qualquer informação sobre tentativa de venda dessas peças será bem vinda.

O contato do Robson é 99107-2402

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 19/12/2017 - 19:04Atualizado em 22/12/2017 - 16:59

Em entrevista ao programa Bola da Vez, da ESPN, o ex-técnico das Seleção Brasileira Luiz Felipe Scolari falou sobre a relação com Tite, atual comandante da Canarinho, a quem chamou de ingrato.

Na mesma entrevista, que foi ao ar na semana passada, Felipão, que treinou também a Seleção Portuguesa, falou sobre a disputa entre o pupilo Cristiano Ronaldo e Renato Gaúcho. Quem foi melhor, professor?

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 18/12/2017 - 14:54Atualizado em 18/12/2017 - 14:57

Grande expoente da música do sul catarinense, Jorge Nando continua tendo como destaque a capacidade de se manter sempre evoluindo.

Uma prova disse foi o lançamento, nessa segunda feira (18), da sua versão da música Era Uma Vez, da cantora Kell Smith.

A gravação foi produzida em parceria com o canal Nossa Toca e o de Carlos Bala, da banda do Djavan, um dos bateristas mais respeitados do país que já tocou com outros cantores consagrados como Maria Bethânia, Chico Buarque, Caetano Veloso e  Roberto Carlos.

Além da versão cover de Era uma vez, foram produzidas ainda mais duas canções com Jorge Nando, sendo uma autoral, que serão compartilhadas em breve por meio das plataformas digitais da Toca.

O Nossa Toca é um canal de música do produtor e apresentador Giba Moojen, junto com os diretores Leonardo Felippi e Rodrigo Schaefer. O canal recebe artistas nacionais que criam experiências musicais e apresentam sons autorais.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 07/12/2017 - 15:53Atualizado em 07/12/2017 - 16:37

A memetização (ou memezação), que é a palavra que eu inventei agora pro movimento de transformação de tudo em "memes", é o grande "coqueluche" (expressão de velho, né?) do momento nas redes sociais das empresas e orgãos públicos. É usar o efeito atrativo e cômico das montagens, normalmente para tirar sarro de algo ou alguém, com o objetivo de ter likes e compartilhamentos.

O raciocínio é: "Hahaha, que engraçado! Vou passar pros meus amigos e minha avó! Eles vão adorar!". Assim, em rede, a mensagem se espalha por si só.

Mas, como tudo que envolve humor, é preciso ter cuidado. E parece que esse cuidado a Prefeitura de Criciúma não teve.

Para divulgar a substituição de carro, a equipe de comunicação do município divulgou o vídeo abaixo na página oficial do Executivo no Facebook. 

 

Mobi da Prefa

Chegou a nova versão do Uno da Prefa, mas espera, não é mais o Uno! Agora é a vez do Mobi

 

Sem surpresa, várias reações negativas nos comentários. A maioria fazendo relação do vídeo, que é um racha tirado do filme Velozes e Furioso, com o trânsito de Criciúma, complicado pra uma cidade de apenas 200 mil habitantes e, muitas vezes, violento. Houve também uma manifestação a favor, chamando os reclamantes de chatos.

Mas convenhamos... Se é decisão usar um meme pra divulgar a troca de carro do município (o que já não é um fato de grande repercussão, na minha opinião), tem outras diversos modelos e estilos.

Por exemplo... Vamos roteirizar juntos... Se o Uno foi trocado depois de anos de relação e parceria, eu faria com esse modelo (muito famoso internacionalmente):

 * Sim... Fiz o meme no Paint! #oldschool

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 29/11/2017 - 15:49Atualizado em 29/11/2017 - 16:20

Clima de tensão para o segundo jogo da final da Libertadores 2017 entre Lanús e Grêmio, na Argentina.

O placar magro de 1 a 0 na Arena dá pouca tranquilidade para a equipe brasileira, principalmente depois de ver o próprio Lanús eliminar o River Plate, que havia vencido pelo mesmo placar na ida.

Aí, amigo... Apelemos aos santos!

Tem que não consiga dormir! 

E tem quem não sonha com outra coisa!

jael tri

E na hora daquela prova de matemática, fim de ano, precisando passar...

Com aquela cutucada básica, é claro! 

Mas o importante mesmo é fazer história e manter a tradição viva, de pai pra filho!

Há, inclusive, quem veja hoje os heróis do passado...

E, como não podia ser diferente, tem o outro lado, que seca e provoca...

Mas, no fim das contas, o fato é que o Grêmio hoje é o Brasil na Libertadores e, se for campeão, a promessa tricolor é de...

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 29/11/2017 - 14:35Atualizado em 29/11/2017 - 14:53

Em clima de Grêmio na final da Libertadores, o gaúcho e internacional (por estar em Boston) David Coimbra citou o Próspera na coluna de hoje. Mais do que isso, citou Julio César, ponteiro-esquerdo do Time da Raça.

O Próspera tinha um ponteiro-esquerdo japonês. Eu achava isso importante. O Próspera é o segundo clube de Criciúma, formado com base na carbonífera que tinha esse nome e que depois virou CSN. Um time de mineiros, de raízes populares, orgulhosamente pobre, às vezes os jogadores treinavam com a camisa rasgada, às vezes o número de bolas não era suficiente para o trabalho tático do inteligente técnico Acioly Sanchez, mas coragem sempre tinha de sobra.

Na sequencia, David discorre sobre os grandes pontas (ou ponteiros) esquerdos da história do futebol brasileiro. Lula, Ortiz, Canhoteiro e por aí vai...

Aí, durante a leitura, vem a pergunta: o que isso tem a ver com o jogo de hoje, que é o grande assunto do futebol sulamericano (menos no Rio, que só olha pro Flamengo e o Caso Muralha) ou com o título do texto, que é O Grêmio tem um jogador que pode levá-lo à vitória nesta quarta-feira?

Lê aqui e descobre...

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 27/11/2017 - 15:25

Aos 66 anos de idade, Phil Collins anunciou hoje que se apresenta no Brasil em 2018.

Collins está na estrada com a turnê Not Dead Yet Live! (Não morreu ainda ao vivo!, em inglês) e fará shows no Rio de Janeiro (22/2), São Paulo (24/2) e Porto Alegre (27/2).

Os valores dos ingressos variam entre R$ 135 e R$ 760. A venda inicia nos próximos dias pelo site Eventim.

A turnê, anunciada em outubro de 2016, leva o mesmo nome do livro de memórias do ex-baterista do Genesis, lançando no mesmo mês.

Entre seus maiores sucessos estão músicas românticas como Another Day in Paradise, In the Air Tonight, Easy Lover, One More Night e Against All Odds (Take A Look at Me Now).

Curta o ensaio de Phil Collins e banda, registrado no último dia 20.

 

Tags: Phil Collins

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 20/11/2017 - 17:21Atualizado em 21/11/2017 - 10:55

Acho sempre interessante quando fatos não relacionados se encaixam de tal maneira que 2+2 vira 5.

Admito que, nesse ano, não atentei à chegada do Dia da Consciência Negra, lembrado todo dia 20 de novembro no Brasil desde 2003. Talvez em 2017 as informações sobre essa data tenha sido menos frequentes, ou menos enfáticas, ou só não passaram pelo meu “radar”.

Mesmo assim, por coincidência, assisti a um filme no fim de semana que é simbólico para a data. Coincidência porque eu tive a ideia de ver na hora, no menu, não estava na programação da tv por conta da consciência negra, o que faria sentido.

O filme é Estrelas Além do Tempo, indicado ao Oscar deste ano, que apresenta a história de Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson, três mulheres negras (dois “defeitos” nos anos 60s) que, a seu modo, galgaram cargos mais altos na NASA do que aqueles que eram os seus limites impostos.

Em plena corrida espacial contra os russos, que se mantinham sempre à frente na disputa, a agência espacial norte-americana foi obrigada a quebrar as barreiras para aproveitar o potencial dessas três profissionais, que trabalhavam como computadores, função ainda exercida por pessoas “de segunda categoria”.

Johnson, a mais protagonista das protagonistas, foi transferida do prédio onde ficava as mulheres negras para o quartel general da missão. O prédio original tinha banheiro para mulheres negras, o novo não. Eram 800m correndo para ir, mais 800m para voltar e continuar os cálculos a tempo de atender o prazo.

Como era um gênio em cálculo, superando facilmente o engenheiro responsável na solução dos problemas de trajetória, forçou o líder da equipe a quebrar as barreiras que a impediam de avançar e, por consequência, atrasavam o avanço da missão.

Esse é um pequeno pedaço da história, verídica e escondida dos livros de história que tratam da conquista dos EUA no espaço.

Assista essa reportagem do Fantástico, do começo do ano, sobre o filme.

E sobre o título? É spoiler... Vai continuar lendo?

Mesmo?

Tem certeza?

Vou avisar de novo...

!!! SPOILER ALERT !!!

 

Em dado momento do filme, os computadores da IBM foram instalados na NASA (avanço tecnológico incalculável na época), estavam rodando e os cálculos começaram a ser feitos pelas máquinas, milhões de vezes mais rápidas que as pessoas.

Acontece que o mesmo cálculo deu dois resultados diferentes de um dia pro outro. O astronauta, nesse caso, se recusou a decolar até que a “menina” boa de cálculos conferisse o resultado.

Ela ganhou acesso à sala de comando (aquela mesmo, onde tem a comunicação com o foguete), refez o cálculo na hora, a mão, e resolveu a questão. O cálculo dela simplesmente avançou mais casas decimais nas coordenadas que o magnífico IBM era capaz.

Katherine Goble Johnson calculando em sua mesa, na Nasa
Essa é a Katherine, calculando... (foto: Nasa)

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 17/11/2017 - 12:42

O Doodle do Google homenageia, nesta sexta-feira (17), os 107 anos de nascimento da escritora Rachel de Queiroz.

Cearense de Fortaleza, Rachel ficou marcada, junto a Clarice Linspector, Cora Coralina e Cecília Meirelles,  como uma das mulheres mais atuantes da literatura brasileira.

A imagem escolhida representa bem as características da sua obra, que são o cenário árido do nordeste brasileiro e a família de retirantes. O Quinze, por exemplo, que foi o primeiro romance da escritora modernista, publicado em 1930, o tema central é a seca de 1915 que assolou o nordeste do país. 

A própria escritora fugiu com a família da seca no Ceará para buscar uma vida mais promissora no Rio de Janeiro. 

Rachel de Queiroz ainda se consagrou com as obras Caminho das Pedras, As Três Marias e O Menino Mágico. Em 4 de agosto de 1977 foi escolhida para ser a quinta ocupante da Cadeira 5 da Academia Brasileira de Letras (ABL), no lugar de Candido Motta Filho. O video do discurso dela na posse está no fim desse post.

Como hoje é aniversário dela, fui atrás de algum material sobre ela pra colocar aqui. E me deparei com uma baita entrevista feita pela Veja em 1996 e republicada em 2010, em virtude do centenário da escritora.

Eu não coloquei a entrevista toda aqui. Apenas algumas partes que achei mais interessante. Pra ler toda, clica no texto azul ali em cima.

A senhora acaba de ganhar o Prêmio Moinho Santista, no valor de 50 000 reais. O que vai fazer com todo esse dinheiro?

Vou comprar um automóvel, porque o meu está velho como o diabo.

Qual a importância de um bom agente para o escritor?

Um bom agente nos valoriza, vende os nossos livros pelo melhor preço. No meu caso, para ir para a editora Siciliano, minha agente literária, Lúcia Riff, me colocou em leilão. Fui para a editora que pagou mais. Só a luva foi de 120 000 dólares.

Como é a vida de escritora?

Se for levar essa vida a sério, é bastante chata. Mas vivo nela toda satisfeita. Não vou a conferências nem a festas literárias. Gosto mesmo é de cozinhar e de assistir a futebol e boxe. Fico até tarde da noite para assistir a uma luta do Mike Tyson.

O boxe não é um esporte muito violento?

É, mas eles são guerreiros.

A senhora leva tanto tempo para escrever um livro que dizem que tem preguiça de escrever.

Romance é como gravidez. Aquilo fica dentro de você, crescendo, incomodando, até sair. Quando falo que meus livros saem em intervalos de quinze anos, não estou fazendo charme. Esse é o meu tempo. Memorial de Maria Moura, meu último livro, é de 1992. Antes dele, tinha publicado Dora, Doralina, em 1975. Foram, portanto, dezessete anos de intervalo. Outro romance, agora, só daqui a quinze anos.

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 09/11/2017 - 11:14Atualizado em 09/11/2017 - 15:10

Você sabia que, no Brasil, um homem morre a cada 38 minutos vítima do câncer de próstata?

Segundo os dados mais recentes do INCA (Instituto Nacional do Câncer), com mais de 13.700 vítimas por ano, a doença representa 28,6% dos casos de câncer em homens, ficando atrás apenas dos tumores de pele não melanoma.

Só em 2016, foram registrados 61.200 casos novos. São quase 168 por dia!

E não se engane! Considerada uma doença de idoso, o câncer de próstata atinge jovens também!

Apesar de o risco aumentar significativamente depois dos 50 anos, 40% dos casos são registrados abaixo dessa idade.

Raro mesmo é antes dos 40... Mas isso não significa que a prevenção não seja importante.

Não é possível prevenir o câncer de próstata, mas o diagnóstico precoce é o maior aliado para evitar que a doença seja fatal. Em estágio inicial, as chances de cura são de 90%!

E é sobre isso que estamos tratando durante o mês de novembro na programação da rádio Som Maior FM e no portal 4oito, com dicas e informações que vão ajudar você a compreender melhor essa e outras doenças que afetam, principalmente os homens, os tratamentos de cada uma e as mudanças de hábito que podem deixar o homem bem longe delas.

Contaremos com diversos profissionais da área da saúde, apresentando tudo de maneira simples e objetiva em vídeos, matérias e entrevistas.

A Campanha Viva Mais é uma realização da rádio Som Maior FM e do portal 4oito.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 08/11/2017 - 14:25Atualizado em 08/11/2017 - 14:38

Uma das funções dos setoristas de futebol, que são aqueles jornalistas que passam muito mais tempo nos centros de treinamento que na própria redação do veículo, é informar sobre tudo o que envolve o clube que acompanha.

Tudo mesmo! Desde lesões, suspensões e treinamentos efetuados no dia até especular (normalmente com precisão) a escalação que iniciará a próxima partida. Todas as rádios, tvs, jornais, sites e afins fazem. E é o que o leitor/ouvinte/espectador/torcedor quer.

Até aí, tudo certo! É da função! Mas tem casos em que a abordagem pode ser diferente. Como no caso do repórter Cícero Mello, da ESPN, que, no lugar de perguntar pro próprio Renato Gaúcho, escalou o Grêmio pro jogo seguinte. Aí, meu querido... Mitagem do Renato! 

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 01/11/2017 - 15:14Atualizado em 01/11/2017 - 15:24

Tem gente que acha que o umbigo é o centro do universo. E são essas pessoas que, via de regra, usam a célebre e narcisística frase "você sabe com quem está falando"?

Esse é o tema de um dos discursos mais reproduzidos do Mário Sérgio Cortella na internet. O filósofo, que estará em Criciúma na próxima segunda-feira (6), usa matemática, física e história para explicar, cientificamente, que eu, você, Lula, Bolsonaro, Trump e Neymar somos de uma insignificância atronômica!  

O Romário não... O Romário é outro nível!

Bom, né?

Então não perde tempo e compra logo o ingresso pra palestra!

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 27/10/2017 - 11:44

Está na capa dos jornais da região.

Município de Morro Grande entrou, na tarde de ontem, com Ação Civil Pública contra JBS e Tramonto Agroindustrial S/A pedindo que os equipamentos não sejam retirados da unidade, que as atividades não parem e que a empresa seja administrada por um administrador judicial.

Para o descumprimento, na petição protocolada pela Procuradoria do município, previsão de multa diária de R$ 10 milhões.

Na argumentação, o Poder Público defende que investiu R$ 17 milhões para atrair o grupo a Morro Grande,  sendo R$ 14,5 milhões da Prefeitura e R$ 2,5 milhões da Cooperativa de Energia Cersul. Tal investimento seria “desperdiçado” com o encerramento das operações.

Em outro trecho, o documento trata dos efeitos do fechamento, citando a situação como “caos social”, com 30% de desemprego da população, e “caos rural”, com produtores endividados após terem construído e modernizado seus aviários com o intuito de fornecer matéria prima para a JBS.

Esses efeitos são indiscutíveis, e não vieram a tona agora. Desde o anuncio do fechamento, em agosto, é divulgado e debatido em todos os meios de comunicação e associações empresariais que o fechamento da planta é uma catástrofe econômica para Morro Grande, mas vamos ver por outro lado.

Esse é o ponto ruim de ter a economia de um município atrelado a um negócio, uma empresa apenas. Não é característica apenas de Morro Grande. Vários municípios pelo Brasil se veem atrelados financeiramente a praticamente uma única fonte de renda. É o que os assessores de investimento chamam de “colocar todos os ovos numa cesta”.

E esse movimento de acionar a Justiça para evitar que uma empresa privada cesse suas atividades lembra o livro A Revolta de Atlas, publicado em 1957 pela filósofa russa Ayn Rand.

Na história, um governo corrupto e ineficiente nsiste em sobretaxar e abusa de agressivas regulações sobre os cidadãos produtivos, suas empresas e realizações individuais.

Não é esse o ponto que eu chamo atenção... É o depois, a consequencia.

Em dado momento, em resposta a essas práticas, os industriais mais importantes e bem sucedidos da sociedade decidem abandonar suas fortunas e a própria nação. É a simbologia de Atlas, o titã grego condenado a carregar o mundo sobre os ombros durante toda a eternidade, não aguentando mais o peso e desiste... larga.

A reação das autoridades, vendo seus geradores de riqueza partindo, é parecida... Com imposição de leis que impedem demissões, que proíbem que máquinas parem e tal. Chegam a destacar pessoas sem nenhum conhecimento da área para "tocar" os negócios abandonados, sem sucesso, como é de se esperar.   

Sabe o que muda com todas essas intervenções e imposições? Nada.

O caos vai crescendo, os burocratas vão tentando contornar, mas não sabem produzir. Aí o país vai sendo desmontado, dilapidado e desliga. Fica no escuro. Literalmente.

Sabe o motivo?

Não tem como impor produção por decreto. Não é assim que funciona o mercado. Se não tem resultado, não tem retorno, não tem recurso, não funciona. Não anda.  

E quem não sabe produzir, não produz. E sem produção, não há economia, não há empregos, não há salários, não há impostos, não há manutenção, não há serviço.

Não há... Apenas não há... 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 19/10/2017 - 18:27Atualizado em 19/10/2017 - 19:12

Comemorando dois anos de "nascimento" no próximo dia 29, a cervejaria Rio Carioca, do Rio de Janeiro, tem dado uma aula de comunicação nas redes sociais.

Na boa... Com as sacadas que tem apresentado nas postagens, sempre ligadas com os fatos do momento, se fosse uma pessoa humana, já estaria com Stand Up viralizando no You Tube.

A "cutucada" mais recente da Rio Carioca é baseada na vergonhosa votação que devolveu o mandato ao senador Aécio Neves, na última terça-feira (17).

No dia anterior, a vítima foi o prefeito de São Paulo, João Dória, e a sua "refeição de astronauta" (que não chega nem perto da comida nutritiva que a Nasa oferece aos tripulantes).

Além da política, o futebol também tem lugar nas tiradas da cervejaria., como quando nossos "hermanos" estavam a ponto de assistir a Copa do Mundo de 2018 pela televisão. 

Para ver mais dessas peças, acesse a fanpage da Rio Carioca.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 18/10/2017 - 19:03Atualizado em 18/10/2017 - 19:14

Eu sei... Tá feio!

Faz tempo que não escrevo aqui e prometo que isso não se repetirá! 

Mas, enquanto isso, bora conversar?

O 4oito completou dois meses ontem (17) e, como foi dito desde o lançamento, queremos sempre evoluir. E, sendo assim, queremos saber o que você está achando do portal. 

Pode responder sinceramente a pesquisa abaixo que a gente aguenta! 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 22/09/2017 - 17:17Atualizado em 22/09/2017 - 17:31

O vídeo começa com a imagem de um caminhão aberto, várias caixas brancas derrubadas no chão e uma grande poça em volta delas. Em princípio parecia  tratar-se de um acidente de carga, como tantos outros que circulam nas redes sociais. Até que, com toda a paz de espírito que é possível para o momento, aparece o sujeito com mais duas caixas e... pro chão!

Quem filma passa algumas informações sobre o caso. O homicídio etílico doloso de seis pallets de vodca teria acontecido nessa sexta-feira (22) e seria a reação do motorista do caminhão ao ter a carga rejeitada no Fort Atacadista, em Içara.

É fácil contar que, no momento da filmagem, já estavam estraçalhadas mais de 30 caixas. Seis garrafas de 1l por caixa... Mais de 180 litros de vodca animando uma das maiores festas open bar que os santos já presenciaram. 

 

Tags: vodca içara raiva

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 19/09/2017 - 13:21

É indiscutível! Mesmo nos maiores festivais internacionais de música, quando uma banda nacional sobe no palco o clima é outro!

Pode nem ser aquela banda que você mais ouve no Spotify, mas é uma sensação de identidade.

Aí vem o Skank e faz o show que fez! É igual Copa do Mundo!

E, pra quem não viu o show, assista esse video do Márcio Guerra, que é professor de canto e youtuber (no sentido bom da palavra) que avalia cantores e bandas.

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 13/09/2017 - 12:43

Foi lançada, na manhã de terça-feira (12), [finalmente] a versão demo do game FIFA 18, da EA Sports. Passei o dia esperando pra experimentar o novo sistema dinâmico do jogo, anunciado como revolucionário, e a mudança dos cruzamentos, também bastante divulgado pela própria EA e outros sites especializados.

Estão disponíveis da versão demo 12 times do mundo, como Manchester United, Real Madrid, Bayern de Munique, Manchester City e PSG.

Joguei primeiro com o PSG, contra o Boca Juniors, empate em 1x1 e vitória nos pênaltis, depois de 14 cobranças pra cada lado. As cobranças de pênalti, que me incomodavam muito no FIFA 17 pela dificuldade de acertar, voltaram a ser divertidas. Em outra partida, tentei jogos mais pra cima, com arrancadas e dribles desde o meio campo, e perdi de 2x0 pro Toronto.

Gostei, e muito, do novo jogo. Está mais real, demanda mais feeling, mais calma pra jogar, tem hora que tocar a bola e esperar uma oportunidade de avançar, assim como acontece nos campos de verdade.

O FIFA 17 já deixava bem real a relação do jogador com a bola, que escapava se o passe não fosse redondo ou o domínio não fosse bem feito (ou o jogador fosse pouco habilidoso). Na versão nova, essa característica ficou mais sensível. Por outro lado, também melhorou a “sintonia fina” dos dribles, que fluem mais naturalmente que nas versões anteriores.

A defesa, que já não era tarefa fácil no ano passado, ficou ainda mais complicada. Tem que chegar na hora certa, na distância certa e dar o bote certo, senão come mosca. Esperar e cercar continua sendo a melhor tática.

O sistema de cruzamento realmente mudou. Em três jogos, ganhei uma bola no alto. Antes era só acertar a força e a bola ia certeira na cabeça de alguém. Agora tem que acertar a força, a mira e brigar com o zagueiro dentro da área. Esse dificultou de verdade. Precisa aprender de novo.

A Jornada - SPOILER (não que seja uma GRANDE spoiler, mas eu avisei)

Por fim, o modo Jornada tem só um pedaço de jogo. Alex Hunter, que iniciou a carreira no FIFA 17, onde encerrou a temporada com uma convocação para a Seleção Inglesa, agora se vê numa confusão causada pelo empresário.

A história começa com Michael anunciando que o Real Madrid quer contratar o atacante de 18 anos. Assim como acontece hoje com Coutinho no Liverpool, a iminente transferência coloca Hunter no banco do Chelsea, entrando no segundo tempo com a missão de reverter o placar de 3x0 para o Manchester United.

Encerrado o jogo, corta a cena para a casa de Alex Hunter, onde chega o empresário transtornado e os dois saem com pressa. No carro, Michael explica que a negociação com Real Madrid era falsa. Ele foi enrolado e a carreira de Alex Hunter está em jogo.

E fim... Volta pro menu inicial do jogo.

O FIFA 18 tem lançamento previsto pra 29 de setembro. Faltam 16 dias...

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 12/09/2017 - 11:04Atualizado em 12/09/2017 - 11:12

O canal em inglês da rede Al Jazeera no YouTube publicou, no último sábado (9), uma reportagem sobre as emissoras de televisão do Brasil. Duas delas, na verdade... A Globo e a Record. O texto é longo, a matéria mais ainda, mas é uma oportunidade de exercitar a análise crítica

A reportagem começa atacando a Rede Globo, sua influência política antierquerdista na história do país e como essa influência foi usada politicamente ao longo dos anos no apoio, por exemplo, ao Regime Militar, à eleição de Fernando Collor e ao Impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Seguindo a linha de colocar a emissora como responsável direta pela retirada de Dilma da presidência, o jornalista Paulo Henrique Amorim afirma que “Eles [Lula e Dilma] piscaram e a Globo os tirou do poder”.

Entre as críticas da matéria está a falta de uma regulação no mercado, o que permite, por exemplo, que políticos sejam donos de veículos de comunicação e que vários veículos pertençam à mesma empresa, criando monopólio.

Já na metade do vídeo, de quase 26 minutos, o ataque partiu para cima da Record, emissora de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, citada com “a TV do cara da igreja com mais de oito milhões de fiéis”.

Além da influência também poderosa, nesse caso pela fé, a reportagem foca no aumento significativo das doações financeiras à igreja causado pelo poder da televisão, que difunde os cultos por todos os lares do país, também aponta a procura dos partidos por essa fatia dos eleitores.

“Beijam a mão de Edir Macedo os partidos de esquerda e direita”, afirma o cartunista Carlos Latuff, um dos entrevistados. Mas, adiante, Latuff é categórico ao afirma que essa igreja, reacionária e que desrespeita os direitos das mulheres, é ligada à extrema-direita do Brasil.

Tudo que escrevi acima está na matéria, as opiniões e as críticas. Apenas descrevi partes da matéria, que tem clara inclinação ideológica.

Inclusive, a falta de isonomia, de ouvir os dois lados, que é algo criticado na própria reportagem, é negativo em qualquer situação. Se fosse o contrário, jornalisticamente seria tão incompleto quanto.

É uma matéria interessante para se assistir, estimula a reflexão. Mas é importante ter em mente que não é, necessariamente a verdade absoluta. É uma versão do fato. É a visão de um lado.

A tradução abaixo foi feita pelo canal Mídia NINJA e publicada na segunda-feira (11).

 

« 1 2