Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 19/09/2017 - 13:21Atualizado há 22 minutos

É indiscutível! Mesmo nos maiores festivais internacionais de música, quando uma banda nacional sobe no palco o clima é outro!

Pode nem ser aquela banda que você mais ouve no Spotify, mas é uma sensação de identidade.

Aí vem o Skank e faz o show que fez! É igual Copa do Mundo!

E, pra quem não viu o show, assista esse video do Márcio Guerra, que é professor de canto e youtuber (no sentido bom da palavra) que avalia cantores e bandas.

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 13/09/2017 - 12:43Atualizado em 18/09/2017 - 17:15

Foi lançada, na manhã de terça-feira (12), [finalmente] a versão demo do game FIFA 18, da EA Sports. Passei o dia esperando pra experimentar o novo sistema dinâmico do jogo, anunciado como revolucionário, e a mudança dos cruzamentos, também bastante divulgado pela própria EA e outros sites especializados.

Estão disponíveis da versão demo 12 times do mundo, como Manchester United, Real Madrid, Bayern de Munique, Manchester City e PSG.

Joguei primeiro com o PSG, contra o Boca Juniors, empate em 1x1 e vitória nos pênaltis, depois de 14 cobranças pra cada lado. As cobranças de pênalti, que me incomodavam muito no FIFA 17 pela dificuldade de acertar, voltaram a ser divertidas. Em outra partida, tentei jogos mais pra cima, com arrancadas e dribles desde o meio campo, e perdi de 2x0 pro Toronto.

Gostei, e muito, do novo jogo. Está mais real, demanda mais feeling, mais calma pra jogar, tem hora que tocar a bola e esperar uma oportunidade de avançar, assim como acontece nos campos de verdade.

O FIFA 17 já deixava bem real a relação do jogador com a bola, que escapava se o passe não fosse redondo ou o domínio não fosse bem feito (ou o jogador fosse pouco habilidoso). Na versão nova, essa característica ficou mais sensível. Por outro lado, também melhorou a “sintonia fina” dos dribles, que fluem mais naturalmente que nas versões anteriores.

A defesa, que já não era tarefa fácil no ano passado, ficou ainda mais complicada. Tem que chegar na hora certa, na distância certa e dar o bote certo, senão come mosca. Esperar e cercar continua sendo a melhor tática.

O sistema de cruzamento realmente mudou. Em três jogos, ganhei uma bola no alto. Antes era só acertar a força e a bola ia certeira na cabeça de alguém. Agora tem que acertar a força, a mira e brigar com o zagueiro dentro da área. Esse dificultou de verdade. Precisa aprender de novo.

A Jornada - SPOILER (não que seja uma GRANDE spoiler, mas eu avisei)

Por fim, o modo Jornada tem só um pedaço de jogo. Alex Hunter, que iniciou a carreira no FIFA 17, onde encerrou a temporada com uma convocação para a Seleção Inglesa, agora se vê numa confusão causada pelo empresário.

A história começa com Michael anunciando que o Real Madrid quer contratar o atacante de 18 anos. Assim como acontece hoje com Coutinho no Liverpool, a iminente transferência coloca Hunter no banco do Chelsea, entrando no segundo tempo com a missão de reverter o placar de 3x0 para o Manchester United.

Encerrado o jogo, corta a cena para a casa de Alex Hunter, onde chega o empresário transtornado e os dois saem com pressa. No carro, Michael explica que a negociação com Real Madrid era falsa. Ele foi enrolado e a carreira de Alex Hunter está em jogo.

E fim... Volta pro menu inicial do jogo.

O FIFA 18 tem lançamento previsto pra 29 de setembro. Faltam 16 dias...

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 12/09/2017 - 11:04Atualizado em 19/09/2017 - 21:19

O canal em inglês da rede Al Jazeera no YouTube publicou, no último sábado (9), uma reportagem sobre as emissoras de televisão do Brasil. Duas delas, na verdade... A Globo e a Record. O texto é longo, a matéria mais ainda, mas é uma oportunidade de exercitar a análise crítica

A reportagem começa atacando a Rede Globo, sua influência política antierquerdista na história do país e como essa influência foi usada politicamente ao longo dos anos no apoio, por exemplo, ao Regime Militar, à eleição de Fernando Collor e ao Impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Seguindo a linha de colocar a emissora como responsável direta pela retirada de Dilma da presidência, o jornalista Paulo Henrique Amorim afirma que “Eles [Lula e Dilma] piscaram e a Globo os tirou do poder”.

Entre as críticas da matéria está a falta de uma regulação no mercado, o que permite, por exemplo, que políticos sejam donos de veículos de comunicação e que vários veículos pertençam à mesma empresa, criando monopólio.

Já na metade do vídeo, de quase 26 minutos, o ataque partiu para cima da Record, emissora de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, citada com “a TV do cara da igreja com mais de oito milhões de fiéis”.

Além da influência também poderosa, nesse caso pela fé, a reportagem foca no aumento significativo das doações financeiras à igreja causado pelo poder da televisão, que difunde os cultos por todos os lares do país, também aponta a procura dos partidos por essa fatia dos eleitores.

“Beijam a mão de Edir Macedo os partidos de esquerda e direita”, afirma o cartunista Carlos Latuff, um dos entrevistados. Mas, adiante, Latuff é categórico ao afirma que essa igreja, reacionária e que desrespeita os direitos das mulheres, é ligada à extrema-direita do Brasil.

Tudo que escrevi acima está na matéria, as opiniões e as críticas. Apenas descrevi partes da matéria, que tem clara inclinação ideológica.

Inclusive, a falta de isonomia, de ouvir os dois lados, que é algo criticado na própria reportagem, é negativo em qualquer situação. Se fosse o contrário, jornalisticamente seria tão incompleto quanto.

É uma matéria interessante para se assistir, estimula a reflexão. Mas é importante ter em mente que não é, necessariamente a verdade absoluta. É uma versão do fato. É a visão de um lado.

A tradução abaixo foi feita pelo canal Mídia NINJA e publicada na segunda-feira (11).

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 08/09/2017 - 19:12Atualizado em 17/09/2017 - 16:27

Destaque do US Open 2017 até agora foi a sequência de marteladas de Del Potro na vitória contra Roger Federer, na última quarta-feira.

E o termo, de tão usado, inspirou o ator Chris Hemsworth, que interpreta o mitológico Thor no cinema, a mandar um recado.

 

A post shared by Chris Hemsworth (@chrishemsworth) on

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 08/09/2017 - 16:19Atualizado em 19/09/2017 - 13:56

O mundo assiste, atônito, à passagem devastadora do furacão Irma pelo Caribe e a chegada à costa dos Estados Unidos, que deve acontecer entre a noite de sábado (9) e as primeiras horas de domingo (10).

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 06/09/2017 - 13:02Atualizado em 17/09/2017 - 14:12

Você já pensou nessa situação? A Joelma Calypso, com toda sua "rocância", fazendo cover do Papito?

Pois é! Ela fez! Assim como os sertanejos João Lucas e Marcelo.

Pelo menos é isso que o youtuber Márcio Guerra afirma. Afirma e apresenta provas no vídeo abaixo!

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 05/09/2017 - 11:52Atualizado em 18/09/2017 - 02:34

Guitarra distorcida, vocalista salpicado de tatuagens e critica político-social. Essa era (e, pra muitos, ainda é) a cara do Detonautas quando explodiu, no início dos anos 2000.

Hoje, com 20 anos de estrada, a banda carioca prepara o lançamento do sexto álbum de estúdio, VI, gravado entre janeiro e abril desse ano no Estúdio Mobília Space, do baterista Fábio Brasil, e com lançamento programado pra outubro.

Um das músicas que compõe o novo trabalho é Dias Assim, fruto de uma parceria com Leoni. O clipe, baseado no viral First Kiss (que é um compilado de registros de pessoas que beijam assim que se conhecem), foi lançado nesta segunda-feira (4) no You Tube.

Detonautas faz parte da minha adolescência musical e, assim como outras bandas, evoluiu com a idade e segue encaixada na minha rotina, hoje de 31 anos de idade e pai de família.

Parabéns pra eles. Sigo seguindo...

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 31/08/2017 - 09:54Atualizado em 19/09/2017 - 12:57

Não sei como funciona a triagem da Globo pra encaminhar promoções.

Também não sou o mais agrícola dos seres que conheço.

Mas, por algum motivo, recebi essa proposta...

Assino ou não assino?

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 30/08/2017 - 13:48Atualizado em 11/09/2017 - 15:10

Transtorno Obsessivo Compulsivo é o assunto de hoje do Programa do Avesso.

Um baita tema! Tão interessante que eu me dei a liberdade de invadir o estúdio e participar um pouco.

Aí, quando entrou o intervalo comercial, lembrei de ter visto esse vídeo há alguns meses e como encaixa na discussão.

É um poeta chamado Neil Hilborn, que sofre de TOC e tem uma incrível sensibilidade em traduzir seus sentimentos e confusão em palavras.

No vídeo abaixo, que é por onde eu o conheci, ele fala sobre o quanto a doença o atrapalha na vida amorosa e o quanto se apaixonou por uma garota em certo momento da vida. Paixão que, de tão forte, passou por cima do TOC.

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 29/08/2017 - 17:16Atualizado em 18/09/2017 - 01:27

“Tu tá me devendo um livro”. Tive que ouvir isso do Marlon, que trabalha aqui na Som Maior, hoje de manhã.

Ele, assim como eu, estava ontem no auditório Jaime Zanatta, na ACIC, assistindo Tim Gallwey sobre o Inner Game.

Vi reações das mais variadas sobre a palestra. Espectadores impressionados, outros nem tanto, e alguns decepcionados.

Eu gostei, e muito! Comprei o livro assim que anunciamos a vinda dele. Coincidiu com o fato de eu voltar a treinar tênis, depois de anos. Juntou o aprendizado sobre o que estávamos anunciando com algo que poderia me ajudar no esporte. Por que não tentar?

Pra mim, o que é apresentado no livro (O Jogo Interior do Tênis) funciona. O método de focar a atenção de modo a distrair o lado julgador do cérebro, a liberdade para que o corpo “jogue sozinho”, funcionou pra mim. Quando me lembro de aplicar, de desligar o medo de errar, melhora o meu jogo. Meu saque, que sempre foi deplorável, está evoluindo.

O que notei, levando em conta livros, palestras e cursos que já tive sobre liderança, coaching e afins foi o “você consegue” ligado ao raciocínio, e não ao sentimento. A palestra trata também de felicidade, de se valorizar, mas o método é focado em eficiência mental.

Na apresentação de ontem, foi apresentado um vídeo de como ele ensina tênis sem dar instruções mecânicas ao aluno. Como aquele era muito longo, segue abaixo um semelhante, em que ele ensina alguém que nunca jogou.

Pra melhor entendimento, ele apenas pede pra que a pessoa fale bounce (quique) quando a bola pega na quadra e hit (bater) quando ela bate na raquete. Primeiro só olhando, depois batendo.

Não... Eu não fico cantando "Da Da Dá"... Não em voz alta...

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 29/08/2017 - 14:01Atualizado em 12/09/2017 - 09:49

O deputado Ronaldo Benedet, PMDB, a caminho de Brasilia, diz acreditar que a reforma política será aprovada pela Câmara Federal.

 Abaixo, as suas impressões a respeito e a avaliação sobre desgaste por ter votado a favor da reforma trabalhista:

1. Câmara federal conseguirá aprovar a reforma politica em tempo de valer para 2018?

Benedet - Com certeza conseguirá. É preciso escolher o modelo que mantêm a democracia e que a sociedade aprove. O consenso é difícil e não se será alcançado, mas alguma regra nova precisa e deverá ser aprovada.

2. Opinião sobre distritão e fundo de campanha?

Benedet - Nos moldes e valores apresentados, sou contra ao financiamento público. Precisamos achar uma saída mais fácil de explicar para a sociedade. Quanto ao distritão, sou favorável. Acho justo eleger os mais vontade, pois é a vontade do povo.

3. Já tem como avaliar o prejuízo eleitoral com o seu voto a favor da reforma trabalhista?

Benedet - Num primeiro momento, posso perder alguma popularidade com esta campanha mentirosa que sendo veiculada nas rádios. Lá na frente, quando o trabalhador ver que não perdeu nenhum direito e a economia retomar o crescimento, as pessoas entenderão que fiz o melhor para o país. Aí, recuperarei a popularidade, pois a credibilidade nunca perdi.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 28/08/2017 - 17:37Atualizado em 18/09/2017 - 19:35

Essa é a conclusão que temos que chegar se formos na onda atual de ressaltar que todo novo contratado do Barcelona faz bobagem na apresentação. Não conseguem fazer as embaixadas.

Primeiro que eu vi sendo vítima disso foi o Douglas (aquele do São Paulo que, sabe-se lá como, acabou no Camp Nou).

Mais recentemente foi Paulinho. E agora, Ousmane Dembelé, de 20 anos, principal contratação dos blaugrana.

Isso é a magia da edição e sugestão. Assista abaixo a apresentação mesmo do novo parceiro do Messi.

E, se não convencer... Dá uma olhada nos lances dele pelo pelo Dortmund.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 25/08/2017 - 17:02Atualizado em 19/09/2017 - 13:42

Não existe lista de maiores sucessos do Skank que não inclua Resposta, do disco Siderado (1998), no top 5. Pra melhorar, a música, composta por Nando Reis, tem uma bela história!

Primeiramente pela qualidade, que é indiscutível. Depois pelo momento em que foi composta, a musa inspiradora, pelo efeito ao chegar às mãos da banda e o simbolismo de uma das várias "viradas" de chave da banda.

E tudo isso, todas as respostas, estão no video abaixo.

Assista... Eu não vou estragar o suspense...

O Skank se apresenta em Criciúma no dia 11 de outubro, véspera de feriado. Os ingressos já estão à venda, partindo de R$ 35, no site Minha Entrada.

Para comprar, acesse www.minhaentrada.com.br 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 22/08/2017 - 14:36Atualizado em 18/09/2017 - 11:26

É voz corrente entre os frequentadores mais antigos (mais velhos mesmo...) de shows, principalmente de rock, que "hoje essa molecada não sabe assistir um show, não presta atenção, fica só no celular".

Pois é... Pelo bem, pelo mal, isso é fato! Cada dia mais estamos vendo o mundo através das telas dos celulares. E isso não é em relação a eu ver de Criciúma, pela internet, um vulcão em erupção na Europa. É eu ver pelo celular a minha filha dançando na minha frente, na sala de casa, pra filmar e mandar pra minha mãe e pra minha sogra, as duas avós babonas.

Esse tipo de conversa é de pouco anos pra cá, coisa de 10 anos ou menos. Mas 17 anos atrás, em 2000, o Skank já experimentava essa tendência, além da produção colaborativa, também na moda atualmente.

Muito antes do lançamento do iPhone e smartphones de alta resolução como conhecemos hoje, a banda distribuiu filmadoras para fãs em um show no Olympia, em São Paulo, e juntou as imagens para produzir um clipe ao vivo, e de vários ângulos, da música Balada do Amor Inabalável, que estava estourada e fazia parte da trilha da novela Laços de Família (falei que era coisa antiga...).

O Skank se apresenta em Criciúma no dia 11 de outubro, véspera de feriado. Os ingressos já estão à venda, partindo de R$ 35, no site Minha Entrada.

Para comprar, acesse www.minhaentrada.com.br 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 19/08/2017 - 10:19Atualizado em 17/09/2017 - 21:18

Fazer é algo que mantém vivo, mas vencer desafios é o que nos mantém motivados e focados. Além de imprevistos e dificuldades causadas por problemas, que são os desafios que vem de forma negativa, buscar um jeito de fazer algo de maneira  diferente é o jeito de criar um desafio bom.

E sobre fazer diferente, lembro dessa peça publicitária que vi há anos e me marcou, tanto pela ideia proposta quando pela "virada" do enredo. Não sei em que foi produzida nem por quem. Se entendi bem, é uma peça alemã.

Veja o video antes de seguir no texto, pra não perder o efeito final da história. 

E essa propaganda tem duas mensagens importantes. Além de o arquiteto adotar um tática diferente para o controle de qualidade dos corredores e acessos do aeroporto, o jeito que ele encontrou de fazer essa avaliação foi tomar o lugar do cadeirante, enxergando como ele enxerga, sentindo o que eles sentem, conhecendo na prática os problemas que estes clientes enfrentam. Esse é o jeito atual de pensar, principalmente em serviços, vendendo a experiência acima do produto.

Os exemplos estão ao nosso redor. É o estilo Disney, é o estilo Uber.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 18/08/2017 - 18:49Atualizado em 19/09/2017 - 15:50

Daqui a pouco, às 19h, começa a transmissão de mais uma partida do Criciúma na busca pelo acesso à Série A 2018. Mas não é só mais uma partida do Tigre. Hoje tem um retorno importante aos microfones da Som Maior FM.

João Nassif tem o nome gravado em lugar privilegiado na história da Som Maior FM. Em 2004, quando foi implantada a rede Antena 1 em Criciúma, dando origem à SM Antena 1, lá estava o Nassif ajudando a criar o Última Edição, programa jornalístico de fim de tarde que seguiu na rádio até 2012.

Foi no Última Edição, e com o Nassif, que aprendi os "truques" necessários para o radiojornalismo diário. Era ele que dizia "agora vai", "agora espera", "encurta a pergunta", "não precisa carimbar cada informação". Aprendi na prática, ensaiando ao vivo, mas sabendo que, no caso de "um branco", ele estava ali de apoio.

Lá na frente os caminhos se desencontraram, reencontraram, desencontraram de novo, e agora voltamos a dividir o mesmo dial, além do mesmo Portal 4oito, onde ele tem blog falando sobre o que mais entende: futebol e, principalmente, Copas do Mundo.

Muito bom voltar a passar o dia com o bigode mais rabugento de Brodósqui.

E presta atenção!

Mano Dal Ponte ou João Nassif, qual o mais rabugento?

 

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 17/08/2017 - 23:23Atualizado em 17/09/2017 - 12:58

Eu sei que está bem tarde, mas só agora que parei pra poder escrever sobre o que foi o dia de hoje.

Foi o fim de uma semana tensa, cheia de expectativa, de avaliações, de revisões do 4oito. Nada podia estar errada na grande estreia!

No fim, muito trabalho, poucas horas de sono e muito trabalho. Todo mundo estava envolvido. Toda equipe foi convocada, seja no Varandas, seja na sede do portal.

E aí está ele! Lançado e bem recebido.

Aproveito para agradecer a todos que opinaram, criticaram, elogiaram e divulgaram nosso novo veículo.

Como falei de manhã, segue a evolução! E queremos a participação de todos nessa caminhada!

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 17/08/2017 - 23:20Atualizado em 18/09/2017 - 10:04

Vai aqui minha homenagem ao grande e inigualável Paulo Silvino.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 17/08/2017 - 08:48Atualizado em 19/09/2017 - 03:31

O novo veículo que estamos lançando hoje, o 4oito, é um portal novo, com um conceito novo, um conceito diferente, de fazer diferente.

Mais que um portal de notícias, mais que um portal de informação, é um portal de conteúdo.

Ele nasce oficialmente hoje, mas é fruto de muitos meses de trabalho, de muitos debates de ideias, de muita análise de como fazer, de o que oferecer, de como apresentar as informações que são relevantes para a região.

A região, inclusive, é a inspiração para o nome: 4oito, que é o nosso DDD, é o número que nos une, desde a Capital, ao norte, até o limite com o Rio Grande do Sul, ao Sul, e a região Serrana, ao oeste. O nome regionaliza o Portal, valoriza a nossa raíz, que é o Sul Catarinense.

Mas voltando a falar do processo de criação dele, que teve início ainda em 2016, assim como qualquer nova ferramenta, qualquer novo invento, qualquer novo produto, ele surge para responder a uma questão.

A questão que motivou as primeiras tratativas a respeito do 4oito, ainda sem esse nome, foi a limitação que tínhamos com o conteúdo de qualidade produzido pela rádio Som Maior FM, que apenas comunica por áudio. Ele seria um amplificador da rádio. Seria a Som Maior multimídia, a Som Maior na web.

Mas logo de início, a ideia já se mostrou limitada. Nos primeiros esboços já surgiram outras possibilidades, outras necessidades, outros caminhos. Já não era mais o novo site da Som Maior, mas sim um novo veículo, independente, com vida própria, com espaço aberto, sem limite de espaço, de formato, de tempo.

O que ficou da ideia inicial, e é o núcleo do projeto, é a mesma vontade de fazer diferente e explorar novas formas de apresentar as informações. Isso é a marca da Som Maior, com inovações como implantar jornalismo de qualidade com música quando ninguém acreditava que fosse dar certo. Essa será também a marca do 4oito.

Outro diferencial que temos, e agrega muito ao conteúdo, é a reunião de blogs que compõe o 4oito. Hoje lançamos sete. Adelor Lessa, Arthur Lessa, Mano Dal Ponte, Pity Búrigo, Marco Búrigo, João Nassif e Max Everson.

Esses são os que entram no ar hoje. Outros virão. Sobre os mais diversos assuntos, de carreira a relacionamentos, de viagens a cozinha. Todos diferentes, todos juntos, no mesmo lugar.

Com o conceito e os objetivos alinhados, fomos para produção do portal, desenvolvido pelo BurnWeb. Lá também várias reuniões com o Lucas e a equipe para definições de layout, mudanças de elementos, soluções novas para problemas.

Nesse processo foram várias semanas, até que hoje, 17 de agosto de 2017, está no ar, o novo Portal de Conteúdo do Sul Catarinense. O Portal 4oito.

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 11/08/2017 - 20:13Atualizado em 17/09/2017 - 04:51

Toda sexta-feira, pra trilha sonora do Ponto Final, eu vasculho a história de alguma música marcante, seja ela nacional ou internacional. Tanto o são que vários cantores às regravam, às redesenham, às reproduzem. Mas a trilha de sonora dessa sexta-feira, dia 11 de agosto, foi especial.

Codinome Beija-Flor, composta por Cazuza, Reinaldo Arias e Ezequiel Neves, além de um grande sucesso da carreira solo do Cazuza e parte do primeiro disco dele depois de sair do Barão Vermelho, ela esconde segredos. Tem frases impositivamente interpretativas. Qualquer um que pare para analisar a letra se pega buscando um sentido para as "frases de liquidificador" ou imaginando quem seria o "beija-flor".

Pois bem... Diante a dúvida, pesquisei e encontrei dois sites com explicações sobre essas duas partes.

Segredos de Liquidificador
O site Significados, conta que, em 1989, um pouco antes de cantar essa canção em dueto com Simone, durante um especial da TV Globo, o próprio Cazuza teria dito que a expressão se refere a "um movimento de língua no ouvido".

Codinome Beija-Flor
Não faltam informações de que o tal beija-flor de Cazuza seria não menos que o cantor e amigo Ney Matogrosso. Não encontrei nenhuma confirmação do próprio sobre essa ligação, mas o romance entre os dois não é segredo, como mostra essa entrevista para o Fantástico, em 2003, a partir dos 5:40. 

Essas são versões, que provavelmente foram para o outro plano com o próprio Cazuza. A interpretação segue a cargo do ouvinte...

Como diria o meu amigo e jornalista João Pedro Alves, "essa é a beleza da arte... Não pertence ao autor".

« »