Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
João Nassif
Por João Nassif 05/02/2021 - 04:56

Ontem no Som Maior Esportes da Rádio Som Maior FM, o vice-presidente de patrimônio do Criciúma, Vilmar Casagrande afirmou a necessidade de se fazer obras de restruturação do estádio e do CT.

Estas obras no CT vão desde o reparo na concentração dos profissionais, além de mexer em muitas outras coisas como disse o próprio dirigente.

Vilmar Casagrande abordou a situação do estádio Heriberto Hülse e a necessidade de dar uma geral em diversas salas que precisam de reparos, consertar forros de madeira em sala de cupim. Foram alguns pontos abordados pelo dirigente.

Certamente outras situações de arrumação do patrimônio serão feitas pela nova gestão. Nem vou falar dos gramados que ficaram sem uso durante muito tempo desde o final da temporada em novembro até quase nos últimos dias.

Mas, voltando à necessidade de obras de manutenção no estádio e no CT, algumas delas dependem de recursos financeiros que hoje o Criciúma não tem. 

A gestão anterior que saiu no último dia do ano, pelo contrato não tinha obrigação de zelar pelo patrimônio do clube? Se verdade esta cláusula contratual, por que somente agora está se falando em obras necessárias para restruturação do patrimônio? Só lembrando que na gestão anterior o vice-presidente de patrimônio era o mesmo de agora.

Sempre foi passado para o torcedor que apesar do fracasso no futebol o patrimônio estava sendo bem cuidado e pelo contrato o Conselho Deliberativo somente poderia interferir se não houvesse rigor na manutenção do patrimônio. Dá impressão que o CD não cuidou bem de sua única competência.

Então, pelas palavras do Vilmar Casagrande, o atual presidente, Anselmo Freitas é que terá que se virar para arrumar recursos e reestruturar o patrimônio do clube. 


 

João Nassif
Por João Nassif 04/02/2021 - 04:20

Depois de 14 temporadas Criciúma e Próspera irão se encontrar no campeonato catarinense em sua divisão principal. Em 2007 o “time da raça” disputou pela última vez na elite e somente em 2019 ressurgiu como campeão da série C e em 2020 com o título da série B voltou a principal divisão do campeonato catarinense.

A expectativa é o que farão os dois times no campeonato que terá início no próximo dia 24.

Creio que o Próspera, com uma camisa menos pesada, está mais bem preparado e sugerindo um melhor início de campeonato, comparando com seu íntimo adversário.

Explico. O time comando pelo Paulo Baier que foi o condutor desta equipe campeã da série B já tem uma base formada, começou os trabalhos há algum tempo e está se preparando com uma série de amistosos para aprimorar o ritmo de jogo e começar o campeonato agregando algumas contratações para fortalecimento do plantel.

O Criciúma ainda não conseguiu formar um elenco de acordo com sua maior exigência. Além dos poucos remanescentes contratou jogadores que não empolgam pelo retrospecto, mesmo com alguns de mais experiencia pelo andamento de suas carreiras, ainda assim é pouco a menos de três semanas para o início do campeonato. 

Fico imaginando a dificuldade do Hermerson Maria para encontrar um padrão de jogo que possa colocar o Criciúma em fases mais avançadas do campeonato.

Pelo momento somente o peso da camisa e da história é que darão ao Criciúma a perspectiva de um bom campeonato. O Próspera entra na competição como franco atirador.
  
 

João Nassif
Por João Nassif 03/02/2021 - 07:55

Tenho por hábito ir arquivando os resultados, as campanhas, os artilheiros de todos os times que disputam as quatro divisões do futebol brasileiro. Para quem deve estar pensando na inutilidade destas informações, digo que é um prazer pessoal e que de uma forma ou outra servem como elementos de pesquisa para qualquer necessidade, ok?

Botafogo de Ribeirão Preto
O pior ataque da série B de 2020
Foto: Mantos do futebol

Por exemplo, posso fazer um comparativo entre o total de gols marcados nos 380 jogos da série B.

Pegando como base os últimos cinco campeonatos, o de 2016 foi o que teve a maior média com 2,35 gols/jogo. O de 2020 teve a média de apenas 2,17. Nestes cinco anos o pior rendimento de gols foi 2019 com apenas 2,08 por jogo. 

A média de 2,17 gols/jogo do campeonato 2020 que terminou em 2021 foi resultado de um número expressivo de partidas que terminaram com 1x0 no placar. Dos 380 jogos da competição 104 terminaram com placar mínimo, o que representa 27,4% dos jogos disputados. Com mais 43 partidas que terminaram em 0x0 chega-se ao total de 38,7% dos jogos da série B em que foram marcados no máximo apenas um gol.

Na série A do campeonato de 2020 que ainda não terminou a média é de 2,5 gols/jogo.

Voltando à série B-2020 a pequena média de gols, assim como as anteriores, se deve primeiro à baixa qualidade do futebol jogado e segundo à disputa intensa entre a maioria dos times na busca do acesso ou na fuga do rebaixamento. 
 

João Nassif
Por João Nassif 02/02/2021 - 09:07Atualizado em 02/02/2021 - 11:10

Aos poucos e sem pressa o Criciúma vai definindo as contratações para a temporada. Há uma espécie de colegiado na busca de jogadores e sob o comando de Waldeci Rampinelli, o técnico Hemerson Maria é quem está indicando eventuais reforços.

Alemão
Foto: Globo Esporte

Ontem, na LIVE que faço todas as segundas-feiras o presidente Anselmo Freitas afirmou que além do técnico, o supervisor Giuliano Bittencourt participa das avaliações com o aval de Rampinelli e é o presidente quem define no enquadramento no projeto financeiro do clube.

E disse também que tem um personagem auxiliando na captação de reforços. Não afirmou ser um eventual diretor executivo, por isso fica a dúvida se este tipo de profissional será contratado.

O que existe de real até agora é a chegada de quatro atletas, três oriundos da série C e um da série B, Alemão ex-Figueirense anunciado ontem no início da noite. Surgiu também, como especulação a provável contratação de dois atacantes que estavam no Paysandu em 2020. Hoje pela manhã foi anunciada a contratação de Marcus Índio, atacante que disputou a série B pelo Brusque. Não era titular, jogou algumas partidas e não marcou nenhum gol.

O que se deduz é que o técnico Hermerson Maria está dando as cartas. Tanto Alemão como os dois do Paysandu, Uilliam Barros e Mateus Anderson já jogaram sob o comando do técnico. São jogadores que irão agregar positivamente.

Aguardemos os próximos capítulos, pois o estadual está próximo do começo e o que existe até agora no plantel do Tigre não é suficiente para se prever uma participação mais vitoriosa.

O trabalho do presidente está se consolidando na recuperação do clube. Buscando parceria com o empresariado da cidade o caixa será reforçado com a verba do campeonato estadual, da Copa do Brasil e do plano de sócios aumentando a capacidade de investimento para montagem do plantel.   

Até agora tudo está indo bem fora de campo, mas com total dependência dos resultados positivos nas competições que serão o alicerce de todo projeto.
 

João Nassif
Por João Nassif 01/02/2021 - 00:22

Foi o que aconteceu sábado no Maracanã. Dois times brasileiros disputando a final da Libertadores proporcionaram um jogo amarrado, tenso e de baixa qualidade. Tanto o Palmeiras como o Santos arriscaram quase nada e deram a impressão que estavam satisfeitos com uma decisão por pênaltis.

Foto: Globo Esporte

Mas, aconteceu o que todos já viram centenas de vezes, num dos raros lances ofensivos a cabeçada do Breno Lopes decidiu o título para o Verdão.

Muitos ditos analistas não se conformaram com a decisão e não pouparam críticas ao nível do jogo. Não lembraram daquela frase e ficaram, certamente com grande frustação, diminuindo  a conquista de quem fez a melhor campanha do torneio em todas suas fases.

Outros, viúvas juramentadas, ficaram falando o tempo todo em Jorge Jesus, o mister para muitos, como o grande técnico que impactou o futebol brasileiro colocando Abel Ferreira como simples coadjuvantes da escola portuguesa de treinadores.

Se esquecem que o tal mister pegou um time recheado de estrelas, quase todos jogadores de seleção e ficou fácil dominar o campeonato brasileiro pela incapacidade dos nativos desprovidos de ideias. Está treinando o melhor e mais rico time em Portugal e como não tem a qualidade que encontrou no Flamengo voltou a ser um técnico comum.

Abel Ferreira, ao contrário, só havia trabalhado em times pequenos, veio e pegou um time quase sem grandes estrelas, recheado de garotos e conseguiu uma conquista que as viúvas jamais imaginaram ser possível. Que fique bem claro, sou mais Abel Ferreira do que Jorge Jesus.

E não esqueçam a frase título deste comentário.
 

João Nassif
Por João Nassif 30/01/2021 - 12:33Atualizado em 30/01/2021 - 12:33

Eram poucas as esperanças do Criciúma conseguir vaga na Copa do Brasil-2021, pois foi incapaz de se colocar numa melhor posição no ranking nacional de clubes da CBF. O rebaixamento em 2019 e o fato de não subir em 2020 tiraram as chances de classificação pelo ranking e restou a dependência de outros resultados para poder disputar a competição nacional e faturar em torno de R$ 500 mil, cota para quem joga a primeira fase da Copa do Brasil.

Foto: Liamara Pollidia

Da mesma forma que o Criciúma escapou de outro rebaixamento na série C, ajuda dada pelo Ituano que derrotou o São Bento na última rodada, agora foi beneficiado pelo título da série B conquistado ontem pela Chapecoense. Como campeão da série B o time de Chapecó garantiu vaga direta na Copa do Brasil e abriu a outra vaga catarinense ganha pelo Criciúma por sua posição no ranking.

Passados anos sombrios de uma gestão desastrosa, o recomeço do Criciúma depois das ajudas recebidas cria expectativa mais positiva se houve um aprendizado correto dos erros cometidos para não se repetirem no futuro.

Só para ilustrar, foi feita pelos comentaristas do SporTV a seleção da série B onde estão incluídos três ex-personagens que passaram pelo Criciúma. O zagueiro Anderson Conceição nas temporadas 2011/2012, o meia Elvis e o melhor técnico do campeonato, Lisca. Os dois últimos foram recentemente expurgados do Heriberto Hülse.
 

João Nassif
Por João Nassif 29/01/2021 - 08:17Atualizado em 29/01/2021 - 08:17

Todas as ações promovidas pela nova diretoria do Criciúma EC, sob o comando de Anselmo Freitas, são válidas e colocam o clube num outro patamar de administração, voltado para o momento que um clube de futebol exige.

Do planejamento estratégico ao marketing, da captação de sócios ao envolvimento do torcedor são atitudes que projetam um Criciúma na modernidade e a pavimentação para novas conquistas, aliás não vistas a muito tempo.

Todo este movimento depende para ter sucesso de um time que seja competitivo e acima de tudo recupere o DNA de superação e vitórias perdidas nos últimos anos. O Criciúma formará um plantel de qualidade para a temporada?

Chama atenção a demora na contratação de um diretor executivo, profissional que tenha conhecimento e relacionamento no mundo do futebol, que possa buscar jogadores com perfil necessário para disputar as competições que virão. Campeonato estadual e prioritariamente a série C do campeonato brasileiro são os alvos em 2021.

Com o clube zerado a diretoria deve estar encontrando dificuldades financeiras para contratar, por isso até agora foram anunciados apenas jogadores que estavam na série D. Certamente por isso ainda não conseguiu um diretor executivo e atletas para montagem de um plantel mais encorpado.

Então vem a pergunta, quem está contratando? O técnico, o gerente, o vice-presidente de futebol, o presidente? Possivelmente um colegiado com todos estes componentes que entendo não seja o melhor, mas espero que independente de conhecimento e relacionamento o clube possa atender de forma objetiva os desejos de sua imensa torcida. 
 

João Nassif
Por João Nassif 28/01/2021 - 07:39Atualizado em 28/01/2021 - 07:39

Santa Catarina esteve presente em três das quatro divisões do campeonato brasileiro, somente na elite é que o estado não teve representante. Posso afirmar que de certa forma a participação dos oito clubes nas três divisões foi satisfatória com dois acessos e um rebaixamento.

Na série B a Chapecoense que havia sido rebaixada em 2019 conseguiu retornar e na última rodada do atual campeonato briga pelo título que seria inédito para Santa Catarina desde que foi implantado o sistema por pontos corridos com 20 clubes na disputa.

Brusque, título e acesso

Na série C, o Brusque confirmou sua ascensão meteórica com um acesso espetacular jogando contra equipes de muito mais tradição no futebol brasileiro. É seu segundo acesso consecutivo depois do título da série D em 2019.

Ainda na B, o Avaí oscilou bastante durante o campeonato, reagiu no final, mas insuficiente para ficar com uma das quatro vagas que deram direito ao acesso. E o Figueirense depois de uma trágica gestão terceirizada que deixou o clube numa situação de quase insolvência ficou entre os quatro últimos e jogará a terceira divisão em 2021.

Também na série C o Criciúma com a mesma gestão ineficiente e amadora do rebaixamento em 2019 não conseguiu retornar à B. Com a mudança de comando criou a expectativa de uma temporada mais promissora.

Finalmente a série D que teve três representantes catarinenses. Dois Joinville e Tubarão, ficaram pelo caminho ainda na primeira fase. O Marcílio Dias conseguiu ir um pouco mais longe até ser eliminado na terceira fase pelo Altos do Piauí. Mas, fez bem seu papel.

Aguardemos 2021 com o início das quatro divisões em meados do mês de maio.
 

João Nassif
Por João Nassif 27/01/2021 - 07:36Atualizado em 27/01/2021 - 07:50

Está desenhado o Grupo B da série C do campeonato brasileiro de 2021. Prevalecendo o critério adotado pela CBF nos últimos anos a terceira divisão comporta 20 clubes divididos em grupos de 10 de forma mais regional possível.

Sendo assim, o Grupo B será composto por times do Sul e Sudeste do país. Os 10 times, dentro deste critério são os seguintes: 04 que jogaram a série C em 2020 e não conseguiram o acesso (Criciúma, Ituano, São José e Ypiranga), 04 que foram rebaixados da série B em 2020 (Botafogo-SP, Figueirense, Oeste e Paraná) e 02 da série D que subiram na temporada (Mirassol e Novorizontino).

O último rebaixado para a série C em 2021

Portanto, o Grupo B da série C em 2021 terá 05 times de São Paulo, 02 de Santa Catarina, dois do Rio Grande do Sul e um do Paraná. Grupo muito difícil, totalmente imprevisível e sem favoritos, pois apenas quatro se classificam. 

O Grupo A está bem dividido entre os estados. Também com 10 clubes, cada qual de um estado brasileiro, apenas o Ceará terá dois representantes

São os seguintes os times do Grupo A da série C para 2021: os oito que permaneceram na terceira divisão: Botafogo-PB, Ferroviário-CE, Jacuipense-BA, Manaus-AM, Paysandu-PA, Santa Cruz-PE, Tombense-MG e Volta Redonda-RJ, além dos dois que vieram da série D: Altos-PI e Floresta-CE.

Deve ser esta a montagem que a CBF fará divisão dos Grupos da série C em 2021.
 

João Nassif
Por João Nassif 26/01/2021 - 08:02

Ponto a ponto entre América-MG e Chapecoense na disputa pelo título da série B de 2020. E esta briga interessa diretamente ao Criciúma. 

Por quê? Caso a Chapecoense seja a campeã o Criciúma terá, pelo ranking da CBF, vaga na Copa do Brasil edição 2021. Se o time mineiro for o campeão o Criciúma ficará fora da competição nacional e deixaria de ganhar no mínimo mais de R$ 500 mil reais de cota, valor que a entidade repassará aos clubes que jogarão a primeira fase da competição.

Por incrível coincidência que o futebol proporciona, os dois que lutam pelo título estão rigorosamente empatados nos dois primeiros critérios para efeito de desempate na classificação de acordo com o regulamento da série B. Faltando apenas uma rodada para o final do campeonato América-MG e Chapecoense estão com 70 pontos.

1º) maior número de vitórias, cada qual tem 19 vitórias.

2º) maior saldo de gols, os dois têm saldo 19

3º) maior número de gols pró, o América-MG leva vantagem, pois marcou 41 gols contra 39 do time catarinense. Se necessários os próximos critérios são os seguintes:

4º) confronto direto, empate os times empataram em 0x0 no jogo de Chapecó e 2x2 na partida de Belo Horizonte.

5º) menor número de cartões vermelhos recebidos, vantagem do América que teve até agora três jogadores expulsos e a Chapecoense quatro.

6º) menor número de cartões amarelos recebidos, também vantagem do time mineiro que tomou 63 cartões amarelos e a Chapecoense 96.

7º) sorteio.   

A rodada final que será disputada na próxima sexta-feira, dia 29, marca América-MG x Avaí em BH e a Chapecoense receberá o Confiança-SE. 

João Nassif
Por João Nassif 25/01/2021 - 13:31

Os dias vão avançando rapidamente e com menos de 30 para o início do campeonato estadual o Criciúma ainda não tem time e muito menos plantel para a estreia contra o Hercílio Luz.

Técnico Hemerson Maria e equipe
Foto: Globo Esporte

Se dentro de campo ainda gera incertezas, fora a montagem da estrutura está bem alinhavada com os departamentos da área administrativa sendo preenchido com quadros que podem responder de forma positiva para as necessidades do clube.

Marketing, planejamento estratégico e alguns parceiros já captados são as ações trabalhadas pelo presidente Anselmo Freitas.

Seu companheiro de diretoria, Waldeci Rampinelli como vice de futebol também já montou a equipe que trabalhará dentro de campo, técnico e equipe, com o novo preparador de goleiros e o diretor e futebol responsável pelas contratações.

Tudo muito eficiente e profissional, agora se não correr contra o tempo e formatar um grupo já para o campeonato catarinense será difícil brigar pela reconquista da hegemonia estadual.

A menos que o alvo seja o acesso no campeonato brasileiro e o retorno à série B, sonho de consumo de todos que torcem pelo Criciúma EC.
 

João Nassif
Por João Nassif 19/01/2021 - 18:39

O presidente do Criciúma EC continuando com seu projeto de captar parceiros da região com envolvimento direto com a marca, encontrou uma empresa que esteve sempre presente nas grandes conquistas do clube.

O novo patrocinador é a Alianda Comércio de Pisos e Azulejos que mais uma vez presta seu apoio e agora entrando forte num projeto que visa a recuperação do Criciúma no cenário nacional.

Será assinado nesta quarta-feira às 10:00hs o contrato que terá validade até 31 de dezembro, quer dizer, durante todo o mandato de Anselmo Freitas. E o mais importante, em vista das dificuldades iniciais de um clube com o caixa zerado, a Alianda antecipará o pagamento integral do que ficou acertado entre as partes.

A Alianda que esteve presente em duas das três estrelas conquistadas pelo Criciúma ao longo de sua história aposta numa grande campanha do clube na temporada 2021.   
 

João Nassif
Por João Nassif 15/01/2021 - 15:18Atualizado em 26/01/2021 - 10:01

Os clubes catarinenses estão se mobilizando para conseguir junto ao governo estadual a volta de público nos estádios. De novo, tenho a obrigação de insistir que assim como foi prematuro, e fui contra o reinício das atividades, vejo como sem nenhum sentido este pleito, num momento em que o número de infectados aumenta a cada dia no estado.

Compreendo perfeitamente a agonia dos clubes que sem receita sofrem para cumprir suas obrigações, mas o histórico das competições pelo país tem mostrado surto de COVID em vários clubes e criando desequilíbrio técnico pela necessidade dos dirigentes da CBF e Federações de cumprir um calendário que pela pandemia se tornou espremido.

As viagens de jogadores se aglomerando em aviões, restaurantes, hotéis, toda logística que requer os deslocamentos para os jogos não têm importância para as autoridades que em nome, repito, do calendário obrigam todos envolvidos num jogo a correr riscos de infecção.

Se bem lembro, na primeira rodada da série A o Goiás com vários infectados conseguiu adiar a partida que realizaria contra o São Paulo. O time paulista, inclusive já estava no gramado pronto para o jogo.

Mas, o caso mais emblemático foi no jogo Palmeiras x Flamengo que com vários jogadores positivados para o vírus chines tentou o adiamento e a CBF confirmou a realização do jogo.

A partir daí não houve mais nenhuma situação de cancelamento de jogos em todas as séries do campeonato brasileiro, mesmo que vários clubes tenham ficado desfalcados por um surto de COVID.

Podemos lembrar do jogo do Criciúma contra o São Bento quando o time paulista entrou em campo com apenas um jogador na reserva, justamente um goleiro que entrou na linha no final do jogo.

E mais recente, ontem o Guarani com quase 20 infectados teve que chamar às pressas um jogador que estava em Campinas e chegou no estádio minutos antes do início do jogo contra o Cuiabá.

Muitos atletas do Bugre saíram negativados de Campinas e testaram positivo na chegada à capital do Mato Grosso. Certamente viajaram aglomerados dentro do avião colocando em risco outros passageiros.

Enfim, não adianta criticar, os que mandam no futebol brasileiro querem porque querem jogos, o que para eles menos conta é a saúde dos envolvidos.
  
 

João Nassif
Por João Nassif 10/01/2021 - 11:19

Faltava o Criciúma no currículo do técnico Hemerson Maria para fechar o ciclo de trabalho nos cinco maiores times de Santa Catarina.

Hemerson Maria
Foto; Polidoro Júnior

Depois de iniciar a carreira pela base do Figueirense, atravessou a ponte e foi parar no sub-20 do Avaí. Foi efetivado nos profissionais em 2012 e daí em diante trabalhou no mesmo Figueirense, no Joinville e na Chapecoense, além do comandar diversos clubes do futebol brasileiro. 

Hemerson Maria sempre foi especulado pelo Criciúma, mas por circunstâncias do próprio futebol não foi contratado, mas agora com o clube sob nova direção o casamento foi confirmado.

Legenda

Penso que foi uma boa iniciativa dos novos gestores do clube, pois o Hemerson é um técnico que conhece profundamente o futebol catarinense e poderá ser de grande utilidade para o primeiro desafio do Criciúma, o campeonato estadual que terá início no final de fevereiro.

Além de ter prestado bons serviços por onde trabalhou. Terá participação junto com a direção na montagem do plantel para este início de temporada, afinal o Criciúma está com as poucas opções que sobraram da antiga gestão. 

Os campeonatos brasileiros nas divisões B, C e D estão chegando ao final e jogadores não faltarão no mercado, portanto é obrigatório capacidade para fazer um grupo forte e torná-lo vencedor. Hemerson Maria tem competência para conduzir a retomada do Criciúma após uma temporada de completo desastre.
 

João Nassif
Por João Nassif 09/01/2021 - 11:17

Estou em minha segunda passagem por Criciúma, no final do mês que vem irei completar 19 anos desde meu retorno. A primeira durou nove, de 1986 até 1995.

Nestes períodos acompanhei de perto a gestão de alguns presidentes e posso avaliar, de acordo com meus conceitos qual foi o pior deles. 

Foto: TripAdvisor

Vou tomar como parâmetro o desempenho dos times, que teve alguns vitoriosos como Moacir Fernandes multi campeão, Dorly Naspolini campeão em 1993 e acesso para a primeira divisão do brasileiro, Antenor Angeloni campeão estadual em 2013 e um acesso para a série A conquistado em 2012. Estes ficaram marcados na história de forma positiva.

Ainda de acordo com minha avaliação, dois foram os piores. Edson “Cascão” Burigo e Jaime Dal Farra. Derrubaram o clube para a série C do campeonato brasileiro. Podem argumentar que em 2005 Moacir Fernandes também foi rebaixado para a terceira divisão. Verdade, mas os títulos que conquistou superam em muito este tropeço.

Edson Burigo pegou um clube em precária situação financeira, teve a seu lado apenas alguns abnegados e não fosse o retorno do Antenor Angeloni, possivelmente o Criciúma teria encerrado seu ciclo no futebol.

Diferente do Cascão, quando Jaime comprou o clube do próprio Antenor ficou a expectativa de uma gestão moderna e profissional no futebol. Foi exatamente o contrário. 

Uma gestão totalmente falida, sem critérios, com contratações que não vingaram, diretores executivos capacitados, técnicos renomados, jogadores que não produziram. Pelos currículos todos estes contratados já prestaram e continuam prestando bons serviços por onde andam.

Se os profissionais que vieram eram capazes o motivo de não produzirem o esperado só pode ser justificado pela péssima gestão no período. Se o patrimônio do clube foi preservado por força de um contrato o futebol e a marca CRICIÚMA EC foi jogada na lata do lixo.

Por isso, Jaime Dal Farra foi, em minha opinião, o pior presidente da história do Criciúma. Que Anselmo Freitas possa resgatar muito do que foi perdido pelo outrora maior clube de Santa Catarina.

João Nassif
Por João Nassif 04/01/2021 - 13:58Atualizado em 04/01/2021 - 14:02

GOL LE...GAL- O grito de Mário Vianna ecoava pelo Maracanã e em grande parte do país pelas ondas da Rádio Globo do Rio de Janeiro. Mário Vianna foi árbitro de futebol, técnico e o primeiro comentarista de arbitragem no rádio brasileiro. Criou este bordão, mas certamente servia apenas como folclore, pois tantos narradores como comentaristas, repórteres e torcedores sabiam identificar um gol legítimo ou confirmado com um erro de arbitragem. Mário Vianna era perfeitamente dispensável nesta função.

Mário Vianna

O tempo passou e entre uma ou outra investida de alguns veículos de comunicação, chegamos à geração atual.

O que tem mais tempo nesta atividade é Carlos Simon dos canais Fox Sports. Tem o poder nos jogos em que trabalha de elogiar ou criticar a atuação dos árbitros. Seu histórico enquanto árbitro mostra erros capitais em jogos que mudaram a história de campeonatos e copas. Está escorado no fato de ter atuado em três Copas do Mundo, mas agora com o advento do VAR fica sem sentido sua participação. Apontar erros e acertos, qualquer um que acompanha futebol sabe diferenciar. É perfeitamente dispensável.

A Rede Globo inventou a tal Central do Apito, colocando em suas transmissões quatro ex-arbitros que também tiveram erros clamorosos quando estavam com o apito na boca. Se julgam os oráculos da arbitragem e a toda hora ouvimos: “Eu marcaria”, “Eu não marcaria”, Ëu aplicaria o cartão”, Ëu não aplicaria o cartão”, enfim poucos estão interessados em saber suas opiniões. Narradores e comentaristas têm ciência dos lances, mas não podem exprimir opinião ficando à mercê das “autoridades” na Central do Apito.

Não quero tirar o emprego de ninguém, mesmo porque não tenho autoridade para tanto, mas apenas exprimo minha opinião sobre esta “jabuticaba” que só existe no jornalismo esportivo do Brasil.   
 

João Nassif
Por João Nassif 03/01/2021 - 19:29

No dia 13 de março de 1938 a Alemanha ocupou e anexou a Áustria, evento que foi um dos estopins para a Segunda Guerra Mundial. Assim, era o final do Wunderteam ou Time Maravilha que encantou o mundo durante a década.

A Áustria que vencera a Letônia pelas eliminatórias não mais poderia disputar o Mundial da França por não existir mais como país na época da competição. 

Wunderteam

A FIFA chegou a oferecer a vaga para os ingleses que recusaram e negou a classificação aos letões, preferindo deixar a Áustria na tabela mesmo sem ela poder jogar.

Pelo regulamento do Mundial de 1938 as 16 seleções classificadas formaram por sorteio oito chaves com jogos em eliminatórias diretas. 

A tabela marcava para o dia 05 de junho a realização em Lyon do jogo entre Áustria e Suécia que não aconteceu. Foi a primeira e única vez que uma seleção foi derrotada por W.O. em uma Copa do Mundo.

No Mundial seguinte em 1950 no Brasil algumas seleções desistiram após o sorteio dos grupos, mas os jogos que as envolviam não são considerados como vencidos por desistência nas estatísticas oficiais das Copas.  

Após a anexação alguns dos principais clubes da Áustria passaram a disputar a Liga Alemã não sem antes passar por uma “limpeza étnica” em seus dirigentes e jogadores.

Em relação à seleção germânica a ideia era montar uma equipe imbatível, incluindo craques austríacos, excluídos os judeus.

Porem alguns dos principais jogadores do Wunderteam recusaram-se a atuar pela seleção alemã. Matthias Sindelar, o melhor jogador austríaco alegou lesões e idade avançada, mas na verdade sempre foi opositor do nazismo.

Outro que não atuou pelo time alemão foi Josef Bican que após a anexação optou pela cidadania tcheca e somente não jogou a Copa por questões burocráticas.   

João Nassif
Por João Nassif 02/01/2021 - 07:57

O jogo final da Copa do Mundo da Rússia em 2018 foi o de nº 900 em toda história do torneio. O primeiro jogo da história aconteceu no longínquo 1930 entre França e México em Pocitos no Uruguai.

Nos 900 jogos que já foram realizados, três confrontos foram os mais repetidos.

Brasil x Suécia em 1958

Brasil e Suécia disputaram sete jogos nos 21 Mundiais já realizados com cinco vitórias brasileiras e dois empates. A seleção brasileira venceu em 1938 por 4x2, em 1950 por 7x1, em 1958 por 5x2, em 1990 por 2x1 e em 1994 por 1x0. Também no Mundial de 1994 houve empate em 1x1 e o outro empate também em 1x1 foi na Copa de 1978.

Outro confronto que aconteceu sete vezes na história dos Mundiais foi entre a Alemanha e a Iugoslávia/Sérvia. Foram quatro vitórias da Alemanha, em 1954 por 2x0, em 1958 por 1x0, em 1974 por 2x0 e em 1990 por 4x1 e duas derrotas por 1x0 em 1962 e por 1x0 em 2010, além de um empate em 1998 por 2x2.

Outro confronto que aconteceu sete vezes em Copas do Mundo foi entre Alemanha e Argentina. Quatro vitórias da Alemanha, em 1958 por 3x1, em 1990 por 1x0, em 2010 por 4x0 e novamente por 1x0 em 2014. Houve apenas uma vitória da Argentina em 1986 por 3x2 e dois empates, 0x0 em 1966 e 1x1 em 2006.

Em sete jogos Brasil e Suécia decidiram o título somente uma vez em 1958.

Já Alemanha e Argentina também em sete jogos decidiram o título duas vezes, em 1986 e 2014.
 

João Nassif
Por João Nassif 31/12/2020 - 09:03

O ano está por um fio, daqui a poucas horas entraremos em 2021 e agora temos que deixar para trás todas as mazelas que deixaram o Criciúma nesta situação vexatória machucado em sua história e olhar o futuro na perspectiva de uma retomada que possa com competência se tornar vitoriosa.

Uma nova administração começará seu trabalho nos próximos dias, novo presidente que espero tenha ciência das dificuldades que é comandar um clube essencialmente de futebol. Que possa dinamizar o departamento com profissionais capazes de formar um plantel qualificado e com jogadores comprometidos na busca da retomada tão sonhada por toda comunidade do sul catarinense.

Existe uma questão a ser resolvida com a saída da G.A., o distrato terá que se enquadrar nas normas da FIFA o que será um pepino a ser descascado pelo Conselho Deliberativo que pelo histórico não mostrou conhecimento para lidar com as diretrizes determinadas pelo órgão máximo do futebol mundial.

Mas, virada a chave, que este Ano Novo possa trazer boas notícias para o Criciúma EC que terá a pouco menos de dois meses seu primeiro desafio na luta pelo título do campeonato estadual. Independente, o foco maior será o retorno à série B do campeonato brasileiro, competindo numa série C que certamente terá disputa mais acirrada que a desta temporada. 
 

João Nassif
Por João Nassif 28/12/2020 - 09:32

Ainda não é um balanço sobre o ano do futebol catarinense que farei na quinta-feira, último dia do ano, mas hoje merece destaque o Marcílio Dias que está somente a dois jogos de conquistar o acesso para a série C em 2021.

O time é treinado por Waguinho Dias que foi campeão da D em 2019 pelo Brusque e pode repetir o acesso este ano mesmo que o Marcílio Dias não seja o campeão.

Comemoração pela classificação na primeira fase. Vitória sobre o Pelotas
Foto: NSC total

Pelo regulamento da série D, as quartas de final, serão disputadas pelos oito times vencedores na fase anterior e os confrontos obedecerão, pela ordem, o rendimento conquistado pelo somatório de todas as fases anteriores.

O Marcílio Dias é o de pior rendimento entre todos e por isso enfrentará o Altos do Piauí que foi o melhor somadas todas as fases.

O time de Itajaí foi o quarto colocado em sua chave na primeira fase. Estava no Grupo 8 e somou 21 pontos com cinco vitórias, seis empates e três derrotas. Marcou 14 e sofreu oito gols.

No primeiro mata-mata, valendo pela segunda fase eliminou a Ferroviária com vitória por 2x1 em Itajaí e empate em 0x0 em Araraquara.

Nas oitavas de final a vítima foi o Goianésia. O Marcílio venceu em casa por 2x1 e ontem eliminou o time goiano em Goianésia depois de um empate em 1x1.

Agora o maior desafio que é enfrentar o time de melhor campanha em toda série D. O primeiro jogo será em Itajaí e a decisão da vaga para a série C em Altos, interior do Piauí.

Waguinho Dias está próximo de outra consagração.
 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13