Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
João Nassif
Por João Nassif 23/09/2020 - 09:17

Alberto Pedro Spencer Herrera, conhecido no futebol como Spencer é o maior artilheiro da história da Taça Libertadores tendo marcado 54 gols com as camisas do Peñarol do Uruguai e do Barcelona de Guayaquil no Equador. 

Spencer nasceu na cidade de Ancón no Equador em 06 de dezembro de 1937 e faleceu em Cleveland, Estados Unidos com 68 anos no dia 03 de novembro de 2006.

Spencer foi artilheiro isolado na primeira edição do torneio em 1960 quando marcou sete gols pelo time uruguaio. Dois anos depois, pelo mesmo Peñarol foi artilheiro juntamente com Coutinho do Santos e Enrique Raymondi do Emelec do Equador, todos com seis gols. 

Spencer disputou 12 Taças Libertadores, 10 pelo Peñarol de 1960 até 1970 e duas pelo Barcelona em 1971 e 1972. Dos 54 gols que marcou 48 foram anotados com a camisa do Peñarol e seis com a do time equatoriano.

O Peñarol que participou de 48 das 61 edições da Taça Libertadores, já computada a deste ano que está em andamento, é o terceiro maior vencedor do torneio sendo cinco vezes campeão. 

Três destes cinco títulos foram conquistados na era Spencer, em 1960, 1961 e 1966, além de três vice-campeonatos em 1962, 1965 e 1970.

João Nassif
Por João Nassif 22/09/2020 - 18:30Atualizado em 22/09/2020 - 19:05

Thiago Ávila *

Esse sábado tivemos a primeira etapa da Porsche GT3 Endurance, no circuito de Velocittá, em Mogi Guaçu. A prova teve 300 km e duas horas e meia de duração e contou com os principais nomes do automobilismo brasileiro.

Apesar da longa corrida de 88 voltas, foi muito movimentada com seis líderes diferentes. O carro #20 de Guilherme Salas e Pedro Aguiar lideraram a maior parte da prova, chegando a estar mais de 20 segundos na frente do segundo colocado.

Felipe Massa

Lico Kaesemodel, que largou de terceiro, caiu para quinto logo na largada, mas quem veio para o substituir no segundo quarto da prova era Felipe Massa, que andou mais de 40 voltas.

O ex-piloto de Formula 1, que vinha fazendo sua estreia, deu um show e melhorou muito o ritmo de corrida do carro #91. Na volta 70 colou em Pedro Aguiar e fez uma ótima ultrapassagem por dentro, assumindo a liderança.

Com três paradas muito eficientes, o carro #20 tinha tudo para dar um undercut sobre o #91 para recuperar a liderança. Voltando na quarta posição, logo à frente do carro de Massa, estava de pneus frios e logo levaria uma volta do #91. Mas Guilherme Salas fechou a frente de Felipe na curva e foi lançado para a grama, danificando o equipamento. A vitória garantida foi jogada fora por conta de uma manobra boba.

Massa retardou demais a parada e quando Kaesemodel voltou à pista, era apenas o quarto colocado. Ricardo Zonta assumiu a ponta, seguido por Miguel Paludo e Alceu Feldmann. O parceiro de Felipe ainda conseguiu uma ultrapassagem sobre Feldmann, mas foi julgada como perigosa e a dupla foi punida, caindo para sexto.

O carro #8 de Zonta e Werner Neugebauer foram os grandes vencedores, seguido do #7 de Paludo e Beto Gresse, e o #100 de Denis Dirani e Feldmann fecharam o pódio.

A Porsche Cup retorna dia 3 de outubro em Interlagos para a terceira etapa da Sprint.

* Jornalista

João Nassif
Por João Nassif 22/09/2020 - 11:49Atualizado em 22/09/2020 - 11:50

Tive o prazer de ser convidado para participar do Paredão do Guerrinha na Rádio Gaúcha emissora que foi minha casa durante quase 10 anos.

Abaixo, o bate papo que foi ao ar n9 último sábado na Gaúcha, com apresentação do Adroaldo Guerra Filho.
 

João Nassif
Por João Nassif 22/09/2020 - 09:14

O início da década de 1990 foi magico na história do Criciúma. Depois de conquistar seu segundo título na história como Criciúma EC, chegou ao tricampeonato vencendo as edições de 1990 e 1991. Neste ano o time conquistou a Copa do Brasil e se credenciou para disputar a Taça Libertadores no ano seguinte.

Criciúma no Morumbi

Cada país da CONMEBOL indicava dois representantes para a fase de grupos, a primeira do torneio. O chileno Colo Colo como campeão em 1991 entraria somente na fase seguinte alegando problemas financeiros solicitou à entidade participar da fase de grupos. 

Solicitação aceita os 21 times foram divididos em cinco grupos, sendo quatro com quatro em cada um e um grupo de cinco times aí incluído o Colo Colo. Pelo Brasil além do Criciúma entrou o São Paulo campeão brasileiro em 1991.

O Criciúma estreou na Libertadores no dia 06 de março derrotando o São Paulo por 3x0 no Heriberto Hülse e foi eliminado em 20 de maio quando empatou em casa com o mesmo São Paulo em 1x1 depois de ter sido derrotado na capital paulista por 1x0 no jogo de ida.

O Tigre disputou um total de 10 partidas em toda competição com seis vitórias, dois empates e duas derrotas. Marcou 19 gols e sofreu 12.
 

João Nassif
Por João Nassif 21/09/2020 - 15:19

O campeonato brasileiro de futebol teve sua primeira edição em 1971 com 20 clubes, cinco representantes dos estados de São Paulo, cinco da Guanabara, três de Minas Gerais, dois do Rio Grande do Sul, dois de Pernambuco e um do Paraná, do Ceará e da Bahia. 

Palmeiras campeão do Rio-São Paulo 1951

Antes de 1971, em 1950 as Federações de São Paulo e do Rio de Janeiro iniciaram a realização do Torneio Rio São Paulo, o primeiro campeonato regular disputado no país. Em 1954 o torneio foi oficialmente nomeado como Torneio Roberto Gomes Pedrosa, homenagem ao ex-goleiro da seleção brasileira e presidente do São Paulo FC falecido naquele ano.

Com o crescimento do torneio clubes de outros estados se interessaram em joga-lo. Em 1967 foram incorporados clubes do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Com a ampliação o torneio foi apelidado de Robertão.

Em 1968 o Robertão passou a ser organizado pelo CBD que convidou clubes da Bahia e de Pernambuco e criou a Taça de Prata.

Além deste torneio a CBD também criou as Copas Centro-Sul e Norte-Nordeste que podem ser taxadas de segunda divisão embora sem acesso ou descenso que somente viria a ser regulamentado anos mais tarde.

Foi desta forma que começou a ser projetado o atual campeonato brasileiro que é disputado por pontos corridos com promoções e rebaixamentos sendo respeitados.  
 

João Nassif
Por João Nassif 20/09/2020 - 09:20

Em números absolutos as duas edições de Copas do Mundo que tiveram maior número de gols foram em 1998 e 2014. Em ambas com 32 seleções foram marcados 171 gols em 64 jogos. A média de gols nestes Mundiais é de 2,67 gols/jogo.

Nas duas primeiras Copas do Mundo foram marcados 70 gols, a menor quantidade nas 21 edições disputadas até agora.

Oleg Salenko

A primeira em 1930 no Uruguai teve 18 jogos com a média de 3,89 gols/jogo e a segunda na Itália em 1934 que em 17 jogos teve a média de 4,12 gols/jogo. Nesta Copa foi disputado o menor número de jogos de toda história.

O Mundial com a menor média de gols, 2,21 gols/jogo foi o de 1990 também na Itália, disputado com 24 seleções e 121 gols marcados em 52 jogos.

Nenhum jogador foi artilheiro em duas edições de Copas do Mundo. O maior artilheiro numa única edição foi o francês Just Fontaine que em 1958 na Suécia marcou 13 gols em seis partidas.

O russo Oleg Salenko é o maior artilheiro em uma única partida de Copa do Mundo, com cinco gols marcados contra Camarões em 1994 nos Estados Unidos. Miroslav Klose é o detentor do recorde de gols marcados na história dos Mundiais de Futebol. O alemão marcou um total de 16 gols nas quatro Copas que disputou.
 

João Nassif
Por João Nassif 19/09/2020 - 10:50

O dia 02 de abril de 1978 é uma data histórica, pois pela primeira vez entrou em campo o Criciúma EC, sucessor do Comerciário EC.

O Comerciário havia retornado ao futebol profissional em 1976 disputando uma série de partidas amistosas e participado no ano seguinte do campeonato catarinense ficando na terceira colocação. O título foi decidido num único jogo em Chapecó com vitória da Chapecoense sobre o Avaí por 1x0.

No início de 1978 o Comerciário disputou uma série de 11 amistosos até virar Criciúma EC e começar no dia 02 de abril sua trajetória numa partida amistosa contra o Marcílio Dias que terminou empatada em 0x0 no Heriberto Hülse. 

Desde seu retorno ao futebol o Comerciário disputou 84 jogos entre amistosos e oficiais pelo campeonato estadual. No dia 18 de dezembro de 1976 o Comerciário recebeu o Vasco da Gama para um jogo amistoso que terminou empatado em 1x1.

Em 1978 na sua primeira temporada, o Criciúma EC disputou 64 jogos com 25 vitórias, 21 empates e 18 derrotas. Marcou um total de 80 gols e sofreu 56.

O zagueiro Veneza foi quem mais atuou entrando em campo 63 vezes. Laerte o atacante foi o segundo que mais vestiu a camisa do Criciúma, jogou 52 partidas.

O maior artilheiro do time em 1978 foi Ademir Patrício que marcou 19 gols. Laerte foi o segundo melhor artilheiro com 18 gols marcados.
 

João Nassif
Por João Nassif 18/09/2020 - 14:39

A primeira edição da Copa do Brasil foi realizada em 1989 com a participação de 32 clubes e teve o Grêmio como primeiro campeão que derrotou na final o Sport Recife por 2x1 no Estádio Olímpico depois de empatar em 0x0 na Ilha do Retiro. O atacante Gérson do Atlético-MG foi o artilheiro com sete gols.

Entre várias alterações no regulamento agora em 2020 está em andamento a 32ª edição do torneio. 

O maior vencedor da Copa do Brasil

O maior vencedor da Copa do Brasil é o Cruzeiro com seis títulos, seguido do Grêmio com cinco. Flamengo, Corinthians e Palmeiras vencerem três vezes o torneio.
Dos times grandes do futebol brasileiro, os mais tradicionais, somente o São Paulo e o Botafogo ainda não conseguiram vencer a Copa do Brasil.  

Alguns clubes fora do ciclo dos principais clubes de futebol do país já conquistaram o torneio.

O Criciúma foi o primeiro deles, campeão em 1991 na decisão contra o Grêmio.

O Juventude foi a zebra de 1999 sagrando-se campeão em cima do Botafogo.

Em 2004 foi a vez do Santo André que derrotou na decisão o Flamengo em pleno Maracanã por 2x0 depois de empatar em 2x2 na Grande São Paulo. 

O último entre os pequenos que conseguiu ser campeão da Copa do Brasil foi o Paulista de Jundiaí do interior de São Paulo que em 2005 venceu na decisão o Fluminense com vitória de 2x0 em casa e empate em 0x0 no Maracanã.
 

João Nassif
Por João Nassif 17/09/2020 - 09:54

O Estádio Municipal do Pacaembu foi inaugurado na década de 1940 com capacidade para 70 mil espectadores e considerado na época o estádio mais moderno da América do Sul.
Idealizado pela Prefeitura de São Paulo em 1936, o projeto consolidava a iniciativa de Getúlio Vargas, presidente da República, de apoio nacional aos esportes para mostrar ao mundo que o Brasil era uma nação forte e também uma forma de demonstrar a mudança do país.

Com a instauração do regime do Estado Novo em 1937, o projeto original sofreu algumas mudanças, pois os projetos arquitetônicos do governo eram no sentido de demonstrar a força do país. Entre as mudanças a ampliação do estádio e das colunas como réplica ao Estádio Olímpico de Berlim.

O Estádio do Pacaembu foi inaugurado em 27 de abril de 1940 com a presença de Getúlio Vargas, do interventor Ademar de Barros e do prefeito Prestes Maia e com mais de 50 mil pessoas em suas dependências.

Getúlio Vargas foi recebido com uma sonora vaia pelo público paulistano. Vargas chegou ao poder com o Golpe de 30 sobre o então presidente paulista Washington Luís e em seguida reprimiu a Revolução Constitucionalista de 1932. O presidente era persona non grata em São Paulo.

O primeiro jogo disputado no Pacaembu foi entre o Palestra Itália, hoje Palmeiras e o Coritiba. O Palestra venceu por 6x2, mas o primeiro gol no novo estádio foi marcado por Zequinha, jogador do time paranaense.

Em 1961 o Pacaembu foi batizado com seu nome oficial, Estádio Paulo Machado de Carvalho, homenagem ao chefe da delegação brasileira da Copa do Mundo de 1958 que rendeu o primeiro título mundial de futebol ao Brasil.

João Nassif
Por João Nassif 16/09/2020 - 09:33

A exemplo do Vasco da Gama o Coritiba campeão brasileiro em 1985 também sofreu três rebaixamentos no campeonato brasileiro da série A desde que foi implantado o regime de pontos corridos.

O primeiro rebaixamento do Coxa Branca ocorreu em 2005 quando o campeonato ainda era disputado por 22 clubes. O Coritiba foi o 17º colocado, primeiro da zona da degola com 49 pontos, provenientes de 13 vitórias, 10 empates e 19 derrotas, seu ataque marcou 5 gols e a defesa sofreu 60.

No campeonato brasileiro de 2009 o Coritiba foi rebaixado pela segunda vez. Já com 20 clubes o time paranaense terminou no novamente na 17ª posição com 45 pontos ficando a um ponto do Fluminense que escapou na rodada final. Nos 38 jogos o Coritiba venceu 12, empatou nove e perdeu 17. Marcou 48 gols e sua defesa sofreu 60.

E o terceiro rebaixamento do Coritiba aconteceu em 2017 quando outra vez terminou na 17ª posição com 43 pontos mesma pontuação do Vitória que escapou pelo saldo de gols. O time baiano teve saldo negativo de oito e o Coritiba de nove. Nos 38 jogos o Coritiba venceu 11, empatou 10 e perdeu 17, marcando 42 gols e sofrendo 51.

João Nassif
Por João Nassif 15/09/2020 - 16:55

Fui convidado e terei o prazer de ser entrevistado pelo Guerrinha em seu programa na Rádio Gaúcha, onde comecei minha carreira profissional há mais de 40 anos. O programa "Paredão do Guerrinha" será sábado, dia 19, às 14h20min.

João Nassif
Por João Nassif 15/09/2020 - 13:38

O Vasco da Gama é um dos poucos times do futebol brasileiro que sofreu três rebaixamentos da Série A, desde que foi implantado o campeonato por pontos corridos. É também um dos poucos campeões brasileiros que disputaram segunda divisão ou Série B do futebol brasileiro.

A primeira vez foi em 2008 quando a competição já era disputada por 20 clubes e o time de São Januário foi o 18º colocado com 40 pontos ganhos. A salvação viria com 44 pontos, pontuação do Náutico que foi o 16º colocado. Nos 38 jogos que disputou o Vasco venceu 11, empatou sete e perdeu 20 vezes.

O segundo rebaixamento ocorreu em 2013, quando o Vasco foi novamente o 18º colocado. Conseguiu ganhar 44 pontos ficando somente a um ponto de escapar da degola. Nos 38 jogos que disputou alcançou 11 vitórias, 11 empates e sofreu 16 derrotas. O Vasco da Gama disputou a série B em 2014, retornou à A em 2015 e foi novamente rebaixado.

Outra vez o time chegou na 18ª posição com 41 pontos ganhos. Em 38 jogos venceu 10, empatou 11 e foi derrotado 17 vezes. 

Amanhã vou destacar o Coritiba, outro campeão brasileiro que foi rebaixado da série A em três ocasiões.

João Nassif
Por João Nassif 14/09/2020 - 23:23

O jogo do Criciúma em Itu foi a gota d’água na minha paciência em analisar o time nesta temporada, extensão do ano passado quando foi impotente para impedir o rebaixamento. As mesmas mazelas de 2019 se repetem este ano, pois o comando técnico é o mesmo e a falta de ambição continua, mesmo numa série C de baixíssimo nível técnico.

Por que o jogo contra o Ituano? Pela forma medrosa como o time se comportou. O adversário de fraquíssima condição técnica seria presa fácil se o time comandado por Roberto Cavalo/Wilsão fosse mais ousado e entendesse a camisa que veste.

De nada adianta ficar ouvindo toda hora que o Criciúma é grande, tem a camisa pesada e outros predicados se na hora do jogo o que se vê é exatamente o contrário. Um time sem ambição, que joga por uma bola e só reage quando inferiorizado no marcador. 

O segundo tempo em Itu foi lamentável, o Criciúma não conseguiu atacar e chegou ao empate no único lance quase no final do jogo. E para confirmar a falta de coragem os técnicos trocaram um atacante de área por um zagueiro para garantir o empate. Foi dito no final que se não der para ganhar o empate é bom resultado.

Olhando para os adversários nesta chave o Criciúma é gigante perto dos outros nove que não têm um pingo da história e tradição, mas crescem contra um Criciúma que desde a temporada passada é o retrato de seu comando técnico.
 

João Nassif
Por João Nassif 14/09/2020 - 14:51

Desde 2003 quando o Campeonato Brasileiro da Série A passou a ser disputado por pontos corridos, o time que mais vezes foi rebaixado nas suas 17 edições até a temporada 2019 foi o Vitória da Bahia.

Vitória-BA o mais rebaixado na série A

Logo em 2004 ainda com 24 clubes, no segundo campeonato no formato de pontos corridos que previa quatro clubes no rebaixamento o time baiano ficou na 23ª posição com 48 pontos. Nos 46 jogos que disputou venceu 13, empatou nove e perdeu 24.

Em 2010, já com 20 clubes o Vitória foi o 17º colocado, portanto o primeiro na zona do rebaixamento com 42 pontos. Jogou 38 partidas, venceu nove, empatou 15 e foi derrotado 14 vezes. Teve a mesma pontuação do Atlético-GO, mas foi rebaixado porque teve duas vitórias a menos.

Em 2014 outro rebaixamento por ter ficado novamente na 17ª posição. Nos 38 jogos que disputou venceu 10, empatou oito e perdeu 20, portanto somou apenas 38 pontos.

O quarto rebaixamento do Vitória que é o clube mais vezes rebaixados na série A do campeonato brasileiro, aconteceu em 2018 quando ficou na penúltima colocação com apenas 37 pontos ganhos depois de 38 jogos, com nove vitórias, 10 empates e 19 derrotas.

Na edição de amanhã vou destacar aqui o Vasco da Gama, o único clube grande do futebol brasileiro que sofreu três rebaixamentos no campeonato brasileiro da série A desde que foi implantado o sistema de pontos corridos. 
 

João Nassif
Por João Nassif 14/09/2020 - 07:45

Thiago Ávila *

 Ah, Toscana... Que lugar romântico para se visitar! Cidades encantadoras, com uma paisagem maravilhosa, terra dos melhores vinhos e arquiteturas renascentistas... Um local perfeito para celebrar uma história de amor de 70 anos entre Ferrari e Formula 1. Comemorando simultaneamente as 1000 corridas da história da escuderia italiana, nada mais justo que uma pintura retrô, relembrando o carro da primeira temporada da F1.

Mas, as bodas de vinho, na verdade, viria ser mais uma discussão de relacionamento do que de fato um encontro romântico.

A estreia do circuito de Mugello na maior categoria do automobilismo chegou para querer ficar. Logo na largada um acidente envolvendo Verstappen, Gasly, Raikkonen e Grosjean. Depois da saída do Safety Car, UM BIG ONE! (Para quem não está familiarizado com a Nascar, um big one é uma batida envolvendo cinco ou mais carros). Bottas, que havia conseguido a liderança depois de uma largada ruim de Hamilton, segurou o pelotão depois da bandeira verde e um efeito dominó envolvendo Magnussen, Giovinazzi, Sainz, Latifi e Ocon se formou, causando a bandeira vermelha. O tal acidente só não foi mais feio que o GP da Bélgica de 1998, quando houve 13 carros envolvidos.

Sobraram apenas 13 pilotos na segunda largada, que visto como foi em Monza, voltou a ser parada e sem Safety Car. Hamilton saiu melhor e deu o troco em Bottas. Leclerc, que era terceiro, começou a perder várias posições, e Vettel era apenas o 10º colocado. A situação da Ferrari era péssima, nem Mugello, seu circuito próprio, foi a solução.

Depois de perder para Stroll, Ricciardo, Albon, Pérez, Norris e até Kvyat, Leclerc optou por fazer a parada, algo que pareceu não funcionar muito bem, visto que a Ferrari o chamou de novo para o box 16 voltas depois.

Na briga pela terceira posição, Stroll vinha mais rápido que Ricciardo e logo o passaria, isso se não fosse por uma “Strolada” depois de passar na zebra na curva 9, o carro rodou e acertou em cheio a barreira de pneus. A bandeira vermelha novamente apareceu.

Depois de 20 minutos parado, os doze carros restantes voltaram para uma terceira largada – VIROU NASCAR! Dessa vez, no round 3 entre Hamilton e Bottas, o britânico levou a melhor e praticamente selou a vitória. O finlandês inclusive chegou a perder a vice-liderança para Ricciardo, e também atrasou o ataque de Albon ao australiano.

De volta à normalidade – as duas Mercedes nas duas primeiras posições – iniciou a disputa pelo pódio, agora entre Ricciardo e Albon. Qualquer um seria uma terceira posição inédita, ou para a Renault – isso desde a sua volta a categoria em 2016 – ou para o tailandês, que havia batido na trave em duas ocasiões. Ao seu melhor jeito suicida de ultrapassar, o piloto da Red Bull foi por fora na curva 1, quase indo para a caixa de brita. E como o adversário da vez não era Hamilton, ele conseguiu enfim garantir a posição de pódio.

Festa da Mercedes e Red Bull, velório para a Ferrari. Leclerc terminou em oitavo, Vettel foi o décimo. O ano das mil corridas, aniversário de 70 anos... é, talvez no próximo milhar, Ferrari...
 
* Jornalista

João Nassif
Por João Nassif 13/09/2020 - 09:46

O campeonato brasileiro da série A começou o regime dos pontos corridos em 2003. Até então imperava o formulismo que desde a sua implantação apresentou vários regulamentos que privilegiava os mata-mata para decisão dos títulos.

 

Legenda

Em 2003 a competição foi disputada por 24 clubes com os dois últimos, Fortaleza e Bahia sendo rebaixados para a série B. Em 2004 novamente com 24 clubes o regulamento previa quatro times rebaixados para a série B. Criciúma, Guarani, Vitória e Grêmio foram parar na segunda divisão.

No campeonato brasileiro de 2005 a competição foi disputada por 22 times com rebaixamento dos quatro últimos. Os rebaixados foram Coritiba, Atlético-MG, Paysandu e Brasiliense. Em 2006 finalmente a competição chegou aos 20 clubes com os quatro últimos sendo rebaixados, regulamento que vem sendo mantido até a atual temporada. Foram rebaixados no campeonato de 2006, Ponte Preta, Fortaleza, São Caetano e Santa Cruz.  

Nas próximas edições do Almanaque da Bola vou detalhar dos rebaixamentos desde a implantação dos campeonatos brasileiros por pontos corridos em 2003, quais os clubes rebaixados e quantas vezes foram para a segunda divisão e também os estados que tiveram clubes rebaixados.
 

João Nassif
Por João Nassif 12/09/2020 - 09:05

Um dos piores anos do Criciúma na disputado do campeonato brasileiro foi em 2005 quando o time que vinha de um rebaixamento disputou a série B. No ano anterior o Criciúma participou pela segunda vez consecutiva na elite do futebol brasileiro.

Criciúma x São Raimundo-AM em 2005

O time até que começou bem a temporada ganhando o título no campeonato estadual na disputa final contra o Atlético de Ibirama. Depois de empatar em casa a primeira partida da decisão foi na casa do adversário e ganhou por 1x0.

A CBF estava num processo de uniformizar o campeonato brasileiro nas duas principais divisões e chegar ao modelo que perdura até hoje com 20 clubes em cada uma delas. Em 2005 a série B, na qual estava o Criciúma, foi disputada por 22 clubes com regulamento que previa seis rebaixados.

Na primeira fase jogaram todos contra todos em turno único com os oito primeiros decidindo em mata-mata classificação e título. O Criciúma começou perdendo para o Caxias em Caxias do Sul e na segunda rodada venceu o São Raimundo do Amazonas por 2x0 no Heriberto Hülse.

No final depois de 21 jogos que disputou o Criciúma venceu seis, empatou apenas uma vez e foi derrotado 14 oportunidades. Foi o time que sofreu mais derrotas em toda fase de classificação. Seu ataque marcou 24 gols e a defesa sofreu 45. Com 19 pontos ganhos foi o penúltimo colocado a frente somente do Caxias que somou 16.

Os dois times baianos, Vitória e Bahia, a Anapolina e a União São João de Araras foram os outros rebaixados para a série C em 2006.

João Nassif
Por João Nassif 11/09/2020 - 16:30

Em 1922 foi disputado pela primeira vez o Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais. Não havia sede única e os jogos foram realizados nos estados que praticavam o melhor futebol brasileiro da época. As seleções do Distrito Federal, hoje Estado do Rio de Janeiro e do Estado de São Paulo tiveram o privilégio de jogar em seus estádios, nas Laranjeiras e no antigo Parque Antártica.

Seleção paulista de 1922

Oito seleções participaram da fase eliminatória em confrontos diretos. A seleção paulista venceu a mineira por 13x0, a do Distrito Federal eliminou a do Estado do Rio de Janeiro com vitória por 2x0 e a paranaense empatou com a gaúcha em 1x1. A seleção da Bahia se classificou com a desistência da pernambucana. 

As seleções do Paraná e do Rio Grande do Sul fizeram um jogo extra e os gaúchos venceram por 4x2.

Na fase final, todos contra todos, na primeira rodada Distrito Federal e Bahia empataram em 2x2, enquanto a seleção de São Paulo derrotou a gaúcha por 4x2.

Na segunda rodada a seleção do Distrito Federal fez 2x0 no Rio Grande do Sul e a paulista venceu a baiana por 3x0.

Na rodada final a Bahia ganhou do Rio Grande do Sul por 1x0 e os paulistas sagraram-se campeões derrotando a seleção do Distrito Federal por 4x1.

Na classificação final, São Paulo ficou em primeiro, o Distrito Federal em segundo, a Bahia em terceiro e a seleção gaúcha foi a quarta colocada.


 

João Nassif
Por João Nassif 10/09/2020 - 13:52

Está confirmado para o próximo dia 15, terça-feira, o prazo final para entrega do projeto de gestão para o Criciúma EC após a saída oficial da GA, prevista para quando do encerramento da série C do campeonato brasileiro.

No dia seguinte a mesa diretora do Conselho Deliberativo analisará e imediatamente convocará uma reunião para que os conselheiros examinem os projetos e escolham a que melhor interessa ao clube. Como a vice-presidência administrativa está em aberto, nesta reunião do CD também poderá haver eleição para definir quem ocupará o cargo. A atual diretoria do clube tem mandato até dezembro de 2021.

Numa reunião há alguns dias para alguns interessados na gestão futura do Criciúma, ficou decidido que o empresário Anselmo Freitas assumiria a vice administrativa e trataria da transição para uma nova diretoria executiva com a renúncia do atual presidente do clube, Jaime Dal Farra.

Nos últimos dias surgiu a possibilidade de Moacir Fernandes ser o novo vice de administração. Esta manobra permitiria que o Moacir assumisse, sem novas eleições a presidência, pois pelo Estatuto do Criciúma em caso de vacância o cargo de presidente será ocupado pelo vice administrativo.

Moacir Fernandes tem um projeto que é criar um clube de investimento com 20 sócios, com cotas de R$ 1 milhão para um futebol competitivo. O ex-presidente tem credibilidade e apoio maciço da torcida e caso a manobra seja executada, voltará a comandar o clube. Desta forma Moacir Fernandes voltará a ser presidente até o final do próximo ano e sendo assim certamente inibirá qualquer outro projeto que porventura tenha uma avaliação melhor. 

As peças estão sendo lançadas e nas próximas semanas teremos o desfecho e então saberemos o que os conselheiros decidirão pelo melhor do Criciúma EC.
 

João Nassif
Por João Nassif 10/09/2020 - 09:36

A Itália chegou a França para a disputa da Copa do Mundo de 1938 defendendo o título conquistado no Mundial anterior e o orgulho fascista que se fortalecia rumo à 2ª Guerra Mundial.

A Itália novamente chocou o mundo por duas atitudes ligadas à política. A primeira, em jogo contra a França, dona da casa, os italianos precisaram usar uma camisa alternativa, pois as duas seleções jogavam de camisetas azuis. Os italianos escolheram uma camisa preta cuja cor representava o regime fascista.

A outra, muito mais grave, aconteceu no jogo contra o Brasil. No campo, a Itália venceu o que rendeu comentários lamentáveis dos jornais italianos. Um deles chegou a escrever: “Saudamos o triunfo da inteligência branca italiana sobre a força bruta dos negros”. 

A Itália foi bicampeã mundial, com direito a recorde do treinador italiano Vittorio Pozzo se tornando o primeiro e único técnico bicampeão, mas a Copa do Mundo em 1938 foi lastimável por questões políticas.
 

5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17