Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
Denis Luciano
Por Denis Luciano 13/01/2020 - 17:53Atualizado em 13/01/2020 - 18:14

Está entregue à Assembleia Legislativa (Alesc) um pedido de impeachment do governador Carlos Moisés (PSL), da vice Daniela Reinehr (sem partido) e até o secretário de Estado da Administração, Jorge Tasca, é citado. Autor da denúncia, o defensor público Ralf Guimarães Zimmer Júnior refere "aumento de salários de procuradores do Estado... de forma administrativa, por meio sigiloso para impedir os órgãos de controle e a sociedade de fiscalizar a ululante ilegalidade".

Na denúncia, é mencionado ainda que o secretário Tasca "externou o ato ilícito" no momento em que deu "acordo com o conluio fraudulento" ao determinar o pagamento em folha de benefícios aos citados procuradores.

Ainda conforme o denunciante, a medida do governador contraria decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e gera um impacto de R$ 8 milhões aos cofres do Estado.

Ao justificar o pedido, Ralf Zimmer citou que o crime de responsabilidade do governador e da vice começa quando do envio do pacote de reforma administrativa à Alesc, em 2019. Houve uma emenda que propunha vincular o percentual dos vencimentos dos procuradores da Alesc aos ministros do STF. Houve o veto e, na leitura do denunciante, na ocasião o governador "cravou à sociedade e ao Parlamento que lhe representa que não teria dinheiro para honrar com a emenda proposta".

Dessa decisão, foi pinçada o que o autor da ação chama de "contraditório", já que meses depois o governador teria autorizado uma vinculação que ensejou reajuste aos procuradores, havendo um aumento da renda bruta dos procuradores de R$ 33 mil para R$ 38 mil, "pasmem, estendendo efeitos de decisões judiciais... que cabia a uma diminuta parcela de procuradores a todos os demais, que não lhes cabia".

Como efeito cascata, o autor da denúncia anexa, ainda, o pedido da Associação dos Procuradores de Santa Catarina para que os vinculados à Alesc tenham o mesmo benefício que os ligados ao gabinete do governador.

Até o contracheque dos procuradores do mês de setembro e o de outubro foram fixados na ação, para confirmar o salto nos valores.

O governo do Estado ainda não se manifestou sobre o pedido de impeachment. Mais detalhes em instantes no Ponto Final, na Rádio Som Maior.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 13/01/2020 - 15:51Atualizado em 13/01/2020 - 15:54

A briga continua. Depois da postagem do deputado Jessé Lopes (PSL), que criticou o movimento feminista pela campanha "Não é Não", o parlamentar voltou à carga na tarde desta segunda-feira, 13. Na publicação original, que deu origem ao embate, Jessé afirmou que "... quem, seja homem ou mulher, não gosta de ser “assediado (a)?? Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude". A campanha, do Coletivo Feminista de Santa Catarina, visa distribuir tatuagens provisórias entre mulheres durante o Carnaval para combater o assédio.

No começo da tarde, no Jornal do Almoço da NSC TV, a jornalista Laine Valgas levou ao ar contundente editorial rebatendo o deputado criciumense. Confira a transcrição abaixo:

Poder ser assediada não é um direito, é uma triste realidade com a qual as mulheres são obrigadas a conviver por conta do machismo que torna normal, rotineiro e até lisonjeiro coisas que constrangem as mulheres como o assédio ou a importunação sexual que, vamos repetir, não é um direito, um elogio, não massageia o ego nem satisfaz a vaidade da mulher, não. É crime, definido por lei, e caso não esteja claro, vamos dizer mais uma vez, inclui a realização de ato libidinoso de forma não consensual e também enquadra ações como beijo forçado ou passar as mãos no corpo alheio sem permissão

 

Nem toda mulher quer ser cantada na rua porque o corpo da mulher não é um domínio público. Nem toda mulher sabe lidar com o assédio.

 

Segundo pesquisa do Instituto Patrícia Galvão e Locomotiva, 97% das mulheres já passaram por situação de assédio no transporte coletivo no Brasil. As mulheres relataram que foram encoxadas, foram tocadas e receberam cantadas indesejadas, indesejadas eu disse deputado. Significa que elas não desejaram, queriam ou gostaram. E sobre essas coisas, a casa legislativa aqui de Santa Catarina, os deputados, como o senhor, podem e devem fazer algo

 

O discurso contra o assédio, a importunação, o machismo, não é papo de mulher frustrada e invejosa, supor que as mulheres querem ser assediadas na rua só mostra o quanto falta informação da realidade da violência de gênero no Brasil. No ano passado, em 2019, 50 mulheres foram assassinadas em Santa Catarina apenas por dizerem não aos companheiros e ex-companheiros, 59 mulheres que tiveram o direito mais fundamental previsto na nossa Constituição, o de garantia da vida, negado, pois esses companheiros e ex-companheiros não entenderam que não é não. E ainda tem pessoas que acham que mulheres têm mais direitos que homens.

Jessé apressou-se em responder. Postou, novamente na rede social, uma nova nota, desta vez de resposta à NSC:

O que se vê do movimento feminista na teoria é que mulheres querem os mesmos "direitos" dos homens. Mas em que são baseados os argumentos que, supostamente, os Homens teriam mais direitos? Certamente, nas capacidades hormonais, físicas e psíquicas do ser humano. Logo, isso não se enquadraria em "direitos”, mas em equivalências humanas. Dito isso, pode-se constatar então, que o movimento feminista luta por mais privilégios e não direitos. O feminismo, ao contrário do que muitos pensam, só tirou direitos das mulheres: deixou-as menos cuidadosas com a aparência e imbecilizou o comportamento. Ou seja, legalmente estão menos favorecidas, pois hoje, se uma mulher é deixada pelo marido, esse não tem mais a obrigação de honrar o compromisso assumido inicialmente com ela. Por isso sou contra o feminismo e qualquer outro tipo de movimento segregador.

 

Quando, de forma oportunista, usam a palavra "assédio" empregada no texto para expressar minha atitude, ou sob alegação disso ser direito da mulher, tenta-se apenas criar uma narrativa. A palavra "assédio" em aspas, não tem essa intenção nem proporção. Mas, o intuito de falar sobre ser cantada ou paquerada, nada mais que isso. Para essa turma, validade só tem a narrativa fria de que eu sou apologeta do assédio.

 

Como já disse em post anterior, querem a revolução dessas minorias para se beneficiaram delas. A luta de classes, seja ela qual for, só tem um objetivo; segregar. Eu repudio esse tipo de movimento. Não compactuo com essa bobagem dialética negativa destrutiva, com relativismo e reducionísmo, cujo intuito é o aparthieid humano. Querem privilégios? Trabalhem como toda mulher comum para ter suas oportunidades. Reitero aqui meu compromisso com todas as mulheres e homens de bem.

Já há quem questione o decoro de Jessé perante a mais esse forte debate público. A aguardar os próximos episódios.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 13/01/2020 - 09:41Atualizado em 13/01/2020 - 09:47

O deputado Jessé Lopes (PSL) vem com mais uma polêmica. E, de novo, fez uso das redes sociais para propagar opinião que levanta divergências. Desta vez, o alvo foi o movimento feminista. Em crítica à campanha "Não é Não", iniciativa do Coletivo Feminista de Santa Catarina contra o assédio, Jessé bateu forte. "Não sejamos hipócritas! Quem, seja homem ou mulher, não gosta de ser “assediado(a)?? Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude", escreveu o parlamentar.

O movimento está pedindo doações para confeccionar e distribuir adesivos em forma de tatuagens onde estará escrito "Não é não", um lema das feministas contra assédio. E Jessé vai além: "Toda mulher sabe lidar com assédio. Obviamente estou falando do ASSÉDIO no sentido que o próprio movimento GENERALIZA (dar em cima), e não de atos AGRESSIVOS e perturbante. Crime não se previne e nem se combate com TATUAGENS! Neste carnaval, não colabore com este movimento segregador, não use essa tatuagem ineficiente!!", disparou.

A campanha, enquanto isso, continua. Há uma rede de mulheres treinadas que estarão distribuindo as tatuagens temporárias que serão distribuídas em blocos carnavalescos e eventos durante a folia. Na plataforma Benfeitoria está disponível o canal para doações visando financiar as peças. Na descrição da campanha, consta:

Acreditamos que nosso Carnaval é uma festa mas não um convite para o assédio. Por isso, distribuiremos tatuagens não permanentes para ecoar: Não é Não!

Depois de um assédio sofrido por uma de nós às vésperas do Carnaval, decidimos que não ficaríamos mais caladas. Por isso, criamos uma tatuagem temporária que marca na pele o que alguns insistem em não entender: Não é não!

Parece óbvio. Mas infelizmente as mulheres ainda precisam repetir constantemente.

Não é não.

É mais que uma frase, ou um grito de guerra. É a criação de um escudo que empodera a mulher. Devolve a ela o direito ao próprio corpo e o poder de fazer com ele o que bem entender.

Não é não.

Um movimento que torna os nossos corpos outdoors da nossa luta diária, por uma sociedade mais justa e igualitária. Para que um dia nenhuma mulher precise ficar repetindo: NÃO É NÃO!

Ainda sobre o deputado Jessé, ele rotula o coletivo feminista como um movimento político. "O movimento Feminista NUNCA vai terminar, pois trata-se de um movimento POLÍTICO PARTIDÁRIO. Sempre que conquistam algo, irão procurar outra causa para defender, pois o movimento não pode parar, já que ele é um braço da revolução cultural socialista. É igual ao MST, sempre ganham terras, mas estão sempre sem terras", escreveu o deputado. "Após as mulheres já terem conquistado todos os direitos necessários, inclusive tendo até, muitas vezes, mais direitos que os homens, hoje as pautas feministas visam em seus atos mais extremistas TIRAR direitos. Como, por exemplo, essa em questão, o direito da mulher poder ser “assediada” (ser paquerada, procurada, elogiada...)Parece até inveja de mulheres frustradas por não serem assediadas nem em frente a uma construção civil", completou.

No vídeo abaixo, a apresentação da campanha das feministas:

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 09/01/2020 - 19:30Atualizado em 09/01/2020 - 19:36

Começou a partir de uma postagem no Blog do Ney Lopes aqui mesmo, no 4oito, nesta quarta-feira, 8, a grande repercussão do caso do poste do Parque Centenário Altair Guidi. Trata-se da barra de concreto que sustenta uma das tabelas de basquete de uma das novíssimas e bonitas quadras poliesportivas, barra esta que fica quase que na posição de um goleiro em uma das traves ali instaladas. Estava o poste a poucos centímetros da linha de fundo.

Estava, pois veio a solução nesta quinta. As traves foram retiradas. Ou seja, o basquete ganhou a queda de braço na quadra nova. A prefeitura se manifestou por nota sobre o ocorrido. Cabe lembrar que o parque foi inaugurado na segunda-feira, 6.

Claro que o episódio ganha o Brasil e o Mundo. Até o jornalista esportivo Milton Neves, famoso por suas sacadas, não deixou escapar a insólita situação em sua movimentada conta no microblog Twitter. Ele postou a foto citando que Criciúma está em grande fase, revelando goleiros. A piada é válida, já que parte de um colega que muito prestigiou o Tigre, até assistindo jogos no Majestoso.

Que fase!!

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 09/01/2020 - 18:08Atualizado em 09/01/2020 - 18:12

Foi notícia na tarde desta quinta-feira, 9, no 4oito, a situação da Rodovia João Cirimbelli, que tem cerca de dois quilômetros entre Morro Estevão e Sangão. Nessa estrada, esburacada e empoeirada, uma caçamba da prefeitura caiu em um buraco, fazendo reforçar a preocupação com um trecho que expõe e muito seus moradores.

Procurada para se manifestar a respeito, a prefeitura de Criciúma emitiu uma nota, cujo conteúdo foi repassado pela Secretaria de Infraestrutura à Diretoria de Comunicação. Confira:

A Prefeitura de Criciúma esclarece que os problemas que ocasionaram o acidente com um veículo do município, na Rodovia João Cirimbelli, em Morro Estevão, serão resolvidos o mais breve possível.  Salienta ainda que a manutenção da via já está prevista no cronograma da Secretaria de Infraestrutura, Planejamento e Mobilidade Urbana.

Na véspera, nesta quarta, já havia sido por nota o comunicado do município sobre o caso do poste debaixo de uma das goleiras de uma das quadras do Parque Centenário Altair Guidi. O problema já foi resolvido.

E na onda das notas, foi assim que a Secretaria de Estado da Infraestrutura se comunicou nesta quinta sobre a Serra do Rio do Rastro. Ocorre que mais um deslizamento de pedras foi registrado por lá, e fica no ar a preocupação sobre a manutenção das encostas, que estão por passar por obras de contenção. Diz a nota do Estado:

A obra de contenção dos 25 pontos críticos na Serra do Rio do Rastro é um Regime Diferenciado de Contratação Integrado (RDCI), a empresa vencedora da licitação é responsável por executar tanto o projeto quanto a obra. A previsão da Secretaria de Estado da infraestrutura e Mobilidade (SIE) é que a ordem de serviço para elaboração do projeto seja assinada ainda na primeira quinzena de janeiro.

E vamos de nota em nota para informar nossos ouvintes e leitores a respeito de respostas que, em outros tempos, vinham na ponta da língua dos gestores. É uma frieza burocrática que, infelizmente, distancia o poder público de seu grande patrão, o povo.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 08/01/2020 - 14:10Atualizado em 08/01/2020 - 14:16

A bancada do PSD na Câmara de Criciúma não participará da eleição para a presidência do Legislativo logo mais. Os vereadores Zairo Casagrande, Salésio Lima e Camila do Nascimento irão registrar presença e posteriormente ausentar-se do plenário, abstendo-se de votar no pleito que confirmará a eleição do vereador Tita Beloli (MDB) para a presidência do legislativo neste ano. 

Ocorre que a bancada do PSD reclama do que chama de 'interferência do Executivo no Legislativo'. Conforme o vereador Zairo Casagrande, o prefeito Clésio Salvaro "se meteu demais no processo, virando votos que eram do grupo dos oito em prol do grupo dos nove, para garantir a vitória de Tita Beloli". Nos cálculos de Zairo, se esses três votos do PSDB não tivessem sido convertidos, os de Arleu Silveira, Geovana Benedet Zanette e Moacir Dajori, o novo presidente da Câmara seria ou Dailto Feuser (PSDB) ou Salésio Lima (PSD).

Logo, na conclusão do PSD, Zairo coloca que Salvaro deixou de ter presidente da Câmara um vereador do PSDB ou do PSD por sua decisão e por sua interferência. O vereador ainda afirma que o voto conjunto do PSD contra o Paço em matérias recentes não é obra do acaso e sim "muito mais do que um raio, é um relâmpago político. O PSD está por sua bancada na Câmara, avisando a cúpula do partido que não concorda com os rumos que o PSD está tomando na eleição majoritária em nível municipal", coloca.

Trocando em miúdos, os vereadores do PSD questionam se é correta a indicação de Ricardo Fabris para ser vice-prefeito na chapa encabeçada por Clésio Salvaro. A ausência o PSD deve ser os únicos votos com os quais Tita Beloli não contará. Os demais 14 vereadores devem votar com ele, inclusive Júlio Kamisnki (PSDB), que tem sido um vereador independente na sua atuação, a exemplo de Ademir Honoratto (MDB). Esses dois estão em vias de mudar de partido. Os demais parlamentares devem confirmar o voto em Tita. 

A sessão extraordinária começa às 20h. Na chapa inscrita ontem no fim da tarde, o futuro vice-presidente Aldinei Poteleck (Republicanos), primeiro secretário Paulo Ferrarezzi (MDB) e segundo secretário Edson Paiol (PP). A sessão será presidida por Arleu da Silveira (PSDB), por ser o vereador mais votado na última eleição e assume o comando da casa após a renúncia da presidência do vereador Miri Dagostim (PP). 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 08/01/2020 - 09:10Atualizado em 08/01/2020 - 09:21

O secretário da Casa Civil do governo Carlos Moisés, Douglas Borba, cumpre agenda política nesta quarta-feira, 8, em Criciúma. Na qualidade de secretário-geral do PSL em Santa Catarina, Borba antecipou faz poucos minutos, na Rádio Som Maior, que estará ainda nesta manhã convidando o ex-deputado federal Jorge Boeira (PP) para ser candidato a prefeito pelo PSL.

"Vamos nos reunir e já antecipo aqui que sim, o PSL vai ter candidato a prefeito em Criciúma e nossa intenção é contar com o ex-deputado Boeira nessa. Além de amigo pessoal, ele tem perfil semelhante ao do governador, é um homem equilibrado, de boas ideias e realizações, será um grande reforço para o PSL se aceitar o nosso convite", disse o secretário.

Para Borba, o PSL não pode ficar sem candidato a prefeito em Criciúma. "É uma cidade emblemática, a maior entre Florianópolis e Porto Alegre, e o partido do governador tem que estar representado. Temos pesquisas que apontam que o governo Carlos Moisés tem 69% de aprovação do eleitor criciumense, por isso o nosso projeto terá que estar representado na eleição", sublinhou.

Douglas Borba com os deputados Minotto e Vampiro hoje, na Som Maior / Foto: Paulo Monteiro / 4oito

Duas constatações práticas dessa fala, uma que já saltava aos olhos e outra que é consequência: saltava aos olhos que o PSL estaria distante do projeto de reeleição do prefeito Clésio Salvaro (PSDB), tanto que a relação nada próxima entre ele e Carlos Moisés não é escondida por Douglas Borba. "É uma relação institucional e não pessoal", disse, quando questionado sobre Criciúma e o seu atual prefeito. Outra conclusão é que o deputado Rodrigo Minotto (PDT) que aspira ser candidato a prefeito com apoio do PSL, não poderá contar com esse aval. "O Minotto tem feito um grande trabalho de parceria com o governador na Alesc, é um fiel aliado, tem apoiado os projetos e respeitamos seu desejo de concorrer, mas o PSL precisa ter candidato em Criciúma", ressaltou.

Além de Minotto, Douglas Borba foi acompanhado, nesta visita à Som Maior, pelo deputado Luiz Fernando Vampiro (MDB) que descartou totalmente a hipótese de concorrer a prefeito. "Eu quis ser candidato em 2012 mas na ocasião o partido entendeu que era a hora da Romanna Remor, agora não tenho essa intenção. Mas o partido está conversando para construir uma candidatura", ressaltou. O coordenador regional do PSL, Rangel Loch, também acompanha Douglas Borba na agenda em Criciúma. Ele poderá ser o candidato do PSL a prefeito de Forquilhinha em outubro.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 07/01/2020 - 18:41Atualizado em 07/01/2020 - 18:43

O vereador Tita Beloli (MDB) inscreveu, no fim da tarde desta terça-feira, 7, a sua chapa para concorrer à presidência da Câmara. Com ele como candidato na cabeça, estão inscritos os vereadores Aldinei Potelecki (Republicanos), como vice-presidente, o primeiro secretário Paulo Ferrarezi (MDB) e o segundo secretário Edson Paiol (PP).

Tita será candidato único, já que conta com o apoio do grupo dos nove, que sustentou as eleições anteriores de Julio Colombo (PSB) e Miri Dagostim (PP) na atual legislatura, e tem ainda o aval de parte da bancada do PSDB.

A eleição vai ocorrer em sessão extraordinária nesta quarta-feira, a partir das 20h, que terá a presidência de Arleu da Silveira (PSDB). Ele assumiu a cadeira nesta terça, após a renúncia de Miri Dagostim, na condição de vereador mais votado na eleição de 2016.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 07/01/2020 - 17:27Atualizado em 07/01/2020 - 17:29

Em mais um ajuste no cronograma, está remarcada para esta quarta-feira, 8, às 20h, a sessão extraordinária que vai eleger a nova mesa diretora da Câmara. Cerca de meia hora antes da sessão desta terça o vereador Tita Beloli (MDB), candidato único à sucessão de Miri Dagostim (PP) na presidência, havia informado sobre um acordo para realizar a eleição na quinta-feira, 9, por conta de um prazo regimental de 48 horas a ser respeitado. Mas o novo acordo está anunciado.

As chapas devem ser inscritas até as 19h desta terça. Tita já conta com o vice-presidente Aldinei Potelecki (Republicanos) e o primeiro secretário Paulo Ferrarezi (MDB), faltando o segundo secretário. Os nomes cotados são Edson Paiol e Miri Dagostim (PP). Tita tem o apoio do grupo dos nove e de parte da bancada do PSDB.

Cumprindo o acordado, Miri renunciou à presidência logo no início da sessão desta terça. Foi chamado e conduzirá a Câmara nesta e na próxima extraordinária, a desta quarta, o vereador Arleu da Silveira (PSDB), na qualidade de vereador mais votado da última eleição. Não haverá chapa de oposição à de Tita Beloli.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 07/01/2020 - 16:52Atualizado em 07/01/2020 - 16:55

Em 9 de julho de 2016 a tocha olímpica visitou Criciúma. Em um revezamento, ela passou de mão em mão como parte da programação de envolvimento do Brasil e dos brasileiros com os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Na ocasião, uma placa foi confeccionada e resultou em denúncia. O Ministério Público (MP-SC) investigou e indicou por punição ao prefeito Márcio Búrigo (PP) ao presidente da Fundação Municipal de Esportes (FME), Renato Valvassori. A denúncia era de campanha eleitoral antecipada, já que os nomes de Márcio e Valvassori constavam na placa. Eles racharam o pagamento de uma multa de R$ 9,2 mil.

O assunto voltou à memória política nesta terça-feira, 7, quando do compartilhamento de uma foto de Valvassori ao lado do deputado federal Ricardo Guidi (PSD) em frente à placa de inauguração do Parque Centenário Altair Guidi, descerrada nesta segunda-feira, 6. O ex-presidente da FME é, atualmente, assessor do parlamentar.

Valvassori e Ricardo Guidi ontem, diante da placa do parque

Muitos lembraram do ocorrido com Valvassori e o ex-prefeito Márcio em 2016, levantando a pergunta: e a placa de agora - ela é bem grande, por sinal - é passível de denúncia e punição ao prefeito Clésio Salvaro e aos demais citados na mesma? Trata-se de uma boa discussão sobre limites que os anos eleitorais colocam aos que pretendem concorrer. Cabe lembrar que 2016 era ano eleitoral, Márcio foi candidato e perdeu para Salvaro, que agora tentará um novo mandato. Márcio anda fora do circuito, já nem pertence mais ao PP e aspira uma candidatura a deputado estadual pelo PL em 2022. Valvassori nem concorreu naquela eleição.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 07/01/2020 - 16:36Atualizado em 07/01/2020 - 16:42

Não será mais nesta terça-feira, 7, a eleição para a presidência da Câmara. Ficou para quinta-feira, 9. Acontece que o regimento interno do Legislativo exige 48 horas entre a inscrição de chapas e a realização do pleito. O vereador Tita Beloli (MDB), que será candidato único, inscreve ainda hoje a sua chapa, que não está 100% definida. Estão definidos o vice-presidente Aldinei Potelecki (Republicanos) e o primeiro secretário, Paulo Ferrarezi (MDB). Falta definir o segundo secretário. Os dois vereadores do PP, Miri Dagostim e Edson Paiol, estão entre os pretendentes à vaga.

Nesta terça, o vereador Miri Dagostim abre os trabalhos como presidente e apresenta a sua renúncia da função. De pronto, assume o vereador mais votado da última eleição, Arleu da Silveira (PSDB). Ele preside a sessão desta terça, que contará com a votação de quatro projetos, e a ele caberá encaminhar a eleição da nova mesa diretora.

Tita conta, além do grupo dos nove, com o apoio de parte da bancada do PSDB, por orientação do prefeito Clésio Salvaro (PSDB). Isso acabou minimizando a possibilidade de uma chapa alternativa, que era articulada pelo vereador Salésio Lima (PSD).

Logo, a sessão desta terça, a partir das 17h, vai se limitar a votar os quatro projetos que estão na pauta. Dois deles tratam do Criciumaprev, um é sobre uma permuta de área entre a prefeitura e uma empresa e outro trata sobre o novo abrigo de menores do município.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 07/01/2020 - 09:51Atualizado em 07/01/2020 - 10:00

Era meio de tarde desta segunda-feira, 6. No clima da inauguração do Parque Centenário Altair Guidi, fomos até aquele prédio que já abrigou, por anos, o Ministério Público do Trabalho (MPT), para ver a quantas andava a estrutura que acolherá a Câmara de Vereadores. E foi um misto de decepção e entusiasmo. Decepção pelo estado de abandono em que encontrava-se esse patrimônio da União, que de sede de um braço do Judiciário tornou-se abrigo para moradores de rua e baderneiros. Mas entusiasmo pois está evidente que, pela estrutura arquitetônica, torna-se um lugar apropriado para bem receber o Legislativo criciumense.

Fotos: Denis Luciano / 4oito

Primeiro nos deparamos com o tapume que circunda todo o prédio, que dá suas costas para o Paço e tem a dianteira voltada para a Rua Palestina. Pela pequena abertura entre as tábuas, encontramos um pátio imundo. De garrafas plásticas a restos de comida, passando por lixo de toda a ordem até preservativos masculinos usados atirados no chão, a primeira impressão é das piores. Três pilares carcomidos dão a certeza de que o abandono mora ali.

Visual do pátio da futura sede da Câmara

Não há um vidro sequer no lugar. Nem portas. Muito menos tomadas ou fios. Toda a instalação elétrica foi arrancada, certamente porque no interior dos fios há o cobre que usuários utilizam para trocar por drogas. Há sinais evidentes, e muitos atuais, de que aquele andar térreo, com piso irregular, tábuas por toda a parte e uma espessa camada de poeira é utilizado como moradia.

As paredes estão pichadas. Muito pichadas. De frases vagas a pesados recados que podem ser associados a facções criminosas, passando por pensamentos e até um pouco de auto ajuda, encontra-se de tudo. Até um pouco de grafite há em algumas paredes, uma tentativa de arte em um espaço que impacta pelo estado atual.

No térreo há o visual de um hall, com portas pantográficas em dois pontos - uma voltada para o parque, outra para a Rua Palestina - e salas, várias salas. Dezenas delas. De menores a maiores, a carcaça de prédio que restou do abandono vende a certeza de que, feitos os investimentos necessários, o local ficará muito adequado à nova missão que cumprirá.

Por uma escadaria de três lances se alcança o andar superior, que começa com um largo salão cercado por algumas salas menores. Um observador menos atento ficaria crente de que tudo aquilo seria suficiente para abrigar a Câmara inteira, mas não será.

O setor administrativo ficará nesse prédio atual, a ser recuperado. Um anexo será construído, com três pavimentos, para abrigar plenário, plenarinho e os gabinetes dos 17 vereadores. E serão 17 mesmo, sem qualquer previsão de acréscimo futuro de número de cadeiras na Câmara.

Havia a intenção inicial de, no mesmo anexo, construir-se um estacionamento subterrâneo, já que defronte ao prédio há um pequeno local com vagas para carros. Mas garante o presidente Miri Dagostim (PP) - em seu último dia à frente da Câmara - que serão mais de 200 vagas disponíveis, levando em conta os espaços pertencentes ao Parque Centenário que estão próximos dali.

Em uma tentativa de acelerar a transferência da Câmara para 2020 ainda, é estudado o projeto de já abrigar os setores possíveis no prédio a ser reformado a partir de hoje - sim, a reforma começa nesta terça-feira, 7 - e alugar salas no Centro Executivo Forense, próximo dali, do outro lado da rua, para receber os gabinetes dos vereadores, desocupando assim as salas do Centro Profissional, no Centro, que serão utilizadas na transação para pagar a conta da construção da nova sede.

Essas grades restaram em algumas janelas do prédio
Mais um local pichado e sem porta. Não restaram portas no prédio
O visual de uma janela do segundo piso na tarde passada
Um dos muitos sinais de que o prédio vem sendo utilizado por moradores de rua
Mais sujeira
Outras paredes pichadas
A escada que leva ao piso superior
Essa foi a recepção do antigo MPT
Tem até uma churrasqueira no prédio
Outra sala, das grandes, com grade na janela
Tem até roupa íntima no chão
Nada restou da instalação elétrica
Mais pichação

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 06/01/2020 - 17:03Atualizado em 06/01/2020 - 17:11

"A maioria dos moradores  da Praça do Congresso conhece o Central Park, em Nova York". Com esse comentário, o prefeito Clésio Salvaro defende o cercamento da Praça do Congresso como próximo projeto envolvendo parques na cidade. Nesta segunda-feira, 6, Salvaro entrega as obras do Parque Centenário Altair Guidi, que ele considera "90% prontas em relação ao projeto original".

"Queremos uma solução para a Praça do Congresso, para dar mais segurança, e os parques cercados são muito mais seguros, isso está provado. É o que defendemos", destacou Salvaro, em entrevista ao blog.

"Já buscamos dialogar com a comunidade sobre essa alternativa, mas ainda não há consenso. Queremos uma Praça do Congresso mais limpa, segura e organizada", finalizou.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 06/01/2020 - 16:51Atualizado em 06/01/2020 - 16:58

O prefeito Clésio Salvaro vai romper os contratos com as empresas que respondiam pelo cercamento e plantio de grama no Parque Centenário Altair Guidi, que está sendo reinaugurado nesta segunda-feira, 6.

Salvaro afirma que as empresas eram cientes do prazo fatal para a entrega das obras mas mesmo assim não conseguiram cumprir seus contratos.

"Vamos fazer cumprir o que está contratado. Eles tinham até o dia 6 para entregar o parque cercado e com grama, e não fizeram. Vamos romper" confirma.

Na noite deste domingo uma equipe trabalhava na colocação de grades, o que irritou o prefeito. Ainda há vãos na cerca. Quanto à grama, há pontos descobertos e outros revirados.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 03/01/2020 - 16:29Atualizado em 03/01/2020 - 16:30

Entra ano, sai ano e o Balneário Rincão convive com um "isolamento bancário". Ocorre que faltam agências para atendimentos de bancos no município, e isso desde muito antes da emancipação. A reclamação voltou à tona nesta sexta-feira, 3. 

"No Rincão temos somente dois caixas eletrônicos para saques, sem agências, salvo o Sicredi. Isso deve afastar turistas, com certeza". A observação é de Amarildo Cardoso, de Criciúma, que nos procurou preocupado com a situação. 

Já houve tratativas da atual administração com a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil. Entre as tentativas, a de instalação de uma agência lotérica no Bairro Pedreiras. Já há uma no Centro, além de caixas eletrônicos em supermercados no Centro e no Pedreiras. Mas é pouco, muito pouco perante a demanda da temporada, de um Rincão que salta dos seus costumeiros 12,5 mil habitantes para mais de 100 mil moradores entre os meses de veraneio.

A Caixa ainda não respondeu aos apelos da prefeitura, mas o Banco do Brasil informou que está fechando agências pelo país, o que torna ainda mais difícil o atendimento à demanda do Rincão. Ou seja, nem previsão para solucionar este velho incômodo.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 03/01/2020 - 15:54Atualizado em 03/01/2020 - 15:55

Logo na arrancada do segundo ano da gestão Carlos Moisés, o governo entra na alça de mira do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina. O Sinte-SC espalhou em Florianópolis e São José diversos outdoors nos quais ataca o governador, citando arrocho salarial e a reforma da previdência estadual, colocada com um ataque ao magistério. Moisés é criticado, também, por não cumprir o piso da classe.

Confira, abaixo, a postagem que o Sinte-SC fez nas redes sociais anunciando o seu protesto:

Reforma e arrocho aos servidores para pagar o salário do Governador, este foi o tema da campanha de outdoors que o SINTE-SC afixou em importantes pontos da capital e São José.
Em tempo de alta temporada, não somente os catarinenses, mas os visitantes, vão conhecer a "nova velha política" implementada pelo comandante Moisés aos(as) trabalhadores (as).
Continuaremos denunciando, pois em fevereiro vem aí a Reforma da Previdência em SC e o magistério diz NÃO a mais esse ataque!
Moisés ainda continua FORA DA LEI com relação ao Piso Nacional do Magistério.
Fique atento as nossas redes, e acompanhe as ações do SINTE-SC em defesa dos trabalhadores em educação.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 02/01/2020 - 18:12Atualizado em 02/01/2020 - 18:13

O Podemos, antigo PTN, partido pelo qual o senador paranaense Álvaro Dias concorreu à presidência da República em 2018, está se reforçando em Santa Catarina. Robustecido com a adesão do ex-deputado federal Paulo Bornhausen e aliados seus que vão deixando o PSB, o Podemos poderá ter candidato a prefeito em Criciúma em 2020.

O colunista Upiara Boschi citou nesta quinta-feira, 2, no NSC Total, que entre os nomes que o Podemos mapeia para concorrer a prefeito em outubro está o do coronel Cosme Manique Barreto em Criciúma. O coronel vem dando sinais de que busca ocupar um espaço.

Embora demonstre afinidade com o deputado federal Daniel Freitas, a quem apoiou em 2018, o vereador Julio Kaminski, ainda filiado ao PSDB, tem atuado também de olho na montagem do Podemos, que pode ser seu abrigo em 2020 no projeto que tem, de também disputar a prefeitura. Mas ao que tudo indica, Kaminski deverá encontrar abrigo no DEM. Já conversou com lideranças nacionais do partido em Brasília.

Com o coronel Cosme e sem Kaminski, o Podemos poderia ainda alinhar com o prefeito Clésio Salvaro (PSDB). Há quem especule a chance de o partido tentar indicar o vice, mas há de se levar em conta que o PSD está fechado com Salvaro, e conta com a vaga para a manutenção de Ricardo Fabris na chapa.

Coronel Cosme pode ser candidato a prefeito de Criciúma pelo Podemos

Ainda com Cosme, há um discurso afinado ao do presidente Jair Bolsonaro, em cuja onda o comandante da 6a Região Policial Militar poderia tentar surfar. O coronel concede entrevistas ácidas, polêmicas, ataca a esquerda com veemência e tem sido bastante frequente na mídia. Mais sinais claros de que quer criar um espaço político para uma possível candidatura. A mais recente dele foi uma postagem em um grupo de WhatsApp sobre consumo de drogas, em especial maconha, em locais onde se pratica skate.

Ele foi visto, faz algumas semanas, em um encontro de lideranças do Podemos em Blumenau, onde esteve Álvaro Dias e onde o partido pretende um grande trunfo para esse ano, filiar o prefeito Mário Hildebrant, mais um ex-PSB.

As articulações do Podemos passam ainda por Florianópolis, Joinville, São José e Lages, além de tentar filiar o prefeito Fabrício de Oliveira, de Balneárioo Camboriú, mais um afinado ao grupo de Paulo Bornhausen.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 02/01/2020 - 17:23

Um ato às 10h30min desta sexta-feira, 3, formaliza a entrega pela Câmara para a Prefeitura de R$ 7,7 milhões em recursos. São as sobras do chamado duodécimo, o montante legal que o Legislativo recebe anualmente do Executivo para o custeio das suas despesas, soma que equivale a 5% do orçamento municipal. A devolução será feita pelo vereador Miri Dagostim (PP) para o prefeito Clésio Salvaro (PSDB).

Será o penúltimo gesto prático e público de Dagostim enquanto presidente da Câmara. É que ele convoca para o dia 7 uma sessão extraordinária na qual serão votados alguns projetos e, também, haverá a eleição da nova Mesa Diretora da Câmara, cuja formação está encaminhada. O vereador Tita Beloli (MDB) lançará oficialmente seu nome, com o vice-presidente Aldinei Potelecki (Republicanos) e o primeiro secretário Paulo Ferrarezi (MDB), faltando definir o segundo secretário. O arco de apoiadores é amplo: conta com o grupo dos nove (os 4 do MDB, mais os 2 do PP e um voto de PSC, PSB e Republicanos, além do apoio do PSDB, que será o fiel da balança). 

Ainda sobre o duodécimo, o vereador Miri havia dado detalhes da devolução em entrevista a nós na Som Maior no dia 27. Confirmou os R$ 7,7 milhões de devolução mas tangenciou quando questionado se essa sobra não seria a prova de que o repasse é grande e poderia diminuir, dentro do que reivindicam Observatório Social e ForCri, que encaminharam um documento recente sugerindo o corte pela metade da transferência de recursos do Executivo para o Legislativo.

Confira também - Legislativo devolve R$ 7,7 milhões ao Executivo

Miri não vê, também, necessidade de cortes de gastos na Câmara em relação a assessores. Atualmente são 33, dois por vereador à exceção de Zairo Casagrande (PSD), que conta com um assessor. Mas reconhece que há problemas com as aposentadorias, que precisam ser equacionados. Contou que, faz pouco, o contador do Legislativo aposentou-se com salário superior a R$ 25 mil, e que a reforma da previdência servirá para corrigir acúmulos que levam a vencimentos como este, que contam com amparo legal, embora a exorbitância dos valores.

E o ato desta sexta tem outro simbolismo. Se o PP não tiver candidato a prefeito mas Miri continuar no partido, ele é apoiador de primeira hora para que a sigla entre na coligação de reeleição do prefeito Salvaro. Mas antes disso Miri garante que gostaria de ver o ex-deputado Jorge Boeira candidato, daí sim ele fica com a majoritária do PP. E, de mais a mais, o vereador já apontou para a possibilidade de mudar de partido. Mas há o PP do vereador Paiol, que não afina com o Paço e exerceu um papel de oposição em relação a Salvaro em várias oposições. Mais problemas à vista para os progressistas de Criciúma.

Abaixo, a recuperação da entrevista que fizemos com o vereador Miri, com um balanço da sua gestão na presidência da Câmara.

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 30/12/2019 - 10:15

Aninha Scarpato (PSD) deve mesmo ser a candidata de Ademir Magagnin (PP) na eleição de outubro em Cocal do Sul. O prefeito, que vem de dois mandatos e usufruindo de boa aceitação, vai apostar na sua vice-prefeita. Mas tem um porém. O PSD em Cocal do Sul ainda tem pouca expressão, por isso há algumas investidas para que Aninha transfira-se para o PP, com pessedistas e o PDT na coligação. Enquanto isso, o MDB deve voltar a lançar suas fichas no ex-gerente regional de Saúde, Fernando de Faveri. 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 30/12/2019 - 09:13Atualizado em 30/12/2019 - 09:14

Houve várias concordâncias – e algumas discordâncias – sobre a reflexão aqui feita na semana passada a respeito da maior concorrência para 2020 na eleição de Criciúma: não é por qualquer cabeça de chapa de outro partido que não o PSDB, mas sim pela condição de vice de Clésio Salvaro. Nos bastidores já é a mais acirrada disputa colocada, já que os demais, fora os tucanos e aliados, apegam-se em seus poucos nomes para tentar compor uma concorrência ao atual prefeito.

O vice de Clésio Salvaro será o atual. Ricardo Fabris (PSD) vai à reeleição. A garantia foi dada pelo líder maior dos pessedistas em Santa Catarina, o deputado estadual Júlio Garcia. O presidente da Alesc esteve entre as várias lideranças que no sábado passaram pelo Sambão do Adelor, a já tradicional festa de fim de ano que o nosso diretor da Som Maior, Adelor Lessa, promove no Balneário Arroio do Silva. Lá indagado por este interino, Júlio não titubeou: “pelo PSD, o vice do Clésio é o Ricardo Fabris. E ponto”.

O prefeito e Júlio têm um acordo: o apoio do PSD à reeleição de Salvaro passa pela manutenção de Ricardo Fabris na chapa. E a fina sintonia entre o prefeito e o vice ajudam a sustentar esse acordo. Não haverá dificuldades para Salvaro continuar atuando com um vice que ele não perde a chance de elogiar por sua discrição e fidelidade. Assim foi na semana passada, quando em entrevista à coluna, o prefeito reforçou a simpatia pelo vice.

A experiência de Júlio Garcia aponta para outra clara situação: Salvaro não tem outras alternativas mais viáveis, que robustecessem mais a sua chapa, para concorrer em 2020. É com esse entendimento que o ocorrido na semana passada – os três votos contrários do PSD à reforma da previdência promovida por Salvaro – perde força diante da composição majoritária que vem aí. Até porque o olhar de Júlio e de Ricardo Fabris pode estar também – e é legítimo – lá em 2022, quando Salvaro buscar a eleição estadual e o PSD tiver o caminho aberto para assumir a prefeitura de Criciúma.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13