Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
Denis Luciano
Por Denis Luciano 23/01/2020 - 16:37Atualizado em 23/01/2020 - 16:46

Uma situação no mínimo curiosa foi protagonizada pelo deputado estadual Jessé Lopes (PSL) via redes sociais. Mais uma, na verdade. Em postagem no Twitter, ele defendeu o fim da Secretaria Especial da Cultura, ao comentar a posse da atriz Regina Duarte na função, convidada que foi pelo presidente Jair Bolsonaro. Na postagem, o deputado catarinense sugeriu que a cultura deve ser promovida com recursos da iniciativa privada.

O detalhe interessante da fala do parlamentar é que o seu pai, Júlio Lopes, está sendo, pela quarta vez, presidente da Fundação Cultural de Criciúma (FCC). Ele já exerceu a função em governos anteriores de Eduardo Moreira (MDB), Clésio Salvaro (PSDB) e Márcio Búrigo (então no PP, hoje PL). A bem da verdade, Júlio tem pautado sua atual gestão com pouquíssimo recurso público e busca de parcerias privadas para promover eventos.

No último sábado, em entrevista à Rádio Som Maior, o criciumense Frank dos Passos - o Nego Frank, conhecido do universo do hip hop - reclamou dos repasses do município de Criciúma à cultura. Frank, que é integrante do Conselho Estadual de Cultura, informou que do orçamento de R$ 260 mil, estavam sendo repassados somente R$ 130 mil, o que representa "um investimento diminuto em algo tão importante quanto a cultura", reclamou.

Voltando à postagem de Jessé, ele defendeu o fim da mesma pasta que em Criciúma é tocada por seu pai. Mas o prefeito Salvaro não demonstra qualquer intenção de acabar com a FCC.

Jessé tratando de cultura no Twitter / Reprodução

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 21/01/2020 - 08:59Atualizado em 21/01/2020 - 09:01

Para quem apostava em vida mansa para o prefeito Jairo Custódio (MDB) na busca da reeleição no Balneário Rincão, há quem garanta que não será bem assim. Um frentão de oposição vem sendo organizado por algumas lideranças, reunindo partidos alijados do poder e líderes que, com pouco espaço, teriam se afastado da órbita do Executivo. O vereador João Picollo (PT) não nega a existência desse movimento, que centraliza suas forças em dois nomes: um petista, ainda não definido, e o do ex-vereador Charles da Rosa, hoje suplente. Charles era do MDB e migrou para o PSDB. Logo, essa composição para servir de contraponto ao prefeito poderá reunir tucanos e petistas no mesmo palanque, e outros. Picollo garante que “não são poucos os descontentes com o prefeito”, e assegura que “muito do que se vê é mais pelo visual da cidade e menos pelo que está acontecendo na cidade”. Jairo tem trunfos: fez a Avenida Beira Mar e movimentou a economia do balneário, mas Picollo rebate que “isso só está ocorrendo pois, no governo do PT, o Rincão foi planejado, houve o Projeto Orla e a criação de todas as leis necessárias”. Para quem esperava um plebiscito no Rincão, a oposição garante que não será bem assim.

Nas contas

O vereador Picollo agarra-se em outra bandeira para colocar pontos de interrogação no caminho de Jairo Custódio. O petista lembra que o prefeito terá dificuldades para aprovar suas contas de 2018 no Tribunal de Contas do Estado (TCE). Ele afirma que a gestão investiu R$ 730 mil a menos do que deveria em educação. Picollo antecipa, assim, outro aspecto que a oposição pensa em explorar na campanha que vem aí.

Vereador João Picollo, do PT, na oposição ao prefeito Jairo no Rincão / Foto: Luana Mazzuchello / 4oito

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 20/01/2020 - 11:19Atualizado em 20/01/2020 - 11:23

O protesto é bem humorado, mas a razão é muito séria. Um buraco da Rua Mário da Cunha Carneiro, no Bairro Pio Corrêa, está coberto por um cone. Bem no centro da pista. Nele, um cartaz improvisado avisa: "Rodovia Criciúma - Tókio: início das obras".

Acontece que o cone ajuda a disfarçar o sério problema que ali se esconde. O asfalto está oco. Espiando por ali, você observa o subsolo corroído pela erosão e uma superfície perigosa, cuja extensão do buraco não está no alcance pleno dos olhos. Pode ser imensa a cratera que, mesmo mediana, aponta para o risco de engolir a rua.

Foto: Denis Luciano / 4oito

"É que esse buraco leva de Criciúma a Tóquio", brincou um cidadão que ali passava ao nos ver, sem disfarçar a preocupação. 

O obstetra aposentado Júlio Manfredini passava por ali quando fizemos o flagrante, faz pouco, e conferiu de perto. "Perigoso isso afundar e um carro cair ali", confirmou.

Sem brincadeira, o risco é grande. A rua, pequena, liga em mão única o entorno do Colégio Marista à Rua João Cechinel. É uma região movimentada e repleta de prédios, residencial. A prefeitura precisa agir, logo.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 20/01/2020 - 09:19Atualizado em 20/01/2020 - 09:24

"E os terrenos no Rincão? O terreno da minha mãe vira depósito de lixo, com restos de construções, folhas, galhos de árvores, dá de tudo. Depois, recebemos notificação da prefeitura para limpar, inclusive com multa". O desabafo do médico Luís Augusto Borba, na manhã desta segunda-feira, 20, chama a atenção para um problema recorrente do Balneário Rincão: o abandono de lixo em terrenos baldios.

Uma TV abandonada no Acesso Sul / Fotos: Denis Luciano / 4oito

Caso recente, e que está exposto para quem quiser ver, encontra-se em uma das margens do Acesso Sul. Quem passa o Bali Hai, pouco adiante da placa que indica o limite entre Içara e Rincão, à esquerda de quem vai para a praia, há uma clareira imunda. Nela, montanhas de entulhos dos mais diversos, restos de móveis, pedaços de armários (e armários inteiros). E repousam ainda sofás e poltronas velhas e até o que já foi um aparelho de TV. Daquelas grandes, pesadas, de tudo. Uma verdadeira vergonha.

E tem sofás e poltronas também...

Em tempos de campanhas de consciência ambiental, os imundos que isso fazem são de uma conduta deplorável. Seria muito bom identificar e punir exemplarmente. A simplória constatação de que não há locais adequados para esse descarte já justifica o espírito dessa gente. Óbvio que o poder público precisa assumir a função de estruturar pontos de apoio para tais coletas, mas isso jamais justifica a criminosa atitude de descartar seja onde for. Isso é coisa de irresponsável. E um péssimo visual em um dos acessos ao Rincão, em tempos de resgate e crescimento da praia. Condenável.

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 17/01/2020 - 18:07Atualizado em 17/01/2020 - 18:18

A Federação Catarinense dos Municípios (Fecam) está convocando os prefeitos da Amrec, Amesc e Amurel para um ato na próxima terça-feira, 21, em Florianópolis.

Na ocasião, a Fecam vai apresentar detalhes da ação judicial que será movida contra a União para tentar suspender o edital da licitação das praças de pedágio marcada para o dia 21 de fevereiro.

A Fecam tem posição clara contra o edital nos moldes previstos, com quatro praças e valor sugerido de R$ 5,19. As praças serão instaladas em Laguna, Tubarão, Araranguá e São João do Sul.

Ainda no evento de terça, os prefeitos conhecerão detalhes de um grande estudo, detalhado, sobre o impacto da cobrança dos pedágios na economia regional. O presidente do Setransc, Lorisvaldo Piucco, vai participar citando os efeitos para os transportadores. Uma representação será levada pela Fecam ao TCU.

"Nosso pedido é para que a União respeite o que foi deliberado sobre os pedágios nas audiências públicas", assinala o presidente da Fecam, Joares Ponticelli.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 17/01/2020 - 16:21Atualizado em 17/01/2020 - 16:26

A advogada Júlia Zanatta, pré-candidata do PL à prefeitura de Criciúma, disparou contra o PSL em postagem em sua rede social nesta sexta-feira, 17. Júlia criticou o convite que o presidente estadual do PSL, Fábio Schiochet, fez ao ex-deputado federal Jorge Boeira (PP) para concorrer à prefeitura de Criciúma. Júlia fez uso de críticas que Boeira já fez ao presidente Jair Bolsonaro para dizer que "o PSL virou um aglomerado de traidores do Jair".

Cabe lembrar que Júlia estava no PSL, no qual fazia parte de uma lista de pré-candidatos à Câmara. Possui, não  é de hoje, estreita amizade com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), um dos filhos do presidente, tanto que o trouxe em novembro para uma palestra em Criciúma. Na ocasião, Júlia já estava fora do PSL e com outros planos. Daquele encontro, saiu pré-candidata a prefeita pelo PL, partido do senador Jorginho Mello, que ofereceu abrigo aos bolsonistas que deixaram o PSL rumo ao Aliança, o novo partido ainda em formação. Além de Júlia, o PL tem o advogado Jefferson Monteiro como pré-candidato a prefeito e, em recente reunião, foi definido que o melhor colocado até o prazo fatal para registro das candidaturas será o escolhido para concorrer.

De fato, Schiochet reuniu-se com Boeira nesta quinta e formalizou o convite do PSL. O ex-deputado está considerando a possibilidade. Ele tem reunião com a executiva estadual do PP na próxima segunda-feira, 20, em Florianópolis, já que os progressistas contam com Boeira para concorrer à majoritária em Criciúma. Abaixo, a crítica de Júlia Zanatta:

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 17/01/2020 - 09:58Atualizado em 17/01/2020 - 10:04

As próximas semanas prometem ser agitadas para uma das mais fortes cooperativas de energia elétrica do sul de Santa Catarina. A Coopera, de Forquilhinha, terá eleições para renovar o seu Conselho de Administração. O pleito está marcado para 8 de fevereiro e conta com duas chapas: a do atual presidente Walmir Rampinelli, que buscará um segundo mandato, e a do empresário Odo d´Altoé, que confirmou nesta quinta-feira, 16, o lançamento de um grupo alternativo.

Rampinelli centra o foco nessa eleição, dispensando o natural link com a disputa de outubro, à prefeitura e Câmara. É comum, em cidades onde as cooperativas são vigorosas e influentes - caso de Forquilhinha - esse envolvimento entre as duas eleições, com acordos políticos selados em uma valendo para a outra. Mas, ao menos nas evidências, não parece ser o caso agora. "Estou pensando somente na minha reeleição", garante.

Um dos trunfos do presidente é o peso dos investimentos realizados nos últimos anos. Em texto publicado ontem nas redes sociais, Rampinelli citou R$ 6,6 milhões empregados em 2016 na construção de alimentadores e trocas de religadores, bem como a substituição de postes de madeira por concreto, novos transformadores, cabos e ferragens. Em 2018, ele menciona a destinação de R$ 4 milhões para beneficiar 1,6 mil consumidores de Forquilhinha, melhorando a distribuição de energia ainda para Nova Veneza e parte de Criciúma.

Walmir Rampinelli busca segundo mandato. Será o último, se conseguir vitória, já que o estatuto não permite três mandatos consecutivos

Quando indagado sobre as principais conquistas do seu mandato, elenca a diversificação das atividades da Coopera. "Investimos em internet e na loja de materiais elétricos, e agora o nosso novo e grande projeto, de a Coopera ter uma PCH, está bem maduro", anuncia. A cooperativa investirá R$ 30 milhões, nos planos de Rampinelli - claro que dependendo do resultado da eleição - para contar com uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH), a ser construída em uma área mapeada entre os municípíos de São Joaquim e Painel, na região serrana. "Temos que primeiro comprar o projeto, depois indenizar a área e montar a PCH", refere. A região da Amrec foi descartada por falta de áreas com o relevo adequado para gerar energia. "Pensamos em fazer isso na Barragem do Rio São Bento, mas descartamos pois só seria viável se pudéssemos utilizar todo o volume de água, mas ali só poderíamos usar o excedente, da vazante, daí não é viável", explica.

A chapa de oposição não quer ser rotulada assim. O empresário Odo d´Altoé prefere colocar-se como o cabeça de uma "chapa alternativa". "Nossa chapa será composta por associados que não se sintam representados pelo atual presidente", defende. Odo ensaiou a candidatura desde o fim do ano passado. "Estamos aguardando o edital para terminar de montar a chapa", reforça.

Odo d´Altoé entra na disputa garantindo que lidera não uma chapa de oposição, mas uma chapa alternativa

O deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT), que é de Forquilhinha, apóia a candidatura de Odo. "Entendo que ele representa uma renovação importante para a cooperativa, seja nos moldes de gestão, seja na interação com a sociedade e os cooperados", disse, em entrevista à Rádio Som Maior nesta sexta-feira, 17. Minotto fez uma crítica à gestão do presidente Rampinelli citando o edital de convocação do pleito. "Colocaram como critério que o candidato tenha um curso específico em cooperativismo, isso tirou da disputa muitos empresários, muitas lideranças que poderiam contribuir e foram tolidos por uma regra dessa", critica.

Nomes postos, está aberta a temporada de pedido de votos entre os associados da Coopera.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 16/01/2020 - 17:59Atualizado em 16/01/2020 - 18:00

Veio à tona, em outubro de 2013, um processo que apurava possíveis irregularidades em cobranças do estacionamento da Festa das Etnias daquele ano, no Centro de Eventos José Ijair Conti. Recaía sobre o então presidente da Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma (ASTC), Giovanni Zappellini, e o à época superintendente da Guarda Municipal, Ricardo Strauss, denúncia de prática de crime de peculato. Os dois foram indiciados com mais quatro funcionários da autarquia, que hoje está extinta, deu lugar à Diretoria de Trânsito e Transportes (DTT). Hoje saiu a sentença da ação criminal, e o juiz do caso, Bruno Mackowiecky Salles, determinou pela absolvição.

O inquérito policial, aberto na ocasião pelo delegado Leandro Loreto, que nem atua mais em Criciúma, apurava possíveis desvios de recursos na arrecadação do estacionamento, que era gerenciado por Strauss. O processo criminal, agora encerrado, e o cível, cuja sentença havia sido tornada pública no ano passado, foram encerrados sem provas consistentes para condenações. Apenas no cível Strauss foi condenado a devolver R$ 600 ao erário. Ocorre que ele era o gestor e também trabalhava na coordenação do estacionamento naquela festa, e cada um dos servidores que exerciam essa função recebia R$ 100 por noite. Strauss efetuou o pagamento a todos, inclusive a ele - que havia trabalhado efetivamente - mas acabou pelo magistrado obrigado a devolver o recurso.

Com o encerramento do caso, por falta de provas, o juiz ordena, na sentença, a destruição dos comprovantes e tíquetes de estacionamento que encontravam-se arquivados, e o processo foi encerrado depois de sete anos.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 15/01/2020 - 17:42Atualizado em 15/01/2020 - 18:09

Agita os bastidores na tarde desta quarta-feira, 15, a informação de que o deputado federal Daniel Freitas (PSL) foi alvo de uma denúncia de violência doméstica. O caso ocorreu domingo e foi registrado pela esposa do parlamentar na delegacia de Polícia Civil do Balneário Rincão.

O blog buscou detalhes. A desavença teria começado, segundo fonte próxima às partes, entre Daniel e seu sogro. Eles teriam se desentendido por discussão política. Os ânimos se exaltaram e a esposa de Daniel teria interferido. 

Conversamos a pouco com o delegado Vitor Bianco Júnior, que está no Rincão estudando o caso. Ele não vai se manifestar enquanto não tiver mais detalhes. "Não podemos cometer injustiças", ponderou. O único depoimento tomado até o momento é o da denunciante, a esposa do deputado.

Daniel se encontra em Brasília e vai se manifestar por nota a qualquer momento.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 15/01/2020 - 10:20Atualizado em 15/01/2020 - 10:27

O prefeito Tiago Zilli (MDB) não vai à reeleição em Turvo. O próprio revelou a informação na manhã desta quarta-feira em entrevista ao apresentador Ninnomar Moro, na Rádio Imigrantes.

Zilli já havia determinado que hoje era o dia D, de noticiar a sua decisão. A revelação pegou os emedebistas de surpresa em Turvo. O vice Edson Piska pode ser uma opção. O ex-prefeito Ronaldo Carlessi, embora esteja fora do partido, será consultado e terá peso na decisão. Haverá quem tente convencê -lo a retornar ao MDB e concorrer, o que hoje é pouco provável. 

Do outro lado, o PP busca um candidato, mas ainda não há unanimidade. Logo, faltando pouco mais de oito meses o cenário está nebuloso na cidade.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 15/01/2020 - 09:36Atualizado em 15/01/2020 - 09:38

O ex-deputado federal Jorge Boeira (PP) segue sendo o nome pretendido pelo PSL para concorrer à prefeitura de Criciúma em outubro. Tanto que o deputado federal Fábio Schiochet, presidente estadual do PSL, estará na cidade nesta quinta-feira, 16, para se reunir com Boeira. "O PSL vai ter candidato a prefeito em Criciúma", ressaltou Schiochet em entrevista à Rádio Som Maior na manhã desta quarta, 15.

"Tenho vontade (de ter ele candidato). O secretário Douglas Borba já esteve falando com ele, eu me reúno com ele amanhã, é uma vontade nossa. O Boeira é um quadro que a gente simpatiza muito, uma pessoa que vem com a mesma linha do partido", ponderou o presidente. "Eu gostaria do Boeira no partido, e amanhã faço mais uma conversa com ele", destacou.

Será, na verdade, o primeiro contato direto entre o presidente estadual do PSL e Boeira. Na conversa anterior, provocada pelo secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, o ex-deputado "pediu um tempo para pensar". "Vai ser a primeira conversa que eu vou ter com ele, o secretário teve uma conversa antecipada. Mas imagino que o Boeira veja o governador com bons olhos, com mais de 70% de aprovação em Santa Catarina e está na hora de o Boeira voltar para o jogo, está fazendo falta", sublinhou Schiochet.

Não há, pelos cenários colocados, qualquer possibilidade de aproximação entre o PSL e a candidatura de Clésio Salvaro (PSDB) à reeleição em Criciúma. Isso fica claro pelo nítido distanciamento entre o prefeito e o governador Carlos Moisés (PSL). 

Fábio Schiochet, deputado federal e presidente estadual do PSL / Divulgação

Se não der certo com Boeira, o PSL já tem, conforme o presidente, plano B para Criciúma. "Muita coisa pode mudar, mas é momento de o PSL rever seus quadros e colocar na rua. Por isso a conversa com o Boeira, temos mais dois empresários na lista para oferecer uma opção à direita, ao gosto do eleitor. Caso não dê com o Boeira, temos esses dois empresários. Prefiro não citar nomes agora pois é um pouco precoce, o Boeira é a nossa preferência", revelou. Schiochet confirmou que os dois empresários mapeados para concorrer, caso Boeira não dê o sim ao partido, são pessoas de fora da política, que nunca concorreram a cargo eletivo.

O presidente estadual já percorre a região a partir da tarde desta quarta, passando por Laguna e chegando ainda hoje a Criciúma. Ele permanecerá até sábado no sul, mantendo reuniões para alinhar candidaturas do PSL. "O PSL vai ter candidatos a prefeito nas 30 maiores cidades de Santa Catarina. Essa é a minha função agora, temos até abril para filiações dos candidatos, vamos ter candidatos em Criciúma, Tubarão, Laguna, estamos estruturando um partido com vontade de fazer de 50 a 60 prefeitos, entre 120 e 150 vereadores na eleição de 2020", concluiu.

Na entrevista que fizemos com ele na Som Maior, o presidente estadual do PSL confirmou o risco de expulsão do deputado Jessé Lopes (PSL), reiteirou as críticas ao parlamentar publicadas em nota oficial pelo partido na tarde passada, criticou a denúncia de crime de responsabilidade que pode redundar no impeachmento do governador e projetou o futuro da sigla com a criação da Aliança. Confira no podcast:

Denis Luciano
Por Denis Luciano 14/01/2020 - 18:24Atualizado em 14/01/2020 - 18:43

A advogada Júlia Zanatta faz questão de manter seu nome nas listas de pré-candidatos à prefeitura de Criciúma. Saudada como tal no começo de novembro, quando da visita a Criciúma do deputado federal - e seu particular amigo - Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Júlia está sem filiação partidária, mas entende que segue no radar do senador Jorginho Mello (PL).

O PL filiou, recentemente, o advogado Jeferson Monteiro, egresso do MDB e que mudou de sigla convencido de que encontraria, no novo ninho, espaço para concorrer ao Paço, o que não vinha encontrando entre os emedebistas. Mas daí veio Eduardo Bolsonaro, veio o Teatro Elias Angeloni lotado saudando o filho do presidente da República e veio a empolgação de Júlia. A advogada, bolsonarista de primeira hora, é figura assídua entre o clã Bolsonaro e, claro, está com a ficha na mão para filiar-se à Aliança. Enquanto o novo partido não vem, Júlia vai buscar abrigo no partido que oferece espaço a isso em Santa Catarina, e em plena sintonia com Jair Bolsonaro: justamente o PL.

Com Jorginho Mello e Jair Bolsonaro, Júlia quer mesmo concorrer a prefeita em Criciúma

Júlia faz um trabalho forte de redes sociais, tem um discurso afiado e extremamente alinhado ao do presidente, e parece arrancar em vantagem entre os bolsonaristas criciumenses para representar o líder maior na campanha por aqui.

Com seu bebê recém nascido nos braços, Júlia vem conversando bastante, procurando interlocutores e reforçando que, faz algum tempo, sua intenção mudou de concorrer a uma cadeira na Câmara a brigar por espaço na acirrada disputa ao Paço, colocando-se entre os pretendentes para opor-se ao projeto de reeleição de Clésio Salvaro (PSDB).

Para tanto, Júlia precisará estar filiada ao PL até o começo de abril.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 14/01/2020 - 17:23Atualizado em 14/01/2020 - 17:30

O jornalista Leonel Camasão, que foi candidato a governador do Estado em 2018 pelo PSOL, apresentou hoje, à Assembleia Legislativa (Alesc), duas denúncias contra o deputado Jessé Lopes (PSL): uma por quebra de decoro parlamentar, encaminhada à Comissão de Ética e Decoro Parlamentar, e outra solicitando à Procuradoria Geral de Justiça abertura de inquérito para averiguar violações penais que eventualmente tenham sido cometidas.

Casamão referiu-se, na denúncia, à recente postagem do deputado Jessé que, em crítica à campanha "Não é Não" e aos movimentos feministas afirmou que "assédio massageia o ego". Após a publicação em suas redes sociais, no fim de semana, Jessé reafirmou os comentários nesta terça-feira, em entrevista à Rádio Som Maior.

Leonel Camasão hoje, na Alesc

Camasão expôs detalhes das suas denúncias contra Jessé na seguinte publicação feita há pouco:

JESSÉ VAI TER QUE RESPONDER POR SUAS DECLARAÇÕES. Na data de hoje, apresentamos duas denúncias contra o Deputado Jessé Lopes: uma por quebra de decoro parlamentar, entregue para a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Alesc. Outra, solicitando à Procuradoria Geral de Justiça (MPSC), com a urgência que o caso requer, a abertura de inquérito para a averiguação das violações penais cometidas pelo deputado. Nas denúncias, deixamos algumas coisas claras:
- Importunar e assediar sexualmente não é e nunca foi um direito dos homens, mas sim uma triste realidade com a qual as mulheres são obrigadas a conviver diariamente numa sociedade dominada por práticas machistas e misóginas.
- O corpo da mulher não é de domínio público e nem toda mulher sabe, ou deveria saber, lidar com assédio.
- A imunidade parlamentar e a liberdade de expressão não podem servir de subterfúgio à prática de crimes contra os direitos das mulheres. O deputado cometeu infração prevista pelo Código Penal. Com criminosos, aplica-se a lei penal.
- Assediadores e machistas não têm lado na política, pois representam apenas o que há de mais sórdido e fazem sofrer diariamente as muitas mulheres deste estado e deste país.
As mulheres não merecem nada que Jessé tenha pronunciado, infelizmente. O que as catarinenses merecem é uma representação política que garanta e efetive os seus direitos, em vez de combate-los.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 14/01/2020 - 16:58Atualizado em 14/01/2020 - 17:00

Craque do passado do Flamengo e da Seleção Brasileira, o ex-jogador Arthur Antunes Coimbra, o Zico, estará no sul do estado na próxima sexta-feira, 16. Zico vai palestrar em Jaguaruna para um grupo de 400 crianças do projeto Zico 10, iniciativa que tem o apoio da prefeitura, tanto que o convite para o evento está sendo distribuído pelo prefeito Edenilson da Costa. Zico é, atualmente, técnico do Kashima Antlers, do Japão.

Não é a primeira vez que o craque tem envolvimento com futebol no sul de Santa Catarina. Entre 2009 e 2011 manteve uma parceria com o Imbituba, que neste período disputou a primeira divisão do Campeonato Catarinense.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 14/01/2020 - 16:27Atualizado em 14/01/2020 - 16:35

Continua repercutindo a manifestação do deputado estadual Jessé Lopes (PSL), que via redes sociais, no fim de semana, criticou a campanha "Não é Não", do movimento feminista, ao dizer que "não sejamos hipócritas! Quem, seja homem ou mulher, não gosta de ser 'assediado(a)' Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude".

Em entrevista à Rádio Som Maior, nesta terça-feira, 14, o parlamentar reforçou essa e outras declarações. “Eu digo assediador no sentido de dar em cima e não no sentido de crime, em que a pessoa fica todos os dias em cima, assediando e incomodando quando uma mulher já deixou claro que não vai acontecer”, afirmou, ressaltando que "o assédio massageia o ego".

O Partido Social Liberal, ao qual Jessé segue filiado, lançou nota oficial na tarde desta terça condenando as declarações. Na nota, assinada pelo presidente estadual do partido, deputado federal Fábio Schiochet, as declarações são citadas como "machistas" e são referidos os dados de agressões contra mulheres no Brasil. "Diante disso, o PSL deixa claro que não compactua com as ideias do deputado", cita o documento. Jessé está rompido com o PSL e já definiu pela sua saída do partido. Ele apenas aguarda a organização da Aliança, partido do presidente Jair Bolsonaro, para oficializar a migração. Schiochet é do grupo do governador Carlos Moisés, opositor do segmento de Jessé e de outros parlamentares catarinenses que estão rompidos com a cúpula do PSL, entre os quais o federal Daniel Freitas. Confira, abaixo, a nota do PSL contra Jessé:

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 13/01/2020 - 17:53Atualizado em 13/01/2020 - 18:14

Está entregue à Assembleia Legislativa (Alesc) um pedido de impeachment do governador Carlos Moisés (PSL), da vice Daniela Reinehr (sem partido) e até o secretário de Estado da Administração, Jorge Tasca, é citado. Autor da denúncia, o defensor público Ralf Guimarães Zimmer Júnior refere "aumento de salários de procuradores do Estado... de forma administrativa, por meio sigiloso para impedir os órgãos de controle e a sociedade de fiscalizar a ululante ilegalidade".

Na denúncia, é mencionado ainda que o secretário Tasca "externou o ato ilícito" no momento em que deu "acordo com o conluio fraudulento" ao determinar o pagamento em folha de benefícios aos citados procuradores.

Ainda conforme o denunciante, a medida do governador contraria decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e gera um impacto de R$ 8 milhões aos cofres do Estado.

Ao justificar o pedido, Ralf Zimmer citou que o crime de responsabilidade do governador e da vice começa quando do envio do pacote de reforma administrativa à Alesc, em 2019. Houve uma emenda que propunha vincular o percentual dos vencimentos dos procuradores da Alesc aos ministros do STF. Houve o veto e, na leitura do denunciante, na ocasião o governador "cravou à sociedade e ao Parlamento que lhe representa que não teria dinheiro para honrar com a emenda proposta".

Dessa decisão, foi pinçada o que o autor da ação chama de "contraditório", já que meses depois o governador teria autorizado uma vinculação que ensejou reajuste aos procuradores, havendo um aumento da renda bruta dos procuradores de R$ 33 mil para R$ 38 mil, "pasmem, estendendo efeitos de decisões judiciais... que cabia a uma diminuta parcela de procuradores a todos os demais, que não lhes cabia".

Como efeito cascata, o autor da denúncia anexa, ainda, o pedido da Associação dos Procuradores de Santa Catarina para que os vinculados à Alesc tenham o mesmo benefício que os ligados ao gabinete do governador.

Até o contracheque dos procuradores do mês de setembro e o de outubro foram fixados na ação, para confirmar o salto nos valores.

O governo do Estado ainda não se manifestou sobre o pedido de impeachment. Mais detalhes em instantes no Ponto Final, na Rádio Som Maior.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 13/01/2020 - 15:51Atualizado em 13/01/2020 - 15:54

A briga continua. Depois da postagem do deputado Jessé Lopes (PSL), que criticou o movimento feminista pela campanha "Não é Não", o parlamentar voltou à carga na tarde desta segunda-feira, 13. Na publicação original, que deu origem ao embate, Jessé afirmou que "... quem, seja homem ou mulher, não gosta de ser “assediado (a)?? Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude". A campanha, do Coletivo Feminista de Santa Catarina, visa distribuir tatuagens provisórias entre mulheres durante o Carnaval para combater o assédio.

No começo da tarde, no Jornal do Almoço da NSC TV, a jornalista Laine Valgas levou ao ar contundente editorial rebatendo o deputado criciumense. Confira a transcrição abaixo:

Poder ser assediada não é um direito, é uma triste realidade com a qual as mulheres são obrigadas a conviver por conta do machismo que torna normal, rotineiro e até lisonjeiro coisas que constrangem as mulheres como o assédio ou a importunação sexual que, vamos repetir, não é um direito, um elogio, não massageia o ego nem satisfaz a vaidade da mulher, não. É crime, definido por lei, e caso não esteja claro, vamos dizer mais uma vez, inclui a realização de ato libidinoso de forma não consensual e também enquadra ações como beijo forçado ou passar as mãos no corpo alheio sem permissão

 

Nem toda mulher quer ser cantada na rua porque o corpo da mulher não é um domínio público. Nem toda mulher sabe lidar com o assédio.

 

Segundo pesquisa do Instituto Patrícia Galvão e Locomotiva, 97% das mulheres já passaram por situação de assédio no transporte coletivo no Brasil. As mulheres relataram que foram encoxadas, foram tocadas e receberam cantadas indesejadas, indesejadas eu disse deputado. Significa que elas não desejaram, queriam ou gostaram. E sobre essas coisas, a casa legislativa aqui de Santa Catarina, os deputados, como o senhor, podem e devem fazer algo

 

O discurso contra o assédio, a importunação, o machismo, não é papo de mulher frustrada e invejosa, supor que as mulheres querem ser assediadas na rua só mostra o quanto falta informação da realidade da violência de gênero no Brasil. No ano passado, em 2019, 50 mulheres foram assassinadas em Santa Catarina apenas por dizerem não aos companheiros e ex-companheiros, 59 mulheres que tiveram o direito mais fundamental previsto na nossa Constituição, o de garantia da vida, negado, pois esses companheiros e ex-companheiros não entenderam que não é não. E ainda tem pessoas que acham que mulheres têm mais direitos que homens.

Jessé apressou-se em responder. Postou, novamente na rede social, uma nova nota, desta vez de resposta à NSC:

O que se vê do movimento feminista na teoria é que mulheres querem os mesmos "direitos" dos homens. Mas em que são baseados os argumentos que, supostamente, os Homens teriam mais direitos? Certamente, nas capacidades hormonais, físicas e psíquicas do ser humano. Logo, isso não se enquadraria em "direitos”, mas em equivalências humanas. Dito isso, pode-se constatar então, que o movimento feminista luta por mais privilégios e não direitos. O feminismo, ao contrário do que muitos pensam, só tirou direitos das mulheres: deixou-as menos cuidadosas com a aparência e imbecilizou o comportamento. Ou seja, legalmente estão menos favorecidas, pois hoje, se uma mulher é deixada pelo marido, esse não tem mais a obrigação de honrar o compromisso assumido inicialmente com ela. Por isso sou contra o feminismo e qualquer outro tipo de movimento segregador.

 

Quando, de forma oportunista, usam a palavra "assédio" empregada no texto para expressar minha atitude, ou sob alegação disso ser direito da mulher, tenta-se apenas criar uma narrativa. A palavra "assédio" em aspas, não tem essa intenção nem proporção. Mas, o intuito de falar sobre ser cantada ou paquerada, nada mais que isso. Para essa turma, validade só tem a narrativa fria de que eu sou apologeta do assédio.

 

Como já disse em post anterior, querem a revolução dessas minorias para se beneficiaram delas. A luta de classes, seja ela qual for, só tem um objetivo; segregar. Eu repudio esse tipo de movimento. Não compactuo com essa bobagem dialética negativa destrutiva, com relativismo e reducionísmo, cujo intuito é o aparthieid humano. Querem privilégios? Trabalhem como toda mulher comum para ter suas oportunidades. Reitero aqui meu compromisso com todas as mulheres e homens de bem.

Já há quem questione o decoro de Jessé perante a mais esse forte debate público. A aguardar os próximos episódios.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 13/01/2020 - 09:41Atualizado em 13/01/2020 - 09:47

O deputado Jessé Lopes (PSL) vem com mais uma polêmica. E, de novo, fez uso das redes sociais para propagar opinião que levanta divergências. Desta vez, o alvo foi o movimento feminista. Em crítica à campanha "Não é Não", iniciativa do Coletivo Feminista de Santa Catarina contra o assédio, Jessé bateu forte. "Não sejamos hipócritas! Quem, seja homem ou mulher, não gosta de ser “assediado(a)?? Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude", escreveu o parlamentar.

O movimento está pedindo doações para confeccionar e distribuir adesivos em forma de tatuagens onde estará escrito "Não é não", um lema das feministas contra assédio. E Jessé vai além: "Toda mulher sabe lidar com assédio. Obviamente estou falando do ASSÉDIO no sentido que o próprio movimento GENERALIZA (dar em cima), e não de atos AGRESSIVOS e perturbante. Crime não se previne e nem se combate com TATUAGENS! Neste carnaval, não colabore com este movimento segregador, não use essa tatuagem ineficiente!!", disparou.

A campanha, enquanto isso, continua. Há uma rede de mulheres treinadas que estarão distribuindo as tatuagens temporárias que serão distribuídas em blocos carnavalescos e eventos durante a folia. Na plataforma Benfeitoria está disponível o canal para doações visando financiar as peças. Na descrição da campanha, consta:

Acreditamos que nosso Carnaval é uma festa mas não um convite para o assédio. Por isso, distribuiremos tatuagens não permanentes para ecoar: Não é Não!

Depois de um assédio sofrido por uma de nós às vésperas do Carnaval, decidimos que não ficaríamos mais caladas. Por isso, criamos uma tatuagem temporária que marca na pele o que alguns insistem em não entender: Não é não!

Parece óbvio. Mas infelizmente as mulheres ainda precisam repetir constantemente.

Não é não.

É mais que uma frase, ou um grito de guerra. É a criação de um escudo que empodera a mulher. Devolve a ela o direito ao próprio corpo e o poder de fazer com ele o que bem entender.

Não é não.

Um movimento que torna os nossos corpos outdoors da nossa luta diária, por uma sociedade mais justa e igualitária. Para que um dia nenhuma mulher precise ficar repetindo: NÃO É NÃO!

Ainda sobre o deputado Jessé, ele rotula o coletivo feminista como um movimento político. "O movimento Feminista NUNCA vai terminar, pois trata-se de um movimento POLÍTICO PARTIDÁRIO. Sempre que conquistam algo, irão procurar outra causa para defender, pois o movimento não pode parar, já que ele é um braço da revolução cultural socialista. É igual ao MST, sempre ganham terras, mas estão sempre sem terras", escreveu o deputado. "Após as mulheres já terem conquistado todos os direitos necessários, inclusive tendo até, muitas vezes, mais direitos que os homens, hoje as pautas feministas visam em seus atos mais extremistas TIRAR direitos. Como, por exemplo, essa em questão, o direito da mulher poder ser “assediada” (ser paquerada, procurada, elogiada...)Parece até inveja de mulheres frustradas por não serem assediadas nem em frente a uma construção civil", completou.

No vídeo abaixo, a apresentação da campanha das feministas:

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 09/01/2020 - 19:30Atualizado em 09/01/2020 - 19:36

Começou a partir de uma postagem no Blog do Ney Lopes aqui mesmo, no 4oito, nesta quarta-feira, 8, a grande repercussão do caso do poste do Parque Centenário Altair Guidi. Trata-se da barra de concreto que sustenta uma das tabelas de basquete de uma das novíssimas e bonitas quadras poliesportivas, barra esta que fica quase que na posição de um goleiro em uma das traves ali instaladas. Estava o poste a poucos centímetros da linha de fundo.

Estava, pois veio a solução nesta quinta. As traves foram retiradas. Ou seja, o basquete ganhou a queda de braço na quadra nova. A prefeitura se manifestou por nota sobre o ocorrido. Cabe lembrar que o parque foi inaugurado na segunda-feira, 6.

Claro que o episódio ganha o Brasil e o Mundo. Até o jornalista esportivo Milton Neves, famoso por suas sacadas, não deixou escapar a insólita situação em sua movimentada conta no microblog Twitter. Ele postou a foto citando que Criciúma está em grande fase, revelando goleiros. A piada é válida, já que parte de um colega que muito prestigiou o Tigre, até assistindo jogos no Majestoso.

Que fase!!

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 09/01/2020 - 18:08Atualizado em 09/01/2020 - 18:12

Foi notícia na tarde desta quinta-feira, 9, no 4oito, a situação da Rodovia João Cirimbelli, que tem cerca de dois quilômetros entre Morro Estevão e Sangão. Nessa estrada, esburacada e empoeirada, uma caçamba da prefeitura caiu em um buraco, fazendo reforçar a preocupação com um trecho que expõe e muito seus moradores.

Procurada para se manifestar a respeito, a prefeitura de Criciúma emitiu uma nota, cujo conteúdo foi repassado pela Secretaria de Infraestrutura à Diretoria de Comunicação. Confira:

A Prefeitura de Criciúma esclarece que os problemas que ocasionaram o acidente com um veículo do município, na Rodovia João Cirimbelli, em Morro Estevão, serão resolvidos o mais breve possível.  Salienta ainda que a manutenção da via já está prevista no cronograma da Secretaria de Infraestrutura, Planejamento e Mobilidade Urbana.

Na véspera, nesta quarta, já havia sido por nota o comunicado do município sobre o caso do poste debaixo de uma das goleiras de uma das quadras do Parque Centenário Altair Guidi. O problema já foi resolvido.

E na onda das notas, foi assim que a Secretaria de Estado da Infraestrutura se comunicou nesta quinta sobre a Serra do Rio do Rastro. Ocorre que mais um deslizamento de pedras foi registrado por lá, e fica no ar a preocupação sobre a manutenção das encostas, que estão por passar por obras de contenção. Diz a nota do Estado:

A obra de contenção dos 25 pontos críticos na Serra do Rio do Rastro é um Regime Diferenciado de Contratação Integrado (RDCI), a empresa vencedora da licitação é responsável por executar tanto o projeto quanto a obra. A previsão da Secretaria de Estado da infraestrutura e Mobilidade (SIE) é que a ordem de serviço para elaboração do projeto seja assinada ainda na primeira quinzena de janeiro.

E vamos de nota em nota para informar nossos ouvintes e leitores a respeito de respostas que, em outros tempos, vinham na ponta da língua dos gestores. É uma frieza burocrática que, infelizmente, distancia o poder público de seu grande patrão, o povo.

« 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13