Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/11/2019 - 17:34Atualizado em 09/11/2019 - 08:41

O deputado Eduardo Bolsonaro acaba de informar, durante entrevista para a rádio Som Maior, que o presidente Jair Bolsonaro deve criar novo partido até o fim do ano.

A vice-governadora, Daniela Reinehr, que também estava na Som Maior, garantiu que vai seguir o presidente no novo partido - "Sem nenhuma dúvida", afirmou. Na sequência, ela se dirigiu ao deputado Eduardo - "conte comigo, eu sou indemissível",

Eduardo Bolsonaro deixou claro o afastamento com o governador Carlos Moises e que não conta com ele na migração para o novo partido.

O deputado Daniel Freitas, presente no estúdio, anunciou que vai seguir Bolsonaro e que o distanciamento de Moises do presidente também leva ao seu distanciameto do governador.

O deputado Jessé Lopes arrematou - "se ele (governador) tentar ir para o novo partido, nós não vamos deixar, ele não é bolsonarista".

Eduardo disse que virá a Criciúma em 2020, na campanha municipal, para apoiar a advogada Julia Zanatta, se ela for candidata a prefeita ou a vereadora.

Julia, ao lado, garantiu que está se preparando para disputar a prefeitura.

A entrevista ao vivo de Eduardo Bolsonaro na Som Maior foi de quase uma hora.

Daqui a pouco, a partir de 19h, ele fará palestra no Teatro Elias Angeloni, aqui em Criciúma.

     

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/11/2019 - 05:57Atualizado em 08/11/2019 - 07:14

Eduardo Bolsonaro, deputado campeão de votos, quase embaixador do Brasil nos Estados Unidos, líder do partido do governo na Câmara, filho do presidente da República, um dos principais políticos do momento no país. Ele chega hoje à tarde em Criciúma, e desloca para cá o foco da cena política do estado.

A mídia política do estado estará aqui, ou em sintonia. Os políticos de todos os partidos estarão ligados. Será o principal fato político da semana em Santa Catarina.

Os principais “bolsonaristas" do estado virão ouvi-lo. Inclusive, a vice-governadora, Daniela Reinehr.

A expectativa é que Eduardo dê pelo menos uma perspectiva sobre o futuro partidário do seu grupo politico. Ficar no PSL, ou fundar um novo partido. A especulação mais forte em Brasília é que o presidente Bolsonaro cancele filiação no PSL nos próximos dias e anuncie decisão de criar um novo partido.

Assim, os deputados “bolsonaristas" poderão migrar com ele, sem o risco de perder o mandato. A lei da infidelidade só pode ser aplicada quando sai de um partido para outro que já existe.

Mas, não há nenhuma garantia, nem sinalização mais segura, que Eduardo fará qualquer anuncio sobre isso. Até porque, não está claro se o presidente realmente já tomou a decisão.

O que está nas projeções é que Eduardo vai lançar (ou recomendar) a candidatura da sua amiga, advogada Julia Zanatta, a prefeitura de Criciúma, se comprometer em dar apoio, e, na medida do possível, participar da campanha. Além disso, vai fazer mais evidente a separação no PSL entre “bolsonaristas” e “moisesistas”.

Não vem

O governador Carlos Moisés, eleito pela “onda Bolsonaro”, não virá receber, nem ouvir, Eduardo Bolsonaro.

Ele está cada vez mais procurando se afastar do presidente (e seus filhos).

Moisés tem o comando do PSL no estado, e ficará no partido se o presidente Bolsonaro sair.

A vice

A vice-governadora Daniela Reinehr será pressionada hoje em Criciúma, mesmo que de maneira sutil, a se posicionar na divisão que está estabelecida hoje no PSL catarinense.

Com Daniel

Primeiro compromisso de Eduardo Bolsonaro será um almoço na casa do empresário Ronaldo Freitas, pai do deputado Daniel Freitas. Uma sinalização importante para o deputado.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 07/11/2019 - 18:10Atualizado em 07/11/2019 - 19:00

Como previsto,  o governo federal deu de ombros para o sul catarinense, não levou em consideração nada do que foi dito, e lançou o edital para leilão do trecho sul da Br 101 como estava no plano original. Com mais quatro praças de pedágio e tarifa em r$ 5,2 (praticamente o dobro da tarifa nas praças de pedagio do trecho norte da Br 101 catarinense).

Isso representa uma derrota para o sul!

Na real, mais uma (em se tratando de Br 101)!

A primeira foi a obra de duplicação executada só no trecho norte. O sul teve grave depressão econômica por causa disso.

Só anos depois, a obra começou no trecho sul (e não terminou até hoje).

Agora, é o pedágio. Um desrespeito com a região. E uma ineficácia impressionante dos politicos que tem base na região. Que conseguiram se fazer ouvir.

Nada contra o pedágio. Absolutamente nada.

Tem que ter pedágio.

Mas, que seja em condições justas. Nas mesmas condições (pelo menos) do que tem no lado norte. Nada a mais, nem a menos.

O que conta no edital é que no trecho sul,  entre Florianópolis e a divisa com o Rio Grande do Sul, vai ter cinco praças de pedágio (uma que já existe, e quatro que serão implantadas), enquanto no trecho norte, de Florianópolis até a divisa com o Paraná (praticamente o mesmo tamanho), tem só três.

Além disso, tem o volor da tarifa. Para o lado sul, r$ 5.20 (valor de hoje). Para o lado norte, r$ 2,70.

A esperança que resta é o deputado Volnei Weber, MDB, cumprir o que anunciou ontem, em Florianópolis. Protocolar ação na Justiça para barrar o processo. Pára tudo.

O deputado vai comandar audiência pública hoje emTubarão sobre o assunto.

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 07/11/2019 - 07:33Atualizado em 07/11/2019 - 07:57

A decisão principal da audiência púbica desta sexta-feira, 8, em Tubarão, sobre a implantação de praças de pedágio no sul catarinense, deve ser o encaminhamento de ação judicial para sustar o processo.

O deputado Volnei Weber (MDB), responsável pela realização da audiência, está se preparando para isso. Diz que já tem irregularidades identificadas que podem subsidiar a ação.
Ele só vai aguardar a realização da audiência, principalmente se o governo federal vai participar.

Ontem, o deputado recebeu oficio da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres), escritório de Santa Catarina, informando que não vai mandar representantes. Não vai participar. A ANTT é quem trata pelo governo da concessão de rodovias.

Pela Assembléia, o deputado imediatamente despachou oficio à direção nacional da ANTT, reforçando a importância de participar na audiência pública. Ele também espera a participação do DNIT e Governo do Estado.

O ministro Tarcisio Freitas, da Infraestrutura, anunciou aos deputados do sul que o processo de concessão não vai parar nem será alterado: são quatro praças de pedágio e tarifa de R$ 5.

Os prefeitos do sul pouco têm se movimentado sobre o assunto. Os deputados federais se calaram. Os deputados estaduais terão a oportunidade de firmar posição na audiência pública de amanhã.

É um absurdo o sul aceitar calado a imposição de tarifa de pedágio de praticamente o dobro do que é cobrado do trecho norte da BR-101 catarinense, e maior número de praças de pedágio.

Deputado Weber vai representar o sentimento majoritário do cidadão contribuinte se, pelo menos, reagir e tentar mudar o que parece decidido.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/11/2019 - 18:35Atualizado em 06/11/2019 - 18:37

Compreendemos quando o gestor de uma ONG toma cuidados com as informações, mas quando há uma fratura externa como esse desvio de carnes da Afasc, tem que escancarar tudo. Esse processo do desvio da carne, as informações todas que se tem são que a nutricionista envolvida tinha a responsabilidade de comprar e apanhar a carne - em tese, 100 quilos por mês para tal lugar - e o que ela fazia: ela pegava os 100 do mês e antecipava 10, 20, 30, por isso não faltou carne na merenda do mês nem aumentou o custo, pois antecipou do final. O que vai é faltar carne no fim do ano, a não ser que a cooperativa, o fornecedor que entregava para a Afasc não seja pago pelo plus a ser pedido.

Se sabe que a Afasc tentou agir dentro das suas circunstâncias, a nutricionista foi exonerada e outras providências foram feitas. Mas por qual razão não esclarece? Não conta? Cancelou o contrato, cancelou. E a carne antecipada, será paga? Quem autorizou antecipar? É isso que tem que ser trabalhado e aberto, não tem razão para não abrir. Salvo melhor juízo não tem ninguém do comando da Afasc envolvido. E se tiver algo não esclarecido, que seja esclarecido.

O delegado Juarez Medeiros, que recém assumiu como controlador interno da Afasc, tem créditos, é cidadão de bem, tem folha corrida limpa mas está chegando agora. Até ele entender como funciona o processo vai demorar bastante. Quem está tem que agilizar, e transparência é a palavra de ordem, do momento. Quanto mais transparente, melhor.

Vampiro líder

Duas conversas nos corredores da Alesc. Primeiro, o deputado Luiz Fernando Vampiro está na bola da vez para ser o líder do governo na Alesc. Ele tem algumas preocupações, por isso não aceitou ainda. Mas ele é a melhor opção para o governo, tem bom trânsito nas bancadas, seria a melhor forma para o governo Moisés recompor a sua base. Não é uma operação simples, ele não gostaria de assumir agora a não ser que seja pressionado, um assédio muito violento, muito forte. Ele é a bola da vez, mas o governo ainda não definiu.

Geovania e o PSDB

E a deputada Geovania de Sá está bem cotada para ser confirmada presidente estadual do PSDB. Terá que haver eleição, ela é a presidente interina, assumiu com compromisso de convocar nova eleição com a morte do então presidente Marco Tebaldi, recentemente falecido. Ela é candidata e tem apoio do prefeito Clésio Salvaro, do ex-prefeito Beto Martins e outros. O nome que pode concorrer com ela é o do ex-senador Dalírio Bebber. Se Geovania for confirmada presidente ela sentará com o partido para articular as eleições do ano que vem. Isso consolidará ela ainda mais como liderança estadual dos tucanos.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/11/2019 - 05:58Atualizado em 06/11/2019 - 06:41

A proposta de venda da residência oficial do governador do estado pode ser criticada, questionada, considerada radical, sem sentido. Mas, ela está em perfeita sintonia com o jeito de fazer do governador Carlos Moisés, PSL.

Afinal, quem vende o avião do governo para conter gastos, e cortar privilégios, por que não pode vender o palácio do governo?

Romeu Zema, governador de Minas Gerais, não vendeu, mas não usa o palácio do governo. Mora numa casa alugada em Belo Horizonte.

Moisés assumiu com o anúncio de medidas extremas para conter os gastos públicos, chegando ao corte do cafezinho nas repartições públicas, e decretou fim dos privilégios. Mandou vender o avião do governo, passando a usar vôos comerciais, como qualquer cidadão catarinense.

A residência oficial do governador tem um custo mensal que passa dos R$ 200 mi

O projeto do deputado criciumense Jessé Lopes, PSL, protocolado ontem na Assembleia Legislativa, deve ser aprovado rapidamente nas comissões técnicas e no plenário.

O deputado incluiu também a casa da vice-governadora, no Estreito.

Mas, o projeto trata apenas da “autorização para venda”. Vai revogar uma lei anterior que proíbe a venda da Casa da Agronômica.

Deputado não tem poder constitucional para tomar a iniciativa de vender patrimônio público. Precisa de projeto do Executivo para isso.

Mas, o principal efeito prático do projeto do deputado Jessé será o desgaste que por ventura será acumulado pelo governador.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 05/11/2019 - 14:35Atualizado em 05/11/2019 - 15:22

O deputado criciumense Jessé Lopes (PSL) acaba de protocolar projeto de lei na Assembleia Legislativa (Alesc) para autorizar a venda das residências oficiais do governador  e vice do Estado.

Jessé é do mesmo partido do governador Carlos Moisés e da vice, Daniela Reinehr.

Desde o começo do mandato, Jessé tem questionado os gastos para manutenção das duas residências oficiais, mas intensificou as críticas nos últimos dois meses, quando passou a defender abertamente a venda dos imóveis.

Em agosto, o deputado colocou uma placa de "vende-se" na frente da Casa d'Agronômica.

Como a Assembleia não tem poder constitucional para tomar a iniciariva de vender patrimônio público, só o executivo (governo do estado) pode fazer, ele encaminhou um projeto de lei para "autorizar" a venda.

Com isso, faz a revogação de lei aprovada anteriormente que proíbe a venda da Agronômica, além de criar situação de constrangimento para o governador Carlos Moisés, que virou seu desafeto politico (embora correligionários, ainda).

projeto de lei 014/2019, que acaba de ser protocolado na Assembléia, será encaminhado para análise das comissões técnicas e depois será votado em plenário.

Pelo projeto, o governo fica autorizado, por intermédio da secretaria de administração, a desafetar e alienar, por venda, os imoveis no bairro Agronômica (no centro) e na região Continental de Florianópolis.

Confira a íntegra do projeto clicando aqui.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 05/11/2019 - 06:06Atualizado em 05/11/2019 - 06:43

PP e PSD vão definir hoje os seus representantes, mas já está assegurada a maioria governista na CPI da Afasc, e com folga.

A oposição garimpava os dois votos que faltavam para conseguir o numero mínimo de assinaturas para criar a CPI. Se conseguisse, a CPI teria maioria da oposição porque, pela regra vigente, quem propõe faz parte da CPI.

Arleu se reuniu com o prefeito Salvaro pela manhã e à tarde protocolou o seu pedido de CPI com uma assinatura além do necessário. Com ele, Toninho da Imbralit, MDB, e Aldinei Poteleck, Republicanos, assinaram como proponentes. Todos governistas.

PSB e PSC só tem um vereador cada - Julio Colombo e Pastor Jair, respectivamente. Membros natos da CPI. Os dois governistas.

Se o PP indicar o vereador Edson Paiol, será o primeiro voto da oposição. 5 x 1.

O outro vereador do PP é Miri Dagostim, presidente da câmara, e governista.

Pelo PSD, deve ser Camila do Nascimento ou Salesio Lima. O PSD faz parte do governo do prefeito Salvaro. A tendência natural é que fique 6 x 1 para o Paço.

Mas, em votações recentes, Camila e Salesio tem se posicionado como independentes, contrariando orientações do Paço. Se repetirem a postura, ficará 5 x 2 para o Paço. Maioria folgada.

Mesmo assim, a CPI não poderá ser acintosamente chapa branca. Porque há muitas perguntas no ar sobre a Afasc.

A CPI não poderá esconder, nem omitir. Terá que esclarecer. Os vereadores serão muito cobrados, e a reta final da CPI será em 2020, ano eleitoral.

Dois mandatos

Vereador Arleu incluiu no seu requerimento que investigações sejam feitas na Afasc desde o primeiro ano do mandato passado (do ex-prefeito Marcio Búrigo).
A oposição ao Governo Salvaro fazia a defesa da CPI como necessária para abrir a “caixa preta” da Afasc. A intenção era chegar na mulher do prefeito, Adriana Salvaro, que foi presidente e ainda tem poder na Afasc.

O delegado

Para tentar estancar especulações sobre desvios, o prefeito Salvaro tratou de colocar um delegado de polícia no controle interno da Afasc.

Delegado Joares Medeiros, ex-delegado regional de polícia, foi anunciado ontem como chefe da controladoria.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 04/11/2019 - 17:16Atualizado em 04/11/2019 - 18:27

O vereador Arleu da Silveira, PSDB, acaba de protocolar na câmara de Criciuma um pedido de CPI para apurar a gestão financeira da Afasc, periodo 2013 a 2019 (dois ultimos mandatos).

Como o pedido já tem o numero necessário de assinaturas, a criação da CPI é fato consumado. Só falta a leitura do requerimento em plenário, o que vai acontecer na sessão de amanhã.

Além de Arleu, assinam o pedido de CPI os vereadores Dailto Feuser e Moacir Dajori (PSDB), Tita Beloli, Toninho da Imbralit e Paulo Ferrarezi (MDB), e Aldinei Poteleck (Republicanos).

Arleu disse que tratou do assunto com o prefeito Salvaro, e como a oposição na câmara está falando em caixa preta da Afasc, decidiram tomar a iniciativa.

A oposição estava desde a semana passada tentando montar uma CPI, mas faltaram as assinaturas de dois vereadores.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 04/11/2019 - 06:37Atualizado em 04/11/2019 - 07:48

Na eleição de outubro de 2018, o PSL venceu a eleição em Criciuma e região com o Comandante Moisés e deputados eleitos Daniel Freitas e Jessé Lopes. Hoje, o comandante Moisés está de um lado e o deputado Jessé de outro, o deputado Daniel no meio do caminho, e o PSL sem comando.

De hoje até quarta feira, o governador Carlos Moisés, PSL, poderá anunciar o deputado criciumense Luiz Fernando Vampiro, MDB, como seu líder de governo na Assembleia. Os dois vão se reunir amanhã.

Na sexta-feira, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Bolsonaro, agora líder do PSL na Câmara, virá em Criciúma, e o governador informa por sua assessoria que terá outras agendas a cumprir.

O deputado criciumense Jessé Lopes, PSL, que é “bolsonarista” de primeira hora, estará com o deputado Eduardo. Mas, não tem relação com Moisés, que quer a sua expulsão do partido.

A propósito, Moisés passou a ter o comando do PSL no estado, e vai montar o partido sem a face de Bolsonaro. Apesar de todos eles, inclusive Moisés, terem sido eleitos pela onda feita por Bolsonaro.

Mas, o governador Moisés vai fazer o seu time no PSL. Identificado com ele. Distante de Bolsonaro.

Isso já elimina muitos nomes que vinham sendo citados para o comando do PSL de Criciuma e candidato do partido a prefeito. Como Jessé, Marcio Campos Neves e Comandante Manique Barreto, Julia Zanatta. Porque todos são, antes de tudo, Bolsonaristas. Mais que PSL, ou Moisés.

Venda da Agronômica

O deputado criciumense Jessé Lopes, PSL, deve protocolar hoje, ou amanhã, projeto de lei para que a Assembleia autorize a venda da Casa da Agronômica, residência oficial do governador.

Antes disso, Jessé voltou a criticar gastos gerados pela Casa.

Ele citou R$ 22,8 mil para a zeladoria, R$ 43,4 mil com garçom, R$ 22,7 mil para copeira, R$ 31,7 mil na jardinagem, R$ 32,6 mil com cozinha e preparo de refeições e R$ 42,9 mil para a limpeza.

Relações cortadas

Deputado Jessé Lopes também voltou a atacar a direção estadual do seu partido, o PSL.

Jessé escreve: “Não pode criticar o Comandante (referência ao governador Moisés). Se criticar, está fora. Foi o que disse o presidente do PSL de SC, Fabio Schiochet, que é apenas um fantoche das orientações do governador”.

O deputado acrescentou: "A executiva estadual do PSL é constituída apenas pelo governador como sendo dono do partido e o Fabio como presidente. O primeiro decide e o outro opera. Um partido instrumentalizado para interesses próprios, desconsiderando e desrespeitando lideranças locais”.

Detalhe: o deputado Daniel Freitas está no meio do tiroteio. Ele é parceiro politico de Jessé e integrante da direção estadual do PSL. Daqui a pouco, vai ter que se posicionar por um lado, ou outro.

A agenda

Durante o dia de hoje, a jornalista e advogada Julia Zanatta terá a confirmação da agenda que será cumprida pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro, sexta-feira, em Criciúma.
Até o momento, está confirmada apenas a palestra do deputado. Mas, dependendo do tempo em que ele ficará na cidade, poderão ser articulados outros compromissos.

Ele ficará hospedado na casa de Julia Zanatta. O detalhe - a agenda está sendo administrada direto com Julia, amiga pessoal de Eduardo.

Só amanhã

Deputado criciumense Luiz Fernando Vampiro, MDB, vai tomar café da manhã com o governador Moisés, amanhã, 8h. Pode sair do encontro como novo líder do governo na Assembleia.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 01/11/2019 - 06:01Atualizado em 01/11/2019 - 14:04

O deputado criciumense Luiz Fernando Vampiro, MDB, não fez nenhum movimento para isso, e nem gostaria que acontecesse. Pelo menos agora. Mas, ele é o mais forte candidato para ser o novo líder do governo Moisés na Assembleia Legislativa.

A base de apoio do governador Moisés na Assembleia está se desintegrando. A cada dia, uma perda. Depois que a maioria da bancada do PSL rompeu com ele, parece que desandou.

Ontem, o último deputado do PL pulou fora.

Até semana passada, o governador tinha 26 deputados fechados com ele em plenário. Era a maioria, com cinco votos de “folga”. Hoje, tem menos. Provavelmente, já perdeu a maioria. O líder de governo entregou o cargo.

Para contornar a situação, Moisés precisa de um deputado mais experiente, com trânsito e relações em todas as bancadas, com facilidade para encaminhar os assuntos de interesse do governo na Assembleia.

Mas, restam poucas alternativas para o governador.

Três nomes eram especulados ontem na Assembleia. Dois deles, deputados do sul de segundo mandato. Vampiro e Rodrigo Minotto, PDT. Além deles, era citada a deputada Paulinha, PDT. Os três são próximos do governador.

A vantagem de Vampiro é ser do MDB, maior bancada na Assembleia. Além disso, Moisés e Vampiro vão estar reunidos na terça-feira pela manhã. A pauta original é outra, mas podem tratar da liderança.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 31/10/2019 - 08:30Atualizado em 31/10/2019 - 08:38

O secretário de Saude de Criciúma, Acélio Casagrande, acaba de confirmar que teve longa conversa ontem com o empresário Henrique Salvaro, comandante do PSB na região, mas garantiu que ainda não assinou filiação no partido.

"Tivemos uma boa conversa ontem, vamos continuar conversando, mas ainda não definimos nada", informou.

Acélio está sem partido desde que assumiu a Secretaria de Saúde em maio.

A sua filiação no PSB teria encaminhada pelo prefeito Clésio Salvaro, PSDB.

Acélio deve participar da eleição de 2020, como candidato a vice-prefeito ou a vereador.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 31/10/2019 - 06:59Atualizado em 31/10/2019 - 07:10

O secretário municipal de Saúde, Acelio Casagrande, deve anunciar filiação ao PSB a qualquer momento.

Ontem, ele teve longa conversa com o empresário Henrique Salvaro, presidente de honra e comandante do PSB no sul.

Acelio saiu do MDB quando assumiu a Secretaria de Saúde. No PSB, pode ser candidato a vice-prefeito ou vereador.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 31/10/2019 - 06:58Atualizado em 31/10/2019 - 07:14

Administrativamente, o Governo Moisés continua emitindo bons sinais e fazendo movimentos positivos.

A receita do estado, no período de janeiro a setembro de 2019, aumentou mais de 13%. Mais do que a média nacional, e melhor índice entre os estados do Sul e Sudeste do país.

As licitações para obras na região, antecipadas por aqui na segunda-feira, foram confirmadas ontem.

O governador Carlos Moises estará no dia 14 de novembro em Forquilhinha, Jacinto Machado e Araranguá.

Em Forquilhinha, vai anunciar a licitação e liberação de recursos para obras de pavimentação da rodovia Jacó Westrup (Forquilhinha-Maracajá-BR 101). Uma vitória do deputado Rodrigo Minotto, PDT.

Em Araranguá, licitação e liberação de recursos para construção de nova ponte sobre o rio Araranguá, próximo da foz, ligando Morro dos Conventos ao distrito de Ilhas.

O deputado José Milton Scheffer se empenhou junto ao governador para construção da ontem, e ontem foi chamado pelo governador para receber a noticia em “primeira mão”.

Ao mesmo tempo, o governo vai de mal a pior na questão política. Continua perdendo aliados e vai se isolando cara vez mais. Ontem, contabilizou nova derrota política, quando o PSL, seu partido,  “explodiu" bloco com o PL na Assembleia Legislativa.

Hoje, ele é minoria na Assembleia. Isso não ficou evidente para o ambiente externo, porque não teve uma votação importante nos últimos dias.

Mas, se a turbulência política não atrapalhasse a gestão administrativa, o cidadão pagador de impostos não daria a menor importância.

O problema é que vai atrapalhar. Mais cedo, ou mais tarde, o governador precisará de maioria na Assembleia para aprovar medidas e projetos.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 30/10/2019 - 07:50Atualizado em 30/10/2019 - 07:55

A família Salvaro, de forte atuação política, pode ter três candidatos a prefeito na região.

Clésio Salvaro, PSDB, principal politico da família, vai disputar a reeleição em Criciúma.

O vereador Frank Salvaro, PSB, deve ser candidato a prefeito em Sideropolis.

O ex-deputado Cleiton Salvaro, PSB, projeta candidatura em Cocal do Sul.

Cleiton e Frank conversaram com Clésio sobre suas candidaturas, em momentos distintos, durante a semana.

Hoje, Clesio vai se reunir com o empresário Henrique Salvaro, tio dos três, para avaliar possibilidades.

Como Frank é vereador, e está ativo na militância política, sua candidatura é mais provável. Vai depender basicamente da avaliação de Henrique e das amarrações políticas que poderão ser feitas.

Uma possibilidade já especulada em Sideropolis é que Frank, combinado com Henrique Salvaro, passe para o PSDB, a fim de aproveitar o volume de campanha de Clésio em Criciúma (especialmente na televisão).

Quanto a Cleiton Salvaro, a sua candidatura em Cocal é uma construção mais complexa, já que ele tem poucos vínculos com a cidade.

Cleiton foi deputado estadual no mandato passado, não se reelegeu, e está lutando na justiça para tentar cassar o mandato dos deputados eleitos pelo seu partido, o PSB, por infidelidade partidária (porque eles saíram do partido).

Mas, no julgamento do TRE, perdeu por 6 x 0.

Na história recente da política da região, seria a primeira vez na Amrec que três primos podem ser prefeitos no mesmo mandato.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 29/10/2019 - 06:29Atualizado em 29/10/2019 - 06:38

O sul do estado não está reagindo como deveria à decisão do Governo Federal de implantar mais quatro praças de pedágio na região, e cobrar tarifa em torno de R$ 5,00.

A impressão é que os poucos movimentos feitos foram apenas para dar uma satisfação à torcida. Mas, efeito prático, nenhum.

Ontem, a Câmara de Criciuma aprovou requerimento do vereador Paulo Ferrarezi, MDB, para envio de moção de repúdio à ANTT. Fez bem o vereador. Cumpriu o seu papel. Mas, como todo o respeito, não terá nenhum efeito lá em Brasilia, na ANTT e no governo federal.

Enquanto isso, quem poderia fazer barulho para repercutir em Brasília, se encolhe, e se omite.

O Governo do Estado não disse até agora uma palavra sequer a respeito.

Mesmo que a rodovia seja federal, onde o governo catarinense não tem poder de decisão, o governador Moisés e os seus secretários deveriam se posicionar na defesa dos interesses do cidadão contribuinte. Poderiam pelo menos gestionar, e pressionar.

Os deputados federais da mesma forma. Foram cordatos demais. Simplesmente aceitaram o que foi decidido pelos técnicos e burocratas de Brasília. No inicio, até fizeram certa movimentação, mas quando o ministro de Infraestrutura bateu na mesa e disse que seria assim, ou não teria nada, eles baixaram as orelhas, e engoliram o pacote.

Quanto aos prefeitos, parece que o assunto não é aqui.

Os deputados estaduais até se movimentaram, fizeram discursos. Mas, sem efeito pratico.

E o pedágio está vindo para o sul do estado, com duas praças a mais do que tem no lado norte, e tarifa quase o dobro.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 29/10/2019 - 06:29Atualizado em 29/10/2019 - 06:35

O governador Carlos Moisés, PSL, voltará ao sul do estado em novembro para cumprir agenda em Forquilhinha e Araranguá.

A assessoria não confirma, mas pelas cidades onde ele irá, a tendência é que sejam anunciados recursos para as obras de pavimentação da rodovia Jacob Westrup, em Forquilhinha, e a segunda ponte sobre o rio Araranguá, em Araranguá.

Deve ser a ultima vinda de Moisés à região em 2019.

O Anel

A última etapa da obra do anel de contorno viário, orçada em R$ 22,7 milhões, deve ficar para 2020. Inicialmente o previsto era de anuncio da obra em novembro ou dezembro.

De qualquer forma, as obras na Jacob Westrup e a segunda ponte de Araranguá, se confirmadas, terão investimento em torno de R$ 16 milhões.

Somados aos anúncios feitos na viagem anterior (em Criciúma e Jaguaruna), vão permitir que o governador Moisés feche o ano com investimentos anunciados de quase R$ 50 milhões na região.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 28/10/2019 - 19:10Atualizado em 28/10/2019 - 19:22

O denunciado desvio de carne da Afasc, revelado pela policia, foi profundamente lamentável, por tudo o que evolve. Dificil até de assimilar. 

Reações rápidas (ou imediatas) tiveram que ser adotadas para diminuir o estrago (ou prejuizo).

Numa entrevista coletiva, no fim da tarde,  a direção da Afasc anunciou que não teve redução no volume distribuido de merenda, não faltou comida nas escolas, o valor médio investido não mudou e o contrato com a cooperativa que prestava serviço foi cancelado unilateralmente. Era o que tinha que ser feito. E foi.

É evidente que outras medidas e decisões ainda virão, como punição pelo ocorrido, que é da maior gravidade.

Na Unesc, a reitoria também agiu rapido, cancelando o contrato com a empresa que administrativa o restaurante universitário.

Os vereadores estão fazendo a parte que lhes, cabe de fiscalizar e cobrar informações/explicações.

 

 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 28/10/2019 - 06:53Atualizado em 28/10/2019 - 07:35

A principal informação do fim de semana em Criciúma, que movimentou os bastidores da política, foi o anúncio do ex-deputado Jorge Boeira, na reunião do diretório do PP, que está preparado para ser candidato a prefeito.

Como Boeira defendeu chapa pura, com um vice dos bairros, dois nomes passaram a ser citados.

Vereador Edson Paiol, presidente da União de Associações de Bairros, e vereador Miri Dagostim, presidente da Câmara.

Quem vai

Com a sinalização deo Beira, a eleição de 2020 em Criciúma se encaminha para cinco candidaturas.

O primeiro confirmado é o prefeito Clésio Salvaro, candidato a reeleição.

Depois, Jeferson Monteiro, que tentou ser candidato pelo MDB, mas previu dificuldades e migrou para o PL. Assinou filiação na semana passada.

MDB, PT, PDT e PSL também estão anunciando que terão candidatos. Dois deles devem confirmar.

O recurso

A executiva estadual do PP vai decidir hoje sobre o pedido de um grupo de filiados de Criciuma de revisão da eleição da nova executiva municipal.

O grupo protocolou documento na semana passada, onde relaciona ilegalidades que teriam sido cometidas no processo de eleição.

Na executiva estadual não existe abertura para discutir proposta de intervenção. Mas, poderá ser aprovada um indicativo de entendimento.

Tags: PP

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 28/10/2019 - 06:52Atualizado em 28/10/2019 - 07:37

O deputado criciumense Jessé Lopes, PSL, prepara mais uma iniciativa polêmica, de enfrentamento político com o governador Carlos Moisés, também do PSL. Na semana passada, Jessé colocou uma placa na frente da Casa da Agronômica, residência oficial do governador, colocando o imóvel a venda.

Agora, vai agora encaminhar projeto para a Assembleia autorizar a venda do imóvel. O projeto deverá ser protocolado durante a semana. Depende apenas de alguns ajustes.

Em principio, o objetivo será a revogação de iniciativa anterior, aprovada pela Assembleia, proposta pelo deputado João Amin, PP, que proíbe a venda da Agronômica. A previsão é que o projeto de Jessé seja aprovado sem nenhuma dificuldade na comissão de constituição e justiça, e levado na sequência para aprovação em plenário.

O projeto de Jessé vai autorizar, mas a venda só poderá ser encaminhada por projeto de iniciativa do governador. A Assembleia não tem poder para tomar iniciativa sobre isso.
Será mais uma situação de constrangimento para o governador, resultado do isolamento a que se submeteu.

Na Assembleia, a sua principal base de apoio é a bancada do MDB. Mas, já existem sinais de divisão entre os emedebistas.

Ele não tem maioria em nenhuma das comissões técnicas da Assembleia, perdeu o líder de governo, e na bancada do seu partido, o PSL, dos seis deputados, só tem o apoio de dois. Entre os quatro do PSL que estão rompidos com o governador, o deputado criciumense Jessé Lopes é um deles. Por sinal, foi o primeiro a se afastar.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13