Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
João Nassif
Por João Nassif 06/03/2020 - 09:19

Com a popularização do futebol no final do século 19, a Europa viu nascer vários clubes que priorizaram o futebol e foram se tornado potencias no decorrer dos anos.

Na Espanha, mais precisamente em Barcelona foi fundado um clube que hoje é um dos gigantes do futebol mundial. O Fútbal Club Barcelona.

Camp Nou

A ideia da formação do clube na Catalunha foi de um suíço, Hans Gamper que convocou um grupo de torcedores de futebol mediante um anúncio publicado na revista Los Deportes em outubro de 1899. Atenderam a intimação os 12 fundadores do clube, seis espanhóis, três ingleses, dois suíços e um alemão. O mais velho entre eles, o inglês Walter Wild foi escolhido para ser o primeiro presidente.

No dia 29 de novembro foi fundado o FC Barcelona. Dizem os antigos que a escolha do azul e grená foi uma homenagem ao Basel da Suíça, onde Gamper jogou antes de chegar à Catalunha.

No início a dificuldade em encontrar um lugar para treinar e jogar. Durante os 10 primeiros anos o Barcelona perambulou por quatro lugares diferentes, pois a cidade crescia muito e encontrar espaços adequados era de imensa dificuldade.

Somente em 1957 é que foi inaugurado o Camp Nou, estádio que hoje comporta quase 100 mil pessoas e que se tornou a casa do Barcelona.

Os torcedores do Barcelona são chamados de culés desde a década de 1910. Naqueles anos o time jogava no campo de uma indústria e já popular levava grandes públicos ao estádio. Desde a rua se via como estavam sentados, de costas, os torcedores localizados na parte mais alta da arquibancada.

A imagem vista da rua era uma grande quantidade de traseiros (culos em espanhol), por esta razão os torcedores do Barcelona começaram a ser chamados de culés.
 
 

João Nassif
Por João Nassif 05/03/2020 - 09:29

O campeonato brasileiro de 1996 foi disputado por 24 clubes. O regulamento previa que todos jogariam entre si apenas em partidas de ida com a classificação dos oito primeiros que jogariam a segunda fase, as quartas de final. O primeiro enfrentaria o oitavo colocado, o segundo jogaria contra o sétimo e assim por diante.

Pela ordem a classificação final ficou assim depois de cada time ter feito 23 jogos: Cruzeiro primeiro colocado com 44 pontos, Guarani em segundo com 43 mesma pontuação do Palmeiras que ficou em terceiro por ter uma vitória a menos, o quarto foi o Atlético-PR, em quinto ficou o Atlético-MG seguido do Grêmio sexto colocado,  Goiás em sétimo e finalmente a Portuguesa em oitavo.

O Criciúma ficou em 21º com 23 pontos à frente do Bahia e dos rebaixados Fluminense e Bragantino.

Voltando às quartas de final, os quatro primeiros colocados foram eliminados. O primeiro colocado Cruzeiro foi eliminado pela Portuguesa, o Guarani pelo Goiás, o Palmeiras pelo Grêmio e no confronto dos Atléticos o classificado foi o Mineiro.

Nas semifinais o Grêmio passou pelo Goiás com vitória no Serra Dourada por 3x1 e empate em 2x2 no Olímpico e a Portuguesa eliminou o Atlético Mineiro com vitória no Canindé por 1x0 e empate no Mineirão em 2x2.

A final foi dramática. No primeiro jogo em São Paulo a Portuguesa venceu por 2x0 com gols de Gallo e Rodrigo Fabri.

No jogo em Porto Alegre o Grêmio precisava vencer por dois gols de diferença para confirmar o título. E foi logo abrindo o placar com gol de Paulo Nunes aos três minutos. Daí em diante o Grêmio partiu para o segundo gol e a Portuguesa conseguiu segurar o ímpeto gremista até aos 39 do segundo tempo quando Aílton fez o gol que valeu o campeonato.

Perante mais de 42 mil torcedores o Grêmio treinado pelo Felipão jogou com Danrlei, Arce, Rivarola (Luciano), Mauro Galvão e Roger; Dinho (Aílton), Luiz Carlos Goiano, Emerson (Zé Afonso) e Carlos Miguel; Paulo Nunes e Zé Alcino.   
 

Tags: Portuguesa

João Nassif
Por João Nassif 04/03/2020 - 09:12

O dia 13 de dezembro de 1981 ficará gravado para sempre na memória dos torcedores do Flamengo, pois foi nesse dia que o time ganhou seu primeiro e até agora único título mundial.

O jogo contra o Liverpool foi realizado no Estádio Nacional de Tóquio no Japão perante 74 mil espectadores. O Flamengo venceu por 3x0 com arbitragem do mexicano Rúbio Vazques. A disputa era chamada de Copa Intercontinental, também conhecida como Copa Toyota.

Para chegar ao Japão o Flamengo teve que vencer a Taça Libertadores. Campeão e vice do campeonato nacional de 1980 Flamengo e Atlético Mineiro se encontraram na fase de grupos, a primeira fase da competição.

Houve dois empates em 2x2, no Maracanã e Mineirão. Houve necessidade de um jogo desempate no Serra Dourada em Goiânia. Aos 37 minutos quando ainda estava 0x0 o jogo foi encerrado, pois o Atlético ficou apenas com seis jogadores em campo. Éder, Reinaldo, Chicão, Palhinha e Cerezo foram expulsos pelo árbitro José Roberto Wright.

Na segunda fase, semifinal, o Flamengo passou invicto em jogos de ida e volta contra o Deportivo Cali da Colômbia e o Jorge Wilstermann da Bolívia. Na decisão com o Cobreloa o Flamengo ganhou no Rio de Janeiro por 2x1 e foi derrotado em Santiago do Chile por 1x0. Na partida decisiva venceu por 2x0 em Montevidéu.

Na vitória do Mundial no Japão, Nunes marcou dois gols e Adílio fez o outro, todos no primeiro tempo.

O time campeão: Raul, Leandro, Marinho, Mozer e Júnior; Andrade, Adílio e Zico; Tita, Nunes e Lico. O técnico: Paulo César Carpeggiani.

João Nassif
Por João Nassif 03/03/2020 - 09:49

O primeiro gol da história das Copas do Mundo foi do francês Lucien Laurent no Estádio Pocitos, Montevidéu no dia 13 de julho de 1930. A França derrotou o México por 4x1. O gol histórico foi marcado aos 19 minutos do primeiro tempo.

No mesmo dia e ao mesmo tempo os Estados Unidos enfrentavam a Bélgica no Parque Central, também em Montevidéu e o norte americano Bart McGhee marcou o primeiro gol do jogo aos 23 minutos do primeiro tempo. Portanto, com quatro minutos de diferença Laurent entrou para a história.  

Infelizmente o estádio palco do jogo histórico não existe mais. Estádio Pocitos foi inaugurado em 1921 e pertencia ao Peñarol que no jogo inaugural empatou com o River Plate da Argentina em 1x1.

Com a inauguração do Estádio Centenário o Peñarol começou a usa-lo e o Pocitos foi demolido em 1933.

Com a urbanização o espaço do antigo estádio foi sendo ocupado por ruas e edificações. Em meados do ano 2000 um arquiteto uruguaio foi em busca do local exato onde foi marcado o primeiro gol da história das Copas.

Somente em 2006 é que foi confirmado com exatidão o local e ali erguido um monumento para registrar onde ficava a meta defendida pelo goleiro mexicano.  

João Nassif
Por João Nassif 02/03/2020 - 16:32

O dia 21 de novembro de 1965 entrou para a história do futebol brasileiro pelo fato da seleção ter jogado duas vezes em estádios diferentes contra duas seleções europeias.

O time titular treinado por Vicente Feola, campeão mundial em 1958, enfrentou a União Soviética no Maracanã e na mesma hora uma seleção formada apenas por jogadores que atuavam no futebol paulista, comandada por Aimoré Moreira, campeão mundial em 1962, jogou contra a Hungria no Pacaembu em São Paulo.

A seleção principal empatou com os russos em 2x2 depois de estar vencendo por 2x0 com gols de Gerson e Pelé. Duas falhas do goleiro Manga permitiram o empate. Na primeira o goleiro bateu o tiro de meta na cabeça do atacante adversário e a bola voltou para o gol. Na segunda saiu jogando errado deu a bola nos pés de um russo que empatou o jogo.

Este jogo marcou a despedida da seleção do zagueiro Bellini, capitão que ergueu a Taça Jules Rimet na Suécia no primeiro título mundial do Brasil.

No Pacaembu a seleção B, o combinado paulista deu um show e derrotou os húngaros por 5x3. Foi um jogaço com um Pacaembu abarrotado com mais de 40 mil pessoas. Servílio marcou dois gols, Lima, Abel e Nair completaram o placar para os brasileiros.

Menos de um ano depois na Copa do Mundo na Inglaterra, do combinado paulista apenas Lima, volante do Santos, participou do Mundial. O Brasil perdeu para a Hungria por 3x1 e foi eliminado na primeira fase. 
 

João Nassif
Por João Nassif 01/03/2020 - 22:42

O Brusque veio confirmar porque é na atualidade o melhor time de Santa Catarina. A vitória sobre o Criciúma foi indiscutível, mesmo com as reclamações de sempre com relação à arbitragem que vai se tornando comum quando dos tropeços do time da G.A.

Não tive da cabine do Timaço da Som Maior a visão limpa do lance, pela velocidade e pela distância, mas independente de ter sido ou não pênalti, o Criciúma não mostrou absolutamente nada para impedir a derrota.

Festa do Brusque no Heriberto Hülse
Foto: Rádio Cidade

Ainda conseguiu sair em vantagem ao final do primeiro tempo, mas na volta do vestiário foi simplesmente engolido pelo Brusque que fez três e pelo volume de jogo poderia ter conseguido uma goleada histórica em pleno Heriberto Hülse.

A atual sensação catarinense tem um time bem treinado com jogadores que sabem se posicionar em campo, que têm qualidade e muita velocidade quando parte ao ataque e acima de tudo um técnico inteligente que explora com eficiência a característica de cada um de seus comandados.

Ao contrário do Criciúma que tem dois técnicos que não conseguem dar o mínimo de padrão tático a jogadores de técnica individual discutível. Com duas semanas apenas de treinamentos o time regrediu em relação aos dois jogos anteriores quando conquistou quatro pontos que praticamente garantiram a classificação para a próxima fase.

Na coletiva Roberto Cavalo reconheceu a superioridade do adversário e assim com alguma inteligência deve ter assistido e assimilado gratuitamente uma aula de futebol.    
 

João Nassif
Por João Nassif 01/03/2020 - 09:12

O termo Tríplice Coroa é aplicado no Brasil de forma geral ao time que consiga três títulos em um único ano. Durante um período os times brasileiros que disputavam a Copa Libertadores da América foram impedidos de disputar a Copa do Brasil, portanto a Tríplice Coroa não pode ser considerada nos moldes da forma como é tratada na Europa.

Nos moldes europeus a leva-se em consideração competições nacionais e a Copa Europeia dos Campeões. O termo Tríplice Coroa é mais frequentemente aplicado para clubes que conquistam três títulos em competições de toda temporada, portanto se excluem o Mundial de Clubes e competições de um único confronto como as Recopas e Supercopas.  

EC Bahia primeiro campeão da Tríplice Coroa

A Tríplice Coroa brasileira envolve duas competições nacionais e uma regional. Há ainda as Tríplices Coroas Genéricas que registram a conquista de três títulos numa mesma temporada.

Os clubes brasileiros que possuem a Tríplice Coroa são: Bahia, Santos, Flamengo, São Paulo, Palmeiras, Grêmio, Paysandu, Cruzeiro e Internacional.

O Bahia foi o primeiro clube a conquistar a Tríplice Coroa Brasil. Em 1959 os baianos foram venceram o Campeonato Baiano, o Torneio Norte-Nordeste e o Campeonato Brasileiro (Taça Brasil).

O Santos foi o primeiro clube que venceu a Tríplice Coroa Genérica por duas vezes consecutivas. O time da Vila Belmiro foi campeão em 1962 e 1963 do Campeonato Brasileiro, então Taça Brasil, da Copa Libertadores e do Mundial de Clubes.
 

João Nassif
Por João Nassif 29/02/2020 - 21:25

Thiago Ávila *

Neste sábado, a Formula E voltou às ruas de Marrakesh para a disputa da 5ª etapa da temporada. E contou com um domínio altíssimo da DS Techeetah e da BMW, as equipes que vem mandando na categoria de carros elétricos nesses dois últimos anos.

Mas não podemos atribuir a pole position de António Félix da Costa única e exclusivamente pelo carro. O português estava no primeiro grupo da classificação, no período onde a pista ainda é fria e menos emborrachada, o que dificulta os pilotos deste grupo de lutar pela pole. António teve dificuldades, mas conseguiu passar para a Superpole – a etapa final da classificação. Ali ainda teve de enfrentar Max Günther, piloto da BMW, mas se saiu 0,069s melhor e largou na frente.

Festa portugues em Marrocos

Mitch Evans, um dos favoritos para ganhar a corrida, teve problemas no treino, demorou demais para sair e perdeu o tempo de abrir volta rápida. Com isso, largou em último lugar. Lucas Di Grassi foi o 13º e Felipe Massa o 20º. Jean-Éric Vergne, que conseguiu a 11ª posição, estava gripado e passou o dia sem treinar. O francês tinha suspeita de coronavírus, mas foi liberado pelos médicos, depois de os exames reportarem que não havia risco.

Na largada, Da Costa e Günther sumiram na frente e logo em duas voltas já estavam a mais de dois segundos na frente do terceiro Andre Lotterer.

O atual bicampeão Vergne, deixou a gripe de lado e foi escalando o pelotão volta a volta, tão logo ele já era o sexto, em menos de 15 minutos. Dali, ultrapassou Buemi na volta seguinte; aproveitou que Mortara saiu da pista para pegar o modo ataque e assumiu a quarta posição; e da mesma maneira roubou o terceiro lugar de Lotterer.

No meio do pelotão, Di Grassi vinha numa disputa intensa com Calado, d’Ambrosio e Bird, que durou praticamente toda a corrida. Num duelo entre os quatro, o brasileiro, com modo ataque, ultrapassa dois e assume a nona posição. Mais atrás, Evans vinha caçando seus adversários e ganhara oito posições desde a largada.

Na metade da corrida, Günther força ultrapassagem em Da Costa na chicane, e duas curvas depois leva a primeira posição. Esperto, na volta seguinte o português pega o modo ataque, parte para cima do alemão e retoma com tranquilidade a liderança. Uma revanche do que ocorreu em Santiago.

Há dez minutos do fim, Evans já havia passado todo o pelotão do meio e era décimo, com Di Grassi sendo a próxima vítima.

Vergne, em quarto preso atrás de Lotterer pega o modo ataque e parte para uma volta voadora. Ele ultrapassa o alemão da Porsche e na mesma volta, tira a diferença de quatro segundos para o vice-líder. Na primeira curva após a grande reta, o francês leva a melhor sobre o piloto da BMW.

A briga pela segunda posição durou até a última volta, Da Costa já estava com a vitória na mão a sete segundos dos rivais e esperava uma dobradinha da Techeetah. Na penúltima curva, Vergne tinha 0,3% de bateria contra 1% de Günther e não conseguiu segurar, o alemão aproveitou a vantagem e levou a posição do francês.

Evans, magistralmente foi o sexto, de longe o melhor piloto da corrida; Di Grassi foi sétimo e Massa apenas o 17º.

O resultado pôs o português na liderança do campeonato, 11 pontos à frente de Evans e 20 à frente de Alexander Sims, da BMW. Günther pula para quarto e Vergne é oitavo. Nos construtores, a Techeetah assume a ponta com 98 pontos, com oito de vantagem sobre a BMW.

A Formula E volta dia 4 de abril, nas ruas de Roma.

* Jornalista

João Nassif
Por João Nassif 29/02/2020 - 09:58

Uma das figuras mais folclóricas do futebol brasileiro foi o massagista Eduardo Santana, nascido em Andrelândia Minas Gerais em 1934.

Conhecido como Pai Santana tornou-se personagem famoso quando foi trabalhar no Vasco da Gama em 1953. Além de massagista era pai de santo e um ex-lutador de boxe que começou na Bahia. No futebol passou pelo Bahia, Botafogo e Fluminense antes de chegar em São Januário. Foi também durante muitos anos massagista da seleção brasileira.

 

Sua imagem ficou fortemente ligada ao Vasco da Gama, especialmente por ter feitos “trabalhos espirituais” com os quais afirmava ter ajudado o time e prejudicado seus adversários nas décadas de 1970, 80 e 90. Foi inclusive treinador interino do time num torneio em Curitiba em 1974, inclusive ganhando o título.

Pai Santana tinha alguns rituais como acender velas no vestiário vascaíno e estender a bandeira do Vasco no gramado, ajoelhando-se e beijando-a.

Logo depois de deixar o clube em 2006 sofreu um Acidente Vascular Encefálico. Passou a ter dificuldade de fala e respiração, vindo a falecer em 2011 de insuficiência respiratória decorrente de uma pneumonia.

Pai Santana foi incluído na seção de ídolos do site oficial do Vasco da Gama.
 

João Nassif
Por João Nassif 28/02/2020 - 09:26

Faz mais de 42 anos que a Chapecoense comemorou seu primeiro título estadual. Título cercado de muita polemica extracampo, mas confirmado pela Federação Catarinense de Futebol.

O pivô de toda confusão foi o lateral Cosme da Chapecoense que foi expulso em um amistoso contra o Joaçaba no dia 16 de setembro de 1977. O Avaí afirmou que o lateral não poderia atuar no primeiro jogo da decisão em Florianópolis que terminou em 1x1.

A Chapecoense enviou para a Federação uma súmula onde não aparecia o nome de Cosme e sim registrava a expulsão de Elói. O segundo jogo em Chapecó, com Cosme em campo terminou com a vitória dos donos da casa por 4x3.

O Avaí que havia pedido no tribunal a impugnação do primeiro jogo, solicitou o mesmo para o segundo. No tapetão ficou decidido que haveria um terceiro jogo, também em Chapecó, pois o time da casa tinha a melhor campanha no pentagonal final. Além dos finalistas disputaram a fase final o Comerciário que ficou em terceiro, o Joinville e o Paysandu de Brusque.

A partida final terminou com a vitória da Chapecoense por 1x0, gol do atacante Jaime aos 40 minutos do segundo tempo.

Independente da polêmica valeu a decisão de campo e a grande festa realizada em Chapecó. A Associação Chapecoense de Futebol criada dois anos antes mostrava que chegou para se inserir no grupo dos grandes do futebol catarinense.
 

João Nassif
Por João Nassif 27/02/2020 - 09:03

Diferente do que ocorre atualmente lá atrás a seleção brasileira se reunia esporadicamente, não havia as famigeradas datas FIFA e todos discutiam, mas respeitavam as convocações sem prejuízos para os clubes. Hoje não é assim e um simples amistoso da seleção desfalca os times de seus principais jogadores em competições da mais alta importância.

Querem um exemplo? O Brasil perdeu a Copa de 1974 disputada na Alemanha Ocidental. Fez seu último jogo no dia 06 de julho contra a Polônia pela decisão do 3º lugar. 

O próximo jogo da seleção brasileira foi acontecer somente no dia 25 de fevereiro de 1976 em Montevidéu. A partida valeu pela Copa Rio Branco, uma disputa direta entre Brasil e Uruguai que teve várias edições. Quer dizer, mais de 19 meses após o jogo pela Copa de 1974.

Neste período o Brasil jogou uma Copa América, mas com uma seleção formada apenas por jogadores que atuavam em Minas Gerais. Foi um combinado entre Cruzeiro e Atlético Mineiro.

Depois dos mineiros eliminarem na primeira fase Argentina e Venezuela, foi disputar as semifinais com a seleção do Peru.

No primeiro jogo os peruanos venceram em plena Belo Horizonte por 3x1. Obrigada a vencer o Peru em Lima a seleção ganhou alguns reforços. Geraldo meia do Flamengo e Roberto Dinamite do Vasco ajudaram o Brasil na vitória por 2x0.

De forma bizarra a seleção brasileira foi eliminada através um sorteio. Depois desse fracasso a CBF resolveu disputar as futuras Copas sempre com o time principal e assim melhorou o rendimento do país na competição.  
 

João Nassif
Por João Nassif 26/02/2020 - 15:54

De 1924 quando foi disputado pela primeira vez, o campeonato catarinense teve várias denominações até chegar em 2020 como série A. Nas suas quatro primeiras edições era disputado somente por clubes de Florianópolis.

Externato-campeão catarinense de 1925

De 1924 até 1985 foi disputado com o nome de Campeonato Catarinense e não foi realizado apenas em 1946 pelo fato da Federação Catarinense de Desportos ter sido penalizada pela CBD por ter se recusado a enfrentar a seleção paranaense no Campeonato Brasileiro de Seleções. As atividades do futebol profissional em Santa Catarina foram suspensas por um ano. Em 1933 o campeonato não chegou ao final.

O Avaí foi o maior vencedor nas 59 edições do Campeonato Catarinense com 11 títulos. O Joinville foi nove vezes campeão e o Figueirense oito. Metropol e América de Joinville conquistaram cinco títulos cada um, o Caxias também de Joinville foi três vezes campeão, o Hercílio Luz de Tubarão e o Olímpico de Blumenau duas. Foram campeões apenas uma vez o Externato, o Catarinense e o Paula Ramos de Florianópolis, o Lauro Muller, o CIP de Itajaí, o Ipiranga de São Francisco, o Marcílio Dias, o Operário de Joinville, o Carlos Renaux de Brusque, o Perdigão de Videira, o Internacional de Lages, o Ferroviário de Tubarão, o Comerciário e a Chapecoense.

A partir de 1986 foi chamado de Campeonato Catarinense da 1ª Divisão, denominação que durou até 2003.

Nesta nova denominação foram disputados 18 campeonatos. O maior vencedor foi o Criciúma com sete títulos. A seguir vem o Figueirense com quatro, o Joinville com três o Avaí com dois e Brusque e Chapecoense com um título cada.

Nos dois anos seguintes foi chamado de Série A1, de 2006 a 2013 de Divisão Principal e a partir de 2014 até hoje de Série A

Criciúma e Figueirense, uma vez cada foram campeões da Série A1. Das oito disputas da Divisão Principal o Avaí foi campeão três vezes, Figueirense e Chapecoense duas e o Criciúma uma.

A Série A do campeonato catarinense está em sua 7ª edição. O Figueirense já venceu três, a Chapecoense duas e o Avaí uma vez, justamente na última edição em 2019.

João Nassif
Por João Nassif 26/02/2020 - 09:08

Todos sabemos que um jogo de futebol sendo amistoso ou valendo pontos não é realizado sem a presença de um árbitro. O tempo foi mostrando a dificuldade de comunicação entre árbitros e jogadores, já imaginaram um árbitro argentino advertindo com palavras um jogador chinês?

Por este motivo a FIFA introduziu na Copa do Mundo de 1970 os cartões amarelo e vermelho. O primeiro é simples advertência e o segundo a expulsão. Assim a comunicação ficou clara tanto para quem está no gramado como ao público nas arquibancadas.

Até então, em jogos de Copas do Mundo haviam sido expulsos 18 jogadores, o primeiro foi no Mundial de 1930. Nesta primeira edição do Mundial o zagueiro peruano Plácido Galindo foi mais cedo para o chuveiro no jogo em que sua seleção foi derrotada por 3x1 pela Romênia. O árbitro foi o chileno Alberto Warken.

Carlos Caszely

A primeira vez em que foi aplicado o cartão vermelho numa Copa do Mundo foi em 1974 na Alemanha Ocidental. O árbitro turco Dogan Babacan expulsou o chileno Carlos Caszely aos 22 minutos do segundo tempo no jogo em que o Chile foi derrotado pelos donos da casa por 1x0.

A seleção brasileira é a que mais teve jogadores expulsos em todas as Copas. O total é de 11 expulsões, sendo que cinco delas foi enquanto ainda não estava instituído o cartão vermelho. 

Em todas as Copas do Mundo 174 jogadores foram punidos com cartão vermelho.

Na Copa de 1938 na França o Brasil teve seus dois primeiros jogadores expulsos, Zezé Procópio e Machado contra a Tchecoslováquia. A última expulsão brasileira em Mundiais foi de Felipe Melo em 2010 contra a Holanda na África do Sul.
 

João Nassif
Por João Nassif 25/02/2020 - 21:31

Thiago Ávila *

Nessa semana, a Formula 1 iniciou seus primeiros dias de testes da pré-temporada, no circuito de Barcelona-Catalunha. Todas as equipes entraram na pista desde cedo, inclusive a Williams, que chegou com o carro atrasado no ano passado, foi a primeira a dar voltas essa semana.

Falando na equipe com sede em Grove, os britânicos deram uma boa melhora no carro em relação ao ano passado, com George Russell inclusive fazendo tempos melhores que o da Ferrari, e prometem compensar pelo fiasco do ano passado.

Em contrapartida, os italianos, que haviam detectado problemas nos testes do túnel de vento mês passado, sofreram com o carro e fizeram o melhor tempo com Vettel - 1:18,154 – sendo estes com pneus macios, o pior em relação aos outros carros com esse mesmo tipo de pneu. Com pneus médios, foram superados por Williams, Racing Point e Renault. A Ferrari deve fazer alterações no carro até Melbourne, na primeira corrida do campeonato, mas já começa com atraso.

Uma das atrações do treino foi a ‘Mercedes rosa’. O carro da Racing Point apareceu com um design absurdamente idêntico ao dos Flechas Prateadas de 2019. Pérez pôs a equipe de Lawrence Stroll em terceiro na quarta-feira e em segundo na quinta.

Não só a Racing Point apareceu com um design parecido com a Mercedes como também a Haas e a Alfa Romeo se tornaram Ferrari; e a Alpha Tauri, antiga Toro Rosso, tem leves traços de RB15. Isso tudo tem a ver com a manutenção do regulamento do ano passado para este ano, que promete dar uma equilibrada no campeonato, colocando as equipes de meio de pelotão mais próximas às três grandes.

A Renault também veio com um design extremamente diferente. A começar pela pintura em preto, mas também o grande destaque no bico bem arredondado e os traços parecidos com o carro de 2016/17. A McLaren vem com um carro mais enxuto, com um bico mais fino, se assemelhando à Red Bull do ano passado.

Mas no final das contas o grande vencedor da primeira semana foi a Mercedes, que, há pouco menos de um mês do início da F1, já larga muito na frente. Além de colocarem os dois carros nas primeiras colocações na quarta e na sexta feira, Bottas fez tempo de 1:15,732, tempo de pole position, e ainda dois segundos em relação aos demais carros.

E como sempre inovadores são, James Allison, projetista dos alemães, apresentou o sistema DAS, a Direção de Eixo Duplo (Dual Axis Steering). A inovação permite um volante ajustável, que flexiona para frente e para trás, afetando o posicionamento da suspenção, na qual deixa o carro mais estável nas retas. Ou seja: pepino resolvido. Se a Mercedes tinha um pé no sapato em relação a retas, quando perdia constantemente para a Ferrari em voltas rápidas, agora isso parece não ser mais grande problema. Permanecem sendo os ‘reis’ das curvas, e ao chegarem nas retas, o piloto pode ajeitar o ângulo da suspenção para corrigir a instabilidade.

Os carros voltam às pistas nesta próxima quarta-feira, em Barcelona, para a segunda semana de testes.

*Jornalista

João Nassif
Por João Nassif 25/02/2020 - 08:42

Hoje em dia, bicho é uma expressão muito usada no futebol que significa remunerar os jogadores pelos bons resultados colhidos numa partida e até numa conquista de torneio ou campeonato. O Vasco da Gama foi o clube que instituiu esta remuneração.

Em 1923 o clube da Cruz de Malta estreou na Liga Metropolitana e foi campeão. Os portugueses, fundadores do clube, tinham o habito de apostar na vitória do Vasco e como quase sempre ganhavam resolveram dividir o lucro com os jogadores.

Como estes eram amadores não poderiam receber dinheiro e assim foi criada uma tabela de acordo com a importância do adversário.

Um dirigente ia ao vestiário antes dos jogos para dizer aos jogadores quanto ganhariam pela vitória. Não se falava em dinheiro e sim numa espécie de determinação zoológica. A referência era o jogo do bicho que mesmo proibido era de muita popularidade naqueles tempos.

5 mil-réis representava um cachorro, 10 um coelho, 20 um peru, 50 um galo, 100 uma vaca e 400 uma vaca de quatro pernas.

Os jogadores perguntavam: qual o bicho de hoje? O dirigente respondia: um coelho.

Com o advento do profissionalismo não havia mais problema na premiação em dinheiro. Como não existe nenhuma relação dos bichos nas notas estes continuam sendo referência apenas na gíria do dinheiro. 
 

João Nassif
Por João Nassif 24/02/2020 - 09:10

O livro “O negro no futebol brasileiro” escrito pelo jornalista Mário Filho, faz menção ao surgimento do nome Fla-Flu para um dos mais tradicionais clássicos do futebol brasileiro.

A história contada pelo jornalista diz que o futebol no Flamengo surgiu em 1911, quando alguns atletas e dirigentes descontentes com o Fluminense deixaram o tricolor e aportaram no rubro-negro que até então disputava apenas competições de remo.

Fla-Flu pioneiro

O primeiro jogo entre os dois aconteceu no dia 07 de julho de 1912 com vitória do Flamengo por 3x2. Os clubes dividiam as atenções no início da década de 1920, pois ambos não admitiam negros no plantel. Defendiam o amadorismo como forma de permitir que somente famílias tradicionais tivessem acesso aos clubes e, consequentemente, pudessem jogar futebol.

As diretorias, aliás, chegaram a encabeçar a criação de uma liga independente para permitir que apenas clubes selecionados por eles pudessem disputar o campeonato. A medida foi tomada depois que o Vasco, que tinha muitos negros e brancos de origem pobre no elenco, conquistou o Estadual. 

O primeiro registro da expressão Fla-Flu que se tem notícia aconteceu no dia 9 de outubro de 1925, na edição de “O Jornal”. A notícia dava conta da convocação da Seleção Carioca para o Campeonato Brasileiro. Somente jogadores dos dois clubes foram convocados, o que causou um grande mal-estar entre os outros filiados. A expressão até ganhou tom pejorativo na época.

Superados os preconceitos, pela rivalidade, o clássico se tornou um dos mais disputados do país.
 

Tags: Fla-Flu

João Nassif
Por João Nassif 23/02/2020 - 08:47

O campeonato estadual catarinense de 1942 foi o mais curto de todos os tempos. O Avaí foi campeão jogando apenas uma partida e iniciou uma série de títulos que terminou com um tetracampeonato em 1945.

O campeonato de 1942 foi disputado por sete times divididos em regiões como era comum naquela época. O regulamento da competição era muito simples. Como eram poucos times, em cada região o classificado para as semifinais era decidido num único jogo. 

Pela zona sul se enfrentaram Hercílio Luz de Tubarão e Barriga Verde de Laguna. O Hercílio derrotou o Barriga Verde por 4x1.

Pela zona norte o América de Joinville goleou o Peri Ferroviário de Mafra por 5x1. E pela zona Itajaí-Blumenau-Brusque, o Sport Brusquense eliminou o Brasil de Blumenau com a vitória por 4x1.

Numa das semifinais, decidindo o campeão da zona sul o Avaí goleou o Hercílio Luz por 6x1 e se classificou para a final em partida disputada em Florianópolis.

Na outra semifinal, decisão da zona norte em Joinville o América venceu por 3x1 e eliminou o Sport Brusquense e foi para a decisão do título com o Avaí.

O jogo estava marcado para o dia 04 de outubro em Florianópolis e o América não compareceu. O time joinvilense comunicou em ofício a Federação Catarinense de Desportos que não poderia disputar a final por motivo de força maior. Quatro jogadores americanos serviam o Exército e devido à Segunda Guerra Mundial estavam de sobre aviso e não poderiam deixar a cidade.

A Federação declarou o Avaí campeão fato que gerou forte revolta em Joinville.

Por isso o campeonato catarinense de 1942 foi o mais curto da história com o campeão disputando apenas uma partida.
 

João Nassif
Por João Nassif 22/02/2020 - 09:45

De 1930 até 1942, Palmeiras e Corinthians dominavam o futebol paulista. Dos 13 campeonatos estaduais disputados o Palestra Itália/Palmeiras ganhou seis e o Corinthians cinco.

Dizia-se naquela época que para dar outro campeão só se a moeda caísse em pé. Claro que a moeda não caiu em pé, mas o tabu foi quebrado em outubro de 1943 quando o São Paulo conquistou o primeiro título de sua história.

O São Paulo já havia conquistado o campeonato de 1931, mas este título foi incorporado mais tarde, pois sua fundação oficial foi em 1935.

Como resposta aos dirigentes alviverdes e alvinegros a torcida são-paulina desfilou com carro alegórico exibindo uma moeda em pé.

O título só veio na última rodada, num campeonato disputado por pontos corridos. O São Paulo chegou com 32 pontos contra 30 de Palmeiras e Corinthians que tinham chances de ganhar o título. Naquela época vitória valia somente dois pontos e o São Paulo jogaria contra o Palmeiras por um simples empate.

E foi o que aconteceu. O empate em 0x0 no Estádio do Pacaembu deu o título ao tricolor comandado por Leônidas da Silva.

O time foi chamado de “rolo compressor”, pois não tomava conhecimento de quem viria pela frente.

Num campeonato com 11 clubes a campanha do campeão foi de 20 jogos com 15 vitórias, três empates e somente duas derrotas.
 

João Nassif
Por João Nassif 21/02/2020 - 09:58

O Brusque começa a temporada 2020 como o melhor time do futebol catarinense. Depois do acesso para a série C do campeonato brasileiro em 2019, da conquista da Copa Santa Catarina, em janeiro venceu a Recopa Catarinense derrotando o Avaí em plena Ressacada.

Artilheiro do Brusque na temporada

Teve o início de campeonato estadual com derrota para o Marcílio Dias em Itajaí para na sequência engatou vitórias em casa sobre o Joinville por 5x4 e sobre Avaí e Chapecoense fora do Augusto Bauer. Para chegar aos atuais 13 pontos que lhe dá a liderança empatou com o Tubarão e venceu o Juventus.

E não é só a excelente campanha no estadual, o Brusque continua surpreendendo em nível nacional atingindo a terceira fase da Copa do Brasil.

Na fase inicial derrotou o Sport Recife em Brusque por 2x1 e ontem, também em casa, goleou o Remo por 5x1 se classificando para a terceira fase quando irá enfrentar o vencedor de Brasil e Manaus que jogarão em Pelotas no dia 04 de março.

Mais que esta visibilidade o Brusque já garantiu uma cota de R$ 2,7 milhões. Se avançar para a fase seguinte colocará em seus cofres mais R$ 2 milhões, mas não poderá jogar no Augusto Bauer, pois o regulamento da Copa do Brasil exige para esta fase estádios com capacidade de mais de 10.000 torcedores.

Este o próximo adversário do Criciúma na retomada do campeonato no dia 1º de março. 
 

João Nassif
Por João Nassif 21/02/2020 - 09:27

Ontem registramos aqui no Almanaque da Bola a maior goleada aplicada na história do Maracanã. O recorde aconteceu pelo campeonato carioca de 1956 quando o Flamengo venceu o São Cristóvão por 12x2.

No Almanaque de hoje vou destacar as maiores goleadas aplicadas pelo Santos FC ao longo de sua história.

As duas maiores foram pelo placar de 12x1. A primeira no dia 03 de maio de 1927 sobre o Ypiranga da capital paulista e jogo válido pelo campeonato estadual. O destaque foi Araken Patuska que marcou sete gols. O palco foi a Vila Belmiro.

A segunda aconteceu também no estádio santista no dia 19 de novembro de 1959. A vítima foi a Ponte Preta pelo campeonato paulista com destaque para o centro avante Coutinho que marcou cinco dos 12 gols. Neste campeonato o Santos disputou 41 jogos e marcou 155 gols. O artilheiro foi Pelé com 45 gols.

Por falar Pelé, faltava o maior artilheiro do clube aparecer numa grande goleada. O Rei marcou oito gols na vitória sobre o Botafogo de Ribeirão Preto por 11x0 também na Vila Belmiro pelo campeonato paulista no dia 21 de novembro de 1964.

Em competições nacionais a maior goleada realizada pelo Santos foi pela Copa do Brasil de 2010. Esta edição marcou o primeiro título do Peixe na competição. Treinado por Dorival Júnior o Santos venceu por 10x0 o Naviairense do Mato Grosso do Sul.
 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13