Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
João Nassif
Por João Nassif 25/01/2020 - 08:05

Hoje me veio à cabeça a Copa América de 1979. Podem perguntar o que tem a ver a competição de mais de 40 anos atrás?

Lembrei por ter sido a primeira vez que pude participar ao vivo de uma jornada pela Rádio Gaúcha de um jogo oficial da seleção brasileira. Sim, pela Copa América de 1979 o Brasil foi jogar no Paraguai com partida valendo pelas semifinais do torneio.

Paraguai campeão da América em 1979

Na primeira fase a seleção comandada pelo Cap. Cláudio Coutinho que ainda sofria a frustração de um terceiro lugar na Copa de 1978, enfrentou em sua chave Bolívia e Argentina.

Com uma vitória e uma derrota para os bolivianos e uma vitória e um empate contra a Argentina o Brasil terminou em primeiro lugar credenciando-se para enfrentar os paraguaios na fase semifinal.

O primeiro jogo, este que veio à lembrança foi disputado no Defensores del Chaco, tradicional estádio em Assunção e os donos da casa venceram por 2x1. Lembro que o atacante Palhinha cria do Cruzeiro de Minas que em 1979 jogava pelo Corinthians fez o gol brasileiro.

No jogo da volta no Maracanã as seleções empataram em 2x2 e o Brasil foi desclassificado por um Paraguai que se tornaria campeão da Copa América vencendo o Chile na decisão do título. 

Mas, aquele jogo no Defensores del Chaco que marcou minha estreia internacional na Rádio Gaúcha jogaram pela seleção brasileira: Leão (Vasco), Toninho (Flamengo), Amaral (Corinthians), Edinho (Fluminense) e Pedrinho (Palmeiras); Chicão (São Paulo). Falcão (Internacional), Jair (Internacional) e Palhinha; Tarciso (Grêmio), Sócrates (Corinthians) e Eder (Grêmio) Zé Sérgio (São Paulo).
 

João Nassif
Por João Nassif 24/01/2020 - 13:17

Em 1992 editei a revista HISTÓRIA DO CRICIÚMA com a trajetória do único time catarinense a vencer uma Copa do Brasil e o primeiro que disputou a Taça Libertadores da América.

Numa das matérias, o jogo pela competição sul-americana contra o San José da Bolívia, cujo textos dizia o seguinte:

Criciúma na Libertadores

“Pela primeira vez em sua história o Criciúma jogava uma partida oficial no exterior. Pior, na Bolívia a 2.000 metros de altitude. O adversário: o San José de Oruru, vice-campeão boliviano.

Não eram poucos os que acreditavam que o Criciúma tremeria na base ao enfrentar o compromisso. Qual nada. Suportou altitude, torcida adversaria e ainda venceu o jogo. Está certo que o time não fez uma grande partida, mas o suficiente para vencer.  

O primeiro gol foi marcado por Gelson cobrando pênalti sofrido por Jairo Lenzi. Mas, quase não deu tempo para comemorar, logo em seguida o San José empatou também de pênalti.

Mas, no finalzinho o Criciúma mostrou que não estava para brincadeiras. Roberto Cavalo fez um lançamento primoroso para Jairo Lenzi que arrancou pela esquerda e fez um golaço.

Estava começando a nascer a principal estrela do Criciúma em sua história que, por diversas vezes esteve cotado para servir a seleção brasileira ainda quando vestia a camisa do Tigre”. Este texto foi escrito por Ismail Ahmad Ismail.

O técnico Levir Culpi mandou a campo este time: Alexandre, Jairo Santos, Vilmar, Wilson e Itá; Roberto Cavalo, Gelson e Grizzo; Vanderlei (Adilson Gomes), Zé Roberto (Paulo da Pinta) e Jairo Lenzi.

João Nassif
Por João Nassif 24/01/2020 - 08:10

O campeonato catarinense começou dentro do esperado. Baixa qualidade, pouquíssimos gols e entre os postulantes ao título somente o Criciúma conseguiu vencer. Enquadro o Criciúma nesta projeção, pois mesmo sofrendo com um longo jejum, é um dos grandes do estado.

O Tigre com dois gols nesta rodada inicial foi o único que conseguiu marcar. Chapecoense e Avaí no primeiro confronto direto do campeonato e o Figueirense não conseguiram sair do zero colaborando para a média de apenas um gol por jogo. O Concórdia que perdeu para o Criciúma marcou um, enquanto Marcílio Dias e Joinville conseguiram fazer um gol contra Brusque e Tubarão, respectivamente.

O esperado baixo nível nesta primeira rodada tem muito a ver com o pouco tempo de pré-temporada dos times que são favoritos ao título. Os demais que começaram os trabalhos a mais tempo não têm a qualidade que poderiam dar neste começo de campeonato.

Espero que a segunda rodada possa apresentar um padrão melhor para encaminhar uma competição com bom nível técnico. Com a palavra os grandes de Santa Catarina.   
 

João Nassif
Por João Nassif 23/01/2020 - 13:08

Depois de três anos de estreias com derrotas no campeonato catarinense o Criciúma finalmente conseguiu vencer na abertura do estadual. 

Nos três anos em que foi derrotado o Criciúma enfrentou equipes que brigam pelo título, Avaí e duas vezes o Figueirense e agora pegou pela frente um time que disputa o campeonato apenas para permanecer na primeira divisão estadual.

4oito.com.br

Foi visível a dificuldade do Criciúma em encaixar um jogo mais consistente em razão das muitas estreias e o natural desentrosamento entre suas linhas. Mostrou algumas novidades interessantes como o lateral Victor Guilherme, o meia Alisson Taddei e o atacante Jajá.

A partir desses três com os remanescentes Foguinho e Andrew é possível se pensar num time mais encorpado para a continuidade da temporada. Ainda falta arrumar o posicionamento do volante Adenílson que teve uma estreia modesta e acertar o entrosamento dele com os zagueiros, principalmente na cobertura aos laterais.

São apenas conjecturas, mas a amostra inicial foi dentro do previsto, agora o trabalho é aumentar o reforço físico e acertar a harmonia entre as linhas para o Criciúma poder brigar com adversários mais fortes.

E haverá tempo para tal, pois os próximos três jogos também serão contra equipes do segundo escalão do futebol catarinense, sendo dois deles no Heriberto Hülse. A tabela do campeonato foi boa para o Criciúma.  
 

João Nassif
Por João Nassif 23/01/2020 - 09:13

Vocês já sabem que os livros que contam a trajetória de jogos do Metropol estão em meu poder cedidos que foram pelo saudoso Divino Antônio da Silva.

Nestes livros estão registradas todas as fichas técnicas das partidas realizadas pelo time profissional idealizado por Dite Freitas e escritas por um autor não identificado. 

Muitas dessas fichas não trazem a escalação do adversário do Metropol, mas muitas são acompanhadas de comentários sobre os jogos numa visão própria de torcedor que sempre exalta com paixão as vitórias e quase sempre culpa a arbitragem pelos tropeços naturais que o futebol proporciona.

Comerciário dos anos 1960

Hoje vou reproduzir a ficha da primeira partida do Metropol profissional contra seu maior adversário, o Comerciário, mas infelizmente sem a crônica sobre o que foi o jogo vencido pelo time da região Mineira.

O palco do confronto foi o Heriberto Hülse no dia 23 de outubro de 1960 valendo pelo campeonato catarinense com renda de Cr$ 23.000,00.

O árbitro foi Afonso Câmara Ávila auxiliado por Adamastor Martins da Rocha e Abílio Zoile Thomé.

Escalação do Metropol: Dorni, Zezinho, Tenente (Flázio) e Walter; Sabiá e Bolognini; Márcio, Chagas, Almerindo, Pedrinho e Santinho.

Não há registro da escalação do Comerciário.

O Metropol venceu por 2x1 com gols de Pedrinho e Chagas. 

Este foi o primeiro confronto entre as duas equipes começando uma rivalidade que durou até quase o final dos anos 1960, quando encerraram as atividades. 

O Comerciário retornou em 1976 e o Metropol ficou apenas na lembrança de quem pode acompanhar sua trajetória vitoriosa pelos gramados do estado, país e também pelo exterior.

João Nassif
Por João Nassif 22/01/2020 - 09:10

Em julho de 1983 o Grêmio foi a La Plata enfrentar o Estudiantes pela Libertadores, uma partida decisiva que encaminharia o vencedor para a disputa final do torneio. O jogo terminou empatado e o Grêmio para se classificar ficou na dependência do América de Cali não ser derrotado pelo time argentino no último jogo da chave.

Era muito ruim a relação Brasil-Argentina, pois no final de junho alguns aviões ingleses que se dirigiam às Ilhas Falkland foram abastecidos em Canoas e Florianópolis reavivando os boatos que o Brasil deu apoio aos aviões britânicos durante a Guerra das Malvinas um ano antes.

Este conflito diplomático e a má reputação dos Estudiantes pelo anti-jogo que promovia em seus domínios criou um ambiente hostil para a delegação gremista, inclusive para jornalistas e torcedores que se deslocaram para o local da partida.

De acordo com o esperado o Grêmio foi recebido com extrema violência pelos torcedores e pelos próprios jogadores do Estudiantes que provocaram os gremistas ao extremo bem antes do jogo começar. O atacante argentino Trobbiani recebeu cartão amarelo antes do jogo começar.

Com a bola rolando dois jogadores argentinos foram expulsos, mas mesmo com nove jogadores o Estudiantes fez 1x0 aos 38 e aos 44 o meia Osvaldo empatou.

O atacante gremista Caio sofreu uma pancada violenta quando se dirigia ao vestiário e teve que ser substituído por César que marcou o segundo gol aos oito minutos e aos 18 Renato Gaúcho fez 3x1.

O Estudiantes teve mais dois expulsos e mesmo assim com apenas sete jogadores conseguiu empatar em 3x3 acalmando a fúria de todos no estádio em La Plata.

Diz a lenda que a pressão de todos os brasileiros no local do jogo, além da própria polícia obrigou o técnico Valdir Espinosa ordenar que seu time permitisse o empate. 

O jogo ficou conhecido como a “Batalha de La Plata”.

O América de Cali segurou o empate com o Estudiantes e este resultado classificou o Grêmio que se tornaria campeão da Libertadores de 1983 no confronto contra o Peñarol.
 

João Nassif
Por João Nassif 21/01/2020 - 09:54

O primeiro campeonato estadual do Rio Grande do Sul foi disputado em 1919 um ano depois da criação de Federação Rio-Grandense de Futebol.

Ainda na fase amadora o campeonato foi dividido por regiões e o Brasil de Pelotas foi o primeiro campeão. O Guarany de Bagé foi campeão em 1920 e o Grêmio de Porto Alegre se tornou bicampeão na sequência.

Brasil de Pelotas de 1919

Em razão da Revolução de 1923 que colocou frente a frente Ximangos e Maragatos não houve campeonato estadual em 1923 e 1924.

Em 1925 o campeão foi o Grêmio Bagé e mesmo com a implantação do profissionalismo a partir de 1942 o campeonato continuou sendo disputado por regiões e vários times conquistaram o título. Mas, já era percebido o crescimento da dupla Gre-Nal.

De 1942 até 1960 quando terminou o campeonato por regiões e foi criada a Divisão Especial com clubes de todo estado, a dupla Gre-Nal ganhou 18 dos 19 títulos disputados. O Internacional ganhou 11 e o Grêmio sete, sendo que o intruso foi Sport Club Renner de Porto Alegre campeão em 1954.

A partir de 1961 a hegemonia dos dois times grandes de Porto Alegre ficou consolidada e até agora somente três equipes do interior conseguiram supera-los. 

Os dois primeiros foram equipes da cidade de Caxias do Sul, o Juventude em 1998 e a SER Caxias em 2000. 

O Juventude sob o comando do saudoso técnico Lori Sandri foi campeão invicto disputando a final com o Internacional. Venceu em Caxias por 3x1 e empatou em 0x0 no Beira Rio.

Já o Caxias treinado pelo Tite, hoje na seleção brasileira foi campeão no confronto contra o Grêmio. No primeiro jogo no Estádio Centenário vitória do Caxias por 3x0 e no jogo final 0x0 no Estádio Olímpico. Neste jogo Gilmar Dal Pozo, atualmente técnico de futebol, defendeu um pênalti batido por Ronaldinho Gaúcho.

E finalmente em 2017 o campeão foi o Novo Hamburgo treinado por Beto Campos, falecido recentemente, que passou no ano passado pelo Criciúma.

Na decisão contra o Internacional o Novo Hamburgo empatou em 2x2 no Beira Rio e em 1x1 em casa. Na decisão por pênaltis o Novo Hamburgo venceu por 3x1.

No acumulado de títulos do campeonato gaúcho o Internacional conquistou 45 e o Grêmio 38.
 

João Nassif
Por João Nassif 20/01/2020 - 14:32

Depois do boicote africano no Mundial de 1966 a FIFA decidiu abrir uma vaga direta para eles e para evitar novos protestos definiu que a Ásia também teria uma vaga direta para a Copa de 1970 realizada no México.

Mantidas estas vagas, a FIFA fez constar no regulamento que haveria para o Mundial de 1974 que foi disputado na Alemanha Ocidental uma repescagem intercontinental entre o vencedor do Grupo 9 das eliminatórias europeias, formado pela União Soviética, França e Irlanda e o vencedor do Grupo 3 da América do Sul formado pelo Peru e Chile depois da desistência da Venezuela.

A União Soviética venceu a disputa na Europa com três vitórias e uma derrota, enquanto que na América do Sul o Peru venceu o primeiro jogo em Lima por 2x0 e pelo mesmo placar o Chile deu o troco em Santiago.

Foi necessário um jogo extra no Estádio Centenário em Montevideo e o Chile de virada venceu o Peru por 2x1 se credenciando para disputar a vaga com os soviéticos.

Duas semanas antes do início da repescagem, em 11 de setembro de 1973 ocorreu o golpe militar no Chile liderado pelo general Augusto Pinochet e o presidente Salvador Allende foi assassinado. A União Soviética que mantinha boas relações com o governo Allende anunciou o rompimento das relações diplomáticas com o Chile.

Mesmo assim em 26 de setembro, cercado de muita tensão o primeiro jogo da repescagem foi realizado em Moscou. Não existem imagens desta partida, pois as autoridades soviéticas proibiram a entrada de jornalistas e câmeras no estádio. O jogo terminou empatado em 0x0. 

A partida de volta foi marcada para o dia 21 de novembro, mas os soviéticos se recusaram a viajar alegando motivos políticos. Mesmo assim o jogo foi realizado.

Num dos momentos mais constrangedores da história do futebol a seleção chilena entrou em campo no Estádio Nacional, ficou perfilada para execução do hino nacional e o árbitro austríaco Erich Linemayer soprou o apito inicial. O capitão chileno Francisco Valdés carregou a bola pela metade vazia do campo até o gol e chutou para as redes.

A FIFA declarou o Chile vencedor por 2x0 e classificado para o Mundial da Alemanha Ocidental. Os soviéticos foram punidos com a desclassificação e multados pela entidade.
 

João Nassif
Por João Nassif 20/01/2020 - 09:32

Thiago Ávila * 

O ePrix de Santiago da Formula-E neste sábado mostrou mais uma vez como a BMW e a Techeetah dominam essa segunda geração de carros elétricos. 

Quem largou na pole foi Mitch Evans, da Jaguar, com Maximilian Günther, da BMW, em segundo, e Pascal Wehrlein, da indiana Mahindra, em terceiro. Felipe Massa era quarto no grid, mas logo na largada já caíra para sexto lugar. Largando de mais atrás, a dupla Jean-Éric Vergne e António Félix da Costa fizeram a festa passando todos pela frente.

Max Günther

A briga pela liderança se intensifica na primeira metade da prova com os três líderes duelando. Wehrlein pegou a terceira posição de Günther, mas mesmo com a potência do modo ataque não conseguiu segurar os ataques do alemão. Max foi para cima de Evans, na primeira o australiano teve a chicane a seu favor, mas na reta maior não aguentou. O piloto da BMW some na liderança.

A segunda metade foi a hora da Techeetah atacar. Vergne e Da Costa seguiam juntos passando pelos carros da Mercedes e da Venturi e já eram terceiro e quarto, deixando até Wehrlein para trás. Nesse período, Massa já era décimo, brigando para ficar no top-10 com o outro brasileiro Lucas Di Grassi. Vergne foi à caça de Evans, mas acaba sofrendo uma forte batida na proteção da roda dianteira esquerda. Mesmo com o dano, segurou os pilotos atrás por um bom tempo até ser obrigado a abandonar. Da Costa, com mais carro, consegue ultrapassar Evans e tinha tudo para chegar em Günther e ganhar a corrida.

Em uma curva bem fechada, o português, especialista em ultrapassagens por ali, toca na roda traseira do alemão e o passa. O piloto da BMW já havia informado no rádio que estava com problemas de temperatura no carro e isso poderia causar danos na bateria. Se você acompanha F1, sabe dos blefes da Mercedes. Pois é, os alemães da BMW não são diferentes. 

Da Costa, tentando administrar a bateria, reduziu o ritmo, já sabendo dos problemas no carro do alemão. E bobeou! Günther, na mesma reta que passou Evans, retomou a liderança na última volta e venceu a corrida.

É a segunda vitória da BMW no campeonato, a primeira de Max, que se torna, com 22 anos, o piloto mais jovem a vencer pela F-E. O curioso disso tudo é que Günther estava com a carreira na categoria ameaçada ano passado, quando recebeu críticas por má conduta de Felipe Massa e foi substituído por Felipe Nasr na Dragon. Recebeu uma nova chance na BMW e mostrou o seu melhor desempenho.

A BMW segue líder nas equipes e Stoffel Vandoorne, da Mercedes, assume a liderança dos pilotos com 38 pontos, seguido de Alexander Sims, com 35. Günther é quarto com 25.
 
* Jornalista de Automobilismo
 

João Nassif
Por João Nassif 19/01/2020 - 08:48

O regulamento para a Copa do Mundo de 1966 previa uma espécie de repescagem que acabou não sendo realizada. Com o aumento de países filiados da África, Ásia e Oceania e suas seleções inscritas desde o Mundial anterior, a FIFA resolveu abrir uma vaga direta para contemplar todas estas referidas zonas.

Seleção da Coréia do Norte na Copa de 1966

Segundo a proposta da FIFA as 15 seleções africanas seriam divididas em seis grupos com os vencedores de cada grupo se enfrentando em mata-mata os três sobreviventes avançariam para um quadrangular decisivo que seria completado com o vencedor do grupo Ásia/Oceania, Austrália e as Coréias do Norte e do Sul. O vencedor deste quadrangular estaria classificado para o Mundial.

Os africanos protestaram contra esta fórmula e contra a inscrição da África do Sul onde já vigorava o regime do apartheid. A FIFA desclassificou a África do Sul, mas manteve o sistema de distribuição das vagas. Os africanos não concordaram e abandonaram integralmente as eliminatórias. 

Na Ásia a Coréia do Sul também abandonou a disputa alegando problemas políticos e a vaga foi decidida entre a Coréia do Norte e a Austrália. Os norte-coreanos venceram duas vezes com facilidade a Austrália por 6x1 e 3x1 jogando em Phnom Penh no Camboja. 

Desta forma, sem repescagem a Coréia do Norte foi ao Mundial de 1966 na Inglaterra e protagonizou uma das maiores zebras da história das Copas do Mundo ao derrotar na primeira fase a Itália por 1x0 conseguindo classificação para as quartas de final. 
 

João Nassif
Por João Nassif 18/01/2020 - 09:02

Já vimos que a primeira repescagem da história das Copas do Mundo aconteceu por acaso decidindo vaga para o Mundial de 1958 disputado na Suécia. O País de Gales superou Israel que havia conseguido chegar à repescagem depois da desistência de outros países por questões políticas.

Para o Mundial seguinte em 1962 no Chile a FIFA instituiu no regulamento algumas decisões entre países de variados continentes para complementação das 16 seleções que disputaram a fase final do torneio. 

Houve um aumento de países que se filiaram à FIFA com o processo de descolonização da África na passagem da década de 1950 para a de 1960. Desta forma mais países africanos se credenciaram para a disputa das eliminatórias para a Copa de 1962. 

Tunísia, Marrocos, Nigéria e Gana se juntaram à Etiópia, Egito e Sudão que já haviam disputado as eliminatórias para o Mundial anterior.

O regulamento proposto pela FIFA eliminou a vaga direta da Ásia e estipulou uma série de repescagens em que as seleções africanas e asiáticas enfrentariam equipes europeias por uma vaga no torneio.

Na repescagem Europa-África o Marrocos que havia sobrado na disputa africana enfrentou a Espanha e foi derrotado por 1x0 em Casablanca e por 3x2 em Madrid.

Na repescagem Europa-Ásia a Iugoslávia com duas vitórias por 5x1 em Belgrado e por 3x1 em Seul eliminou a Coréia do Sul que havia derrotado o Japão no grupo asiático.

Houve ainda uma repescagem disputada no continente americano. México e Paraguai se enfrentaram com os mexicanos conquistando a vaga depois de vencer em casa por 1x0 e empatar em 0x0 na partida de volta em Assunção.

E assim Espanha, Iugoslávia e México conquistaram via repescagem as vagas para a Copa do Mundo de 1962. 
 

João Nassif
Por João Nassif 17/01/2020 - 09:36

A repescagem é o momento final das eliminatórias para Copas do Mundo e costuma ser a última vez em que a bola rola antes do sorteio dos grupos que disputarão o Mundial.

Serve também como uma prévia do torneio quando coloca frente a frente seleções dos mais distintos continentes em jogos que valem ponto, aliás vale classificação par a Copa do Mundo. Normalmente estas seleções se enfrentam em jogos amistosos que não valem pontos programados nas datas FIFA.

A primeira repescagem intercontinental da história dos Mundiais aconteceu por acaso, pois não estava prevista no regulamento. O motivo foi a confusa história do grupo que reuniu África, Ásia e Oceania, um tipo resto do mundo à exceção das Américas e Europa. O grupo com representantes dos três continentes classificaria uma seleção para o Mundial da Suécia.

País de Gales x Israel em 1958

Começou a confusão com a FIFA rejeitando as inscrições da Etiópia e da Coréia do Sul. As eliminatórias deveriam ter iniciado com o jogo entre Indonésia e República da China, atual Taiwan, que desistiu.

Em seguida mais três desistências, da Austrália que estava no grupo da Indonésia, de Chipre que enfrentaria o Egito e da Turquia que seria a adversária de Israel. Houve jogo somente numa chave em que o Sudão eliminou a Síria. Sobraram, portanto Indonésia, Egito, Israel e Sudão.

Pela FIFA não ter aceito o pedido da Indonésia de enfrentar Israel em campo neutro, os indonésios se retiraram da disputa. Egito e Sudão por questões politicas também resolveram sair das eliminatórias, portanto sobrou apenas Israel.

A FIFA havia decidido que nenhum país poderia disputar o Mundial sem ter realizado ao menos um jogo eliminatório, exceção ao campeão da edição anterior e o anfitrião. A entidade resolveu fazer um sorteio entre as seleções que terminaram em segundo lugar em seus grupos nas eliminatórias da Europa e o contemplado foi País de Gales.

Assim aconteceu a improvisada primeira repescagem que classificou uma seleção para a Copa do Mundo e na combinação de duas partidas País de Gales venceu Israel e foi à Suécia onde enfrentou e perdeu para o Brasil nas quartas de final.
 

João Nassif
Por João Nassif 16/01/2020 - 09:38

A final de uma Copa do Mundo é decidida em um único jogo e o vencedor é declarado campeão mundial de futebol.

Somente uma vez na história a decisão envolveu quatro seleções que jogaram entre si em turno único e o campeão foi a que somou mais pontos no quadrangular. Aconteceu na IV Copa do Mundo da história disputada no Brasil em 1950.

Brasil, Uruguai, Espanha e Suécia jogaram o quadrangular e na última rodada a seleção brasileira que jogava pelo empate levou a virada do Uruguai que conquistou seu segundo título mundial.

Quando a partida final termina empatada em seu tempo regulamentar é disputada uma prorrogação e por cinco vezes a Copa foi decidida no tempo extra.

Itália campeã mundial em 1934

A primeira foi em 1934 quando a anfitriã Itália derrotou a Tchecoslováquia por 2x1 depois de empate em 1x1 nos 90 minutos. 

A segunda foi em 1966 quando a também anfitriã Inglaterra derrotou a Alemanha Ocidental por 4x2 depois do empate em 2x2 no tempo normal.

A terceira foi na Argentina em 1978 com os donos da casa derrotando a Holanda por 3x1 depois de empatar em 1x1 no tempo regulamentar.

As outras duas decisões na prorrogação não envolveram países que sediaram a Copa. Em 2010 a Espanha derrotou a Holanda por 1x0 no Mundial da África do Sul e em 2014 a Alemanha venceu a Argentina, também por 1x0 no Maracanã. 

Quando a final não se decide na prorrogação apura-se o campeão numa disputa por pênaltis. Duas vezes na história o título ficou pelo vencedor nas penalidades máximas. 

A primeira foi em 1994 com o Brasil conquistando o tetra contra a Itália nos Estados Unidos e a segunda em 2006 na Alemanha com vitória da Itália sobre a França.
 

João Nassif
Por João Nassif 15/01/2020 - 09:50

Nas vinte e uma Copas do Mundo realizadas até o momento, 79 países disputaram o torneio ao menos uma vez. 

Destes, treze disputaram finais (três sul-americanos e dez europeus), e oito as venceram (três sul-americanos e cinco europeus). Com cinco títulos, o Brasil é o time mais bem sucedido da Copa do Mundo, e a única nação a ter disputado todas as edições do torneio. 

1ª final de Copa do Mundo-Uruguai x Argentina

A Alemanha e a Itália portam quatro títulos. Uma curiosidade é que estas três seleções conquistaram o tetra exatamente 24 anos após terem conquistado o tri. 

Os outros campeões anteriores são Uruguai, que venceu a primeira edição, a Argentina, e a França com dois títulos cada; a Inglaterra, e a Espanha completam a lista, com um título cada.

Nove finais foram entre seleções da Europa, duas entre seleções da América do Sul e dez entre sul-americanas e europeias, em que sete tiveram vitória sul-americana e três europeia, ou seja, as seleções europeias ocuparam 28 vagas e as sul-americanas 14.
 

João Nassif
Por João Nassif 14/01/2020 - 09:38Atualizado em 14/01/2020 - 13:51

A Copa do Mundo no Qatar em 2022 será a 22ª disputada em toda a história. Apesar da seleção brasileira ter vencido cinco das 21 edições já realizadas, Uruguai e Argentina cada uma duas vezes campeã, portanto os sul-americanos contabilizam nove títulos, os europeus levam boa vantagem com 12 títulos conquistados.

Pelo fato da UEFA, União Europeia de Futebol, ter 55 seleções filiadas contra apenas 10 da CONMEBOL, Confederação Sul-Americana é natural que os europeus tenham sido mais vezes campeões.

Seleção pentacampeã

A Alemanha que foi finalista oito vezes tem a seleção que mais disputou finais de Copas do Mundo. Os alemães venceram quatro e nas outras quatro vezes ficou com o vice-campeonato.

Com seus quatro vices a seleção alemã é que a que mais vezes ficou na segunda posição em Copas do Mundo. Depois da Alemanha vem a Argentina que foi vice-campeã em três oportunidades.

Depois da Alemanha foi a seleção brasileira que mais esteve presente em finais de Mundiais de Futebol. O Brasil disputou sete finais, vencendo cinco e sendo duas vezes vice-campeão. 

A Itália que disputou seis finais, à exemplo da Alemanha foi campeã quatro vezes e vice em duas edições. 

E a Holanda que disputou três finais de Copas do Mundo e em todas foi derrotada, portanto os holandeses têm três vice-campeonatos. 
 

João Nassif
Por João Nassif 13/01/2020 - 09:30

O primeiro campeonato sul-americano de clubes campeões foi disputado em 1948 e teve como sede Santiago, capital do Chile

Participaram sete equipes, todas campeãs em seu país no ano anterior: o chileno Colo Colo, o Emelec do Equador, o Litoral da Bolívia, o Municipal do Peru, o Nacional do Uruguai, o River Plate da Argentina e o Vasco da Gama do Brasil.

CR Vasco da Gama em 1948

A pergunta: por que o Vasco se na época não havia qualquer campeonato brasileiro de clubes? A CBD promovia apenas o campeonato brasileiro de seleções estaduais e o Rio de Janeiro, então Distrito Federal havia sido campeão na última edição em 1946, por isso a entidade premiou o Vasco da Gama, campeão do estadual do Rio de Janeiro em 1947.

Em Santiago cada equipe disputou seis jogos, a competição foi em turno completo com todos jogando contra todos e no final o Vasco foi o campeão invicto com quatro vitórias e dois empates.

Venceu seus quatro primeiros jogos, 2x1 sobre o Litoral, 4x1 em cima do Nacional, 4x0 sobre o Municipal e derrotou o Emelec por 1x0.

Os empates aconteceram nas partidas finais. No penúltimo jogo o Vasco empatou em 1x1 com os donos da casa e finalmente o empate em 0x0 contra o River Plate no jogo que decidiu o título.

A Copa dos Campeões em Santiago foi a única disputada pela América do Sul. Somente em 1960 a Confederação Sul-Americana de Futebol implantou um novo torneio envolvendo os campeões de todas as 10 Federações filiadas. 

Foi criada a Copa Libertadores da América.
 

João Nassif
Por João Nassif 12/01/2020 - 18:05

O futebol, esporte mais popular do planeta é como se fosse um intruso nas Olimpíadas que dão maior visibilidade a outras modalidades o que fica claro quando se vê a história do futebol nos Jogos Olímpicos.

Esta relação conflituosa torna praticamente impossível que as grandes potências mundiais consigam a tão cobiçada medalha de ouro. São poucas seleções de alto nível que alcançaram em Olímpiadas o lugar mais alto do pódio. 

Seleção da Hungria-jogadores do exército

Na Era Moderna apenas a França em Los Angeles em 1984, a Espanha quando foi anfitriã em Barcelona em 1992, a Argentina em 2004 em Atenas e o bi em 2008 em Pequim e o Brasil em casa em 2014 conquistaram a medalha de ouro.

Os conflitos ainda persistem e têm origem nos primórdios dos ciclos olímpicos O Barão de Coubertin, criador dos Jogos Olímpicos era defensor ardoroso do amadorismo, por isso o futebol foi admitido na segunda edição dos Jogos em 1900. Até 1928 o torneio olímpico de futebol era a principal competição internacional de seleções.

Com a implantação da Copa do Mundo em 1930 começou o profissionalismo no futebol e a FIFA a partir de 1936 admitiu às seleções olímpicas relacionar seus melhores atletas desde que fossem amadores. 

Esta restrição permitiu que os países socialistas do Leste Europeu mandassem para os Jogos seus principais jogadores, pois eram oficialmente militares, portanto amadores. Os países ocidentais eram obrigados a mandar jogadores amadores ou das categorias de base.

Em função deste impedimento a supremacia dos países socialistas ficou evidente com Hungria sendo campeã olímpica três vezes, a União Soviética vencendo duas vezes e Iugoslávia, Polônia, Alemanha Oriental e Tchecoslováquia conquistando uma medalha de ouro.

Com a dissolução da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) em 1991 chegou ao fim a supremacia no futebol olímpico dos países socialistas.

Mesmo que ainda haja restrições na montagem dos times olímpicos de futebol, Nigéria, Camarões, Espanha, Argentina duas vezes, México e Brasil já conseguiram a cobiçada medalha de ouro.  
 

João Nassif
Por João Nassif 11/01/2020 - 08:31

No Almanaque da Bola de quinta-feira contei a história da decisão do campeonato carioca de 1958 que terminou com um super supercampeonato entre Vasco da Gama, Flamengo e Botafogo que acabou somente em janeiro de 1959 com o time de São Januário supercampeão.

Não é que um ano depois no campeonato paulista também foi necessário um supercampeonato para que o campeão fosse conhecido?

Supercampeão paulista de 1959

Com a participação de 20 clubes a competição terminou com Palmeiras e Santos dividindo a primeira colocação. Disputado em turno e returno, depois de 38 jogos ambos terminaram com 63 pontos. O Palmeiras com 29 vitórias e cinco empates, além de quatro derrotas, e o Santos com 30 vitórias, três empates e cinco derrotas. Naquela época cada vitória valia dois pontos.

Impressionou a quantidade de gols marcados por cada um dos times finalistas ao longo do campeonato. O Santos de Pelé alcançou a incrível marca de 155 gols nos 38 jogos, média de mais de 4 gols por jogo e o Palmeiras marcou 112.

O campeonato foi decidido em janeiro de 1960 e houve necessidade de um terceiro jogo, pois houve empate nos dois primeiros.

A primeira partida terminou em 1x1 no dia 05 de janeiro. O segundo jogo terminou em 2x2 no dia 07. Finalmente a partida que definiu o campeão foi jogada no dia 10 e o Palmeiras venceu por 2x1 de virada. Todos os jogos foram realizados no Estádio do Pacaembu 

Pelé marcou o gol santista aos 14 minutos do primeiro tempo. Julinho Botelho empatou aos 43 e aos 03 minutos do segundo tempo Romeiro de falta sacramentou o título palmeirense.

Este título interrompeu um possível penta campeonato do Santos de Pelé que havia sido campeão em 1958 e se tornaria tri em 1960, 1961 e 1962.
  

João Nassif
Por João Nassif 10/01/2020 - 10:10

Neneca; Mauro, Edson, Gomes, Miranda; Zé Carlos, Renato, Zenon; Capitão, Careca e Bozó. Muitos ainda se lembram deste time que sob o comando do técnico Carlos Alberto Silva surpreendeu o Brasil e se tornou campeão brasileiro há exatos 40 anos.

A aposta do Bugre no técnico, ainda um desconhecido se deveu à necessidade do clube em investir nos jogadores da base pela falta de recursos para montar um time com jogadores mais experientes. Aliás, foram contratados alguns mais rodadas que mesclados com os garotos levou o Guarani a fazer a maior campanha de sua história no campeonato nacional de 1978.

O goleiro Neneca veio do Náutico, Zé Carlos que anos depois conquistaria pelo Criciúma o campeonato estadual de 1986 e Zenon do Avaí vieram de times de fora do estado de São Paulo. O capitão Edson era jogador do São Bento de Sorocaba, Gomes o outro zagueiro chegara do Saad, Capitão veio do XV de Piracicaba e Bozó era cria do São Bento com passagens pelo Santos e Atlético-MG.

Os laterais, Mauro e Miranda, o meia Renato e o centroavante Careca foram criados no próprio Brinco de Ouro da Princesa. Estava formado um grande time que se tornou o primeiro e até agora único clube do interior campeão brasileiro da primeira divisão. 

A campanha teve altos e baixos até a fase final. O jogo que alertou o país sobre uma grande equipe que poderia chegar ao título aconteceu no Beira-Rio quando até vítima de chacota pelos nomes de seus atacantes, o Guarani enfiou 3x0 no Internacional com quase todos remanescentes do bicampeonato conquistado em 1975-1976.

Nas semifinais o Guarani venceu duas vezes o Vasco da Gama, a primeira em Campinas por 2x0 e no jogo da volta 2x1 no Maracanã.

O título foi conquistado em cima do Palmeiras com duas vitórias por 1x0. No primeiro jogo o goleiro Leão foi expulso depois de ter dominado uma bola e provocado deu uma cotovelada no Careca dentro da área. Pênalti e com Escurinho improvisado de goleiro Zenon definiu a vitória perante mais de 100 mil torcedores no Morumbi.

Em Campinas no jogo da volta nova vitória bugrina por 1x0 com gol de Careca.

Guarani campeão brasileiro de 1978.
 

João Nassif
Por João Nassif 09/01/2020 - 09:19

O campeonato carioca de 1958 foi o mais sensacional entre todos os campeonatos estaduais disputados no país em todos os tempos.

Naquela época os campeonatos estaduais eram disputados por pontos corridos em turno e returno e a vitória valia apenas dois pontos.

Participaram do campeonato carioca de 1958 12 equipes e depois de 22 rodadas Flamengo, Botafogo e Vasco da Gama terminaram empatados na primeira posição com 32 pontos. Cada time venceu 14 jogos, empatou quatro e perdeu quatro. Não havia nenhum critério de desempate, por isso foi necessário um torneio entre os três para ser apurado o campeão. Os clubes foram disputar um supercampeonato.

No primeiro jogo em 20 de dezembro o Vasco derrotou o Flamengo por 2x0. No segundo disputado no dia 27 o Flamengo venceu o Botafogo por 2x1 e na terceira partida o Botafogo derrotou o Vasco por 1x0 já em 1959 no dia 03 de janeiro.

Como todos terminaram com dois pontos ganhos foi necessário um novo torneio chamado de super supercampeonato que começou no dia 10 de janeiro com a vitória do Vasco sobre o Botafogo por 2x1.

No dia 14 de janeiro Botafogo e Flamengo empataram em 2x2 de a decisão ficou para o 17 quando com qualquer resultado entre Vasco e Flamengo estaria definido o campeão. O empate favorecia o Vasco.

Na noite de sábado, dia 17 de janeiro de 1959 Vasco da Gama e Flamengo entraram em campo num Maracanã lotado por cerca de 150 mil torcedores. O público pagante foi de 130.901 para uma renda recorde de CR$ 5.621.768,00.

Roberto Pinto abriu o marcador para o Vasco aos 13 minutos do segundo tempo e aos 25 o ponteiro Babá empatou para o Flamengo e o jogo terminou em 1x1.

O Vasco da Gama, super supercampeão carioca de 1958 jogou a partida final com Miguel, Paulinho, Belini, Orlando e Coronel; Écio e Waldemar; Sabará, Almir, Roberto Pinto e Pinga. O técnico, Francisco de Souza Ferreira, o Gradim. 

6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18