Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Denis Luciano
Por Denis Luciano 16/11/2018 - 21:24Atualizado em 16/11/2018 - 21:28

A imagem é corriqueira mundo afora. Mas sempre que se repete, enche de euforia os tricolores daqui. "É o maior de Santa Catarina", repete-se nas redes sociais. E não foi diferente no fim da tarde desta sexta-feira quando, ao abrir imagens desde o estádio do Arsenal, em Londres, a Rede Globo flagrou alguns, não poucos, torcedores do Criciúma.

Orgulhosos, vestiam suas camisas do Tigre, das mais diversas épocas, com as mais diversas marcas estampadas entre o amarelo, o preto e o branco. E como são apaixonados esses torcedores que vivem da distância de casa. Eles, certamente, estariam no Majestoso contra o Sampaio Corrêa, no sábado da semana que vem, no confronto que possivelmente valerá a vida tricolor na Série B. E eles, certamente, não abandonarão o Criciúma caso o pior aconteça.

E carregavam uma faixa "Vamos, Tigre" daquela, dos tempos da Série A em 2013 e 2014. E gritaram pelo seu Criciúma, mesmo sabendo que a realidade hoje é tão distante daqueles impecáveis cenários de seleções e craques e dinheiro abundante do futebol europeu. Anos-luz. A milhares de quilômetros dali, o Criciúma chegava a Goiânia para uma decisão diante do Vila Nova. Pontuar na capital de Goiás será uma façanha.

Brasil comemora o gol feito no Uruguai / Foto: CBF / Divulgação

E enquanto os criciumenses de Londres se abalaram para assistir um Brasil 1x0 Uruguai com gol de Neymar cobrando pênalti - são cinco vitórias em cinco partidas do time do Tite após a queda na Copa do Mundo - os criciumenses daqui roem unhas diante da TV em um Londrina x CRB. Torcendo pelo azul do Londrina...

Solidário ao Criciúma, até o simpático Canarinho, que resgatou sua perdida fama do passado durante a Copa na Rússia, carregou as cores do Criciúma. Certamente a pedido da animada galera na capital inglesa, o mascote dedicou alguns segundos de sua corrida agenda em dia de jogo do Brasil para posar com a tricolor do Tigre. Que seja um bom presságio para que o povo tricolor não fique "pistola" nesses próximos e tensos dias.

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 16/11/2018 - 20:38Atualizado em 16/11/2018 - 20:45

O Criciúma vive dias e horas de tensão com o risco de rebaixamento à Série C do Campeonato Brasileiro. O assunto esteve na pauta do Debate Aberto desta sexta-feira, véspera da partida do Tigre contra o Vila Nova neste sábado, em Goiânia.

A repetição de alguns erros ao longo da temporada, como as questões disciplinares e a limitação de investimentos, foram destaques. As dificuldades enfrentadas pelo técnico Mazola Júnior também. 

O Debate Aberto tratou nesta sexta, ainda, do programa Mais Médicos e o anúncio da saída dos profissionais cubanos do Brasil. Na região há previsão de forte impacto principalmente em Içara. O programa contou com as participações de Valdeci Rampinelli, Sarandi, Jonatas Roberge e Jairton Manique Barreto. Confira no podcast.

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 14/11/2018 - 14:31Atualizado em 14/11/2018 - 14:37

Matematicamente, cinco times tem chances de cair para a Série C na última vaga do rebaixamento, e acompanhar Sampaio Corrêa, Juventude e Boa Esporte na queda. O crescimento recente do Paysandu fez aumentar, e bastante, o risco do Criciúma.

E tudo piorou ontem, com a vitória do Paysandu sobre o Figueirense por 3 a 2 em Florianópolis. Esta foi a pauta principal do Debate Aberto desta quarta-feira na Som Maior. 

Depois do empate em casa com o Goiás em 2 a 2, e antes de perder para o Londrina por 4 a 2, o Criciúma tinha 1% de risco de cair. Veio a derrota para o Londrina e o empate em casa com o CRB. Em paralelo, a ascensão do Paysandu. O risco, que era de 6% até ontem, subiu para 16% após a vitória dos paraenses em Floripa. 

Os cálculos acima são do portal Chance de Gol. O Criciúma pode fugir de vez do rebaixamento no sábado, se ganhar do Vila Nova e o CRB tiver perdido para o Londrina no sábado. Mas, por outro lado, o Tigre pode ir ao Z-4, caso o CRB vença o Londrina e o tricolor seja derrotado em Goiânia. Ou, ainda, se o CRB empatar no Paraná e o Criciúma perder por três ou mais gols de diferença.

Mazola avisou no sábado, após o 3 a 3 com o CRB, que era preciso "estar pronto para o pior" / Fotos: Guilherme Hahn / A Tribuna

Essas e outras no Debate Aberto de hoje, no qual estivemos com João Pedro Herrmann, Plácido Pizzetti, Antônio Sérgio Fernandes e Fabrício Schambeck. Confira no podcast.

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 13/11/2018 - 21:25Atualizado em 13/11/2018 - 21:31

O drama só aumenta para o Criciúma. O Figueirense vencia o Paysandu por 2 a 0 mas, uma virada nos acréscimos, deu mais um fôlego para o time paraense na luta contra o rebaixamento. Com os 3 a 2 anotados em pleno Orlando Scarpelli, chegou a 43 pontos, ficando atrás do Tigre somente no saldo de gols: -8 a -6. O resultado empurrou provisoriamente o CRB para a zona de rebaixamento, com 42 pontos.

Alagoanos e catarinenses ainda jogam na rodada. O CRB visita o Londrina na sexta-feira e o Criciúma encara o Vila Nova no sábado em Goiânia. Qualquer um dos três envolvidos pode fechar a rodada no Z-4, mas somente o Tigre pode abandonar de vez o descenso no fim de semana. Para tanto, precisará vencer o Vila Nova e torcer por derrota do CRB no Paraná.

Reprodução / GloboEsporte.com

Qualquer resultado que não seja vitória contra o Vila e o Criciúma dependerá da última rodada para escapar. Na pior das hipóteses, o Tigre pode até ir para o Z-4, caso seja derrotado por três ou mais gols de diferença em Goiânia e o CRB empate ou vença em Londrina.

Sobre a vitória desta terça do Paysandu, o Figueirense marcou seus gols com Elton, aos 6 e 13 minutos do primeiro tempo. A virada começou com Pedro Carmona cobrando pênalti aos 35 do primeiro tempo. Renato Augusto empatou aos 10 e Timbó virou aos 45 da etapa final. Pouco antes do terceiro o Paysandu teve um outro gol anulado.

Reprodução / PFC

O resultado deixou, ainda, sob remoto risco matemático o próprio Figueirense, com 46, e o Oeste, que tem 45 pontos e joga no sábado, em casa, diante do Goiás. Na última rodada os jogos que envolvem times sob risco de cair são Criciúma x Sampaio Corrêa, Paysandu x Atlético (GO), CRB x Figueirense e Boa Esporte x Oeste.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 12/11/2018 - 00:35Atualizado em 12/11/2018 - 00:54

O estádio Mário Balsini poderá ser capacitado para jogos noturnos do Próspera já na próxima temporada. "Estamos fazendo orçamentos sim", confirma o diretor do clube, Michel Silveira. "É que muitos clubes da Série B do Catarinense tem iluminação", observa o presidente Dorval Arriola. 

Os postes estão lá. "A canalização e as caixas necessárias também. Claro que precisamos revisar tudo, mas os postes, que são caros, nós já temos", observa Michel.

A estreia foi contra o Orleans, 5 a 0 / Foto: Daniel Búrigo / A Tribuna / Arquivo

E o Time da Raça vai além no incremento da estrutura pensando no novo patamar que alcançou, com o título da Série C estadual conquistado no domingo passado. O clube recebeu, da prefeitura, a cedência do campo do bairro São Luiz para treinamentos. "Precisamos de obras lá, a prefeitura já se comprometeu em fazer o que precisa e nos ceder", detalha o diretor.

Ganhar um campo de treinamento no bairro São Luiz será um passo importante para outra ideia do clube, melhorar o gramado do Mário Balsini. "Já estamos fazendo uns tratamentos, queremos preservar no ano que vem o campo só para as partidas", comenta o presidente. Outra ideia é montar um campo para treinamentos no terreno defronte ao estádio prosperano.

Mais um reforço importante será o ônibus do Próspera. "Teremos um no ano que vem para as nossas viagens", anuncia Michel.

"Próspera teve a melhor média de público da história da Série C", anuncia o diretor Michel Silveira / Foto: Daniel Búrigo / A Tribuna / Arquivo

E serão bem mais viagens do que nesta temporada, quando o Time da Raça esteve em Itajaí, Paulo Lopes e Orleans na primeira fase, Caçador na semifinal e voltou a Itajaí na decisão. Em 2019, serão nove jogos fora e nove em casa na primeira fase.

O calendário também será maior, com a competição iniciando entre junho e julho. A primeira reunião para organizar a Série B estadual do ano que vem já está marcada. Será no próximo dia 20. O Próspera vai encarar Concórdia e Inter de Lages, que vieram da Série A, mais os remanescentes da Série B: Camboriú, Fluminense de Joinville, Almirante Barroso, Blumenau, Juventus de Jaraguá do Sul, Guarani de Palhoça e Barra.

"Queremos no mínimo chegar entre os quatro para garantir uma vaga na Copa Santa Catarina, mas claro que sonhamos sim com o acesso", estima o presidente Arriola.

Paulo Baier e a torcida na final em Itajaí / Foto: Lucas Colombo / MC10

Ainda não há qualquer sinal de que Paulo Baier possa ser o técnico do Próspera no ano que vem. "Tem sondagens de outros clubes, já falaram dele no Brusque por exemplo", cita Michel. "Essa semana vamos começar a tirar o planejamento de 2019 do papel, mas não temos nada com o Paulo ainda", emenda o presidente.

O volante Jessé, destaque da Série C, foi emprestado para disputar o Campeonato Paulista. "Mas deve voltar para a Série B conosco, assim como o atacante Piauí, que voltou para o Salgueiro de Pernambuco mas o Próspera tem parte e ele volta para jogar o Catarinense com a gente", detalha o diretor.

Próspera quer melhorar o gramado e iluminar o Mário Balsini / Foto: Guilherme Hahn / A Tribuna / Arquivo

Ainda há algumas contas a pagar da temporada. "Tiramos dinheiro do bolso lá no início, mas depois vieram os patrocinadores, os parceiros, várias empresas que nos ajudaram e também o torcedor que se associou", conta o presidente. "Muitos reforços vieram nesse sistema, de empresa bancando diretamente jogadores", disse, quando questionado sobre qual a folha de pagamento do Próspera na conquista da Série C.

Arriola elogia a Federação Catarinense de Futebol (FCF). "Além de nos oferecer uma premiação boa, eles deram bolas e não pagamos arbitragens em dois dos cinco jogos em casa, e nos demais tivemos bons descontos. Isso valeu para todos os times". Entre as pendências, o prêmio e mais algumas despesas. "Mas coisa pequena, nada que nos tire o sono", garante.

Paulo Baier, sonho do Próspera para 2018 / Foto: Guilherme Hahn / A Tribuna / Arquivo

Vai levar mais de seis meses para o Próspera voltar a campo. "Teremos o Estadual de base, que deve ser sub-20 e vai começar antes da Série B. Vai ser bom para organizar o time profissional do ano que vem", conclui o presidente.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 10/11/2018 - 22:43Atualizado em 11/11/2018 - 10:37

Os quatro pontos que resultaram de empates nas sete últimas rodadas, o tempo do jejum tricolor, estão castigando o Criciúma na Série B.

Com a vitoria do Paysandu sobre o Guarani em Campinas, 2 a 0 na noite deste sábado, complicou o Tigre. Ocorre que há uma combinação que coloca o Criciúma no Z4 no sábado que vem. Por outro lado, o Tigre pode escapar de vez em Goiânia.

Guarani 0x2 Paysandu / Foto: Letícia Martins / Guarani FC

Resta uma vaga no rebaixamento, pois já caíram Sampaio Corrêa, Juventude e Boa Esporte. Hoje o último rebaixado seria o Paysandu com 40 pontos. Ainda sob ameaça matemática estão CRB com 42, Criciúma com 43 pontos e Oeste, 45. O Figueirense com 46 tem remota chance de cair.

O Paysandu joga na terça em Florianópolis contra o Figueirense. Precisa vencer. Se ganhar, ultrapassa o CRB e empata com o Criciúma. O CRB visita o Londrina na sexta e o Criciúma encara o Vila Nova no sabado.

Na última rodada o melhor cenário é do Criciúma, que recebe o rebaixado Sampaio. Os demais concorrentes também jogam em casa, o Paysandu contra o Atlético-GO e o CRB diante do Figueirense.

Ou seja, o Figueirense está no caminho da fuga do Criciúma. Será bom para o Tigre torcer pelo Figueira...

(fotos: Guilherme Hahn/A Tribuna)

Denis Luciano
Por Denis Luciano 10/11/2018 - 21:38Atualizado em 10/11/2018 - 21:55

Enquanto escrevo, confiro o Paysandu vencendo o Guarani em Campinas. O resultado é tão horrível que, faltando duas rodadas, o Criciúma está a três pontos da zona de rebaixamento na Série B com essa combinação. 

A situação é dramática. Claro que enfrentar o rebaixado Sampaio Corrêa em casa na última rodada facilita um pouco, mas visitar o Vila Nova antes dá requintes de crueldade à reta final tricolor.

"Não fala, não fala, deixa esses caras ai". O berro de Zé Carlos para Marlon tentando tirar o lateral dos microfones logo após o 3 a 3 com o CRB é o resumo do momento.

Mazola não concordou ao perguntarmos, mas há sim uma enorme ansiedade no ar, a ânsia dos 45 pontos. Enquanto eles não chegam, eis o tormento instalado.

Zé decepcionou. Perdeu um pênalti e fez pouco. Foi defendido por Mazola. Mas o mais elogiado foi um ausente, o volante Jean Mangabeira. "Viram a falta que ele faz?", comentou Mazola.

Ou seja, está claro que Mangabeira, que volta de suspensão, será titular contra o Vila. Não será surpresa se Fábio Ferreira voltar no lugar de Jacy Maranhão, um dos nervosos da tarde. Até gol contra fez.

Belliato, muito elogiado embora a falha que resultou no gol anulado, poderá até perder lugar para Luiz. Mas é pouco provável. Luiz fará um tratamento para tentar recuperar-se de dores no tornozelo. Sem Vinicius, que viaja para a Seleção Sub-20, o jovem Diego pode ser o reserva de Belliato em Goiânia.

Abaixo, o nosso papo com Mazola após o jogo.

(fotos: Guilherme Hahn/A Tribuna)

Denis Luciano
Por Denis Luciano 03/11/2018 - 19:02Atualizado em 03/11/2018 - 19:13

Com o atacante Gustavo, o GustaGol, como grande destaque, o Fortaleza garantiu neste sábado a primeira vaga do acesso à Série A do Brasileiro. Venceu o Atlético por 2 a 1 em Goiânia e chegou a 64 pontos, assegurando a vaga mesmo ainda faltando quatro rodadas.

"Nosso próximo objetivo é o título", disse Gustavo, que abriu o placar na vitória do acesso.

A briga pelas outras três vagas envolve CSA, Avaí e Goiás, hoje no G-4, mais Vila Nova, Atlético e Londrina, este o próximo adversário do Criciúma na terça. O Londrina empatou com o Avaí neste sábado, 1 a 1 na Ressacada. 

O Fortaleza vai pegar o CSA na próxima rodada. A última vez que o time jogou a Série A havia sido em 2006.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 03/11/2018 - 09:30

"E o Elvis, hein Mazola?". Pois é, não tinha como sacar Alex Maranhão depois dos dois gols marcados no Scarpelli, mesmo com os 3 a 2 sofridos para o Figueirense na rodada anterior. Por isso, o Criciúma começou o jogo contra o Goiás, na quinta-feira, com Maranhão titular e Elvis no banco. Mas de novo o primeiro não aproveitou e, no segundo tempo, o Tigre já voltou com o camisa 10.

Reprodução / TV Tigre

Ele deu mais volume ao meio de campo tricolor. Movimentou, buscou, tentou, arriscou e participou dos 2 a 2 contra o Goiás. O Criciúma chegou a 42 pontos e após a partida, no vestiário, algumas das cenas foram compartilhadas ontem pela TV Tigre. Vale conferir.

O discurso de Elvis, a partir de 2min53seg, tem vários tópicos interessantes, dignos de análise. Confira no vídeo e, logo abaixo, tem a transcrição do que foi audível.

Ninguém é bobo. A gente não jogou muito bem, mas sabe porque a gente conseguiu o empate? Falaram em sorte, sorte o caramba, todo mundo lutou até o final. Foi se ajudando que a gente conseguiu esse resultado que é difícil pra c*. Não foi apontando o dedo, não foi nada. A equipe tá de parabéns. Como o Luiz falou, a gente sabe que ainda falta um degrau na caminhada. Vamos acabar com isso logo, vamos acabar de forma digna. Ninguém acreditava, nós aqui acreditamos. Tá todo mundo aqui ó, desde o começo acreditando, independente de quem jogar, todo mundo de parabéns.

A parte de "ninguém ser bobo" ele havia falado na Som Maior também. Criticou quem fala em sorte, e destacou a união e a pegada coletiva. Certo. Mas quando afirma "não foi apontando o dedo" pode isso ter um ar de cobrança interna. Pode. Em seguida, expõe uma certa agonia, uma cobrança entre todos, de "acabar de forma digna". Ou seja, chegar logo aos 45 pontos para tirar esse peso das costas. E por fim, ao citar que "ninguém acreditava", coloca no ambiente do vestiário o único ponto de certeza de que a virada viria, certamente recordando os duros tempos da laterna e da longa convivência na zona de rebaixamento.

Foto: Guilherme Hahn / A Tribuna

De tudo isso, vale perceber que, se tem faltado futebol brilhante, garra e sangue na veia não tem se ausentado. Elvis provou isso. Agora restam os jogos contra Londrina, CRB, Vila Nova e Sampaio Corrêa para o tormento acabar. A matemática ajuda, afinal, hoje é de 1% a possibilidade matemática de descenso.

(antes da rodada de ontem à noite) - Reprodução / chancedegol.com.br.

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 02/11/2018 - 21:50Atualizado em 02/11/2018 - 21:55

Os minutos antes e depois de o relógio marcar pontualmente 21h desta quinta-feira no estádio Heriberto Hülse foram frenéticos. De um merecido 2 a 0 para os visitantes do Goiás até um pênalti convertido por Zé Carlos, um gol no fim dos acréscimos para o 2 a 2 e a expulsão do centroavante tricolor. Tudo em pouco tempo.

Fotos: Guilherme Hahn / A Tribuna

"O Zé Carlos ainda não entendeu que a arbitragem mudou de 2012 para cá. E está difícil fazer ele entender", comentou Mazola Júnior, quando indagado pelos repórteres sobre o terceiro cartão vermelho do atacante na atual Série B. Os anteriores, sempre nos minutos finais dos jogos, foram contra o Atlético Goianiense (44 do segundo tempo), e o CSA (41 do segundo tempo), e sempre resultantes do segundo cartão amarelo.

Mas Mazola nem parece estar ligando muito mais para isso. Parece que o treinador já está convencido de que Zé Carlos, com seus 35 anos e suas manias e trejeitos, não vai mais mudar. Por isso, nem cabe gastar muita saliva explicando.  "Não gosto de fazer advogado de diabo nenhum. Mas quem provocou o Zé Carlos foi o Vitor Ramos (zagueiro do Goiás)", contemporizou. O treinador era da opinião que os dois deviam ser expulsos.

A súmula do árbitro paranaense Paulo Roberto Alves Júnior deixa clara a razão da expulsão de Zé. O lance narrado foi no instante seguinte ao segundo gol tricolor.

Terminado o jogo, recém expulso, Zé se atirou ao gramado. Por ali ficou um tempo. Depois, saiu rapidamente rumo ao vestiário. Naquela confusão da saída dos jogadores, fiquei a espia-lo. Conseguimos entrevistar pela Som Maior o Elvis, o Ronaldo e o Eduardo. O Zé nunca se nega, e sempre rende alguma palavra que agita, que tempera. Mas desta vez ele não somente não quis falar como nos driblou e sentou na escadaria rumo ao vestiário. Quem espiar o vídeo abaixo verá a cena a partir dos 2min36seg e eu lá no fundo, narrando o que parecia ser o que a câmera do Criciúma efetivamente mostra agora, o Zé muito emocionado. Uma pilha. Nervoso. Ou desabafando. Ele chorou.

Zé Carlos chegou à artilharia do Criciúma na atual Série B, com seis gols. Muito pouco perto do tanto que ele já marcou em edições passadas. Em vinte jogos, além de seis gols marcados são três cartões vermelhos e seis amarelos. Na temporada, são nove gols em 26 partidas. Em Brasileiros da B pelo Tigre chegou a 46 gols em 72 jogos e, na história do Criciúma, consolida-se como o terceiro maior artilheiro: chegou a 66 gols em 106 jogos, atrás de Soares (82 gols em 271 jogos) e Vanderlei (84 gols em 431 partidas).

No atual Brasileiro, Zé marcou gols contra o Avaí (1 a 0 na Ressacada), Paysandu (dois nos 4 a 1 no Majestoso), Coritiba (um no 2 a 2 em casa), Fortaleza (um nos 2 a 0 no HH) e agora contra o Goiás. Estava há quatro partidas e quase dois meses sem balançar a rede.

Zé não enfrentará o Londrina terça que vem. Fora. Suspenso. Depois, terá a chance de retornar contra o CRB, no dia 10, em casa. É sempre emblemático para ele enfrentar "o time do coração", como ele sempre admite. Depois será Vila Nova fora e Sampaio Corrêa em casa, para então fechar a conta.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 01/11/2018 - 23:18Atualizado em 01/11/2018 - 23:38

O Criciúma somou apenas três pontos nos últimos quinze disputados. É um dos times de pior campanha nas cinco rodadas recentes, com três empates e duas derrotas. Não ganha desde setembro, quando fez 2 a 1 em Varginha diante do Boa Esporte no dia 29 de setembro.

Sem ganhar em casa desde 15 de setembro, quando fez aqueles 3 a 2 no Avaí, o Criciúma marchava para a segunda derrota seguida em casa. Mas o gol de pênalti de Zé Carlos, seguido do empate milagroso anotado por Marlon (quase gol do goleiro Luiz, que estava no lance), assegurou um empate praticamente milagroso em 2 a 2 contra o Goiás. No vídeo abaixo, o gol de Zé descontando para 2 a 1.

O poder de reação do Criciúma, em visível desvantagem técnica, amainou o semblante de Mazola Júnior. Além de deixar o campo aplaudindo e aplaudido pelo torcedor, o treinador reconheceu que o jogo provou a diferença entre as duas equipes. O Goiás é melhor e vai subir, e ainda assim o Tigre teve poder de reação. "E vontade não faltou. Os meninos se empenharam muito. Se eu fui duro com eles no jogo passado, agora devo reconhecer a disposição deles".

Foto: Guilherme Hahn / A Tribuna

Até em relação aos cartões tomados, gerando mais desfalques, Mazola foi sutil. "O Zé Carlos não entendeu que a arbitragem mudou de 2012 para cá", disse, ao tentar justificar o cartão vermelho que o Criciúma campeão das expulsões tomou com o camisa 9 no final do jogo. "O Vitor (Ramos, zagueiro do Goiás) provocou ele e merecia ser expulso junto". Mas Mazola disse isso calmo, tranquilo, sem elevar o tom. "O Marlon não merecia, foi sem querer", disse, sobre o cotovelaço do lateral tricolor no atacante Michael, que resultou no amarelo, o terceiro, que o tirou da pedreira de terça, no Paraná, contra o Londrina.

Assista um trecho das explicações do técnico tricolor.

Com 42 pontos em décimo quarto lugar, abrindo sete da zona de rebaixamento faltando quatro rodadas, o Criciúma está praticamente garantido na Série B do ano que vem. Precisa de três pontos nos jogos contra Londrina (fora), CRB (em casa), Vila Nova (fora) e Sampaio Corrêa (em casa), para garantir a fuga definitiva. Hoje, a chance de descenso é de apenas 1%. Tratamos disso e de outros assuntos com Mazola na coletiva pós jogo. Confira no podcast.

Elegemos o Eduardo como craque do jogo na Som Maior. Deu conta do recado no improviso da lateral direita. Se desdobrou, defendeu, atuou como pode para conter o ímpeto goiano pela esquerda. E atacou quando possível. Cresceu quando Elvis entrou no segundo tempo. Outro destaque, o zagueiro Sandro, fez seu gol nos acréscimos, decretando o empate em 2 a 2. Ele falou do sufoco que foi a partida em entrevista coletiva. Confira.

Ney Franco comanda um dos bons times da Série B. O Goiás vai subir, é questão de tempo. Está em terceiro lugar com 54 pontos depois do empate em Criciúma. Embora Mazola tenha dito que "o Goiás ainda vai ter dificuldade nessa reta final", Ney deixou a entender na coletiva que o resultado da noite não foi justo em Criciúma, e que o Goiás, com mais chances criadas, acabou castigado. Acompanhe.

Zé Carlos expulso (de novo), Marlon com o terceiro amarelo (mais uma vez) e Mazola corre contra o tempo para mais um sufoco. O Criciúma enfrentará na terça, no estádio do Café, o lider do returno. O Londrina cresceu tanto que entrou na briga pelo acesso. Iago, que volta de suspensão, não tem retorno certo na vaga de Marlon, já que não está bem fisicamente. Carlos Eduardo e Liel estão liberados de suspensão. Os dois tem chances de jogar, já que Sueliton deve seguir fora por lesão, a exemplo do zagueiro Nino.

O empate diante do Goiás serviu ainda para manter um grande tabu. O time goiano nunca venceu o Criciúma em toda a história de confrontos no Heriberto Hülse. Mais um bom motivo para que os 2 mil torcedores que ficaram no Majestoso (mais de 2 mil foram embora depois do segundo gol do Goiás) comemorassem bastante.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 31/10/2018 - 14:18Atualizado em 31/10/2018 - 14:21

A coincidência entre o jogo contra o Goiás e o 1º de novembro, abertura da campanha de conscientização aos homens contra o câncer, voltou a agitar os bastidores do Criciúma em torno de uma cor: o azul.

A pauta já sacudiu o clube. Houve até reunião do Conselho Deliberativo em outros tempos para tratar do uso do azul em ocasiões especiais para rememorar o Comerciário, precursor do Tigre. Os saudosistas lembram, ainda, que o próprio Criciúma jogou de azul nos seus seis primeiros anos, de 1978 a 84.

Pois bem, a ideia era vestir o Criciúma de azul nesta quinta contra o Goiás. O desenho foi feito. Uma prova foi confeccionada. Um azul semelhante ao do Comerciário. Limpo. O azul, a logomarca do Criciúma, os patrocinadores e pronto. Barras azuis nas mangas e na gola. Singela e muito bonita. Seria venda fácil na Loja Tigremaníacos. E marcaria em alto estilo não apenas a inserção do Tigre no Novembro Azul e, de quebra, rememoraria o Comerciário, que está por completar uma bonita data da sua história em breve, mas isso é assunto para uma próxima conversa.

No ano passado, o Criciúma estreou na Série B contra o Santa Cruz com azul no uniforme, para assinalar os 70 anos do clube
Fotos: Caio Marcelo / Criciúma EC

Bem, camisa experimental feita, ela foi levada a uma reunião no clube. Alguns favoráveis, vendo a questão promocional, outros contrários, observando tradição, rivalidades e necessidade de uma ampla discussão interna do tema. Pela falta de unanimidade, foi para a gaveta a promoção.

O tema morreu? Não. Está reaceso. Voltará à pauta nas próximas semanas? Com certeza. Não será surpresa se nas próximas reuniões do Conselho Deliberativo seja levantado o debate. Afinal, o Criciúma tem planos para o uso do azul. Para a exploração da raiz histórica com o Comerciário. É um debate pertinente, mal resolvido e que, mais cedo ou mais tarde, precisará ser encarado de forma aguda e decisiva.

E por falar em camisa, vem novidade na semana que vem. O Criciúma desenvolveu uma nova camisa, preta, para disputar alguma das partidas da reta final da Série B. A conferir. Amanhã, o Tigre joga com a tradicional tricolor com o firme foco na vitória para chegar aos 44 e, logo, se aproximar da fuga definitiva do rebaixamento.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 27/10/2018 - 16:05Atualizado em 27/10/2018 - 16:28

Em entrevista ao Futebol Som Maior antes de Figueirense x Criciúma aqui no Orlando Scarpelli, o presidente Jaime Dal Farra adiantou que o planejamento para 2019 segue adiante.

"Estamos com uma lista de 140 jogadores analisando. Vamos fazer menos contratações e melhores. Desperdiçamos uns 3 milhões em erros", calcula.

A renovação com o técnico Mazola Júnior está próxima. "As duas partes querem", conta. Ouça a entrevista no podcast.

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 26/10/2018 - 19:22Atualizado em 26/10/2018 - 19:39

"Faço saber a todos os habitantes deste município, que a Câmara Municipal decreta e eu promulgo a seguinte Lei: artigo 1º, fica instituída, nesta Câmara, a gratuidade do exercício do mandato de vereador". A lei é assinada pelo vereador Sinval Rosário Bohrer (PSD), presidente do Legislativo criciumense.

Detalhe, a lei é de 26 de setembro de 1955, e foi assim e em mais detalhes reproduzida na edição daquela semana do jornal Tribuna Criciumense. Sim, naquela época era assim, vereador não ganhava salário. Ah, para não dizer que ficavam de mãos abanando, os vereadores da época - os que residiam distantes da sede e precisariam de condução especial e hotel para pernoite - tinham direito a 100 cruzeiros. E só.

Hoje,  um vereador de Criciúma ganha R$ 9,2 mil, e o presidente da Câmara recebe R$ 13,8 mil. Abaixo, reprodução da matéria da colega Francieli Oliveira, de 31 de julho, informando sobre a decisão deste ano dos vereadores, de não reajustar seus vencimentos.

Os agentes políticos de Criciúma não deverão ter aumento salarial neste ano. Projeto de lei já está em tramitação na Câmara de Vereadores e irá à votação no Plenário nos próximos dias. A proposta não concede nem mesmo o reajuste da inflação, que foi repassado aos demais servidores.

O projeto de lei é de autoria da Mesa Diretora da Câmara, assim como determina o Regimento Interno. A proposta foi elaborada em atendimento à ofício do prefeito Clésio Salvaro (PSDB). “Ressalta-se que os respectivos subsídios, nos termos do art. 4º, “caput”, da Lei nº 6.751, de 8 de julho de 2016, serão mantidos nos valores atuais, sem a inclusão da inflação acumulada no período de 1º de abril de 2017 a 31 de março de 2018, medida pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC)”, coloca a justificativa anexada ao projeto.

A proposta já teve os pareceres pela legalidade e constitucionalidade da assessoria jurídica e também da Comissão de Constituição e Justiça.

O salário que será pago ao prefeito, vice, secretários e vereadores é definido sempre no último ano de mandato e vale para os quatro anos seguintes. Em 2016, ficou determinado que o salário do prefeito de Criciúma é de R$ 22.462,40, do vice-prefeito de R$ 11.231,20 e secretário municipal R$ 13.887,32.

Os vereadores têm salário de R$ 9.234,62, sendo que o presidente recebe R$ 13.851,93

Denis Luciano
Por Denis Luciano 23/10/2018 - 22:56Atualizado em 23/10/2018 - 23:09

Conforme estabelecido no regulamento do último Estadual de Juniores, a Federação Catarinense de Futebol (FCF) confirmou a indicação de seus quatro representantes na edição 2019 da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Vão os quatro primeiros do Catarinense deste ano. Assim, por conta da sua má campanha, o Criciúma pela primeira vez nos últimos anos estará de fora da disputa.

Vão representar Santa Catarina a Chapecoense, campeã estadual, o Atlético Tubarão, vice, mais Figueirense e Avaí que caíram nas semifinais. O Criciúma terminou o Estadual em quinto, à frente somente do Joinville. Em 2018 os Tigrinhos conseguiram chegar à terceira fase na Copa São Paulo, sendo eliminados pelo Atlético Paranaense.

Mas o Criciúma ainda nutre uma esperança de disputar a competição em São Paulo. "Tem chance pois até 15 de novembro a Federação Paulista ainda pode fazer convites a clubes, e temos possibilidades sim", afirma o coordenador das categorias de base do clube, Serginho Lopes. "Para 2019 a FPF está dando quatro vagas para Santa Catarina, em 2018 foram seis", recorda o dirigente.

Atualmente, o time sub-20 do Criciúma está disputando a Copa Sul 2018 e garantiu classificação às quartas de final. Na sexta-feira, faz jogo de ida desta fase em casa diante do Avaí. O mata-mata vale vaga na semifinal do torneio, que reúne clubes de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 20/10/2018 - 18:56Atualizado em 20/10/2018 - 19:00

O Próspera é finalista da Série C do Catarinense. Neste sábado, perdeu por 1 a 0 para o Caçador no tempo normal. O resultado levou a partida para a prorrogação já que na ida o Time da Raça havia vencido por 2 a 1 no Mário Balsini.

No tempo extra deu Próspera, 1 a 0, gol de Matheusinho.

Agora o Próspera espera por Itajaí ou Carlos Renaux que se enfrentam neste domingo, 15h, em Camboriú. Na ida, 0 a 0.

Somente o campeão sobe para a Série B estadual.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 20/10/2018 - 00:41Atualizado em 20/10/2018 - 00:58

"Ele fez uma grande arbitragem". E se o técnico falou, tá falado. Joga por terra qualquer reclamação que jogadores do Tigre possam ter feito ao desempenho do mineiro Wanderson de Souza que comandou São Bento 0 x 0 Criciúma. E olha que ele distribuiu cinco cartões amarelos e um vermelho na triste sina tricolor, o líder da indisciplina na Série B.

Já são onze cartões vermelhos com o que Elvis tomou no segundo tempo em Sorocaba. Bem à frente de Boa Esporte e Sampaio Corrêa, com suas oito expulsões. Nos amarelos, o Tigre é terceiro, com 95 advertências, somente atrás de Londrina (98) e Brasil de Pelotas (97 cartões).

Além de Elvis, o Criciúma perdeu Zé Carlos para encarar o Figueirense no próximo sábado, 27, em Florianópolis. Ele tomou o terceiro cartão amarelo. 

Para muitos, Belliato foi o melhor do Criciúma em campo na noite desta sexta. Fez algumas defesas importantes, assim como fez Rodrigo Viana, o goleiro do São Bento. Mas é um ponto a comemorar. Agora o Tigre soma 41. Estã quatro atrás da meta. A classificação abaixo confirma.

E Mazola segue firme em outra pauta: não falar de futuro que vá além do jogo do Sampaio Corrêa, o da última rodada no Heriberto Hülse. Ele chegou a lembrar que, depois das especulações sobre uma renovação, até o rendimento do time caiu. Cabe lembrar que nas últimas três partidas, além de não vencer, o Criciúma não fez gols e somou dois pontos.

Contra o Figueira, além de Elvis e Zé, há os riscos de novo de não contar com Nino, Marlon e Ronaldo. Luiz deve voltar. No podcast abaixo, o que disse o técnico tricolor depois do jogo desta sexta.

 

Denis Luciano
Por Denis Luciano 12/10/2018 - 20:32Atualizado em 12/10/2018 - 20:34

O Criciúma tinha a expectativa dos seis pontos contra Oeste e Brasil de Pelotas em casa. Somou apenas um. "A gente fica chateado pelos três pontos, não conseguimos contra o Oeste e contra o Brasil. Chateados por não pontuar, e estava bem próximo da gente", comentou o zagueiro Sandro. Ele e seus companheiros se reapresentaram na tarde desta sexta-feira, no CT Antenor Angeloni, depois da folga de dois dias para o importante descanso pós revés de 1 a 0 diante do Brasil.

"É sacudir a poeira. Tem muitas partidas para disputar ainda", observou o zagueiro. "A equipe tem buscado fazer mais ainda agora". Para Sandro, a receita é dos pés no chão. "É manter os pés no chão e trabalhar mais ainda". E o foco é claro: fazer logo os cinco pontos que faltam para chegar aos desejados 45. "A força do grupo tem que pegar mais ainda nessa reta final".

Zagueiro Sandro / Foto: Fernando Ribeiro / Criciúma EC

Os altos e baixos no time tem sido um fator lembrado. "Se pegar nossa escalação vai ver muita diferença". Em relação ao jogo passado, o técnico Mazola Júnior contará com reforços para encarar o São Bento na sexta-feira que vem em Sorocaba, interior de São Paulo. O atacante Vitor Feijão e o meia Alex Maranhão voltam de suspensão. O meia Elvis, que extraiu um dente, também deverá retornar. A condição física do atacante Zé Carlos, que não encarou o Brasil por questão muscular, é uma das dúvidas. O goleiro Luiz tende a retornar.

"Com as viagens que tem, sequëncia de cartões e contusões, vai acontecer", advertiu Sandro, lembrando que todos no grupo precisam estar preparados sempre. Os dois próximos compromissos serão fora de casa. Após o São Bento, o desafio será no Orlando Scarpelli diante do Figueirense. "É bater de frente com os caras. A gente respeita, sabe da qualidade, a bola parada deles é forte", disse, referindo-se ao próximo oponente.  O fim de semana será de treinos. Tanto no sábado quanto no domingo, o elenco vai trabalhar.

O treino do Criciúma nesta sexta / Foto: Fernando Ribeiro / Criciúma EC

Confira a entrevista coletiva do zagueiro Sandro no podcast abaixo.

Base em campo

O Criciúma estará em campo neste sábado pelo Campeonato Catarinense. No sub-15, o time do técnico Filipe Monteiro joga às 13h30min contra o Hercílio Luz. Na sequência, às 15h15min, é a vez das equipes sub-17 dos dois clubes. Os jogos ocorrerão no estádio Nardi Mello, em Pedras Grandes. O Tigre é o vice-líder do Catarinense Sub-15. No sub-17, o time do técnico Amauri Barasuol é o quinto.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 09/10/2018 - 15:28Atualizado em 09/10/2018 - 15:32

O Criciúma segue no embalo do Outubro Rosa, e torcedoras estão com a chance de entrar de graça no jogo de logo mais, 21h30min, contra o Brasil de Pelotas. Para tanto, basta passar durante a tarde na Loja Tigremaníacos, no estádio Heriberto Hülse.

"É para elas essa promoção. Se puderem levar um brinquedo para a nossa campanha de Dia das Crianças, melhor", sugeriu o superintendente do clube, Róbson Izidro.

O Criciúma vem com sete jogos sem perder no Campeonato Brasileiro, e tem a expectativa de um bom público diante do time gaúcho. A promoção ainda segue valendo. O torcedor que for ao Nosso Posto com R$ 15 mais um brinquedo compra ingresso promocional.

Denis Luciano
Por Denis Luciano 06/10/2018 - 17:56Atualizado em 10/10/2018 - 21:31

O Orleans encerrou neste sábado a sua campanha na Série C do Campeonato Catarinense. Ao contrário do ano passado, quando o time da Cidade das Colinas estreou no futebol profissional chegando à decisão da Terceirona - perdendo a vaga na B estadual para o Blumenau - este ano a equipe fechou a fase inicial em terceiro lugar no Grupo A.

Na despedida, recebeu o Próspera no estádio Osmundino Matheus e, perante a um pequeno público, empatou em 0 a 0. Com o resultado, o Orleans, que já estava eliminado, fechou a campanha com duas vitórias, um empate e três derrotas mas apenas quatro pontos, já que outros três foram sacados em um julgamento no Tribunal de Justiça Desportiva (TJD).

Como curiosidade da partida da tarde - na qual o Próspera pressionou bastante já que uma vitória valia à equipe criciumense a tentativa de ser líder do grupo e classificar com vantagem para a semifinal - um zagueiro do time da casa. Igor Guilherme Ludwig, o Xalada. Ele tem 23 anos e ajudou a segurar um ataque que havia marcado 28 gols em cinco partidas sendo deficiente auditivo.

Igor Charada, o zagueiro surdo e mudo do Orleans em ação hoje contra o Próspera

"Eu me comunico fazendo leitura labial", contou o jogador. Essa deficiência auditiva não impede ele de jogar futebol. Nascido em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, Xalada está tentando a vida no futebol em Orleans. E provou que inclusão no futebol faz parte sim, naturalmente, dando o exemplo em um pequeno time da Terceira Divisão Catarinense. Bacana. Bonito exemplo de persistência e força de vontade do Xalada e de dignidade do Orleans.

(Colaboração / Fotos: Zildomar Schlemper / Rádio Eldorado)

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13