Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/07/2018 - 05:58Atualizado em 25/07/2018 - 09:12

A deputada Geovania de Sá foi taxativa ontem na reunião com o comando estadual do PSDB. Não será candidata a vice de Paulo Bauer em chapa pura.

Repetiu que vai disputar reeleição a câmara federal.

Além disso, registrou posição, de novo, contra o encaminhamento do partido de disputar a eleição com chapa pura. Voltou a defender alianças.

O prefeito Clesio Salvaro ainda tentou convencê-la a aceitar a “missão partidária”, mas ela manteve-se irredutível.

Bauer fez apelo veemente, mas ela não cedeu.

A reunião de ontem se arrastou por praticamente cinco horas, e quase todo o tempo foi consumido pelos dirigentes tucanos para tentar reverter a posição de Geovania. Em vão.

Ela disse que 100% do seu grupo de apoio não admite nem conversar sobre a possibilidade de trocar a candidatura a reeleição pela vaga de vice numa “chapa pura”.

Geovânia cumpre primeiro mandato de deputada federal, mas conseguiu estadualizar a sua atuação, principalmente pelo envolvimento com a igreja evangélica Assembleia de Deus.

Ela foi aprovada em convenção da igreja como única candidata apoiada em todo o estado para a câmara federal.

Além disso, ampliou muito a sua atuação fora da igreja. Hoje tem articulação em todos os municípios.

A tendência é que faça a maior votação do partido em outubro.

O deputado federal Marcos Vieira, presidente estadual do PSDB, também descartou ontem a possibilidade de ser candidato a senador, como vinha sendo especulado.

Agora, o PSDB tem dificuldades para fechar a chapa. Poderá lançar apenas um candidato ao senado (Napoleão Bernardes).

Mesmo assim, Paulo Bauer insiste na chapa pura.

A convenção estadual do PSDB será no domingo, dia 29. Um dia depois da convenção do PP.


Boeira vice de Merisio

O PP do sul vai se reunir hoje em Tubarão, sob a coordenação do prefeito Joares Ponticelli, para consolidar movimento por uma vaga na chapa majoritária.

O deputado Jorge Boeira deverá ser indicado candidato a vice-governador na chapa de Gelson Meriso, na possibilidade de o PP confirmar aliança com o PSD e Esperidião Amin decidir disputar o senado (que é o desfecho mais provável).


A preferência

Amin não vai mais levar o PP a romper com Merisio e o PSD, sendo ou não candidato a governador.

Mas, na reta final das negociações, pode estar levando uma segunda na chapa para o PP.

Além de Boeira, dois nomes são citados: Silvio Dreveck, presidente do partido (mais provavel) e Jandir Belini, ex-prefeito de Itajai.

O nome preferido de Merisio era a ex-deputada Angela Amin. Mas, fora de jogo pela candidatura ao senado.


O futuro de João

O deputado João Paulo Kleinübing, presidente estadual do DEM, rejeitou ser vice de Gelson Merisio e esteve mapeado para vice e Amin. Mas, com o recuo de Amin, tem dois caminhos - ser vice do MDB ou vice do PSDB.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 24/07/2018 - 05:50Atualizado em 24/07/2018 - 09:16

O fórum que será realizado hoje, a partir de 7h30, na Unesc, é da cidade, feito para todos que entendam necessário/oportuno discutir as prioridades, considerando as novas circunstâncias.

A Unesc e a Som Maior FM são apenas os “tocadores de bumbo”. Sem a pretensão de ter a paternidade.

Até a campanha passada, a lista era consenso. Via rápida, anel viário, aeroporto regional e porto. Basicamente isso. E tudo está resolvido.

O anel ainda falta um trecho, mas está encaminhado para o segundo semestre.

Agora, tem que fazer lista nova. Porque a campanha está chegando. E quem não sabe o que quer, recebe o que sobra.

Os candidatos a governador estarão todos definidos dentro de poucos dias, e passarão por aqui em campanha, ou para participar de debates. O que vamos tratar com eles, e ao mesmo tempo tentar que assumam compromissos para o próximo mandato?

Depois, é preciso definir para onde deve caminhar a cidade e região nas próximas décadas?

Porque quem não sabe para onde ir, acaba se perdendo no meio do caminho.

Talvez seja o caso de montar um plano de desenvolvimento. Que sirva de bússola para a sociedade dar a direção aos políticos que venham a ser eleitos.

Para não corrermos o risco de mudar tudo a cada quatro anos. Ou, dois.

A economia, que inclui geração de receita e renda, precisa de atenção especial.

Faz quase duas décadas que a região de Criciuma cresce menos que a média estadual.

Criciúma, isoladamente, já foi a quarta cidade em arrecadação no estado na década de 70. Hoje, é décima segunda.

É fato que a região de Chapecó, que passou a de Criciúma, tem o agro-negócio como grande “puxador" da economia.

Assim como o porto é para Itajaí e região!

E qual é hoje o “puxador" da economia de Criciúma?

Os problemas com logística e infraestrutura, que dependiam do poder público, foram resolvidos.

Agora, tem que dar o passo adiante. É preciso atitude.


PP do sul na majoritária

Políticos do PP do sul do estado estão iniciando movimento por uma vaga na chapa majoritária para eleição de outubro.

Amanhã, será realizada reunião em Tubarão, liderada pelo prefeito Joares Ponticeli, para tratar do assunto.

Deputados Jorge Boeira, Valmir Comin e Jose Milton Scheffer devem participar.

Prefeitos, vereadores e dirigentes do PP do sul estão envolvidos no movimento.

O argumento principal é que o sul é onde o PP é mais forte no estado, o que lhe dá direito a pleitear um espaço diferenciado.


Geovania na vice

A deputada federal criciumense Geovania de Sá participa hoje, em Florianópolis, de reunião com os “cardeais" do PSDB catarinense.

Vai repetir que está a disposição para compor como candidata a vice-governadora em chapa pura.

Mas, vai repetir que o partido deve empreender todos os esforços para fechar alianças.


Com Alckmin

Jorge Bornhausen, Paulinho Bornhausen e Raimundo Colombo estiveram reunidos em São Paulo, no domingo, com o presidenciável Geraldo Alckmin.

O presidente nacional do PSD, ministro Gilberto Kassab, também participou.

Discutiram as possibilidades de alianças para a eleição em Santa Catarina.


Com Amin

Ao mesmo tempo em que Alckmin se reunia em São Paulo com Jorge, Paulinho e Colombo, o senador tucano Paulo Bauer se reunia em Florianópolis com Esperidião Amin.


Sem rompimento

Por tudo o que está posto, a tendência é que Esperidião Amin dispute a eleição em aliança com o PSD. Como candidato a governador, ou senador.

Se for candidato a governador, deve ter Merisio de vice, o PSDB na chapa (com o segundo candidato ao senado) e o apoio do DEM. 

Se Amin for candidato a senador, Merisio deve disputar o governo e o PP indicar o vice. Sem o PSDB na chapa. E provavelmente sem o DEM.


Com o MDB

Se Amin não for candidato ao governo, o MDB pode ter DEM e PSDB na sua aliança.

Mauro Mariani já sinalizou que pode dedicar a vaga de vice e as duas do senado para os dois partidos.


Visão do sul

Clesio Salvaro deve participar da reunião dos “cardeais" do PSDB catarinense.

Vai dizer que o PSDB do sul defende aliança e não quer estar no palanque do MDB.


Fazendo diferente

O desembargador aposentado Ledio Rosa de Andrade lançou sua “vaquinha eletrônica” para arrecadação de doações de campanha com um slogan tudo a ver com o ambiente de hoje - “uma forma honesta de fazer política”.


Igual a formiga

Vice-prefeito Ricardo Fabris reuniu seu grupo de apoio e aliados com o deputado Ricardo Guidi, candidato a federal, e ex-deputado Julio Garcia, candidato a estadual.

Ao chegar na reunião, José Zanoli, do PSD de Içara, comentou - “está aparecendo gente igual a formiga”.

Mais de 450 pessoas participaram.


Crescendo

Um dia depois da convenção estadual do PDT, a candidata a deputada estadual Paulinha da Silva, ex-prefeita de Bombinhas, fez ontem à noite reunião com grupo de apoio de Criciúma

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 23/07/2018 - 18:12Atualizado em 23/07/2018 - 18:36

Politicos do PP do sul do estado estão desencadeando movimento por uma vaga na chapa majoritária para eleição de outubro.

Na quarta-feira sera realizada reunião em Tubarão, liderada pelo prefeito Joares Ponticelli para tratar do assunto.

Deputados Jorge Boeira, Valmir Comin e Jose Milton Scheffer devem participar da reunião.

Prefeitos, vereadores e dirigentes do PP do sul estão envolvidos no movimento.

O argumento é que o sul é onde o PP é mais forte no estado, e por isso tem direito a um espaço diferenciado.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 23/07/2018 - 05:54Atualizado em 23/07/2018 - 16:19

No sábado, início da manhã, o celular do prefeito Clesio Salvaro recebeu mensagem do senador Paulo Bauer - “é assim que uma candidatura começa a cair”. Juntou print da informação exclusiva dada nesta coluna, edição de sábado, sobre o convite feito para a deputada Geovania de Sá ser candidata a vice-governadora, que ela recusou. Disse que preferia ser candidata à reeleição.

Bauer veio em silêncio ao sul na sexta-feira, sozinho, só para se reunir com Geovania e fazer o convite. Eles conversaram em Laguna, onde a deputada cumpria roteiro de campanha à reeleição.

Logo que recebeu a mensagem, Clesio telefonou para Bauer, mas não falaram.

Então, devolveu mensagem. Disse que Geovania sempre defendeu aliança, é contra chapa pura e não pode agora ser cobrada por nada.

Depois disso, cutucou - “quem defende chapa pura é que deve se apresentar”. Numa referência indireta ao deputado Marcos Vieira e ex-prefeito Napoleão Bernades.

Mas, a “cobrança" de Bauer não foi isolada. O comando do partido fez o mesmo discurso durante todo o fim de semana. 

O prefeito Salvaro acabou responsabilizado pela posição de Geovania. O argumento é que ele faz isso porque defende aliança com o PP de Amin.

No sábado, o senador Dalirio Beber convidou Clesio para uma reunião do partido em Ituporanga. Ele não foi. Conversou com Dalirio por telefone. E também com o presidente estadual do partido, deputado Marcos Vieira.

Clesio repetiu no fim de semana que defende aliança e voltou a alertar para o risco de isolamento do partido, que não interessa nem ao presidenciável Geraldo Alckimin.

Ontem à noite, no entanto, ao perceber que estava aumentando a cobrança sobre a deputada Geovania de Sá, e contra ele próprio, inclusive imputando aos dois possíveis desdobramentos, o prefeito procurou a deputada e aconselhou que aceitasse o convite para ser vice. 

Ela comunicou ontem à noite a sua decisão à direção estadual do PSDB e deve participar hoje na reunião da executiva estadual, em Florianópolis.


Na vaga de Geovania

Clesio Salvaro e Geovania de Sá vão tratar juntos durante a semana  da “sucessão” na candidatura a deputado federal pelo sul, se for confirmada a chapa pura e Geovania na vice.

O vereador Aroldo Frigo, de Nova Veneza, e o vereador Julio Kaminski, de Criciuma, estão cotados.


Tem lado

Pela preferência pessoal Clesio Salvaro, o PSDB faria aliança com o PP e apoiaria a candidatura do deputado Esperidião Amin a governador. 

Pelas suas contas, mais de 90% das bases do PSDB no sul rejeitam aliança com o MDB.

Mas, em público, ele apenas defende aliança. Sem direcionar com quem.


Semana tucana

PSD e PP esticaram a decisão sobre aliança porque vão esperar o PSDB, que fará convenção no próximo sábado.

A semana será de articulação dos tucanos, e em torno deles.

MDB e PP disputam o apoio do PSDB.

Mauro Mariani, MDB, e Esperidião Amin, PP, pilotam pessoalmente as conversações.


A chapa de JKP

Trecho de mensagem enviada pelo ex-senador e ex-ministro Jorge Bornhausen ao colunista Prisco Paraíso, sobre composição de chapa: 

“Juntar numa chapa só os que têm votos será bom para SC. Torço que isto aconteça. Desejo, na mesma chapa, Raimundo (Colombo), Paulo Bauer, (Esperidião) Amin e (Gelson) Merisio. Espero que a racionalidade e o espirito público os levem a um entendimento”.

Bornhausen defendia Bauer como candidato a governador e passou a defender Amin.


Centro das atenções

A principal atração na convenção do PSD, sábado, foi o deputado Esperidião Amin, PP.

Com o presidente do partido, Silvio Dreveck, ao seu lado, e toda a cúpula do partido, Amin falou muito, mas disse pouco. Não fechou nada. Deixou tudo em aberto.

Repetiu o discurso da “frente ampla” de oposição ao MDB e pediu PSDB e DEM na aliança.


Tudo pode!

O PSD fez o que foi previsto. Convenção aprovou a candidatura de Gelson Merisio ao governo e Raimundo Colombo ao senado, mas delegou poderes a executiva para fechar aliança e chapa.

A rigor, tudo pode mudar. Até a candidatura ao governo. Só que neste caso, Merisio agora precisa renunciar. E a executiva indicaria novo candidato, que pode ser de outro partido.


Tudo definido, mas indefinido

Assim como já era esperado, a convenção do PSD confirmou o nome de Gelson Merisio na corrida pelo Governo do Estado e de Raimundo Colombo ao Senado. As outras duas vagas da majoritária seguem aberto para atrair novas coligações. Merisio fez um discurso de fortes críticas ao MDB e com postura de candidato ao governo. Citou, inclusive, o combate as desigualdades entre as regiões do estado, entre elas, o Sul. Mas, depois admitiu aos jornalistas, que nada impede que ele ainda abra mão da posição e que conversas seguem. Tudo se definirá em 5 de agosto.


A presença do PP

Esperidião Amin chegou empolgado à Assembleia Legislativa para a convenção do PSD. Com seu jeito característico cumprimentou todos e brincou, fez piadas. Ao encontrar com Gelson Merisio seguiu no mesmo clima. Deu um ar de entendimento. Mas, sempre sem deixar claro o que acontecerá até o prazo final, dia 5 de agosto.


Os que não foram

A presença do PP na convenção do PSD dá sinais de que se ainda não houve entendimento, pelo menos, se busca um. Por outro lado, PSDB e DEM não foram. As falas de quem estava presente seguiram no mesmo caminho: o diálogo permanece aberto.


Apoio ao projeto

Além da convenção do PSD, outras 10 aconteceram no mesmo espaço da Alesc e em salas ao redor. Gelson Merisio fez questão de passar em todas elas. Depois, todos se reuniram na convenção do PSD e cada líder levou sua mensagem de apoio. PRB, Solidariedade, PSB, PSC, PDT, PROS, PRP, Podemos, PHS e PCdoB confirmaram aliança.


Presidenciável

A maior convenção, em números de presentes, foi a do PDT. O Auditório Antonieta de Barros ficou superlotado. Teve direito à até bateria de escola de samba. O candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes, homologado um dia antes na convenção nacional, esteve presente.


Novas siglas

O PSD ainda conversa com o PSL, de Jair Bolsonaro. Merisio acredita que nessa semana pode ter o anúncio de mais esse apoio.


Palanque

Gelson Merisio garante que não irá, pessoalmente, se definir por um candidato a presidente no primeiro turno. A coligação que o cerca conta com, pelo menos, dois presidenciáveis: Ciro Gomes (PDT) e Álvaro Dias (Podemos). Sem contar que o PSD nacional está com Geraldo Alckmin, do PSDB. Agora, terá a chance de ter Jair Bolsonaro, do PSL.


Proporcional

Para a proporcional se encaminham duas chapas. Uma com todas as siglas consideradas menor, o chamado chapão, e outra com o PSD e PP (se confirmar aliança).


Maioria na Alesc

O cálculo de Gelson Merisio o coloca com maioria na Assembleia Legislativa. Espera eleger 23 deputados. Sendo, sete ou oito do chapão e mais 15 do PSD/PP. Se o PSD ficar sozinho, espera eleger oito ou nove deputados estaduais. A projeção para a Câmara Federal é de nove deputados – dois ou três do chapão e seis do PSD/PP.

Unidade

Prefeitos e dirigentes do MDB do sul ficaram impressionados com o comício de Içara com Mauro Mariani, na sexta-feira à noite, pela número de pessoas e o ambiente de unidade.

Prefeito Murialdo Gastaldon afirmou - “foi o maior evento político realizado no sul neste ano”.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 22/07/2018 - 20:45Atualizado em 22/07/2018 - 20:52

A deputada federal Geovania de Sa, PSDB, anunciou hoje a noite, depois de reunião com o prefeito Clesio Salvaro, PSDB, que vai aceitar o convite de Paulo Bauer para ser candidata à vice na sua chapa para disputar o governo.

Na sexta-feira, Geovania recusou o convite em reunião com Bauer.

Mas, a pressão sobre ela e o prefeito Salvaro foi intensa no fim de semana.

Ela já comunicou ao comando do partido e ao próprio Bauer.

Todos os detalhes, os bastidores, na edição desta segunda-feira de A Tribuna e a partir de 7:00 na radio Som Maior FM.

 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 21/07/2018 - 09:03Atualizado em 21/07/2018 - 09:03

O senador Paulo Bauer, candidato do PSDB ao governo, pegou a Br 101 nesta sexta-feira com uma missão a cumprir. Convidar a deputada federal criciumense Geovania de Sá a ser sua vice em chapa pura.

Os dois se encontraram em Laguna, onde a deputada estava cumprindo agenda. Falaram por duas horas. 

A intenção de Paulo Bauer era fechar a chapa com Geovania de vice, Napoleão Bernardes para o senado e o deputado Leonel Pavan na outra vaga ao senado.

Mas, a deputada não aceitou o convite. Disse que está focada na campanha para reeleição e não tem disposição de mudar.

Além disso, ela ponderou que chapa pura é um projeto “de alto risco”, ainda mais de se PP, PSD e DEM estiverem juntos.

Ela acredita que, depois do acordo fechado nacionalmente entre PSDB e Centrão, o presidenciável Geraldo Alckimin deverá estar no palanque de PP e DEM em Santa Catarina.

Ou seja, o PSDB com chapa pura nem teria “exclusividade" do seu candidato a presidente.

Geovania defendeu que o partido faça todos os movimentos possíveis para fechar aliança, abrindo mão das outras três vagas na chapa majoritária, se for necessário. 

O que não pode, segunda ela, é ficar isolado. 

É a mesma posição que vem sendo sustentada pelo prefeito Clesio Salvaro.

A única possibilidade que Geovânia deixando em aberto para uma possível candidatura a vice é se os chamados grandes partidos de dividirem e cada um lançar o seu candidato - PP, PSD, MDB e PSDB. “Ai, pode ser, dá para discutir”, disse ela.

A vinda de Paulo Bauer ao sul pode ter sido um movimento para contrapor as articulações de outros grupos do PSDB por aliança com o PP de Esperidião Amin ou o MDB de Mauro Mariani.

Bauer tem o PSDB consigo se for o candidato a governador. Se for para fazer aliança, não terá autonomia para decidir.

E para ser candidato a governador, neste momento, só se for em chapa pura.

 

A chapa 1

Na possibilidade de PSDB descartar chapa pura, pode fechar aliança com PP e DEM. 

Nesta sexta-feira, a chapa que circulava nos bastidores era Amin - governador, Napoleão Bernardes - vice, Paulo Bauer e João Paulo Kleinubing - senado.

 

A chapa 2

Na alternativa de “aliança ampla”, com PSDB, PP, DEM e PSD, a chapa mais especulada tem Amin - governador, Merisio - vice, Napoleão ou Paulo Bauer e Colombo - senado.

 

A chapa 3

Sem o PSDB encaminhar aliança com o MDB (improvável depois do acordo nacional do PSDB com Centrão), a chapa pode ser Mauro Mariani - governador, Napoleão - vice, Jorginho Mello e Paulo Bauer - senado.

 

Mais uma semana

Nada será decidido neste fim de semana, mesmo com a realização das convenções do PSD e os 10 partidos aliados.

PP e DEM vão continuar discutindo, e articulando, pelo menos até o final da próxima.

Vão na convenção do PSD para confirmar a intenção de “estar junto”, mas vão exigir que tudo fique em aberto por mais “alguns dias”.

 

A convenção do PSD

Os convencionais do PSD vão aprovar por consenso neste sábado as candidaturas de Gelson Merisio a governador e Raimundo Colombo a senador. 

Deixarão duas vagas abertas (senado e vice) para possíveis composições. De preferência, com PP, DEM e PSB.

A convenção vai delegar poderes à executiva para fechar as composições. 

 

A renúncia

Gelson Merisio tem dado todos os sinais que não vai abrir mão da candidatura ao governo.

A partir da convenção deste sábado, ficará mais consolidado. Terá respaldo legal. Só não será mais candidato se renunciar.

Neste caso, a executiva do PSD poderá substituí-lo, inclusive por candidato de outro partido.

 

Os senadores

Mauro Mariani tem um problema sério a administrar "dentro de casa”.

As possibilidades de aliança estão se esvaindo. Estão sobrando praticamente, de certa expressão (e peso politico), o PR e o PPS.

Pelo PR, o deputado Jorginho Mello quer ser candidato a senador. Mas, impõe uma condição. Que o partido do candidato a governador (MDB) não tenha candidato ao senado.

E no MDB o ex-governador Paulo Afonso anuncia que não abre mão de submeter a sua candidatura a convenção do partido.

Além dele, o ex-prefeito Edson Piriquito e o deputado Valdir Colato também quer a candidatura ao senado.

 

Sem chance

Especulação que circulou nesta sexta-feira - Eduardo Moreira poderia reassumir candidatura ao governo, com apoio do PSDB.

Ouvido à noite, antes do comício de Icara, ele não deixou nenhuma margem de dúvida - “não existe a possibilidade, chance zero”.

 

A vice

O secretário municipal Juventino Selva, militar da reserva, foi colega de turma de Jair Bolsonaro.

O general Heleno, que Bolsonaro queria como vice, foi seu comandante.

Depois que o partido do general Heleno negou aliança com Bolsonaro (e vetou sua indicação como vice), Selva passou mensagem de celular para o presidenciável sugerindo uma mulher para vice na sua chapa. Maria da Penha. Aquela que inspirou a lei para prover as mulheres de agressões.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 20/07/2018 - 06:12Atualizado em 20/07/2018 - 09:22

O decreto do prefeito Clesio Salvaro não vai "desfritar o ovo”. O que está feito, está feito. Quem já recebe gratificações por horas de aperfeiçoamento, não vai perder. Continuará recebendo. Agora, os processos com pedidos de analise de novas gratificações vão ficar congelados. Qualquer decisão, só depois de apuradas as denúncias de fraude, falcatrua, ilicitude, na concessão de diplomas. Tudo será encaminhado ao Ministério Público e Gaecco para investigação.

Ontem à tarde o prefeito Clesio Salvaro chamou Observatório Social, Câmara de Vereadores, CDL, Acic e jornalistas para expor a situação.

O relato sobre vários indícios de fraude foram detalhados primeiro pela procuradora do municipio, advogada Ana Cristina Youssef, que é servidora de carreira.

Depois, teve o reforço de secretários municipais, especialmente Celito Cardoso, de finanças. 

Prefeito lembrou o caso do servidor que tinha salário de r$ 2,5 mil e se aposentou com r$ 25 mil/mês - “Vocês pensam que aquele foi caso único? Longe disso. Temos vários e vários igual aquele”!.

Em resumo, pelo que foi apresentado, era uma “farra”.

A decisão do prefeito de parar tudo foi necessária e corajosa (na medida em que representará inevitavelmente um confronto com o sindicato dos servidores).

Mas, a medida (via decreto) não é contra os servidores, nem contra o servidor correto, que faz cursos dentro dos padrões legais, e éticos. É uma medida a favor do município e que deve fazer respeitar o interesse público e restabelecer seriedade no processo.

A gratificação por horas de aperfeiçoamento não pode ser uma manobra, ou falcatrua, para aumentar salário e aposentadoria.

Há denúncias de diplomas e comprovantes de participação em cursos que foram comprados pela internet, ou vendidos por servidores da prefeitura. Algumas fraudes são primárias.

A media de processos com pedido de gratificação é 10 por dia. Depois que foi encaminhado projeto para câmara de vereadores, pretendendo rever regras, o número de processos pulou para 15 por dia.

Hoje o governo paga 16 milhões/ano para gratificações do tipo.

 
Enxugar

Prefeito Salvaro anunciou a contratação de uma empresa privada para fazer o que chamou de  “higienização” da folha de pagamento da prefeitura.

Traduzindo - vai identificar os “penduricalhos" indevidos, ilegais, que serão “cortados”.


Teto

Outra informação de Salvaro - encaminhará projeto de lei à câmara de vereadores para estabelecer teto de 40% da receita para pagamento de pessoal.

Hoje, oscila em torno de 37%.


Vai quebrar

Com o respaldo do presidente do Observatório Social, Sinesio Volpato, que estava estava ao seu lado, prefeito Salvaro assegurou - “se continuar como está, o CriciumaPrev quebra em 2025”.


Sobre a concessão

A concessão de gratificação por hora de aperfeiçoamento, estabelecida no mandato passado, foi detonada por Salvaro - “isso é uma vergonha, uma indecência, incorpora ao salário e incorpora na aposentadoria, o prefeito anterior se acertou com o sindicato, e não fez conta, isso vai quebrar o sistema, daqui a pouco não tem mais como pagar”.


Nova eleição

Prefeito Clesio Salvaro disse ontem na abertura da reunião - “se tudo der certo na minha vida, tudo 100%, serei prefeito até 2022”.

Isso que dizer que consta nos planos de Salvaro a busca da reeleição em 2020 e, conseguindo, ficar no cargo até 2022. Quando deixaria o cargo para buscar, provavelmente, uma eleição majoritária (governador, vice ou senado).


Centrão no estado

Esperidião Amin telefonou ontem à tarde para Clesio Salvaro para dar em primeira mão a noticia do fechamento do acordo fechado pelos partidos do “centrão" para apoiar Geraldo Alckimin, PSDB.

Clesio deu a noticia na reunião com vereadores e entidades antes que saísse na mídia nacional.

Amin estava empolgado. Porque participou da articulação para isso acontecer, e porque o acordo nacional pode ser estendido para o estado.


O que pode dar

A repetição no estado do acordo do PSDB com o “centrão”, que inclui PP e DEM,  pode ter o PSD junto, fazendo uma grande aliança, garantindo o maior palanque para Alckimin.

Mas, também pode ser apenas com PSDB, PP e DEM.

Vai depender do entendimento (ou não) quanto a candidatura a governador.


Chapas

Três possibilidades eram especuladas nem à noite.

1 - Amin - governador, Merisio - vice, Colombo e Paulo Bauer - senado.

2 - Amin - governador, Napoleão - vice, Paulo Bauer e Kleinübing - senado.

Neste caso, Merisio seria candidato em aliança com PSB e 10 partidos considerados pequenos.

3 - Paulo Bauer - governador, Merisio - vice, Amin e Colombo - senado.


Convenção

Amin, Merisio, Colombo, Paulo Bauer, Jorge e Paulo Bornhausen, Julio Garcia, Kleinübing e outros “cardeais" da policia do estado continuam estão conversando e negociando quase 24h/dia. Mas, conclusões só devem sair na reta final, últimos dias do prazo legal.

De qualquer forma, o PSD fará sua convenção amanha, uma “mega convenção, em Florianópolis. Vai homologar as candidaturas de Gelson Merisio - governador e Raimundo Colombo - senador, deixar as outras duas vagas da chapa majoritária em aberto, e registrar em ata que a executiva tem plenos poderes para fechar aliança e a chapa. Então, tudo ainda poderá ser alterado.


Mariani na área

Acompanhando as distância os movimentos no ambiente liderado por Amin, Merisio e Bauer, o candidato do MDB ao governo faz hoje o primeiro ato para sua candidatura no sul, com Eduardo Moreira de “cabo eleitoral”.

Os dois vão prestigiar a posse do prefeito de São João do Sul (que troca o PSD pelo MDB) e depois vão comandar comício organizado pelos prefeitos do MDB da região, em Içara.

Mariani espera o que vai dar nas conversas do PSDB e DEM para fechar a sua composição. Ainda tem esperança de atrair os dois para o seu palanque.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/07/2018 - 16:49Atualizado em 19/07/2018 - 18:35

O prefeito Clésio Salvaro acaba de anunciar, depois de reunião no salão de atos, que vai baixar decreto suspendendo o andamento de todos os processos de reconhecimento de aperfeiçoamento dos servidores municipais.

Na prática, os processos representam aumentos indiretos nos salários e nas aposentadorias dos servidores. Hoje representam R$16 milhões/ano. 

Ao mesmo tempo, vai encaminhar denúncia ao Ministério Público e ao Gaeco, com pedido de investigação sobre indícios de fraudes na concessão de diplomas.

“Depois de um amplo estudo feito pelo observatório social, está evidente que se não tomar nenhum tipo de medida, o instituto vai a falência. Uma delas é o aperfeiçoamento”, disse Salvaro. Segundo ele, não existe controle algum, então é importante suspender até que tudo seja apurado.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/07/2018 - 05:54Atualizado em 19/07/2018 - 06:51

O secretário regional de Araranguá, Heriberto Schimit, passou o dia de ontem ao telefone explicando que não pode ser candidato a deputado estadual porque não desincompatibilizou no prazo legal. Seria o candidato natural do MDB na vaga do deputado Manoel Mota, que ontem anunciou oficialmente que não vai disputar a reeleição.

Mas, Heriberto não deixou o cargo exatamente porque o deputado Manoel Mota assegurou que tentaria a “última eleição”.

Como ele tinha preferência e não seria prudente dois candidatos do partido no Vale, Heriberto puxou o freio de mão.

Ontem, durante entrevista ao repórter Ninomar Moro, na radio Imigrante, de Turvo, ele disse que não se arrependeu, mas estava visivelmente chateado.

Mota fez ontem dois anúncios em um só na coletiva de ontem - “renunciou” a candidatura e anunciou apoio para Volnei Weber, ex-prefeito de São Ludgero, região da Amurel. Não pegou bem. Prefeitos e dirigentes do MDB do vale não gostaram porque deixou o partido sem candidato no Vale e ainda tenta abrir espaço para o “candidato de fora”.

Os primeiros “beneficiados” com a retirada de Mota são os deputados Luiz Fernando Vampiro e Ada de Luca, os dois do MDB. Eles já tem grupos de apoio no Vale, mas agora poderão se articular com maior facilidade (e liberado).

Mesmo que seja do PP, adversário politico, também ganha o deputado José Milton Scheffer, que é do Vale.

Mas, o maior beneficiado, sem duvida alguma, é o ex-prefeito de Arroio do Silva, Evandro Scaine, PSD. Ele ja vinha fazendo campanha intensa em Araranguá, casa a casa, e isso também pesou na decisão de Mota de sair do processo.

Agora, Evandro ficará com o espaço livre para atuar na cidade, onde tem sua empresa, e é citado como possível candidato a prefeito em 2020.

Ele passa a ser o mais cotado para “campeão de votos” em Araranguá entre os candidatos a deputado estadual.

Se confirmar a previsão, e não se eleger deputado, estará com a campanha a prefeito efetivamente encaminhada.

 

A cassação de Daniel

O vereador Daniel Freitas, ex-presidente da câmara, não contava com isso - perda de mandato antes de começar a campanha.

Ele tentou ser candidato a deputado no PP, duas vezes, e não conseguiu. Bateu na trave.

Migrou, então, para o PSL para encaminhar candidatura a deputado federal.

Mas, imaginava que isso fosse feito em comum acordo com o PP, sem "quebrar pratos”. E as conversas preliminares até indicaram para isso.

A primeira manifestação publica do presidente do PP, Itamar da Silva, foi que Daniel continuaria “amigo e companheiro” e teria sempre “portas abertas”.

Ficou implícito que, se não obtivesse êxito no projeto de deputado no PSL, Daniel voltaria ao PP.

Só que os suplentes, dirigentes e filiados do partido reagiram. Exigiram processo na justiça para “buscar" a cadeira de Daniel na câmara. A direção estadual do PP também (e colocou advogado a disposição). E o mandato foi cassado ontem à noite.

A decisão do TRE não deixa nenhuma duvida - perda de mandato por decisão unanime dos membros.

TRE mandou dar posse imediatamente ao primeiro suplente do PP, Edson do Nascimento, o Paiol, presidente da UABC.

Seria Angela Mello, que ficou na primeira suplicia na eleição. Mas, assim como Daniel, ela também trocou de partido, saiu do PP, e perdeu a vaga.

 

Amin e Merisio - acordo próximo

Os deputados Esperidião Amin, PP, e Gelson Merisio, PSD, candidatos a governador, voltaram a conversar, os ânimos foram “serenados”, e um acordo para fechamento de aliança (e de chapa) pode ser fechado até amanhã. Antes da convenção estadual do PP.

 

Com PSDB

Amin e Merisio conversaram pelo menos três vezes nas ultimas 48 horas.

Ontem à tarde, Amin se reuniu com o o ex-governador Raimundo Colombo, que ainda opera, junto com Amin, por uma aliança ampla, incluindo PSD-PP-PSDB-DEM-PSB.

O acordo nacional entre PSD e PSDB pode facilitar o entendimento em Santa Catarina.

 

Apostando em Guidi

Raimundo Colombo afirmou em todas as reuniões que fez nos dois dias que ficou na região que projeta Ricardo Guidi como o segundo mais votado do PSD para deputado federal.

Disse que o partido (desde quando era PFL) sempre elegeu três federais no estado.

Também anunciou que está abrindo espaço para Guidi na serra, sua base eleitoral.

 

Cutucou

Ricardo Guidi esteve com Raimundo Colombo durante todo o roteiro do ex-governador.

Ontem cedo, participaram de entrevista no estúdio da rádio Som Maior.

Colombo disse que sua relação com Eduardo Moreira “esfriou” e falou das contas do seu governo.

Garantiu que deixou as contas melhor do que recebeu e cutucou o secretário da fazenda, Paulo Ely - “se eu fosse dar um conselho para o secretário, diria para ele ser mais otimista, mais positivo, porque a impressão que ele passa é que está muito pior do que realmente está”.

 

Reliquia

Ricardo Guidi ofereceu jantar para Raimundo Colombo no sitio da família, na terça-fira a noite. Reuniu prefeitos, vices, vereadores e dirigentes do PSD da região.

Detalhe - o prato usado é da Expo 100, a festa do centenário de Criciúma, em 1980, primeiro mandato do ex-prefeito Altair Guidi, pai de Ricardo. 

Foi a primeira grande festa popular da cidade, que deflagrou o processo para o resgate da cultura das etnias colonizadoras.

 

Fila de banco

O sindicato dos bancários foi na câmara pedir que os vereadores votem contra o projeto encaminhado pelo prefeito Clesio Salvaro que pretende revogar a lei que determina tempo máximo de espera nas filas de lotéricas.

Mas, deveriam ter ido junto todos os clientes e usuários. Porque trata-se de direito adquirido. Não faz sentido mudar.

 

Redução do crime

Governador Eduardo Moreira e o secretário de segurança, Alceu Ponto Junior, apresentaram ontem dados que apontam para redução nos indices mais expressivos de violência e criminalidade no estado.

E anunciaram uma meta ousada - Santa Catarina vai se tornar o estado mais seguro do país ate 2023.

Entre os indicadores mais relevantes estão as quedas de 14,9% no número de homicídios; 30,8% em roubos e queda de 55,4% em roubo/furto à instituição financeira.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/07/2018 - 19:37Atualizado em 18/07/2018 - 20:32

Tribunal Regional Eleitoral acaba de decidir pela cassação do mandato do vereador Daniel Freitas, de Criciúma.  Ele foi enquadrado na lei da infelidelidade partidaria porque trocou o PP pelo PSL.

A ação contra o vereador Daniel foi iniciativa do PP de Criciúma.

O TRE mandou convocar imediatamente o primeiro suplente do PP para assumir a cadeira, no caso o suplente Edson do Nascimento, o Paiol.

Na eleição, Angela Mello ficou como primeira suplente do PP. Mas, ela perdeu a "vaga", não será chamada porque trocou de partido, foi apara o MDB. 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/07/2018 - 05:39Atualizado em 18/07/2018 - 09:12

Elogiável, porque respeita a historia, mas não é unânime a proposta do prefeito Helio Alemão Cesa, MDB, de mudar o nome de Sideropolis. Longe disso.

Depois de lançar a proposta durante a missa em homenagem a colonização italiana, no domingo, Alemão passou a receber manifestações diferentes.

De um lado, foi elogiado pelos “tradicionais”, que lançaram movimento faz alguns anos pela recuperação de Beluno como nome da cidade. Ou, Nova Beluno.

Mas, também ouviu críticas. Do tipo - “vocês não tem mais o que fazer? “. Ou, “se mudar o nome vamos que trocar documentos e placas dos carros, não faz sentido!”.

Os críticos são, via de regra, moradores e eleitores com menos de 40 anos. Que não tem o mesmo vinculo com a historia do município.

Hoje, Sideropolis está comemorando 127 anos de colonização. E, colonização genuinamente italiana. Foi por isso que nasceu como “Beluno”. 

Na segunda guerra mundial, a ditadura Vargas perseguiu italianos e alemães, porque estavam em blocos diferentes, e mandou trocar os nomes de muitas cidades que remetiam à Italia.

No “segundo batismo”, trocaram Beluno por Siderópolis, por causa da Companhia Siderúrgica Nacional que operava no municipio. Era uma das principais industrias da região.

Mas, nada a ver com os colonizadores, nem com a historia do município.

Alemão acerta em estabelecer o debate. O assunto está latente da cidade faz muito tempo. Não poderia continuar sendo ignorado.

Alemão já foi na câmara de vereadores, que não quer se meter no assunto. Para não correr risco de algum desgaste.

Ele pediu então à procuradoria do município para dar um parecer técnico do que pode ser feito, e como fazer.

Em principio, um plebiscito.

Mas, pode ser uma audiência publica, ou uma pesquisa.

Se eu fosse morador de lá, votaria pelo restabelecimento da historia, respeito aos colonizadores e fundadores, e a volta do nome Beluno.


Território italiano

Empolgado com o debate aberto pelo prefeito Alemão, o sideropolitano (ou belunense) João Lazaris Neto problema ontem - "Vamos restabelecer o trivêneto:  Belluno - Treviso - Veneza”.


Cesa - "Vale ficará descoberto”

O presidente do MDB de Araranguá, empresário Cesar Cesa, estará ao lado do deputado Manoel Mota, hoje, 10h, na coletiva que ele convocou para anunciar a desistência da candidatura a reeleição.

Cesa ja convocou para amanha uma reunião da executiva do partido para avaliar o quadro e decidir o que fazer.

Disse que ninguém da direção estadual do MDB telefonou para tentar contornar a situação e que Mota reclama muito da forma como vem sendo tratado. 

“Um homem que dedicou mais de 30 anos da sua vida ao partido, não poderia estar sendo tratado desta forma”, comentou/ 

Cesa avalia que o MDB não terá novo candidato a deputado no Vale. E arremata:

“Aqui a obra na serra de Praia Grande parou, na serra da Rocinha vai parar, a interpraias é só conversa, a barragem rio do salto é só conversa, e ainda perdemos em representação politica, só vai piorar ainda mais!”.


Até três

Os movimentos de ontem entre operadores de candidaturas majoritárias no estado sinalizaram que entre PSD, PP, PSDB e DEM, pode ter apenas um ou três candidatos a governador.

Esperidião Amin segue articulando, e tem o apoio do PP para ser o candidato a governador. Mas, se não for candidato, não terá poder para definir quem o partido vai apoiar.

Paulo Bauer, da mesma forma. Tem o apoio do PSDB para ser candidato. Mas, não define o rumo do partido se não for o candidato.

Um candidato está consolidado - Gelson Merisio, PSD.

Pode ter mais dois - Amin e Bauer.  

Mas, se Amin não for, o PP fechará com Merisio.

Se Bauer não for, o PSDB não fechará com Merisio. Vai compor com Amin, ou com o MDB.


Colombo na área

O ex-governador Raimundo Colombo, PSD, será recebido hoje pelo prefeito Clesio Salvaro, PSDB.

Raimundo é candidato a senador e começa a correr o estado.

Na reunião com Clesio, deve tratar da eleição e de articulações. Mas, os dois sabem que PSD e PSDB não estarão juntos.

De qualquer forma, Colombo vai pedir apoio de Clesio, “pelo menos no segundo voto”, para eleição ao senado.

Ontem à noite, Colombo foi homenageado pelo deputado Ricardo Guidi.


Pedindo passagem

Na reunião da executiva estadual do PSDB, segunda-feira, o vereador Aroldinho Frigo, de Nova Veneza, reafirmou disposição de ser candidato a deputado estadual em outubro.

Ontem, na radio Som Maior, o presidente estadual do partido, Marcos Vieira, disse que Aroldinho é um “excelente candidato”.

À noite, na sessão da câmara de Nova Veneza, Aroldinho entregou moção de aplauso à deputada federal Geovania de Sá pelos serviços prestados ao municipios.


Chapa pura

O candidatura do deputado Décio Lima a governador pelo PT será homologada na convenção estadual do partido no dia 5 de agosto (ultimo dia do prazo legal).

Com ele, o candidato a senador, Ledio Rosa de Andrade.

O segundo candidato a senador e o vice também devem ser do PT.

O ex-prefeito de Araranguá, Sandro Maciel, deve estar na chapa. Como candidato a vice ou suplente do senado.


Voltou antes

O prefeito Mariano Mazzuco, PP, ja reassumiu a prefeitura de Araranguá. Dez dias antes do previsto.

Ele se afastou para uma cirurgia em Porto Alegre e deveria voltar apenas no final de julho.

Mas, disse ontem, a cirurgia foi muito bem sucedida, a recuperação melhor que o esperado, e por isso decidiu “voltar ao trabalho”.

Mariano já projeta candidatura a reeleição em 2020.


Fios soltos!

Pedestres aumentam reclamações sobre fios soltos em várias ruas da área central de Criciúma.

Primeiro, porque é muito feio.

Segundo, porque ninguém sabe se é perigoso.

Tem fio de energia, cabo de telefone, de internet, tv a cabo, e muito mais.

Estão arrebentados no chão, pendurados ou amarrados em postes.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/07/2018 - 06:44Atualizado em 17/07/2018 - 13:25

Prefeito Clesio Salvaro foi um dos últimos a falar na reunião de ontem do comando estadual do PSDB, em Florianópolis, mas foi o principal discurso.

Ele fez a defesa veemente de aliança para eleição de outubro, contra a proposta de chapa pura.

Clesio quer que o PSDB faça aliança com Esperidião Amin e o PP, mas não chegou a dizer isso ontem. Ficou apenas na defesa de aliança, contra o isolamento do partido.

A deputada federal criciumense Geovania de Sá também fez discurso na defesa de aliança.

Ela defendeu, inclusive, a formação de uma comissão de negociação. Que não foi levada adiante. 

Se o caminho do PSDB for por chapa pura, Geovania será a candidata a vice. Mesmo contra a sua vontade.

No final, a decisão tomada na reunião foi a confirmação da candidatura do senador Paulo Bauer a governador.

Mas, na pratica, o PSDB está negociando. Com Esperidião e o PP, e com Mauro Mariani e o MDB.

Antes da reunião de ontem, um grupo de “cardeais" do PSDB teve reunião com o deputado João Paulo Kleinübing, presidente do DEM.

Durante a reunião, chegaram Esperidião Amin e Silvio Dreveck, presidente do PP.

A conversa foi inconclusiva.

O saldo final é que vão continuar conversando. Deixaram as “portas abertas”.

Esperidião deve aguardar a convenção estadual do PSD para avançar nas tratativas com o PSDB.

Afinal, pela sua tese, Merisio quebrou o acordo ao convocar a convenção, porque teriam acertado que as convenções só seriam convocadas quando os partidos concluíssem as negociações.

A convenção do PSD, então, será a confirmação do rompimento.


Xeque mate

Merisio deve aprovar na convenção a sua candidatura ao governo e a de Raimundo Colombo ao senado, deixando duas vagas abertas ao PP. Vice-governador e a segunda candidatura ao senado.

E a partir dai, Merisio pode colocar Amin em xeque-mate.

Ou ele capitula ao projeto de Merisio e aceita a candidatura ao senado, ou confirma candidatura ao governo pelo PP, com quem conseguir reunir ao seu lado e as alianças que conseguir fechar.


Sem volta

A disputa pelo governo do estado já tem três candidatos definidos/consolidados - Mauro Mariani - MDB, Decio Lima - PT e Gelson Merisio - PSD.


As causas da retirada de Mota

O suplente de deputado Manoel Mota, MDB, negou ate o fim de semana que renunciaria a candidatura.

Mas, quando convocou ontem a tarde uma coletiva para amanhã, nove em cada dez peemedebistas passaram a afirmar que ele vai dar as razões de sua batida em retirada.

O deputado Mauro Mariani, presidente estadual do MDB e candidato a governador, ainda tenta convencê-lo a ficar.

Mota está desgastado, fragilizado, e muito chateado (com o governo do MDB).

Ele perdeu apoios importantes no MDB, como ex-prefeito Volnei Weber, que coordenava suas campanhas na Amurel, e agora é candidato a deputado.

Mas, ele também tem um problema fora o partido. O ex-prefeito do Arroio, Evandro Scaine, PSD, candidato a deputado.

Scaine está fazendo uma campanha forte em Araranguá, praticamente casa a casa, procurando muitos cabos eleitoral que trabalharam para Mota.

 
Liberado

Ex-governador Raimundo Colombo tira o equivalente a uma tonelada das costas com a decisão da Justiça Federal de arquivar as delações da JBS que o citavam, junto com o ex-secretário da fazenda do estado, Antônio Gavazoni.

Na delação, foi dito que a JBS repassou r$ 10 milhões como caixa dois de campanha mediante compromisso de Colombo de privatizar a Casan, o que não aconteceu.

Justica mandou arquivar, seguindo recomendação do ministério público, por falta de provas.

Colombo fica “mais leve” para encaminhar sua campanha ao senado.

Hoje ele chega à cidade para uma agenda de dois dias.

Terá reunião com o prefeito Clesio Salvaro e será homenageado pelo deputado Ricardo Guidi.


Mudar de nome

Decisão corajosa, mas inteligente e democrática, a que foi anunciada pelo prefeito Helio Alemão Cesa, de Siderópolis.

Vai abrir discussão com a comunidade, quer que a câmara de vereadores esteja junto, para definir a mudança do nome da cidade. Em respeito aos fundadores que a “batizaram” como Nova Beluno.

O nome foi trocado pela ditadura, por causa guerra. Como foi imposto, ficou atravessado.

O prefeito fez o anuncio durante a missa (rezada em italiano) em homenagem ao aniversario colonização do município.

Se voltará a ser Beluno, ou Nova Beluno, ou Siderópolis Beluno, a cidade vai decidir.

O mais importante é o processo. Que respeita a história.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/07/2018 - 09:00Atualizado em 14/07/2018 - 09:01

A sexta-feira foi movimentada. O que parecia “encaminhado" caiu por terra. Gelson Merisio, PSD, foi pessoalmente ao deputado João Paulo Kleinübing, DEM, para convidá-lo a ser o vice na sua chapa e ouviu um "não, obrigado".

Kleinübing foi alem. Disse que não será vice de Merisio, mas está conversando com o PP de Amin e com o MDB Mauro Mariani, podendo compor de vice com um, ou com outro.

Merisio havia entendido que Kleinübing de vice era a “senha" para Esperidião Amin, PP, fechar a aliança PP-PSD, e encaminhar sua candidatura ao senado. Ledo engano.

O primeiro movimento de Merisio logo depois da negativa de Kleinübing foi abrir ao PP a possibilidade de duas vagas na chapa majoritária. Vice e senador.

Outro movimento - sabendo que Amin está articulando intensamente nos bastidores, despachou emissários para abrir conversações com o PSDB. Liberou que falassem em duas vagas majoritária.

Ou seja, Merisio sente risco real de perder Amin e o PP, e tenta compensar com o PSDB. Alem de tentar evitar que o PSDB siga com Amin.

O grupo de comando do PSDB passou o dia em reuniões. Uma parte em Balneário Camboriu, junto com o deputado Leonel Pavan, e outra parte em Florianópolis.

Por telefone, prefeitos e deputados articularam muito para a reunião de segunda-fera a executiva estadual.

Está definido que alguns prefeitos vão defender aliança com PP, apoiando Amin para governador e ficando com duas vagas na chapa (vice e senado).

Se a proposta não passar, vão exigir que conste em ata que não será feita nenhuma outra aliança nestas condições - duas vagas na chapa majoritária.

Neste domingo, fim da tarde, Amin, Merisio e Kleinübing voltam a se reunir com Raimundo Colombo (PSD) e Paulinho Bornhausen (PSB). Nada devem decidir. Tudo ficará para depois da reunião do PSDB.

 

MDB na sexta

O governador Eduardo Moreira fará “comício" com Mauro Mariani, candidato do MDB a governador, na sexta-feira, em Içara.

Data e local foram definidos pelos prefeitos do partido, reunidos durante a festa da tainha, no Rincão.

 

Sul de fora

De todas as especulações feitas até agora sobre composição de chapa majoritária, o único nome do sul que foi citado foi o da deputada Geovania de Sá, para candidatura a vice-governador. Qu ela não quer!

A tendência é que o sul fique fora do núcleo de poder do futuro governo.

 

Quatro candidatos

O presidente estadual do PSDB, deputado Marcos Vieira, disse ontem na Som Maior que quatro candidatos a governador estão consolidados, não recuam mais. Paulo Bauer (PSDB), Mauro Mariani (MDB), Gelson Merisio (PSD) e Décio Lima (PT).

Ele disse que “não dá para saber" o que vão fazer o PP de Amin e o DEM de Kleinübing.

 

Com a faca e o queijo

Esperidião Amin, de novo, está coma faca e o queijo na mão. O quadro para a eleição será montado a partir da sua decisão sobre a candidatura que vai assumir, e com quem.

Pela sua força eleitoral, tem autonomia para decidir para onde vai.

 

Reforço

O terceiro suplente de vereador do PP de Criciuma, arquiteto André de Luca, migrou para o PSD.

O ato de filiação foi nesta sexta-feira, durante reunião com o deputado Ricardo Guidi, ex-deputado Julio Garcia, vice-prefeito Ricardo Fabris e o ex-prefeito Anderlei Antonelli.

Fabris foi responsável direto pela adesão de André. Os dois foram da equipe de governo quando Antonelli foi prefeito.

Na eleição de 2016, André fez 1.300 votos.

 

Com o “ex-chefe”

O empresário criciumense Gilson Pinheiro, dono de uma construtora e do hotel Interclass, esteve ontem com o ex-prefeito José Augusto Hülse.

Ele foi secretario municipal quando Hulse foi prefeito (inicio da dedada de 80).

Com dois, estava o empresário José Luiz Hulse, filho de José Augusto. 

 

Investimento feito

A deputada federal criciumense Geovania de Sá, PSDB, foi conferir a calçada de 600 metros que está sendo construída em Forquilhinha com verba de r$ 250 mil do seu mandato.

 

No Instituto

O deputado federal Jorge Boeira visitou obras de ampliação do IFSC Criciúma.

O  deputado destina boa parte de suas verbas parlamentares ao Instituto. 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 13/07/2018 - 07:40Atualizado em 13/07/2018 - 09:49

Os últimos detalhes para prefeitura efetivar a transferência do hospital materno infantil para o governo do estado serão ajustados até segunda-feira.

Hoje, em Florianópolis, o secretario de saúde do estado, Acelio Casagrande, vai se reunir com o governador Eduardo Moreira para definir a data em que ele e o prefeito Clesio Salvaro vão fazer a assinatura dos atos.

Por seu lado, o prefeito Salvaro apresentará hoje aos vereadores (e fará apelo para tramitação célere) o projeto de lei que autoriza a transferência do imóvel e patrimônio do hospital para o estado.

Nos dois lados, o assunto é dado como “fato consumado”. Não corre mais risco de recuo. A “estadualização" do Santa Catarina vai sair.

É uma das prioridades do prefeito Salvaro desde que assumiu.

Vai representar “economia" aos cofres da prefeitura de pelo menos r$ 750 mil / mês. O equivalente a praticamente dois meses e meio de custeio da UPA da Próspera.

Além disso, vai corrigir uma distorção, porque Criciuma hoje sustenta uma estrutra que faz atendimento regional.

A estadualização será a "maior obra” do atual período de Eduardo Moreira como governador em Criciúma, sua principal base política.

Hoje, o hospital não passa de um “pronto atendimento”.

Com a transferência para o estado, vai ser equipado e estruturado para funcionar como um hospital materno infantil completo. Com possibilidade para fazer todos os partos e até gestação de alto risco.

Hoje, gestação de risco na região só é feita em Tubarão ou Florianópolis.

Para isso, serão concluídas as obras da ala que estão inacabadas desde 2002.

A projeção é que o “novo hospital”, completo, seja inaugurado durante o mês de setembro.

Ontem, técnicos da secretaria de saúde do estado passaram o dia em Criciúma, reunidos com a secretária municipal de saúde, Francieli Gava, e o gerente regional de saúde do estado, Fernando de Faveri.

Praticamente tudo definido, ajustado, acertado. Ficaram faltando apenas alguns detalhes operacionais, que serão resolvidos no fim semana entre o prefeito Salvaro e o secretário Acélio.


Desatador de nós

O gerente regional de saúde, Fernando de Faveri, vem se firmando como um gestor eficiente. Que resolve os problemas.

Primeiro, foi a divida com o hospital São Jose. Que ninguém se entendia. Ele fez conferência de dados, consolidou o que é divida do estado e acertou o pagamento parcelado. Que está sendo cumprido.

Agora, operou o processo para transferência do hospital Santa Catarina.


Os constituintes

O congresso de advocacia do sul catarinense, que começa hoje, em Nova Veneza, vai reunir dois dos deputados constituintes da região. Ruberval Piloto e Walmor de Luca. 

O terceiro constituinte era Eduardo Moreira, hoje governador, que estava confirmado até ontem, mas cancelou presença no fim do dia.

O congresso vai reunir os principais nome do direito no estado.

Um dos palestrantes será o advogado Marlus de Oliveira, que vai falar sobre “os tempos de Lava Jato”. Ele é o advogado do ex-deputado Eduardo Cunha.


Só domingo

Esperidião Amin e Gelson Merisio só voltarão a se reunir para tratar de aliança no domingo, à tarde. Com eles, estarão Raimundo Colombo, Paulinho Bornhausen, Silvio Dreveck e João Paulo Kleinübing.

No sábado, Amin terá lançamento de sua candidatura ao governo no oeste do estado.

Até domingo, Amin e Merisio mantêm candidaturas ao governo.


Aposta

O deputado federal Jorge Boeira, PP, projetou ontem - “esse jogo vai terminar assim como está hoje, Merisio será candidato a governador, e Esperidião será candidato a governador, nenhum dos dois vai desistir”.


Dos tucanos

A direção estadual do PSDB vai discutir na segunda-feira a possibilidade de apoiar a candidatura de Esperidião Amin a governador, indicando o candidato a vice e um senador.

A proposta será apresentada na reunião.

Sabendo disso, é provável que Esperidião opere para postergar a decisão sobre aliança com o PSD de Merisio para depois de domingo, durante a próxima semana.


Nova chapa

Se tiver sinalização concreta do PSDB, é possível que Amin feche aliança sem o PSD. Com PSDB e DEM.

Napoleão seria o candidato a vice e Paulo Bauer ao senado.

A outra candidatura ao senado pode ser de João Paulo Kleinubing.


Primeiras opções

Como o PSDB não participa das conversações de PP, PSD, DEM e PSB, as possíveis chapas especuladas (e avaliadas) para essa aliança  são Gelson Merisio - governador e João Paulo Kleinübing de vice, ou Amin - governador e Merisio de vice.


Ainda não é hora

Gelson Merisio procurou o ex-deputado Julio Garcia para tentar recompor a relação.

Os dois estão rompidos politicamente faz dois anos.

Acertaram que voltarão a conversar objetivamente depois da convenção do PSD, se Merisio for confirmado candidato a governador.

Por enquanto, nada mudou.


Colombo na área

Ex-governador Raimundo Colombo aterrissa em Criciúma na terça-feira para agenda política durante dois dias. 

Ele telefonou ao prefeito Salvaro e pediu reunião. Quer falar sobre a eleição, e composições.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 12/07/2018 - 05:54Atualizado em 12/07/2018 - 11:20

É claro que é melhor ter 10 deputados ativos, articulados, respeitados, do que 10 sem influência. Mas, o pior é não ter nenhum.

Oito de deputados, mesmo que não sejam os mais influentes no parlamento catarinense, que não sejam lideres de blocos, nem formadores de opinião, podem fazer muito pela cidade, a partir do momento que passem atuar de maneira conjunta, e bem articulados.

Quando não emplacar pela influencia política, pelo transito nas instâncias de poder, que seja pela quantidade.

Não tem governador, ou secretário de estado, que não pare para ouvir, e que respeite o que seja levado, por um grupo de oito deputados. Afinal, isso é 20% de toda a Assembléia. 

Vale citar Antonio Carlos Magalhães, o grande líder da Bahia, já falecido, chamado por uns de ACM, e por outros de “toninho malvadeza”.

Quando ele não conseguia o que queria pela conversa, invadia os gabinete oficiais de Brasilia, com a “bancada da Bahia” a reboque. Ali, pesava o numero.

E ele saia de lá com o assunto resolvido.

Mas, conseguia reunir “em defesa dos interesses da Bahia”, adversários, concorrentes e até inimigos pessoais.

É fato que hoje a cidade e a região não tem hoje um líder politico que tenha a capacidade de mobilização que tinha ACM.

Mas, ele vai surgir. Naturalmente. E enquanto isso, entidades podem assumir o papel de liderar e conduzir o processo. 

Ouço dizerem que melhor do que ter um deputado da cidade ou da região que não seja influente, é ter um deputado de outra região, que seja ético, e influente. Errado!

Se todos pensarem assim, vamos eleger uma bancada minúscula, que não terá peso, nem influencia, para pressionar pelo encaminhamento de assuntos importantes para a cidade.

E vamos ajudar a reforçar politicamente outras cidades e regiões. 

A mostrar que a campanha pelo voto em candidatos da cidade e região é uma necessidade.

Porque pior (mas, muito pior) ficará sem eles!


Amin tem marketeiro

A partir de ontem, o deputado Esperidião Amin tem um especialista em marketing eleitoral na sua equipe de campanha.

Pode ser um indicativo que ele está efetivamente levando a serio sua candidatura ao governo.


Dia de decisão

Gelson Merisio (PSD), Esperidião Amin (PP) e João Paulo Kleinübing (DEM) passaram o dia de ontem em reuniões em Brasilia. Ainda sobre acordo para aliança e chapa para a eleição.

O dia terminou com Amin e Merisio ainda candidatos ao governo. Mas, ambos querendo aliança.

Hoje pode sair o acordo.


Só amanhã

Um dado para reforçar reforçar a tese de fechamento de acordo durante o dia de hoje - o deputado Gelson Merisio foi procurado para agendar entrevista e disse que só fala amanhã.


Por cima

Esperidião Amin e João Paulo Kleinubing também conversaram ontem em Brasília com os presidentes nacionais dos seus partidos - Ciro Nogueira (PP) e Rodrigo Maia (DEM).

Tiveram garantia de autonomia para fechamento de acordos e chapas, e apoio para a campanha.


Tucano se isola

O PSDB reluta em encaminhar aliança com Esperidião Amin, para apoiar sua candidatura ao governo e indicar o vice.

Sem o PSDB, e sem Merisio de vice, Amin pode desistir da candidatura ao governo, optando pela disputa de vaga ao senado, que tem reais possibilidades de eleição.

No final das contas, só vai restar ao PSDB fechar aliança com o MDB, indicando candidato a vice e senador.

Porque chapa pura é operação de altíssimo risco e aliança com PSD não sai porque Merisio não quer.

Só que aliança com MDB divide o PSDB. O primeiro a abrir baterias contra é o prefeito Clesio Salvaro.


Mantido o rotativo

Tribunal de Justiça decidiu ontem, fim da tarde, que é ilegal a tarifa cobrada do estacionamento rotativo de Ararangua.

À noite, o prefeito em exercício Primo Junior emitiu nota oficial informando que determinou estudo de medidas adequadas para sanar as irregularidades e melhorar o serviço. Mas, como a decisão ainda não transitou em julgado, vai manter a cobrança.


ANEEL chama para acordo

Cooperativa de Forquilhinha (Coopera) e Celesc foram chamadas ontem pela direção da ANEEL (agencia nacional de energia eletrica) para uma reunião no dia 25, em Brasilia, para definir quem vai atender os clientes da região de Quarta Linha, Criciúma.

A reunião foi convocada depois que os vereadores Tita Beloli e Ademir Honorato, e o deputado federal Ronaldo Benedet, protocolaram documentos da comunidade contra a migração de clientes da região da Coopera para a Celesc.

E depois que o presidente da Celesc, Cleverson Sivert, foi dar suas explicações.


Conselheiro

O empresário criciumense Edio Castanhel é o novo integrante do conselho do porto de Imbituba. A sua nomeação já foi publicada no diário oficial.


Preserva mandato

Conselho de Ética da Câmara dos Deputados decidiu ontem pelo arquivamento do processo de cassação de mandato do deputado federal catarinense João Rodrigues (PSD). 

O relator do processo, deputado Ronaldo Lessa (PDT) defendeu a improcedência da denúncia feita por parlamentares da Rede e, por votação unânime (12 votos favoráveis), o processo foi arquivado.

Isso garante a João o cumprimento o mandato ate o fim do ano. Mas, não libera sua candidatura. Ele continua inelegível.


Festa de Eduardo

No dia do seu aniversario, ontem (completou 69 anos), o governador Eduardo Moreira, recebeu na residência oficial alguns amigos, secretários de estado, políticos e familiares para  comemorar.

Descontraído, Moreira relembrou situações "emblemáticas" que vivenciou percorrendo Santa Catarina, pela sua atividades política, como a porta do avião que abriu durante o vôo, os carros atolados, acidente na BR 101.

Ele foi presenteado com um vídeo com depoimentos e imagens que marcaram sua carreira.


Corrigindo

Secretaria de ação social do estado, Romanna Remor, esteve ontem com o prefeito de Morro da Fumaça , Noi Coral. Tratou da construção do CRAS no município, que está parada. 

Acontece que a empresa que ganhou a licitação não cumpriu com os prazos acordados para a obra.

Romanna explicou que os contratos serão rescindidos para que outra empresa possa dar continuidade ao trabalho.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/07/2018 - 06:16Atualizado em 11/07/2018 - 09:56

A deputada federal Geovania de Sá, PSDB, repetiu ontem à noite, em Brasilia, aos senadores Dalirio Beber e Paulo Bauer, PSDB, que não quer ser candidata a vice-governadora.

Está em campanha para reeleição e quer seguir com este projeto.

A propósito, Geovania ampliou bem a sua base, estatualizou a atuação parlamentar e passou a ser a única candidata à câmara federal pela sua igreja. Tem condições fazer a maior votação do partido no estado entre todos os candidatos a deputado federal.

Mesmo assim, Geovania deixa uma "porta aberta” para a candidatura a vice- “o único que pode me convencer a fazer mudança de planos é o prefeito Salvaro, só se isso partir dele”.

Informado a respeito, Clesio Salvaro comentou - “em chapa pura do PSDB, ela (Geovania) é o melhor nome para vice”. Mas, completou - "antes disso, o partido tem que esgotar todas as possibilidades de composição”.

Na segunda-feira o PSDB terá reunião da executora estadual para ratar do assunto.

A proposta de chapa pura, segundo a deputada, cresceu no PSDB catarinense nos últimos dias. Principalmente pela perspectiva de quatro ou cinco candidatos.

Mas, ao mesmo tempo, avalia que a aliança com o MDB, improvável até pouco tempo, parece hoje “mais próxima”.

Num eventual acordo com o MDB, o PSDB teria duas vagas na chapa majoritária. Provavelmente para Napoleão Bernardes e Paulo Bauer.

Mesmo que a deputada não trate como provável, ainda é possível um acordo com o PP,  no caso de Esperidião Amin sair candidato a governador em o PSD de Gelson Merisio.

Amin tem conversas diárias com Paulo Bauer em Brasilia sobre o assunto.

Bauer confidenciou para poéticos tucanos do sul no fim de semana que a aliança com Amin é uma “possibilidade real”. Mais fácil do que chapa pura.


Finaleira

Prefeito Salvaro calcula que a reunião de segunda-feira vai definir posição sobre as conversações em curso.

Pela sua vontade, o partido fechará aliança com Esperidião Amin e o PP.


Merisio com Amin e João Paulo

O deputado Gelson Merisio, presidente estadual do PSD, vai hoje a Brasilia para mais uma reunião com os deputados Esperidião Amin, PP, e João Paulo Kleinübing, presidente estadual do DEM.

Vão tentar o entendimento para fechamento de aliança e composição de chapa majoritária.

Por enquanto, os três são candidatos ao governo. E, numa aliança, estarão na chapa. O “quarto elemento” será o ex-governador Raimundo Colombo, PSD.


O prazo

Em sete dias, hoje será a quinta vez que Amin e Merisio vão se reunir para, a rigor, tratar da mesma pauta.

Na reunião que tiveram no domingo, em Florianópolis, junto com outros poéticos de PP, PSD, DEM e PSB, chegaram a “apalavrar” um prazo até quinta-feira (amanhã) para resolver o assunto.


Opções do sul

Desde o início das articulações, o sul do estado já teve várias possibilidades de ter representante da disputa majoritária do estado.

A principal, com o governador Eduardo Moreira, MDB, que seria candidato a reeleição.

Mas, também foram citados como possíveis candidatos a vice, Jorge Boeira - PP, Julio Garcia - PSD e Geovania de Sá - PSDB. Só Geovania continua no “radar”.


O time do governo

Eduardo Moreira reuniu segunda-feira à noite, na casa da agronômica, em Florianópolis, todos os “cargos de confiança” do governo com o candidato a governador Mauro Mariani, MDB.

Foi mais um movimento de Eduardo a favor da candidatura de Mariani.

Amanhã, os prefeitos do MDB da região devem definir a data para um encontro que Eduardo pretende comandar no sul do estado com Mariani.


Não sai

Deputado Manoel Mota, MDB, ontem à noite, sobre a especulação sobre retirada de sua candidatura a reeleição - "inventaram isso, não tem fundamento, me causaram um prejuízo politico muito grande”.


Maurique ouve Favreto

O juiz federal Jorge Maurique, desembargador do Tribunal Regional Federal, residente em Criciúma, estava na sessão do Tribunal, nesta semana, em que os desembargadores Rogerio Favreto e Gebran Neto nem se olharam. Ainda reflexo da confusão jurídica a partir da ordem de soltura para Lula.

Favreto reclamou para Maurique que o ator Alexandre Frota divulgou o numero do seu telefone nas redes sociais e passou a receber várias ameaças de morte.

A cerimonia que reuniu todos os desembargadores do Tribunal foi a posse do novo integrante da corte, o juiz federal Osni Cardoso Filho, que trabalhou em Criciúma de 1993 a 1996, respondendo pela segunda vara da justiça federal.


Vítima de estupro

Deputada criciumense Ada de Luca, MDB, protocolou ontem na Assembleia projeto de lei para instituir o programa de atenção e proteção às vitimas de estupro.

Ela diz que o projeto é reflexo dos assustadores índices  de estupro no estado.

De janeiro a abril de 2017 foram 930 casos de estupro consumado e 179 tentativas. 

Em 2018, no mesmo período, foram 1.116 casos de estupro consumado e 210 tentativas.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/07/2018 - 06:18Atualizado em 10/07/2018 - 09:27

Depois da desistência de Eduardo Moreira, MDB, o deputado federal João Paulo Kleinübing, presidente estadual do DEM, passou a ser a alternativa "mais próxima” de o sul catarinense estar representado numa chapa majoritária para a eleição de outubro.

João Paulo não é nascido no sul, nem tem sua base eleitoral na região, mas sua esposa, Patricia, é de Criciuma.

Ele é genro do ex-vereador Woimer Loch e cunhado do empresário Rodolfo Loch. Por causa deste vínculo, está com frequência na cidade.

Na próxima semana, inclusive, deve ficar aqui alguns dias do recesso parlamentar e das férias escolares das filhas. 

Kleinübng foi o “fato novo" na reunião de domingo, no escritório de Esperidião Amin, em Florianópolis, com os comandantes de PP, PSD e PSB para discussão sobre aliança.

Além dele, estavam Gelson Merisio e Raimundo Colombo - PSD, Esperidião Amin e Silvio Dreveck - PP, e Paulo Bornhausen - PSB. 

A reunião não foi conclusiva. Não foi definida uma chapa. Mas, ficou encaminhado que o entendimento passa por uma chapa com Gelson Merisio, Esperidião Amin, Raimundo Colombo e João Paulo. Falta definir as posições de cada um.

Kleinübing tem ligação pessoal e política com Esperidião Amin, que pode “apadrinhá-lo” para uma vaga na chapa. Seja como candidato a vice-governador ou ao senado.

Na possibilidade de Esperidião desistir da disputa ao governo, a indicação de Kleinübing como vice de Gelson Merisio pode ser a “ponte" para o acordo.

Se Amin for candidato ao governo e Merisio o vice, João Paulo deve disputar o senado. 

Outra - se Amin sair candidato ao governo sem PSD e PSB, ele pode ser o vice.

No outro lado, o MDB também conta com Kleinübing.

Mauro Mariani acredita que pode atraí-lo no caso de Amin não sair candidato ao governo.

Na chapa do MDB, seria candidato a vice ou senado. 


Amin só com PSDB

Na reunião com PSD, PSB e DEM, Esperidião Amin estabeleceu um prazo até sexta-feira para finalizar negociações.

Deve até lá tentar assegurar apoio do PSDB. Seja para uma aliança PP-PSDB-DEM, ou mais ampla, adicionando mais PSD e PSB.

Sem apoio do PSDB, Amin deve fazer mudança de rota e se encaminhar para candidatura ao senado.


O caminho dos tucanos

Se Amin confirmar candidatura ao senado, o PSDB deve fechar com MDB ou se aventurar com chapa pura.

Os políticos do PSDB (na ampla maioria) não querem aliança com Merisio, e Merisio não quer compor com PSDB.


Carta branca

O deputado federal Mauro Mariani ganhou “carta branca” dos membros da direção estadual do MDB para negociar aliança com outros partidos, com liberdade para oferecer as duas vagas ao senado e a de vice-governador.

So teve um voto contra - do ex-governador Paulo Afonso, que pretende ser candidato ao senado.

Com o respaldo do partido, Mariani vai agora avançar nas conversações com DEM e PSDB.

Ja tem o apoio de seis pequenos partidos.


Já sabia

Eduardo Moreira já teria antecipado a alguns médicos de Criciuma, da sua relação pessoal, que não seria candidato a governador.

Revelação teria sido feita durante almoço oferecido os médicos, na Casa da Agronômica, praticamente um mês antes do anúncio da desistência.


O que vai, volta

Mauro Mariani, durante discurso em Chapecó, disparado em Merisio - “Eles estavam no governo até poucos dias atrás e agora posam de oposição. Mas quem estava na Secretaria da Fazenda nos últimos anos não era o meu cunhado”.


Cardeal no comando

Menos de uma semana depois de migrar do MDB, o empresário Joelson Cardoso, o Cardeal, assumiu ontem a presidência do PDT de Içara.

Cardeal era um dos tradicionais do MDB, membro da executiva, e cotado para candidato a prefeito.

Ele vai compor a executiva do PDT com Edileana Rosso e Walmor Pacheco, o Borracha.

Jorge Foles também saiu do MDB e está se filiando no PDT.

Os quatro vão participar da coordenação da campanha a reeleição do deputado Rodrigo Minotto, PDT.


Mais cargos criados

Lei que cria mais cargos na estrutura da prefeitura de Forquilhinha foi aprovado ontem pela câmara de vereadores.

Projeto cria vagas para cargos de eletricista, analista de RH, técnico em contabilidade e técnico em informática. Foi aprovado por 5 votos a 4.

Após votar contra em 2017, o vereador Célio Elias (PT) mudou o voto e foi a favor. Com isso, votação empatou 4 x 4. Coube ao presidente da câmara, vereador Maciel Da Soler (MDB) o voto de desempate - pela aprovação do projeto que criou mais cargos.

Foi rejeitada uma emenda da comissão de finanças que mantinha somente o cargo de eletricista com base na NR10 que exige o trabalho em dupla. Célio foi contra a emenda.


Alvará do Case

Prefeito Clesio Salvaro vai conversar hoje com o secretário de justiça do estado, Leandro Lima, sobre as medidas compensatórias prometidas para moradores vizinhos do CASE.

Quer pelo menos um compromisso do secretário sobre as obras listadas.

Só assim, para liberar o alvará para operação do CASE. Que está concluído, só esperado por isso para ser inaugurado.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/07/2018 - 05:57Atualizado em 09/07/2018 - 11:40

Foi inconclusiva a reunião de PSD, PP, PSB e DEM sobre aliança e montagem de chapa, realizada ontem, no escritório do deputado Esperidião Amin, em Florianópolis. 

Duas candidaturas ao governo continuam postas. Gelson Merisio, PSD, e Esperidião Amin, PP.

Participaram da reunião, Gelson Merisio e Raimundo Colombo - PSD, Esperidião Amin e Silvio Dreveck - PP, João Paulo Kleinubing - DEM e Paulo Bornhausen - PSB.

Merisio teria sido mais enfático sobre não recuar da candidatura.

Esperidião também manteve sua condição de candidato, mas enfatizou a importância da aliança ampla com reais possibilidades de sucesso eleitoral.

Foi a primeira reunião com os quatro partidos e com característica de “finalmente”.

Mas, vão continuar conversando pelo menos mais uma semana

Em principio, as datas para as convenções de PSD e PP estão em aberto.

No dia 21, quando seria a convenção do PSD, deve acontecer a convenção conjunta de pequenos partidos que estão fechados com Merisio, como PSB e Solidariedade. 

A convenção devem confirmar apoio à Merisio.

O deputado Silvio Dreveck, presidente estadual do PP, disse ontem à noite, que o PP reafirma decisão da sua convenção, realizada em agosto de 2017, de aliança com o PSD. Mas, vai continuar discutindo a composição da chapa.

Ele acredita que isso estará sacramentado até o fim de semana.

Mesmo que nada tenha sido encaminhado de maneira objetiva, é possível especular duas possibilidades para a chapa com PSD, PP, DEM e PSB.

A primeira - Merisio para governador, João Paulo Kleinubing de vice, Esperidião e Colombo ao senado.

A segunda - Amin para governador, Merisio de vice, Colombo e João Paulo para o senado.


O rumo dos tucanos

Se o acordo for efetivamente fechado entre PP-PSD-PSB-DEM, restarão ao PSDB dois caminhos. Chapa pura ou acordo com o MDB.

O PSDB tem repetido que para fazer aliança quer duas vagas na chapa majoritária. Por enquanto, só o MDB atende tal exigência.

Mas, um acordo com o MDB sofre resistências internas. 

O prefeito Clesio Salvaro, maior líder do PSDB no sul, é um dos primeiros a reagir.


Ao telefone

Esperidião Amin teve longa conversa por telefone no fim de semana com o prefeito de Criciúma, Clesio Salvaro. Pauta única - eleição de outubro.

Amin conversou também com o deputado federal do PSDB Vicente Caropreso.

Se conseguir o apoio do PSDB, candidatura de Amin pode se tornar irreversível.


Na estrada

Os candidatos do PSDB ao governo e senado, Paulo Bauer e Napoleão Bernardes, continuam cumprindo agenda de campanha.

No fim de semana, fizeram reuniões em Rio o Sul, Piratuba, Concordia, Joacaba, Videira e Herval do Oeste (foto).


As chapas

A rigor, a semana começa com quatro candidaturas postas - Gelson Merisio ou Amin - PP-PSD, Mauro Mariani - MDB, Decio Lima - PT e Paulo Bauer - PSDB.


Dona Vita

Dona Vita Barato ficou muito conhecida pelos seus dotes na cozinha e as ações sociais que apoiava.

Além disso, cumpriu bem a condição de “matriarca líder” da família Barato, depois do falecimento do seu marido, o empresário Fidelis Barato.

Era uma pessoa doce, fina, atenciosa, e muito presente em todos os movimentos da familia. Tanto os politicos, quanto os empresariais.

Idalina Silvestre Barato, a Dona Vita, faleceu aos 89 anos, foi sepultada ontem à tarde.


No vestibular

O deputado federal Jorge Boeira, PP, fez questão de acompanhar pessoalmente a chegada dos candidatos ao primeiro vestibular para o curso de medicina no campus da UFSC em Araranguá.

Boeira tratou a implantação do curso como uma das prioridades do seu mandato.

O assunto é tratado pelo deputado como uma “grande obra” para a região.

O vestibular de medicina na UFSC campus Araranguá ofertou 60 vagas e contou com 9.128 inscritos.


Na campanha

O vice-prefeito Ricardo Fabris, PSD, “colou" no deputado Ricardo Guidi e no ex-deputado Julio Garcia, candidatos a deputado federal e estadual. 

Ele define as agendas dos dois em Criciúma e coordena as duas campanhas.

No fim de semana, depois da agenda de reuniões, participaram da festa de aniversario do Nelo, na Linha Batista.


Embaixadora

A professora Regina Vanderlinde, natural de Braço do Norte, eleita presidente da Organização Internacional do Vinho, durante assembléia em Paris, diz que pretende ser a “embaixadora do vinho brasileiro”.

Ela é formada pela UFSC em farmácia bioquímica e tecnologia de alimentos, e doutora em enologia pela Universidade de Bordeaux, na França.

Moradora de Caxias do Sul faz 20 anos, e professora da universidade da cidade, a UCS.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/07/2018 - 19:47Atualizado em 08/07/2018 - 20:02

O primeiro domingo pós-Copa para o Brasil foi agitado. A politica voltou ao foco. Uma decisão que mandava colocar o ex-presidente Lula em liberdade provocou a maior confusão. Juizes e desembargadores em férias tiveram que voltar ao trabalho. Desembargador foi desautorizado pelo superior (o presidente do Tribunal).

Capitulo final - Lula vai continuar preso.

Após uma série de decisões conflitantes neste domingo, o presidente Tribunal Regional Federal da 4ª Região, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores, determinou que o ex-presidente Lula permaneça preso. O petista está na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, desde o dia 7 de abril

A decisão foi emitida na noite de ontem (domingo), após decisões contraditórias dos desembargadores do Tribunal Rogério Favreto, que determinou a libertação de Lula, e João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato na Corte, que determinou que determinou a manutenção da prisão.

Thompson Flores afirma em sua decisão que deve ser preservada a decisão de Gebran Neto.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/07/2018 - 14:48Atualizado em 08/07/2018 - 14:53

Não se sustentou a decisão do desembargador de plantão do Tribunal Regional Federal que mandou soltar Lula.

Poucas horas depois da decisão do desembrgador Rogerio Fraveto, que mandou Lula, o desembargador João Pedro Gebran Neto, relator dos processos da Operação Lava Jato no Tribunal Regional Federal, revogou a decisão.

Trecho da decisão de Gebran:

“A decisão proferida em caráter de plantão poderia ser revista por mim, juiz natural para este processo, em qualquer momento, determino que a autoridade coatora e a Polícia Federal do Paraná se abstenham de praticar qualquer ato que modifique a decisão colegiada da 8ª Turma. Considerando a reiteração de pedidos de tal espécie em feitos já examinados por todas as instâncias recursais, o que afastaria, por si só o exame do caso em plantão, avoco os autos e determino o imediato retorno ao meu gabinete onde seguirá regular tramitação”.

O desembargador Rogério Favreto havia decidido conceder liberdade ao ex-presidente Lula, preso desde 7 de abril deste ano em Curitiba. 

O despacho determinava a suspensão da execução provisória da pena e a liberdade de Lula. 

Trecho da sua decisão:

"Cumpra-se em regime de URGÊNCIA nesta data mediante apresentação do Alvará de Soltura ou desta ordem a qualquer autoridade policial presente na sede da carceragem da Superintendência da Policia Federal em Curitiba, onde se encontra recluso o paciente", diz trecho da decisão.

O desembargador havia acatado habeas corpus apresentado na sexta-feira pelos deputados federais Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira, todos do PT.

Os deputados já estavam na sede da Policia Federal em Curitiba aguardando o cumprimento da decisão. 

7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19