Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

O gambá do Tigre foi parar até na súmula (VÍDEO)

Drone atrapalhou, torcida cantou hino catarinense, Tigrão bateu pênalti contra transformer, tinha camisa do JEC no estádio e o Tigre ganhou
Por Denis Luciano 15/04/2022 - 09:45 Atualizado em 15/04/2022 - 09:54

No borderô, consta que 8.852 torcedores assistiram Criciúma 1 x 0 Londrina na noite desta quinta-feira (14), no Heriberto Hülse. Mas a estreia do Tigre na Série B foi assistida por muito mais gente. "Tinha uns 12 mil no estádio", arriscou o narrador Mário Lima.

A noitada começou cedo, com pré-inauguração do Tigre Sports Bar. Em seguida das 17h já tinha torcedor tomando seu chopp no novíssimo pub da cidade ali, debaixo da arquibancada do Majestoso. E a torcida se esbaldou. Matou as saudades de mais de 5 meses, de exatos 165 dias sem ver futebol na sua casa. E não parou 1 minuto.

Aquela concentração antes de a bola rolar, no pátio do Majestoso
Foto: Vitor Filomeno / 4oito

"A vibração da nossa torcida envolveu o time e nos fez ganhar o jogo também", definiu, com precisão, o técnico Cláudio Tencati.

Mas não foi um jogo qualquer. Na hora da protocolar e já tão repetitiva cerimônia dos hinos, o torcedor mostrou que estava para o jogo. Expressiva parcela cantou parte do difícil hino de Santa Catarina, desconhecido de boa parte dos catarinenses: "Sagremos num hino, de estrelas e flores... Num canto sublime de glórias e luz...".

Leia também - E deu Tigre na estreia: 1 a 0 contra o Londrina

Tão logo a bola rolou, não foi difícil perceber que o setor visitante estava, como era de se esperar, praticamente vazio. Era o clarão no Heriberto Hülse. Quatro torcedores com suas camisas azuis do Londrina e uma faixa faziam sua festa em paz. E, perto deles, um cidadão sentado, logo abaixo do placar, usando a camisa do Joinville. Cabe lembrar que o JEC está "fora de série". Novamente, sem Campeonato Brasileiro no calendário.

O torcedor solitário do JEC, sonhando com a volta aos bons tempos
Foto: Enio Biz / 4oito

No primeiro tempo, o Criciúma partiu para o abafa. Pressionou tanto que, aos 15 minutos, saiu o gol. Lá foi o zagueiro Zé Marcos (que ficaria no banco, jogou graças ao veto físico a Rayan). Ele disparou e abriu espaço para Marquinhos Gabriel, com precisão, balançar a rede paranaense. "O Marquinhos foi meu atleta. Conheço ele. É talentoso", assinalou o técnico do Londrina, o experiente Adilson Batista.

Logo em seguida do gol, aos 16 minutos, o jogo parou. A arbitragem notou que um drone sobrevoava o gramado. "Após esperarmos 2 minutos, o equipamento eletrônico saiu dos arredores do campo e do estádio", anotou o árbitro José Padovani de Andrade na súmula.

O drone "de um imbecil", segundo Tencati
SporTV / Reprodução

O episódio rendeu um desabafo do técnico Cláudio Tencati logo após a partida: "a porcaria do drone e o imbecil do drone, esse imbecil, deixa a gente trabalhar. Era um momento forte e ele atrapalhou". O treinador contou que o mesmo ocorreu "de novo no início do segundo tempo e no treinamento também".

Mas a tecnologia contribuiu positivamente também. A certa altura, a galera sacou dos celulares e, aos milhares, proporcionaram o espetáculo das lanternas acesas. Mais uma de tantas formas para manifestar a felicidade de ver o Criciúma ali, em um lugar à sua altura.

E o VAR entrou em ação logo na volta do Tigre à Série B. Na última passagem tricolor pela Segunda Divisão nacional, em 2019, os árbitros de vídeo ainda não haviam chegado por essas terras. Eram exclusividade da elite e das decisões. E o VAR anulou um gol do Criciúma aos 35 minutos. Anulou com precisão. Em sutil impedimento, Rafael Bilu recebeu de Marquinhos Gabriel e arrancou em velocidade para balançar a rede. Não valeu. O Mário Lima gritou gol, a galera também, mas seguiu 1 a 0.

Veio o intervalo. Sossego no Majestoso? Que nada. Como de praxe, o mascote Tigrão ficou fazendo das suas no gramado. A certa altura, começou a interagir com Bumbeblee. Um dos transformers passeava a caráter pelo campo, até que foi desafiado. Tigrão bateria o pênalti e Bumbeblee tentaria defender. A galera foi à loucura. Muitos celulares em punho focados no campo e... partiu o Tigrão, bateu no canto, gol! O transformer nem saltou para a bola (também pudera, nem que quisesse seria possível...).

Um inusitado Tigrão x Bumbeblee no intervalo

Veio o segundo tempo. O Criciúma caiu um pouco de rendimento. O Londrina cresceu e até ameaçou. Mas daí conheceu a força daquele que está sendo chamado de "o segundo mascote" do tricolor: um gambá. A aparição do simpático mamífero marsupial não somente paralisou o jogo, como ganhou enorme repercussão. Ele atravessou o gramado. "Com tanto tempo sem jogo aqui, ele esteve esses meses todos à vontade aqui no estádio", arriscou, no ato, o repórter Rafael Niero, uma das milhares de testemunhas oculares do inusitado episódio.

Ninguém quis pegar o gambá. A fama do odor certamente foi a razão. O árbitro cercou o bichinho batendo palmas na tentativa de afastá-lo. Um que outro jogador também tentou, e quando ele se bandeou para a lateral do campo, um gandula o acompanhou até depois das placas. O jogo abriu passagem para um animalzinho de hábitos noturnos e solitários. Certamente, esse gambá nunca esteve diante de tanta gente: 8,8 mil, segundo o borderô, 12 mil conforme o Mário Lima.

Fim de jogo. Aquela festança. E o árbitro, na solidão da confecção da súmula, não esqueceu do drone, muito menos do gambá. Eles estão lá, na súmula:

Com tanta história para contar em uma partida de estreia, em sua vigésima quinta participação na história da competição, ficou uma certeza: um time, um clube capaz de contar tanto em pouco mais de 90 minutos não pode ficar fora da Série B. Só se for para aparecer na Série A. Para baixo, nunca mais!

Copyright © 2021.
Todos os direitos reservados ao Portal 4oito