Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 30/08/2018 - 06:29Atualizado em 30/08/2018 - 06:30

Finalmente, fumaça branca. Os desvios no CriciumaPrev, fundo de previdência dos servidores da prefeitura de Criciuma, começam a ser encarados, e administrados. É o caminho para evitar um futuro “rombo" nos cofres do município.

Decisões tomadas ontem - suspender a tramitação de todos os projetos que estão na câmara de vereadores e que tratam de aposentadorias, revisar de imediato os valores pagos em aposentadorias irregulares e realizar um senso da previdência municipal.

Uma equipe técnica de alto nível será montada para uma avaliação geral, com a coordenação da comissão multi-representativa constituída em audiência pública, que estará em sintonia com os conselhos do CriciumaPrev.

A divida do governo do município com o CriciumaPrev, estimada hoje em mais de r$ 32 milhões, poderá ser quitada com a cessão de áreas públicas não utilizadas (como as que a prefeitura está colocando a venda em leilão).

As decisões saíram de reuniões realizadas ontem pelos conselhos administrativo e fiscal do CriciumaPrev, com prefeitura, sindicato dos servidores e vereadores.

A propósito, os conselhos tem tido a postura adequada no tratamento do assunto. Especialmente o de administração, pelo comando da presidente, Patricia Bonfante.

Os conselhos, reunidos ontem pela manhã, notificaram o presidente do CriciúmaPrev, Darci Antonio Filho, para que tome providencias de imediato para suspender pagamentos indevidos em aposentadorias. Especialmente, de valores referente a funções gratificadas incorporados aos proventos (que o Tribunal de Contas emitiu parecer pela ilegalidade).

À tarde, decidiram realizar o senso previdenciário. 

Além disso, consolidaram o entendimento que a partir de agora precisam avançar na solução do problema, e para isso precisam de estar bem informados, com dados técnicos corretos e completos.

Não se trata apenas de garantir pagamento das aposentadorias dos servidores municipais. Isso, a lei garante. Aposentadorias serão pagas com caixa do CriciumaPrev, ou da prefeitura.

Se a missão for bem sucedida, será evitada uma sangria nos cofres da prefeitura, que está prevista para dentro de cinco ou seis anos, porque o caixa do CriciumaPrev não será mais suficiente.

 

O primeiro

Som Maior FM e A Tribuna começam amanhã a serie de entrevistas especiais com os candidatos a governador.

As entrevistas serão feitas ao vivo na Som Maior, a partir de 7h30. Direção de 20 min.

A primeira será com Gelson Merisio, PSD.

 

O carvão

Depois da entrevista na Som Maior FM, Merisio terá reunião com empresários do carvão da região.

Vai discutir propostas para o setor.

 

O primeiro

Mauro Mariani, MDB, foi o primeiro candidato a governador a ter seu registro deferido pelo TRE, ontem.

Não houve nenhum pedido de impugnação contra sua candidatura.

 

Subindo a serra

Quando esteve em Criciúma, o ex-governador Raimundo Colombo, candidato ao senado, garantiu apoio de um grupo de aliados na região da serra para a candidatura de Ricardo Guidi, PSD, a deputado federal.

Ontem, o deputado estadual Gabriel Ribeiro, PSD, de Lages, que é parente de Colombo, anunciou dobradinha com Guidi. O vereador de Lages, Jair Junior, também participou da reunião.

 

Ainda fazendo filiação

Em campanha à reeleição, o deputado estadual Valmir Comin, PP, encontrou em Içara um jovem que pediu para se filiar. Hiago Rodrigues.

Mesmo surpreso, Comin não perdeu tempo. Puxou a ficha e colocou à mesa.

 

No Jornal Nacional

Ontem foi a vez de Geraldo Alckimin, PSDB, ser entrevistado no Jornal Nacional, na Globo.

Ele se saiu bem. Objetivo, claro, mostrou conhecimento de todos os assuntos tratados.

Os entrevistadores, Willian Bonner e Renata Vasconcelos, continuam impertinentes, confundindo entrevista com debate/confronto.

 

Depois de Lula

A situação da candidatura se Lula deve começar a ser definida amanha, sexta-feira.

O TSE deve julgar um pedido para que Lula seja impedido de participar do horário eleitoral como candidato.

O horário eleitoral para os candidatos a presidente vai começar o sábado.

O TSE deve aprovar o pedido e barrar Lula. Será o primeiro movimento para cassação da sua candidatura. Que deve sair nos primeiros 10 dias de setembro.

Só depois disso é que o quadro estará montado para a eleição presidencial e projeções regras poderão ser feitas.

Porque vai passar a ter o candidato de Lula no páreo. E nos debates e na televisão.

E só o tempo vai dizer quanto do potencial de votos de Lula vai para o seu indicado.

 

A bandeira de Ciro

Em 2000, crise na cidade, desemprego em alta, Décio Góes era candidato a prefeito e empunhou como principal bandeira de campanha a criação de 10 mil empregos. Deu certo. Ajudou a elegê-lo.  

Agora, na eleição presidencial, Ciro Gomes lembra Décio ao prometer limpar a ficha dos milhares de brasileiros que estão no SPC.

 

Ela merece!

A câmara de vereadores de Criciúma vai fazer homenagem na segunda-feira à ex-presidente da Associação Vida Ativa, Maria Luiza Lessa, que morreu em primeiro de setembro de 2017.

Por sugestão do promotor de justiça Alex Cruz, a câmara vão aprovar uma moção de aplauso pelo trabalho que fez pela causa dos portadores de deficiência.

Cadeirante, Maria Luiza foi um exemplo de energia, determinação e coragem.

A câmara ainda poderá aprovar o seu nome para uma rua da cidade.

 

Dois craques

ADVB faz evento hoje em Criciúma com dois craques do mercado. Mário Neves, presidente da NSC Comunicação (ex-RBS Santa Catarina), e Zefiro Giassi, fundador e presidente da rede Giassi de Supermercados.

Os dois vão compartilhar suas trajetórias profissionais e cases de sucesso. O evento será aberto a todos os interessados e faz parte do Projeto ADVB Inspira, realizado em todo o estado em parceria com o Sebrae.

Antes disso, Zefiro Giassi vai inaugurar em Araranguá, pela manhã, a primeira loja da Combo, a rede de atacarejo que começa a montar.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 29/08/2018 - 09:44Atualizado em 29/08/2018 - 10:12

A Polícia Federal fez busca e apreensão hoje cedo no gabinete do deputado Leonel Pavan, PSDB, na Assembléia Legislativa, em Florianópolis.

De acordo com as primeiras informações, não oficiais, o alvo da operação era Andre Mendes da Silveira, um servidor público que está cedo ao

gabinete. Ele foi secretário de segurança do estdao quando Pavan foi governador do estado. Os dois são amigos pessoais.

Em principio, a operação não envolvia o deputado.

Os agentes da Policia Federal levaram computadores usados por André e documentos encontrados na sua mesa.

A assessoria do deptado Pavan acaba de emitir rapido comunicado onde informa apenas que a ação da PF era em relação a um funcionário do gabinete.

A assessoria da presidência da Assembléia informou que ainda não tem informação oficial a respeito e só vai se manifestar depois que a PF se manifestar.

O deputado Leonel Pavan está licenciado, assumiu faz poucos dias a secretaria de turismo do estado, não será candidato a reeleição. Ele também não se manifestou ainda a respeito.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 29/08/2018 - 07:58Atualizado em 29/08/2018 - 09:16

A defesa da vereadora Ângela Mello, assinada pelo advogado Alexandre João, sustenta uma tese nova para justificar a sua troca de partido e contestar a ação movida pelo PP pela cassação do seu mandato. 

Ele alega “grave discriminação pessoal” contra ela.

A defesa de Ângela Mello foi protocolada ontem na justiça eleitoral de Criciúma.

Pela tese defendida, Angela trabalhava na defesa civil de Criciúma e foi chamada pelo prefeito da época Marcio Burigo, presidente municipal do PP, para ser candidata a vereadora.

Ela teria dito que não tinha disposição para isso, mas foi informada que seria demitida.

O prefeito, de acordo com o relato, teria prometido apoio financeiro (r$ 50 mil), político e pessoal para a sua campanha.

Por fim, registra que Ângela, depois que vou candidata, passou a ser ignorada pelo partido, não foi convidada para reuniões, não teve auxilio para prestação de contas e se sentiu traída. Dependeu do apoio de amigos para se manter depois da eleição.

Mais adiante, ainda teria sido perseguida e ameaçada pelo seu envolvimento na campanha da cooperativa de Morro da Fumaça.

Foi só depois de tudo isso, de acordo com o relato do advogado Alexandre João, que ela decidiu sair do PP.

O advogado relaciona testemunhas e pede que sejam ouvidas no processo.

A outra tese que ele sustenta é que não houve infidelidade partidária.

No seu entendimento, a troca de partido é possível, desde que “dentro da coligação”. No caso, Ângela foi candidata pelo PP e migrou para o MDB, e os dois partidos estavam coligados na eleição de 2016.

O advogado escreve: “O conjunto de legendas partidárias coligadas formam uma só lista de candidaturas, considerando-se, um só partido. Essa listagem aberta permite a classificação por ordem de votação dos candidatos filiados a qualquer dos partidos políticos como se um só fosse”.

A partir de agora, a justiça eleitoral deve convocar testemunhas listadas e notificar as partes para que se manifestem. É provável que uma sentença só seja dada depois de março de 2019.


Das aposentadorias

Vereadores aprovaram pedido de mais informações ao CriciumaPrev e prefeitura sobre aposentadorias.

Requerimento do vereador Ademir Honorato, MDB, pede a relação de todos os servidores que estão com pedido de aposentadoria em andamento. Ou seja, já entraram com pedido no CriciúmaPrev, mas o procedimento ainda não foi concluído. Requerimento foi aprovado por unanimidade

Hoje, o conselho do CriciumaPrev vai se reunir para tratar do assunto.


Via gastronômica ?

O Container Food Park, do empresário Marcos Mendonça, a última novidade na região do Parque das Nações, faz alimentar a perspectiva de uma “via gastronômica” por ali.

A rua onde ele está instalado é nova, larga, foi asfaltada e tem plenas condições de cumprir esse papel.

O governo do prefeito Salvaro, se entender pertinente a idéia que vem sendo tratada por empresários e frequentadores da região, pode formalizar o debate e encaminhar um projeto a respeito.

A rigor, seria estabelecido que aquela rua só poderá receber restaurantes e bares. Ou, algo semelhante.

Itajaí fez isso à margens do rio. Balneário Camboriu, também às margens do rio. Florianópolis fez na parte continental, em Coqueiros.

De qualquer forma, tudo é consequência/reflexo do Parque das Nações. Que deu nova vida à Próspera, modernizou aquela área, expandiu, estimulou os empreendedores.

Agora, o Parque do Imigrante deve/pode produzir o mesmo efeito no Rio Maina. 


O que vão dizer

Começam a circular “armas" serão usadas pelos candidatos a governador a partir de sexta-feira, quando começar a campanha no radio e na televisão.

Gelson Merisio, PSD, e Mauro Mariani, MDB, devem ir para o embate. Porque precisam se diferenciar. Principalmente depois do bom desempenho de Décio Lima, PT, nas pesquisas.


O que vão dizer 2

Merisio deve “grudar" Mariani em Temer a fim de desgastá-lo.

Também deve trazer à tona os salários dos servidores que o governo Paulo Afonso, MDB, ficou devendo no final do seu mandato.

Por sua vez, Mariani deve destacar que votou pela cassação do mandato de Dilma e pela investigação contra Temer, enquanto Dilma foi apoiada no estado pelo governador Colombo e o PSD.


Vai passar

O prefeito Clesio Salvaro aposta que Geraldo Alckmin estará no segundo turno na eleição presidencial. 

Só tem duvida se o adversário será o candidato do PT (Haddad) ou Bolsonaro.

Ele entende que a “onda Bolsonaro” não se sustenta até a eleição.


Na UFSC

O que está acontecendo com o novo reitor da UFSC, professor e advogado criciumense Ubaldo Balthazar, é inadmissível, irracional, fora de todos os limites.

Policia Federal e Ministério Público Federal estão fazendo "caça as bruxas”.

Querem incriminar o reitor e seu chefe de gabinete porque alunos da universidade protestaram quando faziam homenagem ao ex-reitor Cao Cancelier, que se suicidou.

A situação é tão exdrúxula, que rendeu reportagem no Jornal Nacional/Globo, na Folha de São Paulo, Veja e praticamente todos os principais jornais do país.

O reitor está ameaçado abertamente, quase chantageado.

Policia Federal e Ministério Público perdem crédito com o que está acontecendo na UFSC. E acabam deixando espaço para outras duvidas/outros questionamentos. 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 28/08/2018 - 06:12Atualizado em 28/08/2018 - 09:05

Ainda era “dia claro” quando os vereadores de Criciúma começaram a sessão ordinária de ontem. No relógio, 17h. Ou, 5 da tarde.

A direção do sindicato dos servidores municipais foi recebida e manifestou preocupação com projeto encaminhado pelo prefeito Salvaro, que muda regra para aposentadoria dos professores.

O hospital São João Batista, do grupo Guglielmi, foi homenageado pelos 55 anos de atividades. Homenagem justa/bem feita por uma das empresas mais longevas da cidade. 

A diretora Mariana Rotilisberger, técnica reconhecidamente competente, representou o hospital. Funcionários também estavam presentes e foram chamados para a “foto oficial”.

Os vereadores aprovaram cinco requerimentos (incluindo o que pede mais informações sobre aposentadorias), e mais de uma dezena de indicações. 

Também derrubaram (por unanimidade) o veto do prefeito Clesio Salvaro a um projeto de iniciativa do vereador Salesio Lima que prevê reserva de vagas em creches para filhos de mulheres vítimas de violência doméstica. 

Com isso, a reserva de vagas vai funcionar. 

Eles também aprovaram um projeto de lei encaminhado pelo executivo que passa a vincular a Copirc à secretaria municipal de ação social, e outro de iniciativa do vereador Zairo Casagrande.

Enfim, tudo ocorreu dentro da normalidade. Como em todas as outras sessões. Como se nada tivesse mudado.

Mas, tirando o servidores do sindicato, ninguém foi na sessão.

O risco que está colocado é ninguém notar a mudança de horário. Pode mostrar que o cidadão eleitor não está muito ligado na câmara.

Porque mudar as sessões da noite para o dia é quebrar uma tradição de décadas na cidade.

Teria que ter reação. Contra ou a favor. A indiferença é sinal de alerta!


Flavão e ACM

O prefeito de Salvador, ACM Neto, recebeu uma foto na semana passada uma foto onde o seu avô, Antonio Carlos Magalhães, aparece com o empresário Flavio Spillere no ato de fundação do PFL em Criciúma.

De imediato, o prefeito despachou oficio enaltecendo a amizade entre os dois - “se o velho ACM vivo estivesse, também cultivaria com as boas lembranças da época em que participaram ativamente da política do país”.

O “seu Flavão” é pai do empresário Flavio Spíllere Junior.


Mais de 65

Só em Criciúma, estão registrados 8 candidatos a deputado federal por vários partidos. Na Amrec, são 13.

Candidatos a deputado estadual em Criciúma são 10. Na Amrec, são 18.

Na eleição de 2014, os eleitores de Criciuma e municípios da Amrec elegeram 3 federais e 3 estaduais.

No sul, ainda tem as listas da Amesc e Amurel.

No total, são mais 25 candidatos a federal e 40 estadual.

Tem candidato demais. O risco é a pulverização. E o sul diminuir sua representação parlamentar.

Já não vai ter governador, nem vice, nem senador.


Na rua

Depois do ato de lançamento da candidatura a deputada estadual, no domingo à noite, com a presença da deputada Carmem Zanotto, presidente estado do PP, Tati Teixeira foi para as sinaleiras ontem à noite para a primeira panfletagem da campanha.


Em setembro

A assessoria da direção estadual do PSL anuncia para setembro a vinda do presidenciável Jair Bolsonaro a Santa Catarina para um grande comício. Local ainda não está definido, mas a tendência é que seja em Tubarão cidade e principal base eleitoral do presidente estadual do PSL e candidato a senador, Lucas Esmeraldino.

Enquanto isso, comitiva do time de Bolsonaro no estado cumpre roteiro hoje em Tubarão, liderada pelo candidato a governador do PSL, comandante Moisés.


Só conversar

A presidente do PSDB de Criciúma, professora Roseli de Luca, disse que vai “conversar" com o vereador Julio Kaminski, PSDB, sobre sua decisão de coordenar a campanha de Daniel Freitas, PSL, a deputado federal.

O prefeito Clesio Salvaro, PSDB, também deverá participar. Mas, nada além de uma “conversa”.

Até porque, Salvaro não quer sabe de ruídos com Daniel, pensando na eleição municipal de 2020.


Lei dos lotéricos

Prefeito Clesio Salvaro, PSDB, recebeu ontem em gabinete um gripo de lotéricos de Criciúma para assinatura da lei que regulamenta as filas e o tempo de espera nas casas lotéricas.

O vice-prefeito Ricardo Fabris e o coordenador do Procon, Gustavo Colle, acompanharam o ato.


No JN

Willian Bonner consumiu quase metade do tempo da entrevista com Ciro Gomes, ontem, no Jornal Nacional, para falar da candidata a vice, Katia Abreu. Foi quase impertinente.

Mas, o candidato se saiu bem. Falou de propostas e esclareceu posições.

Hoje será a vez de Jair Bolsonaro.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 27/08/2018 - 06:00Atualizado em 27/08/2018 - 10:08

Três fatos definiriam o norte e colocariam a campanha nas ruas pelo estado. O fechamento de alianças e chapas, os debates e os programas de radio e televisão.

Os dois primeiros já passaram, e nada mudou no ambiente entre os eleitores. Ninguém ainda está ligado na campanha, ou nos candidatos. Ainda não pegou!

Ainda prevalece a insatisfação/indignação do eleitor/cidadão com tudo o que está no ar.

Ninguém ainda se mostrou diferente a ponto de merecer tratamento diferenciado.

Os partidos e coligações tem se movimentado, com comícios e reuniões. 

O candidato a governador Gelson Merisio, PSD, esteve no sul no sábado, no lançamento da candidatura de José Milton Scheffer e para manifestar apoio a Leodegar Tiscoski, ambos do PP. Estava com o candidato a senador Esperidião Amin, PP. 

O candidato a vice-governador Napoleão Bernardes, PSDB (vice de Mauro Mariani, MDB), esteve em Criciúma, também no sábado, para o lançamento da candidatura de Ada de Luca, MDB. Estava com o governador Eduardo Moreira e o senador Dario Berger, ambos MDB.

Foram atos importantes, com muita gente. Mas, basicamente militantes. 

Até agora todos estão apenas falando para dentro. Para os seus “times”. Ninguém está mobilizando a rua!

A expectativa é que a campanha na televisão e no rádio comece a ajustar a sintonia com o eleitor. Mas, não vai ser com duas conversas que vão vencer a apatia e o desinteresse que estão aí.

Terão que ter discursos e posturas que estejam de acordo com o ambiente nas ruas, que é muito diferente de outras campanhas.

Quem não entender (e assimilar), corre o risco de ficar falando sozinho!  

O horário eleitoral gratuito vai começar na sexta-feira, dia 31, exatamente com os candidatos a governador.

Será o inicio da fase mais importante da campanha.


Os profissionais 

Alguns dos principais profissionais da área de produção estão escalados para as campanhas eleitorais na televisão.

Fabio Veiga, de Florianópolis, o maior vencedor no estado, vai assinar os programas de Gelson Merisio.

Felipe Damo, de Blumenau, coordenador de comunicação de Décio Lima, vai responder pelos seus programas.

Paulo Cardoso, de Joinville, vai comandar a produção dos programas de Mauro Mariani.


Ainda não

Diferente do que informou na sexta-feira o prefeito Clesio Salvaro, PSDB, o gerente regional de saúde, Fernando de Faveri, não estará licenciado a partir de hoje para coordenar a campanha de Mauro Mariani na Amrec.

Fernando disse ontem à noite que vai se dedicar a campanha fora do horário de expediente e que programa tirar ferias 20 dias antes da eleição.

Luiz Juventino Selva, secretário do governo Salvaro, que o prefeito garantiu que também estaria licenciado a partir de hoje para se dedicar a campanha, disse ontem à noite que ainda vai tratar do assunto com Salvaro.

Ontem, Selva e Salvaro participaram de reunião em Florianópolis com o comando estadual da aliança PSDB/MDB.


Na coordenação

O empresário Ramiris Fontanella assumiu a coordenação na região da Amrec da campanha de Leodegar Tiscoski, PP, a deputado federal.

Ramirez foi vice-prefeito Lauro Muller, é filho do atual prefeito de Lauro Muller, Valdir Fontanella, e chegou a ser cotado para disputar eleição a federal em 2018.

Ontem, ele mesmo se encarregou de fazer o anuncio pelo facebook.


No café

O deputado José Milton Scheffer reuniu em sua casa, no sábado, antes do lançamento da candidatura, o candidato a governador Gelson Merisio e o candidato a senador, Esperidião Amin, com prefeitos da Amesc, para consolidar apoio a candidatura de Leodegar Tiscoski.

Depois, na rua, Leodegar entregou seu primeiro “santinho" para Merisio.


Os compromissos

A campanha de Ada de Luca optou o centro de eventos Germano Rigo, no sábado.

Com o governador Eduardo Moreira ao lado, o candidato a vice-governador, Napoleão Bernardes, afirmou que “os compromisso do Eduardo com o sul serão meus e do Mauro (Mariani)”.

Antes do comício de Ada, Napoleão se reuniu com a coordenação da campanha majoritária da Amrec, no diretoria do MDB.


Apoio de Hang

O candidato a deputado federal Daniel Freitas, PSL, recebeu manifestação de apoio do empresário Luciano Hang, dono da rede Havan, durante inauguração de mais uma loja em São José, no sábado.

Daniel participou da inauguração a convite de Luciano Hang.

Na semana passada, Luciano anunciou apoio para Jair Bolsonaro.


Apoio de fora

O vereador João Abilio Pereira, PRB, de Araranguá, anunciou apoio a reeleição do deputado estadual Rodrigo Minotto, PDT.

Minotto já contabiliza o apoio de 22 vereadores de outros partidos e diz ter o apoio de mais de 80% dos 76 vereadores do PDT.


Aposentadoria está irregular

Parecer do Tribunal de Contas do estado confirma - "servidor aposentado na regra da integralidade não pode incorporar valor de função gratificada, por não haver lei municipal para isso”.

Parecer foi dado ao conselho de administração do CriciumaPev.

Sendo assim, está irregular a aposentadoria denunciada na semana passada da servidora que teve incorporação de função gratificada concedida por decreto três meses antes.

Com o documento, o conselho foi convocado para reunião extraordinária na quarta-feira, dia 29. Deve aprovar notificação à direção do CriciumaPrev para fazer a revisão do que foi concedido e que é irregular.


Pendências na saúde

Prefeito Clesio Salvaro cumpre agenda hoje em Florianópolis e a partir de amanhã em Brasília.

Procura resolver pendências na área da saúde. Principalmente, para liberação de recursos.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/08/2018 - 08:24Atualizado em 25/08/2018 - 08:25

Há sentimentos distintos entre as campanhas para presidente e governador. A de presidente, pegou mais. Tem os defensores ferrenhos de Bolsonaro e de Lula, e também dos outros. Cabos eleitorais assumidos e em campanha.

Pelo quadro de hoje, pouco mais de trinta dias da eleição, falta definir “o outro”. Porque uma vaga no segundo turno parece cada vez mais definida para Jair Bolsonaro.

Podem dizer o que quiserem que nada muda a intenção de voto do seu eleitor.

O adversário pode ser Gerado Alckmin, Marina Silva, Ciro Gomes ou Fernando Haddad. Qualquer um deles pode ser. Os quatro estão no páreo. Inclusive Haddad.

Hoje, Lula está candidato e tem 39% das intenções de voto, disparado na frente. Haddad quando incluindo tem 4% ou 5%. Mas, quando Lula for cassado, Habddad será “o candidato do Lula”. Não será mais apenas o Haddad. E aí, quanto que Lula vai transferir do seu potencial de votos? 

Em Criciúma, em 2013, Clesio Salvaro transferiu tudo para Márcio Búrigo.

Na disputa para governador, não se vê nada disso. O sentimento é outro. Eleitor desligado.

A surpresa é que são três candidatos no páreo, por duas vagas no segundo turno. Decio Lima, Gelson Merisio e Mauro Mariani. A projeção antes das chapas montadas é de polarização desde o inicio entre Merisio e Mariani.

Nesta sexta-feira teve novo debate e nada. Zero a zero, de novo. Ninguém ganhou.

Os “pensadores" das campanhas dizem que os candidatos estão se guardando para a campanha na tv e no rádio (horário eleitoral), que começa na semana que vem. Mas, parece um equivoco. Eleição será em pouco mais de trinta dias e eles ainda não acertaram a sintonia com a voz das ruas.

Os políticos tradicionais apostam que tudo vai ser resolvido com os esquemas de campanha e o envolvimento dos filiados dos partidos. Isso é o “como sempre”. Mas, o eleitor está “como sempre”?

Não vai ser com duas conversas que vão vencer a apatia e o desinteresse que estão aí.

 

Frustrou

Todos esperavam que no debate desta sexta-feira tivesse embates ou questionamentos diretos entre Merisio e Mariani. Até porque, precisam mostra diferences para começar a crescer. Mas, nada disso. Eles se evitaram.

 

Selva e Fernando no comando

Luiz Juventino Selva, PSDB, vai se licenciar do cargo de secretário na prefeitura de Criciúma na segunda-feira.

Fernando de Faveri, PMDB, fará o mesmo. Deixará a gerência regional de saúde.

Os dois vão assumir a coordenação a campanha na região da Amrec de Mauro Mariani, MDB, ao governo do estado.

Decisão tomada em reunião de prefeitos de MDB e SDB, nesta sexta-feira, em Criciúma, com Ari Vechi, MDB, vice-prefeito de Brusque, do núcleo de comando de Mariani.

 

Candidatos na área

Pelo que ficou encaminhado na reunião de Ari Vechi com prefeitos, Mariani deve aterrissar em Criciúma no dia 8 de setembro para campanha de rua. 

Virá com o candidato a vice, Napoleão Bernardes, PSDB, e os candidatos ao senado Paulo Bauer, PSDB, e Jorginho Mello, PR.

 

Clesio na campanha

O prefeito Clesio Salvaro reafirma que vai “mergulhar" na campanha de Mariani, mas não vai “misturar as estações”. Diz não vai misturar o governo com a campanha.

Nesta sexta-feira, ele reuniu todos os cargos comissionados e estabeleceu restrições para a campanha, para evitar configuração de uso da máquina.

Na segunda-feira, vai baixar portaria estabelecendo limites e posturas vedadas.

 

Na pesca

Clesio Salvaro, sobre o clima na campanha:

“Não tem campanha, não existe. Campanha começa com a presença do candidato. Agora é como pescar em aquário”.

 

As pontes

Decio Lima, candidato do PT ao governo, sobre a ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, que está interditada e vem sendo reformada faz três décadas:

"O que se gastou até hoje na ponte Hercílio Luz, sem uso, é praticamente o q foi gasto na construção da ponte Anita Garibaldi, em Laguna, na duplicação da br 101”.

 

No sul

O candidato a governador Gelson Merisio, PSD, estará neste sábado no sul. Vai a Sombrio para participar do ato de lançamento da candidatura a reeleição do deputado estadual José Milton Scheffer, PP.

 

Maior autoridade

A partir de janeiro de 2019, Criciúma não terá governador, vice, nem senador.

Sendo assim, a maior autoridade da cidade será o empresário Rubinho Angelotti, reeleito presidente da federação catarinense de futebol.

Na verdade, como está ainda cumprindo mandato tampão, já que assumiu pela morte do presidente Delfin Peixoto, Rubinho foi eleito agora para primeiro mandato e pode ser reeleito uma vez.

Isso porque mudou o estatuto quando assumiu, acabando com as reeleições ilimitadas que mantiveram Delfin no cargo por quase 35 anos.

Rubinho foi reeleito com apoio de 100% de clubes e ligas.

A oposição que se apresentou tentou misturar partido politico no futebol e tentou barganhar cargos na federação. Rubinho resistiu e não fez concessões deste tipo.

 

Já foi citada

A defesa da vereadora Ângela Mello, MDB, sob comando do advogado Alexandre João, apresentará na próxima semana na justiça eleitoral os argumentos contra o processo movido pelo PP que pede a cassação do seu mandato.

Ângela foi citada pelo cartório eleitoral na sexta-feira à noite.

O PP sustenta que a vaga aberta com a renuncia do ex-vereador Daniel Freitas é do PP, como decidiu o TRE, e Ângela morou para o MDB no inicio de 2018.

 

Não reconhece acordo

Está fora de cogitação a possibilidade de o deputado Silvio Dreveck, PP, renunciar a presidência da Assembléia para posse de um deputado do MDB.

O MDB busca acordo firmado em 2016 que estabelecia para 2018 a presidência da Assembleia para o deputado Aldo Schneider, MDB.

O PP sustenta que o acordo foi pessoal, com Aldo, não com o MDB.

Agora, o MDB vai tentar pelo menos eleger o primeiro vice-presidente, cargo que ficou vago com a posse de Dreveck na presidência. Manoel Mota é o nome do MDB para o cargo.

 

Nomes e marcas

A diretora do Bairro da Juventude, Silvia Zanetti, será a entrevista deste sábado no programa Nomes e Marcas, radio Som Maior FM, 9h30.

 

 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 24/08/2018 - 06:45

O pedido de cassação do mandato da vereadora Angela Mello (MDB), solicitado pelo PP, caminha em ritmo acelerado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), com movimentações quase que diárias, e Ângela deverá ser citada nas próximas horas ou, no máximo, alguns dias.

Assim que receber a notificação, terá cinco dias para apresentar as contestações e, depois, já poderá ocorrer o julgamento pelo Plenário. Processos de cassação de mandato, por infidelidade partidária, como é o caso, costumam andar rápido na Justiça Eleitoral.

As estratégias de Angela estão com os advogados, que já estão com ação praticamente pronta, somente esperando a citação. Angela afirma que, assim que for citada, sentará com os advogados para dar continuidade ao processo e tomar as medidas cabíveis.

O processo de Daniel Freitas, que perdeu o mandato e renunciou antes de ser notificado, também foi rápido, pouco mais de dois meses. Se o TRE seguir o mesmo erro, o caso de Angela deverá ter um desfecho no próximo mês, no máximo em outubro.

O PP tenta a vaga na Câmara para o seu suplente, Edson do Nascimento, o Paiol. Primeiro entrou com ação contra Daniel, que trocou o partido pelo PSL, ganhou, mas uma manobra fez com que a vaga fosse assumida por Angela, primeira suplente do PP, mas que também deixou a sigla e migrou para o MDB. A renúncia de Daniel fez com que a Câmara chamasse Angela, decisão ratificada pelo TRE, mas que também deixou bem claro que os progressistas teriam o direito de ingressar com ação contra Angela, e foi o que fizeram.

Virando rotina

O ano de 2018 está sendo marcado por reviravoltas nos Legislativos da região. Somente em Criciúma já foram dois vereadores cassados e mais Angela Mello com processo em aberto. Daniel Freitas acabou renunciando antes e Moacir Dajori (PSDB) ainda tenta, através de recursos retornar à Câmara. Só que o caso de Dajori é bem diferente, foi cassado por ser pego em operação do Gaeco e por acusações como de peculato, este caso se arrastou por anos, vem desde 2013. Daniel e Angela perderam seus mandatos por infidelidade partidária. Em Içara, o vereador Márcio Dalmolin (PSD) está afastado, também responde processo por ser pego em operação do Gaeco. Em sombrio, sete vereadores da coligação do MDB tiveram seus mandatos cassados porque não foi respeitado o indicativo mínimo de mulheres na chapa na eleição de 2016. Seguem nos cargos enquanto apresentam recursos. São cinco casos, somente em 2018.

Regras na Câmara

Talvez não fosse necessário pela obviedade do assunto, mas o presidente do Legislativo de Criciúma optou por colocar os pingos nos is e deixar tudo bem claro. Ontem, Julio Colombo (PSB), emitiu portaria para orientar a conduta dos agentes públicos no ambiente da Câmara de Vereadores durante o período eleitoral. Vale para vereadores, assessores, cargos efetivos, estagiários e prestadores de serviços terceirizados, que não poderão fixar ou distribuir material de campanha eleitoral de qualquer candidatura nos ambientes internos e externos da Câmara, inclusive janelas e fachadas; realizar reuniões ou recepção nos ambientes da Casa para tratar de assuntos relacionados com campanha eleitoral de qualquer candidatura;  realizar pronunciamentos em sessão plenária, reunião de comissão ou audiência pública que caracterize propaganda eleitoral de qualquer candidatura ou candidato ou partido político. Com a normatização, o presidente deixa bem claro que o ambiente do Legislativo é suprapartidário e que as campanhas precisam ficar do lado de fora.

Viaturas

A frota das polícias Militar e Civil de Santa Catarina começa a ser renovada. Hoje, o governador Eduardo Moreira fará a entrega de 129 veículos. Esse é primeiro lote dos 296 veículos adquiridos pela Secretaria de Segurança Pública, um investimento de aproximadamente R$ 20 milhões. Serão trocadas as viaturas de 2006. São 12 anos de uso, muito tempo, principalmente se levar em consideração as condições em que são colocados esses carros, em operações que precisam de ações rápidas ágeis.

No Sul

O roteiro pelo Sul do estado da coligação SC Quer Mais finalizou com um ato de campanha em Tubarão com a presença do governador Eduardo Moreira, MDB, (foto). O encontro reuniu prefeitos e lideranças dos partidos da coligação unidos em torno de Mauro Mariani, candidato ao governo. Ao lado do seu candidato a vice, o tucano Napoleão Bernardes, e dos candidatos ao Senado Jorginho Mello e Paulo Bauer, o deputado fez roteiro por outras três cidades da região: Laguna, Braço do Norte e São Ludgero.

Com Clésio

O material dos candidatos do PSDB da região, Geovania de Sá para federal e Dóia Guglielmi para estadual está circulando com a foto do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro. O apoio do prefeito não é estampado somente em Criciúma, mas em todas as cidades do Sul.

Tati inaugura comitê

A candidata a deputada estadual, Tati Teixeira, PPS, irá promover evento, neste domingo, para inaugurar o seu comitê. A presença da candidata à reeleição para a Câmara Federal, Carmem Zanotto (PPS) está confirmada.

Compromisso com a água

O Fórum Catarinense de Comitês de Bacias Hidrográficas entregou uma carta de reivindicações ao candidato a governador pelo PT, Décio Lima. A entrega aconteceu durante evento do segmento, em Florianópolis (foto). Décio assumiu compromisso de dialogar juntos as ações do Plano Estadual de Recursos Hídricos.

Na Adjori

O candidato ao Governo do Estado pelo PSL, Comandante Moisés, esteve reunido com o presidente da Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina (Adjori), Miguel Gobbi, e recebeu a carta 'SC dos próximos 30 anos' (foto). O documento foi elaborado em parceria com diversas entidades e reúne propostas e sugestões para o desenvolvimento do estado. O candidato ao Senado do partido, Lucas Esmeraldino, também participou do encontro.

(Interina: Francieli Oliveira)

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 23/08/2018 - 05:58Atualizado em 23/08/2018 - 09:06

O vice-presidente da executiva estadual do MDB, deputado Valdir Cobalchini, foi ontem ao presidente da Assembléia, deputado Silvio Dreveck, PP, pedir que o deputado do sul Manoel Mota seja empossado na presidência, cumprindo acordo firmado entre os partidos em 2016.

Para isso, Silvio terá que renunciar a presidência.

Pelo acordo, o presidente em 2017 seria do PP e 2018 do MDB.

Dreveck foi presidente em 2017 pelo PP e Aldo Schneider assumiu em fevereiro de 2018 pelo MDB.

Só que Aldo morreu no domingo.

Silvio reassumiu a presidência porque estava como primeiro vice da Assembléia.

Mas, o deputado Cobalchini sustenta que o acordo foi feito entre partidos e deve ser respeitado.

Na falta de Schneider, o MDB deve indicar outro deputado para presidente. E Mota é o indicado.

A reunião entre Cobalchini e Dreveck foi feita logo depois da cerimonia de posse de Manoel Mota, a portas fechada, sem testemunhas.

Silvio pediu prazo para tratar do assunto com a sua bancada e com aliados (principalmente o deputado Gelson Merisio, PSD, que encaminhou o acordo de 2016).

Nos bastidores da Assembléia é dito que Dreveck está decidido a continuar na presidência porque o acordo foi “pessoal”, firmado com  Aldo Schneider, e não com o MDB.

Para completar, MDB e PP são adversários na eleição que está em curso no estado.

O que pode facilitar um eventual entendimento é que Mota não é candidato. Vai encerrar a carreira no fim do mandato.

Cobalchini já disse que o MDB não vai judicializar o assunto, nem fazer confronto. Quer tratar politicamente.

A tendência é que Mota assuma a presidência. Se não for agora, deve ser no ultimo mês, ou última semana.

Para encerrar a carreira “no topo”, numa forma de homenagem pelos sete mandatos.


Casa cheia

Manoel Mota foi empossado ontem à tarde como deputado estadual, na vaga de Aldo Schneider. Políticos do sul e amigos do deputado lotaram a sala da presidência, onde foi feita a cerimônia (foto).

O presidente do Tribunal de Justiça, Rodrigo Colaço, também participou.

Mota tem 77 anos, cumpre mandatos desde 1982 - prefeito de Araranguá uma vez e sete mandatos de deputado estadual).


Pesquisa IPC

A tese que a pesquisa para governador teve 60% de voto branco, nulo e não sabe porque os candidatos eram desconhecidos caiu por terra coma pesquisa para o senado.

Afinal, Esperidião Amin, Raimundo Colombo, Paulo Bauer e Ideli Salvati são bem conhecidos. E deu mais de 60% de branco, nulo e não sabe.

A mostrar que o eleitor não está ligado na eleição, ou nos candidatos apresentados.


Pesquisa IPC 2

Na intenção de voto manifestada, deu o previsto. Esperidião Amin, ex-governador, sempre muito forte no sul, está na dianteira (32,80%), com folga.

Depois dele, vem Raimundo Colombo (22,56%), que foi governador até fevereiro.

Na terceira posição, Paulo Bauer (14,08%), atual senador.


Desafio

O prefeito Clesio Salvaro, PSDB, e o governador Eduardo Moreira, MDB, seriam os maiores derrotados em Criciúma, se a eleição fosse, considerando os dados apresentados pela pesquisa do Instituto IPC.

Os dois estão juntos, na mesma aliança, e os seus candidatos ao senado estão com números muito aquém do projetado.

Paulo Bauer aparece em terceiro e Jorginho Mello em sexto.


Não foi

Renato Valvassori, ex-presidente da fundação municipal de esportes, anunciou ontem que vai apoiar o candidato a deputado federal do PP, Leodegar Tiscoski.

Ele apareceu numa foto publicada na coluna de ontem em reunião com o deputado Ricardo Guidi, PSD, também candidato a federal.


Quem foi

Valvassori é ligado ao deputado federal Jorge Boeira, PP, que não é candidato a reeleição e está apoiando Tiscoski.

Ele confirma que um grupo de apoiadores de Boeira, com mais de 80 pessoas, fechou com Guidi, mas garante que eles não são filiados ao PP.


Entrou na campanha

Uma reunião ontem à noite em um bairro de Criciúma marcou a entrada do ex-prefeito Anderlei Antonelli na campanha a deputado estadual de Julio Garcia e a federal de Ricardo Guidi, ambos do PSD.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 22/08/2018 - 06:05Atualizado em 22/08/2018 - 09:14

Duas informações importantes na pesquisa do Instituto IPC em Criciúma com a intenção de votos para governador. A primeira, é a liderança de Décio Lima, PT.

Ele tem 13,28%, que é praticamente a soma de Mauro Mariani, MDB (8,64%), e Gelson Merisio, PSD (6,40%), os candidatos das grandes coligações, lideradas pelos maiores partidos .

Não porque a cidade seja petista. Ao contrário.

Em Criciúma, o PT acumula pesado desgaste nos últimos anos e foi reduzido a pequeno partido.

Já teve o prefeito da cidade (no inicio dos anos 2000), teve dois deputados estaduais e um federal no mesmo mandato, mas hoje não tem nem vereador.

Além disso, Criciúma é uma cidade “bolsonarista”.

Os números da pesquisa IPC mostram isso - Jair Bolsonaro tem 34,24% das intenções de voto e Lula 18,08%.

Decio lidera, então, por seus méritos, ou deméritos dos outros.

A segunda informação (e mais importante) é que há uma multidão na muda. Que não quer nada com nenhum deles. Mais de 60% dos entrevistados responderam não sabe, vota branco ou vota nulo.

Aí está o reflexo de não ter ninguém de Criciúma e região em nenhuma das chapas que disputa o governo.

O eleitor daqui não se sente representado. Os candidatos não estão em sintonia com a voz das ruas da cidade.

Também estão ai os desalentados e indignados. 

Aqueles que não colocaram na gaveta a revolta com o mar de lama e o quadro caótico na política.

Eles querem ouvir explicações, e conhecer posturas/posições.

O desafio colocado aos candidatos é entender o recado dos números. Captar corretamente a mensagem.

Quem imaginar que vai vencer essa resistência toda falando lá de fora, unilateralmente, jogando discursos preparados em “laboratório” e apostando nos programas de televisão com produções cinematográficas, corre o risco de dar com os burros n’água.


Quem são

O que não dá para dizer é que os candidatos a governador são desconhecidos.

Gelson Merisio, Mauro Mariani e Décio Lima, os mais citados, são campeões de votos, políticos com nomes estadualizados, um é ex-prefeito da segunda maior cidade do estado, outro ex-presidente da assembléia, o terceiro ex-secretário de obras do estado. Os três são presidentes estaduais dos seus partidos.

O que eles não tem é ligação com Criciúma e região.


Os números

Não há registro (pelo menos nas últimas décadas) de uma eleição para governador em que todos os candidatos somados não chegam a 40% das intenções de voto do eleitor de Criciúma há 40 dias da eleição.

E onde o candidato mais citado tem menos de 14%.


A força do “mito"

A pesquisa do Instituto IPC confirma que Criciúma é a principal cidade de Jair Bolsonaro no estado.

Ele faz quase o dobro de Lula (34,24% x 18,08%) e ainda “puxa" o Comandante Moisés, seu candidato a governador, que aparece empatado tecnicamente com Gelson Merisio.

Merisio tem 6,40% e Moisés 5,28%.


Firme

Uma diferença entre intenção de votos para presidente e governador.

Nos brancos, nulos e não sabe, tem 29,28% para presidente e 60,49 para governador.

Indicativo de sentimentos distintos. Pelos extremos. Bolsonaro (34,24%) ou Lula (18,08%).

Pouco espaço para crescimento de Alckimin (que tem 3,68%), Ciro (2,08%) ou Marina (4,96%). 

Meireles (0,48%), fora de jogo.


Grupo de Boeira com Guidi

Um grupo do PP de Criciúma que estava ligado ao deputado federal Jorge Boeira aderiu ontem ontem à noite à candidatura à federal do deputado Ricardo Guidi, PSD.

O grupo teve a liderança de Renato Valvassori, ex-presidente da fundação de esportes do governo Márcio Burigo e assessor do deputado Boeira.

Em torno de 60 pessoas participaram da reunião.

A adesão foi articulada pelo vice-prefeito Ricardo Fabris, PSD.


Esfriou a comida

Casildo Maldaner, ex-senador e ex-governador, recebeu para almoço ontem na sua casa o prefeito de Içara, Murialdo Gastaldon, e seu vice, Sandro Serafim, todos do MDB.

Estava tão empolgado, contou tantas historias da sua longa trajetória política, que chegou a se emocionar, e quando viu, a comida havia esfriado.

Casildo e Sandro são, respectivamente, primeiro e segundo suplentes de Paulo Bauer, PSDB, na eleição ao senado.


Mota na Vice

Manoel Mota, MDB, será empossado hoje, 14h30, como deputado estadual, em ato no gabinete do presidente da Assembléia, deputado Silvio Dreveck, PP.

Mota já vai ocupar o gabinete da primeira vice-presidência, ocupado até então por Dreveck.

Em principio, provisoriamente. Mas, há movimentos para que Mota seja eleito primeiro vice. O que pode permitir que ele conclua como presidente o sétimo mandato e sua carreira policia (já que não disparo reeleição).


CriciumaPrev denuncia Governo

Os conselhos de administração e fiscal do CriciumaPrev protocolaram ontem denúncia no Ministério Público contra o governo do prefeito Clesio Salvaro.

De acordo com a denuncia, o governo não está cumprindo a lei que autorizou parcelamento de débitos com o fundo de previdência.

A denúncia também foi encaminhar ao Tribunal de Contas do estado.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 22/08/2018 - 06:03Atualizado em 22/08/2018 - 06:04

O empresário Hugo Olivo reassumiu ontem a presidência da La Moda.

A companhia detêm as marcas Lança Perfume, My Favorite e Enna.

A empresa é da família do empresário Pipo Olivo (pai de Hugo).

Em 2017, seguindo um processo de profissionalização, Hugo deixou a presidência da empresa, passando a atuar no conselho.

Passou a se dedicar à gestão da cervejaria Santa Catarina, onde a família é acionista majoritária.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 21/08/2018 - 05:57Atualizado em 21/08/2018 - 09:13

O retorno

Manoel Mota pode encerrar careira como presidente da Assembleia.

Há uma “construção” a ser feita, que não é simples, mas é possível que o deputado Manoel Motta, MDB, tenha a oportunidade de encerrar a sua carreira política como presidente da Assembléia Legislativa.

Motta está hoje sem mandato, fora da Assembléia, e já anunciou “fim de carreira”. Não será candidato em outubro.

Ele ficou terceiro suplente do MDB na eleição de 2014, mas assumiu logo no início do mandato e ficou como deputado até abril, quando os deputados efetivos que estavam no governo voltaram para a Assembléia.

Com a morte do presidente da Assembléia, deputado Aldo Schneider, MDB, Mota será convocado para assumir. Provavelmente, na próxima semana.

Mota assumirá como deputado. Não como presidente.

O primeiro vice-presidente, deputado Silvio Dreveck, PP, já estava provisoriamente como presidente (Aldo esta licenciado) e será agora efetivado.

Pelo acordo entre os partidos, a presidência da Assembléia em 2018 seria do MDB.

Para isso, o MDB terá que eleger o primeiro vice-presidente e Dreveck renunciar a presidência.

Silvio tem emitido sinais que não deve renunciar. Ainda mais que MDB e PP são adversários na eleição de outubro.

Mas, é aí que as circunstâncias podem ajudar Manoel Mota a chegar à presidência.

Primeiro, porque ele não é candidato, está em fim de carreira, não representa “ameaça" a ninguém.

Segundo, porque todos os outros deputados estão em campanha, ninguém ficará na Assembléia até novembro.

Assim, ele poderá com facilidade ser eleito primeiro vice e assumir pelo menos provisoriamente a presidência. Dreveck pode pedir licença para se dedicar a campanha.

Numa conjectura maior, Dreveck pode renunciar em dezembro para que Mota encerre o seu sétimo mandato como presidente. Seria uma espécie de “homenagem”.

O próprio Mota deve começar a trabalhar nos bastidores a partir do momento que for convocado.


Padre Julio!

Foi difícil de acreditar quando alguém me avisou por telefone - o padre Julio morreu!

"Não pode!”, foi minha primeira reação.

Afinal, homem novo, saudável, na plenitude das suas atividades.

E alguém que dedicou sua vida à ajudar pessoas.

Inclusive, com as suas palavras de fé de todos os dias, 6h50, na rádio Som Maior FM.

Um amigo maravilhoso, homem de bem, coração enorme.

Sempre com aquele sorriso rasgado no rosto.

Uma perda enorme para todos!!


Velha guarda

Para entender porque a repetição dos candidatos de sempre nas eleições, as vezes mudando de posições, sem renovação, é só observar o que acontece no PP da região. 

O único projeto de renovação efetiva entre os grandes partidos foi inviabilizado pelos líderes tradicionais do PP, que tem o comando e decidem de acordo com os seus interesses.


O retorno

O deputado federal Jorge Boeira, PP, que não vai disputar a reeleição, se reuniu ontem em Criciúma com o ex-deputado Leodegar Tiscoski, que será o candidato na sua vaga.

Boeira levou alguns integrantes do seu grupo de apoio e passou informações sobre o esquema politico que tem no sul.


Novo regional

Foi empossado ontem o novo secretario regional de Tubarão, Samuel da Silva.

Ele é suplente de vereador em Tubarão e cunhado do vereador Ademir Honorato, MDB.


Tem mais

Novas denúncias foram feitas ontem, na esteira da aposentadoria da servidora da prefeitura de Criciúma que teve uma função gratificada de quase r$ 4 mil concedida por decreto praticamente três meses antes, e que incorporou ao salário (vai receber para o resto da vida).

O vereador Ademir Honorato, MDB, levou o assunto para a sessão de ontem da câmara e anunciou vários expedientes para investigar.

O conselho do CriciumaPrev também vai apurar a legalidade do ato.

Se confirmar metade do que foi dito nos corredores do Paço, ontem, vai virar um balaio de siri!


Pesquisa nova

Hoje vai ter divulgacão de pesquisa nova, intenção de voto do eleitor de Criciúma para governador.

Pesquisa foi realizada pelo Instituto IPC com exclusividade para Som Maior FM e A Tribuna.

A primeira desde que foram oficializadas as candidaturas.

Primeiros números serão divulgados pela Som Maior.


Craque

O anúncio dos índices de vacinação na região de Criciúma, os melhores do estado, servem para evidenciar mais uma vez o bom trabalho de Fernando de Faveri na gerencia regional de saúde.

Não foi de graça que os secretários municipais de saúde praticamente fizeram “motim” para não deixar ele sair daqui, quando chegou a estar anunciado para um cargo estadual no governo.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 20/08/2018 - 19:56Atualizado em 20/08/2018 - 20:58

Morreu no começo da noite de hoje, em Tubarão, vítima de infarto fulminante, o padre anglicano Julio Zamparetti, aos 43 anos.

Ele assinava coluna em A Tribuna e tinha programa diário radio Som Maior, às 6h50.

Velório está acontecendo na capela Santa Terezinha, centro de Tubarão.

Foi dificil de acreditar quando recebi a informação por telefone. Homem novo. Boa saude. E um cidadão maravilhoso.

De boa conversa, sempre alto astral e pensando em fazer alguma coisa para ajudar as pessoas. 

A sua mensagem de esperança e fé era a primeira boa atração de todos os dias da Som Maior FM.

  

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/08/2018 - 06:50

Enquanto as apostas na maioria das rodas de política era que a liderança da primeira pesquisa Ibope, contratada pela NSC para avaliar a corrida eleitoral ao Governo do Estado, estivesse com Mauro Mariani (MDB) e Gelson Merisio (PSD) – que construíram as maiores alianças, Décio Lima, do PT, mostrou que tem o nome mais conhecido no momento. Pesquisa é momento, retrata o agora, mas dará uma mexida neste início oficial de campanha eleitoral. Também surpreendeu os 4% do candidato, o desconhecido Ângelo Castro, do PCO.


Décio Lima apareceu com 16% das intenções de voto, seguido de Mariani com 11%. A margem de erro para mais ou para menos coloca os dois em empate técnico. Merisio vem com 6%. Ângelo Castro fez 4%, seguido por Ingrid Assis (PSTU) e Rogério Portanova (Rede), 2%. Comandante Moisés (PSL) e Jessé Pereira (Patriota) com 1%. Leonel Camasão (PSOL) não foi citado.


A pesquisa também atenta para um dado que já vem sendo tratado com certa preocupação dentro dos partidos. Os brancos e nulos somaram 34% e os que não sabem ou não responderam, 23%. Juntos, somam a maioria dos entrevistados. Esses números podem seguir para dois caminhos. Ou teremos a eleição com o maior número de votos brancos e nulos ou o candidato que consegui mostrar uma melhor proposta durante a campanha e reverter esses eleitores para si, sairá vencedor do pleito.


Quando a pergunta foi sobre a rejeição, o mais citado também foi Décio Lima (PT) com 21%. Depois, Mauro Mariani (MDB), 15%; Leonel Camasão (PSOL) e Gelson Merísio (PSD), 12%; Ingrid Assis (PSTU), 11%; Ângelo Castro (PCO) e Rogério Portanova (Rede), 10%; Jesse Pereira (Patriotas), 9%; Comandante Moisés (PSL), 8%, enquanto 6% dos pesquisados responderam que poderiam votar em todos, e 42% não sabem ou não responderam.


Dois ex-governadores na frente


A mesma pesquisa Ibope, contratada pela NSC e divulgada ontem no NSC Notícias, também questionou os eleitores sobre a corrida ao Senado. Os dois ex-governadores, Raimundo Colombo (PSD), com 27%, e Esperidião Amin (PP), com 23%, lideram. Os dois estão na mesma coligação, mas neste ano serão eleitos dois senadores.
Em terceiro aparece Paulo Bauer (PSDB), 19%; seguido de Jorginho Mello (PR), 8%; Ideli Salvatti (PT), 7%; Roberto Salum (PMN), 6%; Professor Antônio (PSOL), 5%; Pedro Cabral (PSOL), 5%; Andréa Carvalho (PCO), 4%; Lucas Esmeraldino (PSL), 3%; Lédio Rosa (PT), 2%; Ricardo Lautert (PSTU), 2%; Diego Mezzogiorno (Rede), 1%; Miriam Prochnow (Rede), 1%. Os brancos e nulos totalizaram 17% na primeira opção e 21% na segunda, enquanto os que não sabem ou estão indecisos alcançaram 49%.


Debate televisivo


Antes da divulgação dos números da pesquisa, os candidatos participaram do debate promovido pelo SBT, no horário do meio-dia. Esse foi o primeiro debate de televisão, depois do encontro promovido pela Som Maior, no sábado passado. Os temas básicos como educação, saúde e infraestrutura apareceram com a frequência já esperada. Gelson Merisio (PSD) e Mauro Mariani (MDB), por mais que se esforcem, não escaparão tão fácil da ligação com o Governo do Estado nos últimos 16 anos, pelo menos, no que depender dos adversários.


Tempo de TV


Nesta sexta-feira, o TRE divulgou o tempo de TV que cada candidato terá. Mauro Mariani é o que terá maior tempo: 3min34seg. Gelson Merisio terá 3min12seg e Décio Lima 1min21seg. Aos demais concorrentes, sobraram segundos. Alguns, terão apenas o tempo de se apresentarem. A propaganda no rádio e TV inicia em 31 de agosto.


Melhorou


Depois de alarmes em relação à situação financeira do Estado, um alento. A Secretaria da Fazenda divulgou que a arrecadação no mês de julho foi de pouco mais de R$ 2 bilhões. O valor é 12% maior se comparado ao mesmo período do ano passado e 14,2% superior ao mês de junho de 2018.


Reação


Os advogados de defesa do deputado federal João Rodrigues (PSD) reagiram ao pedido da Procuradora da República, Raquel Dodge, que ingressou com reclamação no STF, solicitando o retorno do deputado a prisão. Para eles, o ministro Rogério Schietti Cruz, do Superior Tribunal de Justiça, tem autonomia para tomar a decisão que concedeu a liberdade ao deputado.


Lançamento


O MDB será o primeiro a fazer um grande ato de lançamento da candidatura dentro de período de campanha eleitoral. Será neste, domingo, e Joinville foi a cidade escolhida. Estarão presentes os candidatos ao Governo Mauro Mariani (MDB) e Napoleão Bernardes (PSDB) e ao Senado Paulo Bauer (PSDB) e Jorginho Mello (PR).


Mulheres


A Comissão da Mulher Advogada da OAB Criciúma realizou o 1º Simpósio de Mulheres na Política do Sul e reuniu importantes lideranças da região para debater esse importante tema. Entre elas, estava a primeira reitora da Unesc, Luciane Ceretta, na mesa de debate sobre o tema “Nossa trajetória e desafios” ao lado de Neura Maria Corrêa Costa, Lisiane Tuon, Ada De Luca, Angela Melo, Camila Nascimento, Albertina Rosso e Sayonara Araújo Pessoa. Ao fim do debate a reitora recebeu das mãos do presidente da OAB Criciúma, Fabio Jeremias de Souza, uma homenagem pela passagem do aniversário de 50 anos da instituição.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/08/2018 - 19:43Atualizado em 17/08/2018 - 19:46

O candidato do PT ao governo do Estado, Décio Lima, lidera a pesquisa Ibope ao governo de Santa Catarina divulgada a pouco pelo grupo NSC. O petista alcançou 16% das intenções de voto. Mauro Mariani (MDB), ficou em segundo lugar, com 11%. Gelson Merísio (PSD), alcançou 6%. Ângelo Castro (PCO) fez 4%, seguido por Ingrid Assis (PSTU) e Rogério Portanova (Rede), 2%. Comandante Moisés (PSL) e Jessé Pereira (Patriotas) tiveram 1%. Leonel Camasão (PSOL) ficou em 0%. Os brancos e nulos somaram 34% e os que não sabem ou não responderam, 23%.

Na rejeição, o mais citado foi Décio Lima (PT) com 21%. Depois, Mauro Mariani (MDB), 15%; Leonel Camasão (PSOL) e Gelson Merísio (PSD), 12%; Ingrid Assis (PSTU), 11%; Ângelo Castro (PCO) e Rogério Portanova (Rede), 10%; Jessé Pereira (Patriotas), 9%; Comandante Moisés (PSL), 8%, enquanto 6% dos pesquisados responderam que poderiam votar em todos, e 42% não sabem ou não responderam.

Na corrida ao Senado, Raimundo Colombo (PSD) tem 27%. Na sequência, Esperidião Amin (PP), 23%; Paulo Bauer (PSDB), 19%; Jorginho Mello (PR), 8%; Ideli Salvatti (PT), 7%; Roberto Salum (PMN), 6%; Professor Antônio (PSOL), 5%; Pedro Cabral (PSOL), 5%; Andréa Carvalho (PCO), 4%; Lucas Esmeraldino (PSL), 3%; Lédio Rosa (PT), 2%; Ricardo Lautert (PSTU), 2%; Diego Mezzogiorno (Rede), 1%; Miriam Prochnow (Rede), 1%. Os brancos e nulos totalizaram 17% na primeira opção e 21% na segunda, enquanto os que não sabem ou estão indecisos alcançaram 49%.

A pesquisa foi registrada pela NSC no TRE e TSE, e ouviu 812 eleitores entre os dias 14 e 16 de agosto. A margem de erro é de 3% para mais ou para menos. Mais detalhes neste sábado em A Tribuna.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/08/2018 - 06:50

Um plano de desenvolvimento regional está entre as prioridades elencadas pela ACIC e CDL e faz parte da campanha Do Sul pelo Sul, apresentada ontem, e que quer conscientizar a população sobre a importância do voto regional. Os primeiros passos já foram dados e reuniões para apresentação ao Governo do Estado iniciaram, uma das possibilidades é que a SCPar, que administra o Porto de Imbituba, possa entrar nessa parceria, já que o crescimento da região interessa ao porto. Esse plano é fundamental para que a região construa um futuro de desenvolvimento embasado, que encontre um caminho e que não precise mais exportar mão de obra qualificada, mas que possa acolher esses profissionais aqui. A Inovação parece ser a grande alternativa, mas para isso é preciso que não só as entidades privadas entrem na causa, é preciso que os agentes políticos comprem essa briga para si e que cobrem que o próximo governador de Santa Catarina esteja realmente comprometido com o Sul do Estado.
Está aí a importância da campanha lançada pela ACIC e CDL. Os candidatos serão chamados, as pautas apresentadas e as cobranças serão feitas no próximo ano.
Além do plano de desenvolvimento regional com metodologia de implantação, serão cobrados a estadualização do Hospital Materno Infantil Santa Catarina; construção do Centro de Inovação de Criciúma, implantação de uma política de apoio à atração de novas empresas; criação da Região Metropolitana Carbonífera; fixação da barragem do Rio Araranguá; integração do sistema modal: ferrovias, rodovias e marítimo; conclusão e duplicação do Anel de Contorno Viário de Criciúma; ampliação de rotas internacionais no Porto de Imbituba; revitalização das rodovias Jorge Lacerda e Luiz Rosso;
Todas as áreas são essenciais, mas somente com desenvolvimento é que se pode melhorar a saúde, a educação e a infraestrutura, é que se pode gerar emprego e melhorar a qualidade de vida. Tudo parte deste princípio.

No início

Diomício Vidal, vice-presidente da Fiesc para o Sul do Estado, presente no encontro de lançamento da campanha Do Sul para o Sul, lembrou que a ACIC já cumpriu importante papel na industrialização de Criciúma. Quando em 1975 se percebeu que o setor carbonífero poderia entrar em crise, se realizou uma reunião, na antiga sede, e teve o início do investimento no setor plástico com Jorge Zanatta.

Pelo Sul

A campanha começou e os candidatos foram para as ruas. O candidato ao Governo Gelson Merisio (PSD), a vice João Paulo Kleinübing (DEM) e ao Senado Raimundo Colombo (PSD) e Esperidião Amin (PP) seguiram pelo Sul do Estado, estiveram em Braço do Norte (foto), e depois, subiram a serra em direção a Urubici e São Joaquim.

Florianópolis

O time do candidato do PSOL ao cargo de governador, Leonel Camasão, escolheu o Ticen, em Florianópolis, para realizar panfletagem (foto). Os candidatos ao Senado, Pedro Cabral e Antônio também participaram.

Norte e Oeste

O candidato ao Governo Mauro Mariani (MDB) e ao Senado Paulo Bauer (PSDB) iniciaram a campanha por Joinville (foto). No início da manhã, o candidato a vice Napoleão Bernardes (PSDB) acompanhou uma visita ao prefeito da cidade, Udo Döehler (MDB). Já Jorginho Mello (PR), candidato ao Senado, esteve em Joaçaba, sua base eleitoral.

Na Fecesc

A campanha de Décio Lima (PT) ao Governo do Estado iniciou com encontro na Federação dos Trabalhadores no Comércio do Estado de Santa Catarina (Fecesc), em Florianópolis. Ele estava acompanhado dos candidatos ao Senado, Ideli Salvatti e Lédio Rosa.  

Evandro Scaini 

Após a negativa do PSD estadual em registrar a candidatura de Evandro Scaini, ex-prefeito de Balneário Arroio do Silva, o ato foi oficializado pelo presidente do Diretório de Araranguá Professor Tainha e pelo vice-presidente do Diretório do PSD de Arroio do Silva, Sérgio Panatta. O registro foi feito ontem e já consta no site oficial de divulgação de candidaturas.

Interina: Francieli Oliveira

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 16/08/2018 - 06:50

No dia em que as campanhas podem ser colocadas na rua, a Associação Empresarial de Criciúma e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) colocam a sua. Uma coincidência apenas, mas que chega no momento em que precisa chegar. O Sul pelo Sul chama atenção para a representatividade da região. Como na majoritária o Sul está praticamente sem representação alguma, as atenções se voltam para as proporcionais. Formar uma bancada do Sul forte significa maior poder de cobrança junto ao Governo do Estado e também em nível Federal. Na eleição de 2014, foram sete eleitos, mas esse número foi maior com a ascensão de suplentes. Neste ano, corre-se o risco de o número ser menor. Na Câmara Federal, a região conta com três representantes e também precisa correr atrás para que esse número não diminua.

 O Sul não consegue acompanhar o desenvolvimento de outras regiões de Santa Catarina, está ficando para trás, empobrecendo, perdendo investimentos, e olha que teve o vice-governador nos últimos anos, que agora é o governador, e isso refletiu em obras importantes como a Via Rápida e o Anel de Contorno Viário, em se tratando de Criciúma, mas não pode parar agora porque ficará de fora do Governo do Estado. Precisa correr atrás, formar uma bancada forte e cobrar participação, buscar obras importantes.

A ACIC e a CDL fazem seu papel. Assim como fizeram em 2014, vão colocar a campanha na rua e tentar conscientizar o eleitor da importância de fortalecer a região.

Arrancada

Ainda não era lançamento de candidatura, mas sim um encontro para recepcionar os candidatos da chapa encabeçada por Gelson Merisio (PSD), mas a coligação mostrou força e escolheu Criciúma para isso. Aconteceu, na noite de ontem, o primeiro de oito encontros macrorregionais (foto). Toda a majoritária estava presente. Além de Merisio, o candidato a vice João Paulo Kleinubing (DEM) e os candidatos ao Senado Esperidião Amin (PP) e Raimundo Colombo (PSD).

Engajados

Os progressistas do Sul mostraram que estão engajados na campanha de Gelson Merisio (PSD) e eram maioria no encontro da noite de ontem, realizado em Criciúma. As faixas (foto) espalhadas pelo salão demonstravam a proporção dos participantes. Além do PP, os outros partidos da grande aliança formada por Merisio também estavam presentes.

Oficial

Agora é oficial: Leodegar Tiscoski já chegou ao evento de ontem como candidato a deputado federal pelo PP do Sul. A sigla procurava um representante depois que Jorge Boeira anunciou que não iria à reeleição.

Parceria

O governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) recebeu, ontem, uma comitiva dos Estados Unidos, em Florianópolis (foto). A cônsul-geral norte-americana, Julia Harlan, ficará três dias na cidade conhecendo diversas áreas e entidades, entre elas a Fiesc e Acate, para uma possível parceria com o governo catarinense. Do governador, ela ouviu pontos importantes da agroindústria, como as exportações e o fato de Santa Catarina ser o único estado do país livre da febre aftosa sem vacinação e sobre o polo tecnológico, que será muito beneficiado com essa parceria.

Unidade

A coligação Santa Catarina Quer Mais, encabeçada por Mauro Mariani (MDB), fez encontro na noite de terça e reuniu os seus candidatos a deputado estadual e federal. Ao todo, são 107 postulantes à Assembleia Legislativa e outros 76 que buscam a Câmara Federal (foto). Mariani esteve presente e disse não ter dúvidas da capacidade dos colegas de eleger a maior bancada de deputados e as duas vagas em jogo para o Senado, disputadas por Jorginho Mello e Paulo Bauer.

Diversidade

O vereador Alison Bertan (PR) certamente não esperava a repercussão que está tendo o projeto de sua autoria que visa instituir um Dia Municipal da Diversidade Sexual em Morro da Fumaça. Alvo de duras críticas de setores que ele cita como “de uma religião que não permite diversidade sexual”, o vereador emitiu extensa nota na qual diz que “não fez tal projeto para estimar kit gay, passeatas nem outras intervenções para público gay” e que “ter um dia para reconhecer o que é óbvio, a diversidade sexual, não é nada de absurdo”.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/08/2018 - 19:40Atualizado em 15/08/2018 - 19:46

Dos 761 pedidos de registro de candidatura realizados até esta quarta-feira, 9 foram para o Governo do Estado e 14 para o Senado. Em breve, os nomes de todos os concorrentes estarão disponíveis no Sistema de Divulgação de Candidaturas do TSE.

Foram 9 pedidos para o cargo de governador, 9 para vice-governador, 14 para senador - mais 28 suplentes; 241 requisições para deputado federal; e 460 para deputado estadual.

Agora, para se transformarem em registros definitivos, os pedidos devem ser julgados pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC), que confirmará se todos os pré-requisitos para a candidatura foram preenchidos. Os juízes têm até o dia 17 de setembro para julgar todos os pedidos.

A partir do dia 16 de agosto a propaganda eleitoral passa a ser permitida, desde que siga as normas previstas na Legislação Eleitoral. Para orientar candidatos, partidos, advogados eleitorais, imprensa e público em geral, o TRE-SC produziu um Manual de Propaganda Eleitoral e uma cartilha que tratam do tema de forma simplificada.

Julgamento dos registros de candidatos
 
Publicados os editais de registro de candidaturas, passa a correr o prazo de 5 dias para qualquer candidato, partido político, coligação ou o Ministério Público impugnar os pedidos de registro apresentados (Lei Complementar nº 64/1990, art. 3º). A análise dos pedidos inclui todas as condições de elegibilidade, as causas de inelegibilidade e outros requisitos para o registro. Após isso, os juízes julgarão se os candidatos estão ou não aptos a concorrer.
 
Ainda há a possibilidade de os partidos pedirem a substituição de candidatos para os cargos majoritários e proporcionais até o dia 17 de setembro, exceto em caso de falecimento, situação em que poderá ser efetivada após esta data - observado, em qualquer situação, o prazo de até dez dias contados do fato ou da decisão judicial que deu origem à substituição.
 
Candidatos ao Governo (ordem alfabética)

Ângelo Castro – PCO 
Vice: Flávio Ferreira Amaral

Camasão - PSOL/PCB (Um caminho pra gente) 
Vice: Carol Bellaguarda

Comandante Moisés - PSL 
Vice: Daniela Reinehr

Décio Lima – PT
Vice: Kiko

Gelson Merísio - PSD / PRB / PDT / PSB / PODE/SOLIDARIEDADE/PROS/ PSC / PC do B / PHS / PP / DEM / PRP / PPL / PV (Aqui é trabalho) 
Vice: João Paulo Kleinubing

Ingrid Assis – PSTU
Vice: Professor Ederson

Jesse Pereira - PMN/PATRI (Santa Catarina em Primeiro Lugar) 
Vice: Dr. Danny Cesar

Mauro Mariani - MDB/AVANTE/PSDB/PTB/PTC/PRTB/DC/PR/PPS (Santa Catarina quer mais) 
Vice: Napoleão Bernardes

Portanova – REDE
Vice: Regina Santos

Candidatos ao Senado

Andreá Luciano Carvalho - PCO

Diego Mezzogiorno - REDE

Esperidião Amin - PSD/PRB/PDT/PSB/PODE/SOLIDARIEDADE/PROS/PSC/PC do B/PHS/PP/ DEM/PRP/PPL/PV (Aqui é trabalho)

Ideli Salvatti – PT

Jorginho Mello - MDB/AVANTE/PSDB/PTB/PTC/PRTB/DC/PR/PPS (Santa Catarina quer mais)

Lédio Rosa – PT

Lucas Esmeraldino - PSL

Miriam Prochnow - REDE

Paulo Bauer - MDB/AVANTE/PSDB/PTB/PTC/PRTB/DC/PR/PPS (Santa Catarina quer mais)

Professor Antonio - PSOL/PCB (Um caminho pra gente)

Professor Pedro Cabral - PSOL/PCB (Um caminho pra gente)

Raimundo Colombo - PSD/PRB/PDT/PSB/PODE/SOLIDARIEDADE/PROS/PSC/PC do B/PHS/PP/ DEM/PRP/PPL/PV (Aqui é trabalho)

Ricardo Lautert - PSTU

Roberto Luiz Salum - PMN/PATRI (Santa Catarina em primeiro lugar)

(Redação / A Tribuna - com informações do Tribunal Regional Eleitoral / TRE-SC)

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/08/2018 - 11:34Atualizado em 15/08/2018 - 11:41

Daqui a algumas horas termina o prazo para os registros de candidaturas, é mais uma etapa vencida. Os nomes estarão postos, os times formados, as coligações fechadas. Chegou a hora de colocar o time na rua, de pedir o voto para o eleitor. São 52 dias para mostrar e comprovar que se é a melhor opção para o futuro do país.
Nesta corrida eleitoral, vamos analisar como se comportarão os candidatos e seus times de marqueteiros, que, com bem menos dinheiro em mãos, as campanhas terão que se adaptar. A internet será a grande ferramenta para o bem e também para o mal. Teremos que ter muito cuidado, pois as notícias falsas, plantadas, multiplicar-se-ão.
Em Santa Catarina, são nove candidatos ao Governo do Estado. Mas a corrida eleitoral não deve fugir da polarização entre Gelson Merisio (PSD) e Mauro Mariani (MDB), as duas maiores coligações, e correndo por fora estará Décio Lima (PT). O PSL aposta na onda Bolsonaro.
No país, 13 concorrem à Presidência da República. E está aí mais uma peculiaridade deste pleito. O PT registra hoje a candidatura do ex-presidente Inácio Lula da Silva, mas não deve ir longe. Os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) têm dado vários indicativos de que irão barrar todos em condenação em segunda instância. Fernando Haddad e Manuela D’Ávila serão colocados em campo.
Está dada a largada.

Muda o jogo

João Rodrigues (PSD) conseguiu, em cima do laço, importante decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que o coloca no jogo na corrida eleitoral para a Câmara dos Deputados. Com a confirmação de que sua pena já prescreveu e de que ele deve ser solto imediatamente, os advogados correm contra o tempo para que ele venha ainda hoje a Santa Catarina registrar sua candidatura. Um dos mais votados em 2014, muda todo o jogo e fortalece a coligação do PSD.

Exemplo

Desde que foi lançado, o Observatório Social Criciúma vem cumprindo, e muito bem, o seu papel. Vem fiscalizando de perto os gastos públicos e já obteve ótimas respostas, como no caso do alto número de medicamentos distribuídos pela Prefeitura de Criciúma. Agora, teve ação selecionada para o concurso nacional de Boas Práticas. Uma ideia simples, básica, mas que faz muita diferença. Vídeos ensinam o cidadão acessar informações do Portal da Transparência. É ali que estão todas as informações dos órgãos públicos, mas, muitas vezes, não são tão fáceis assim de achar. O Observatório Social mostra, mais uma vez, que pequenos gestos significam muito.

Desinteresse

A pesquisa realizada pelo IPC, a pedido do Legislativo, sobre a opinião do cidadão criciumense sobre a troca de horário revelou o desinteresse pelos trabalhos do Legislativo. Dos 625 entrevistados, 53,8% se disseram indiferentes ao horário em que as sessões são realizadas.

Tomando gosto

O vice-presidente da Câmara de Vereadores de Criciúma, Miri Dagostin (PP), está tomando gosto. Ontem, mais uma vez, ele comandou os trabalhos do Legislativo com a ausência do presidente, Julio Colombo (PSB), que representava a Câmara em evento fora. Miri é um dos nomes cotados para assumir a Presidência no ano que vem.

Anuncia hoje

O PP do Sul deve apresentar a candidatura de Leodegar Tiscoski a deputado federal, na noite de hoje, no evento regional que recebe o candidato ao Governo Gelson Merisio (PSD), a vice João Paulo Kleinubing (DEM), e ao Senado Esperidião Amin (PP) e Raimundo Colombo (PSD). O nome de Tiscoski foi fortalecido na segunda-feira, após recuo de Ângela Ghislandi. A vaga se abriu após desistência de Jorge Boeira de concorrer à reeleição.

Vai mudar

A Câmara de Vereadores de Criciúma deve mesmo seguir o exemplo de outras câmaras como de Florianópolis, Joinville e Blumenau, e realizar as sessões ordinárias mais cedo, às 17h. O projeto de lei já foi lido em plenário e está tramitando nas comissões. Certamente será aprovado, caso não haja alguma reação da população. A alegação do presidente, Julio Colombo (PSB), é que irá gerar economia para a Casa com a diminuição de pagamentos de horas extras, por exemplo. Para quem estiver trabalhando no momento, a alternativa será assistir pelas redes sociais, já que os vídeos ficam disponíveis.

Anfitrião

O ex-governador Casildo Maldaner (MDB) recebeu o candidato ao Senado Paulo Bauer (PSDB) e o vice-prefeito de Içara, Sandro Giassi Serafin (MDB), e fez questão de mostrar fotos de sua trajetória aos dois (foto). A reunião ocorreu em Florianópolis, onde os três fecharam detalhes para uma nova jornada. Casildo e Sandro são os suplentes de Paulo Bauer na corrida ao Senado.

Interina: Francieli Oliveira

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/08/2018 - 06:55

O nome de Leodegar Tiscoski voltou com força para ser o representante do Partido Progressista do Sul do Estado na disputa por uma vaga à Câmara Federal. Ontem, ficou muito bem encaminhado, mas a resposta final será confirmada hoje. Leodegar passou boa parte do dia no diretório do PP, em Florianópolis, disse que ainda precisava conversar com lideranças do Sul, que é um desafio que não pode embarcar sozinho e que quem irá definir pela sua participação são as lideranças do Sul do Estado.

A principal liderança envolvida nesse processo é o deputado federal Jorge Boeira. A vaga se abriu desde que ele desistiu de disputar a reeleição e é fundamental no processo de transição. Só para lembrar, Boeira fez mais de 123 mil votos em 2014.

Leodegar Tiscoski tem domicílio eleitoral em Sombrio e já foi deputado federal pelo PP.

O nome de Tiscoski foi cogitado logo em seguida à desistência de Boeira, mas ganhou força mesmo, ontem, após a desistência da empresária Âgela Ghislandi, de Nova Veneza. Sua candidatura, que parecia quase certa. não prosperou no fim de semana e na segunda-feira veio a desistência oficial por meio de uma nota.

Desde que Boeira desistiu, o PP procura um representante do Sul do Estado. O ex-prefeito de Criciúma Márcio Búrigo chegou a cogitar a participação, mas também recuou.

A nota

Ângela Ghislandi distribuiu uma nota sobre sua decisão. Como nunca concorreu a nenhum pleito eleitoral, ela vinha sendo tratada como renovação, uma cara nova no processo em momento que o eleitor procura por opções. Confira a nota: “Primeiramente gostaria de agradecer o apoio e as palavras de confiança que tenho recebido nestes últimos dias. Nos faz ver o quanto as pessoas estão ansiosas e esperançosas por algo novo, diferente e do bem. Mas pra um passo grande como o que me foi proposto, era preciso que tudo estivesse em total sintonia, o apoio mútuo de todas as partes envolvidas precisaria ser total. Isso tudo me faz repensar se realmente vale a pena um futuro na política. Fica meu agradecimento a todos pelas palavras de apoio”. 

Arrancada no Sul

Criciúma recebe amanhã, no Centro de Eventos Germano Rigo, às 19h, o primeiro encontro macrorregional “Aqui é Trabalho”. O evento, que também será realizado nas outras regiões de Santa Catarina, vai reunir todos os partidos da aliança do candidato ao governo Gelson Merisio (PSD). Estarão presentes o vice da chapa, João Paulo Kleinubing (DEM), o deputado federal Esperidião Amin (PP) e o ex-governador Raimundo Colombo (PSD), candidatos ao Senado na coligação. Os deputados do Sul também marcarão presença. No sábado, antes do debate realizado pela Som Maior, Merisio foi recebido pelos apoiadores aqui da região.

Repercutiu

O ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, reagiu às citações de Gelson Merisio no debate realizado pela Som Maior a respeito da posição de Mauro Mariani perante do governo Temer e a sua nomeação para o Ministério do Turismo. Vinicius Lummertz foi assertivo: “Mauro Mariani é um homem preparado para o desafio de governar Santa Catarina, como sonhava Luiz Henrique. Merisio mostra que, claramente, ainda não está preparado”.

Apoio

O ex-vereador Izio Inácio Hulk, que apoiaria Jorge Boeira (PP), declarou apoio a Daniel Freitas (PSL), que deixou o PP justamente pela falta de oportunidade para concorrer na eleição deste ano e fará parte da equipe de coordenação em Criciúma. Já para estadual, o apoio de Hulk será para a candidata do PDT, ex-prefeita de Bombinhas, Paulinha. Quem também se junta ao time de Paulinha é Ricardo Strauss, ex-vereador pelo PDT e PP.

Compromisso

As entidades de hospitais filantrópicos realizaram encontro com os candidatos ao Governo do Estado com a intenção de apresentar as principais pautas. O senador Dário Berger representou o candidato do MDB, Mauro Mariani (foto). Candidatos ao Senado pela coligação Santa Catarina Quer Mais, o deputado federal Jorginho Mello (PR) e o senador Paulo Bauer (PSDB), também compareceram ao encontro.

Interina: Francieli Oliveira

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/08/2018 - 08:46Atualizado em 11/08/2018 - 08:46

Há três fatos importantes programados para os próximos diss que vão marcar o inicio efetivo da campanha e definir as circunstâncias da disputa.

O primeiro será o debate deste sábado, 10h, realizado pela rádio Som Maior FM, em Criciúma, entre os candidatos a governador.

Será o primeiro do estado na campanha de 2018.

Depois, disso teremos na próxima semana a primeira pesquisa eleitoral estadual realizada por instituto credenciado depois que todos os candidatos foram definidos e registrados.

E no dia 31 de agosto, o inicio da da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão.

Mas, o debate deste sábado já vai deixar evidente o que esperar da campanha. Há muita expectativa.

Afinal, todos os candidatos vão disputar o governo pela primeira vez. Não há histórico de confronto entre eles.

Como será que vão se posicionar Mauro Mariani e Gelson Merisio, candidato de MDB e PSD, ex-aliados que andaram às turras nos últimos dois anos?

Décio Lima, do PT, vai partir para o ataque contra os dois, ou vai fazer um estilo mais light, projetando uma eventual composição de segundo turno?

O comandante Moisés, do PSL, partido de Bolsonaro, vai encarnar o “Bolsonaro catarinense”?

Leonel Camasão, do PSOL, franco atirador, não quer saber de aproximação com nenhum deles, mas vai conseguir demarcar o seu espaço e se impor na discussão?

Ninguém tem as respostas. Porque eles nunca se enfrentaram e não participaram antes de nenhum debate estadual.

Tudo isso que chama a a atenção para o debate deste sábado.

As composições eleitorais, alianças, acordos políticos, são importantes no processo. Mas, o desempenho do candidato, a empatia com o publico/eleitor, a facilidade de transmitir ideias/opiniões, e como consegue administrar pressões/ataques, também pesam muito.

Por fim, estamos tratando de uma eleição para governo catarinense que não tem um candidato favorito, que está aberta. O que faz aumentar a importância e a expectativa com o primeiro debate.

 

2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14