Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 30/07/2019 - 07:30Atualizado em 30/07/2019 - 07:38

Faz um ano, dois talvez, que eu abri o programa aqui falando em nova pauta para o sul, que o sul precisava definir uma nova pauta de reivindicações, pois as principais bandeiras empunhadas até então estavam resolvidas ou encaminhadas. Foi por isso que nasceu o Fórum do Amanhã, em parceria com a Unesc, e o Fórum foi realizado em Criciúma, depois em Turvo para a Amrec e depois no Balneário Rincão. E outros estão programados.

Só que as bandeiras que podem ser chamadas de antigas, que imaginava-se desnecessário empunhar, poderiam ser guardadas, elas precisam ser ainda empunhadas pois ainda não estão totalmente resolvidas. Por exemplo, a duplicação da BR-101 que foi o grande tema das últimas duas décadas pelo menos no sul, a duplicação não está concluída. É verdade. Ainda tem obras, muitas a fazer, que ainda não foram iniciadas e não tem previsão para isso.

Via Rápida ainda não foi concluída, tem obras a fazer, algumas que dependem de desapropriação e ainda tem iluminação a implantar, sinalização, ainda não estão cortando o mato em Içara e não pagaram todas as desapropriações de áreas ocupadas para o que já foi feito até agora da obra. O Aeroporto Regional vai de mal a pior. Problemas de estrutura, de gestão, e falta ampliar a pista. O porto de Imbituba com problemas. A BR-285 sem garantia de recursos para a conclusão da obra. O Anel Viário de Criciúma ainda não concluído, e o projeto tem 40 anos.

Avançar é preciso, é claro. Reciclar é preciso, sim. Mas não se pode ficar apenas olhando para frente esquecendo para trás e as bandeiras já empunhadas. É preciso continuar falando delas. Não se pode falar a vida inteira em BR-101, é preciso mudar de assunto, estar em sintonia com os novos tempos, mas sem abandonar o que ainda não está 100% resolvido. Temos que falar do Centro de Inovação de Criciúma, buscar novas indústrias, um novo Anel Viário para Criciúma, serras do Faxinal e Corvo Branco, restauração da Serra do Rio do Rastro, mas não podemos esquecer da BR-101, conclusão do primeiro Anel Viário, Via Rápida, aeroporto, porto de Imbituba, BR-285...

Se falando já está difícil e não sai, imagina se deixar de falar e se deixar de cobrar.

Pensem nisso, e vamos em frente!

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 29/07/2019 - 22:20Atualizado em 29/07/2019 - 22:28

Eu não li o relatório completo do vereador Ademir Honorato. Apenas ouvi a sua leitura, um resumo do seu relatório, um resumo de dez ou doze páginas. Na dúvida, perguntei a ele, trocamos mensagens nesta segunda. Eu perguntei se ele citou que "foi identificada improbidade"?. Ele respondeu que "levantei os fatos, quem julga é o juiz". É a mesma tese, o mesmo argumento, quem denuncia é promotor, quem julga é juiz. O vereador foi muito detalhista no seu relatório, ele levantou as circunstâncias, ilicitudes, mas não tipificou os casos. Ele não citou crime de responsabilidade, falou em indícios, e deixou que isso deixa tipificado pelo Ministério Público Federal. Mas o relatório foi duro e contundente.

Ficou na linha de tiro o presidente do Criciumaprev, que foi citado, responsabilizado por não ter tomado a atitude que deveria ter tomado. Mas ele também deixou o governo numa situação delicada, com probabilidade de enquadramento em improbidade ou crime de responsabilidade. Ilicitude não pois não foi configurado desvio, apenas não cumprimento do amparo legal, o pagamento com dinheiro em caixa. Aquele argumento do precatório foi rejeitado pela assessoria jurídica da Casa, não foi argumento suficiente para o não pagamento. Não pagou, colocou em aplicação financeira e depois teve que parcelar a dívida pagando juro, esse foi o argumento que enquadra no dispositivo de não ter cumprido a obrigação do gestor primário, do responsável pelas questões, no caso o prefeito.

O relatório foi bem montado. Embora não tenha tipificado crimes, foi duro e detalhado. O que vai acontecer: há prazo para vistas, vereadores Zairo Casagrande e Julio Colombo, cinco se inscreveram e foram sorteados dois. Zairo de um lado, Julio de outro. A informação de bastidores é que o Zairo deve fazer um novo relatório sendo mais contundente, enquanto o Julio deve ser mais brando em relação ao Paço. Dos bastidores vem também que o Paço tentará derrubar o parecer do vereador Ademir na comissão contando com o voto do vereador Edson Paiol, que não tem se definido nem pra lá, nem pra cá. Na maior parte da CPI ele se posicionou com os vereadores que fazem oposição ao governo. Mas o Paço articula para atrair o vereador Paiol para o seu lado e contra o parecer do vereador Ademir.

Outra articulação, o vereador Julio deve tentar fazer um parecer mais brando ou levar o julgamento do parecer, a votação do parecer para o plenário da Câmara. Isso contraria o dispositivo atual. O regimento prevê que tudo seja concluído na CPI. No plenário o governo Salvaro tem maioria.

O que está claro é que depois da apresentação do relatório o Paço trabalha para que ele não seja consolidado como posição final da CPI. Se for para o Ministério Público, pode oferecer denúncia e criar problemas para o prefeito Salvaro. Essa CPI não terminou, hoje foi mais um passo, teremos passos importantes, definitivos, decisivos. O fim da CPI será quente.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 26/07/2019 - 18:31Atualizado em 26/07/2019 - 18:55

Está entregue o relatório da CPI do Criciumaprev. O vereador relator, Ademir Honorato, tem adotado uma postura elogiável na sua função. É cauteloso, e não pode antecipar impressões, ao contrário do que fez o presidente da CPI, vereador Julio Kaminski, que de antemão citou suas conclusões. Ademir tem sido cauteloso, pisa em ovos, não libera nada. Não deu qualquer sinalização.

Considerando o que aconteceu na CPI, que teve suas reuniões transmitidas ao vivo, pelo que foi informado e dito uma coisa ficou clara: a prefeitura tinha dinheiro no caixa e o prefeito, ordenador primário, e seu governo decidiu não pagar, não fazer o repasse deixando acumular uma dívida que foi parcelada. A dúvida é se o vereador vai caracterizar isso como crime de responsabilidade ou se vai apenas relatar e sugerir encaminhamento aos poderes constituídos, como Ministério Público, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas e outros. Uma perspectiva é meramente técnica enquanto a outra é ir além disso, diante do que foi levantado, caracterizando algo, indo na mesma linha do presidente, pelo crime de responsabilidade.

A partir daí, a dúvida é se o prefeito terá ou não maioria na comissão para eventual derrubada de um parecer que não lhe seja favorável. Hoje o quadro é mais ou menos o seguinte, três de um lado (Julio Colombo, Aldinei Potelecki e Pastor Jair Alexandre), três de outro (Julio Kaminski, Ademir Honorato e Zairo Casagrande) e o vereador Edson Paiol como fiel da balança. A CPI poderá ter um encaminhamento relativamente tranquilo ou a CPI poderá gerar um fato político importante que não se sabe o desdobramento final que vai ter.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 26/07/2019 - 08:42Atualizado em 26/07/2019 - 08:45

O vereador Ademir Honorato (MDB) vai entregar hoje, às 17h, o relatório final da CPI do Criciumaprev. Esse conteúdo está guardado a sete chaves. Ontem à noite ele disse que nada será antecipado, até que o relatório seja entregue aos demais vereadores. É assunto importante do dia.

Outra de hoje: Hospital Materno Infantil Santa Catarina (HMISC) continua recebendo menos do que é previsto no contrato, e médicos não tem garantia de pagamento de salários. Mês passado o instituto que administra o HMISC precisou fazer um empréstimo para pagar a folha. Ambiente é tenso. Vai ter reunião dos médicos com a direção do hospital.

Saiu a licença para a obra no prédio que será a nova sede da Câmara de Criciúma. Era praticamente a última peça a ser movida para encaminhar as obras, é provável que a Câmara esteja em casa nova no ano que vem.

Pra começo de conversa...

É preciso falar sobre a queda de índices do movimento econômico de Criciúma e região. Queda acentuada nos últimos anos. É preciso discutir o problema para encontrar saídas. Ninguém aqui gosta de ficar falando de coisa ruim, mas médico discute o problema de saúde do paciente para montar o diagnóstico. É o que se pretende fazer aqui. Discutir o problema, mexer com ele para encontrar alternativas. Na movimentação econômica, por muitas circunstâncias, a região chegou à condição de mais pobre do estado. Como? Faz dez anos que Criciúma, maior cidade da região, não recebe uma grande indústria. A mineração de carvão já foi o grande motor, hoje representa menos de 10% da economia e está seriamente ameaçada. A indústria do plástico, que representa mais de 7% da economia da região, vem sofrendo diversas quedas por leis que restringem o uso de copos e canudos. A situação da região tende a ficar pior se nada for feito. Em Morro Grande a JBS fechou e praticamente decretou a falência do município. Será que o futuro da Amrec pode ser o mesmo de Morro Grande? Viver do tempo em que a economia era pujante? Que não seja assim.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/07/2019 - 18:34Atualizado em 25/07/2019 - 18:50

As nossas serras precisam de atenção. Tem que terminar a obra na Serra da Rocinha. Pode liberar o tráfego, desde que com segurança e que não atrapalhe a obra. Esse acidente de hoje mostra que é muito perigoso liberar o tráfego na BR-285. Na semana passada eu vim de Gramado para cá, a neblina por lá é muito forte, é perigoso. Quando vai liberar em trecho de serra, em obras, é um risco. As pessoas asssinam documento de responsabilidade mas pode acontecer uma tragédia. Tem que andar mais de 100 quilômetros? Mas é obra.

E precisamos que a Serra do Rio do Rastro tenha atenção. Tem um projeto de restauração que está em cima da mesa. Daqui a pouco vai ter queda de barreira maior, acidente maior. Nos preocupam as nossas serras. Há previsão de vinda do governador em 17 de agosto com um pacote de boas notícias. Entre elas poderá estar a retomada da obra na Serra do Faxinal. E a Serra do Rio do Rastro, que precisa de recuperação? E a continuidade da Serra da Rocinha, sem que a obra seja atrapalhada? Vamos tratar isso sem fazer favores. Vamos tratar disso profissionalmente.

Falando em política

Estiveram hoje no estúdio da Som Maior o senador Esperidião Amin e líderes do PP. Dalvania Cardoso confirmou que está se afastando da Secretaria de Administração em Urussanga para se dedicar 100% à campanha para a prefeitura de Içara. Ela será candidata pela segunda vez. O vereador Miri Dagostim deu a boa notícia, burocracia liberada, falta só a licença da Famcri e as obras da nova sede da Câmara começam nos próximos dias. Até o fim do ano ele inaugura a nova casa da Câmara, em um local apropriado no antigo Ministério Público do Trabalho, no Parque Centenário.

O senador Amin falou sobre as articulações do PP para a eleição de 2020. Ele fez uma colocação pertinente. No entendimento dele, teremos no ano que vem um alto índice de não reeleição. Ele não acredita na onda política de 2018, mas vai preservar o desejo de mudança. Não é a onda de 2018 que levou o voto para um lado, um grupo, um número, um partido e os seus candidatos. Muitos votaram sem conhecer direito os candidatos. Amin pensa que haverá um desejo de mudança, votando pelos candidatos.

Estava com Amin o empresário Gilson Pinheiro, que assinou ficha no PP e passa a ser opção para disputar a prefeitura. O ex-deputado Boeira segue citado como pré-candidato, estimulado para concorrer. Mas ele não tem demonstrado apetite para isso. Todos estão respeitando, e que a decisão seja dele, que não está empolgado nem entusiasmado. Faz brilhar muito mais os olhos voltar a disputar eleição para deputado federal em 2022 ou majoritária que efetivamente disputar a prefeitura de Criciúma. Por isso que Gilson Pinheiro passa a ser, na prática, o projeto do PP para o ano que vem. Ele deverá fazer o enfrentamento com o prefeito Salvaro. O que vai dar isso? O tempo dirá.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 24/07/2019 - 19:51Atualizado em 24/07/2019 - 19:53

O senador Esperidião Amin está em Criciúma. Ele terá uma reunião com o empresário Gilson Pinheiro, que está propenso a assinar filiação no PP, e encaminhar pelos progressistas bandeiras do movimento Renova Criciúma, se filiar no partido e se colocar à disposição para concorrer a prefeito. Gilson nos disse que, se for para o PP, o candidato é o ex-deputado Jorge Boeira a princípio. Mas a filiação ainda não está certa.

Boeira, por sua vez, só vai definir por candidatura em agosto. Se ele não for, Gilson Pinheiro pode ser o candidato. Por enquanto, tudo indica com eleição com cinco candidatos. Clésio Salvaro é candidato. Gilson Pinheiro pode ser. Tem o advogado Jeferson Monteiro pelo MDB. E um candidato pelo PT, provavelmente a professora Giane Rabelo. E vai ter o candidato do PSL, talvez o deputado federal Daniel Freitas ou alguém indicado por ele. E o NOVO também terá candidato. Pelo quadro, serão seis candidatos a prefeito de Criciúma. É o quadro de hoje. Até lá, muita coisa pode mudar.

A presença da presidente da Casan, Roberta dos Anjos, na região, também é assunto. Confira no podcast:

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/07/2019 - 18:32Atualizado em 18/07/2019 - 18:37

Nessa época no ano que vem as convenções estarão encaminhadas e os partidos também, com suas candidaturas, alianças e chapas. Estamos há um ano do processo eleitoral de 2020. Menos de um ano, pois antes disso as coisas estarão encaminhadas. Nesse momento tem o Clésio Salvaro (PSDB) candidato a prefeito, o Ricardo Fabris (PSD) a vice, salvo melhor juízo, e o jogo pelo governo está definido.

Não há, no espectro oposto, contra o Salvaro, muitas alternativas. Tem muita gente correndo, não querendo. Vampiro nem quer saber pelo MDB. Daniel Freitas está intimado pelo governador e pelo PSL, mas não quer. E outros que também não desejam. Quem está buscando candidatura é o advogado Jeferson Monteiro com alguns movimentos pelo MDB e o deputado Rodrigo Minotto, em um movimento mais pragmático, tentando viabilizar pelo PDT. Ele disse que vai conversar com o governador Moisés nos próximos dias. Já que o PSL não vai apoiar o Salvaro, e que Daniel Freitas não quer, ele, Minotto, quer se apresentar ao governador como candidato com o PSL indicando o vice. Ele quer agregar ainda outros partidos como o PP e o DEM.

É o que temos. A força do Salvaro, a liderança do Salvaro acaba desestimulando outras articulações. Não existe nada novo para fazer enfrentamento com ele. O ex-deputado Jorge Boeira chegou a ser citado pelo PP, mas ele só quer falar disso depois de agosto. Ele quer analisar de cima o jogo, para depois se posicionar. O PP tem uma divisão interna, um pedaço quer compor com Salvaro, estar na mesma aliança para depois dividir o governo, e outra parte quer distância de Salvaro. A convenção do PP será em agosto. O PT fez uma reunião do seu diretório ontem, e em setembro elegerá a sindicalista Bárbara Teixeira como presidente municipal. O PT terá candidato a prefeito, nem que seja para marcar posição, apostando muito em legenda para fazer vereadores. O projeto do PT não é o Paço, é voltar a ter cadeiras na Câmara.

Quem ameaça Salvaro hoje? Ele pode ter políticos e partidos que não vão compor com ele, mas pela sua força política pouquíssimos arriscam um embate com ele. Pelo menos até agora. Será que ano que vem muda esse quadro? Quem sabe.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/07/2019 - 18:55Atualizado em 17/07/2019 - 18:59

Grande assunto em Santa Catarina hoje, a aprovação na Alesc do projeto com novos incentivos fiscais para empresas instaladas ou que venham se instalar no estado. Havia pressão de alguns segmentos, os projetos foram aprovados como vieram do Executivo, como foram negociados com os deputados. A Alesc teve um papel preponderante para esse entendimento. O secretário Paulo Eli foi fundamental, foi uma relação baseada em discussão técnica, foram ouvidos praticamente todos os segmentos e definido o projeto aprovado por unanimidade. A Alesc termina hoje o semestre, entra em recesso com o dever cumprido.

A partir de agora vem a fase da regulamentação do que foi aprovado. Daí devem ser estabelecidas regras específicas para incentivos diferenciados para o sul catarinense. Por exemplo, para o porto de Laguna deve haver um incentivo, um plus para o pescado em relação ao porto de Itajaí. É entendimento da Secretaria da Fazenda pela circunstância do sul, que perdeu muito por várias circunstâncias, puxadas pela não duplicação da BR-101 ao mesmo tempo do norte. Hoje, 65% do PIB está entre Palhoça e Itapoá. O restante tem um cinturão de pobreza que vai se formando, já que 35% do PIB está fora daquele trecho. A previsão é que até 2025 o PIB daquela região seja 85% do estadual.

É intenção do governo fazerm incentivos diferenciados para alguns segmentos na regulamentação dos incentivos fiscais. Trata-se de um fato político importante.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/07/2019 - 18:38Atualizado em 15/07/2019 - 18:40

A reforma da Previdência nos municípios deve passar no Senado. Não deu para passar na Câmara por brigas, força política, alguns governadores do Nordeste não queriam, não teria ambiente para passar.

Falando em Governo Federal, estiveram hoje em Florianópolis os ministros da Casa Civil e da Educação. Vieram representar o presidente Bolsonaro na entrega de mais de cem ônibus, que foram garantidos por emenda parlamentar coletiva do mandato passado. Nenhuma relação com a bancada atual nem atual governo. Uma cerimônia com muita  gente, estavam no mesmo palanque a Geovania de Sá, o Daniel Freitas e o governador Moisés.

O deputado Peninha disse em discurso que Santa Catarina mostrou sua lealdade ao Governo Bolsonaro, pois dos 16 deputados catarinenses, 15 votaram a favor da reforma. Por isso a bancada catarinense vai cobrar do presidente Bolsonaro a contrapartida. Haveria uma reunião antes da votação da reforma, deixaram para depois, o cacife aumentou, a bancada foi quase 100% fiel ao governo. Esse movimento é importante para o Estado.

O que nos fez preocupados foi quando o deputado, indo além na sua argumentação, listou as prioridades, o que vão tratar com o presidente: duplicaçao das BRs 163, 282 e 470. Para o sul, nada. O sul fora da lista, ao menos pelo porta voz da bancada federal. Não tem a Serra do Faxinal, que é estadual mas só sai com dinheiro federal ou recurso externo. Não está ali a BR-285, não estão ali as obras necessárias para concluir a duplicação da BR-101, trecho sul. É preciso que os deputados do sul sejam chamados para falar disso. As questões do sul devem ser colocadas na lista de prioridades. É a região que mais precisa de incentivo e estímulo, para reposicionamento.

Nós aqui no sul estamos, sem qualquer orgulho, na região mais pobre de Santa Catarina, com piores índices. Para fazer a virada de mesa tem que ter ação direta do Governo para estímulo e retomada do crescimento. Tem que incluir o sul, ele tem que estar na dianteira de todas as prioridades.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 12/07/2019 - 18:44Atualizado em 12/07/2019 - 19:21

Arlindo Rocha saiu do PSDB por causa do voto da deputada Geovania de Sá. O prefeito de Maracajá protocolou o pedido de desfiliação nesta sexta-feira, 12. O prefeito nos disse que vai vencer o mandato, sonha com a possibilidade de disputar a eleição para deputado, ontem chegou a aventar a possibilidade de aguardar até setembro sobre a possibilidade de transferir domicílio para Criciúma, mas ele tem boa relação com Clésio Salvaro e só viria se Clésio não fosse candidato ano que vem. Arlindo descarta essa possibilidade, cumpre o mandato em Maracajá e quem sabe disputa eleição para deputado.

Hoje ele teve conversa longa com o sindicalista Itaci de Sá e com a deputada Geovania. Falou também com a direção do Sindicato dos Ceramistas, e agora a vida segue.

PP e PSL

No PP, o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, reúne os correligionários neste sábado. A partir do apelo do senador Amin, do presidente estadual Silvio Dreveck, recebeu ligações do estado inteiro, até o prefeito de Criciúma ligou, e ele vai anunciar que fica no PP.

Enquanto isso, o PSL fará reunião na segunda à noite, governador Moisés, deputados estaduais e federais também, para definir critérios em busca de novas filiações. Há uma divisão no PSL. Um grupo defende a busca de reforços com novos filiados, sejam políticos com mandatos, como era o caso de Ponticelli, ou trazer apenas lideranças novas. Há dois grupos com essas teses e asse assunto será tratado na reunião de segunda-feira.

De Brasília

O deputado federal Daniel Freitas (PSL-SC) nos adiantou faz poucos minutos e a votação do segundo turno da reforma da Previdência ficará para 6 de agosto. Nesta sexta encerram as discussões e votação dos destaques da votação do primeiro turno. É uma estratégia do governo deixar para agosto o segundo tempo pois amanhã pode não haver quórum.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/07/2019 - 20:58

O governador Carlos Moisés encaminhou a filiação do empresário Luciano Menezes ao PSL. Ele entra como candidato a prefeito em Tubarão para o ano que vem. Fato novo. Luciano me disse que vai sentar com o deputado Daniel Freitas para definir estratégias. Ele passa a ser o candidato do governador. Com isso o PSL dá uma pedalada no prefeito Joares Ponticelli, com quem havia conversado. O secretário da Casa Civil, Douglas Borba, havia feito o convite, e Ponticelli estava convencido a ir para o PSL, e em clima de despedida. 

Em Brasília, Ponticelli conversou com o senador Esperidião Amin dando as razões para a sua saída, Amin fez um apelo para ele ficar no PP. Estava em clima de saída, agora deve dar um breque.

O deputado José Milton Scheffer, principal líder do PP no sul, reuniu-se nesta tarde com Ponticelli, fez um apelo para ele ficar, e essa situação do Luciano Menezes mais os apelos, o prefeito deve ficar onde está, cancelar essa troca de partido. Scheffer faz operação dentro do PP para que nenhum prefeito saia, embora vários estejam no radar do PSL.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/07/2019 - 18:52Atualizado em 11/07/2019 - 18:55

Já havíamos antecipado aqui e no Tribuna de Notícias que o voto da deputada federal Geovania de Sá seria favorável à reforma da Previdência. Deduzimos isso pelas circunstâncias. Claro que ela tinha vínculos aqui na região, e compromissos também, mas ela tem circunstâncias em Brasília que deixavam muito difícil a posição dela se não votasse sim. A relação dela com o governador João Dória, com o relator da reforma que é do seu partido, ficaria em situação complicada com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que é seu amigo. Ele tem aberto muito espaço para ela.

Geovania também tinha críticas a pontos importantes da reforma. Tentou a aposentadoria especial de mineiros e ceramistas, não conseguiu. E só anunciou o voto na hora de votar. Ela terminou a entrevista a pouco na Som Maior mandando um abraço e um beijo para o seu pai. Aliado político, coordenador de campanha, foi com ela para as portas de fábricas pedir voto. Envolveu lideranças sindicais por ela. Itaci de Sá é um ícone que fica em situação delicada com o movimento sindical, mas pai é pai. Não deixará de ser pai da Geovania. Pode ficar politicamente chateado e divergindo, mas pai continuará sendo.

Aliados, companheiros podem deixar de ser, como o prefeito de Maracajá. Arlindo Rocha garantiu que está fora do PSDB, encaminha sua desfiliação nesta sexta-feira. Ele contou que teve conversas com Geovania por telefone, algumas conversas duras, pois o movimento sindical abraçou a candidatura dela, e ele entende que ela não poderia ter deixado o pai em situação delicada. Não tem novo partido definido até porque o motivo da saída não é por outra agremiação mas o voto da deputada Geovania.

Falei com a deputada pouco antes da entrevista dela na Som Maior, ela disse que não sabia da decisão do prefeito, e comentou que nada tem a declarar. Claro que isso mexe com a Geovania, pela relação pessoal dela com o Arlindo. Ele foi amigo pessoal, começou jovem  no Sindicato dos Ceramistas ao lado de Itaci de Sá, quase um filho adotivo dele. Desdobramento da reforma leva o prefeito de Maracajá a deixar o PSDB.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/07/2019 - 16:18Atualizado em 10/07/2019 - 16:22

Os prefeitos jogaram a toalha. Estados e municípios não entram agora na reforma da Previdência. O prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, presidente da Fecam, nos disse que agora o caminho é o Senado. Cerca de 500 prefeitos de todo o Brasil estão em Brasília, e Ponticelli afirma que a maioria dos senadores acham se tratar de um equívoco votar a reforma sem incluir estados e municípios. Ponticelli adianta que no Senado já há o compromisso de incluir uma emenda para fazer a inclusão.

Confira a conversa com o prefeito Ponticelli no podcast:

(Colaboração: Denis Luciano)

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/07/2019 - 18:39Atualizado em 09/07/2019 - 18:45

Prefeitura de Nova Veneza dará mesmo encaminhamento que a de Criciúma, no sentido de reaver recursos pagos para uma empresa de Tubarão para compensação de INSS que teria sido pago a mais. A tal empresa se comprometeu a conseguir a compensação, no caso de Nova Veneza algo em torno de R$ 3 milhões, com isso a empresa teria 20% de comissão do valor compensado. Mas a comissão foi paga antes de encerrada a operação, e depois a Receita Federal negou a transação. No caso de Nova Veneza, comissão em torno de R$ 500 mil à época, no fim do governo passado. Em Criciúma, muito mais.

O prefeito Rogério Frigo disse que vai ajuizar ação até por exigência do Ministério Público, que cobrou postura do ordenador primário, pois não foi feita a compensação mas foi paga a comissão. Frigo já acionou a assessoria jurídica.

O voto de Geovania

Há muita expectativa sobre o voto da deputada Geovania de Sá na reforma da Previdência. Ela ainda não abriu formalmente o voto, mas é certo, ela vai votar a favor, deve fazer um voto crítico, principalmente em pontos que não quebram privilégios. Geovania vai seguir a orientação partidária, sob pena até de ser punida se não votar. Ela deve anunciar isso até amanhã. Já eram certos os votos de Daniel Freitas e Ricardo Guidi. Os três do sul votarão a favor da reforma.

A condenação no TJ

Saiu decisão do TJ condenando o ex-secretário da Fazenda, Miguel Mastella, e o ex-pró-reitor da Unesc, Dourival Giassi, já exonerado da Unesc, os dois condenados por desvios de recursos do município. Isso foi desvendado por uma CPI feita na Câmara. Mastella era secretário municipal e Dourival era o pró-reitor de questões financeiras. O desvio consolidado em operação entre os dois. A CPI fez sua conclusão, o MP ofereceu denúncia, o juiz deu sentença e os dois estão condenados a devolver R$ 1 milhão.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/07/2019 - 19:14Atualizado em 08/07/2019 - 19:18

Vai ter licitação esse ano para o transporte coletivo. Quem está operando o sistema opera desde o fim dos anos 70. É muito tempo. Tem que trazer novas alternativas para a cidade. Isso é salutar para Criciúma e deve trazer benefícios para o usuário. A principal informação da entrevista coletiva do prefeito Clésio Salvaro na manhã desta segunda-feira foi esta, o anúncio da licitação que sai esse ano ainda, entre outubro e novembro.

Pode ser a mesma empresa, podem ser outras empresas, outros consórcios, outras alternativas, enfim, a disputa sempre leva à qualificação.

Transporte coletivo não tem só em Criciúma, mas em Criciúma ele está em crise, o modelo tem que ser revisto, remodelado, tem que ser inovado, trazer tecnologia nova. A licitação anunciada é salutar para o sistema, para a cidade.

Conversei com o prefeito Salvaro faz pouco, uma série de licitações serão feitas para aumentar a competitividade da cidade. A tarifa de ônibus é a mais barata do estado. Há outras questões interessantes nessa briga dele com a Casan. Ele disse que não quer tirar a Casan, quer é baixar a tarifa. Tarifa mais barata de água e esgoto faz a cidade mais competitiva, transporte coletivo, idem. Há outras licitações sendo encaminhadas, deve envolver energia e outras questões importantes. É bom para a cidade que esse tipo de movimento esteja ocorrendo. Vai fazer a cidade melhor para quem vive aqui e mais atraente para quem pode vir para cá.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/07/2019 - 17:33Atualizado em 08/07/2019 - 17:37

O vereador Ademir Honorato, MDB, relator da CPI do CriciumaPrev, acaba de pedir licença de suas atividades na Câmara de Vereadores de Criciúma.

Ademir comunicou licença por 10 dias, sem remuneração.

Vai retomar atividades antes de encerrado o prazo para conclusão da CPI.

Mas, o pedido de licença surpreendeu.

Daqui a pouco, mais detalhes sobre o assunto.

 

 

  

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/07/2019 - 17:15

O ex-prefeito Márcio Búrigo (PP) reagiu à informação de ação judicial que está sendo montada pela procuradoria do município para cobrar os R$ 7 milhões que foram pagos no seu mandato para uma empresa de Tubarão, por serviço não consumado. Márcio diz que o contrato com a empresa de Tubarão foi assinado pelo prefeito Salvaro, no primeiro mandato, em 2012, e que apenas deu sequência porque o município precisava de "negativas de débito". Acrescentou que o valor pago foi "remuneração pelo trabalho" e que o contrato é "absolutamente legítimo e legal".

Pelo que está dito no Paço, o problema não está na assinatura do contrato. Mas no pagamento da comissão. O contrato previa pagamento de 20% do valor total pago ao INSS que fosse compensado. O processo foi feito para compensação de R$ 35 milhões. Só que a operação não foi aprovada. No final, o município pagou os R$ 7 milhões de comissão e mais os R$ 35 milhões que seriam compensados.

A procuradora do município, advogada Ana Cristina Youssef, e o prefeito Clésio Salvaro vão se reunir na segunda-feira pela manhã para definir o ajuizamento da questão.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/07/2019 - 13:32

A deputada Geovania de Sá (PSDB) é cada vez mais pressionada por onde passa porque ainda não deixou claro como vai votar na Reforma da Previdência. Os outros deputados do sul já escancararam. Daniel Freitas (PSL) e Ricardo Guidi (PSD) vão votar a favor. Geovania estudou o projeto a fundo. Poucos deputados sabem mais que ela sobre o assunto. Ela montou quadros comparativos com a sua assessoria e fez projeções e cálculos. Quando é instada a falar a respeito, faz críticas pontuais ao projeto. Sustenta, por exemplo, que nem todos os privilégios serão eliminados. E aponta onde (e para quais categorias) foi mantido tratamento privilegiado. Diz que os trabalhadores da iniciativa privada devem diminuir os ganhos. Mas garante que ainda não definiu como vai votar. É do conhecimento público a situação que a deputada tem na família. O seu pai, Itaci de Sá, é sindicalista, o principal da região e com mais tempo de comando de sindicato. Além disso, é cabo eleitoral, coordenador de campanha e conselheiro político da deputada. Itaci é contra a reforma, e faz campanha contra. Como a deputada ainda não abriu o voto, Itaci está sendo questionado no movimento sindical. Mas o partido de Geovania fechou questão a favor da reforma. Operação pilotada pelo governador João Dória, o novo comandante do partido e provável candidato a presidência em 2022. No processo político, fechamento de questão é mais ou menos como "ordem unida". Todos têm que seguir. Deputado que não cumprir pode ser punido. É de lei. Ademais, ignorar ou desrespeitar Dória neste momento pode representar ameaça séria ao projeto político de quem está no PSDB. Por tudo isso, Geovania deve esticar a corda enquanto for possível. Valorizar ao máximo a sua posição. Mas, no final, seguir o caminho definido pelo partido. Talvez até fazendo um voto crítico. Mas a favor.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 05/07/2019 - 18:59Atualizado em 05/07/2019 - 19:08

Duas decisões do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-SC) movimentam a região no fim da tarde desta sexta-feira, 5. Para Treviso, o TJ determinou o afastamento da secretária de Administração, Nelísia Uggioni de Azevedo, que é também servidora pública municipal. Nelísia foi condenada por improbidade, fraude e direcionamento em licitação na modalidade de carta-convite. A obra em questão era a reforma do ginásio de esportes. A atual secretária presidia a comissão de licitação do município. Agora, cabe ao prefeito Jaimir Comin (PP) o cumprimento da decisão.

Outro caso envolve Criciúma. Em ação movida pelo Ministério Público (MP-SC) denunciando desvio de recursos do estacionamento rotativo da Festa das Etnias em 2013, o juiz deu sentença confirmando a improbidade administrativa. Os motoristas contaram que pagavam o estacionamento e o responsável colocava o dinheiro no próprio bolso. Os recursos não entraram no caixa da ASTC nem houve prestação de contas. No entendimento do magistrado da causa, o responsável pelo desvio deve pagar multa e ressarcir ao erário o dinheiro desviado.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 04/07/2019 - 18:36Atualizado em 04/07/2019 - 19:33

O Paço Municipal vai encaminhar medidas jurídicas para tentar reaver R$ 7 milhões pagos indevidamente, no governo Márcio Búrigo, a uma empresa de Tubarão. Essa operação envolve Cris Esmeraldino, irmão do secretário de Estado Lucas Esmeraldino, envolvidos em denúncias de ilicitudes em operações com o poder público.

Neste caso, Cris apresentou ao prefeito Márcio, quando ele estava no exercício do mandato em Criciúma, proposta de negociações com a Receita Federal para compensação do INSS, de tributos no valor pago de INSS pelo Criciumaprev, e recebeu comissão para isso. Ele encaminhou as guias e recebeu essa comissão de R$ 7 milhões, mas essa operação não foi reconhecida pela Receita Federal. A prefeitura não teve o ganho, ficou no prejuízo e pagou antecipados esses R$ 7 milhões.

O Ministério Público questionou o prefeito Salvaro, por isso ele acionou sua assessoria jurídica, vai encaminhar medidas para tentar reaver esses valores. A ação deve ser contra a empresa de Tubarão que recebeu os valores. Se ela não pagar, a ação pode ter como alvos Márcio Búrigo e o então secretário da Fazenda municipal, Cloir Da Soler.

Um caso típico e flagrante para motivar uma nova CPI na Câmara em Criciúma.

 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13