Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
João Nassif
Por João Nassif 05/09/2018 - 16:20

Com 25 rodadas completadas o perde-ganha continua na série B, principalmente na parte de baixo da classificação com os postulantes ao descenso alternando posições e deixando o quadro indefinido.

Tudo bem que podemos dar como certa a queda do Boa e do Sampaio Correa, ambos com 21 pontos e distantes oito pontos do paraíso do 16º lugar, última posição para escapar da degola. No mínimo sete equipes, pela posição atual deverão preencher as outras duas vagas rumo à série C.

Juventude com 28 e Paysandu com 26 são hoje integrantes do Z-4. Acima CRB e Brasil, pelos critérios têm a mesma pontuação do Juventude. Criciúma com 29, Londrina com 30 e São Bento com 31 em 12º completam o bloco que deverão continuar até o final na luta para escapar.

Apesar da oscilação vejo o Criciúma com poderio maior que estes adversários. Não que seja muito melhor, mas com um projeto de jogo mais consistente que tem podido resolver alguns jogos com mais eficiência, principalmente contra estes adversários diretos na classificação.

Ainda está fresco na memória o jogo de ontem em Caxias, contra um Juventude pressionado, que demitiu treinador e a oito jogos sem vencer. O time gaúcho foi uma caricatura, sem qualidade individual e de conjunto, errando passes em demasia, permitiu sem reação o domínio do Criciúma durante 90 por cento do jogo indo parar pela primeira vez na zona de rebaixamento de onde não sairá tão cedo.

O Criciúma foi cirúrgico em sua proposta de fechar o setor defensivo apostando sempre na bola parada que tem resolvido muitos jogos e conseguindo pontos cruciais para avançar na classificação.

Só para efeito comparativo, na edição passada da série B, após 25 rodadas os dois primeiros do Z-4, Figueirense e Luverdense tinham os mesmos 28 pontos e somente o Figueirense sobreviveu. O Santa Cruz que também estava com 28 pontos foi rebaixado, além do dois caíram Náutico e ABC. Em 2017 escapou quem conseguiu 44 pontos.

O Criciúma no ano passado tinha 37 pontos depois da rodada 25. Terminou o campeonato com 48 pontos na 13ª posição. 
 

João Nassif
Por João Nassif 04/09/2018 - 18:13

Hoje me veio à cabeça a Copa América de 1979. Podem perguntar o que tem a ver a competição de quase 40 anos atrás?

Lembrei por ter sido a primeira vez que pude acompanhar pelo rádio um jogo oficial da seleção brasileira. Sim, pela Copa América de 1979 o Brasil foi jogar no Paraguai com partida valendo pelas semifinais do torneio.

Na primeira fase a seleção ainda comandada pelo Cap. Cláudio Coutinho ainda sofria a frustração de um terceiro lugar na Copa de 1978, enfrentou em sua chave Bolívia e Argentina.

Com uma vitória e uma derrota para os bolivianos e uma vitória e um empate contra a Argentina o Brasil terminou em primeiro lugar credenciando-se para enfrentar os paraguaios na fase semifinal.

Paraguai campeão da Copa América-1979

O primeiro jogo, este que veio à lembrança foi disputado no Defensores del Chaco, tradicional estádio em Assunção e os donos da casa venceram por 2x1. Lembro que o atacante Palhinha cria do Cruzeiro de Minas que em 1979 jogava pelo Corinthians fez o gol brasileiro.

No jogo da volta no Maracanã as seleções empataram em 2x2 e o Brasil foi desclassificado por um Paraguai que se tornaria campeão da Copa América vencendo na decisão do título o Chile em três confrontos. O primeiro foi em Assunção e os paraguaios venceram por 3x0. Em Santiago o Chile venceu por 1x0 e no jogo final em Buenos Aires houve empate em 0x0 e o título ficou com o Paraguai que na diferença de gols nos dois primeiros jogos teve a vantagem na decisão.

Mas, aquele jogo no Defensores del Chaco que marcou minha estreia internacional na Rádio Gaúcha e seleção brasileira jogou com: Leão (Vasco) , Toninho (Flamengo), Amaral (Corinthians), Edinho (Fluminense) e Pedrinho (Palmeiras); Chicão (São Paulo). Falcão (Internacional), Jair (Internacional) Palhinha; Tarciso (Grêmio), Sócrates (Corinthians) e Eder (Grêmio) Zé Sérgio (São Paulo).

João Nassif
Por João Nassif 03/09/2018 - 22:37

Thiago Ávila *

Quem não comemorou quando Alonso bateu Schumacher em 2005 com a sua Renault, ou quando o próprio Schumi venceu, ainda de Benetton, a poderosas Williams, ou Nelson Piquet, que impressionou o mundo com sua genialidade de mecânica colocando a pequena Brabham a brigar por vitórias contra outras equipes de ponta. Enfim, domínios e hegemonias existem, mas servem para serem quebrados, pela alma do esporte.

Desde o início da era dos motores híbridos, em 2014, a Mercedes é quem manda na categoria e ninguém sequer chegou perto de quebrar a supremacia. Até o ano passado, quando a Ferrari parecia no primeiro semestre ter um carro que batia de frente, mas que ainda não conseguia tirar as poles de Hamilton.

Esse ano a situação é diferente e parece que pela primeira vez nessa era vemos uma situação de incerteza. Até a entrada das férias, a disputa era apertada, com Vettel e Hamilton dividindo poles e vitórias. A Ferrari, por sua vez, voltou melhor para a metade final do campeonato e depois de vencer o GP da Bélgica, dominou as sessões de treinos desse fim de semana em Monza, e até conseguiu colocar Kimi Raikkonen na pole! Mas se de um lado temos uma Ferrari com um ótimo carro, do outro temos Lewis Hamilton, que de forma ou outra é ainda o maior nome da atualidade.

O GP da Itália foi um dos mais interessantes dessa temporada. Vettel tocado logo na largada, Hamilton colado em Raikkonen o tempo todo, estratégia inteligente da Mercedes, com uma pitada de jogo de equipe, e para finalizar uma vitória de gala do britânico. Talvez a melhor corrida de Lewis na temporada, que vem prova a prova esquecendo os maus resultados do início do ano e trocando as vitórias “na sorte” por “na raça”.

Se na Bélgica, Vettel tirou a vitória de Hamilton, agora o inglês deu o troco.

Faltam sete corridas para o fim do campeonato, e mesmo com a estrondosa vantagem de 30 pontos de Lewis para Seb, a disputa continua em aberto. E não é apenas por motivos matemáticos, senão também pelo carro superior nas mãos do alemão. Como lembrado anteriormente, hegemonias são feitas para serem quebradas e, sim, poderemos ver a Ferrari dar esse gosto de esperança a categoria.

Porém, além de tudo há uma rivalidade e continuamos vendo um duelo interessantíssimo pelo pentacampeonato. Hamilton não vai deixar barato. Quem vence: O melhor carro ou o maior nome da atualidade?

* Thiago Ávila-Estudante de jornalismo da PUCRS

João Nassif
Por João Nassif 03/09/2018 - 18:35

Na coletiva após o jogo contra o Guarani, último disputado até agora o técnico Mazola Júnior sinalizou que com mais duas rodadas escalaria o time que ele entende como ideal para escapar em definitivo do rebaixamento na reta final da série B. 

O Criciúma não venceu nos últimos cinco jogos, somou apenas três pontos e caiu duas posições depois que saiu do Z-4. Esta queda e a não entrada na zona fatal deve-se muito mais a fragilidade do Brasil de Pelotas e Paysandu que não conseguem vencer jogando em suas casas.

Vamos voltar ao começo do texto. Pelo que está sinalizado o time amanhã em Caxias sofrerá mudanças e se confirmado aquilo que foi trabalho nesta semana sem jogos certamente será o ideal pelas palavras do próprio treinador. Frisa com insistência a importância de colocar em campo jogadores que encarnam o espirito da série B, experientes e cascudos para alcançar os resultados.

A volta do goleiro Luís, a confirmação de Sandro na zaga, Liel retornando à posição de origem e o recém contratado Ronaldo compondo o meio de campo. Somente dois atletas formados no clube são titulares indiscutíveis, Nino e Eduardo pelo bom campeonato que realizam. Completando o time os dois laterais Suéliton e Marlon, Elvis com mais uma chance e no ataque Zé Carlos e Vitor Feijão.

Sandro e Elvis titulares em Caxias do Sul (Foto: Engeplus)

A escalação de Zé Carlos, suspenso outro dia por quatro jogos, só é possível pelo efeito suspensivo, uma das aberrações do futebol brasileiro. 

O time no papel tem casca grossa, deve ser o melhor idealizado pelo técnico com as opções à sua disposição e a empreitada é difícil, mas com boas possiblidades, pois repito os outros na ponta de baixo da tabela são piores ou na melhor das hipóteses iguais ao Criciúma.

Vamos conferir o comportamento nesta terça-feira em Caxias contra um Juventude de técnico novo, Luiz Carlos Winck, que apesar de dois pontos a mais também vê com preocupação a proximidade da zona do rebaixamento. 
 

João Nassif
Por João Nassif 03/09/2018 - 17:06Atualizado em 03/09/2018 - 17:24

Em 1992 editei a revista HISTÓRIA DO CRICIÚMA com a trajetória do único time catarinense a vencer uma Copa do Brasil e o primeiro que disputou a Taça Libertadores da América.

Numa das matérias, o jogo pela competição sul-americana contra o San José da Bolívia, cujo textos dizia o seguinte:

“Pela primeira vez em sua história o Criciúma jogava uma partida oficial no exterior. Pior, na Bolívia a 2.000 metros de altitude. O adversário: o San José de Oruru, vice-campeão boliviano.

Criciúma na Libertadores em 1992

Não eram poucos os que acreditavam que o Criciúma tremeria na base ao enfrentar o compromisso. Qual nada. Suportou altitude, torcida adversaria e ainda venceu o jogo. Está certo que o time não fez uma grande partida, mas o suficiente para vencer.  

O primeiro gol foi marcado por Gelson cobrando pênalti sofrido por Jairo Lenzi. Mas, quase não deu tempo para comemorar, logo em seguida o San José empatou também de pênalti.

Mas, no finalzinho o Criciúma mostrou que não estava para brincadeiras. Roberto Cavalo fez um lançamento primoroso para Jairo Lenzi que arrancou pela esquerda e fez um golaço.

Estava começando a nascer a principal estrela do Criciúma em sua história que, por diversas vezes esteve cotado para servir a seleção brasileira ainda quando vestia a camisa do Tigre”.

Este texto foi escrito por Ismail Ahmad Ismail.

O técnico Levir Culpi mandou a campo este time: Alexandre, Jairo Santos, Vilmar, Wilson e Itá; Roberto Cavalo, Gelson e Grizzo; Vanderlei (Adilson Gomes), Zé Roberto (Paulo da Pinta) e Jairo Lenzi.

João Nassif
Por João Nassif 02/09/2018 - 20:52Atualizado em 02/09/2018 - 23:05

Vocês já sabem que os livros que contam a trajetória de jogos do Metropol estão em meu poder cedidos que foram pelo Divino Antônio da Silva.

Nestes livros estão registradas todas as fichas técnicas das partidas realizadas pelo time profissional idealizado por Dite Freitas e escritas por um autor não identificado. 

Muitas dessas fichas não trazem a escalação do adversário do Metropol, mas muitas são acompanhadas de comentários sobre os jogos numa visão própria de torcedor que sempre exalta com paixão as vitórias e quase sempre culpa a arbitragem pelos tropeços naturais que o futebol proporciona.

Um dos times do Comerciário nos anos 1960

Hoje vou reproduzir a ficha da primeira partida do Metropol profissional contra seu maior adversário, o Comerciário, mas infelizmente sem a crônica sobre o que foi o jogo vencido pelo time da região Mineira.

O palco do confronto foi o Heriberto Hülse no dia 23 de outubro de 1960 valendo pelo campeonato catarinense com renda de Cr$ 23.000,00.

O árbitro foi Afonso Câmara Ávila auxiliado por Adamastor Martins da Rocha e Abílio Zoile Thomé.

Escalação do Metropol: Dorni, Zezinho, Tenente (Flázio) e Walter; Sabiá e Bolognini; Márcio, Chagas, Almerindo, Pedrinho e Santinho.

Não foi registrada a escalação do Comerciário.

O Metropol venceu por 2x1 com gols de Pedrinho e Chagas. Waldir fez o gol do Comerciário.

Este foi o primeiro confronto entre as duas equipes começando uma rivalidade que durou até quase o final dos anos 1960, quando encerraram as atividades. 

O Comerciário retornou em 1976 e o Metropol ficou apenas na lembrança de quem pode acompanhar sua trajetória vitoriosa pelos gramados do estado, país e também pelo exterior.

João Nassif
Por João Nassif 01/09/2018 - 19:47Atualizado em 02/09/2018 - 23:06

Alguns podem não entender bem o significado do Almanaque da Bola quando falo de esportes que não têm a bola como referência. Quero repetir que este é um espaço destinado ao esporte em todas suas modalidades e mesmo a bola não estando presente é sempre a referência que nos remete à prática esportiva. Me fiz entender?

Assim no Almanaque da Bola de hoje vou falar de boxe, um esporte que já foi referência no Brasil.

Acabou de ser lançado no Festival de Cinema de Gramado no Rio Grande do Sul o filme “10 segundos para vencer” que conta a trajetória de Eder Jofre o maior peso-galo da história do boxe mundial.

Eder nasceu em São Paulo em 1936 numa família de boxeadores e seu pai um argentino, José Aristides Jofre, um ex-pugilista conhecido como Kid Jofre era dono de uma academia de boxe no Parque Peruche, zona leste da capital paulista. Foi aí que Eder recebeu os primeiros ensinamentos sobre a chamada “nobre arte” apesar de na adolescência sua preferência era pelo desenho arquitetônico.

Com o desabamento do teto do Liceu de Artes e Ofício Eder Jofre perdeu seu material didático e assim resolveu encarar o boxe como profissão.

Começou em 1953 como amador, disputou as Olimpíadas de 1956 em Melbourne e apesar de favorito, por erros da organização brasileira seus treinos foram com atletas bem maiores que resultou numa fratura do nariz impedindo que fosse campeão. Foi derrotado na segunda luta para o chileno Cláudio Barrientos que após se tornar profissional voltou a lutar contra Eder e foi derrubado oito vezes antes do K.O. final.   

Eder Jofre começou sua carreira profissional em 1957 na categoria peso-galo. No ano seguinte tornou-se campeão brasileiro. Em 1960 conquistou o título sul-americano e ainda em 1960 foi morar nos Estados Unidos e no mesmo ano conquistou o título mundial derrotando o mexicano Eloy Sanchez.

Um ano depois unificou o título da categoria peso-galo derrotando o irlandês Jhonny Caldweel, campeão europeu da categoria.

Eder conseguiu manter seu título até 1965 derrotando todos os desafiantes por nocaute, até ser derrotado por pontos pelo japonês “Fighting” Harada num resultado muito contestado. Em 1966 outra derrota para o japonês em outro resultado duvidoso, fazendo com que Eder Jofre abandonasse o boxe.

Surpreendentemente em 1970 Eder retornou aos ringues agora como “peso pena” uma categoria acima da que ele começou e em 1973 depois de 25 vitórias, sendo uma contra o gigante cubano José Legrá conquistou o título mundial do Conselho Mundial de Boxe;

Em 1974 seu pai, Kid Jofre faleceu e em 1976 devido ao falecimento de um irmão Eder Jofre aposentou-se do boxe profissional.

João Nassif
Por João Nassif 31/08/2018 - 19:27

Em julho de 1983 o Grêmio foi a La Plata enfrentar o Estudiantes pela Libertadores, uma partida decisiva que encaminharia o vencedor para a disputa final do torneio. O jogo terminou empatado e o Grêmio para se classificar ficou na dependência do América de Cali não ser derrotado pelo time argentino no último jogo da chave.

Era muito ruim a relação Brasil-Argentina, pois no final de junho alguns aviões ingleses que se dirigiam às Ilhas Falkland foram abastecidos em Canoas e Florianópolis reavivando os boatos que o Brasil deu apoio aos aviões britânicos durante a Guerra das Malvinas um ano antes.

Este conflito diplomático e a má reputação dos Estudiantes pelo anti-jogo que promovia em seus domínios criou um ambiente hostil para a delegação gremista, inclusive para jornalistas e torcedores que se deslocaram para o local da partida.

De acordo com o esperado o Grêmio foi recebido com extrema violência pelos torcedores e pelos próprios jogadores do Estudiantes que provocaram os gremistas ao extremo bem antes do jogo começar. O atacante argentino Trobbiani recebeu cartão amarelo antes do jogo começar.

Com a bola rolando dois jogadores argentinos foram expulsos, mas mesmo com nove jogadores o Estudiantes fez 1x0 aos 38 e aos 44 o meia Osvaldo empatou.

O atacante gremista Caio sofreu uma pancada violenta quando se dirigia ao vestiário e teve que ser substituído por César que marcou o segundo gol aos oito minutos e aos 18 Renato Gaúcho fez 3x1.

O Estudiantes teve mais dois expulsos e mesmo assim com apenas sete jogadores conseguiu empatar em 3x3 acalmando a fúria de todos no estádio em La Plata.

Diz a lenda que a pressão de todos os brasileiros no local do jogo, além da própria polícia obrigou o técnico Valdir Espinosa ordenar que seu time permitisse o empate. 

O jogo ficou conhecido como a “Batalha de La Plata”.

O América de Cali segurou o empate com o Estudiantes e este resultado classificou o Grêmio que se tornaria campeão da Libertadores de 1983 no confronto contra o Peñarol.
 

 

João Nassif
Por João Nassif 30/08/2018 - 19:50

O primeiro campeonato estadual do Rio Grande do Sul foi disputado em 1919 um depois da criação de Federação Rio-Grandense de Futebol.

Ainda na fase amadora o campeonato foi dividido por regiões e o Brasil de Pelotas foi o primeiro campeão. O Guarany de Bagé foi campeão em 1920 e o Grêmio de Porto Alegre se tornou bicampeão na sequência.

Primeiro campeão gaúcho da história

Em razão da Revolução de 1923 que colocou frente a frente Ximangos e Maragatos não houve campeonato estadual em 1923 e 1924.

Em 1925 o campeão foi o Grêmio Bagé e mesmo com a implantação do profissionalismo a partir de 1942 o campeonato continuou sendo disputado por regiões e vários times conquistaram o título. Mas, já era percebido o crescimento da dupla Gre-Nal.

De 1942 até 1960 quando terminou o campeonato por regiões e foi criada a Divisão Especial com clubes de todo estado, a dupla Gre-Nal ganhou 18 dos 19 títulos disputados. O Internacional ganhou 11 e o Grêmio sete, sendo que o intruso foi Sport Club Renner de Porto Alegre campeão em 1954.

A partir de 1961 a hegemonia dos dois times grandes de Porto Alegre ficou consolidada e até agora somente três equipes do interior conseguiram supera-los. 

Os dois primeiros foram equipes da cidade de Caxias do Sul, o Juventude em 1998 e a SER Caxias em 2000. 

O Juventude sob o comando do saudoso técnico Lori Sandri foi campeão invicto disputando a final com o Internacional. Venceu em Caxias por 3x1 e empatou em 0x0 no Beira Rio.

Já o Caxias treinado pelo Tite, hoje na seleção brasileira foi campeão no confronto contra o Grêmio. No primeiro jogo no Estádio Centenário vitória do Caxias por 3x0 e no jogo final 0x0 no Estádio Olímpico. Neste jogo Gilmar Dal Pozo, atualmente técnico de futebol, defendeu um pênalti batido por Ronaldinho Gaúcho.

E finalmente em 2017 o campeão foi o Novo Hamburgo treinado por Beto Campos, falecido recentemente, que passou no ano passado pelo Criciúma. Na decisão contra o Internacional o Novo Hamburgo empatou em 2x2 no Beira Rio e em 1x1 em casa. Na decisão por pênaltis o Novo Hamburgo venceu por 3x1.

No acumulado de títulos do campeonato gaúcho o Internacional conquistou 45 e o Grêmio 37.
 

João Nassif
Por João Nassif 29/08/2018 - 19:19

O primeiro campeonato sul-americano de clubes campeões foi disputado em 1948 e teve como sede Santiago, capital do Chile

Participaram sete equipes, todas campeãs em seu país no ano anterior: o chileno Colo Colo, o Emelec do Equador, o Litoral da Bolívia, o Municipal do Peru, o Nacional do Uruguai, o River Plate da Argentina e o Vasco da Gama do Brasil.

A pergunta: por que o Vasco se na época não havia qualquer campeonato brasileiro de clubes? A CBD promovia apenas o campeonato brasileiro de seleções estaduais e o Rio de Janeiro, então Distrito Federal havia sido campeão na última edição em 1946, por isso a entidade premiou o Vasco da Gama, campeão do estadual do Rio de Janeiro em 1947.

Em Santiago cada equipe disputou seis jogos, a competição foi em turno completo com todos jogando contra todos e no final o Vasco foi o campeão invicto com quatro vitórias e dois empates.

Vasco da Gama campeão no Chile em 1948

Venceu seus quatro primeiros jogos, 2x1 sobre o Litoral, 4x1 em cima do Nacional, 4x0 sobre o Municipal e derrotou o Emelec por 1x0.

Os empates aconteceram nas partidas finais. No penúltimo jogo o Vasco empatou em 1x1 com os donos da casa e finalmente o empate em 0x0 contra o River Plate no jogo que decidiu o título.

A Copa dos Campeões em Santiago foi a única disputada pela América do Sul. Somente em 1960 a Confederação Sul-Americana de Futebol implantou um novo torneio envolvendo os campeões de todas as 10 Federações filiadas. 

Foi criada a Copa Libertadores da América.

João Nassif
Por João Nassif 28/08/2018 - 18:27Atualizado em 29/08/2018 - 18:34

O futebol, esporte mais popular do planeta é como se fosse um intruso nas Olimpíadas que dão maior visibilidade a outras modalidades o que fica claro quando se vê a história do futebol nos Jogos Olímpicos.

Esta relação conflituosa torna praticamente impossível que as grandes potências mundiais consigam a tão cobiçada medalha de ouro. São poucas seleções de alto nível que alcançaram em Olímpiadas o lugar mais alto do pódio. 

Na Era Moderna apenas a França em Los Angeles em 1984, a Espanha quando foi anfitriã em Barcelona em 1992, a Argentina em 2004 em Atenas e o bi em 2008 em Pequim e o Brasil em casa em 2014 conquistaram a medalha de ouro.

Os conflitos ainda persistem e têm origem nos primórdios dos ciclos olímpicos O Barão de Coubertin, criador dos Jogos Olímpicos era defensor ardoroso do amadorismo, por isso o futebol foi admitido na segunda edição dos Jogos em 1900. Até 1928 o torneio olímpico de futebol era a principal competição internacional de seleções.

Com a implantação da Copa do Mundo em 1930 começou o profissionalismo no futebol e a FIFA a partir de 1936 admitiu às seleções olímpicas relacionar seus melhores atletas desde que fossem amadores. 

Esta restrição permitiu que os países socialistas do Leste Europeu mandassem para os Jogos seus principais jogadores, pois eram oficialmente militares, portanto amadores. Os países ocidentais eram obrigados a mandar jogadores amadores ou das categorias de base.

Hungria potência do futebol olímpico nos anos 1950

Em função deste impedimento a supremacia dos países socialistas ficou evidente com Hungria sendo campeã olímpica três vezes, a União Soviética vencendo duas vezes e Iugoslávia, Polônia, Alemanha Oriental e Tchecoslováquia conquistando uma medalha de ouro.

Com a dissolução da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) em 1991 chegou ao fim a supremacia no futebol olímpico dos países socialistas.

Mesmo que ainda haja restrições na montagem dos times olímpicos de futebol, Nigéria, Camarões, Espanha, Argentina duas vezes, México e Brasil já conseguiram a cobiçada medalha de ouro.  
 

João Nassif
Por João Nassif 28/08/2018 - 09:23

Imaginem a série B em 2019 com 17 times dos três estados do sul do país e vou incluir o estado de São Paulo para criar uma competição de pouquíssimos deslocamentos das equipes concorrentes.

São Paulo incluso

Vamos começar a viagem.

Pela posição da classificação de momento da série A, estão na zona de rebaixamento a Chapecoense, o Sport, o Ceará e o Paraná, portanto dois times da região sul. Imaginem que o Sport consiga escapar e o Atlético-PR que já frequentou a série B seja rebaixado, portanto são três times da região sul que cairão para a série B em 2019. 

Na zona de acesso da série B estão colocados neste momento Fortaleza, CSA, Avaí e Atlético-GO. Vamos supor que o Avaí não consiga ficar entre os quatro no final e quem sobe é, por exemplo, o Goiás.

Na zona de rebaixamento da série B estão o Brasil de Pelotas, o São Bento, o Sampaio Correa e o Boa de Minas Gerais. Para incrementar nossa viagem Brasil e São Bento escapam e são rebaixados CRB e Paysandu, dois times que já frequentaram a série C.

Quer dizer, nenhum time dos estados em questão que já está na série B subirá de divisão ou será rebaixado. 

Definidos os que disputaram e conseguiram o acesso na série C, confirmamos dois times de São Paulo, Botafogo e Bragantino, um do Paraná o Operário de Ponta Grossa e o Cuiabá do Mato Grosso.

Nossa viagem pode terminar com uma incrível coincidência sobre 17 dos 20 clubes que irão jogar a série B em 2019. Querem ver?

Do Rio Grande do Sul, Brasil de Pelotas e Juventude.

De Santa Catarina, Chapecoense, Avaí, Figueirense e Criciúma.

Do Paraná, Atlético, Paraná, Coritiba Londrina e Operário.

E de São Paulo, Guarani, Ponte Preta, Oeste, São Bento, Botafogo e Bragantino.

Seriam somente três times fora deste eixo, Vila Nova-GO que permanece na B, Ceará rebaixado e Cuiabá.

Que viagem, hem? 
 

João Nassif
Por João Nassif 27/08/2018 - 16:25

No Almanaque da Bola de sexta-feira contei a história da decisão do campeonato carioca de 1958 que terminou com um super supercampeonato entre Vasco da Gama, Flamengo e Botafogo que acabou somente em janeiro de 1959 com o time de São Januário supercampeão.

Não é que um ano depois no campeonato paulista também foi necessário um supercampeonato para que o campeão fosse conhecido?

Com a participação de 20 clubes a competição terminou com Palmeiras e Santos dividindo a primeira colocação. Disputado em turno e returno, depois de 38 jogos ambos terminaram com 63 pontos. O Palmeiras com 29 vitórias e cinco empates, além de quatro derrotas, e o Santos com 30 vitórias, três empates e cinco derrotas. Naquela época cada vitória valia dois pontos.

Palmeiras super campeão de 1959

Impressionou a quantidade de gols marcados por cada um dos times finalistas ao longo do campeonato. O Santos de Pelé alcançou a incrível marca de 155 gols nos 38 jogos, média de mais de 4 gols por jogo e o Palmeiras marcou 112.

O campeonato foi decidido em janeiro de 1960 e houve necessidade de um terceiro jogo, pois houve empate nos dois primeiros.

A primeira partida terminou em 1x1 no dia 05 de janeiro. O segundo jogo terminou em 2x2 no dia 07. Finalmente a partida que definiu o campeão foi jogada no dia 10 e o Palmeiras venceu por 2x1 de virada. Todos os jogos foram realizados no Estádio do Pacaembu 

Pelé marcou o gol santista aos 14 minutos do primeiro tempo. Julinho Botelho empatou aos 43 e aos 03 minutos do segundo tempo Romeiro de falta sacramentou o título palmeirense.

Este título interrompeu um possível penta campeonato do Santos de Pelé que havia sido campeão em 1958 e se tornaria tri em 1960, 1961 e 1962.
 

João Nassif
Por João Nassif 27/08/2018 - 09:29

O rendimento do Criciúma sob o comando do Mazola Júnior despencou com os quatro últimos resultados, justamente nos quatro primeiros jogos do returno da série B.

Quando terminou o primeiro turno o rendimento do Criciúma com o técnico era perto dos 55% o que permitia ao Mazola justificar a então 14ª posição pelas cinco derrotas iniciais quando o técnico era o Argel.

Depois dos quatro primeiros jogos do returno contra os mesmos adversários que derrotaram o Criciúma lá no início, apenas dois empates não tiraram o time do 14º lugar, mas o rendimento do técnico despencou para 46%, percentual para meio de tabela.

Ainda assim é um rendimento que mostra o bom trabalho do treinador pelo material humano que tem em mãos. Não pode fazer melhor. Depois de escapar da zona do rebaixamento na 18ª rodada ao vencer o Vila Nova em casa com aquele gol do Liel que levou a torcida ao delírio, o Criciúma ainda venceu o Sampaio Correa lá no Maranhão e depois não conseguiu mais alguma vitória que poderia lhe dar fôlego e principalmente tranquilidade em relação à zona do rebaixamento.

Com os atuais 25 pontos, mesmo na 14ª posição o risco é eminente, pois é a mesma pontuação do Brasil e São Bento, dois que estão no rebaixamento.

Amanhã o Criciúma completa o ciclo dos cinco primeiros jogos no returno, replay do início do campeonato. Se lá atrás foram cinco derrotas agora são apenas dois empates em quatro partidas e a vitória contra o Guarani, quinto adversário no returno, é fundamental para subir na classificação e principalmente para que o Mazola Júnior possa melhorar seu rendimento e alcançar o meio da tabela, objetivo do clube no campeonato.

Em meio a tudo isso, chama atenção a omissão da direção do clube que faz tempo não se manifesta sobre a campanha e não dá a mínima satisfação aos torcedores preocupados cada vez mais com a possibilidade de um eventual rebaixamento. 
 

João Nassif
Por João Nassif 27/08/2018 - 09:15

Thiago Ávila *

Stroll na Force India? Sainz na McLaren? Leclerc na Ferrari? Parem! As férias mais movimentadas dos últimos tempos se acabaram e as especulações de transferências voltam a dar lugar ao principal, a essência da F1: as corridas.

Chegamos em Spa-Francorchamps, o circuito mais extenso do calendário, com absurdos 7.004 metros de percurso, mas nada perto do traçado original de mais de 15 km. O lendário circuito belga é um dos quatro mais antigos da categoria, presente no calendário desde a primeira temporada e ausente em apenas seis ocasiões.

Um GP que geralmente vence quem tem o carro mais dominante, é que aconteceu nos últimos três anos com a Mercedes e nos anos de domínio da Red Bull. A diferença é que esse ano não há um domínio claro de apenas um time. Ano passado, por exemplo, mesmo que Vettel tenha ficado um semestre na frente, havia ainda um domínio dos flechas prateadas em tempo de classificação e era questão de tempo para Hamilton tomar a frente. Já essa temporada, vemos claramente uma Ferrari e uma Mercedes disputando posições de largada e de corrida o tempo todo.

E foi aí que Raikkonen dominou os treinos livres (como sempre) e botou os italianos como favoritos para a pole. Como tudo dá certo para o finlandês em quase todas as sessões, com exceção do mais importante, que é o Q3, Vettel parecia o nome mais próximo da volta mais rápida. Mas aí a chuva veio, e quando o tempo fecha, não tem motor ou chassis que salve, é no braço! E Hamilton, mesmo quase rodando na última curva, faz a volta mais rápida e garante a liderança do grid. Lembra do Kimi, que liderou todas as sessões? Então... acabou a gasolina.

De proprietário novo, agora com o bilionário Lawrence Stroll no comando, a Force India conseguiu fazer seu melhor desempenho da temporada, fazendo o terceiro e quarto melhores tempos.

Mas na corrida, a história é outra. Não adianta largar na ponta quando se tem um piloto como Sebastian Vettel logo atrás. Depois da largada conturbada, que tiraram Leclerc, Alonso e Hulkenberg da corrida, Hamilton e Vettel disputam lado a lado a posição na reta depois da sexta curva. O alemão toma a ponta e some na liderança, sem dar folga.
Kimi, Ricciardo e Bottas, com problemas na largada, pararam mais cedo, sendo os dois primeiros forçados a abandonar a prova. Preso atrás das Force Indias, Verstappen dá uma movimentada na entediante corrida e faz duas lindas ultrapassagens para assumir a terceira colocação.

Pódio em Spa

Numa corrida de recuperação, Bottas faz uma improvável ultrapassagem na curva Eau Rouge e assume a 13ª colocação na volta 7. Depois de 27 voltas de corrida, o finlandês já aparecia em quarto, e tendo que fazer mais uma parada, volta em sexto. Há 15 voltas do fim, Valtteri via ainda as duas Force Indias a sua frente. Sem deixar o final da corrida chato, o piloto da Mercedes parte ao ataque e garante a quarta colocação.

Sebastian Vettel, com todo carinho, conduz sua Ferrari para sua quinta vitória no ano e se torna o terceiro piloto mais vitorioso da categoria, com 52 triunfos. O amargo Hamilton fica em segundo, mas mantém a liderança do campeonato com 17 pontos de vantagem.

Mas quem vibra mesmo é a Force India, que depois de ir a falência e correr o risco de ter seus mais de 400 funcionários desempregados, volta com um novo dono e ainda sendo premiado com um quinto e sexto lugares.

A F1 está de volta. E a briga Hamilton e Vettel promete ficar ainda mais interessante nas próximas semanas. Nos vemos em Monza!

* Thiago Ávila, Estudante de Jornalismo a PUCRS
 

João Nassif
Por João Nassif 26/08/2018 - 07:16Atualizado em 27/08/2018 - 07:21

A CONMEBOL está sendo muito criticado por determinar que a partir de 2019 a final da Libertadores seja realizada em partida única tendo como palco uma cidade previamente definida. Na próxima edição do torneio a final será disputada no Estádio Nacional em Santiago no Chile.

O estádio tem uma rica história não somente por ter sido palco de grandes decisões da Libertadores, mas também por ter servido como prisão nos tempos da ditadura de Augusto Pinochet.

Estádio Nacional em Santiago-Chile

Durante a época em que a decisão da Libertadores previa uma terceira partida em caso de empate em pontos entre os finalistas, frequentemente o Estádio Nacional era escolhido como palco do jogo decisivo.

As três primeiras decisões em campo neutro levaram para o estádio na década de 1960 confrontos entre uruguaios e argentinos.

O primeiro em 1965 teve o Independiente como campeão ao vencer o Peñarol. Os uruguaios deram o troco no ano seguinte ao derrotarem o River Plate por 4x2. Este placar de virada rende até hoje ao River Plate o apelido de “galinhas”. Em 1967 o campeão foi o Racing que venceu o Nacional.  

O futebol brasileiro também tem história no Estádio Nacional de Santiago. Em 1962 o Brasil ganhou a segunda Copa do Mundo ao derrotar na final a Tchecoslováquia por 3x1. 
Pela Libertadores o Cruzeiro foi campeão em 1976 ao vencer na terceira partida o River Plate por 3x2.

O Flamengo andou por lá em 1981. Depois de vencer o Cobreloa no Maracanã por 2x1 foi derrotado no Estádio Nacional por 1x0. Foi necessário um terceiro jogo em Montevideo para o Flamengo conquistar sua Libertadores.

A CONMEBOL ao escolher Santiago para a final da Libertadores de 2019 aposta nas atrações turísticas da capital chilena como também na proximidade com Argentina, Brasil e Uruguai, países sul-americanos que são presenças constantes em finais do torneio.
 

João Nassif
Por João Nassif 25/08/2018 - 07:09Atualizado em 27/08/2018 - 07:15

Neneca; Mauro, Edson, Gomes, Miranda; Zé Carlos, Renato, Zenon; Capitão, Careca e Bozó. Muitos ainda se lembram deste time que sob o comando do técnico Carlos Alberto Silva surpreendeu o Brasil e se tornou campeão brasileiro há exatos 40 anos.

A aposta do Bugre no técnico, ainda um desconhecido se deveu à necessidade do clube em investir nos jogadores da base pela falta de recursos para montar um time com jogadores mais experientes. Aliás, foram contratados alguns mais rodadas que mesclados com os garotos levou o Guarani a fazer a maior campanha de sua história no campeonato nacional de 1978.

O goleiro Neneca veio do Náutico, Zé Carlos que anos depois conquistaria pelo Criciúma o campeonato estadual de 1986 e Zenon do Avaí vieram de times de fora do estado de São Paulo. O capitão Edson era jogador do São Bento de Sorocaba, Gomes o outro zagueiro chegara do Saad, Capitão veio do XV de Piracicaba e Bozó era cria do São Bento com passagens pelo Santos e Atlético-MG.

Os laterais, Mauro e Miranda, o meia Renato e o centroavante Careca foram criados no próprio Brinco de Ouro da Princesa. Estava formado um grande time que se tornou o primeiro e até agora único clube do interior campeão brasileiro da primeira divisão. 

A campanha teve altos e baixos até a fase final. O jogo que alertou o país sobre uma grande equipe que poderia chegar ao título aconteceu no Beira-Rio quando até vítima de chacota pelos nomes de seus atacantes, o Guarani enfiou 3x0 no Internacional com quase todos remanescentes do bicampeonato conquistado em 1975-1976.

Nas semifinais o Guarani venceu duas vezes o Vasco da Gama, a primeira em Campinas por 2x0 e no jogo da volta 2x1 no Maracanã.

O título foi conquistado em cima do Palmeiras com duas vitórias por 1x0. No primeiro jogo o goleiro Leão foi expulso depois de ter dominado uma bola e provocado deu uma cotovelada no Careca dentro da área. Pênalti e com Escurinho improvisado de goleiro Zenon definiu a vitória perante mais de 100 mil torcedores no Morumbi.

Em Campinas no jogo da volta nova vitória bugrina por 1x0 com gol de Careca.

Guarani campeão nacional de 1978.
 

João Nassif
Por João Nassif 24/08/2018 - 14:10

O campeonato carioca de 1958 foi o mais sensacional entre todos os campeonatos estaduais disputados no país em todos os tempos.

Naquela época os campeonatos estaduais eram disputados por pontos corridos em turno e returno e a vitória valia apenas dois pontos.

Participaram do campeonato carioca de 1958 12 equipes e depois de 22 rodadas Flamengo, Botafogo e Vasco da Gama terminaram empatados na primeira posição com 32 pontos.

Cada time venceu 14 jogos, empatou quatro e perdeu quatro. Não havia nenhum critério de desempate, por isso foi necessário um torneio entre os três para ser apurado o campeão. Os clubes foram disputar um supercampeonato.

No primeiro jogo em 20 de dezembro o Vasco derrotou o Flamengo por 2x0. No segundo disputado no dia 27 o Flamengo venceu o Botafogo por 2x1 e na terceira partida o Botafogo derrotou o Vasco por 1x0 já em 1959 no dia 03 de janeiro.

Como todos terminaram com dois pontos ganhos foi necessário um novo torneio chamado de super supercampeonato que começou no dia 10 de janeiro com a vitória do Vasco sobre o Botafogo por 2x1.

No dia 14 de janeiro Botafogo e Flamengo empataram em 2x2 de a decisão ficou para o 17 quando com qualquer resultado entre Vasco e Flamengo estaria definido o campeão. O empate favorecia o Vasco.

Na noite de sábado, dia 17 de janeiro de 1959 Vasco da Gama e Flamengo entraram em campo num Maracanã lotado por cerca de 150 mil torcedores. O público pagante foi de 130.901 para uma renda recorde de CR$ 5.621.768,00.

Roberto Pinto abriu o marcador para o Vasco aos 13 minutos do segundo tempo e aos 25 o ponteiro Babá empatou para o Flamengo e o jogo terminou em 1x1.

O Vasco da Gama, super supercampeão carioca de 1958 jogou a partida final com Miguel, Paulinho, Belini, Orlando e Coronel; Écio e Waldemar; Sabará, Almir, Roberto Pinto e Pinga. O técnico, Francisco de Souza Ferreira, o Gradim. 
 

João Nassif
Por João Nassif 23/08/2018 - 19:37

O Criciúma bicampeão estadual ia perseguir em 1991 seu tricampeonato.

A Federação promoveu uma virada de mesa e ao invés de 12 clubes como vinha acontecendo nos últimos anos em 1991 houve aumento para 14. Com isso a Caçadorense que havia sido rebaixada continuou na primeira divisão e outros dois times, Internacional de Lages e Juventus de Jaraguá do Sul vieram do acesso.

Foi um dos mais longos campeonatos estaduais da história. Começou no dia 17 de março e foi terminar somente no dia 15 de dezembro. Na primeira fase não entraram no jogo os times que estavam disputando o campeonato nacional. Criciúma, Blumenau, Figueirense e Joinville estavam jogando a segunda divisão brasileira. O Criciúma disputava em paralelo no primeiro semestre a Copa do Brasil.

A primeira fase foi vencida pelo Araranguá na decisão com o Figueirense que já estava integrado ao campeonato como o Blumenau e o Joinville. O Criciúma entrou na segunda fase depois de ter vencido a Copa do Brasil.

Elenco campeão em 1991

Na segunda fase quando jogaram os 14 times em dois turnos por pontos corridos o Blumenau terminou com 34 pontos um a mais que o Criciúma. Como pelo regulamento os dois primeiros decidiriam a fase o Criciúma foi o vencedor derrotando o Blumenau nos dois jogos.

Na terceira fase os quatro primeiros colocados na fase anterior jogaram o quadrangular principal. Os quatro seguintes disputaram o quadrangular secundário e os restantes o hexagonal do rebaixamento.

No quadrangular principal passaram para a fase final Criciúma, Blumenau e Chapecoense e no secundário o Joinville. O Hercílio Luz foi rebaixado.

Na fase final foram jogadas as semifinais, numa o Criciúma derrotou o Joinville e na outra a Chapecoense eliminou o Blumenau. 

O primeiro jogo da finalíssima foi em Chapecó e os donos da casa venceram por 1x0. Na volta vitória do Criciúma por 2x0 no Heriberto Hülse e como precisou ser realizado uma terceira partida, novamente no Heriberto Hülse o Criciúma venceu por 1x0 e conquistou o tricampeonato.
 

João Nassif
Por João Nassif 22/08/2018 - 19:46

O Criciúma campeão catarinense em 1989 foi no ano seguinte em busca do primeiro bicampeonato de sua história.

Em 1990 o campeonato catarinense foi novamente disputado por 12 clubes, os mesmos do ano anterior, exceção ao Próspera que havia sido rebaixado e com o Hercílio Luz, campeão do acesso em 1989.

A primeira etapa do campeonato foi denominada Taça Governador do Estado e disputada por pontos corridos em dois turnos jogando todos contra todos. Os dois primeiros colocados decidiram o título da Taça.

Criciúma bicampeão catarinense

O Criciúma chegou em primeiro com o Joinville em segundo, a diferença foi de apenas um ponto. Na final houve empate em 1x1 em Joinville no primeiro jogo e na volta o Criciúma ficou com a Taça ao vencer por 1x0 no Heriberto Hülse.

Na segunda fase: Criciúma, Joinville, Figueirense, Chapecoense, Blumenau e Araranguá que foram os seis primeiros colocados na Taça Governador disputaram o chamado Hexagonal Principal, enquanto os outros seis: Brusque, Ferroviário, Hercílio Luz, Marcílio Dias, Caçadorense e Avaí disputaram o Hexagonal secundário. A Caçadorense terminou na última posição e foi rebaixada.

Os classificados para a terceira e última fase do campeonato foram os três primeiros do Hexagonal Principal: Criciúma, Chapecoense e Joinville e o Ferroviário vencedor do Hexagonal Secundário.

Com três vitórias e três empates no quadrangular o Criciúma se tornou bicampeão estadual com o Joinville novamente em segundo, a Chapecoense em terceiro e o Ferroviário na quarta posição.   

O artilheiro do campeonato foi o centro avante Soares do Criciúma com 14 gols.
 

Tags: Soares

2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14