Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
João Nassif
Por João Nassif 29/04/2019 - 11:59Atualizado em 29/04/2019 - 17:28

A UEFA, União Europeia de Futebol, foi inteligente e criou a Liga das Nações, uma competição oficial que reúne as 55 Federações filiadas a entidade, como forma de substituir nas datas FIFA simples amistosos por um torneio oficial.

A Liga das Nações está dividida em quatro divisões chamadas de Ligas, com 12 equipes na Liga A, 12 na Liga B, 15 na Liga C e 16 na Liga D. Em cada Liga são formados quatro grupos, de três ou quatro seleções em cada grupo que jogarão entre si em turno e returno.

Na Liga A, os quatro primeiros colocados de cada grupo se classificam para disputar as semifinais, uma partida para decidir o terceiro lugar e a final para ser apurado o campeão do torneio.

Também haverá acesso e descenso. Cada primeiro colocado de cada grupo é automaticamente promovido para a Liga superior no próximo torneio, exceção aos da Liga A. Cada seleção que ficar em último lugar será rebaixada para a Liga inferior, exceção dos da Liga D.

A Liga das Nações está diretamente ligada à fase de classificação da Eurocopa, Campeonato Europeu de Futebol.

Amanhã, aqui neste espaço, vou detalhar quais seleções já foram rebaixadas na primeira edição da Liga das Nações.
 

João Nassif
Por João Nassif 28/04/2019 - 19:08

A história do futebol feminino nas Olimpíadas começou somente em 1996 nos Jogos de Atlanta, Estados Unidos.

Apenas oito seleções marcaram presença, divididas em dois grupos de quatro seleções que jogaram entre si dentro dos próprios grupos com a passagem das suas primeiras para a segunda fase, as semifinais.

Jogadoras brasileiras nas Olimpíadas-1996

Em um dos grupos a China foi a primeira colocada com os Estados Unidos em segundo. As duas seleções que empataram entre si terminaram com sete pontos ganhos pelas duas vitórias sobre a Suécia e Dinamarca.

No outro grupo a Noruega terminou em primeiro com sete pontos e o Brasil ficou na segunda posição com cinco. As norueguesas venceram a Alemanha e o Japão, enquanto que a seleção brasileira venceu o Japão e empatou com a Alemanha. No confronto Brasil/Noruega deu empate.

No cruzamento das semifinais a China derrotou o Brasil por 3x2 e os Estados Unidos venceram a Noruega por 2x1 na prorrogação.   

A Noruega ficou com a medalha de bronze com vitória sobre a seleção brasileira por 2x0 e os Estados Unidos foram medalha de ouro derrotando a China por 2x1.

A brasileira Pretinha foi uma das artilheiras do torneio com quatro gols. Outras duas jogadoras da Noruega, Ann Kristin e Linda Medalen também marcaram quatro gols. 
 

João Nassif
Por João Nassif 28/04/2019 - 17:10

Thiago Ávila *

Baku sempre reserva ótimas corridas. Só nas últimas duas temporadas, o Grande Prêmio do Azerbaijão foram as mais emocionantes, entregando diversas ultrapassagens, entradas de safety car, duelos acirradíssimos entre Hamilton e Vettel. Nesse final de semana não teve nada disso, mas não deixou de ser uma corrida competitiva do início ao fim. Até porque a pista colabora, com suas curvas fechadas à lá Mônaco e uma reta de 2 km, a maior do calendário da F1.

Nos treinos livres, Charles Leclerc dominou todas as sessões, mas na classificação foi afobado ao passar pela curva do castelo e teve que largar de nono. Vettel não correspondeu com o desemprenho de seu companheiro e viu Hamilton e um surpreendente pole Bottas ocuparem a primeira fila.

Três horas antes da corrida começar, na Formula 2, o Safety Car foi acionado três vezes, e olha que a corrida tinha trinta voltas a menos e os carros são em média 13 segundos mais lentos que os da F1. 

Por incrível que pareça, com 51 voltas, numa pista muito fácil de se acidentar, o evento principal da tarde foi muito limpo, a corrida mais limpa da recente história no Circuito Urbano de Baku. Quatro pilotos abandonaram e o pior incidente foi um singelo toque de ré de Ricciardo em Kvyat.

Bottas e Hamilton travaram duelos por posição de ponta a ponta, não existiu outra corrida que esses dois estivessem tão próximos em ritmo de corrida. Tentando parar as Mercedes, a Ferrari ousou numa estratégia com Leclerc de manter os pneus médios até a 34ª volta para enfim colocar os macios. O monegasco liderou até a volta 25, quando seus pneus já estavam muito gastos e caiu para quarto.

A estratégia da Ferrari não funcionou. Charles ficou amargurado num quinto lugar, 30 segundos atrás de Verstappen. Sem muitas pretensões, o piloto voltou aos boxes para colocar um novo jogo de pneus macios. Ele consegue a volta mais rápida e garante o ponto extra. Na última volta, Hamilton chega a ficar a menos de um segundo de Bottas, mas ninguém segura o líder do mundial, que vence sua segunda no ano e segue fortíssimo na briga pelo título.

Depois de quatro corridas, a Mercedes segue voando, batendo o recorde de dobradinhas seguidas na F1, que anteriormente era da Williams em 92. Enquanto isso a Ferrari tenta correr atrás do prejuízo, que pelo andar da carruagem, já é tarde demais.

Valtteri Bottas pode dormir tranquilo, afinal ele é, teoricamente, o melhor piloto do mundo. Mas a fase europeia vai começar e aí ninguém segura Lewis Hamilton. Será que o finlandês vai manter a boa fase? Quando a Ferrari vai realmente entrar no campeonato?

* Thiago Ávila, Estudante de Jornalismo da PUCRS

João Nassif
Por João Nassif 28/04/2019 - 13:10

Vocês estão cansados de saber que não faço o tipo de “caça às bruxas” na análise de um técnico, de um time ou de qualquer jogador. Sempre tive e continuo tendo o maior respeito pelos profissionais em todos níveis, aqueles que tenho por profissão analisar e quando necessário criticar.

Sei que o torcedor está bravo com a atuação do time na estreia do campeonato brasileiro. Faço coro e concordo que o Criciúma atuou com o potencial muito abaixo de alguns jogadores que podem render mais do que vêm apresentando.

Se não é o pior, certamente está muito próximo de ser o ataque entre todos os times da série B que menos marcou em toda temporada. Culpa dos atacantes? Negativo, o setor de criação está devendo e pelos lados não há força ofensiva para mudar este quadro.

Falhas individuais decretam derrotas, assim como o Criciúma já venceu jogos por erros dos adversários, mas de nada adianta treinar e treinar se não hora que é para valer os principais jogadores não dão uma resposta positiva.

Cabe ao técnico avaliar e promover as mudanças que achar necessárias, pois o histórico recente de outras séries B é o pior possível e uma repetição será terrível para o futuro do Criciúma na competição.

Cabe à torcida cobrar no limite para não alcançar a intolerância e a nós que temos a missão de avaliar os conceitos da forma como entendemos também paciência e respeito aos profissionais, pois se percebe que empenho não falta, a qualidade é que não se faz presente.  
 

João Nassif
Por João Nassif 27/04/2019 - 12:03

Alberto Pedro Spencer Herrera, conhecido no futebol como Spencer é o maior artilheiro da história da Taça Libertadores tendo marcado 54 gols com as camisa do Peñarol do Uruguai e do Barcelona de Guayaquil no Equador. 

Spencer nasceu na cidade de Ancón no Equador em 06 de dezembro de 1937 e faleceu em Cleveland, Estados Unidos com 68 anos no dia 03 de novembro de 2006.

Spencer foi artilheiro isolado na primeira edição do torneio em 1960 quando marcou sete gols pelo time uruguaio. Dois anos depois, pelo mesmo Peñarol foi artilheiro juntamente com Coutinho do Santos e Enrique Raymondi do Emelec do Equador, todos com seis gols. 

Spencer disputou 12 Taças Libertadores, 10 pelo Peñarol de 1960 até 1970 e duas pelo Barcelona em 1971 e 1972. Dos 54 gols que marcou 48 foram anotados com a camisa do Peñarol e seis com a do time equatoriano.

O Peñarol que participou de 47 das 60 edições da Taça Libertadores, já computada a deste ano que está em andamento, é o terceiro maior vencedor do torneio sendo cinco vezes campeão. 

Três destes cinco títulos foram conquistados na era Spencer, em 1960, 1961 e 1966, além de três vice-campeonatos em 1962, 1965 e 1970.
 

João Nassif
Por João Nassif 26/04/2019 - 15:48

Ninguém coloca em discussão que o Brasil e a Argentina são as duas maiores forças do futebol na América do Sul.

A atual fase de grupos da Libertadores tem em seus oito grupos sete clubes brasileiros e seis argentinos.  

Seis dos sete brasileiros ocupam depois da penúltima rodada a primeira colocação e quatro já garantiram classificação para as oitavas de final. Internacional e Cruzeiro estão garantidos nas primeiras posições em seus grupos ao passo que Palmeiras e Athletico embora já classificados ainda dependem da rodada final para consolidar a primeira colocação.

Flamengo ainda em primeiro depende da rodada final para garantir passagem às oitavas de final, pois ainda enfrenta Peñarol fora de casa e o Grêmio na segunda posição em seu grupo joga por um empate na Arena contra o Universidad Católica do Chile.

Apenas o Atlético Mineiro foi eliminado na fase de grupos.

Entre os seis argentinos dois já estão eliminados, o Rosário e o Huracan. O River Plate será o segundo colocado independente da partida final contra o Internacional.

O San Lorenzo também classificado decide a primeira posição com o Palmeiras em São Paulo. Godoy Cruz e Boca Juniors dependem da última rodada para se classificar.

A rodada final será disputada nos dias 07, 08 e 09 de maio.  
 

João Nassif
Por João Nassif 26/04/2019 - 13:02

O início da década de 1990 foi magico na história do Criciúma. Depois de conquistar seu segundo título na história como Criciúma EC, chegou ao tricampeonato vencendo as edições de 1990 e 1991.

Neste ano o time conquistou a Copa do Brasil e se credenciou para disputar a Taça Libertadores no ano seguinte.

Cada país da CONMEBOL indicava dois representantes para a fase de grupos, a primeira do torneio. O chileno Colo Colo como campeão em 1991 entraria somente na fase seguinte alegando problemas financeiros solicitou à entidade participar da fase de grupos. 

Solicitação aceita os 21 times foram divididos em cinco grupos, sendo quatro com quatro em cada um e um grupo de cinco times aí incluído o Colo Colo. Pelo Brasil além do Criciúma entrou o São Paulo campeão brasileiro em 1991.

São Paulo x Criciúma - Libertadores 1992

O Criciúma estreou na Libertadores no dia 06 de março derrotando o São Paulo por 3x0 no Heriberto Hülse e foi eliminado em 20 de maio quando empatou em casa com o mesmo São Paulo em 1x1 depois de ter sido derrotado na capital paulista por 1x0 no jogo de ida.

O Tigre disputou um total de 10 partidas em toda competição com seis vitórias, dois empates e duas derrotas. Marcou 19 gols e sofreu 12.
 

João Nassif
Por João Nassif 25/04/2019 - 11:58

O campeonato brasileiro de futebol teve sua primeira edição em 1971 com 20 clubes, cinco representantes dos estados de São Paulo, cinco da Guanabara, três de Minas Gerais, dois do Rio Grande do Sul, dois de Pernambuco e um do Paraná, do Ceará e da Bahia. 

Antes de 1971, em 1950 as Federações de São Paulo e do Rio de Janeiro iniciaram a realização do Torneio Rio São Paulo, o primeiro campeonato regular disputado no país. Em 1954 o torneio foi oficialmente nomeado como Torneio Roberto Gomes Pedrosa, homenagem ao ex-goleiro da seleção brasileira e presidente do São Paulo FC falecido naquele ano.

Campeão do Torneio Rio-São Paulo

Com o crescimento do torneio clubes de outros estados se interessaram em joga-lo. Em 1967 foram incorporados clubes do Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Paraná. Com a ampliação o torneio foi apelidado de Robertão.

Em 1968 o Robertão passou a ser organizado pelo CBD que convidou clubes da Bahia e de Pernambuco e criou a Taça de Prata.

Além deste torneio a CBD também criou as Copas Centro-Sul e Norte-Nordeste que podem ser taxadas de segunda divisão embora sem acesso ou descenso que somente viria a ser regulamentado anos mais tarde.

Foi desta forma que começou a ser projetado o atual campeonato brasileiro que é disputado por pontos corridos com promoções e rebaixamentos sendo respeitados.  
 

João Nassif
Por João Nassif 24/04/2019 - 12:29

Em números absolutos as duas edições de Copas do Mundo que tiveram maior número de gols foram em 1998 e 2014. Em ambas com 32 seleções foram marcados 171 gols em 64 jogos. A média de gols nestes Mundiais é de 2,67 gols/jogo.

Nas duas primeiras Copas do Mundo foram marcados 70 gols, a menor quantidade nas 21 edições disputadas até agora.

A primeira em 1930 no Uruguai teve 18 jogos com a média de 3,89 gols/jogo e a segunda na Itália em 1934 que em 17 jogos teve a média de 4,12 gols/jogo. Nesta Copa foi disputado o menor número de jogos de toda história.

O Mundial com a menor média de gols, 2,21 gols/jogo foi o de 1990 também na Itália, disputado com 24 seleções e 121 gols marcados em 52 jogos.

Nenhum jogador foi artilheiro em duas edições de Copas do Mundo. O maior artilheiro numa única edição foi o francês Just Fontaine que em 1958 na Suécia marcou 13 gols em seis partidas.

Russo Oleg Salenko no Mundial-1994

O russo Oleg Salenko é o maior artilheiro em uma única partida de Copa do Mundo, com cinco gols marcados contra Camarões em 1994 nos Estados Unidos.

Miroslav Klose é o detentor do recorde de gols marcados na história dos Mundiais de Futebol. O alemão marcou um total de 16 gols nas quatro Copas que disputou.
 

João Nassif
Por João Nassif 23/04/2019 - 13:40

O dia 02 de abril de 1978 é uma data histórica, pois pela primeira vez entrou em campo o Criciúma EC, sucessor do Comerciário EC.

O Comerciário havia retornado ao futebol profissional em 1976 disputando uma série de partidas amistosas e participado no ano seguinte do campeonato catarinense ficando na terceira colocação. O título foi decidido num único jogo em Chapecó com vitória da Chapecoense sobre o Avaí por 1x0.

No início de 1978 o Comerciário disputou uma série de 11 amistosos até virar Criciúma EC e começar no dia 02 de abril sua trajetória numa partida amistosa contra o Marcílio Dias que terminou empatada em 0x0 no Heriberto Hülse. 

Time do primeiro jogo da história do Criciúma EC.
(Foto: Cancellain.com.br)

Desde seu retorno ao futebol o Comerciário disputou 84 jogos entre amistosos e oficiais pelo campeonato estadual. No dia 18 de dezembro de 1976 o Comerciário recebeu o Vasco da Gama para um jogo amistoso que terminou empatado em 1x1.

Em 1978 na sua primeira temporada, o Criciúma EC disputou 64 jogos com 25 vitórias, 21 empates e 18 derrotas. Marcou um total de 80 gols e sofreu 56.

O zagueiro Veneza foi quem mais atuou entrando em campo 63 vezes. Laerte o atacante foi o segundo que mais vestiu a camisa do Criciúma, jogou 52 partidas.

O maior artilheiro do time em 1978 foi Ademir Patrício que marcou 19 gols. Laerte foi o segundo melhor artilheiro com 18 gols marcados.
  

João Nassif
Por João Nassif 22/04/2019 - 12:00

A primeira edição da Copa do Brasil foi realizada em 1989 com a participação de 32 clubes e teve o Grêmio como primeiro campeão que derrotou na final o Sport Recife por 2x1 no Estádio Olímpico depois de empatar em 0x0 na Ilha do Retiro.

O atacante Gérson do Atlético-MG foi o artilheiro com sete gols.

Entre várias alterações no regulamento agora em 2019 está em andamento a 31ª edição do torneio. Edição que começou com 91 clubes e com a decisão já marcada para os dias 04 e 11 de setembro.

O maior vencedor da Copa do Brasil é o Cruzeiro com seis títulos, seguido do Grêmio com cinco. Flamengo, Corinthians e Palmeiras vencerem três vezes o torneio.

Dos times grandes do futebol brasileiro, os mais tradicionais, somente o São Paulo e o Botafogo ainda não conseguiram vencer a Copa do Brasil.  

Alguns clubes fora do ciclo dos principais clubes de futebol do país já conquistaram o torneio.

O Criciúma foi o primeiro deles, campeão em 1991 na decisão contra o Grêmio.

O Juventude foi a zebra de 1999 sagrando-se campeão em cima do Botafogo.

Em 2004 foi a vez do Santo André que derrotou na decisão o Flamengo em pleno Maracanã por 2x0 depois de empatar em 2x2 na Grande São Paulo. 

O último entre os pequenos que conseguiu ser campeão da Copa do Brasil foi o Paulista de Jundiaí do interior de São Paulo que em 2005 venceu na decisão o Fluminense com vitória de 2x0 em casa e empate em 0x0 no Maracanã.
 

João Nassif
Por João Nassif 21/04/2019 - 21:50

É absolutamente normal que o presidente da Chapecoense tenha afirmado que não reconhece o Avaí como campeão catarinense de 2019. Prometeu inclusive entrar com ação no TJD para cancelamento da partida. 

O presidente Plínio Arlindo de Nês Filho tem todo direito de reclamar da atitude do árbitro Bráulio da Silva Machado que foi omisso ao não examinar no monitor o lance, mesmo tendo consultado os árbitros do VAR que definiram pela não confirmação do gol de pênalti marcado pelo jogador da Chapecoense. O Bráulio teve uma atitude covarde ao não assumir a decisão.

Agora, reclamar a Chapecoense tem todo direito como frisei, mas não vai conseguir anular o jogo como pretende. Se a bola entrou ou não sempre será um erro de fato e não passível de ser examinado pela Justiça Desportiva.

Reprodução / NSC TV

Concordo que a bola tenha entrado o que obrigaria o Avaí a cobrar o último pênalti. A invasão de campo por torcedores após o árbitro não conformar o gol pode ter sido um elemento intimidador, mas não justifica a impugnação do jogo.

Toda polemica gera discussão, mas desta vez a discussão ficará apenas entre diretoria da Chapecoense, imprensa e torcida. O Avaí é o campeão catarinense de 2019.
 

João Nassif
Por João Nassif 21/04/2019 - 10:13

A Copa Sul-Americana é o segundo torneio de clubes mais importante da América do Sul. Organizada pela CONMEBOL, Confederação Sul-Americana de Futebol o torneio reúne clubes dos 10 países do continente.

É disputada desde 2002, portanto agora em 2019 está em sua 18ª edição. O último campeão foi o Athletico Paranaense que na decisão derrotou nos pênaltis por 4x3 o Junior Barranquilla da Colômbia.

Como a Sul-Americana é disputada em dois jogos os finalistas empataram em 1x1 primeiro em Barranquilla e depois em Curitiba na Arena da Baixada. 
O primeiro campeão da Copa Sul-Americana foi o San Lorenzo da Argentina que bateu na decisão o Atlético Nacional da Colômbia.

No primeiro jogo em Medellin os argentinos aplicaram uma goleada de 4x0 no Estádio Atanasio Girardot. Na segunda partida houve empate em 0x0 na partida em Buenos Aires.

Na primeira edição a Copa foi disputada por 21 clubes e à medida que os anos foram passando o torneio foi sendo inchado e agora em 2019 já são 54 os clubes participantes.  

Apenas quatro equipes brasileiras conseguiram vencer a Copa Sul-Americana. O Internacional em 2008, o São Paulo em 2012, a Chapecoense em 2016 e o Athletico Paranaense em 2018.

A Chapecoense ganhou o título em razão da desistência do Atlético Nacional da Colômbia pela tragédia que dizimou a delegação do Verdão do Oeste quando se dirigia para Medellin para a partida final.  
 

João Nassif
Por João Nassif 20/04/2019 - 18:08Atualizado em 21/04/2019 - 08:11

A Europa League é o segundo torneio de clubes mais importante da Europa. É sucessora da Copa da UEFA que foi disputada pela primeira vez na temporada 1971/1972.

A Europa League surgiu na temporada 2009/2010 e tem nos espanhóis Atlético de Madrid e Sevilla os maiores ganhadores com três títulos cada um. Somente os ingleses Chelsea a Manchester United e o Porto de Portugal com um título cada um conseguiram quebrar a hegemonia espanhola no torneio.

O Atlético de Madrid é o atual campeão vencedor que foi na última temporada. Na atual temporada, 2018/2019 o torneio ainda está na sua fase semifinal. 

A Europa League é disputada por centenas de clubes, nesta temporada participaram mais de 200 que vão se eliminando em suas várias fases até que sejam apurados os dois finalistas que jogarão a decisão num estádio pré-determinado pela UEFA,

Este ano palco da final será no Estádio Olímpico de Baku capital do Afeganistão.

Na última edição, temporada 2018/2019 o Atlético de Madrid derrotou o Marseille da França por 3x0 em território francês no Parque Olímpico de Lyon.

Na primeira edição da Europa League em 2009/2010 também foi campeão o Atlético de Madrid que na final derrotou o Fulham da Inglaterra por 2x1. A final foi jogada no Nordbank Arena em Hamburgo na Alemanha. 
 

João Nassif
Por João Nassif 19/04/2019 - 15:01

De todos times catarinenses que já tiveram a chance de participar da série A do campeonato brasileiro, apenas a Chapecoense ainda não foi rebaixada.

Outros quatro times já foram rebaixados uma, duas ou três vezes desde que o campeonato brasileiro passou a ser disputado por pontos corridos.
Avaí e Figueirense já foram rebaixados três vezes, o Avaí em 2011, 2015 e 2017, sendo que no primeiro rebaixamento ficou na lanterna do campeonato. 

O Figueirense também foi o último colocado em 2012 e os dois outros rebaixamentos aconteceram em 2008 e 2016. 

O Criciúma caiu duas vezes, a primeira em 2004 quando o campeonato por pontos corridos foi disputado pela segunda vez por ter sido o primeiro da zona do descenso. No segundo rebaixamento em 2014 o Criciúma foi o último colocado.

Na era dos pontos corridos o Joinville subiu pela primeira vez como campeão da série B em 2014. Durou pouco o sonho do JEC. No ano seguinte ficou na lanterna da série A e voltou para a segunda divisão.

Semblante do torcedor com o rebaixamento do JEC em 2015

Vimos, portanto que quatro dos cinco grandes catarinenses que já sofreram rebaixamento na primeira divisão, em alguma temporada terminaram a série A na lanterna.  
 

Tags: Série A JEC

João Nassif
Por João Nassif 19/04/2019 - 10:01

Há muito tempo venho dizendo que o brasileiro não gosta de futebol, gosta de vencer mesmo que seja a qualquer custo.

Dois exemplos que confirmam minha opinião:
1)    Quando o time vai mal das pernas, faz campanha ruim em qualquer competição foge do estádio e vai fazer coisa melhor do que ver um time ruim, mesmo sendo este time sua paixão. 
2)    Derrotar um rival, ou não, com um gol de mão tem valor incomensurável, pois o importante é vencer.

Este comportamento faz parte da cultura do brasileiro, aquele que gosta de levar vantagem em tudo, a qualquer preço, como furar fila em banco, ultrapassar pelo acostamento, ludibriar o caixa do supermercado e ao mesmo tempo reclamar da corrupção, vestir um pano verde e amarelo e gritar pelas ruas, FORA FULANO ou SICRANO.

Não gosto, mas sou obrigado a citar o Primeiro Mundo, a civilização inglesa, oposta à nossa e os exemplos dados ao mundo neste meio de semana, até como comparativo.

Na decisão das quartas de final da Champions, dois ingleses disputavam vaga para a semifinal. O poderoso Manchester City, em casa precisava reverter contra o Tottenham desvantagem de um gol para classificar. Casa cheia, jogo eletrizante nos minutos finais, a vitória por 4x3 era insuficiente. Aos 48 o City conseguiu o gol da classificação para delírio no Estádio. 

O árbitro foi alertado que poderia ter sido irregular, chamado pelo VAR verificou as imagens e anulou o gol. Tottenham classificado. 
Aonde quero chegar, a civilização inglesa chega a emocionar, não houve invasão de campo, os jogadores derrotados saíram normalmente de campo sem qualquer reclamação sobre a decisão final.

Algumas horas depois vimos exatamente o contrário na decisão do campeonato gaúcho. Num lance na área do Internacional o lateral do Grêmio foi puxado pelo calção, árbitro deu sequencia à jogada, mas foi alertado pelo VAR sobre uma possível falta.

O árbitro examinou as imagens e marcou o pênalti. Certo ou errado tomou a decisão que achou mais correta. Estabeleceu-se o caos. 

O jogo ficou parado quase 10 minutos, D’Alessandro, ídolo colorado, foi expulso sem mesmo estar em campo, pois quase agrediu o quarto árbitro. O técnico, também expulso, teve que ser retirado pela polícia, espetáculo deprimente que mostra o grau de civilidade que vemos quase toda hora no futebol brasileiro.

Termino com o que disse Pep Guardiola, técnico do Manchester City: “O VAR foi cruel, estávamos comemorando, MAS foi impedimento. Eu sou a favor da justiça no futebol, a favor das decisões certas”.

Só para completar, alguns jornalistas brasileiros com grandes espaços na mídia que trata do futebol são contra o VAR. Preferem e injustiça, naquela de vencer a qualquer preço. Ao mesmo tempo brigam pelo fim da corrupção.   
 

João Nassif
Por João Nassif 18/04/2019 - 11:58

Desde que foi implantado o campeonato brasileiro por pontos corridos e o respeito ao rebaixamento, vários campeões brasileiros foram parar na segunda divisão. Diferente de anos anteriores quando prevalecia o formulismo e a proteção aos grandes clubes, desde 2003 os regulamentos deram credibilidade à competição.

Já abordei aqui dois campeões que foram rebaixados em três campeonatos desde 2003. Um foi o Coritiba, campeão em 1985 quando o campeonato ainda não era disputado por pontos corridos. Outro foi o Vasco da Gama que caiu em 2008, 2013 e 2015 que foi quatro vezes campeão brasileiro, em 1974, 1989, 1997 e em 2000.

Outro campeão brasileiro foi rebaixado duas vezes desde 2003 quando o campeonato teve um regulamento que não permitia viradas de mesa. O Guarani foi campeão em 1978 numa final contra o Palmeiras.

O primeiro rebaixamento do time de Campinas aconteceu em 2004. Num campeonato com 24 clubes o Guarani foi o 22º colocado com 49 pontos. Nos 46 jogos que disputou venceu 11, empatou 16 e foi derrotado em 19 jogos.

O segundo rebaixamento do Guarani foi em 2010. Já com 20 times disputando a série A, o clube ficou na 18ª posição com 37 pontos. Nos 38 jogos o Guarani teve oito vitórias, 13 empates e 17 derrotas.

O Guarani foi mais um campeão brasileiro que sofreu rebaixamentos no campeonato brasileiro da série A. 
 

João Nassif
Por João Nassif 18/04/2019 - 06:50

PASSA RÁPIDO
Parece que foi ontem que comecei a coluna aqui em A TRIBUNA. A estreia foi na edição do dia 03 de dezembro e eu até brincava que neste dia já teria uma folga, pois o jornal não circulou no dia 04, feriado de Santa Bárbara. Com a de hoje são 113 produzidas durante todo este tempo, falando do futebol em geral com destaque por motivos óbvios para o Criciúma que já havia terminado a série B e se preparava para o campeonato catarinense. É sempre bom poder estar em contato com os leitores, em especial os torcedores do Tigre que esperam do time uma série B mais consistente e com a presença ao vivo do Timaço da Som Maior FM em todas as partidas do campeonato.

AH! ESSE FUTEBOL!!!
Ontem fomos brindados por mais um momento imponderável deste esporte chamado futebol. Porto e Liverpool jogaram em Lisboa pelas quartas de final da Champions e o time inglês tinha a vantagem de 2x0 conseguida jogando em casa. No primeiro tempo o Porto fez uma blitz, prensando o adversário Liverpool por quase 30 minutos em seu setor defensivo conseguindo mais de 10 finalizações contra nenhuma do Liverpool. De repente um ataque isolado e o Liverpool faz seu gol, impensável até aquele momento a abrindo grande vantagem na disputa da vaga. Só o futebol permite situações como esta, de certa forma privilegiando uma camisa pesada no cenário internacional.

PORTEIRA ABERTA
O gol decidido pelo VAR desarticulou o time português que além de perder fôlego pela intensidade inicial foi abalado psicologicamente sem forças para reagir. E a goleada veio quase que ao natural no segundo tempo colocando o Liverpool na semifinal para enfrentar o Barcelona.

NA OUTRA PERNA
A outra decisão de ontem foi entre dois ingleses. Em Manchester o City recebeu o Tottenham que tinha a vantagem de um gol pela vitória por 1x0 em Londres. Jogo maluco, com 20 minutos o time da casa já vencia por 3x2, com duas viradas que há muito não se via num mata-mata. Quando no segundo tempo o City fez o quarto gol sua classificação se encaminhava como definitiva. O Tottenham fez o terceiro e novamente ficou com a vaga, mas aos 48 do segundo tempo o Manchester City fez o gol da classificação.

A IMPORTÂNCIA DO VAR 
Quando existe o profissionalismo a vídeo arbitragem é respeitada doa a quem doer. O terceiro gol do Tottenham foi validado pelo VAR, mesmo VAR que anulou o gol da classificação do time da casa. Tanto no Porto como em Manchester enquanto os árbitros aguardavam a checagem dos vídeos, nenhum jogador os molestavam e as decisões foram aceitas por todos sem qualquer reclamação. Quem sabe um dia, aqui na terrinha da impunidade teremos o mesmo comportamento dos ditos profissionais do futebol.

18/04 – “REVOLUÇÃO CULTURAL”
Mao Tsé-Tung lança, em 18 de abril de 1966, a grande Revolução Cultural na China Popular, para combater o revisionismo, afastando o Partido Comunista de seus adversários. Mao combateu, assim, a política econômica pragmática, baseada em incentivos materiais e individuais.
 

João Nassif
Por João Nassif 17/04/2019 - 13:01

Por duas vezes o Criciúma conseguiu disputar dois anos seguidos a série A do campeonato brasileiro depois que implantado o sistema de pontos corridos.

Como campeão da série B em 2002 participou do primeiro campeonato brasileiro por pontos corridos da história. Em 2003 cinda com 24 clubes na competição o Criciúma na 14ª colocação com 60 pontos conquistados.

Jogou 46 partidas, venceu 17, empatou nove e perdeu 20 permanecendo na série A.

Em 2004 foi rebaixado pela primeira vez. Ainda com 24 clubes o Criciúma ficou em 21º um ponto a menos que o Botafogo que escapou na última rodada. Um empate contra o Coritiba no Heriberto Hülse derrubou o Tigre. 

O Criciúma conseguiu voltar à série A somente em 2013 depois de uma campanha espetacular no ano anterior no campeonato da série B mais disputado da história. 

Foi vice-campeão com 73 pontos. Já com 20 clubes no campeonato o Criciúma conseguiu atingir 73 pontos com 22 vitórias, sete empates e apenas nove derrotas. Teve, inclusive o ataque mais positivo com 78 gols.

Depois de cinco técnicos Criciúma rebaixado em 2014

A euforia durou apenas duas temporadas. Em 2014 não conseguiu se sustentar na elite e ficou na lanterna do campeonato. Em 38 jogos venceu apenas sete, empatou 11 e foi derrotado 20 vezes.

Foi o segundo rebaixamento do clube na série A desde que foi implantado o sistema de pontos corridos. De 2015 para cá o Criciúma não tem conseguido alcançar o sonho de novo acesso. 
 

João Nassif
Por João Nassif 17/04/2019 - 07:02

O QUE ESPERAR?
Sob o comando do técnico Gilson Kleina a expectativa é que o Criciúma comece a série B deste ano de forma diferente do que fez nas duas últimas edições do campeonato. Em 2017 foram três derrotas nos três primeiros jogos e apenas um ponto nas cinco primeiras partidas. Em 2018 cinco derrotas em cinco jogos e apenas um ponto nas sete primeiras partidas. Tem todas as condições de começar a competição de forma mais digna e assim ganhar moral para brigar pelo acesso. 

INIMIGOS
Segunda-feira foi decidido o Troféu do Interior do campeonato paulista. Ponte Preta e RB Brasil foram os finalistas e como ambos mandaram seus jogos em Campinas durante toda competição a decisão foi no Moisés Lucarelli, estádio da Macaca. Dois bons times, jogo muito corrido, a Ponte teve um jogador expulso aos 35 minutos do primeiro tempo, mas mesmo assim conseguiu manter o 0x0 levando a decisão para os pênaltis. Deu RB Brasil que irá disputar a série B como Bragantino. A Ponte Preta, também na série B do campeonato brasileiro foi um fracasso nas penalidades, marcou apenas um em quatro cobranças. De qualquer forma são dois times que poderão complicar a ambição de muitos para o acesso, se é que não sejam candidatos em potencial.

RESSURGE UM CAMPEÃO
Vencedor da Champions em quatro temporadas o holandês Ajax depois do tricampeonato nos anos 1970 venceu o torneio pela última vez na temporada 1994/1995. De lá até agora jamais havia alcançado uma semifinal, classificação adquirida ontem pela vitória sobre a Juventus em plena Turim. Já havia despachado o multicampeao Real Madrid impondo-lhe uma goleada na Espanha e agora espera o vencedor do confronto entre os ingleses do Manchester City e Tottenham para decidir vaga na final do maior torneio de clubes do mundo. 

SEM MUNDIAL
O portal UOL trouxe uma entrevista com o ex-presidente da FIFA, o suíço Joseph Blatter em que ele ressuscita um tema que já virou folclore no futebol brasileiro. Os contrários a todo momento adoram mandar as mensagens, “O Palmeiras não tem Mundial”. Beleza, está na cabeça de cada um, principalmente dos adversários que a cada titulo ganho pelo Verdão chegam ao orgasmo podendo se locupletar com o fato deles entenderem que não existiu 1951. Joseph Blatter afirmou que enquanto presidente garantiu o título Mundial na disputa da Copa Rio daquele ano. Depois, por questões políticas, disse o ex-presidente que a atual diretoria da FIFA passou a considerar os títulos mundiais a partir de 1960.

NÃO IMPORTA    
Por mais que a galera contrária adora bater sempre numa tecla só, nós palmeirenses consideramos a Copa Rio como verdadeiro campeonato mundial de cubes, pois vieram ao Brasil os principais times da Europa e não foi em apenas um ou dois jogos que se decidiu o campeão. Foi uma intensa batalha entre oito dos melhores times do mundo entre eles os brasileiros Palmeiras e Vasco da Gama. A Copa Rio foi organizada pela CBD, hoje CBF, e patrocinada pela Prefeitura do Rio de Janeiro, daí o nome do torneio. A inveja mata!     

17/04 – “MORRE BENJAMIN FRANKLIN”
No dia 17 de abril de 1790, morreu Benjamin Franklin, diplomata e inventor norte-americano, nascido na Filadélfia, Estados Unidos. Franklin foi quem descobriu a bioeletricidade e inventou os para-raios, usados até hoje, após uma experiência com uma pipa em uma tempestade