Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 20/05/2020 - 13:43Atualizado em 20/05/2020 - 13:56

O deputado federal criciumense Daniel Freitas acredita que o anúncio do ator Mário Frias como novo ministro da cultura pode ser feito a qualquer momento.

A caminho de Rio do Sul, cumprindo roteiro pelo estado, o deputado disse que já havia sugerido o nome de Frias para o cargo antes da nomeação de Regina Duarte.

"Competência e experiência ele tem de sobra", acrescentou.

Daniel garantiu que está praticamente certo que Frias será o escolhido, mas o presidente Jair Bolsonaro está fazendo as últimas conversas com ele.

"A tendência é que seja oficializado o convite e ele aceite", completou.

Daniel é amigo pessoal de Frias faz muitos anos.

No atual governo, a pasta da Cultura virou uma secretaria do Ministério do Turismo, mas para todos os efeitos foi mantido o "status" de ministério.

O ator é casado com uma criciumense e recebeu o titulo de cidadão honorário de Criciúma, concedido pela Câmara de Vereadores, por iniciativa de Daniel, quando era vereador.

A atriz Regina Duarte deixou o cargo no final da manhã. Foi transferida para gestão da Cinemateca, em São Paulo.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/05/2020 - 19:33Atualizado em 19/05/2020 - 19:45

Se a intenção (ou uma das intenções) da direção estadual do PSL na suspensão dos mandatos dos quatro deputados estaduais dissidentes era mudar membros da CPI dos Respiradores, bateu na trave.

O regimento interno da Assembléia Legislativa não prevê substituição de membros de CPI depois de constituída.

Sendo assim, os deputados Sargento Lima e Felipe Estevão, mesmo suspensos pela direção do PSL, vão continuar na CPI.

Sargento Lima, inclusive, é o presidente.

A CPI tem nove membros e sete são de oposição ao governo Moisés.

Com a suspensão dos deputados, dirigentes do PSL passaram a sustentar que eles não poderiam mais representar o partido na CPI.

Se fosse assim, abriria para a possibilidade de o governo Moisés tentar alterar a correlação de forças na CPI.

Alem disso, o deputado Valdir Cobalchini, MDB, alinhado ao Governo, tentou ser o presidente da CPI, mas foi convencido a abrir mão em favor do Sargento Lima.

Sem Lima, ele deveria voltar à carga.

Mas, não vai.

Tudo continuará como está na CPI. Maioria de oposição, e depoimentos sendo colhidos (ou pautados) que vão ampliando a crise.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/05/2020 - 16:27Atualizado em 19/05/2020 - 16:41

A renúncia do mandato de vereador em Biguaçú vai evitar que Douglas Borba passe pelo constrangimento, e violento desgaste, de ser cassado na Câmara da sua cidade natal.

Uma semana antes de ele deixar o Governo, mas quando já estava no "olho do furação" no caso dos respiradores, foi protocolado na Câmara de Biguaçú um pedido de cassacão do seu mandato. Por dois motivos.

1 - Falta de decoro, pelo seu envolvimento nas denúncias.

2- Porque se licenciou em janeiro de 2019 para assumir a secretaria de estado. O entendimento da vereadora que protocolou o pedido é que, pelo regimento interno, ele teria que ter renunciado o mandato.

De qualquer forma, Douglas estava licenciado da Câmara de Biguaçu. Ele foi eleito vereador em 2016, como segundo mais votado do município (1.130 votos).
Douglas Borba está sendo investigado no processo que trata da compra dos respiradores por r$ 33 milhões pelo Governo do Estado, com dispensa de licitação e pagamento antecipado.

Ministério Público, Policia Civil e Tribunal de Contas apontaram uma série de irregularidades no processo, que envolvem denúncias de corrupção, falsidade ideológica, empresas de fachada e lavagem de dinheiro.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/05/2020 - 15:55Atualizado em 19/05/2020 - 17:38

O presidente Jair Bolsonaro sancionou lei, já publicada no Diário Oficial, que determina abertura de linhas de créditos para micro e pequenas empresas, no valor total que pode chegar a R$ 190 bilhões.

A iniciativa da lei foi do senador catarinense Jorginho Mello, via projeto de lei, aprovado nas duas Casas do Congresso Nacional.
O senador afirmou recentemente à rádio Som Maior, quando o projeto foi aprovado pela Câmara Federal, que pela primeira vez as micro e pequenas empresas, que são a maioria no Brasil, terão um programa permanente de crédito acessível.

De acordo com o projeto, e pela lei sancionada, o empréstimo pelo Pronampe será corrigido pela taxa Selic (hoje em 3% ao ano) mais 1,25% ao ano.

Será, sem dúvida, mais uma alternativa de socorro aos empreendedores em função da pandemia.
Ainda falta definir, por medida complementar, o prazo de carência, que não consta na lei. O prazo previsto no projeto aprovado foi vetado pelo Presidente.

O Ministério da Economia deve definir o prazo de carência. Provavelmente, de três ou quatro meses.

Novo REFIS

De outro lado, o deputado federal criciumense Ricardo Guidi protocolou projeto de lei que pretende  abrir um novo REFIS para parcelamento de dividas com a Receita Federal, principalmente decorrentes da pandemia do coronavírus.

A principal medida prevista no projeto é que o parcelamento deve ser feito por um percentual do faturamento da empresa, em torno de 4%.

O projeto está começando a tramitar e não há previsão de votação.   

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/05/2020 - 07:12Atualizado em 19/05/2020 - 07:24

Eu trabalho desde cedo, muito cedo. Comecei em uma loja de móveis, do meu tio, na Praça Central de Araranguá, ajudava a vender e entregar os móveis, era um garoto. Depois fui trabalhar na Biblioteca Pública Luiz Delfino, na Praça Central. Aos 14 anos tive minha primeira carteira assinada, na Rádio Araranguá. E de lá para cá minha vida tem a ver com o rádio. Aos 17 vim para Criciúma e não mais saí daqui

Sempre fui, sempre sou otimista. Acredito que amanhã será melhor. Acordo cedo, 4h30 estou de pé, e o que faço, faço com prazer. Se não está bom, se não está bem, vai melhorar, é possível, vai dar certo. Acreditando e trabalhando sempre. Entendendo os sinais. Agora, nunca vi uma situação como esta. Vi crises, muitas, políticas, econômicas, mas nunca assim. Economia parada, ambiente de guerra, ninguém sabe direito quando será, quando vai terminar, quando começará o pós-guerra. E ainda se discute se a estratégia de combate está correta ou não. O que sei é que vamos vencer. Pela capacidade de refazer. 

Eu lembro na história, lembro da crise do carvão. As minas demitiram milhares. De repente, tinha um exército de desempregados nas ruas, mineiros e trabalhadores que só sabiam daquilo, carvão, mineração, carbonífera. Na necessidade, boa parte migrou para a confecção. E aí proliferaram as facções. A região se consagrou no têxtil, e acabou sendo criado um novo nicho na economia, que se firmou. Que acabou mais forte que as minas. Casos assim temos centenas, milhares, de dar a volta por cima. E será assim de novo. Pois a gente enverga mas não cai. A gente sempre acredita que amanhã vai dar tempo bom, e vai.

Pensem nisso, e vamos em frente!

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/05/2020 - 17:25Atualizado em 18/05/2020 - 17:34

Seguindo as novas práticas e costumes a partir do coronavírus, o diretório do PT de Criciúma fez sua primeira reunião virtual.

A presidente da executiva, Barbara Teixeira, coordenou a reunião, que teve a participação do presidente da executiva estadual, ex-deputado Décio Lima.

Também participaram o advogado Francisco Balthazar, candidato a prefeito, o ex-prefeito Décio Góes, e candidatos a vereador.

Na pauta, as conjunturas nacional e local e os planos para a campanha municipal.

Décio Lima registrou:

"A reunião do Diretório Municipal do PT de Criciúma me surpreendeu extraordinariamente, pela unidade interna, pela paixão dos Dirigentes e sobretudo pela qualidade e preparo do nosso companheiro Chico Baltazar em liderar o protagonismo político, com sua pré-candidatura a prefeito".

Entre as decisões tomadas, as formas de continuidade da campanha, que vai seguir virtual enquanto durar a pandemia.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/05/2020 - 07:02

Desmontado na região pelo ex-deputado Cleiton Salvaro, o PSB começa a ser reorganizado pelo empresário Fabio Brezola.

Convidado pelo ex-deputado Claudio Vignati, presidente estadual, Brezola assumiu a presidência do PSB de Criciúma.

No fim de semana, fez reunião da nova executiva local, definiu estratégias e os primeiros objetivos (Brezola de camisa azul, o segundo a partir da direita).

"A idéia é organizar a parte administrativa e burocrática do partido, para em seguida começar a movimentação política", informou.

O PSB não terá candidatos na eleição deste ano em Criciúma, porque o "desmonte" foi feito praticamente na semana anterior ao prazo de filiação.

Os candidatos a vereador que estavam filiados, foram levados para outros partidos, principalmente PP e PSDB.

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/05/2020 - 09:59Atualizado em 17/05/2020 - 10:29

Fim de semana com duas perguntas no ar.

1. Sai o impeachment do Governador Moisés?

2. Quem vai comandar o Criciúma pós-Dal Farra?

Não há resposta pronta, definitiva, para nenhuma das duas.

No caso do impeachment, se sair, não será em 2020.

São vários pedidos em análise na Assembléia, e há um rito a ser cumprido.

Como nada pode ser feito na correria, não vai dar tempo de cumprir todas as formalidades ainda em 2020.

Mas, se sair o impeachment, é mail fácil que seja de Governador e Vice.

Ao lado de tudo isso, tem os arrazoados para os pedidos de impeachment e as articulações do governo de Moisés para salvá-lo.

Amândio da Silva Junior, novo chefe da Casa Civil, operador político do governo, é quem está pilotando a operação de salvamento. Com carta branca.

O ambiente ainda é muito ruim para o Governador, mas ele está se movimentando. Passou a fazer conversas telefônicas, receber para reuniões/encontros privados, e fazer concessões do governo para municípios e segmentos do setor produtivo.

Para a semana estão previstas novas ações (e revelações) da força tarefa que está investigando ilicitudes praticadas no governo, que vão além do caso dos respiradores e hospital de campanha. Isso pode criar problemas para o andamento da missão de salvamento.

Até semana passada, o governador Moisés, mesmo com os problemas levantados, ainda tinha 16 votos para barrar um pedido de impeachmet na Assembléia.

A revelação pelo blog, com os nomes dos deputados alinhados, alterou o quadro. Porque os deputados foram cobrados duramente pelos eleitores/apoiadores e tiveram que se afastar.

Então, não dá para apostar, ainda, o que vai dar no capítulo final. As duas possibilidades ainda são reais.

Quanto ao Criciúma, o processo é mais tranquilo. Embora, também delicado. Mas, tem tempo para fazer.

Jaime Dal Farra decidiu sair. Não conseguiu fazer o que queria, e entendeu que é o mmento de parar. Há que se respeitar.

A primeira discussão que o Criciuma precisa fazer é sobre o modelo de gestão.

Esse que está aí, deu certo? Deve ser mantido?

Ou, deve voltar ao modelo tradicional, com avanços. Com Presidente eleito, e diretoria, mas com gestor contratado (e remunerado).

No país, o Grêmio e o Atletico do Paraná podem ser exemplos do modelo tradicional de comando com gestão profissisonal.

O Flamengo, também.

Foi assim que saíram do buraco e se firmaram entre os melhores do país.

Há muitos torcedores, conselheiros e empresários que tem idéias e querem participar de um novo processo.

E tem muitos torcedores que são conselheiros e empresários que só estão esperando ser chamados.

A solução para o Criciúma pode ser doméstica. Com os que conhecem e vivem o clube. Não precisa inventar moda.  

 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/05/2020 - 10:43Atualizado em 15/05/2020 - 16:00

Governador Carlos Moisés não participa mais todo dia na live do coronavírus, convidou para almoço reservado na Agronômica o deputado Júlio Garcia (presidente e principal liderança da Assembléia), mandou assinar contrato para repasse de parte da receita da Casan em Criciuma para a prefeitura (prefeito Salvaro pedia isso faz mais de ano) e instituiu um "telefone vermelo" para contato direto/aberto com os deputados.

Além disso, recebeu o presidente da Federação Catarinense de Futebol e os dirigentes do Sindicato das empresas de ônibus. E vai passar a fazer despachos no Centro Administrativo, não ficando mais apenas no Palácio da Agronômica.

São alguns dos movimentos feitos durante a semana, depois da posse do novo chefe da Casa Civil, Amândio da Silva Júnior, que confirmam a decisão do governo de mudar o jeito de fazer.

Como estava fazendo, o governo se isolou. Não tinha votos na Assembléia para barrar a abertura do processo de impeachmenr. Estava se encaminhando para o fim de forma antecipada.

Na nova postura, que passa a ter a digital do novo chefe da Casa Civil, o governo promete deixar de ser dono da razão, garante que vai ouvir mais e partilhar decisões.

Em suma, vai ser mais democrático, transparente e respeitoso.

A missão principal de Amândio, que é reverter a onda a favor do impachment, não é fácil. Era impossível até o fim de semana. Hoje, já se pode dizer que tem uma luz no fim do túnel. Mas, se fosse colocado em votação hoje, ainda passaria o afastamento do Governador.

O governo deve passar a ser mais rápido nas decisões. É o que está acertado. 

Mas, a demissão do diretor do porto de São Francisco envolvido no "contrato dos pombos", foi decidida ontem pela manhã, e ainda não foi consumada.

É um processo que está apenas começando. Tem muito por fazer. Mas, o fato é que o Governador Moisés foi convencido da necessidade e assumiu compromisso de aceitar as mundaças necessárias. Quem começam por ele.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/05/2020 - 17:07Atualizado em 14/05/2020 - 17:08

O chefe da Casa Civil, Amandio João da Silva Junior, a presidente da Casan, Roberta Maas dos Anjos, e o prefeito Clésio Salvaro, estiveram reunidos na tarde desta quinta-feira, 14, no Centro Administrativo do Governo, em Florianópolis. Na ocasião, foi assinado um termo aditivo ao contrato de programa que prevê o repasse mensal de 5% do valor arrecadado com a prestação de serviços da Casan na cidade ao Fundo de Saneamento Básico do município.

Os recursos poderão ser usados em obras e ações de saneamento em Criciúma.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/05/2020 - 07:12Atualizado em 14/05/2020 - 17:54

Compreensível que o governador Carlos Moisés esteja abalado,  e indignado, com tudo o que está revelado, porque se trata do seu governo.

Não há nenhum indício que aponte para o seu envolvimento pessoal em nenhuma das falcatruas desnudadas, ele é um homem sério, o Ministério Público diz isso textualmente, mas o seu nome acaba inevitavelmente ligado aos fatos, indiretamente, porque é o seu governo e tem pessoas do seu time, inclusive muito próximas dele, que estão entre os investigados, acusados e denunciados.

Por isso, compreensível (e necessária) a indignação do Governador.

Mas,  ele reagiu ontem, na entrevista coletiva, apenas em relação aos agentes de fora do governo. Aqueles que deram o golpe e os críticos.

Deveria se mostrar mais indignado (e decepcionado) com os "da casa".  Que abusaram da sua confiança e usaram do poder por ele concedido para praticar o indevido.

A força tarefa apurou (e anunciou) que o núcleo político da organização que fraudou o estado era o seu principal secretário, considerado o primeiro ministro do governo.

E ele nada disse a respeito. Uma palavra sequer.

Não queria pré-julgar?

Mas então fez pré-julgamento em relação aos demais, porque até  agora ninguém foi condenado.

Ao mesmo tempo, ninguém mais enrolado que o seu primeiro ministro.

O Governador tentou relativizar os fatos.

Tratou como "pequena crise", aquilo que se confirgura no maior escândalo dos últimos tempos na gestão pública catarinense.

Também afirmou que foi o seu governo quem descobriu e, por sua ordem, produziu a ação para trazer de volta ao estado os r$ 11 milhões.

Na verdade, as investigações foram feitas pela "força tarefa" e a ação protocolada no Judiciário pelo Ministério Público.

Enfim, a reação do Governador era até necessária. Demorou. Mas, veio incompleta e com desvio de foco.

A propósito, a troca da guarda na comunicação do governo já foi definida, anunciada, mas ainda não efetivada.

As manifestações de ontem do Governador, no entanto, confirmaram a necessidade da mudança. Foi uma "lambança".

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 13/05/2020 - 17:27Atualizado em 13/05/2020 - 17:37

O governador Carlos Moisés deve anunciar daqui a pouco, na coletiva das 18h, a liberação do transporte coletivo no estado.

Conversações encaminhadas durante o dia sinalizam para isso.

Hoje pela manhã, o novo chefe da Casa Civil, Amândio da Silva Júnior, adiantou que os ônibus devem ser liberados nesta semana.

A secretaria de comunicação do Governo do estado acaba de confirmar a participação do governador Carlos Moisés na coletiva das 18h.

Faz poucos minutos, a Assembléia Legislativa aprovou projeto de lei que considera o transporte coletivo como serviço essencial.

O projeto foi assinado pelos deputados Luiz Fernando Vampiro, Jerry Comper e Sargento Lima.

Ontem o Governador recebeu representantes do setor de transporte coletivo, com intermediação do deputado Rodrigo Minoto. 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 13/05/2020 - 16:38Atualizado em 13/05/2020 - 16:47

O Criciúma não terá problemas para retomar os treinos, como tem os times de Concórdia e Florianópolis.

O prefeito Clésio Salvaro garante que vai liberar os treinos de imediato,  seguindo portaria assinada pelo governo do estado.

"Claro que sim", respondeu o prefeito, de maneira enfática, quando indagado a respeito pelo blog.

Em Florianópolis e Concórdia, os prefeitos decidiram não permitir os treinos, apesar de o Governo do estado liberar.

Depois da liberação dos treinos dos times, o presidente da Federação Catarinense de Futebol, RubinhoAngeloti, já está tratanto com o Governador Moisés da retomada do campeonato catarinense no dia 4 de junho.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 13/05/2020 - 06:40Atualizado em 13/05/2020 - 12:52

Impeachment em Santa Catarina é uma possibilidade.
Possiblidade real, pelas circunstâncias que estão postas.

Impeachment precisa de fato determinante e de condições políticas favoráveis.
E tem os dois.
Sobram os fatos que podem justificar o impeachment, e as condições políticas são plenamente favoráveis.

Não será bom para o estado se acontecer. Porque vai parar o estado.
Vai criar inevitavelmente clima de instabilidade e insegurança.

Mesmo que o estado catarinense seja muito forte na economia, e que o setor produtivo ande com suas próprias pernas, um processo de impeachment produz desdobramentos.
 Mas, o governo Moisés ficou muito exposto. Errou demais.
Se embebedou na soberba, subiu o salto na arrogância e se colocou acima de todos, como poder absoluto, não ouviu, não partilhou decisões.
E foi se isolando.

É claro q ainda tem espaço para reverter o quadro, e evitar o impeachment.

Mas, vai ter que trabalhar muito, e muda. Vai ter que ser um outro governo.
Transparente, aberto, respeitoso, pés no chão, que não precisa e não deve atender tudo o que pedem, mas deve ouvir e avaliar os pleitos e as propostas das forças representativas da sociedade.

Vai ter que se convencer que não sabe tudo, e que não pode tudo.

Enfim, muita tarefa de casa por fazer.

De tudo isso, fica a dica. Eleição deve ser levada mais a sério.
Pelos que votam, e por aqueles que definem candidatos e montam os times para buscar os votos.

O governo que está no comando do estado foi eleito numa onda. Ok.
Mas, foi eleito também porque os operadores políticos apresentaram candidatos muito ruins.
Candidatos que foram impostos, e que foram candidatos apenas porque se venceram as disputas internas.

Os candidatos não foram definidos pelo critério densidade eleitoral, aprovação da vóz das ruas, conteúdo, propostas, histórico, vida pregressa.

E depois, fizeram campanha enfadonhas.
Deixaram espaço aberto para um candidato desconhecido (desconhecido no seu próprio partido), que foi puxado por uma onda nacional.
E deu no q deu!

Sem experiência, amador, que se deslumbrou com o poder, e com o palácio, e assim se fez uma presa fácil para golpistas.

Então, que a vida ensine!
 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 12/05/2020 - 18:21Atualizado em 12/05/2020 - 21:09

A principal novidade na coletiva de hoje do governo do estado, fim da tarde, foi a ausência do governador Carlos Moisés.

Quem coordenou a coletiva foi o secretário da saúde, André Mota Ribeiro.

Oficialmente, o governador estava ruim da garganta. Mas, na real, ele foi poupado.

Aparecer todos os dias para anunciar mortos,  e "abrir janela" para levar petardos nas redes sociais, era um equívoco.

A sua retirada de cena faz parte das mudanças que o governo começa a sofrer, a partir da ascensão de Amândio da Silva Junior na chefia da Casa Civil e Gonzalo Pereira na chefia da comunicação.

Amândio substituiu o desgastado (e denunciado) Duglas Borba, e passa a ser o responsável pela articulação política do governo.

Gonzalo assumiu o cargo que estava com Ricardo Dias, que foi levado da RBS Tv de Criciúma para o cargo, na "cota pessoal" do Governador.

Amândio passou boa parte do dia na Assembleia Legislativa, enquanto eram protocolados mais dois pedidos de impeachment e a CPI dos Respiradores definia os primeiros depoimentos.

Ele saiu da Assembleia convencido que a missão será mais difícil do que parecia. Governador terá que se empenhar pessoalmente para tentar reverter a situação de hoje, que é amplamente desfavorável ao governo (e favorável ao impeachment).

Moisés terá que sair do Palácio residencial da Agronômica, passar a despachar no Centro Administrativos, e, principalmente, abrir as portas do gabinete. Receber dirigentes de entidades representativas, deputados, prefeitos, e se dispor a ouvir. 

Dos dois pedidos de impeachment protocolados hoje por deputados, um pede cassação de governador e da vice.

Se fosse a voto hoje, o pedido impeachment de Moisés passaria.

O da vice, não se sabe. Ninguem sabe ao certo como ela é.  E isso pode ajudar Moisés.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 12/05/2020 - 16:25Atualizado em 12/05/2020 - 16:35

O advogado criciumense Jeferson Monteiro passa a integrar a executiva estadual do PSL.

Ele passa a ser segundo tesoureiro da executiva.

O presidente da executiva estadual, Fabio Schichet, acaba de aprovar alterações principal pela exclusão de Douglas Borba e Matheus Hoffman, até então secretário geral e tesoureiro do partido.

Dougasl era o chefe da Casa Civil do governo do Estado e Matheus o adjunto. Foram exonerados no final de semana.

Jeferson Monteiro se filiou no PSL no final do ano, convidado pessoalmente pelo presidente Fabio Schiochet, e vem se destacando no trabalho político para crescimento do partido na região.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 12/05/2020 - 11:30Atualizado em 12/05/2020 - 11:56

O novo chefe da Casa Civil do governo do estado, Amândio da Silva Júnior, começou seu primeiro de trabalho "batendo ponto" na Assembléia Legislativa.

Chegou pouco antes das 11h e foi direto para o gabinete do presidente, deputado Julio Garcia.

Agora, está passando por outros gabinetes e conversando com vários deputados.

Está acompanhando do seu "futuro" adjunto, Juliano Chiodeli (que será nomeado durante o dia).

Escolha de Chiodeli foi anunciada em primeira mão na radio Som Maior, às 7h20.

Amândio foi começar a sua missão por um dos pontos nevrálgicos do governo.

A relação com a Assembléia é muito ruim.

O governo atende poucos deputados, não responde, não se comunica.

Por isso, terminou 2019 com uma base de apoio com 24 deputados, e hoje tem 14 ou 15.

Mas, se for contar voto sobre o pedido de impeachment, não fecha 10.

São poucos os que aceitam passar para a opinião pública que são "do governo".

Na Assembléia, alem do processo de impeachment, vai começar a trabalhar a CPI dos Respiradores, com uma composição majoritariamente de oposição.

Amândio é habilidoso, e respeitado.

A sua nomeação foi uma "bola dentro" do Governador Moisés.

Mas, ele terá que se desdobrar, fazer valer todas as suas hbilidades, para conseguir reverter em tempo a situação ruim do governo.

O seu prazo não vai além de 30 dias. 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 12/05/2020 - 10:49Atualizado em 12/05/2020 - 11:27

Curitiba é uma das capitais com números mais baixos do coronavírus. Tanto em contaminados, quanto em mortos.

Por isso, virou referência nacional.

Entrevistei hoje na rádio Som Maior o prefeito Rafael Greca.

Prefeito de segundo mandato, que já foi ministro, deputado. Politico experiente, e um intelectual.

É da geração de Jaime Lerner, e foi o seu sucessor no comando de Curitiba.

Anotei e faço questão de passar adiante o que ele disse sobre transporte coletivo.

"Em nenhum momento eu deixei de fazer o transporte funcionar. Nem nas grandes cidades. Nem o metrô de Nova York, nem o metrô de Pequin, nem o metrô de Milão, pararam de funcionar. No dia que Milão enterrou 4 mil pessoas, o metrô estava funcionando. O transporte é fundamental. Aqui eu deixo o povo entrar em 50% do ônibus. A Guarda Municipal, com a Polícia, e agora com apoio do Exército, trabalham para disciplinar filas, obrigar as pessoas a só entrar nos ônibus com máscara. dar máscara para quem ainda esta sem máscara". 

A mostrar que o que acontece por aqui é só aqui. Ônibus 100% parado, na garagem.

O mundo mostra que é possivel circular os ônibus, com critérios e controle.

Como em Curitiba, só usar 50% do ônibus e tem que estar com máscara.

Ou, estabelecer banco sim, banco não. Liberar pelo menos nos horários de pico, com mais veiculos.

O que parece sem noção é manter todos os ônibus parados, enquanto as Vans circulam livremente, fazendo o papel do ôbibus, lotadas (algumas superlotadas), sem fiscalização.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/05/2020 - 18:49Atualizado em 11/05/2020 - 19:15

A sessão do Tribunal de Contas estava terminando, quando dei informação em primeira mão no Ponto Final, rádio Som Maior. Governador sofre mais um revés, desta ve no Tribunal de Contas. Não se trata da compra de respiradores. Agora, é o caso do pagamento de verba remuneratória aos Procuradores do Estado, sem amparo legal.

Isso pode dar crime de responsabilidade e subsidiar processo de impeachment.

O Governador ja está ameaçado por outros cinco pedidos de abertura de processo de impeachment que estão protocolados na Assembléia, e mais um que será encaminhado hoje (o mais ameaçador) pelo deputado Mauricio Eskudlark, PL, que foi lider do governo de Moisés até o inicio do ano (e não aceitou continuar na função).

O parecer do conselheiro Wilson Wan Dal, relator do processo, que foi respaldado hoje pelos demais conselheiros, define assim a concessão dada aos Procuradores:

"Pagamento de verba remuneratória institulada "verba de equivalência" a Procuradores do Estado, com base em isonomia inexistente entre carreras de Procurador do Estado e Procurador da Alesc, e sem disposição legal que indique o seu pagamento, em descumprimento dos artigos 37 e 39 da Constituição Federal, e artigos 23 e 26 da Constituição do Estado".

 A par disso, o pleno do Tribunal decidiu hoje conceder cautelar para sustar de imediato o pagamento de tal verba remuneratória, e abrir prazo de 30 dias para que o Governador possa apresentar as suas razões.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/05/2020 - 12:54Atualizado em 11/05/2020 - 13:45

O Tribunal de Justiça atendeu pedido do Ministério Publico e acaba de retirar o sigilo do processo dos respiradores, tornando públicas todas as informações.

No despacho dado,  a desembargadora Vera Lucia Copeti escreve:

"Conforme ponderou o Ministério Público, não mais se justifica a restrição de publicidade do feito, diante da deflagração da fase de campo e das normativas expressas no ordenamento jurídico pátrio que regulam o tema acerca da publicidade dos atos processuais"

Na entrevista coletiva de sábado, o chefe do Ministério Público, Fernando Comin, e o diretor geral da policia civil, delegado Paulo Koerich, não reponderam várias perguntas sob argumento que o processo estava com sigilo de justiça.

No sábado à noite, o Ministério Público protocolou pedido ao Tribunal de Justiça para retirada do sigilo.

Com a liberação das informações já foi possível confirmar, por exemplo, que realmente foram pedidas na semana passada as prisões de seis envolvidos no caso. Um deles foi o então secretário da Casa Civil, Douglas Borba.

Mas, a desembargadora Vera Lúcia Copeti negou todos os pedidos.

No sábado pela manhã, Douglas foi levado à sede da Deic para prestar depoimento.

Ontem, ele acertou a sua saida do governo. A assessoria de imprensa anunciou que foi por exoneração a pedido. Ou seja, ele pediu demissão.

Entre os outros pedidos de prisão, está o presidente da câmara de vereadores de São João de Meriti, cidade do interior do Rio, vizinha de Nilópolis.

Na sua casa, no sábado, a polícia sequestrou pouco mais de r$ 300 mil.

Quanto ao demais, tem pelo menos dois amigos de Douglas Borba.

Trecho processo que trata sobre os pedidos de prisão temporária:

"Com base na documentação e nos depoimentos que instruem o presente pedido, é possível afirmar que a prisão temporária de Douglas Borba, Samuel Rodovalho, Leadnro de Barros, Fabio Guasti, Pedro de Araújo,  Rosemary de Araújo, Giliard Gerent e Davi Perini Vermelho constitui medida indispensável à continuidade dos trabalhos investigativos".

Em seguida, mais informações do processo.
 

 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13