Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/03/2021 - 08:53Atualizado em 19/03/2021 - 09:38

O decreto ainda não foi publicado, mas já está decidido no Governo que o comércio poderá funcionar no fim de semana.

Os shoppings também, até 21h.

O decreto está pronto, mas passa por revisão da Procuradoria do Estado. Deverá ser publicado durante a tarde.

Uma das novidades do decreto será a previsão de multa para quem não usar máscara em ambiente público. Provavelmente r$ 500,00.

Deve ser mantida proibição de venda de bebidas alcoólicas a partir 18h.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/03/2021 - 06:49Atualizado em 19/03/2021 - 07:24

O ex-diretor do Cisamesc, Ricardo Ghelere, reagiu às suspeitas que seu envolvimento nos desvios que inviabilizaram o consórcio e protocolou pedido de auditoria.

Hoje, todos os municipios da Amesc migraram para o consórcio da Amrec.

O pedido de Ghelere foi entregue ontem ao presidente do Cisamesc, Almides Silva da Rosa.

Ele escreve no documento:

"Como ex-diretor desde a sua fundação em 1996, sou o maior interessado que essa situação seja esclarecida, e não pairem duvidas a respeito de minha atuação, pois quando me desliguei em dezembro de 2017 todas as certidões negativas estavam em dia, bem como salários, fgts e prestadores de serviço".

Há uma investigação em curso no Tribunal de Contas do Estado.

Numa audioria feita por técnicos do Tribunal, foi apontado o envolvimento de Ghelere em alguns desvios.

Nas ultimas reuniões entre prefeitos da Amesc, foi dito que o "rombo" nas contas do consórcio oscila  em torno de r$ 17milhões.

Hoje, 9h, Ghelere será o entrevistado no programa Conexão Sul, na rádio Som Maior.

Abaixo, o pedido de auditoria protolado por Ghelere, que tem seu nome relacioando aos desvios que levaram:

  

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/03/2021 - 06:09Atualizado em 18/03/2021 - 06:20

A polícia já prendeu 18 envolvidos no ataque à Criciúma no final do ano passado. Cinco deles estão na Penitenciária regional Sul, em Criciúma. Uma mulher e quatro homens. Os outros estão em presidios de outros estados.

As prisões foram feitas em ações conjuntas das policias de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo.

As investigações seguem e novas prisões podem ser feitas a qualquer momento.

No ambiente policial, o resultado é considerado muito positivo, porque é o maior número de presos em três meses depois de uma ação criminosa daquela dimensão.

A polícia confirma também que um dos assaltantes envolvidos no ataque de 1 de dezembro de 2020 à Criciuma para assaltar a tesouraria do Banco do Brasil também participou do ataque ao Unibanco da cidade, em 2003.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 16/03/2021 - 22:19Atualizado em 17/03/2021 - 06:22

Foi assinado ontem à tarde, em Porto Alegre, o contrato para elaboração dos projetos básicos e executivos de engenharia e execução das obras de construção da Br 285 no trecho gaúcho, em São José dos Ausentes.

Foi assinado pela Superintendência do DNIT do Rio Grande do Sul e os representantes do consórcio PlanaTerra/,Traçado/Iguatemi, vencedor a licitação.

O termo de contrato tem o número 94/2021.

O valor total da contratação é de r$ 72.072.000,00. O prazo de execução é de 900 dias (quase dois anos e meio).

No domingo, o ministro Tarcisio Freitas publicou no twitter foto da obra no trecho catarinense da BR 285, Serra da Rocinha, garantiu que a inauguração acontecerá até final de julho deste ano, e anunciou que durante a semana seria assinado o contrato para obra no trecho gaúcho da rodovia.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 16/03/2021 - 10:07Atualizado em 16/03/2021 - 10:19


Década de 80, em Araranguá, a oposição ganhou a eleição e assumiu a prefeitura.

Foi uma eleição acirrada, quente, decidida por poucos votos.
Na primeira semana depois da posse do novo prefeito, alguns trabalhadores estavam lavando as escadarias e as paredes da sede da prefeitura, quando um gaiato passando do outro lado da rua, gritou:

"ei, ei, não adianta"
Como não deram atenção, ele insistiu ..
"ei, não adianta".

Até que os trabalhadores resolveram perguntar:
"como é que é ? como assim, não adianta ?"

E ele lascou:
"é que a sujeira mesmo está por dentro".

Pois, lembrei disso quando recebi de novo por mensagem um documento pedindo assinatura para apoiar o pedido de impeachment de um ministro do Supremo Tribunal Federal.

Não que o ministro não mereça!

Mas, não adianta!

Porque não resolve. O problema está por dentro.

Está na forma de definir ministro do Supremo e de outros tribunais superiores.

Enquanto eles forem definidos por escolha e nomeação do Presidente da República, sempre serão escolhas políticas, seja quem for, e os nomeados ficarão sempre carimbados. E "devendo" a nomeação.

A mais alta corte do judiciário deve ter, por óbvio, os maiores magistrados do país.
As maiores autoridades do judiciario. As melhores cabeças, o mais bem preparados e mais completos.

Para isso, ministro de tribunal superior deve ser definido por carreira ou concurso.
Deve ser o ponto máximo da carreira do judiciário.

Da mesma forma, desembargadores de tribunais de justiça, conselheiros de tribunais de contas, procuradores do ministério público.

Assim, chegarão os melhores, por méritos, sem compromissos, sem atrelamentos.

E não os que tem melhor trânsito no ambiente político.

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/03/2021 - 18:06Atualizado em 15/03/2021 - 18:22

Câmara de vereadores acaba de aprovar por unanimidade o projeto de lei encaminhado pelo prefeito Clesio Salvaro que permite a inclusão de Criciúma no consórcio de municipios que encaminhará a compra de vacinas.

Operação será feita em parceria com a Fecam (federação catarinense de municípios) para compra da vacina Sputnik, da Russia.

Na semana passada, o prefeito já havia assinado o protocolo de intenções.

Todos os municipios da Amrec participam do consórcio.

Vários vereadores, inclusive de oposição, foram à tribuna para apoiar e defender a iniciativa de participar do consórcio para compra de vacinas.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/03/2021 - 16:27Atualizado em 15/03/2021 - 16:37

O PSDB catarinense fez hoje a filiação de Vinicius Lummertz, que passa a ser opção para disputar a eleição em 2022.

Vinicius foi secretário de planejamento do governo de Santa Catarina, presidente da Embratur, ministro do turismo e hoje responde pela secretaria de turismo do governo de São Paulo.

É catarinense, casado com a criciumense Simone Guglielmi.

A sua filiação ao PSDB foi comandada pela presidente estadual do Partido, deputada criciumense Geovania de Sá, pelo ex-deputado Gelson Merisio, pré-candidato ao Governo, deputados e dirigentes do partido.

Vinicius passa a ser uma opção forte do partido para compor a chapa majoritária ou disputar eleição para deputado federal.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/03/2021 - 14:00Atualizado em 15/03/2021 - 16:41

Tecnicamente, pode estar correto o juíz de direito Jefferson Zanini, da comarca de Florianópolis, que não deferiu liminar para estabeleciento de lockdown no estado e repassou o assunto para o COES (centro de operações de emergência em saúde). O magistrado não tem decidir sobre o que cabe ao executivo.

Se o executivo não faz ou não faz direito o que lhe cabe, pode ser processado em ação de improbidade, ou processo crime. Era o que o Ministério Público poderia ter feito.

Em Brasília, por exemplo, o Ministério Público Federal protocolou pedido de inquérito contra o ministro da saúde, general Pazzuello, por má condução da crise.

Afinal, por quê "passar a bola" para o Judiciário nesse estágio da crise e não acionar quem tem a responsabilidade de agir? 

Acionado, o Judiciário chamou o COES à responsabilidade. Devolveu ao executivo. E o executivo anunciou que vai recorrer da decisão.

No final das contas, todos vão ganhando tempo. E a crise, vai engordando?   

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/03/2021 - 06:21Atualizado em 15/03/2021 - 07:14

No dia 17 de março de 2020, o governador Carlos Moisés decretou situação de emergência em todo o estado e mandou fechar tudo para evitar a propagação do coronavirus.

Depois de amanhã faz um ano, e a situação está muitas vezes pior. Santa Catarina vive um colapso na saúde por causa do coronavirus.

Na época, Moisés decidiu sozinho. Todos obedeceram.

Depois, o Governador foi afastado, quase cassado, e ainda está ameaçado.
Está marcado para no dia 26 o julgamento do seu processo de impeachment.

Hoje, o governo Moisés está mais frágil, suscetível a pressões. Ficou vacilante.
Dá um passo para a direita e um passo para a esquerda, um passo para a frente e um passo para trás.

E a fragilidade do governo do estado faz aumentar a confusão.

Ameaçado, acuado, o governo não agiu em dezembro, janeiro e fevereiro, e a pandemia explodiu.

Documentos comprovam que o governo do estado foi alertado oficial e formalmente em dezembro sobre colapso na saude.
Dois meses após o alerta, em meados de fevereiro, SC atingiu o limite máximo de internações

Agora, Santa Catarina tem os piores números do país em relação à pandemia.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/03/2021 - 19:22Atualizado em 14/03/2021 - 19:23

Final da década de 70. Eduardo Santos, funcionário do Banco do Brasil, agência de Criciúma, namorava a Gorete Rosso, de Araranguá.
Era minha carona segura todo domingo à noite.

Eu já estava de mala e cuia em Criciúma desde 1977, mas ia para Araranguá praticamente todo final de semana.

A “viagem" era sempre muito agradável. Conversa boa.

Mas, a parte marcante era quando o carro chegava no “topo" do Morro das Bananeiras, na Quarta Linha.
Lá de cima, tínhamos a visão de toda Criciúma.
E as nossas narinas sofriam!
Eram “invadidas" por um terrível cheiro de enxofre. Que parecia ovo podre.
Chegava a causar ardência no nariz.

Os depósitos de carvão amontoados ao ar livre, por vários bairros de Criciúma, provocavam isso.

Aproximadamente 65% do carvão extraído das minas subterrâneas na região carbonífera de Santa Catarina eram descartados como resíduo em depósitos de rejeitos a céu aberto.
Esse tipo de rejeito contêm minerais sulfetados, principalmente a pirita, que oxida e pode gerar drenagem ácida de minas, com diversos impactos ambientais e custos econômicos.

Com a chuva, a pirita entrava em combustão. E a "catinga" impregnava o ambiente.

Isso começou a mudar a partir de um evento organizado e coordenado pelo vereador Woimer Loch em 1980.
Primeiro encontro sobre Eco Desenvolvimento  do Sul de Santa Catarina.

Woimer reuniu as maiores autoridades do estado e do país sobre meio ambiente.
Colocou foco na degradação ambiental da região.

O engenheiro Paulo Nogueira Batista veio representar o Governo Federal.
Era homem de confiança do presidente João Figueiredo, altamente qualificado, integrante de várias missões diplomáticas internacionais, um intelectual.

Ele ficou impressionado com o que viu.
Em sua palestra, “batizou" a região como “área crítica do Brasil” em relação ao meio ambiente.
Disse textualmente que era um dos locais mais poluídos.

Por sua sugestão, foi levado ao Presidente Figueiredo o pedido para oficializar a região carbonífera como uma das 10 áreas criticas do país.

O que ele queria, conseguiu. Chamar a atenção para o problema.

Do evento, saiu a “Carta do Sul”, que registrou as principais demandas aprovadas.

Só a partir daí que a degradação ambiental provocada pela mineração de carvão começou a ser tratada.
Não faz muito tempo. Apenas 41 anos.

Depois disso, passou a ter fiscalização e o assunto foi levado à Justiça.

Foi aí que entrou em cena o procurador Darlan Dias, do Ministério Público Federal.
Ele fez da recuperação ambiental a sua principal causa. Fez um trabalho brilhante.
Com muita persistência, determinação, estudo, e uma boa dose de ousadia.

Por sua provocação, saiu uma sentença histórica da Justiça Federal, determinando às carboníferas que recuperassem todo o passivo ambiental.
A sentença vem sendo cumprida até hoje.

Também por exigência do Ministério Público e da Justiça, as carboníferas acabaram modernizando a operação.
E aos poucos, foi mudando a imagem (e o cheiro) de Criciúma e região.

Mas, a culpa não era do carvão.
Era de quem tirava do subsolo e jogava o rejeito ao ar livre, sem nenhum cuidado.
 
Hoje, esteja no topo do Morro das Bananeiras, ou em qualquer outro ponto da cidade, as narinas não são mais invadidas pelo cheiro forte do enxofre.

Quanto ao Eduardo, casou com a Gorete, aposentou no Banco do Brasil de Criciúma por tempo de serviço, e os dois vivem hoje em Florianópolis.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/03/2021 - 20:07Atualizado em 11/03/2021 - 20:15

O Presidente  Bolsonaro levou na sua live de hoje à noite o deputado federal criciumense Danel Freitas, PSL, para cumprimentá-lo pelo trabalho feito na aprovação da PEC do auxílio emergencial.

O deputado foi o relator da PEC e negociou a sua aprovação em plenário.

O Presidente afirmou:

"Parabéns Santa Catarina pelo parlamentar. Pegou uma missão bastante espinhosa e conseguiu pela sua capacidade de dialogar, de conversar, de fazer acordos".

Daniel emendou:

"É muito importante elogiar a responsabilidade do plenário e elogio o nosso líder, deputado Vitor Hugo, porque juntos construímos algo que não vai atrasar o auxilio emergencial".

O Presidente Bolsonaro  voltou a repetir que nos estados que fizeram lockdown, os Governadores devem "bancar" o auxilio emergencial.

Quando começou a se despedir de Daniel, que saiu antes de a live terminar, o Presidente lembrou que os dois se elegeram juntos pelo PSL, e acrescentou que até final de março ele deve definir sobre  partido onde vai se filiar para disputar à reeleição em 2022.

Ele admitiu a possibilidade de voltar ao PSL e disse que estrá tratando disso.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/03/2021 - 07:10

Em síntese, o novo decreto do Governo do estado é mais uma "paulada" no setor da gastronomia.

Ontem, tinha empreendedores chorando.

Por quê o Governo simplesmente não fiscaliza e faz cumprir o que já estava determinado?
Por quê não fiscaliza onde realmente está espalhando o virus?
Porque todo mundo sabe onde está contaminando. Mas, por via das duvidas, os pacientes internados vão informar.

Por aqui, e por todo o Estado, tem aglomeração/foco de transmissão do vírus, mas tem principalmente na vizinhança da sede do Governo.
Por quê não fiscaliza, e pune?

Outra pergunta ao Governo: onde está Badesc?
Por quê o Badesc não está no processo com linhas de crédito abertas para apoiar o pequeno empreendedor que está quebrando, morrendo a míngua?
Se não é para o Badesc estar presente, e estender a mão, em momentos assim, questionável até a necessidade de sua existência!

Ontem, ônibus circulavam lotados em Criciúma, à tarde, com pessoas em pé. A regra de restrição não está sendo cumprida.

Mas, se apenas cumprir a regra, com a mesma frota na rua, metade dos usuários vão ficar na estrada!

Porque entre as medidas, só pode metade da lotação. Sendo assim, tem que ter o dobro de ônibus nas ruas para atender toda a demanda.
Mas, se apenas dobrar frota na rua, a empresa de ônibus, que já está se arrastando, vai à lona!

Porque não se recuperou ainda do apagão do ano passado.

Então, Por quê  o poder público não subsidia a circulação de parte dos ônibus neste periodo?
Por quê não paga o diesel, pelo menos?

E por quê o Governo do estado não suspende cobrança de tributos para quem tem que parar?
E por quê não cria programas de refinanciamento de dividas tributárias para quem foi afetado com a pandemia?

E Por quê não mexe nos horários dos bancos, para alongar o tempo de atendimento externo. Hoje, as filas nos bancos são absurdas, enchendo as calçadas. Aglomerando.

Enfim, Governo tem que parar de fazer o mais facil, que é apenas passar a conta para os mais fracos.
Tem que parar de fazer confusão, tumultuar o ambiente, fazer quebrar negócios, e fazer o que tem que ser feito.
Todo o tempo, o tempo todo, em todo o lugar, e em relação a todos.

E tem que se coçar, colocar a mão no cofre, praticar o gesto, estender a mão e dar a sua contribuição.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/03/2021 - 16:28Atualizado em 10/03/2021 - 17:36

No ano em que explodiu a pandemia (2020), a Brametal, do empresário criciumense Ricardo Brandão, bateu recorde das Américas em volume de produção e faturamento no setor de geração e transmissão de energia.

Foram produzidas 200 mil toneladas de estruturas metálicas, para um faturamento de r$ 1,2 bilhão.

Os números da empresa representam aumento de 78% na produção e 70% no faturamento, em relação a 2019.

A Brametal tem três unidades fabris instaladas. Criciúma, Linhares (Espírito Santo) e Sabará (Minas Gerais).

A maior unidade é no Espírito Santo e a empresa é uma das mais importantes do estado.

A Brametal conta com 2 mil funcionários, incluindo contratações que foram necessárias no período da pandemia.

Informação foi divulgada no Espírito Santo, com destaque no jornal Correio do Estado.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/03/2021 - 10:51Atualizado em 10/03/2021 - 11:05

Para não ficar só em coronavírus e crises, os moradores de Araranguá tiveram um começo de dia diferente. Bem mais agradável.

Um arco-íris estava "desenhado" no céu.

Ouvintes da Som Maior mandaram várias fotos ainda antes das 7h.

Algumas são publicadas abaixo.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/03/2021 - 07:11

Rolava discussão na rádio Som Maior FM sobre mais restrições por causa do coronavírus, e, ao mesmo tempo, ampliação de horários de atendimento, de supermercados por exemplo, para distribuir a clientela, evitando aglomero.

Na sintonia, Silvino, um ouvinte, questionou mensagem de celular:

Por quê os bancos são intocáveis?

Boa pergunta!
E por isso, guardei a mensagem.

Porque é preciso questionar o tratamento diferenciado (com privilégio) aos bancos.

Por quê não mexem nos horários dos bancos?
Por quê nao enquadram os horários das agências?

Por quê os bancos não são chamados a participar do processo?

Por quê com eles tem que ser diferente?

Parece que os bancos orbitam em outro planeta?

Por quê os bancos mantêm horário estreito de atendimento ao público, e provocam filas calçada afora. Na maioria, idosos.

Em condições normais, já deveriam agir para fazer banco abrir mais cedo e fechar mais tarde, para evitar as filas, em respeito às pessoas.

Na crise da pandemia, virou necessidade.

Mas, nada disso. Longe disso.
Os bancos dão de ombros para crise, pandemia, contaminação de clientes na fila.
E são os que mais lucram no país.

A decisão dos bancos para isso nao é local, por que os bancos não são locais.
Mas, a crise do coronavirus é nacional.
Está mexendo com todo mundo, impondo mudanças de postura e forma de trabalhar de praticamente todos os setores.

E bancos, nada ..

Por isso, é boa a pergunta do Silvino:
Por quê os bancos são intocáveis?

É uma boa provocação.

Por quê ninguém se mete com eles?

Seria porque os bancos são fortes, poderosos, e os políticos, gestores públicos e dirigentes de órgãos de fiscalização são todos uns fracotes?
Que só se atrevem a mexer com lojinha pequena, barzinho de bairro, e negocinho de gente simples/humilde ?
Será isso?

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/03/2021 - 06:10Atualizado em 10/03/2021 - 06:22

A previsão era março, mas deverá ficar para abril, ou maio, o início da operação das praças de pedágio no trecho sul da Br 101.

A data só será definida depois de vistoria e aprovação dos trabalhos iniciais pela ANTT (agência nacional de transportes terrestres).

A ANTT aguarda a conclusão de obras e serviços que estão sendo realizados CCR Via Costeira, empresa concessionária, para agendar a vistoria.

As obras e os serviços em andamento estão previstos no contrato de concessão, e devem estar concluidos antes da operação do pedágio.

Depois que a ANTT fizer a vistoria e aprovar os serviços, a CCR vai fazer 10 dias de “operação branca” (funcionamento das praças de pedágio sem cobrança).

São quatro praças de pedágio no trecho sul da Br 101. 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/03/2021 - 21:08Atualizado em 09/03/2021 - 22:00

Mario Xavier, ex-presidente do Sub Diretório do MDB do Rio Maina, se filiou no PL.

Foi levado pelo ex-prefeito Márcio Burigo, coordenador do PL no sul.

Mário entra no partido inserido no projeto baseado nas candidatura de Márcio a deputado estadual e do senador Jorginho Mello a Governdor.

 O ex vice prefeito Gelson Fernandes (a esquerda) participou da reunião e deverá se filiar nos próximos dias ao PL.

Ele fez parte da cordenação de campanha do MDB a prefeitura de Criciúma em 2020.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 09/03/2021 - 07:10

O ambiente já está confuso, punk, difícil.

Por todos os cantos do estado de Santa Catarina. só uma pergunta: vamos mesmo ter lockdown?

Os números do coronavírus só aumentam.
As medidas adotadas não dão resultado.
Pacientes estão sendo levados para outros estados, ou morrendo à espera de uma UTI. Porque não tem mais vaga em hospitais do estado. Tudo lotado.

Mas, se tiver lockdown, setores que não tiveram e não tem nada a ver tudo com isso, com a explosão da pandemia, vão pagar a conta.
E exatamente aqueles que já se arrastam desde o ano passado, e vem fazendo uma luta hercúlia para se manter em pé.

Em torno de tudo isso, uma discussão política sobre o que fazer, o que foi feito, e questionando a vacina.
Um discussão Inoportuna, fora de hora, mas que está aí!

Ao lado, uma crise econômica e financeira que vai derrubando empreendedores pequenos, micro e médios.
Os empreendedores gritam, gritam, e não são ouvidos

E, como um plus, tem novo aumento da gasolina. O sexto no ano.
Além de outros ingredientes a encorpar o "caldo". 

Neste clima, veio uma decisão bomba.

Ministro do STF anula todas as condenações de Lula.
Coloca Lula livre.
Livre de sentenças e liberado para disputar eleição.

É, enfim, o que se pode chamar de tempestade perfeita.

Inevitável a contaminação do já confuso, tenso e acirrado ambiente no país

O que mais se precisava agora era de unidade para vencer a pandemia.

O que mais se precisava era que a luta contra o coronavirus fosse descontaminada da disputa politica
A decisão no STF faz acontecer o contrário.

Então, que ao menos não se perca foco.

Eleição é em 2022. Tem muito tempo pela frente.
Há muita agua a passar por debaixo ponte.
Muito do que está posto hoje, não se sustentará até lá.

Agora, que o foco seja a luta contra a pandemia, pela vida, pela retomada da normalidade. O quanto antes.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/03/2021 - 19:35Atualizado em 09/03/2021 - 06:57

O Sinte decidiu ontem à tarde, em assembleia geral, pela paralisação das aulas presenciais e a sequência das aulas de forma online.

A decisão foi tomada, de acordo com o Sinte, depois dos crescentes casos positivos de Covid-19 na comunidade escolar da rede pública estadual.
Abaixo, a nota do Sinte a respeito da decisão tomada:

"Santa Catarina vive um colapso na saúde. Hospitais lotados, sem vagas nas UTIs e alguns prefeitos começam a tomar medidas mais drásticas de lockdown para tentar conter o crescente número de infectados pela Covid-19. Paralelo a este cenário desesperador, acompanhamos o governador Moisés, seguindo a política negacionista de Bolsonaro, expondo os trabalhadores da educação, estudantes e familiares ao risco de contrair o coronavírus com a manutenção das aulas presenciais.
As escolas estaduais não possuem estrutura para garantir as definições dos Planos de Contingências – Plancon. Denúncias de falta de segurança sanitária estão sendo flagrados em todo o estado, aulas estão sendo suspensas com casos suspeitos entre estudantes e profissionais, bem como casos confirmados e profissionais até hospitalizados

É urgente que o estado tome uma medida em defesa da vida da população. Por isso, os trabalhadores da educação não retornarão às escolas e continuarão as aulas de forma online.
A mobilização cobra que o governo do estado zele pela vida da população e interrompa imediatamente as aulas presenciais, além de garantir a vacinação de todos os trabalhadores da educação, bem como a continuidade da vacinação da população idosa e do grupo de risco.
As aulas online começam nesta terça (9/3) com aplicativos alternativos, até que Moisés libere os aplicativos oficiais do governo do estado.
Não vamos aceitar desrespeito com as nossas vidas!".

 

Secretaria contesta

O secretário de educação do estado, Luíz Fernando Vampiro, se reuniu com a assessoria logo que foi comunicado da decisão do Sinte.

No final da reunião, uma nota oficial foi distribuída.

Na nota, a Secretaria destaca que a decisão é ilegal e que tomará medidas para contestá-la.

Abaixo, a nota da Secretaria de educação:

"A Secretaria de Estado da Educação (SED) foi oficialmente notificada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina (Sinte) da deflagração da “greve sanitária” e a considera ilegal por inúmeros motivos, em especial por não respeitar os requisitos descritos na Lei 7.783/89.

A greve só é considerada legítima quando temporária (art. 2º, da Lei nº 7.783/1989), mas o sindicato não estabelece uma data e exige a vacinação de todos os membros da categoria profissional, algo que não é possível antever porque ainda não há imunizantes disponíveis para compra imediata no país. Além de descumprir os requisitos legais, a “greve sanitária” desconsidera toda a análise técnica que baseou o retorno das atividades presenciais – após mais de um ano de paralisação. 

Além disso, a decisão é contrária ao cumprimento da Lei 18.032/2020, que considera as atividades educacionais, aulas presenciais nas unidades das redes pública e privada de ensino, como serviço essencial em Santa Catarina. A SED entende que esta é uma decisão que não será aceita pela sociedade, que espera ter a opção de levar os filhos para a escola de forma segura, conforme tem sido colocado em prática desde fevereiro.

Convém esclarecer que a ausência ao trabalho para participar de paralisação constitui falta injustificada do servidor, cujas concepções estão fundamentadas na Lei nº 6.844/1986, o Estatuto do Magistério Público do Estado de Santa Catarina. Não há dispositivo que garanta a reposição como meio de compensar descontos salariais decorrentes de dia não trabalhado.

A SED reforça que as escolas não estão imunes à Covid-19, mas que são ambientes seguros para o prosseguimento das aulas presenciais por conta dos protocolos sanitários adotados com o Plano de Contingência para a Educação (PlanCon Edu), o qual foi construído com participação do próprio sindicato.

Por fim, a SED entende que a deflagração da greve não representa a vontade da maioria dos trabalhadores de educação da rede estadual e reforça que irá manter as aulas nos três modelos, adotados de forma democrática para contemplar todos os alunos, preservando as pessoas do grupo de risco, e para manter o interesse público previsto na legislação. Caso necessário, a SED está se mobilizando para acionar a Justiça e adotar as medidas cabíveis".

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 07/03/2021 - 22:22Atualizado em 07/03/2021 - 22:51

Agora à noite, no estacionamento da farmácia Drogaraia, no bairro Pio Corrêa, bandidos arrancaram o motorista que estava dentro de uma camionete Land Rover, o jogaram no chão, e roubaram o carro (veja video abaixo)

O motorista era o dr João Luíz Rocha, o Jóca.

Vizinhos conseguiram filmar a ocorrência.

A Polícia Militar agiu rápido.

Houve confronto e troca de tiros entre a PM e os bandidos.

Pelas primeiras informações, três dos bandidos foram baleados.

O caso está sendo levado pela PM para a Polícia Civil.

Mais detalhes em seguida, ou amanha, 7h, na rádio Som Maior.

 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13