Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/08/2020 - 16:25Atualizado em 25/08/2020 - 16:30

A rede Bistek de Supermercados avança no Rio Grande do Sul.

Depois de Torres, prepara início de operação em Porto Alegre até final de novembro. 
As obras da loja da rede na capital gaúcha já estão sendo encaminhadas.

O diretor da rede, Valter Ghislandi, acaba de confirmar que a intenção é estar operando em dezembro. 
É o segundo projeto da rede fora de Santa Catarina. 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 25/08/2020 - 06:12Atualizado em 25/08/2020 - 06:27

Deputado criciumense Luiz Fernando Vampiro, líder do MDB na Assembléia, pode ser o presidente da comissão de nove deputados que vai decidir se encaminhará ao plenário da Assembleia a proposta de afastamento do governador Carlos Moisés para julgamento do pedido de impeachment.
Comissão será empossada à tarde e logo se reunirá para eleição do presidente.
Caberá ao presidente eleito definir o relator da comissão.
Nos bastidores da Assembléia são cotados os deputados Vampiro, João Amin (PP) e Marcos Vieira (PSDB).
O deputado Marcos, falando ontem na Som Maior, descartou a possibilidade de ser presidente.
Vampiro e Amin estão no páreo.
Ontem à noite, o deputado Vampiro disse que não será o presidente.

Recurso no STF

A Procuradoria da Assembléia Legislativa, pela procuradora geral, Karula Trentin Lara,  protocolou recurso ontem no STF pedindo impugnação de reclamação da defesa do governador Carlos Moisés em relação ao rito definido para o processo de impeachment.
Pelo mesmo motivo, a defesa do Governador, pelo advogado Marcos Probst, já havia encaminhado recurso ao Tribunal de Justiça, onde conseguiu liminar, e fez paralisar o andamento do processo de impeachment.
Mas o STF derrubou a liminar e confirmou legalidade ao rito dotado pela Assembléia.
Na sexta-feira, a defesa de Moisés foi ao STF com novo recurso contra o rito.
O recurso do advogado de Moisés e o pedido de impugnação da Procuradoria da Assembléia estão sob analise do ministro Luis Barroso, que derrubou liminar e confirmou o rito adotado pela mesa diretoria da Assembléia.

A decisão de Mariano

Decisão mais importante no ambiente político na Amesc será anunciada amanhã pelo prefeito Mariano Mazzuco, de Araranguá.
Ele mandou convocar o diretório do PP para amanhã à noite, quando vai anunciar se será candidato à reeleição.
No dia seguinte, deve conceder entrevista coletiva.
Se Mariano decidir não disputar a eleição, o candidato do PP será o vereador Daniel Viriato.
Mariano já deu sinal nítidos de não disputar a eleição, mas também fez movimento de candidato. As apostas são divididas em Araranguá.

O que é fato é que a decisão de Mariano vai acelerar o processo para definição do quadro de candidaturas a prefeito de Araranguá.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 24/08/2020 - 14:26Atualizado em 24/08/2020 - 15:25

O titulo da nota poderia ser “a volta do que não foi”.

Julio Kaminski, vereador, era o candidato do PSL a prefeito de Criciúma, mas renunciou a candidatura e anunciou desfiliação do partido.
Saiu contrariado com encaminhamentos dados pelo partido na cidade.
Na seqüência, ele se aproximou do DEM, sinalizou que poderia estar com o partido na eleição municipal.
Mas, alguns dias depois esfriou a relação e ele acabou recuando.
Em seguida, começaram especulações que Kaminski estaria tratando de sua reconciliação com o PSL para ser candidato à reeleição.
Isso seria possível porque, apesar de ter anunciado desfiliação, ele não a efetivou. Na prática, e nos papéis, ele continua um pesselista filiado. Está, então, em plenas condições de ser candidato pelo partido.
Mas, depende da costura interna.
Quem ficou com o PSL, segurando o bastão, não gostou muito da idéia. Fazia ressalvas à postura de Kaminski.
O comando local do partido não estava assim "de braços abertos" para recebê-lo.
Até que o presidente estadual do PSL, deputado federal Fabio Schiochett, bateu na mesa (como ele mesmo disse hoje cedo, na rádio Som Maior), e “bancou" Kamisnki.
Por Fábio, Kaminski só não será candidato se não quiser.
E Kaminski disse ao blog: “vou me reunir com o Fábio para decidir”.
A reunião será entre amanhã e quinta-feira.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 21/08/2020 - 11:33Atualizado em 21/08/2020 - 12:16

O PDT e o PL, que têm Maciel Da Soler e Geovane de Godói, respectivamente, como pré-candidatos a prefeito de Forquilhinha, estão tratando da possibilidade de fechar aliança e compor chapa para eleição de novembro.

Dirigentes dos dois partidos se reuniram ontem, quinta-feira, 17h, para avaliar a possibilidade de um entendimento.

O principal fator que aproxima e pode levar à união, de acordo com dirigentes dos dois partidos,  é a visão de que a gestão pública em Forquilhinha precisa de renovação e que o município praticamente esgotou a sua capacidade de investimento.

Ao final do encontro, ficou definido que novas conversas vão acontecer nos próximos dias, envolvendo outros partidos que tenham o mesmo objetivo.

Também foi decidido que a reunião seria tornada pública.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 20/08/2020 - 21:24Atualizado em 21/08/2020 - 08:47

Quando vim para Criciúma pela primeira vez, fazer vestibular, uma das primeiras casas que me recebeu foi a do Pedro Nakagaki

Era tio da minha namorada.

Eu e a namorada viemos fazer vestibular.

A namorada virou minha mulher, e o Pedro virou meu tio, e um tio muito querido.

Ele cantou no meu casamento.

Cantava de vez em quando, até ano passado, nos nossos encontros do Sofa 15, uma confraria comandada pela sua filha, a Marina.

Homem bom, coração enorme.
Adorava uma resenha.

Era um bom contador de histórias.

Penso que foi o primeiro japonês na cidade.
E talvez por isso, todo mundo o conhecia. E queria bem.

Casado com a Shirlei, filha de Donatila Borba.
Casal muito espiritualizado. Que fez muito bem muita gente.

Pedro teve programa de rádio, trabalhou na gráfica do seu Wilson Barata, trabalhou com brindes, e fez mais isso e aquilo.

Mas, o trabalho era o meio.
O que ele mais gostava era de estar com as pessoas, de se relacionar com as pessoas.
Para rir e fazer rir. E para aconselhar.
E ajudar sempre que possível.

Pedro Nakagaki era professor de judô.
Foi sensei de meia Criciuma nas décadas de 70 e 80.
Mais do que a atividade física, passava noções de disciplina, ética, lealdade, retidão.
Os seus alunos lembram dele até hoje, com orgulho e carinho.

Foi da famosa Turma da Seresta. Time bom.
Que fez sucesso na cidade e região durante bons anos.
Quantas festas fizeram, quantas homenagens, quantas serenatas.

Pedro faleceu ontem, começo da noite.
Nao foi vitima de covid.

Teve problema com uma infecção no pé, que juntou com outra infecção, que se alastrou, e outros problemas vieram, e ele se foi.

Foi muito bem atendido no hospital São José. Fizeram lá o que foi possivel. E ele lutou enquanto teve forças.
Mas, se foi.

Ficamos com o exemplo, e com a sua voz a cantar nos nossos ouvidos.

Pedro Nakagaki subiu. Foi pro céu.

 

 

 


 

 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 20/08/2020 - 14:09Atualizado em 20/08/2020 - 14:19

Acaba de ser definida a comissão de nove deputados estaduais que vai encaminhar ao plenário da Assembléia o pedido de impeachment do governador Carlos Moisés, da vice, Daniela Reinert, e do secretário de administração do estado, Jorge Tasca.

Respeitada a proporcionalidade das bancadas e blocos, a comissão fica assim construída:

Luiz Fernando Vampiro e Moacir Sopelsa (bancada do MDB)
Marcos Vieira e Ismael dos Santos (bloco PSD, PSDB, PDT, PSC)
João Amin e Sergio Motta (bloco PP, PSB, Republicanos)
Jessé Lopes e Maurício Eskudlark (bloco PL, PSL)
Fabiano da Luz (bancada do PT)

A comissão vai receber as manifestações do Governador, da Vice e do secretário, que podem ser encaminhadas até a primeira quinzena de setembro.

Depois, a comissão vai definir posição a respeito do pedido de impeachment e encaminhar para voto do plenário da Assembléia.

Se o plenário aprovar a instalação do processo de impeachment, o Governador será afastado por 180 dias para julgamento do pedido.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/08/2020 - 18:21Atualizado em 19/08/2020 - 18:57

O prefeito Clesio Salvaro terminou agora a pouco reunião on line com prefeitos da Amrec, quando anunciou que os ônibus voltarão a circular em Criciúma na segunda-feira.

Na oportunidade, defendeu que as linhas intermunicipais também sejam liberadas.

Salvaro já tratou do assunto com as empresas de ônibus, que já comunicaram os trabalhadores e o sindicato da categoria.

Daqui a pouco, mais informações.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/08/2020 - 17:34Atualizado em 19/08/2020 - 17:38

Fato novo na política de Forquilhinha, que pode ter desdobramento na eleição.
O ex-presidente da Cooperativa, Cali Arns, liderança respeitável principalmente no interior do município, foi empossado presidente da executiva municipal do PSB.
Operação conduzida pelo coordenador regional do partido, Fabio Brezola, com aval do presidente estadual, Claudio Vignati.
Agora, o PSB trata com o candidato do PP a prefeito, Lei Alexandre, sobre a possibilidade de aliança para a eleição de novembro, e está indicando Cali como candidato a vice.
Lei, Brezola e Cali estão tratando do assunto, que pode ter definição a qualquer momento.
Abaixo, o documento que deu posse à Cali no comando do PSB.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/08/2020 - 16:55Atualizado em 19/08/2020 - 20:19

O enredo é para um bom filme de suspense, com conteúdo recheado de artimanhas e traições.

Em linhas gerais, um candidato a prefeito, na reta final para oficialização da candidatura, é destituído da presidência da executiva, informado por um ofício em papel não timbrado, numa operação que tem a digital do sobrinho.

Tudo isso está acontecendo no Arroio do Silva.

Jairo Borges, empresário tradicional, é o candidato a prefeito do PP.

Ele era também o presidente do partido, mas foi surpreendido hoje por oficio assinado pelo secretário da executiva municipal, comunicando que ele está destuído do cargo, e que a vice-presidente, Denisa dos Santos, é quem passa a representar o partido.

Ofício simples, papel branco, poucas linhas.

Decisão encaminhada 48 horas depois de Jairo ter anunciado que não faria coligação com determinados partidos.

Jairo foi destituído da presidência sem ter sido sequer ouvido, sem ter direito à qualquer manifestação. Destituição sumária.

O "arquiteto" da operação seria o sobrinho,  Fernando Borges.

Ele estava lotado no gabinete do deputado José Milton Scheffer, na Assembléia, até poucos dias, e se desincompatibilizou em tempo de ficar em condições de disputar a eleição.

Fernando defende aliança do PP com o PSL, que tem como candidato o ex-prefeito Evandro Scaine, adversário até então do PP.

Denise é da sua relação pessoal e politica.

Com o PP sob seu comando, Fernando encaminha aliança com o PSL e emplacar como vice de Scaine.

Tenta repetir dupla que já comandou a prefeitura em tempos atrás. Já tem reunião marcada para sexta-feira para tratar disso.

Não é material para um bom filme?!

 

O outro lado

Fernando Borges, em contato com blog, garantiu que não participou da operação para destituição de Jairo da presidência do partido, que não conversou com Evandro Scaine e que não será candidato neste ano.

Mas, emendou:

"O probelma é que o Jairo não atende ninguém, não responde, e agora vai ter que arcar com as conseqüências".

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/08/2020 - 10:59Atualizado em 19/08/2020 - 11:00

Como previsto, a CPI dos Respiradores foi uma “bomba" contra o governador Carlos Moisés. Se já está difícil, ficou muito pior.
O relatório final, pesado, foi aprovado por unanimidade, com mais um pedido de impeachment do Governador.
Em mais de 100 paginas, foram detalhadas as operações indevidas, as irregularidades, e o “esquemão" armado para desviar uma fortuna dos cofres públicos.
Os deputados, na unanimidade, responsabilizam o Governador Moisés por tudo o que aconteceu.
O relatório da CPI foi quase mais cruel que o documento do GAECCO.
Escancarou a face ruim no governo catarinense, que não tem nada de “nova política”, como foi prometido.
Além do “assalto" ao caixa público, a desorganização, o amadorismo e a absoluta falta de controle.

Enfim, uma CPI que não acabou em pizza!

Politicamente, a CPI permite anotações importantes.
Primeira - o pedido de impeachment é apenas do governador; a vice ficou de fora.
Segunda - os deputados do MDB na CPI, Valdir Cobalchini e Moacir Sopelsa, votaram a favor do relatório final e a favor do novo pedido de impeachment do Governador; os operadores do Governo contam (ou contavam) com os votos deles contra o impeachment.
Terceira - o deputado do PP na CPI, João Amin, votou a favor do relatório final e do pedido de impeachment; os operadores do Governo também contam (ou contavam) com o voto dele, depois de articulação com o senador Amin.

A semana não é boa. E o tempo vai passando.
O desembargador Luiz César Medeiros negou recurso do advogado Moacir Probst, que representa o Governador Moisés.
A intenção era anular o rito para tramitação do processo de impeachment que foi baixado pela mesa diretora da Assembléia Legislativa.
O mesmo desembargador havia concedido liminar, no mesmo recurso, que suspendeu a tramitação do processo.
A liminar foi derrubada no STF e agora o desembargador julgou o mérito, negando recurso.
Enfim, o rito está mais do que convalidado.

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/08/2020 - 08:49Atualizado em 19/08/2020 - 09:10

O secretário de educação do estado, professor criciumense Natalino Uggioni, acaba de anunciar na Som Maior decisão de prorrogar a suspensão das aulas no estado, redes pública e privada, até o dia 12 de outubro.

Decisão foi tomada em reunião ontem à noite entre o secretário Natalino e o secretário de saúde do estado,  André Motta Ribeiro.

Portanto, pelo menos até 12 de outubro, sem aulas no estado.

Mais detalhes, em seguida.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/08/2020 - 19:46Atualizado em 17/08/2020 - 19:47

Na década de 90, Antônio Rogério Magri era o ministro do trabalho e foi perguntado se haveria redução nos salários. Ele saiu-se com essa: "O salário do trabalhador é imexível”.
Foi um neologismo que criou para enfatizar que não haveria nenhuma possibilidade de acontecer.
O mesmo pode ser utilizado para a candidatura da advogada e jornalista Julia Zanatta à prefeitura de Criciuma. Para o PL é “imexível”. E ponto.
Na reunião de hoje, em Florianópolis, entre o ex-prefeito Marcio Burigo, coordenador regional do PL, e o senador Jorginho Mello, presidente estadual do partido, a candidatura de Julia foi citada apenas para confirmar que “nada mudou”.
As especulações do fim de semana não passaram de fake news.
Os dois trataram do “mapa da eleição” na região e fecharam posições.
Para Içara, Márcio e Jorginho bateram o martelo. O PL vai estar alinhado com Dalvania Cardoso, candidata do PP a prefeitura, principal líder de oposição na cidade.
O propósito do PL é emplacar o vereador Toninho de Mello como vice.
Trata-se de um movimento importante no processo politico local.
Agora, MDB e PSD ficam no compromisso de fazer os os próximos movimentos.
Os dois partidos tem hoje os seus candidatos a prefeito.
Alex Michels, pelo PSD. Arnaldinho Lodetti, pelo MDB.
Mas, nos bastidores era dito que o PSD ainda poderia ser vice de Dalvania.
Agora, se Dalvania fecha com o PL e entrega a vaga de vice, o PSD fica praticamente no compromisso de confirmar candidatura própria.
Ele pode buscar o MDB para ser vice, ou montar chapa pura.
O MDB tem seu candidato, aprovado pelo diretório, mas está rachado. O prefeito Murialdo Gastaldon quer que o partido retire Arnaldinho e apóie Michels.
Enquanto isso, o comando emedebista sonha ainda com o PSD de vice.
Se continuarem separados, eles podem facilitar as coisas para Dalvania.
Hoje as posições estão muito enraizadas no PSD e MDB. O PSD não aceitaria ser vice de Arnaldinho, e o MDB não aceitaria ser vice de Michels. Flexibilizar posições é o desafio que está postos aos operadores dos dois partidos.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/08/2020 - 18:52Atualizado em 17/08/2020 - 19:59

A CPI dos Respiradores vai denunciar o governador Carlos Moisés pela operação dos R$ 33 milhões e encaminhar novo pedido de impeachment.

O relatório final foi fechado agora a pouco com os deputados integrantes da CPI.

Foi praticamente preservado o parecer do relator, deputado Ivan Naatz (PL).

Poucas emendas foram apresentadas, com pequenas alterações.

Os deputados membros da CPI receberam o relatório na semana passada e tinham prazo até hoje, 17h, para apresentação de emendas.

O deputado vai conceder entrevista coletiva amanhã, 19h30min, on line, para dar detalhes do relatório final.

Antes, o relatório será oficial e formalmente aprovado pela CPI e lido depois na sessão ordinária da Assembléia.

Trata-se de "nitroglicerina pura" contra o Governo Moisés.

A CPI investigou o que definiu como "compra fake" dos respiradores, que nunca chegaram ao estado, mas que tiveram pagamento adiantado de R$ 33 milhões, sem nenhuma garantia real, para uma empresa sem lastro e sem histórico de negociação com o estado.

O relatório da CPI sustenta que o mesmo grupo fez a operação dos R$ 33 milhões dos respiradores e tentou encaminhar a licitação "altamente suspeita",  de R$ 70 milhões, do hospital de campanha, que foi cancelada em tempo.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/08/2020 - 08:24Atualizado em 17/08/2020 - 08:26

Fim de semana teve movimentos e informações de bastidores no ambiente da política em Criciúma e região, o que é costumeiro na reta final para confirmação de candidaturas e alianças, a caminho das convenções partidárias.
Correu informação de candidato que saiu, ou vai sair, e sobre acordos e alianças.
Mas, tem muito fake e muita espuma.
O que é fato é que tem muitas reuniões marcadas.
Uma delas, do presidente estadual do PL, senador Jorginho Mello, com o coordenador regional do partido, ex-prefeito Marcio Burigo, hoje, em Florianópolis, para uma avaliação do quadro em Criciúma e municípios no seu entorno.
Mas, na agenda da semana o principal assunto é a retomada do processo de impeachment do governador Carlos Moisés e da vice, Daniela Reinart.
STF derrubou na sexta-feira a liminar que havia sido liberada pelo Tribunal de Justiça mandando suspender andamento do processo.
O advogado Marcos Probst, que representa o governador Carlos Moises, anunciou que vai recorrer no STF.
Mas, enquanto não tiver nova decisão, os procedimentos do processo serão retomados a partir hoje.
A procuradora geral da Assembleia, Karula Correa, disse a pouco na Som Maior que o afastamento do governador pode ser votado até o dia 15 de setembro. Se não tiver nenhum fato novo em relação à tramitação do processo.
Mas, para fazer elevar ainda mais a temperatura logo começo da semana teremos amanhã apresentação no plenário da Assembléia do relatório final da CPI dos Respiradores.
Relatório foi encaminhado aos deputados membros da CPI pelo relator deputado Ivan Naatz, poderá receber propostas de ajustes e emendas até hoje, 17h, e amanhã será votado na CPI.
O relatório original é “duro” com o governo e encaminha, inclusive, proposta de encaminhamento de pedido de processo de impeachment.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/08/2020 - 11:37Atualizado em 15/08/2020 - 12:06

A reunião do prefeito Clésio Salvaro com os representantes das empresas de ônibus terminou e não foi desta vez que foi definida a volta do transporte coletivo. Paralisação vai se estender por mais uma semana.

Prefeito disse agora a pouco ao blog:

"Não tem jeito. Decreto do Governador não autoriza o prefeito a decidir sobre a volta agora".

A primeira informação, de ontem à noite, foi que o novo decreto do Governo teria repassado para os prefeitos a decisão sobre o transporte coletivo.

Com isso, o prefeito Salvaro chamou reunião para hoje, antes das 8h, na prefeitura com representantes das empresas do transporte coletivo.

Queria definir decreto para liberar os onibus na segunda-feira.
Na entrada da reunião ele disse:

"Estávamos aguardando apenas como sairia o decreto do Governador. Agora vou para reunião com as empresas para tratar do retorno o mais rápido possível".

Mas, na reunião foram levantadas dúvidas sobre o decreto, e o o prefeito pediu o parecer do diretor executivo da Amrec, advogado Giovani Dagostim, que não identificou permissão para o prefeito decidir a respeito.

Depois disso, encerrou a reunião e passou a fazer contatos com outros prefeitos, autoridades dos Governo e Polícia Militar.

O problema é que o Governo prorrogou por mais uma semana o decreto anterior com medidas restritivas na regiões que estavam em risco gravissimo na semana passada, como a Amrec, que proibiu a circulação de ônibus.

Mas, nas regiões que entraram nesta semana para o estado de risco gravissimo, o Governo manteve ônibus liberados.

"Faltou principio da isonomia", pontuou o advogado Giovani Dagostim, diretor da Amrec.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/08/2020 - 07:59Atualizado em 15/08/2020 - 08:10

O prefeito Clesio Salvaro está reunido agora na prefeitura com empresários do transporte coletivo de Criciúma.

Estão definindo detalhes para retomada da circulação dos ônibus na cidade. Decisão deve ser anunciada ainda pela manhã.

Os ônibus devem ser liberados para circulr já no início da semana.

O prefeito disse antes de entrar na reunião:

"Estávamos aguardando apenas como sairia o decreto do Governador. Agora vou para reunião com as empresas para tratar do retorno o mais rápido possível".

Pelo decreto de ontem à noite do Governo do estado a decisão sobre o transporte coletivo passa a ser dos prefeitos.
Nos decretos anteriores, o Governo do estado proibiu a circulação de ônibus para linhas municipais e intermunicipais nas áreas mais afetadas pelo vírus, consideradas risco gravíssimo, como é a Amrec.
 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/08/2020 - 21:35Atualizado em 14/08/2020 - 22:02

A juíza substituta da vara criminal de Criciúma, Caroline Freitas Granja, indeferiu pedido fomrulado pela promotora de justiça, Caroline Eller, de afastamento dos cargos que ocupam no governo municipal de Criciúma, a engenheira Katia Smeilevski, secretária de infraestrutura, e Luiz Juventino Selva, gestor do Fundo de Saneamento Básico (Funsab) de Criciúma.

O pedido foi feito na ação que trata de possíveis irregularidades na contratação de serviços e equipamentos para iluminação pública.

A promotora pediu o afastamento cautelar dos dois servidores, argumentando que a medida seria necesária à continuidade das investigações em curso.

A juíza, ao indeferir o pedido, justificou que assim proceder porque não há comprovação da materialidade ou eixtência de crime cometido pelos dois.

Abaixo, trecho da sentença da juiza Caroline Granja:

"Verifica-se que a medida vindicada tem ligação com procedimento de investigação criminalinstaurado pelo Ministério Público e que culminou na deflagração pelo Grupo deAtuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) de umaoperação – entitulada "Operação Blackout" – destinada a apurar eventuais fraudesperpetradas em licitações municipais da Comarca de Criciúma.

Nesse sentido, conquanto não se desconheça a gravidade dos fatosnarrados no bojo do presente procedimento cautelar, notadamente, por ter comopano de fundo a investigação de condutas administrativas manifestamente lesivasao erário público e, por conseguinte, que prejudicam os próprios cidadãos do Município – não se pode ignorar a evidente ausência de lastro probatório mínimo à cautelar pretendida - fator este que, por si só, torna inviável a concessão da tutelasumariamente.

Explicitando, embora não se ignore o proclamado progresso nasdiligências e meios de prova que ainda estão em curso (neste e em outrosprocedimentos de igual ou diversa natureza), no que diz respeito à apuração dadenúncia de irregularidades e fraudes nos procedimentos licitatórios municipaisenvolvendo a empresa AI Eletric e outras duas parceiras comerciais da mesma – os elementos indiciários até agora colhidos não satisfazem a exigência dacomprovação da materialidade ou existência de crime por parte dos funcionários públicos municipais Luiz Juventino Selva e Katia Maria Smielevski Gomes".

Mais adiante, a juíza reforça que não há indícios de suposta fraude cometida por Katia e Selva.

Segue o novo trecho:

"Aliás, não só faltam elementos da materialidade do delito noticiado pelo parquet, como também não se extraem indícios de autoria por parte dos servidores públicos municipais na suposta fraude, limitando-se a tese ministerial a listar comportamentos tidos em uma avaliação exclusivamente subjetiva como suspeitos de se revestirem de conteúdo penalmente ilícito.

Salienta-se que o trecho extraído de depoimento colhido unilateralmente em procedimento investigativo conduzido pelo órgão acusatório de pessoa que atuava no setor dos procedimentos não traz de forma clara a violação do dispositivo penal anteriormente indicado,que nada refere sobre a parte da convocação ou das apresentação e análise de propostas, tampouco demonstra o conluio fraudulento, pois o depoente não soubeprecisar de quem emanava a efetiva autorização para a elaboração do projeto ou pré-projeto pela empresa AI Eletric, como por ele referido – posição que exige hierarquia e competência que ultrapassam o cargo ocupado pela secretária do setor até que se tenha, ao menos, prova de algum desvio nesse tocante.

De resto, não se antevê um vínculo direto no procedimento licitatório por parte do outro servidor quejustifique o afastamento do cargo".

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/08/2020 - 19:10Atualizado em 14/08/2020 - 19:23

O governador Carlos Moisés e seus aliados foram surpreendidos pela decisão do STF, hoje à tarde.
Poucos minutos antes, o governador participou de reunião com dirigentes e candidatos do PSL na região carbonífera, quando foi dito e repetido por vários oradores que o "impeachment morreu”.

O Governador já estava no ato de assinatura de convênios para implantação da Rodovia dos Trilhos, em Içara, quando o ministro Luis Roberto Barroso,do STF, decidiu cancelar os efeitos da liminar concedida pelo desembargador Luiz Cezar de Medeiros, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, suspendendo a tramitação do pedido de impeachment.

A decisão do STF foi uma derrota política do Governador e seu esquema político.
Vai atrapalhar muito nas negociações que estão em andamento com partidos e políticos para tentar evitar a aprovação do afastamento do Governador para instalação do tribunal que vai julgar o impeachment.

Com a retomada do processo que ameaça o governador Carlos Moisés da Silva, a vice Daniela Reinehr e o secretário de administração, Jorge Tasca, restam praticamente 20 dias para decisão na Assembléia sobre o afastamento.

A regra estabelece o prazo de 10 sessões para que o Governador, a vice e o secretário apresentem suas razões. Como já haviam acontecido três sessões desde que o processo foi iniciado, e antes da suspensão, restam a partir de agora sete sessões, a contar a partir de terça-feira.

Enquanto isso, será montada a comissão de nove deputados (respeitada a proporcionalidade das bancadas), que vai receber as manifestações e encaminhar para votação em plenário o afastamento, ou não.

A decisão do ministro Luiz Roberto Barroso consagrou o rito definido pela Assembléia para o processo de impeachment.

Para se salvar, o governador Moisés precisa que 14 deputados (pelo menos) não votem pelo seu afastamento.
Na cerimônia de hoje à tarde, em Içara, estavam três deputados estaduais. José Milton Scheffer, PP, e Rodrigo Minotto, PDT, dos mais alinhados com Moisés, e Volnei Weber, MDB.  
A deputada Ada de Luca, MDB, participou por video conferência.
Mas, a bancada do MDB, com nove deputados, a maior da Assembléia, decidiu que vai votar em bloco. Ou seja, a posição da maioria vai decidir o rumo dos nove votos.
Em princípio, a tendência da maioria do MDB é pelo afastamento e pelo impeachment.

A operação de salvamento, então, terá que passar pela  reversão da situação no MDB. Porque se o MDB votar em bloco contra Moisés, vai ser difícil, muito difícil, tirar a vaca do brejo!

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/08/2020 - 16:37Atualizado em 14/08/2020 - 17:44

Acaba de sair decisão do STF que suspende os efeitos da liminar expedida no Tribunal de Justiça de Santa Catarina que fez paralisar a tramitação do processo de impeachment do governador Carlos Moisés na Assembléia Legislativa.

O ministro Luis Roberto Barroso deu despacho para "suspender os efeitos da decisão reclamada(autos do Mandado de Segurança), determinando o prosseguimento do Processo de Impeachment n. 754".

Com esta decisão, o ministro Barroso convalida o rito adotado pela Assembléia para condução do processo.

A Procuradoria da Assembléia orientou pelo rito estabelecido para o processo de impeachment usado em 2016 pelo Congresso Nacional no caso da ex-presidente Dilma Rousseff, com determinação do Supremo.

Agora, o processo será retomado assim que a Assembleia Legislativa for notificada, provavelmente até terça-feira, com a composição da comissão de nove deputados.

Em seguida, mais informações.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/08/2020 - 15:45Atualizado em 14/08/2020 - 15:50

O governador Carlos Moisés participou de reunião com o PSL da Amrec antes dos atos em Içara.

A reunião começou pouco depois das 14h30 e terminou faz poucos minutos.

Participaram dirigentes municipais do PSL, o coordenador regional, Jeferson Monteiro, e os candidatos a prefeito de Criciúma, Alisson Pires, e Içara, Agenor Bombeiro.

Moisés ouviu relato sobre o quadro de candidaturas nos municipios e passou mensagem de estímulo.

Prometeu participar das campanhas nos municípios da  região.

Nos discursos feitos, todos sustentaram que o processo de impeachment vai "naufragar".\

 

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13