Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 03/01/2019 - 06:55

O governador Carlos Moisés da Silva (PSL) mais uma vez agradou os catarinenses, pelo menos, a maioria. No primeiro dia de governo anunciou o que pretende fazer nos próximos meses para equilibrar as contas do Estado. Confirmou o fim das Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) por decreto. Optou por não esperar pela reforma administrativa, que passará pela avaliação dos deputados em fevereiro. Anunciou o corte de cargos comissionados. O fim de isenções fiscais. O fim do papel. Deslocamentos de servidores serão por aplicativos e os carros serão destinados para áreas como segurança pública e saúde. Cada medida tem o seu peso na economia do Estado, umas com mais, outras com menos. Ainda não são suficientes para equilibrar o déficit projetado para 2019 de R$ 2,5 bilhões por chegarem a uma economia final de R$ 1,050 bilhão. Mas, são medidas que agradam o eleitorado, são medidas que vêm ao encontro do que o cidadão espera: um Estado mais enxuto eficiente e sem privilégios. São as palavras das ruas.
A gestão, a eficiência, a transparência e a tecnologia são colocadas como essenciais por Moisés para o aumento da receita. Serão aliadas para evitar a sonegação de impostos, por exemplo.
Moisés coloca em prática os pilares anunciados por ele em campanha. Vem mostrando que é possível cumprir o prometido. Agora, com as medidas postas é necessário acompanhar o que acontecerá na prática. Marcou um gol com o seu eleitorado.
Mas, ainda tem um lado que precisa ser amadurecido, aprimorado ou todas essas medidas podem não surtir o efeito esperado. Moisés precisa articular com os deputados. Sua posse, na terça-feira, foi ao seu jeito, com poucos políticos, mas também pode ser um sinal de alerta. A ausência de deputados eleitos, inclusive, do próprio PSL, partido de Moisés, dá mostra desse distanciamento. É algo a se aprimorar. No demais, vem dando mostras de um novo jeito de governar, assim como as urnas exigiriam em outubro.

Pacto federativo resolveria
O déficit projetado para 2019 é de R$ 2,5 bilhões e uma reforma no pacto federativo, no Governo Federal, poderia resolver o problema. Nos cálculos apresentados por Carlos Moisés, Santa Catarina arrecada em impostos para o Governo Federal R$ 50,3 bilhões e recebe de volta pouco mais de R$ 1 bilhão em fundos de participações, o que corresponde a 2,4%. Se aumentasse para 5% chegaria próximo aos R$ 2,5 bilhões do déficit. São Paulo, o estado mais arrecadador do país, recebe de volta 0,53% do que deixa em Brasília. Dos R$ 551 bilhões voltam menos de R$ 3 bilhões. Enquanto outros estados recebem de volta até 200% do que arrecadam.

Um gasto pelo outro
Moisés deixou claro que precisa economizar de um lado para poder investir em áreas essenciais e traz exemplos. Com a economia com a digitalização de documentos, terá em um ano quase que a totalidade dos R$ 29,6 milhões necessários para a reforma das pontes Pedro Ivo e Colombo Salles. Com a venda das aeronaves, pretende arrecadar de R$ 3,5 a R$ 4 milhões, valor correspondente, aproximadamente, ao depósito inicial necessário para a liberação das obras de acesso ao novo terminal do Aeroporto Internacional
Hercílio Luz.

Delicado
Talvez o ponto mais delicado de tudo que foi anunciado por Carlos Moisés esteja no fim da isenção fiscal. Nos últimos anos, foram vários incentivos distribuídos. Ele promete rever tudo sem conflito. Se mostrou tranquilo e com decisão tomada. Se baseia em lei aprovada que exige a redução de 25 para 16% o permitido em isenções do total arrecadado pelo Estado nos próximos anos. Em 2019, espera arrecadar R$ 750 milhões.

Time completo
A posse dos novos secretários de Estado ocorreu na manhã de ontem. Em cerimônia fechada e sem holofotes. Também foi confirmado o nome de Luiz Felipe Ferreira na Controladoria Geral do Estado, que deve ser criada somente com a reforma administrativa que ainda precisa passar na Alesc.

Quinzenal
Após a posse, os secretários tiveram a primeira reunião com o governador. Isso se repetirá quinzenalmente. Cada um terá metas a serem cumpridas a longo, médio e curto prazo. A estruturação de cada pasta com o enxugamento de despesas é uma delas.

Terceirizados
Uma das metas que terá que ser cumprida pelo secretário de Educação, Natalino Uggioni, é uma solução para a terceirização dos serviços especializados de vigilância. O contrato tem valor superior e R$ 42 milhões/ano e será revisto. O prazo para que uma solução mais barata seja apresentada é de seis meses.

Governo de Eduardo
O governador Eduardo Moreira assumiu, em fevereiro do ano passado, com missão parecida com a de Carlos Moisés, precisava reduzir a máquina para poder investir nas áreas prioritárias. Também agiu rápido e fez o que foi possível dentro dos poucos meses que tinha à frente do Governo. Conseguiu reduzir o custo da máquina a ponto de diminuir o déficit projetado para 2018. Nas contas de Eduardo Moreira, o seu Governo chegou ao fim com o déficit um pouco maior do que R$ 500 milhões – bem menor do que os mais de R$ 2 bi projetados. A conta do atual governo difere e calcula que o déficit seja de R$ 700 milhões. Os números finais somente ao fim do primeiro quadrimestre deste ano. De qualquer forma, as medidas surtiram efeito e Eduardo entrega um governo melhor do que recebeu.

Na família
A família da primeira-dama Késia Martins da Silva (foto) acompanhava orgulhosa a posse de Comandante Moisés, na terça-feira. Se nas ruas e até mesmo no meio político, a possibilidade de vitória do Comandante foi percebida quase que na última hora, dentro de casa já se sentia no ambiente familiar desde que a candidatura foi posta e a campanha iniciou.

Com o governador
O deputado eleito Jessé Lopes (PSL) esteve reunido com o governador Moisés e com o secretário da Casa Civil, Douglas Borba, na tarde de ontem, logo após a coletiva. Entre outros assuntos, aproveitou para apresentar projetos ligados à área da Educação com a implantação de energia autossustentável, câmeras de segurança e wi-fi gratuito e controle de presença digital nas escolas estaduais. As ideias vêm ao encontro do que pensa o governador que pretende utilizar da tecnologia em todas as áreas de seu governo.

Mesa diretora
O vereador Daniel Viriato (PP) foi reconduzido ao cargo de presidente da Câmara de Vereadores de Araranguá, na tarde de ontem. A novidade na composição fica por conta do vereador, Ronaldo Soares (MDB), que assume a função de segundo secretário. Os demais vereadores, João Abílio Pereira do PRB (vice-presidente), Paulo Roldão do PSDB (segundo vice-presidente) e Luciano Pires do PSB (primeiro secretário) também se mantiveram na mesa e assinaram o termo de posse na solenidade.

No voto
Até três chapas poderão participar da eleição para renovar a diretoria da Cersul, uma das fortes cooperativas de energia elétrica, com sede em Turvo. O pleito será em março e dois nomes despontam para a sucessão do presidente Everton Schmidt. Um deles é o ex-prefeito de Turvo, Ronaldo Carlessi, que já presidiu a Cersul e se apresenta como nome muito forte, com grande capacidade de mobilização. Outro nome de destaque é Nei Zanette, ex-prefeito de Meleiro, município que atualmente conta com o vice-presidente da cooperativa. Os dois representam o mesmo grupo, justamente o do atual presidente. Logo, ou vai Carlessi, ou vai Nei. A lembrar que os três últimos pleitos foram por aclamação, sem oposição.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 02/01/2019 - 06:54

Interina: Francieli Oliveira

A posse de Carlos Moisés da Silva (PSL) como governador de Santa Catarina foi uma mostra do estilo do novo líder do Governo do Estado. Sem pompas políticas e com homenagem dos colegas militares na saída da Alesc.

Moisés, aos poucos, também começará a intensificar o diálogo com a imprensa. No primeiro momento depois da eleição, se fechou no Centro Administrativo, precisava conhecer a máquina, entender todo o processo. Sua equipe de transição tinha a missão de colocar no papel a reforma administrativa que entendiam necessária para o Estado. Aos poucos, alguns pontos foram aparecendo com a composição do secretariado, mas os detalhes mesmo ficaram para hoje, após a posse.

Em coletiva com a imprensa, Carlos Moisés irá traçar metas, mostrar como vai fazer e onde pretende chegar.

Já deixou claro desde a eleição que focará na infraestrutura e, através dela, entende que poderá melhorar a geração de riquezas, aumentar receita e ter dinheiro para investir em saúde, educação e segurança pública.

Transparência, governo técnico e máquina pública enxuta são os pilares escolhidos para devolver para a população os serviços esperados e com a qualidade esperada.

O que se pode observar até aqui é que o prometido vem sendo cumprindo, pelo menos, no que diz respeito ao secretariado praticamente todo técnico com raras exceções em pastas mais políticas.

O resultado esperado pelo próprio Moisés é o mesmo alcançado pela iniciativa privada catarinense, exemplo em todo o país e no mundo.

Professor Felipe confirmado

O governador Carlos Moisés confirmou que o professor Luiz Felipe Ferreira estará no comando da Controladoria Geral do Estado, criada para fazer o controle de todos os atos do governo com o objetivo de reduzir o custo da máquina e fazer combater a corrupção. Luiz Felipe foi o coordenador da transição.

Modalidade

Para Moisés, há diversas maneiras de combate à corrupção, admite que não é possível o governador ter o controle de tudo. O controle é uma delas, por isso, a Controladoria. A outra é especializar o setor de licitação. O uso de pregão eletrônico deve ser frequente. O governador acredita que mais empresas participam e diminui o risco dos famosos acertos.

Infraestrutura

As estradas catarinenses devem ganhar mais atenção nos próximos meses. A intenção é utilizar os recursos que serão economizados com o enxugamento da máquina pública nas rodovias.

Foco no ensino técnico

O nome do Secretário de Educação foi o último a ser anunciado. O mais difícil de ser escolhido. Tinha divergências dentro do próprio partido de Carlos Moisés. Uma ala do PSL queria alguém mais ligado à ideologia defendida por eles. O governador optou pelo lado mais técnico. Quer diminuir a lacuna que existe entre o ensino médio e o mercado de trabalho, entende que o jovem precisa sair com ensino técnico e preparado para ser absorvido pela indústria. Buscou o criciumense Natalino Uggioni, ex-diretor do Instituto Evaldo Lodi, da Federação da Industria do Estado de Santa Catarina (Fiesc). Os detalhes foram apresentados por Moisés em breve contato com a imprensa antes da posse.

Pela terra natal

O novo secretário de Educação do Estado, Natalino Uggioni, encontrou-se na Rádio Som Maior, na segunda-feira pela manhã, com o prefeito Jairo Custódio, do Balneário Rincão. Uggioni chegava para uma entrevista e Custódio saía de outra. Uggioni fez rápida vinda a Criciúma para as festas de ano novo com a família, e elencou propostas para a educação que estão em matéria de A Tribuna hoje. Na rápida troca de ideias, o secretário colocou a pasta à disposição do prefeito e demonstrou estar informado sobre a cidade, elogiando a construção do calçadão.

Por dentro

O secretário Uggioni contou que está ciente do pedido de Criciúma, para municipalizar algumas escolas estaduais, e assim que tomar pé da situação se colocará à disposição do prefeito Clésio Salvaro para retomar o tema.

Gildo Volpato

Referiu, ainda, que gostaria de contar com o professor Gildo Volpato na sua equipe. Gildo era secretário adjunto da antecessora, Simone Schramm, mas já havia encaminhado pedido de exoneração antes da indicação de Uggioni. O secretário contou ainda que teve a primeira conversa pessoal com o governador Moisés no dia da indicação, e que somente hoje conhecerá efetivamente a secretaria.

Recado aos deputados

Durante o discurso de posse Carlos Moisés deu um recado claro aos deputados. Vem reafirmando o seu perfil e deve usar a própria vontade popular para fazer pressão na hora da aprovação de projetos que considera importante. Quer evitar, assim, a troca de favores entre o Executivo e o Legislativo. Lembrou que sua eleição foi um recado das urnas e que o povo exige mudança de postura.

Mais diálogo

Leitura de um empresário que conhece bem o meio político é que Carlos Moisés terá que abrir mais o diálogo com os deputados. Que faz bem em escolher um secretariado técnico e não lotear os cargos, mas que não pode confundir política com corrupção. Terá que fazer política para poder governar.

Cobrança

Carlos Moisés também revelou que sua responsabilidade aumenta quando sai às ruas e é reconhecido. Disse que sempre ouve um “eu votei em ti” com aquele tom de cobrança de que não poderá decepcionar.

Só no dia 31

Apesar de parecer tudo encaminhado, o deputado eleito Julio Garcia ainda acha muito cedo para comemorar um acerto. Seu nome é dado como certo para presidir a Assembleia Legislativa a partir de fevereiro. Não deverá haver disputas. Uma reunião no dia 31 de janeiro deverá bater o martelo.

Fevereiro

A posse dos 40 deputados estaduais está marcada para 9h do dia 1º de fevereiro, na Assembleia Legislativa.

Polêmica

O ano terminou com a polêmica da devolução das sobras da Assembleia Legislativa. O presidente Silvio Dreveck (PP) afirma que não houve nenhuma retaliação política ao ex-governador Eduardo Moreira (MDB), que ainda tem compromissos para quitar em janeiro e que depois fará a devolução. Diz ainda que há cerca de R$ 20 milhões em caixa e não R$ 40 milhões. Reafirmou que nos dois anos que esteve na Casa mais de 100 milhões foram devolvidos.

De cabeça erguida

Ex-governador Eduardo Moreira sai de cabeça erguida do Governo do Estado. Cumpriu o que prometeu em fevereiro quando assumiu. Priorizou as áreas da saúde e segurança e colheu resultados. Se consolida novamente como líder dentro do MDB, que deve presidir quando retornar de férias em família, em abril.

Servidor público

A primeira-dama tem bastante convicção de como o marido irá se comportar como governador: com postura de um servidor público, assim como foi de carreira.

Posse em Criciúma

A Câmara de Vereadores de Criciúma já conta com a nova mesa diretora. Miri Dagostin (PP) assumiu, na manhã de terça-feira. Recebeu a presidência das mãos de Julio Colombo (PSB). Tem como principal missão avançar na consolidação da sede própria do Legislativo da cidade.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 31/12/2018 - 07:35

Esta é a última coluna de 2018 e também a primeira de 2019. É o fim de um ciclo e início de outro. Só que desta vez um pouco mais intenso. Será a partir de agora que terão que aparecer os resultados práticos das esperanças depositadas nas urnas em outubro passado. Tomam posse os novos governadores e também o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).
Eles terão nas mãos a missão de mostrar que são realmente a mudança. Não poderão decepcionar. As velhas práticas precisam ficar para trás e um novo jeito de fazer política precisa ser colocado em prática. Caso contrário, o brasileiro terá uma de suas maiores decepções.
Esse primeiro dia de 2019 também significa um novo ciclo que se inicia nos comandos dos estados e do País. Em Santa Catarina, Comandante Moisés (PSL) vem dando mostras que fará algo diferente. Apresentou um secretariado técnico, sem indicações políticas e também com grande participação de militares. Vem colocando o seu estilo. Até de maneira mais forte do que muitos correligionários imaginavam.
Está fazendo diferente, mas também está trazendo a responsabilidade toda para si. Irá assumir todos os riscos que qualquer governo corre.
Ainda tem que mostrar que consegue articular com a Assembleia Legislativa. Não há como governar sem o apoio dos deputados.
A nível de país, Bolsonaro aparece como a grande esperança dos brasileiros, mas terá que tomar medidas impopulares. Precisará fazer as reformas. Ainda não deu grandes mostras de como irá conduzir o processo. Também terá que articular com o Congresso, talvez, mais do que Carlos Moisés.
Enfim, será um ano de desafios.

Posse (1)

A posse de Carlos Moisés e Daniela Reinehr será discreta e sem tantas pompas. A cerimônia está marcada para a tarde desta terça-feira, 16h, na Assembleia Legislativa. Cabe ao presidente da Casa, Silvio Dreveck (PP), dar a posse aos novos governador e vice. Antes, 14h30min, tem celebração religiosa na Catedral Metropolitana de Florianópolis.

Posse (2)

A posse de Jair Bolsonaro e General Mourão já será um evento bem maior. A expectativa é que o público possa chegar a até 500 mil. Também será na tarde de terça, em Brasília. Neste domingo, foi realizado o último ensaio com forte esquema de segurança.

Posse (3)

Por aqui também terá posse. A Câmara de Vereadores de Criciúma empossa a nova mesa diretora, nesta terça-feira, às 11h. Miri Dagostin (PP) assume como presidente. Tem o compromisso de renunciar ao fim do ano para dar vez ao MDB em 2020.

É criciumense

O secretário de Educação escolhido por Comandante Moisés é de Criciúma. Natalino Uggioni é do Rio Maina. Saiu daqui novo para estudar na Unisul e fez carreira em Florianópolis. Hoje, é consultor autônomo, mas foi diretor do Instituto Evaldo Lodi, ligado à Federação da Indústria do Estado de Santa Catarina (Fiesc).

Fapesc

Depois de anunciar o secretário de Educação, o governador eleito Carlos Moisés também anunciou, no fim de semana, o diretor da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina (Fapesc) e o escolhido foi o professor universitário Fábio Zabot Holthausen. Mais um tubaronense a integrar o novo governo.

Novo foco

A região de Criciúma termina 2018 com conquistas importantes. A principal delas é a estadualização e início do funcionamento da maternidade do Hospital Santa Catarina. Também foi o ano em que a Via Rápida se tornou a principal entrada na cidade. Outras pautas já haviam sido conquistadas em outros anos e se consolidaram, como o Aeroporto de Jaguaruna. O ano que se inicia precisa ser o de colocar tudo isso em prática e atrair empresas, gerar empregos e melhorar a arrecadação. Esse deverá ser o novo foco de todos a partir de agora.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 30/12/2018 - 22:52Atualizado em 30/12/2018 - 22:54

Interina: Francieli Oliveira

Pelo menos dois vereadores de Criciúma esperam por abertura das chamadas “janelas” para trocar de partido. Nesta sexta-feira, em entrevista à Rádio Som Maior, o ainda presidente do Legislativo, Julio Cesar Colombo, afirmou com todas as letras que sairá do PSB assim que isso for possível sem a perda de mandato.
Se disse insatisfeito com a sigla, especialmente pelo alinhamento nacional. “A partir do momento que os grilhões sejam cortados, evidentemente que eu devo migrar para um outro partido”, afirmou.
Apesar da proximidade com muitos líderes do PSD e de seu filho estar filiado a esse partido, não confirma que esse será o seu destino. Colombo é o único vereador do PSB na Câmara, mas mesmo assim conseguiu o voto do chamado grupo dos nove o que lhe garantiu a presidência da Casa por dois anos.
O outro caso seria de Julio Kaminski (PSDB). O vereador não fala abertamente no assunto, mas há muito tempo está distante do atual partido. No meio do ano, chegou a fazer uma consulta ao Tribunal Regional Eleitoral para deixar os tucanos sem perder o mandato, mas a resposta foi negativa. Durante a campanha se aproximou do PSL e do deputado federal eleito, Daniel Freitas. Chegando a ser colocado como uma dos possíveis candidatos a prefeito pelo partido em 2020.
Aliás, nesse ano, o próprio Daniel Freitas perdeu o mandato de vereador ao trocar o PP pelo PSL em nome de um projeto maior. O resultado foi a eleição à Câmara dos Deputados como o segundo mais votado de Santa Catarina.
A troca de partido ainda causa outro imbróglio na Câmara de Criciúma. Angela Mello, atualmente no MDB, concorreu pelo PP. Ela foi a suplente chamada para o lugar de Daniel, mas também teve o mandato cassado pelo TRE por infidelidade partidária. Só falta a notificação. 
Por enquanto, não há nenhuma sinalização da aguardada janela, que costuma acontecer perto do prazo de troca de partido para quem deseja concorrer no pleito seguinte.

Secretário de Educação vem da indústria

O último nome do futuro governo catarinense foi anunciado no fim da tarde de sexta-feira. Para a Secretaria de Educação, Comandante Moisés (PSL) escolheu um nome ligado à indústria. Natalino Uggioni, que atualmente é consultor autônomo, atuou como superintendente do Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina, um braço da Fiesc. Em determinado momento chegou-se a cogitar o nome do ex-presidente da federação das indústrias, Glauco Côrte, para assumir a pasta.
O nome do secretário escolhido está ligado à inovação e vem ao encontro das promessas de Carlos Moisés para a área. Uggioni é graduado em Ciências pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) e tem mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina.

No dia seguinte

A posse dos novos secretários será com time completo e no dia seguinte à de Comandante Moisés, marcada para terça-feira. A cerimônia será coletiva e simples, no Centro Administrativo.

Sem exoneração coletiva

Os cargos comissionados não serão desligados todos de uma vez do Governo do Estado. A exceção fica com os funcionários diretamente ligados ao gabinete do governador, desligados pelo próprio Eduardo Moreira (MDB).
Os demais serão avaliados pelos próximos secretários, cada um em sua pasta, conforme as necessidades. A medida garante a continuidade dos serviços.

História

No último dia no Centro Administrativo o governador Eduardo Moreira inaugurou a galeria de ex-governadores. As homenagens vão de Lauro Müller ao próprio Moreira. Na foto, o ex-governador Cassildo Maldaner acompanha Moreira. Foi ele que discursou em nome dos ex-governadores.

Sem devolução

Eduardo Moreira saiu do Centro Administrativo, nesta sexta-feira, sem receber a devolução da Assembleia Legislativa, estimada em R$ 40 milhões. Esperava o recurso para cobrir despesas na Saúde como o pagamento das organizações sociais.

Espera por Acélio

O prefeito de Içara, Murialdo Gastaldon (MDB), espera por uma resposta de Acélio Casagrande para promover as mudanças no seu secretariado para os próximos dois anos de mandato. Espera uma resposta em breve. Caso contrário, realizará as mudanças sem contar com o ainda secretário de Estado da Saúde. Além de Içara, Acélio tem propostas de outros municípios e do prefeito Clésio Salvaro (PSDB), que assume a Amrec no ano que vem. Acélio seria uma espécie de super secretário da entidade municipalista.

Mudança de hábito

O prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB), está prestes a inaugurar o segundo parque do município. O da Próspera foi no seu primeiro mandato e, agora, no segundo, será a vez do Rio Maina. Tem ainda projeto para o do Paço Municipal. O prefeito considera que os parques são questões de saúde pública, que mudam os hábitos das pessoas os tornando mais saudáveis. Prova disso é que, na sexta-feira, foi divulgado que 500 mil pessoas passaram pelo Parque das Nações nos fins de semana de 2018.

Balanço

A confirmação dos cofinanciamentos com os municípios, o investimento na compra de veículos para fortalecer a rede de proteção social das cidades, regularização do convênio com o Ministério do Trabalho para a manutenção dos SINE’s e realização da mudança de prédio da sede da secretaria são as principais ações apresentada pela secretária de Estado de Assistência Social, Romanna Remor, no balanço de fim de mandato.

Retorno à população

Quando o Poder Público cumpre com a sua função e realiza boas gestões quem ganha sempre é a população. Um exemplo é o Hospital Regional de Araranguá, que até pouco tempo era motivo de muitas reclamações e agora está realizando procedimentos inéditos, como nesta semana e que salvou a vida de um paciente.

Pagamento

Não aconteceu antes do Natal, mas, nesta sexta-feira, entrou na conta dos servidores públicos de Santa Catarina o pagamento de fevereiro. O valor é de R$ 1,14 bilhão.

Conta final

O déficit final do Estado foi contabilizado em R$ 510 milhões. A previsão, no início do ano, era que ultrapassaria os R$ 2 bilhões. Do montante do déficit, R$ 140 milhões são de restos a pagar de 2017 e R$ 370 milhões são de despesas do exercício. A maior parte da dívida da Saúde, que estava projetada em R$ 1 bilhão, também foi quitada ao longo deste ano. O governo estadual pagou R$ 1,805 bilhão de dívida pública em 2018.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 26/12/2018 - 15:14Atualizado em 26/12/2018 - 15:15

Interina: Francieli Oliveira

Muito comentando no início do ano, os mais de R$ 700 milhões do Fundam II ainda são possíveis de vir para Santa Catarina no próximo mandato. Os recursos são do BNDES e dependem do crescimento de receita do Estado. Isso porque na avaliação da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) o Governo do Estado ultrapassa o percentual permitido de gastos com o funcionalismo público. É uma avaliação diferente do Tribunal de Contas, por exemplo, mas impediu a liberação desses recursos.
O atual governador Eduardo Moreira disse que com o crescimento da receita, como já foi possível visualizar com clareza a partir do segundo semestre deste ano, o percentual com gastos de pessoal baixa e o valor pode ser buscado pelo próximo governador.
Se tudo der certo como tem se mostrado, Carlos Moisés assumirá uma administração com um déficit abaixo do projetado no início do ano (eram de R$ 2 bi e devem fechar abaixo dos R$ 600 milhões) e também terá a oportunidade de buscar os R$ 700 milhões para aplicar em obras estruturantes como no acesso ao aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis; a recuperação das duas pontes, Pedro Ivo e Colombo Salles; a SC-401, que dá acesso ao Norte da Ilha e a conclusão da pavimentação da Serra do Faxinal, que iniciou há mais de 10 anos, e é uma das mais antigas reivindicações dos municípios do extremo sul catarinense. A estrada liga Santa Catarina ao Rio Grande do Sul através dos cannions de Praia Grande e é um corredor para o desenvolvimento do turismo local.
O Fundam surgiu com essa denominação no governo de Raimundo Colombo, veio para ser um Fundo de Apoio aos Municípios e deu certo em sua primeira edição. Ficou sendo a principal bandeira do ex-governador que chegou a lançar a segunda edição, mas não conseguiu viabilizar antes de renunciar ao cargo no início de abril.
Só que no meio do caminho o BNDES mudou as regras e para não perder o recurso, Eduardo Moreira precisou mudar o destino do dinheiro, o que causou um certo desconforto entre o Governo do Estado e os municípios, que já aguardavam o dinheiro. “Só Deus sabe o quanto tentei viabilizar o Fundam para o Colombo, quantas idas a Brasília”, afirmou Moreira.
Quando parecia tudo encaminhado foi na STN que aconteceu o entrave, cabe agora a Moisés buscar os R$ 700 milhões para Santa Catarina.

Outro cenário

Balneário Rincão e Içara que terminaram o ano passado com parecer de rejeição de contas de 2016 pelo Tribunal de Contas do Estado, deram a volta por cima e chegam a 2018 com o parecer das contas de 2017 pela aprovação.

Mais gestão

É comum nessa época do ano cada pasta do Governo do Estado realizar um balanço de suas ações. A Secretaria de Planejamento divulgou que conseguiu uma economia superior a R$ 10,1 milhões em 2018. Isso através de análises técnicas jurídicas e de engenharia nos processos licitatórios e em aditivos de obras do Programa Pacto por Santa Catarina.

Pelo celular

O Hospital São Donato, de Içara, lançou um aplicativo para Android que permitirá que os pacientes acessem as notícias da fundação filantrópica, conheçam os convênios disponíveis, entrem em contato, avaliem o atendimento e principalmente ajudem a melhorar cada vez mais o serviço prestado. É um novo caminho de comunicação com o cidadão e que deve ser seguido tanto pela iniciativa privada quanto pela pública.

Bom trabalho

O jornalista Gustavo Colle vem fazendo um bom trabalho a frente do Procon de Criciúma. Começou a se destacar no meio do ano com a greve dos caminhoneiros e a fiscalização para impedir preços abusivos ao consumidor. Veio depois a ação de pesquisa dos preços em postos de combustíveis e que ajudou a controlar os aumentos. No Natal, época de grande consumo, também se fez presente. Um belo trabalho de toda equipe.

Caso João Rodrigues

Se tem um caso com várias idas e vindas esse é o do deputado federal João Rodrigues. A movimentação jurídica é grande e envolve várias esferas do judiciário. No sábado passado, após o início do recesso de fim de ano, o ministro João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu liminar com habeas corpus o que permitiu a liberdade do catarinense, que cumpria regime semi-aberto em Brasília. No sábado mesmo, os advogados entraram com ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo a volta dos direitos políticos de Rodrigues que ainda luta para assumir a vaga na Câmara dos Deputados no próximo ano, garantindo a sua reeleição. Agora, no domingo, a procuradora Geral da República, Raquel Dodge, recorreu da sentença ao STF solicitando que o deputado volte a cumprir a pena.
Toda essa história envolve o criciumense Ricardo Guidi, que caso Rodrigues consiga reverter a toda situação, é quem perde a vaga na Câmara Federal. Por enquanto, é Guidi que recebeu o diploma e será empossado em 1º de fevereiro, mas até lá é preciso acompanhar as próximas decisões.

Infraestrutura

Recuperação funcional da rodovia SC-390, no trecho Orleans – Lauro Müller; a execução do primeiro trecho da pavimentação da rodovia SC-440 entre Urussanga e Lauro Müller; a recuperação asfáltica da rodovia ICR-358 que dá acesso à comunidade de Barra Velha, em Balneário Rincão; a revitalização da SC-445, que liga a BR-101 entre Içara e Criciúma e a pavimentação da ICR-253, rodovia de acesso ao santuário Sagrado Coração de Jesus, em Içara, são obras de infraestrutura realizadas pelo Governo do Estado neste ano na região.

Ficou

Os avanços em investimentos no Sul do estado são percebidos. O que ficou faltando é a revitalização da Rodovia Jorge Lacerda, acesso Sul de Criciúma, e uma reivindicação que precisa seguir sendo cobrada.

Educação

Expectativa para a indicação do novo secretário de Educação de Santa Catarina. O único que falta para fechar o primeiro escalão antes da posse na próxima terça-feira.

Arlindo vem aí

O prefeito de Maracajá quer ser candidato em Criciúma. Ferrenho opositor de reeleição, ele tem confidenciado a amigos uma real possibilidade: renunciar à prefeitura em sua cidade em outubro do ano que vem para se colocar em condições de concorrer em Criciúma. Tem que mudar o domicílio eleitoral. Filiado ao PSDB, pode ser considerado como um potencial vice para Clésio Salvaro, embora o prefeito tenha dito que sua candidatura ou não em 2020 está condicionada ao projeto estadual de 2022.

Sem sucessor

Arlindo Rocha vem fazendo um mandato de corte de gastos em Maracajá. Tem dois secretários e cinco diretores tocando a rotina. Fez a prefeitura trabalhar das 8h30min às 17h30min, com banco de horas e cortes de pontos facultativos. Determinado a não concorrer a um novo mandato, pois segundo ele  “a reeleição é a mãe das corrupções”, o prefeito mandou um recado: “o meu candidato, para fazer a gestão que estamos fazendo, ainda não apareceu”. E se não aparecer? Deixou a resposta no ar.

Vergonha

“Deram essa licença ambiental de vergonha”. Assim o deputado federal Ronaldo Benedet (MDB) definiu a boa notícia da concessão da licença para construção dos túneis do Morro dos Cavalos na BR-101. Lutador de anos pela causa, Benedet vai deixar a Câmara Federal sem ver essa obra concluída. Longe disso. Pelo custo e as demais prioridades, ele concorda que não sairá do papel tão cedo. É um investimento de mais de meio bilhão de reais. Crítico dos órgãos que barraram a todo custo a obra quando havia recursos, Benedet lembra que a conclusão de umas quatro ou cinco obras em Santa Catarina, entre as quais a da BR-285 na Serra da Rocinha, se tornaram prioritárias perante aos túneis.
 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 24/12/2018 - 09:45Atualizado em 24/12/2018 - 09:51

Francieli Oliveira, interina

O ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, que é catarinense e tem laços familiares com a região, fez questão de conferir de perto as obras do calçadão à beira-mar do Balneário Rincão e saiu de lá impressionado. Conhecia a praia antes e pôde comparar com o que viu. O futuro ministro do Turismo, que irá tomar posse no governo Bolsonaro, Marcelo Antônio, já avisou o deputado Ronaldo Benedet que deseja vir conhecer a obra.

É um novo tempo para o Balneário Rincão e não só pelo calçadão, que dá uma cara nova para a praia e que há muito tempo encontrava sérias dificuldades de sair do papel, especialmente, por encontrar as dificuldades do licenciamento ambiental. O prefeito Jairo Custódio tem os méritos nesse processo todo. Conseguiu tirar o calçadão do papel.

Com o Poder Público fazendo a sua parte e tirando do papel obras importantes, reflete diretamente na iniciativa das pessoas, e foi isso que aconteceu. Voluntários se juntaram e iluminaram casas.

Tudo isso deve se refletir no turismo e na economia local. O comércio deve sair ganhando, com mais pessoas circulando pela praia.

Ainda podemos registrar aqui que a rodovia que dá acesso à Barra Velha, outra antiga obra reivindicada, também saiu do papel.

Depois de alguns anos de sua emancipação, o mais novo município da Região Carbonífera parece que está ganhando mesmo ares de independência e buscando a sua vocação.

Não que nos primeiros anos nada tenham sido realizadas coisas importantes, o que foi feito, o planejamento, também é importante. Mas, é agora que se percebem as mudanças.

PEC arquivada

As universidades comunitárias comemoraram o arquivamento, nessa legislatura na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, da PEC que pretendia mudar a forma de distribuição das bolsas de estudos pelo Artigo 170. A proposta é do suplente de deputado do Sul, Dóia Guglielmi (PSDB), e pretendia dividir de forma igual o recurso para as universidades comunitárias e particulares a partir de 2021. A questão não é que os alunos de universidades particulares não devam receber a ajuda, mas o papel de cada uma delas dentro da comunidade. Universidades comunitárias, como a Unesc, não visam ao lucro e devolvem em serviços para a comunidade.

Insegurança jurídica

E o resultado da eleição segue gerando insegurança jurídica e liminares em recessos surpreendendo. No fim de semana, o deputado federal João Rodrigues (PSD) deixou Brasília, onde cumpria regime semiaberto, e voltou para Chapecó, após um habeas corpus do ministro João Otávio Noronha, do Superior Tribunal de Justiça. A decisão permite que João Rodrigues deixe Brasília, mas ainda não lhe devolve os direitos políticos. Em nova tentativa, os advogados de defesa ingressaram com ação do Tribunal Superior Eleitoral.

O caso de João Rodrigues tem relação direta com o Sul do estado. Caso consiga reverter toda situação e ser diplomado, quem perde a vaga é Ricardo Guidi (PSD). No Direito, há sempre muitas interpretações, mas há teses que defendem que Rodrigues deveria ter retomado a sua elegibilidade até a diplomação, que aconteceu no último dia 18. Ricardo Guidi foi quem recebeu o diploma.

Só elogios

Cerimônia de entrega da UTI do Hospital São Donato, em Içara, foi marcada por elogios ao governador Eduardo Moreira (MDB) e ao secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande. Diretor administrativo do hospital, Julio Cesar De Luca, disse que nunca precisou bater à porta do Acélio, que sempre chegou sem marcar hora e foi atendido. É essa relação que fará falta no próximo governo. Não que a nova equipe não receberá quem é do Sul, mas o contato será outro, com pessoas não tão ligadas a Criciúma e região.

Dívida eterna

Julio De Luca também fez questão de deixar registrado que nunca conseguirá pagar a dívida que tem com Eduardo Moreira. Leva em consideração as últimas ações em prol do São Donato. O hospital até pouco tempo figurava no noticiário com notícias ruins. Uma boa administração, com a ajuda da comunidade e com as ações do poder público, mudou a história.

Continuidade

O secretário da Fazenda, Paulo Eli, esteve presente na inauguração do São Donato. Ele será um dos secretários de Eduardo Moreira a permanecer no governo de Comandante Moisés. Tem o perfil técnico e é funcionário de carreira da pasta. Tem ligações familiares com Julio De Luca, que disse que Paulo Eli vai ser o braço desse governo dentro do novo governo.

Dois presentes de Natal

O prefeito Murialdo Gastaldon lembrou que Içara ganhou dois presentes de Natal. No ano passado, a Via Rápida. Nesse, a UTI do São Donato. Duas obras que tiveram importante participação de Eduardo Moreira, Luiz Fernando Vampiro e Acélio Casagrande, três políticos do Sul.

Na conta

Murialdo também contou que o dinheiro prometido por Eduardo Moreira para a construção da Casa Rosa, da Rede Feminina de Combate ao Câncer, já está na conta, assim como para a construção do quartel dos Bombeiros.

Impacto

O aumento do salário mínimo previsto para janeiro de 2019, de R$ 52, não é muito significativo no bolso do trabalhador, mas traz um impacto significativo às Prefeituras do país. De acordo com um estudo feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), esse impacto será de R$ 2,3 bilhões em 2019.

Afetado

Das 135 datas reservadas para sessões na Assembleia Legislativa, 18 foram trocadas por reuniões extras em datas de reuniões ordinárias. Isso devido ao período eleitoral, em que os deputados saíram às ruas para pedir votos. Tudo isso levou ao ritmo frenético da última semana. Na última sessão do ano, foram 61 matérias apreciadas.

Sem recesso

Diferente dos outros anos, o funcionalismo público do estado não terá o recesso entre Natal e Ano-Novo. Essa deve ser uma tendência daqui para frente.

Iniciativa privada

Foi entregue o Centro de Eventos de Balneário Camboriú, nesse domingo. Mesmo ainda com obras a terminar, a cerimônia foi para contemplar o atual Governo Federal, que foi quem repassou as verbas. O governador Eduardo Moreira voltou a defender que a gestão seja repassada para a iniciativa privada e afirmou que já conversou sobre o assunto com o governador eleito, Carlos Moisés.

Dois em funcionamento

Dos 13 Centros de Inovação planejados pelo Governo do Estado desde 2011, apenas dois estão em funcionamento: Lages e Jaraguá do Sul. Criciúma aguarda com muita ansiedade pelo seu, que ficou para o próximo ano.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 21/12/2018 - 15:21Atualizado em 21/12/2018 - 15:34

O governador eleito Comandante Moisés (PSL) anunciou o novo presidente da SC Par. Gustavo Salvador Pereira, de Tubarão.

O nome do empresario criciumense Frederico Zanetti, apoiado pelo deputado federal eleito Daniel Freitas, não emplacou.

Com isso, Criciúma fica fora da equipe do futuro governador.

Foram anunciados tambem mais três diretores da SC Par. Dois são coroneis.

 

 

 

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 20/12/2018 - 08:11Atualizado em 20/12/2018 - 08:14

Dúvida zero que Criciúma teve muito mais do governo do estado do que teria se Eduardo Moreira (MDB) não estivesse lá como vice-governador e governador.

A via rápida saiu porque Eduardo era vice, fez pressão interna (pesada) e bancou a nomeação do deputado Luiz Fernando Vampiro na secretaria de infraestrutura. Que assumiu com uma missão - concluir a obra.

A conclusão do hospital materno infantil Santa Catarina e a estadualização da sua gestão só saíram porque Eduardo era governador.

São duas obras que confirmam o raciocínio. Mas, outras muitas poderiam ser relacionadas. Inclusive, as que ele vai inaugurar hoje na região.

A ficha vai cair para Criciuma a partir de janeiro, quando estiver fora do núcleo de poder do estado.

 É evidente que Eduardo cometeu equívocos ao longo do tempo, colecionou aliados e também adversários. Mas, fez uma carreira política vencedora.

Só teve duas derrotas, mas conseguiu fazer do limão a limonada nas duas oportunidades.

Na primeira, quando era deputado de primeiro mandato e disputou a prefeitura contra Altair Guidi, que já tinha sido prefeito, era considerado imbatível. Perdeu por 500 votos, consolidou-se como comandante do MDB na cidade, garantiu a reeleição e pavimentou sua eleição para prefeito na sucessão de Altair.

A outra derrota acabou lhe colocando no caminho para chegar ao governo do estado. Porque se tivesse vencido Décio Góes na eleição de 2000, não teria sido vice-governador, eleito em 2002, parceiro de Luiz Henrique da Silveira.

Eduardo fez ontem a ultima coletiva, deve cumprir hoje a ultima agenda oficial na região e vai entregar o cargo no dia 1 de janeiro.

De longe, é o politico de Criciúma que voou mais alto.

 

Troca de bastão

Por coincidência, no momento em que Eduardo sai de cena, e Criciúma fica fora do núcleo de poder do estado, assume um governador de Tubarão.

Acontece a troca de bastão no sul.

Tubarão assume o protagonismo que era de Criciuma.

Governador eleito Comandante Moises está fazendo equipe com maioria de Tubarão. O que é compreensível. São pessoas do ambiente em que vivia.

A missão para Criciúma e seus representantes é não deixar resquícios do bairrismo atrapalhem. É conseguir pavimentar que “são todos do sul”.

 

Nada que tenha que explicar

Enquanto Eduardo Moreira começa a limpar as gavetas, o governador eleito Comandante Moisés (PSL) segue com as nomeações técnicas, quase todas de servidores de carreira. Ontem, mais duas. Uma delas, a presidência da Casan. Para onde Edio Castanhel estava indicado, e bateu na trave.

Mas, tudo isso estava na previsão. Ele faz exatamente o que disse que ia fazer.

Monta o governo que quer. Sem se deixar influenciar. Sem “pitaco" de partido e políticos.

Mantêm o estilo discreto, distante da mídia, mas não fez nada que tivesse que explicar, esclarecer, ou recuar.

É um politico diferente de todos os outros, com posições que impactam, surpreendem, mas que não fogem em nada do seu perfil pessoal.

 

 

 

Déficit menor

O governador Eduardo Moreira (MDB) fez uma avaliação dos quase 11 meses em que esteve à frente do Governo do Estado. Enfatizou o trabalho realizado para o enxugamento da máquina pública, ações na Saúde e Segurança Pública. Essas áreas já foram colocadas como prioritárias lá no início, quando assumiu em 16 de fevereiro. Com o trabalho conseguiu reduzir o déficit do Estado. A previsão, no início deste ano, era que 2018 chegaria ao fim com um saldo negativo de cerca de R$ 2 bilhões e fechará em pouco mais de R$ 500 milhões, mais de R$ 1,4 bi de economia. Moreira atribui essa redução a um governo com gestão.

 

Principal crise no meio do ano

O governador Eduardo Moreira terminará o mandato sem atrasar os salários. O vencimento de dezembro será pago no dia 28, mas confessa que o risco existiu. O período onde a preocupação foi maior e o risco mais iminente foi no meio do ano com a greve dos caminhoneiros. O govenador admite que perdeu noites de sono. Foi aí que tomou a decisão de não buscar a reeleição.

 

Fórmula mágica

Moreira não acredita que o próximo governador terá essa dificuldade. Diz que entrega o governo melhor do que deixou, mas que o principal fator é o aumento da receita do Estado que vem crescendo. O segundo semestre deste ano já vem registrando aumento em relação ao ano passado. Em novembro, foi de 15%, dezembro deve ser parecido. Para ele, o aumento da receita é a fórmula mágica para as ações propostas pelo Estado. Acredita que em 2019 o crescimento passará dos dois dígitos.

 

Decola em 2020

Se 2019 será um ano de recuperação, 2020 será o ano em que Santa Catarina irá decolar novamente. Essa é a avaliação de Eduardo Moreira, que está otimista com a retomada do crescimento do país.

 

Sem devolução

Questionado sobre o repasse do Estado aos outros poderes, Eduardo Moreira se queixou da falta de devolução ou de apenas uma sinalização da Assembleia Legislativa, que registra R$ 40 milhões em caixa. Esse valor poderia ser usado, por exemplo, para quitar os R$ 26 milhões com as Organizações Sociais, agora em dezembro, entre elas o Ideas que está na gestão do Hospital Santa Catarina. Ainda poderia complementar o valor destinado para a Operação Veraneio. O secretário da Fazenda Paulo Eli está com contato com o presidente da Alesc, Silvio Dreveck (PP), e Moreira também deverá fazer a conversa para sensibilizar por uma devolução. Neste sentido, o governador entende que tem que haver uma mudança no repasse do duodécimo, fazendo que essas sobras nem saiam dos cofres do Executivo e possam ser aplicadas em outras áreas. Por outro lado, o Tribunal de Contas fez a devolução de R$ 20 milhões. O governador também elogiou a relação com o Tribunal de Justiça.

 

Compromisso de Aldo

Se a não devolução se concretizar, o atual presidente Silvio Dreveck não cumpre um acordo feito por Aldo Schneider (MDB), que faleceu neste ano quando exercia o cargo de presidente da Alesc. O compromisso era de R$ 30 milhões em devoluções, sendo que R$ 10 milhões foram repassados no meio do ano.

 

Udo mudaria o cenário eleitoral

Na avaliação de Eduardo Moreira, se o candidato do MDB, nas eleições de outubro, tivesse sido o prefeito de Joinville, Udo Döhler, o cenário poderia ser outro. Para Eduardo Moreira, Udo poderia apresentar o novo com experiência e colocaria o MDB no segundo turno com possibilidade real de vitória. Döhler não concorreu porque queria garantia que seria o candidato do MDB ainda em abril, prazo final para que renunciasse à Prefeitura de Joinville.

 

No debate da Som Maior

O governador eleito Comandante Moisés (PSL), que entrou no processo como um desconhecido, chamou atenção de Eduardo Moreira logo no primeiro debate, realizado pela Rádio Som Maior. O debate foi realizado no sábado pela manhã, no domingo à noite, em reunião com integrantes do MDB Moreira fez o alerta.  Porém, a onda PSL, da forma que veio, foi detectada pelos adversários somente uma semana antes do pleito.

 

Erro de estratégia

Para Eduardo Moreira, o ex-governador Raimundo Colombo (PSD) cometeu um erro de estratégia ao não priorizar uma grande obra de mobilidade em Florianópolis. Um novo acesso à ilha.

 

Arriscado

Eduardo Moreira vê como arriscada a decisão do Comandante Moisés em não nomear um secretário de Segurança Pública, deixando o comando da pasta a cada ano, com revezamento, nas mãos dos comandos de Polícia Civil, Polícia Militar, Bombeiros e Instituto Geral de Perícias. Uma alternativa seria Moisés chamar a responsabilidade de secretário para ele, com o porém de que o cargo de governador já tem uma exigência enorme de quem o exerce, dificultando mais esse acúmulo. Por outro lado, a reforma administrativa apresentada por Moisés agradou o atual governador.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 19/12/2018 - 06:55

Na cerimônia para diplomação dos eleitos, ontem, só tinha Criciúma entre os deputados estaduais e federais. Nenhum dos senadores ou suplentes, nem governador ou vice.

A rigor, nenhuma novidade. Já se sabia desde a eleição que seria assim. Mas, agora é o início do enfrentamento da nova realidade. Criciúma ficará menor no mapa da política catarinense.

Hoje tem o governador (Eduardo Moreira), que foi vice por quase oito anos, e a partir de janeiro só terá deputados.

Assim, o poder de fogo de Criciúma vai depender deles.

Na Assembleia, o deputado eleito Julio Garcia (PSD) pode recuperar um pouco da força política de Criciúma, se confirmar sua eleição para presidente.

Está tudo bem encaminhado. Ele pode ser eleito em amplo acordo, com a possibilidade até de unanimidade dos votos.

Pelo cargo, somada a sua capacidade singular de articulação, deverá ter trânsito fácil em todas as instâncias do poder.

Além dele, tem Jessé Lopes (PSL), o fato novo, e mais Vampiro (MDB), Ada De Luca (MDB) e Rodrigo Minotto (PDT), os reeleitos. Os dois do MDB estarão numa nova condição - desta vez não serão “governo”.

Dos três federais de Criciúma, Daniel Freitas é o que tem melhor relação com o governador eleito.

Quando ele estava no PP, era colocado no fim da fila, porque era jovem ainda.

No PSL, é o que tem maior experiência política.

Geovania de Sá (PSDB) tem atuação estadual, fez melhor votação entre todos os reeleitos, e tem trânsito nos escalões inferiores e técnicos do Governo Federal.

Ricardo Guidi (PSD), de boa origem, terá que construir (e consolidar) o seu espaço de atuação e estabelecer prioridades (bandeiras a empunhar).

Até agora, ninguém de Criciúma foi definido líder de bancada, nem de governo.

Mas, o desafio que se apresenta aos novos deputados é a formação da bancada do Sul. Acic e Unesc assumiram compromisso de encaminhar.

A formação da bancada vai fazer a cidade mais forte e representativa.

Comandante diplomado

A diplomação do Comandante Moisés vai além da entrega de diploma e reconhecimento formal pela Justiça Eleitoral do vencedor na eleição.

É o início de uma fase nova do processo político do estado. Um grupo novo está sendo levado ao poder, com práticas novas e estilo distinto.

Moisés é um cidadão de hábitos simples, disciplinado como todo bom policial militar, ficha limpa, sem vida pregressa na polícia.

Está respaldado por 71% dos eleitores para mudar o que for preciso e fazer o estado melhor.

Bloqueio de bens

Ministério Público pediu bloqueio das contas do engenheiro Paulo Meller, ex-prefeito de Criciúma, e mais sete pessoas, por causa de desvios que teriam sido identificados nas obras da ponte Hercílio Luz.

Intenção do MP é que seja ressarcido aos cofres públicos um montante de R$ 230 milhões por irregularidades nas obras da ponte Hercílio Luz.

Agora, rever o Criciumaprev

A maioria na Câmara, ontem, fez prevalecer a lucidez, aprovando o parcelamento da dívida do município com o CriciúmaPrev (R$ 40 milhões).

Não tinha outra saída. Não aprovar, seria inviabilizar a gestão da cidade.

Agora, aos vereadores preocupados com a cidade o que cabe é encaminhar a discussão para evitar que novos parcelamentos tenham que ser feitos. E isso implica em mudar as regras do Criciúmaprev. Como está, a conta é impagável!

Chineses no Rincão

O prefeito do Rincão, Jairo Custodio (MDB), recebeu ontem um grupo de investidores chineses.

Hong Wei é um dos diretores.

Os chineses tem interesse em projetos de condomínios fechados de alto padrão.

Saíram satisfeitos com as condições oferecidas pelo prefeito.

Grupo fechado

PP de Morro da Fumaça, liderado pelo prefeito Noi Coral (ao centro, de camisa azul), e presidido pelo vice-prefeito, Eduardo Guollo, fez reunião de avaliação do ano, e projetando desafios para 2019.

Honorário da polícia

O governador Eduardo Moreira, numa de suas últimas agendas oficiais, foi homenageado pelo delegado chefe da Polícia Civil do estado, Marcos Ghizoni, como “governador honorário da Polícia Civil”.

Na cerimônia, foi apresentado balanço das ações policiais na gestão de Eduardo, com números expressivos - R$ 60 milhões de investimentos na polícia, 3,8 mil armas apreendidas, 16,1 toneladas de drogas, 21,2 mil prisões em flagrante, queda de 22,1% no número de homicídios e 54,4% de roubos a bancos.

Turismo na Veneza

Os vereadores de Nova Veneza, Aroldinho Frigo e Arlindo da Silva, se reuniram em Brasília com o atual ministro do Turismo, o catarinense Vinicius Lummertz Silva e o futuro ministro, deputado Marcelo Antônio.

Destacaram a importância do turismo na economia de Nova Veneza e reforçaram pedidos específicos, como a ciclovia para o distrito de Caravaggio.

Nova fábrica

O empresário Anselmo Freitas anunciou, ontem, na Rádio Som Maior, a implantação de uma fábrica em Criciúma, na linha de embalagens para alimentos, na área industrial de Linha Batista, com 12 mil metros quadrados. Previsão é iniciar a operação em junho, com pelo menos 150 trabalhadores.

As máquinas vem de Taiwan, de onde Anselmo chegou no domingo.

Em janeiro, ele vai inaugurar uma fábrica em Pernambuco, e em março vai trazer de volta (também para Linha Batista) aquela unidade que incendiou em Içara e foi levada para Osório, no Rio Grande do Sul.

Mais apoio

O presidente da Acic, Moacir Dagostin, manifestou apoio para que Acélio Casagrande, atual secretário de Saúde do Estado, que deixará o cargo em 31 de dezembro, continue contribuindo com sua experiência em Criciúma. Casagrande esteve com Dagostin na tarde de ontem.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/12/2018 - 11:41Atualizado em 18/12/2018 - 11:47

O governador eleito Comandante Moisés (PSL) anunciou agora pela manhã mais um nome para sua equipe. Delegada de polícia Sandra Mara será diretira do Detran.

É mais uma servidora de carreira, delegada desde 1993 e hoje responde pela Corregedoria da Policia Civil. 

Ela estruturou a delegacia da mulher em Florianópolis, instalou outras duas delegacias de proteção a mulher no estado e foi delegada regional de policia em São José.

É a terceira mulher na equipe do Comandante Moisés.

Hoje à tarde, o governador eleito, sua vice e todos os eleitos em Santa Catarina serão diplomados pelo TRE. 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/12/2018 - 05:47Atualizado em 18/12/2018 - 05:49

Três nomes de Criciúma estão na mesa do governador eleito Comandante Moisés (PSL) como para compor o futuro colegiado estadual. Empresário Frederico Zaneti, engenheiro Dalton Damiani e empresário Edio Castanhel.

Fred Zaneti está indicado para a presidência da SC Par, o braço empreendedor do governo do estado, que tem sob seu comando os portos de Imbituba e São Francisco do Sul.

Dalton, engenheiro, funcionário de carreira do Deinfra (antigo Deter), está indicado para o Deinfra, ou para o que vier a substitui-lo na estrutura da secretaria de infraestrutura (na proposta de reforma administrativa, a intenção anunciada é extinguir o Deinfra).

Edio, engenheiro e empresário, diretor da Acic, está indicado para a presidência da Casan.

Nenhum dos três tem militância partidária, nem disputou eleição.

Se forem nomeados pelo governador eleito, não será por negociação política, nem indicação (ou negociação) de partidos.

Mas, são três nomes com boas relações na cidade e região, e que se encaixam no perfil técnico que tem sido preservado na montagem secretariado. Incluindo os três que foram anunciados ontem. Ricardo de Gouveia, Celia da Cunha e Valdez Venâncio.

Ricardo é diretor executivo do sindicato das industrias de carnes do estado, com mais de 30 anos de experiência no agro-negócio, reconhecidamente competente, e vai responder pela secretaria da agricultura. Foi um “tiro certo”. Será m dos nomes mais importantes do futuro governo.

Celia é funcionária de carreira e vai responder pela procuradoria geral do estado. É a segunda mulher na equipe de Moisés.

Venâncio é coronel da Policia Militar, especialista em meio ambiente, ajudou a implantar a policia ambiental  no estado, e vai assumir a presidência do Instituo de Meio Ambiente (antiga Fatma).

Agora, as atenções se voltam para duas pastas - educação e infraestrutura.

Glauco Corte, ex-presidente da Fiesc, hoje vice-presidente da Confederação Nacional da Industria, segue cotado para a educação.

Ser confirmar, vai produzir intensa repercussão positiva.

 

Mineiramente

Sem barulho, com movimentos calculados, sem nenhum tipo de exposição, o Comandante Moisés vai aos poucos montando a sua equipe.

Não diz, mas dá a entender que muitas funções de escalões inferires não terão mudança de imediato.

Va começar a “operação do governo” com o primeiro time, e depois, no andar da carruagem, mudar onde se apresentar necessário.

 

Comado da PM

A nomeação do Ricardo Gouveia para a secretaria da agricultura reforça a possibilidade de o coronel Araujo Gomes continua como comandante geral da Policia Militar.

Se fosse mantido o atual secretário da agricultura, Airton Spiez, como chegou a ser avaliado, e mais Araujo Gomes, ficaria praticamente meio secretariado do time de Eduardo Moreira.

 

Credito

Frank Hobold, principal empresário do setor de avicultura do sul do estado, sobre o futuro secretário de agricultura:

"Para o setor de carnes ele foi muito bom (como diretor do sindicato). Carne é a principal pauta de exportação do Estado. É técnico e conhece do agro-negócio. Então o futuro governador acertou”.

 

Em sintonia

A futura secretária de ação social do estado, Maria Elisa de Caro, fez questão de participar da prestação de contas feita ontem pela atual secretária, Romanna Remor (foto).

Maria Elisa é técnica de carreira e respondia pela diretoria de recursos humanos no período em que o deputado Valmir Comin (PP) respondeu pela secretaria.

Quando Romanna assumiu, a convidou para permanecer na função. Mas, ela saiu por motivos de ordem pessoal.

 

Para ver Temer

Governador Eduardo Moreira cancelou (MDB) vinda a Içara e Balneário Rincão, agendada para quinta-feira. 

Vai receber (e acompanhar) o presidente Michel Temer em Balneário Camboriu e Bombinhas.

 

O fundador

Um dos fundadores da Associação empresarial de Criciúma, Wilson Freire Barata, faria ontem 100 anos.

Ele faleceu em 2006, depois de uma extensa folha de serviços prestados à cidade.

No inicio da década de 80, foi secretário da fazenda de Criciuma, no governo de José Hülse.

Fundou ou participou de muitas outras entidades e clubes de serviço.

Homem sério, competente e empreendedor.

 

Sob nova direção

O empresário José Moreno, ex-Resicolor e Fiat/Criciúma, entra no setor de comunicação.

Assumiu ontem o controle acionário do Canal 19 analógico e canal 20 da Net Criciúma.

 

Repasse

Foi publicado ontem, ato oficial informando dispensa de chamamento público (licitação), para repasse de r$ 100.045,73 da secretaria da educação do município para a Satc.

Justificativa prevista no documento - “fazer campanha educativa a favor do carvão mineral”.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 15/12/2018 - 07:05

O governo do prefeito Clésio Salvaro (PSDB) protocolou, nesta sexta-feira, na Câmara de Vereadores, poucas horas antes da grande festa de reinauguração, o projeto de lei para terceirização da gestão do Centro Cultural Jorge Zanatta. Deve ser aprovado sem maiores resistências na sessão extraordinária de terça-feira.

O projeto é coerente com um modelo adotado pelo governo.

Já foi terceirizada a gestão da UPA da Próspera, do centro de eventos, da rodoviária será assinada até terça-feira, já estão sendo encaminhados procedimentos para fazer com os terminais do sistema integrado de transporte coletivo, do Parque das Nações e do Parque do Imigrante.

É evidente que o caso do Centro Cultural é diferente em alguns pontos. Principalmente porque o seu papel deve ser de fomento à cultura da cidade, organização de oficinas, e estímulo/envolvimento da juventude. A exploração comercial pura e simples pode não ser suficiente (e provavelmente não será).

Será necessário fazer uma condução diferente, com inserção da iniciativa privada, via leis de incentivo à cultura e outras possibilidades.

A Unesc tem todas as condições de fazer essa interface.

Trânsito na iniciativa privada/setor produtivo, profundo envolvimento com a cultura, e estrutura montada (com grupo de trabalho competente) para aproveitar os benefícios das leis de incentivo à cultura.

Por fim, a Unesc não visa lucro. Ela é universidade comunitária.

Então, não vai ganhar dinheiro com a cultura. Vai movimentar o Centro Cultural, reinvestindo o que for apurado de recursos.

A Pinacoteca de São Paulo é um exemplo a ser seguido (e copiado). Funciona 100% com recursos repassados por empresas privadas, via projetos culturais.

Importante registrar - nunca tratei do assunto com a reitora Luciane Ceretta, nunca ouvi uma palavra dela a respeito, e não sei o que ela pensa sobre isso.

Mas, conhecemos todos a Unesc, e sabemos do crédito que tem na sociedade, a sua capilaridade, e o quanto é forte na ação cultural.

E quando ouvi do prefeito Salvaro a sua decisão de repassar a terceiro a gestão do Centro Cultural, logo imaginei que tudo aquilo tem muito a ver com a Unesc.

O resgate

Ficou muito bonito o Centro Cultural, a festa de reinauguração foi bem feita, as homenagens mais do que justas.

Melhor presente de Natal para a cidade.

Um prédio histórico que foi recuperado, literalmente levantado dos escombros, e foi devolvido aos operadores do movimento cultural.

Sem dúvida alguma, um marco para a cidade.

Os nomes

A importância do Centro Cultural, e a sua inserção na história da cidade, pode ser avaliada pela lista de nomes ligados aquele prédio, em momentos distintos, por situações completamente diferentes.

Começando pelo grande Pedro Benedet, chegando ao “seu" Jorge Zanatta, e passando pelo Dr. Manif, Vânio Faraco, Carlinhos Ferreira, Dr. Henrique Packter, Edi Balod, Eduardo Moreira, e mais a Liliani, a Sayonara, o Clésio Salvaro, entre muitos e tantos outros.

Reconhecimento

Há que ser destacado (reconhecido) o papel do prefeito Clésio Salvaro.

Pegou o prédio em ruínas, foi atrás de recursos, e gastou muita gasolina e sola de sapato, levou muito chá de banco (porque arrancar dinheiro para a cultura é sempre muito difícil), mas conseguiu.

Outros gestores públicos diziam que não dava para recuperar porque o imóvel não era do município, e tinha uma confusão jurídica/legal impossível de vencer/resolver.

Salvaro pegou para si, foi onde tinha que ir, insistiu, não desistiu nos primeiros “não”, e resolveu.

O primeiro

Logo que assumiu, em 2017, Salvaro já recuperou um outro prédio histórico que estava em ruínas. A sede da Prefeitura.

Parcialmente destruído por dois incêndios, ficou dois anos abandonado. Nem os tapumes tinham a manutenção adequada.

Com apoio da iniciativa privada e repasses dos governos do Estado e Federal, Salvaro reconstruiu o Paço e levou a Prefeitura de volta para sua casa.

Memorial do carvão

O prefeito Salvaro está decidido a viabilizar o memorial do carvão.

Já está tratando do assunto com autoridades federais, principalmente do antigo DNPM.

O projeto faz sentido, na medida em que o carvão está efetivamente ligado ao crescimento da cidade.

Na educação

O governador eleito Comandante Moisés recebeu, nesta sexta-feira, o diretor do Instituto Ayrton Senna, professor Mozart Neves Ramos, e o ex-presidente da Fiesc, hoje diretor da Confederação Nacional da Industria, Glauco Côrte (foto).

A pauta do encontro foi educação.

Na coluna de sexta-feira foi registrado que Mozart Ramos estava no radar do Comandante Moisés para o comando da Secretaria de Educação.

Depois do encontro, Glauco Côrte, que marcou sua gestão da Fiesc pelo enfoque na educação, entrou na lista de possibilidades para a pasta.

Mais um

Comandante Moisés anunciou Maria Elisa da Silveira de Caro para a Secretaria de Desenvolvimento Social, que atualmente é ocupada pela criciumense Romanna Remor. Maria Elisa tem atuação na Secretaria de Estado da Segurança Pública. Também trabalhou com o deputado Valmir Comin (PP) quando esteve secretário de Assistência Social no ano passado, além de atuação em diversos órgãos ligados à assistência social.

A vitória de Guidi

A volta do deputado criciumense Ricardo Guidi (PSD) é mais importante do que apenas uma conquista pessoal (que ele fez por merecer).

A garantia de que ele vai assumir na Câmara, devolve força à Criciúma, no momento em que o protagonismo político no Sul do estado está sendo assumido por Tubarão.

Criciúma volta a ter três deputados federais.

E Guidi ainda representa a renovação.

Eleição

Na segunda-feira, a Câmara de Vereadores de Içara vai eleger novo presidente.

O acordo que existe na base do governo do prefeito Murialdo Gastaldon (que tem 12 dos 15 vereadores) prevê que o presidente seja do MDB.

Mas, no MDB não tem entendimento em torno de um candidato. Tem quatro em “campanha”.

Prefeito Murialdo garante que não vai se envolver a favor de nenhum deles.

Diz que só está fazendo apelos para que, mesmo com disputa interna, não se permita racha na base do governo.

Para 2019

A inauguração da rodovia Ivane Fretta Moreira, em Tubarão, não poderá ser inaugurada neste ano pelo governador Eduardo Moreira. A nova estrada leva o nome da esposa falecida de Moreira. Na sexta-feira, uma equipe do Governo do Estado esteve em Tubarão para explicar os motivos da não conclusão da obra e a explicação foi o excesso de chuvas.

Garantia

Eduardo Moreira não pode estar presente por motivos particulares, mas encaminhou um vídeo garantindo que já conversou com o Comandante Moisés e explicou a importância da conclusão da obra para toda a região de Tubarão.

Eleição na Fecam

Está programada para 15 de janeiro a eleição para a diretoria da Federação Catarinense dos Municípios (Fecam). Pelo acordo, 2019 é o ano do PP e o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, é um dos mais cotados. Pela Amrec, os prefeitos indicaram os nomes de Ademir Magagnin (PP) de Cocal do Sul e Jaimir Comin (PP), de Treviso, para compor a chapa ou no conselho executivo ou fiscal. O presidente da Amrec, automaticamente, faz parte do conselho deliberativo da entidade.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 14/12/2018 - 09:09Atualizado em 14/12/2018 - 09:10

O ex-deputado Doia Guglielmi (PSDB) reuniu a presidente do PP, Dalvania Cardoso, o ex-prefeito Gentil da Luz (MDB) e o diretor do hospital São Donato, Julio de Luca, para tentar a montagem de chapa única para eleição na cooperativa de Icara, a Cooperaliança.

Defendeu um entendimento entre Gentil e Julio, para quem seja apoiado pelo outro para presidente. Hoje, os dois estão em campanha.

Dóia pode ser candidato a vice de Gentil da Luz, se não sair acordo.

Dalvânia está envolvida nas articulações e deve participar de uma chapa, ou indicar representante.

Julio de Luca garantiu ontem à noite que não vai fazer acordo com Gentil e que será candidato de oposição.

De outro lado, uma decisão da justiça deve atrapalhar a movimentação de Gentil para tentar se eleger presidente da cooperativa, pelo desgaste.

O juiz da comarca de Içara, Fernando Dal Bó Martins, determinou bloqueio de seus bens, em função de ação de improbidade administrativa que está tramitando, por fatos do tempo em que foi prefeito.

O juiz também determinou o bloqueio de Micélia da Silva Luiz, Paulo Cesar Barzan e Helio Recco.

A eleição para direção da cooperativa de Içara deve ser feita até março de 2019.

A data será definida pela atual diretoria, presidida pelo empresário Jorge Rodrigues, o JR.

Ontem, a informação de bastidores é que a eleição será convocada para o início de janeiro.

O empresário Anselmo Freitas também teve seu nome especulado como candidato a presidente, mas não confirmou.

Ele está no exterior, volta hoje, e de lá marcou reuniões para tratar do assunto.

 

Não vai

O empresário Joelson Cardoso, o Cardeal (PDT), foi taxativo ontem em relação ao convite do prefeito de Içara,  Murialdo Gastaldon (MDB): 

“Não tenho nenhum interesse em participar deste governo”.

Murialdo convidou Joelson para integrar a equipe de governo a partir de janeiro, e ofereceu três opções de secretarias.

 

Pensando

Outro convidado por Murialdo para integrar o governo, ex-deputado Dia Guglielmi (PSDB), diz que só vai responder no fim de dezembro.

Ele diz que envolvido com as articulações para eleição na cooperativa, e diz que ainda está “lambendo as feridas da eleição”.

Dóia não se elegeu em outubro.

 

Se perde no tempo

A justiça eleitoral, comarca de Içara, determinou a cassação de mandato do vereador Márcio Dalmolin (PSD), por denúncia feita pelo Ministério Púbico de compra de votos.

A condenação prevê também o pagamento de multa e pena pecuniária.

O que chama a atenção é que a origem do processo é da eleição de 2012. 

Dalmolin já cumpriu todo aquele mandato, foi reeleito em 2016 e o processo agora é que está com sentença, ainda em primeira instância, com possibilidade de vários recursos.

 

Marido e mulher

Governador eleito Comandante Moisés fez dois anúncios ontem para sua equipe. Diego Goulart e Luciellen Lima. Marido e mulher.

Diego vai responder pela secretaria de articulação nacional (confirmando o que já havia sido antecipado pela coluna).

Lueciellen estará integrada à equipe da secretaria de comunicação, que será ceifada pelo jornalista Ricardo Dias.

 

Na educação

O secretário da educação de futuro governo pode vir de fora do estado. Professor Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, que tem sede em São Paulo.

Mozart chegou a ser mapeado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro como ministro da educação, mas não emplacou por reações da base aliada, especialmente os evangélicos.

Ele foi reitor da Universidade Federal de Pernambuco. É uma autoridade na área, com reconhecimento nacional.

 

Na Celesc

O nome que o Comandante Moisés encaminhou para a presidência da Celesc foi aprovado pelo conselho de administração. Engenheiro Cleicio Poleto Martins, ex-funcionário da Engie (antiga Tractebel).

Ele vai assumir no dia 21 de dezembro.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 13/12/2018 - 07:43Atualizado em 13/12/2018 - 07:45

Uma coisa é certa. Desempregado, Acelio Casagrande não ficará depois que deixar o comando da secretaria de saúde do estado. Já tem pelo menos duas propostas na região.

Na semana passada, o prefeito Clesio Salvaro, de Criciuma, que vai assumir a presidência da Amrec em fevereiro, defendeu que a associação contrate Acelio para prestar assessoria aos municípios da região na área de saúde.

Ontem, o prefeito de Içara, Murialdo Gastaldon, disse que vai convidá-lo para assumir a saúde no município.

Mas, além de Acelio, o prefeito Murialdo pretende levar para o seu governo, a partir de janeiro, o empresário Joelson Cardoso, o Cardeal (PDT), e o ex-deputado Dia Guglielmi (PSDB). Os dois já foram convidados.

Joelson era do MDB, foi fundador do partido, mas saiu no início de 2017, por divergências com o prefeito Murialdo. Em julho, se filiou no PDT.

Faz 30 dias, Murialdo procurou Joelson e restabeleceram relações.

Na semana passada, o prefeito convidou Joelson para entrar no governo. Três posições no primeiro escalão foram oferecidas. Ele pediu tempo para avaliar. 

Cardeal registrou que pretende disputar eleição para prefeito, e Murialdo que isso pode ser construído dentro do governo. Mas, acrescentou que hoje o candidato natural do governo (e do MDB) é o vice-prefeito Sandro Serafim.

Ontem à noite, Joelson Cardeal disse que a tendência é não aceitar o convite.

Com o ex-deputado Dóia, a conversa foi na mesma linha. Inclusive, em relação a possibilidade de candidatura a prefeito.

A intenção do prefeito Murialdo é definir o novo secretariado até o final do ano, para dar posse na primeira semana de janeiro.

Ele avalia que o seu governo não tem problema administrativo, não teve mais nenhum escândalo ou envolvimento com policia e Gaecco, mas precisa fazer ajustes políticos para a eleição de 2020.

Ele já está no segundo mandato, não poderá disputar reeleição.

A rigor, os principais adversários de Murialdo e seus grupo na eleição devem ser do PP e PSL.

Dalvânia Cardoso (PP) e Anselmo Freitas (hoje PP, mas que deve ir para o PSL) são os nomes mais citados.

 

Transparência

No ranking do Ministério Público Federal sobre transparência na gestão pública, quatro municípios da Amrec tiveram nota 10. Içara, Balneário Rincão, Forquilhinha e Treviso.

Do sul do estado, mais . Tubarão, Gravatal, Jacinto Machado e Rio Fortuna. 

Criciúma ficou entre os piores do sul, com nota 6,8. 

 

Na Casan

O futuro presidente da Casan, a ser nomeado pelo governador eleito Comandante Moisés, pode ser de Criciúma.

O nome de um engenheiro esta sendo avaliado.

Decisão deve sair até amanhã.

 

Primeiras damas

Repetindo a sintonia entre governador e governado eleito, a primeira dama, Nicole Moreira, se reuniu ontem com a futura primeira dama, Késia da Silva, para tratar da transição da Fundação Nova Vida (foto).

Na reunião, foi feita a eleição dos novos membros dos conselhos fiscal e curador, e da direção executiva.

No relatório que apresentou, Nicole destacou que preside a fundação desde fevereiro e distribuiu 586 cadeiras de todas e 8 mil cestas básicas, entre outros benefícios e equipamentos.

 

Homem forte

A cada dia, o deputado Daniel Freitas vai se consolidando como homem forte de Criciuma no futuro governo.

E não apenas pela sua condução de deputado federal.

Mas, pela relação próxima com o governador eleito, e a contribuição que tem dado ao futuro governo nas reuniões que faz em Brasilia com a equipe de Bolsonaro.

 

O primeiro catarinense

O presidente eleito Jair Bolsonaro confirmou ontem o primeiro catarinense na sua equipe de governo. Jorge Seif Júnior, empresário de Itajaí. Vai comandar a Secretaria Nacional de Pesca e Aquicultura, agora subordinada ao Ministério da Agricultura.

 

Com Moro

O governador eleito Comandante Moisés se encontrou com o futuro ministro Sergio Moro, ontem, em Brasilia. Discutiram algumas estratégias para combate a violência e restabelecimento do sentimento de segurança para as pessoas.

Moisés participou de seminário sobre segurança com os governadores eleitos e Moro foi um dos palestrantes

 

Fora de sintonia

No estado, os deputados aprovaram na Assembleia aumento nos seus salários a partir de janeiro de 2019.

Em Brasília, senadores programa réveillon, casa de praia e formatura de filha com recursos públicos.

Resumo da ópera - não entenderam nada do grito das urnas!

 

Serginho na Câmara

O diretor da câmara de Criciúma de Criciúma a partir de janeiro será o ex-vereador e ex-prefeito Sergio Pacheco.

Nomeação foi confirmada pelo presidente eleito da câmara, vereador Miri Dagostim (PP).

Quando Serginho foi prefeito de Criciúma, mandato tampão de quatro meses, Miri foi secretario de saúde.

 

Fica no PP

Miri Dagostim também confirmou ontem na Som Maior que vai ficar no PP.

Está envolvido com o deputado federal Jorge Boeira no processo de reorganização do partido em Criciúma, projetando a eleição de 2020.

Miri disse que Boeira pode ser candidato a prefeito.

 

Ministro no calçadão

O ministro do turismo, o catarinense Vinicius Lummertz, anunciou ontem na rádio Som Maior Maior que estará no Balneário Rincão, ainda em dezembro, para visitar as obras do calçadão, que esta sendo construído com recursos liberados por ele.

À tarde, ele repetiu compromisso ao deputado Ronaldo Benedet.

Lummertz, casado com a criciumense Simoni Guglielmi, vai assumir em janeiro a secretaria de turismo de São Paulo, a convite do governador eleito João Dória.

 

Novo companheiro

O suplente Edson Paiol (PP) acompanhou a eleição da nova mesa diretora da câmara de Criciúma e foi comemorar com os eleitos. 

Nos próximos dias, Paiol deve assumir o lugar de Ângela Mello (MDB), cassada pelo TRE.

São falta notificação da câmara para que Paiol seja convocado a assumir.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/12/2018 - 18:52Atualizado em 11/12/2018 - 19:11

A futura bancada do PSD na Assembléia, composta por cinco deputados, anunciou agora à tarde que o deputado eleito Julio Garcia é o candifato do partido à presidência da Alesc.

Até então, o deputado reeleitoMilton Hobus também era candidato.

O acordo na bancada foi possivel pelo gesto de Hobus de abrir mão da candidatura. 

Agora, ele vai encaminhar conversações junto com Julio com outras bancadas, principalmente com quem ele já havia iniciado entendimento.  

Na condição de candidato oficial do PSD, Julio Garcia fica mais fortalecido para tratar com outraa bancadas, mas já é considerado favorito na disputa pela presidência da Assembléia.

Se for eleito, Julio será o politico de Criciúma com principal cargo na estrutura politica do estado a partir de 2019.

    

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/12/2018 - 17:19Atualizado em 11/12/2018 - 19:08

O governador eleito Comandantes Moisés (PSL) se reuniu agora à tarde em Brasilia com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Estava acompanhado dos deputados federais eleitos pelo PSL em Santa Catarina, incluindo o criciumense Daniel Freitas.

Moisés escreveu na sua pagina no Facebook depois do encontro:

"Conversamos sobre pontos importantes para a retomada do crescimento de Santa Catarina, como a Reforma Tributária, revisão do Pacto Federativo, para ampliar os percentuais de arrecadação dos estados e municípios e a possibilidade de investimentos federais no Estado.  Estamos marchando no mesmo compasso para que Santa Catarina e o Brasil voltem a prosperar".

O governador eleito deve anunciar amanhã novos integrates da sua equipe de governo.

 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 11/12/2018 - 06:51

Jair Bolsonaro afirmou ontem, depois de ser diplomado presidente: 
"As novas tecnologias permitiram uma relação direta entre o eleitor e seus representantes”.
Estava se referindo, evidentemente, à comunicação direta feita por meio das redes sociais durante a eleição. Foi, sem duvida, o fato novo mais importante.
As redes sociais facilitaram o contato, diminuíram distâncias, eliminaram processos e deram voz a todos, e a todas as teses. 
Há uma tese pós-eleição, inclusive, creditando às redes sociais as vitórias de Jair Bolsonaro e do Comandante Moisés.  
Mas, parece simplista demais tal raciocínio.
Porque antes das redes sociais, o que pesou foi o sentimento de indignação do cidadão com a lama geral da corrupção, e a decisão de mudar de verdade.
Tudo isso pela Lava Jato, que colocou poderosos na cadeia, e foi à fundo, abrindo caixas pretas, sob comando do juiz Sergio Moro, e o trabalho/empenho da policia federal e ministério público.
Com tudo exposto, os maços de dinheiro amontoados, tantos zeros nos valores roubados, o eleitor foi para as urnas com muita raiva.
E deixou claro que não queria a volta do PT ao poder no país, nem o sucesso dos petistas no estado, porque se sentiu traído (e roubado), mas também rejeitava outros “enrolados” em falcatruas no poder.
Isso é que fez engordar a preferência por Bolsonaro e permitiu a Moises surfar na onda. 
Porque Bolsonaro se colocou fora da lama, e teve a capacidade assimilar (e assumir) o discurso da voz das ruas (como Trump fez nos EUA).
Moisés não era conhecido no estado, mas não tinha nada que desabonasse a sua conduta e estava no time do 17. Como um candidato pagou a conta do petismo, o outro não decolou porque era ruim demais (não convenceu) e o terceiro bateu no seu próprio teto, a porta escancarou para Moisés.
Agora, feitas as mudanças, o que o cidadão/eleitor espera, mais até do que ajuste na economia e outras ações importantes, é que não sejam fieis 100% ao principal fato motivador da eleição. Tolerância zero com a corrupção.
Não roubar e não deixar roubar (compromisso que o PT assumiu, mas não cumpriu). Não ser leniente com o ilícito e o indevido. E não deixar nenhuma dúvida.
E as redes sociais, continuarão cumprindo o papel que lhes cabe.

Muitos militares!

Tem muitos incomodados com militares demais nos dois futuros governos, de Bolsonaro e Moisés.
Mas, são militares em governos civis.
Não se trata de governo militar, ou ditadura.
Porque ditadura, seja civil ou militar, é sempre muito ruim, condenável.
Em governos civis, os militares nomeados terão que corresponder, serão avaliados, e podem ser substituídos, se for o caso.

Parcelar é preciso

O adiamento da votação do projeto de parcelamento da divida do município com o CriciumaPrev vai permitir mais uma ou duas rodadas de negociação, ou pelo menos mais conversas.
Nada vai mudar, no entanto, em relação ao objetivo principal, que é o parcelamento em 60 meses da divida de r$ 48 milhões.
Porque o município precisa formalizar o parcelamento ainda em 2018, para ter certidão negativa de débito na abertura de 2019, para ficar em condições de viabilizar operações importantes para a cidade, como os empréstimos do Fonplata e da Caixa.
Agora, se o projeto tivesse sido votado ontem, hoje os vereadores já poderiam começar a tratar do que é mais mais grave e preocupante em relação ao CriciumaPrev, que é a necessidade de mudar a regra vigente para recompor o deficit atuarial do fundo. Isso é uma bomba relógio, que explodirá em poucos anos, se nada for feito.
A discussão a respeito tem que ser encaminhada o quanto antes, de forma responsável, sem demagogia, sem jogo para torcida.

A segunda chapa

Nada é sem emoção na câmara de Criciúma. Quando tudo parecia encaminhado para eleição por aclamação do vereador Miri Dagostim (PP) para presidente, hoje, foi inscrita uma segunda chapa, liderada pelo vereador Dailto Feuser (PSDB).
Salvo alguma surpresa, Miri tem os votos do "grupo dos nove”. É a maioria. Eleição definida.
Eles estão apostando numa dissidência no "grupo dos nove”.
Mas, correm o risco de não conseguir nem os oito votos que estão foram do grupo dos nove.

Clesio pode pagar

A chapa liderada por Feuser é composta por vereadores do PSDB e PSD, os dois partidos oficiais do governo. PSDB de prefeito Salvaro, e PSD do vice, Ricardo Fabris.
Os vereadores do grupo dos nove, no entanto, são muito ligados ao governo, e próximos do prefeito. Mais até que alguns do PSDB e PSD.
Mas, se a chapa de Feuser surpreender e levar a eleição, a “conta" pode sobrar para o prefeito.

Dois nomes

Mais dois integrantes da equipe de governo do Comandante Moises. André Mota Ribeiro, funcionário de carreira, é o secretario adjunto da saúde, e o professor Luiz Felipe Ferreira, da UFSC, coordenador do grupo de transição, será o chefe da Controladoria Geral do Estado (estrutura nova criada na reforma administrativa).

Com Bolsonaro

Moisés será recebido hoje em Brasília pelo futuro presidente Jair Bolsonaro.
Vai tratar da divida do estado.
Ontem, o governador eleito fez visita de cortesia ao presidente da Assembléia Legislativa, deputado Silvio Dreveck (PP).

Facilitar vida do estudante

Hoje, os estudantes de Criciuma podem fazer apenas uma operação de compra de credito para alimentar o cartão para o transporte coletivo. Quando não tem todo o dinheiro no início do mês, e só consegue comprar a metade, por exemplo, vai ter que encontrar forma alternativa de se locomover porque não pode fazer uma recarga.
Para acabar com isso, o vereador Marcos Meller (PSDB) fez aprovar indicação ontem na câmara para que o prefeito Salvaro baixe decreto permitindo mais de uma carga, até completar o total da sua média/mês.

Prestigiado

Posse de Nicola Martins na presidência da Fundação Municipal de Esportes lotou o salão Ouro Negro da prefeitura. Ele mostrou prestígio.
Estavam o prefeitos, vice-prefeitos, Vereadores, empresários, técnicos e atletas da fundação.

Novas idéias

Os candidatos a presidente e vice da Cooperaliança,  Julio De Luca (diretor do Hospital São Donato) e o empresário Marcelo Giassi, apresentaram ontem planos inovadores para a cooperativa. 
Eles consideram essencial combater a dívida da cooperativa e uma das principais estratégias  é diversificar os serviços oferecidos, incorporando outros tipos de negócio, como plano de saúde e criação de startups para desenvolver tecnologias de ponta.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 10/12/2018 - 06:55

O jornalista Nícola Martins, PR, será empossado hoje pelo prefeito Clesio Salvaro, PSDB, na presidência da Fundação Municipal de Esportes. É a primeira operação política no Paço, com foco na eleição de 2020, quando o prefeito vai tentar novo mandato. Com a posse de Nícola, o PR passa a integrar o governo de Salvaro e o seu projeto de reeleição.
O PR cresceu na eleição de 2018 e passará a ter um senador a partir de 2019 (o atual deputado Jorginho Mello, presidente estadual do PR).
Além disso, Nícola tem uma atuação forte na juventude e em determinados segmentos da sociedade que são identificados como formadores de opinião.
Ele era forte candidato a vereador em 2016, quando estava no PP, mas foi “rifado" pela cúpula do partido. Na reta final da definição de candidatura, ele foi retirado da lista. Foi o primeiro dos muitos equívocos do PP naquela eleição.
Depois disso, Nícola saiu do PP e foi levado por Jorginho Mello para organizar o PR na região. Missão que cumpriu bem.
Agora, vai para o comando da Fundação, na sua primeira oportunidade no executivo, onde poderá pavimentar uma candidatura em chapa majoritária, ou pelo menos a vereador.
Ele vai substituir Sandro Araújo, um ex-atleta multicampeão, professor, e um craque na gestão da Fundação. Tecnicamente, fez um grande trabalho.
Como presidente, Sandro administrou a Fundação no pior momento desde a sua criação, pelo corte radical de recursos determinado pelo prefeito Salvaro em função da situação de crise financeira em que recebeu o governo.
Teve que enxugar gelo, e assimilar as criticas e movimentos de pressão no ambiente do esporte.
Com o tempo (e muito trabalho), conseguiu tirar leite de pedra, trazendo medalhas e representando bem a cidade em competições estaduais e nacionais.
Na gestão de Nícola, Sandro deve voltar à condição de diretor técnico da fundação. Para ele, não vai fazer muita diferença, porque o seu negocio não é política. É o esporte.

Sem Jorginho

O senador eleito Jorginho Mello, presidente estadual do PR, amigo pessoal de Nícola, não estará na posse, hoje, 11h, porque passou por uma cirurgia recentemente. Mas, fez questão de gravar um video que será apresentado na cerimônia.

O horário

A posse seria à tarde, mas antecipada para 11h porque o prefeito Clesio Salvaro fazia questão de acompanhar a votação das contas do seu governo, período de 2017, pelo Tribunal de Contas do Estado.
No final, a votação das contas acabou adiada para quarta-feira.

Tem mais

Na virada do ano, o prefeito Salvaro deve fazer mais algumas alterações na sua equipe de governo, principalmente para adequações políticas, sinalizando para a eleição de 2020.

Voz e violão

Governador eleito Comandante Moisés não anunciou nenhum secretario no fim de semana.
Mas, foi ao Facebook para mostrar os seus dotes de cantor.
Postou gravação com ele tocando violão e cantando Samurai, de Djavan.
E recebeu elogios pelo desempenho.

Esforço concentrado

Todo o alto coando do Paço estará envolvido hoje para garantir aprovacão do projeto de parcelamento da divida do governo com o Criciumaprev.
Prefeito, vice e todos os secretários estão em "campo" desde sexta-feira, quando o projeto foi protocolado na câmara.
Prefeito Salvaro considera imprescindível a aprovação do projeto.

Esforço concentrado 2

Na real, o parcelamento é um dos problemas envolvendo o Criciumaprev. Mas, nem é o maior. O modelo do fundo é que precisa ser repensado. Sob pena de ficar deficitário em menos de 10 anos, e a conta terá que passar a ser paga pela prefeitura (entenda-se, dinheiro do contribuinte).
Uma comissão com representantes de várias entidades está formada e uma empresa especializada está contratada para definir a melhor saída.

Mais um

Há duas expectativas para hoje em relação ao futuro governo do Comandante Moisés.
A primeira, é que ele anuncie quem vai ficar responsável pela articulação política do governo. Douglas Borba, futuro chefe da Casa Civil, disse que Moisés faria isso hoje. 
A segunda, é que confirme mais uma manutenção. O atual secretário de agricultura, Artur Spies, técnico de carreira da área.

Eleição na Câmara

Termina hoje, fim de tarde, o prazo para inscrição de chapas para eleição da nova mesa diretora da câmara de Criciuma. Mas, não deve ter mais nenhuma chapa.
A chapa liderada pelo vereador Miri Dagostim (PP), eleita na sexta-feira, deve ser a única.
Miri será eleito amanha por aclamação.
Ele não é oficialmente da base de apoio do Paço na câmara, mas é da simpatia do comando do Paço.

Na ciclovia

O deputado estadual reeleito Rodrigo Minotto (PDT) esteve no sábado em Turvo, na inauguração de uma ciclovia de 1,6 quilômetro, viabilizada com recursos que ele intermediou junto ao Governo do Estado. 
Minotto pedalou na ciclovia junto com o prefeito Tiago Zilli (MDB).

Políticos no futebol

O futuro secretário do desenvolvimento sustentável do estado, Lucas Esmeraldino (na foto, ao centro), participou no sábado do “futebol solidário”, uma ação beneficente que arrecadou dezenas de cestas básicas e centenas de litros de leite.
Com ele, estava o deputado estadual eleito Felipe Estevão (a direita, na foto) e o consultor politico Laércio Menegaz (a esquerda), que trabalhou na coordenação da campanha do PSL em Santa Catarina.
 

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 08/12/2018 - 06:55

Estão faltando poucos para completar o “primeiro time” do governador eleito Comandante Moisés. Praticamente, os secretárias de educação, infraestrutura e agricultura, e o comandante da polícia militar.
No anúncio do fim de tarde da sexta-feira, feito por nota na pagina de Moisés no facebook (desta vez ele nem fez live), saiu o primeiro nome de Criciúma. Jornalista Ricardo Dias, futuro secretário executivo de comunicação, subordinado à Casa Civil.
Ricardo é jornalista, formado na Unisul, coordenador de jornalismo da NSC TV de Criciúma e apresentador do Jornal do Almoço (até ontem). É um técnico. Não é do time da campanha, e não teve até hoje qualquer envolvimento com o processo politico.
Os dois primeiros políticos do colegiado de Moisés, que participaram ativamente da campanha, são Lucas Esmeraldino, ex-vereador de Tubarão, presidente estadual do PSL, candidato a senador (que não se elegeu por 18 mil votos), e Douglas Borba, vereador em Biguaçú pelo PP.
Lucas vai para a secretaria de desenvolvimento econômico sustentável e Douglas para a Casa Civil.
Lucas vai trabalhar com o setor produtivo, a iniciava privada, tratar de inovação e tecnologia.
Douglas cuidará de toda a burocracia do governo.
Nenhum dos dois terá como função, a articulação política do governo. E não está claro até agora quem fará isso.
A articulação política inclui a relação com os poderes constituídos, com os políticos e os partidos, com as organizações sociais.
Afinal, numa estrutura de poder que é política, alguém tem que fazer articulação política.
Que seja boa, limpa, mas isso vai dar estabilidade (e retaguarda) ao governo.
Procurei saber com os técnicos do grupo de transição, na entrevista coletiva para apresentação da reforma administrativa. Foi dito que o governador eleito iria definir.
Depois dos últimos anúncios, voltei ao assunto com o futuro chefe da Casa Civil, Douglas Borba. Ouvi (de novo) que isso está sendo tratado.
E a pergunta continua sem resposta.

Os políticos

Os primeiros políticos militantes do governo de Moisés são do PP (Douglas Borba) e do PSL, ex-PSDB (Lucas Esmeraldino).
Isso enfraquece um pouco a tese de que Moisés é seqüência do governo do MDB.

Mais nomes

Até segunda-feira, novos nomes serão anunciados para o governo de Moises.
Continua bem cotado o coronel Araújo Gomes, comandante da policia militar, técnico reconhecido, que seria mantido no cargo.

Vai ficar

O gerente regional sul do IMA, Instituto de Meio Ambiente (antiga Fatma), Filipe Barchinski da Silva, foi convidado a permanecer no cargo.
A sede da regional é Criciúma, onde ele coordena a gerência nos ultimo quatro anos.

Escola preservada no Bairro

A ameaça foi vencida. A Fiesc voltou atrás e assinou compromisso com o Bairro da Juventude pela manutenção do repasse de recursos que viabiliza operação da escola de formação profissional. Foi uma vitória da reação do Bairro e da cidade.
O repasse (R$ 300 mil) era feito pelo Senai, “braço” da Fiesc, através de um convênio assinado faz 60 anos.
Quando veio o comunicado que o convênio seria cancelado e o repasse cancelado, a cidade ficou em polvorosa. E não era para menos. A escola faz um trabalho inestimável, e se configura na principal ação social da industria catarinense na cidade.
Por sua vez, o presidente da Fiesc, Mario Cesar Aguiar, se mostrou sensível ao assimilar (e respeitar) a reação da cidade. Agiu rápido. Em dois dias, praticamente, montou uma formula para garantir o repasse (que entendeu importante), mas sem atropelar o que havia sido decidido.
No fim das contas, os 450 jovens carentes continuarão aprendendo um profissão para começar a vida (que é o que importa). E toda a cidade ganha!

Grupo fechado, Miri eleito

Se havia algum fio de esperança de uma chapa alternativa vencer a eleição da presidência da Câmara de Criciúma, acabou no almoço de sexta-feira.
O “grupo dos nove” se reuniu e reafirmou o pacto. Todos apertaram as mãos e fizera questão de bater fotos (e distribuir) com todos de mãos dadas, e brancos erguidos.
Isso representa Miri Dagostim, vereador do PP, eleito presidente da câmara durante 2019.
Eleição será na terça-feira.

Parcelamento polêmico

Prefeito Clesio Salvaro e o secretário Celito Cardoso, da fazenda, foram muito enfáticos na reunião com os vereadores, começo da tarde de sexta-feira, quando apresentaram o projeto para parcelamento da divida do governo com o Criciumaprev e pediram que seja aprovado na sessão de segunda-feira.
Alguns vereadores questionaram pontos do projeto e cobraram aprovação do conselho do Criciumaprev.
Projeto prevê outras mudanças no Criciumaprev, além da parcelamento da divida.
Salvaro alertou que, se mudanças não forem feitas, e o parcelamento, o Criciumaprev está seriamente ameaçado. Pode “quebrar" em menos de 10 anos.

Fora de jogo

Deputado federal Ronaldo Benedet, que não se reelegeu, tem dito para as pessoas da sua relação, que não tem disposição para assumir a presidência do MDB de Criciuma, nem disputar a eleição para prefeito em 2020. As duas possibilidades vinham sendo especuladas no partido.
Benedet diz que pretende se envolver em movimentos, mas apenas como cidadão e militante. Não mais como candidato

Depois da derrota

O deputado Ricardo Guidi (PSD) e os operadores políticos de Criciúma passaram a sexta-feira tentando “decantar" a derrota coletiva.
Guidi perdeu o mandato, sem ter sido parte no processo julgado no TRE.
A propósito, o processo é de arrepiar os cabelos de qualquer acadêmico de direito.
Foi movido pelo PT para validar votos de uma candidata a federal que havia sido impugnada, não fez recurso, e perdeu todos os prazos. Mas, como tinha feito 450 votos, que seriam suficientes para o PT ganhar uma vaga do PSD para câmara federal, foi protocolado recurso no TRE, e foi aprovado.
Perde Guidi, que não assume mais como federal e vai ficar sem mandato.
E perde a cidade, que fica com representação policia menor.

Nações sem negociação

Jaimes Almeida Junior, presidente do grupo Almeida Junior, dono do Nações Shopping, disparou comunicado para descartar qualquer negociação com investidores. 
Durante a semana, revistas nacionais e alguns dos principais jornal, deram a noticia que negociação que teria sido fechada. Jaimes descartou.
Diz no comando: “Sobre uma possível negociação coma BR Mails, a Almeida Junior informa que foi procurada pela BR Mails, recebeu uma proposta formal e que a mesma foi declinada por parte da Almeida Junior”.
E segue tudo como d’antes no quartel de Abrantes!

Carlinhos da cultura!

O professor Carlos Ferreira, criador do café concerto, homem da cultura e da arte, era um apaixonado por Criciúma. Muito apaixonado.
Era um visionário, sonhador, criativo, sempre pensando em algo novo.
Foi uma perda importante para o movimento cultural da cidade.

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 07/12/2018 - 18:39Atualizado em 07/12/2018 - 18:46

O jornalista Ricardo Dias, coordenador de jornalismo da NSC em Criciuma, acaba de ser anunciado como futuro secretário executivo de comunicação do governo do estado. Foi anunciado pelo governador eleito Comandante Moisés pelo facebook e por release da assessoria de imprensa.

Ricardo é de Tubarão, formado em jornalismo pela Unisul, onde trabalhou na Unisul TV.

Depois, se transferiu para Criciúma, onde assumiu o comando do Jornal do Almoço da RBS Tv, hoje NSC Tv, e coordenou o jornalismo.

Além dele, Moisés anunciou mais três secretários:

Lucas Esmeraldino, ex-vereador de Tubarão, candidato ao senado (não se elegeu por18 mil votos), presidente estadual do PSL -  secretário de desenvolvimento econômico.

Douglas Borba, vereador de Biguaçu - chefe da casa civil.

coronel José Carlos Neves Júnior - chefe da casa militar

 

 

  

6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18