Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
João Nassif
Por João Nassif 22/01/2019 - 12:31

Depois dos Campeonatos Mundiais terem sido realizados em todos os continentes, faltava um país africano ser sede do torneio. A FIFA havia deliberado que haveria um rodizio entre as Confederações para realização do evento e em maio de 2004 em Zurique, Suíça a África do Sul com 14 votos foi escolhida para sediar a XIX Copa do Mundo da história. 

Seus adversários foram o Marrocos que recebeu 10 votos e o Egito que não recebeu nenhum. Líbia e Tunísia que pleiteavam fazer a Copa em com junto haviam se retirado da disputa dias antes.

A África do Sul construiu para o torneio cinco novos estádios, sendo que pela primeira vez o país teve estádios construídos especialmente para o futebol, até então sob o governo do apartheid os estádios eram construídos exclusivamente para o rúgbi e o críquete.

Estádio Moses Mahbida em Durban

Em meados de 2008 especulou-se a possibilidade da África do Sul não terminar a tempo as obras para o Mundial e a sede ser trocada. 

Cogitou-se levar o Mundial para a Alemanha que possuía a infraestrutura pronta por ter sido sede do Mundial anterior e falou-se também na Espanha e Austrália. 

Mesmo com a greve em 2009 dos operários da construção dos estádios, aeroportos, rodovias e ferrovias do país, tudo ficou pronto até o início da competição.

A cerimônia de abertura do Mundial foi realizada no dia 10 de junho no Soccer City na cidade de Johanesburgo, província de Soweto com a presença de mais de 90 mil pessoas no estádio e de milhões que acompanharam a festa pela transmissão de TV em todo o planeta. 

A música tema da abertura foi “Waka Waka” (Esto és África em espanhol e Time for África em inglês), interpretada pela cantora colombiana Shakira.
 

João Nassif
Por João Nassif 22/01/2019 - 08:03Atualizado em 25/01/2019 - 12:13

Depois de dois jogos foi detectada a maior carência do plantel do Criciúma. O Doriva sabe, o Nei Pandolfo sabe, eu e toda torcida também sabemos, até o presidente Jaime Dal Farra que se entender o mínimo de futebol também deve saber.  O Criciúma não tem um atacante de área que sabe transformar em gols as chances criadas. Onde encontrar este jogador? O mercado certamente oferece ou já ofereceu as opções que por força do teto salarial definido pelo clube não foram contratados. Cito apenas dois: Lucão, velho conhecido e Rafael Grampola que está empilhando gols nos últimos tempos.

SOMENTE APOSTAS 
Com grana curta resta ao Criciúma optar por trazer jogadores com idade baixa de alguns principais clubes do país. Traz para dar vitrine fazendo um trabalho que os grandes não podem fazer por excesso de contingente. Colocam eventuais talentos para ganhar experiencia e ficam na expectativa futuramente fazer bons negócios. O Criciúma funciona como barriga de aluguel torcendo pelas migalhas que poderá ganhar se o processo funcionar. Enquanto isso há um menosprezo da própria base do clube que há muito não tem conseguido colocar uma atacante de área no time principal.

ESTADUAL COM G-4
Estamos acostumados com o campeonato brasileiro das séries “A” e “B” em que os primeiros colocados se classificam para as mais diversas competições. Temos na série “A” o G-6 que classifica para a Libertadores, tem o G-12 que dá classificação para a Sul-Americana, na série “B” o G-4 significa a glória de disputar a série “A” no ano seguinte e tem também o demoníaco Z-4 que significa rebaixamento. Este ano em Santa Catarina os times do campeonato da primeira divisão irão na busca do G-4.

REGULAMENTO ALTERADO 
A Federação Catarinense conseguiu uma data a mais no calendário definido pela CBF e incluiu no regulamento a disputa de semifinais. Por isso os quatro primeiros colocados na classificação geral continuam na disputa e dois a dois irão disputar o direito de jogar a final. Assim, iremos acompanhar rodada a rodada a posição dos times até a rodada 18, última da fase de classificação.

RODADA 2
Apenas um time conseguiu manter 100% de aproveitamento depois de dois jogos. O Figueirense que havia vencido o Criciúma fora de casa na estreia com vitória sobre o Tubarão na segunda rodada ficou isolado na liderança com seis pontos ganhos. O Avaí é o segundo com quatro pontos, mesma pontuação da Chapecoense, ambos com uma vitória e um empate. A vantagem do Avaí é no saldo de gols. O Criciúma terminou a rodada na quarta colocação, quer dizer, no G-4 com três pontos.

MEMÓRIA
22/01/2010 – “CORRIDA PARA FORA”

A reação dos torcedores durante o jogo da quarta-feira ajudou a precipitar o processo da renúncia, ninguém se conforma com este time que carece de qualidade e não dá sinais de poder encontrar um caminho melhor durante o campeonato. Por isso as palavras de ordem contra o presidente que deve ter finalmente entendido que seu tempo estava esgotado. Em contrapartida o Cascão não entendeu que devia uma palavra aos torcedores, pois junto com o presidente do Conselho convocou a coletiva e antes de qualquer manifestação perante a imprensa saiu às pressas do estádio para redigir a carta da renúncia. Representou uma fuga.
P.S. – O jogo foi Criciúma 1x3 Hermann Aichinger
 

João Nassif
Por João Nassif 21/01/2019 - 11:58

Quase todas as culturas do mundo possuem alguma referência ao futebol. Chineses, japoneses, italianos, gregos antigos, persas, vikings e muitos outros povos já jogavam algum tipo de jogo de bola em tempos muitos distantes. 

Os chineses, por exemplo, já tinham um jogo parecido há 3.000 anos atrás. 

Na Grécia antiga e em Roma, os jogos de bola eram utilizados para preparar soldados para a guerra. 

Já na América do Sul e na América Central existiu um jogo chamado "Tlatchi" semelhante ao futebol. 

Futebol do século XIX

Porém, foi na Inglaterra que o futebol realmente começou a tomar forma. Tudo começou em 1863, quando duas associações de jogos de bola (futebol association e futebol tipo rugby) se separaram, porque os partidários do "rugby" não aceitavam um jogo em que era proibido segurar a bola com as mãos. 

E isso acabou dando origem à The English Football Association, primeira associação inglesa de futebol.

Apenas 8 anos depois, a EFA já contava com 50 clubes membros. A primeira competição mundial (a FA Cup) aconteceu no mesmo ano. 

Antes de se ouvir sobre o futebol na Europa, já aconteciam partidas internacionais na Grã-Bretanha. A primeira delas foi em 1872, entre Inglaterra e Escócia.

Depois da Associação Inglesa de Futebol, vieram: a Associação Escocesa (1873), a Associação de Gales (1875) e a Irlandesa (1880). Devido à influência britânica na época, o futebol começou a se espalhar por outros países. 

A Confederação Brasileira de Futebol surgiu em 1919.
 

João Nassif
Por João Nassif 21/01/2019 - 07:52Atualizado em 25/01/2019 - 12:13

Nada no futebol é definitivo. Depois da derrota em casa na estreia muitos torceram o nariz, lembraram dos fracassos dos últimos anos e preocupados fizeram a previsão de outra campanha sofrível no campeonato estadual. A vitória em Itajaí, se não devolve de vez a confiança pela fragilidade do Marcílio Dias, pelo menos diminui a pressão para o jogo em Chapecó na próxima quarta-feira. É somente o segundo jogo e continuou com a opinião que haverá crescimento com este grupo e se houver investimentos o Criciúma certamente brigará pelo título até o final.

DEFICIÊNCIAS
Claro que ainda falta um atacante mais efetivo, aquele que pode ser chamado de matador, claro que é peça rara no mercado, mas hoje o Criciúma tem pelo menos dois captadores. Nei Pandolfo que está aí a mais tempo e Ricardo Rocha. São eles os responsáveis para acertar o plantel.
 
RESPEITO ACIMA DE TUDO
Quem acompanha o futebol inglês nota com absoluta clareza a diferença entre os jogos de lá com os que são disputados no futebol brasileiro. Outro dia abordei aqui o comportamento dos torcedores que respeitam seus limites, caso contrário são unidos e afastados dos estádios. O respeito dos atletas para com os árbitros, não se reclama das marcações, pois todos entendem que não há reversão das decisões tomadas. Não se simulam lesões para fazer o tempo passar. Enfim, são alguns componentes que fazem a diferença e que não são observados por aqui.

INTENSIDADE TOTAL
Time pequeno na Inglaterra é diferente do pequeno brasileiro. É normal vermos jogadores de ótimo nível jogando em equipes que apenas lutam contra o rebaixamento. Estas equipes quando enfrentam os grandes não ficam especulando na defesa atrás de uma única bola. Jogam para frente buscando igualdade técnica que quase nunca é possível, mas não fogem do jogo jogado e às vezes se tornam zebras.

JUSTIÇA FINANCEIRA
A Premier League, equivalente à série A do Campeonato Brasileiro permite que os pequenos invistam em qualidade pela divisão das receitas do campeonato, principalmente as cotas de televisão. O Campeonato Inglês é vendido para centenas de países e o dinheiro tem uma divisão justa entre os 20 integrantes da Premier League. Metade da receita é dividida igualmente entre os clubes, os outros 50% são distribuídos proporcionalmente pela colocação na competição. O campeão recebe mais que o 20º colocado que mesmo rebaixado tem sua cota preservada. Por isso é o campeonato com a maior visibilidade do planeta.

MEMÓRIA
21/01/2009 – “DA ÁGUA PARA O VINHO”

A queda para a série C foi um duro golpe na região, mas pelas modificações processadas em relação ao último ano reacenderam-se as esperanças de uma guinada completa no planejamento do futebol do clube. Finalmente o Criciúma tem uma direção de futebol atuante, com o Rampinelli e o Lesbon sempre ao lado dos atletas, seja no dia a dia ou nas viagens. O trabalho de vestiário que ficou acéfalo durante muito tempo finalmente apareceu o que remete para uma unidade maior do plantel, enfim tudo o que pessoas competentes fazem quando se infiltram no futebol.

João Nassif
Por João Nassif 20/01/2019 - 10:41

A partir de 1945 com o final da Segunda Guerra Mundial, quase todos países da Europa, Ásia e África envolvidos no conflito recomeçaram a organizar o futebol visando a IV Copa do Mundo que a FIFA decidiu trazer ao Brasil.

Poucos europeus ainda conseguiram disputar as eliminatórias, nenhum africano e somente quatro da Ásia. Birmânia, Indonésia e Filipinas desistiram da disputa da vaga e a Índia conseguiu classificação, mas foi impedida pela FIFA, pois seus jogadores atuavam descalços. 

Da Europa vieram quatro seleções: Iugoslávia, Suíça, Espanha, Inglaterra, Suécia e Itália. A única que não disputou as eliminatórias europeias foi a Itália que veio a convite da FIFA pelo fato de a Federação Italiana ter guardado a Taça Jules Rimet durante a Segunda Guerra.

Aliás, a Itália foi o único país do Eixo convidado pela entidade. Alemanha e Japão não puderam participar das eliminatórias.

A lenda diz que para a Taça não cair em mãos nazistas o presidente da Federação Italiana, Ottorino Barassi, guardou o troféu debaixo da cama numa caixa de sapatos. 

Tempos depois o jornal italiano “La Stampa” publicou que Barassi não foi tão descuidado, ele deixou a Taça por seis anos escondida no Vaticano.
 

João Nassif
Por João Nassif 19/01/2019 - 11:55

A Colômbia apresentou na Copa do Mundo de 1994 disputada nos Estados Unidos sua melhor seleção de todos os tempos. Com craques como Valderrama, Rincón, Asprilla, entre outros, foi ao Mundial na quase certeza de avançar até perto das fases finais.

Conseguiu nas eliminatórias sul-americanas uma classificação invicta num grupo com Argentina, Paraguai e Peru. Aplicou uma goleada história sobre a Argentina por 5x0 em plena Buenos Aires no Estádio Monumental de Nuñez.

No grupo 1 da Copa teve como adversários na primeira fase os próprios Estados Unidos, a Romênia e também a Suíça. Foi eliminada ainda na fase inicial em último lugar em seu grupo perdendo na estreia para a Romênia por 3x1, depois para os donos da casa por 2x1 e só conseguiu uma vitória por 2x0 contra a Suíça na última partida que disputou.

Gol contra de Andrés Escobar

Aquele timaço da Colômbia ficou marcado não pela eliminação, mas pelo assassinato do zagueiro Andrés Escobar semanas após o Mundial. Escobar marcou um gol contra os americanos, gol que decidiu a derrota colombiana e sua eliminação. 

Muito se falou que a responsabilidade pelo assassinato do jogador havia sido do narcotráfico. Naquela época chefes do tráfico como Pablo Escobar chegaram a controlar times de futebol.

O zagueiro foi assassinado pelo gol contra, mas não a mando do narcotráfico. A policia atribuiu os disparos à máfia das apostas.
 

João Nassif
Por João Nassif 19/01/2019 - 07:50Atualizado em 25/01/2019 - 12:13

É perfeitamente compreensível a desilusão dos torcedores do Criciúma com o resultado na estreia do campeonato. Passou pela cabeça de todos as derrotas em anos anteriores quando depois de perder o primeiro jogo o time desandou e não teve capacidade de reação para reverter a frustração. Pelo que vi contra o Figueirense fiquei com a impressão que as condições são boas para uma campanha positiva, apesar do tropeço inicial. O time mostrou força, compactação, faltando apenas o acabamento que deverá vir com a continuidade dos treinamentos. 

O TEMPO DIRÁ
Podem argumentar que o Figueirense veio totalmente descaracterizado, sem vários reforços por força de inscrições, recheado de jogadores da base e o Criciúma não conseguiu superar este adversário que veio somente para se defender e jogar apenas pela chamada “uma bola”. Tudo é verdade, mas considero que o Criciúma começou com seis caras novas e que o entrosamento ainda é precário. São motivos que podem não servir como justificativas, mas não podemos fazer terra arrasada pela simples amostra de uma partida de estreia.  

PRIMEIRA RODADA
Com dois empates na quarta-feira, duas vitórias dos mandantes e uma dos visitantes na quinta. Pelo fato de vencer fora de casa um concorrente direto para a classificação considero o Figueirense como o maior vitorioso na rodada de abertura do campeonato, apesar da goleada que o Avaí aplicou no Metropolitano. Mesmo a Chapecoense, possivelmente a maior favorita para o título penou para ganhar na Arena Condá, marcando contra o Marcílio Dias no último minuto. 

RODADA 2
Dos três vencedores na rodada inaugural do campeonato somente o Figueirense jogará em casa neste final de semana. Contra o Tubarão e a possibilidade do time do Estreito manter os 100% na competição. A Chapecoense irá até Blumenau enfrentar um combalido Metropolitano goleado na Ressacada e o Avaí enfrentará o Joinville que somente empatou em Brusque na primeira rodada. Hercílio Luz e Brusque completam a rodada em Tubarão.

VAR NA SÉRIE A
O vídeo arbitragem poderá ser implantado para o Brasileirão 2019. A CBF lançará nos próximos dias o edital de concorrência para selecionar a empresa que fornecerá, se aprovado pelos clubes o serviço do VAR. A iniciativa é boa o problema é que a entidade não arcará com os custos que terão que ser cobertos pelos clubes. Estima-se em R$ 17 milhões o custo total do serviço.

CAPACITAÇÃO 
Já afirmei que a iniciativa é boa desde que seja feito o treinamento com os árbitros que irão analisar as incidências dos jogos. Como em cada rodada serão realizados 10
 jogos, mesmo com desmembramento o número de pessoas que trabalharão será grande, por isso a necessidade de um trabalho bem feito pelo Departamento de Árbitros da CBF para que haja uniformidade na condução dos jogos.

MEMÓRIA
19/01/2006 – “AMNÉSIA”

O Criciúma estava próximo de completar cinco meses sem vencer uma única partida. A última vencida foi no final do já longínquo mês de agosto, quando derrotou o Gama no Heriberto Hülse por 1x0, ainda pela série B. De lá para cá foram seis jogos sem vencer. Com quatro derrotas em jogos oficiais e dois empates em amistosos. Até que finalmente, aos 46 do segundo tempo foi conquistada uma vitória contra um time que é o saco de pancadas do campeonato estadual.
P.S. – O jogo foi 2x1 contra o Caxias de Joinville.
 

João Nassif
Por João Nassif 18/01/2019 - 12:58

Novamente, à exemplo do ano anterior o campeonato brasileiro da série B, a Taça de Prata de 1983 foi disputada por 36 clubes divididos em seis grupos com seis times cada um.

Os dois primeiros de cada grupo passaram para a fase seguinte e como não havia uma terceira divisão ninguém seria rebaixado.

Na segunda fase os 12 classificados foram divididos em quatro grupos com três times e sendo que os primeiros colocados passariam para a Taça de Ouro ainda em 1983 e os segundos colocados avançariam para a terceira etapa do campeonato.

Nesta etapa além dos quatro segundos colocados da segunda fase participaram outros 12 times vindos da Taça de Ouro, tipo um rebaixamento. As 16 equipes se enfrentaram em confrontos diretos na terceira fase, as oitavas de final.

E assim foram se eliminando até sobrarem os dois que decidiram o título. A final foi entre o Juventus de São Paulo e o CSA de Alagoas que pela segunda vez consecutiva participou da final da Taça de Prata. E novamente foi derrotado.

O campeão foi o Juventus que perdeu a primeira em Maceió por 3x1 e venceu em São Paulo por 3x0. Na partida decisiva o time paulista venceu por 1x0 e foi o campeão da Taça de Prata de 1983.

O Criciúma jogou apenas a primeira fase do campeonato em 1983 e foi o último colocado de seu grupo. Perdeu os quatro primeiros jogos que disputou, contra o São Bento de Sorocaba e Londrina fora de casa, ambos por 2x0. 

Em seguida fez dois jogos no Heriberto Hülse e sofreu duas outras derrotas. Para o Esportivo de Bento Gonçalves por 2x0 e para a Portuguesa de São Paulo pela contagem mínima.

Teve apenas um empate na última partida num 2x2 contra o Novo Hamburgo no Rio Grande do Sul. Portanto, em cinco jogos quatro derrotas e apenas um empate.

Marcou dois gols e sofreu nove. Guinga e Romário marcaram os gols do Criciúma na Taça de Prata de 1983.

O Criciúma teve três treinadores no torneio. Começou com Varlei de Carvalho, no segundo o jogo o técnico já era Jaime Schmidit que foi demitido após a terceira partida e o clube terminou sua participação com o ex-jogador Vicente como técnico que trabalhou nos dois últimos jogos. 
 

João Nassif
Por João Nassif 18/01/2019 - 07:44Atualizado em 25/01/2019 - 12:13

O gramado do Heriberto Hülse suportou galhardamente o volume de água que caiu no meio da tarde e que continuou durante o jogo. Pesado, encharcado, mas sem poças permitiu que fosse visto um pouco de futebol. Pouco porque só o Criciúma jogou no primeiro tempo. Com imposição física em todos os setores do campo, à exceção da grande área do Figueirense, com os jogadores atuando em bloco como mandou o técnico Doriva o jogo foi desenvolvido somente no campo do adversário. Domínio total e a impressão que o gramado tinha uma descaída no sentido do Colegião. E o Bruno Grassi, hem? Que mamata, não pegou na bola. 

O FANTÁSTICO FUTEBOL
O Criciúma continuou no mesmo ritmo no segundo tempo. Domínio, imposição física, mais pressão e nada. Num misero ataque pela esquerda, o cruzamento e o gol do Figueirense no seu único chute contra Bruno Grassi. Depois mais pressão e muitos levantamentos na área sem o mínimo aproveitamento. Saudades do Liel? Mas, pelo que vi, sendo apenas o começo pode evoluir. 

PRIMEIRA RODADA
O campeonato começou quarta-feira com dois empates em Brusque e Tubarão. Os times ainda não pegaram ritmo mesmo que o clássico em Tubarão tenha trazido mais emoção com a reação do Hercílio depois de estar perdendo por 2x0. É a tendência neste início devido ao pouco tempo de pré-temporada. Os favoritos começaram ontem com três jogos, sendo que dois deles terminaram após o fechamento da coluna. Por isso pude analisar somente o jogo do Heriberto Hülse, o confronto direto entre dois fortes candidatos ao título.

UMA DATA A MAIS
Entre os principais campeonatos estaduais do país o catarinense foi o que começou mais cedo. Esta antecipação em relação aos demais foi em razão da Federação Catarinense ter conseguido no calendário uma data a mais por ter inserido jogos semifinais no regulamento. Os demais campeonatos terão início somente no final de semana.

INCHAÇO
A FIFA já definiu que a Copa do Mundo de 2026 que será disputada simultaneamente nos Estados Unidos, México e Canadá terá a presença de 48 seleções, 16 a mais que as atuais 32. Existe a possibilidade de que este aumento no número de seleções possa acontecer já no próximo Mundial em 2022 no Qatar. O país sede está preparado para receber as 32 atuais e um acréscimo poderá gerar problemas como construção de novos estádios e um prolongamento dos atuais 28 dias previstos para o torneio. Em março saberemos se haverá ou não aumento de seleções que irão ao Qatar. 

MEMÓRIA
18/01/2010 – “MAZELAS”

Espero que todos os problemas havidos fora de campo nestes quase dois meses de preparação para o estadual não tenham atingido o vestiário. As demissões de alguns profissionais, a vinda de jogadores sem o aval do diretor de futebol e o atraso no pagamento aos atletas são questões delicadas que somente um bom articulador pode contornar. O Preto é o único com credibilidade entre os jogadores para pedir que o foco no campeonato seja mantido. O desvio do dinheiro do seguro para cobrir o estádio, a falta de recursos para terminar a obra dos camarotes e devolver a vida ao Coliseum são problemas graves, mas que não atingem os atletas.
 

João Nassif
Por João Nassif 17/01/2019 - 12:02

Se em 1981 a CBF determinou que foram 48 clubes que disputaram o Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão, chamado de Taça de Prata, em 1982 este número baixou para 36, novamente divididos em seis grupos agora com seis times em cada um.

Os dois primeiros passaram para a segunda fase, com os 12 classificados divididos em quatro grupos de três times cada um.

Os primeiros colocados de cada grupo na segunda fase passaram para a Taça de Ouro ainda em 1982. Foram eles: América do Rio de Janeiro, Corinthians, São Paulo de Rio Grande e Atlético Paranaense.

Os segundos colocados: Tiradentes do Piauí, Fortaleza, Uberaba e Campo Grande do Rio de Janeiro passaram para a terceira fase na companhia de outros 12 times que foram desclassificados na primeira divisão. 

Os 16 que estavam na terceira fase, oitavas de final, foram jogando em confrontos diretos até sobrarem dois que decidiram o título. Campo Grande e CSA tiveram que jogar uma partida extra depois do time alagoano vencer em Maceió por 4x3 e o Campo Grande venceu no Rio de Janeiro por 2x1.

No jogo final de Campo Grande que foi campeão com a vitória por 3x0.

Em 1982 o Criciúma disputou pela quarta vez o campeonato brasileiro e foi eliminado ainda na primeira fase. Num grupo com o Atlético Paranaense, São Paulo de Rio Grande, Novo Hamburgo, Cascavel e Botafogo de Ribeirão Preto, o time então treinado por Lori Sandri ficou na quinta colocação.

Na terceira rodada o Criciúma em casa venceu o Atlético Paranaense por 4x0, mas perdeu os pontos por ter atuado com um jogador irregular. O jogo foi pela terceira rodada.

Na estreia o Criciúma empatou em 1x1 com o Botafogo no interior de São Paulo, na segunda em casa fez 2x0 no Cascavel, na quarta perdeu para o São Paulo em Rio Grande por 4x2 e terminou com empate em 0x0 com o Novo Hamburgo no Rio Grande do Sul. 

Não tivesse perdido os pontos para o Atlético Paranaense o Criciúma teria terminado como primeiro colocado em seu grupo.

O artilheiro foi Paulinho Criciúma que marcou quatro gols, inclusive três no jogo contra o time paranaense.
 

João Nassif
Por João Nassif 17/01/2019 - 07:33

Não havia a mínima necessidade do técnico Doriva, profissional muito sério, em fechar o treino final para a estreia no campeonato. Dar munição ao adversário? Esconder escalação até minutos antes do jogo? Ou seguindo a tendência da maioria fazer suspense para valorização do trabalho? De nada adiantou. O Heriberto Hülse é cercado por edifícios de onde se pode ter uma visão quase total do gramado. Bastou o Lucas Renan subir num deles e descobrir o time que jogará amanhã contra o Figueirense.

NOVIDADES
Dos 11 que irão iniciar o campeonato, seis estarão vestindo pela primeira vez a camisa do Criciúma. Não valem os dois jogos treinos que foram realizados. O goleiro Bruno Grassi, o lateral Maicon, o volante Zé Augusto, o meia Daniel Costa e os atacantes Reis e Pedro Bortoluzo. Marcinho Júnior não é novidade, pois já entrou em campo uma vez na derrota para o Brasil de Pelotas pela série B do ano passado. Bons motivos para o torcedor dar um pulo no estádio e acompanhar estas estreias.

PLANEJAMENTO...
O Figueirense que está fazendo ótima campanha na Copinha, já tendo eliminado Flamengo e Palmeiras, dois favoritos ao título, caminha firme em busca do bicampeonato. O Figueirense disputou com seu time sub-19 a Copa Santa Catarina, Troféu Milioli Neto, e chegou à semifinal quando foi eliminado pelo Brusque que conquistou o título. Está explicado o sucesso do time até agora em São Paulo.

...E PLANEJAMENTO
Quando existe um espirito profissional e visão de futuro é grande a possibilidade de sucesso. Mesmo que não vença a competição o Figueirense já pode-se dizer está com a missão cumprida. Diferente do Criciúma que por absoluta falta de competência de seus dirigentes abdicou da competição estadual. Poderia perfeitamente ter feito como o Figueirense, ainda mais que o time vinha da conquista da Copa Sul e poderia ter uma sequência mais produtiva em São Paulo. Mas, optou por não disputar a Copa Santa Catarina e pagou um sério vexame com três derrotas em três jogos na Copinha.

MOLECADA NOS ESTÁDIOS
O presidente da Federação Catarinense de Futebol, Rubens Angelotti, baixou a resolução que permite, de forma facultativa, o acesso gratuito de menores de 12 anos nos jogos do atual campeonato catarinense da Série A. Algumas imposições são necessárias, mas o importante é que os meninos possam frequentar os estádios e desenvolver a paixão pelos times que representam suas cidades.

MEMÓRIA
17/01/2003 – “DEVASSA”

O Criciúma E.C., honra e gloria de Santa Catarina, que levou o nome do estado por todos os cantos do Brasil em mais de uma temporada e que é o novo integrante da divisão maior do nosso futebol, tem procurado de todas as formas saldar seus compromissos e zerar um déficit que chegou a mais de 3 milhões de reais. Paga seus funcionários em dia, baixou a dívida para mais da metade, mas não tem sossego com os órgãos federais. Um fiscal do INSS está plantado no HH há algum tempo, conferindo documentos para encontrar possíveis irregularidades. O Instituto deve ter sobras de fiscais, pois existem dezenas de clubes em Santa Catarina que por certo estão também sendo alvos da fiscalização.
 

João Nassif
Por João Nassif 16/01/2019 - 17:30

Dr. Luiz Carlos Custódio Fontana *

As queixas gastrointestinais são comuns entre os atletas e as mais comuns incluem azia, náusea, vômito e dor epigástrica. Tanto a intensidade do esporte quanto o tipo de atividade esportiva mostraram ser fatores que contribuem para o desenvolvimento de sintomas gastrointestinais. Entre atletas de endurance, a prevalência de queixas pode chegar a 70%.

Múltiplos outros estudos confirmam aproximadamente 50% da taxa de sintomas gastrointestinais superiores para atletas durante exercícios pesados. Em estudos sobre refluxo esofágico e capacidade de exercício, tanto a frequência e a duração dos episódios de refluxo esofágico mostrou aumentar com a intensidade do exercício maior ou igual a 90% do VO2max(capacidade aeróbica máxima).

O diagnóstico é clínico e em alguns casos é necessário a realização de Endoscopia Digestiva. 

O tratamento na maioria das vezes resolve com a mudança de hábitos: hidratação adequada, evitar comidas muito calóricas e gordurosas antes de treinar, ajustes no treinamento, não deitar 30 minutos após as refeições. 

Quando a mudança de hábitos não resolve, inicia-se tratamento com Omeprazol por 4 a 8 semanas.

É importante consultar o seu médico quando existirem queixas gástricas frequentes, pois estas podem afetar a sua performance.

* Médico do Esporte
luizcarlosfontana@hotmail.com 
@luizcarlosfontana

 

João Nassif
Por João Nassif 16/01/2019 - 12:15

Continuando com campeonatos inchados, o brasileiro da segunda divisão de 1981 foi disputado por 48 clubes divididos em seis grupos com oito times em cada um. Foi denominada Taça de Prata. Pelo regulamento os dois primeiros colocados de cada grupo passaram para a fase seguinte.

Os 12 classificados para a segunda fase foram divididos em quatro grupos com três times. Os primeiros colocados de cada grupo se classificaram para a Taça de Ouro, correspondente a primeira divisão, ainda no campeonato de 1981.

Os segundos colocados em cada grupo da segunda fase da Taça de Prata seguiram no campeonato até a decisão.

Bahia, Palmeiras, Náutico e Uberaba foram para a Taça de Ouro, enquanto Remo, Anapolina, Guarani e Comercial do Mato Grosso do Sul seguiram para as semifinais. O Guarani eliminou o Comercial e a Anapolina passou pelo Remo. Na decisão deu Guarani com vitória por 4x2 em Anápolis e empate em 1x1 em Campinas.

O Criciúma em 1981 disputou pela terceira vez o campeonato brasileiro. Foi eliminado na primeira fase, ficando em sexto lugar em seu grupo. Somou seis pontos com duas vitórias, dois empates e três derrotas. Marcou oito gols e sofreu 10.

Na estreia derrotou o Novo Hamburgo no Heriberto Hülse por 2x1. No segundo jogo, também em casa foi derrotado pela Inter de Limeira por 3x1. Foi ao Mato Grosso do Sul e perdeu para o Comercial por 2x1.

Voltou para casa para empatar em 0x0 com o Palmeiras. Na sequencia fez dois jogos no interior de São Paulo. Venceu o América em São José do Rio Preto por 2x1 e foi derrotado em Araraquara por 1x0 pela Ferroviária.

Terminou sua participação na Taça de Prata de 1981 empatando em casa com o São Paulo de Rio Grande em 2x2.

Laerte e Wescley com dois gols cada um foram os artilheiros do Criciúma no campeonato.
 

João Nassif
Por João Nassif 16/01/2019 - 07:35

Cobrar atualmente R$ 10 por um ingresso no futebol profissional é como dizer que o ingresso vale uma pinga. Claro que uma dose da “marvada” custa bem menos, mas no sentido figurado um ingresso com este preço tem valor de pinga. É o que o Criciúma está projetando para a temporada com estudo sobre a condição financeira de torcedores que não tem recursos para se associar e que ficariam num local pré-determinado no Heriberto Hulse. Espero que não estudem em demasia e esta excelente iniciativa não fique somente no projeto como tantas outras, mesmo que o ingresso valha apenas uma dose de uma boa cachaça. 

HERÓIS ANÔNIMOS
Deu pena a saga do time acreano Galvez que projetava apenas uma primeira fase na Copa São Paulo e por forças do imponderável teve que cumprir mais dois jogos na competição. Com mais dias na copinha a delegação perdeu as passagens de retorno e ficou sem dinheiro para voltar para casa. O apelo feito por seu treinador em Rede Nacional de TV fez com que o Palmeiras que o eliminou assumisse a despesas e de quebra o elenco acreano pode conhecer o Alianz Parque e ganhar de brinde bolas e chuteiras. No retorno os jogadores foram recebidos com muita festa no aeroporto de Rio Branco.

LOUCURA TOTAL
O nível de investimento neste começo de ano feito pelos clubes brasileiros extrapolam a realidade do país, mas ao mesmo tempo projeta os envolvidos nas mais diversas competições em condições plenas de conquistas. Palmeiras, Flamengo, São Paulo são os que investiram mais pesado, enquanto que outras forças com menos recursos se conformam com os remanescentes que de certa forma garantiram títulos em temporadas recentes, casos de Grêmio e Cruzeiro. O tempo irá dizer se contratações milionárias fazem times campeões.

BASE DESPREZADA
A dinheirama gasta pelos grandes clubes na busca de resultados, faz com que as revelações sejam pouco aproveitadas. O Palmeiras é o maior exemplo, ganhou tudo nas categorias de base em 2018 e nenhum terá chance nesta temporada. O Flamengo, outro que investiu pesado para 2019 ainda dá espaço para alguns, mas são as joias que logo cedo vão embora. Enfim, a mentalidade é revelar talentos para vende-los rapidamente e fazer caixa para contratar medalhões. 

O CARA NÃO É FRACO
O técnico José Mourinho um dos principais do futebol mundial foi demitido há um mês do Manchester United e assinou com o clube um pacto de silencio que lhe rendeu R$ 70 milhões. Este pacto proíbe o técnico de tecer qualquer comentário sobre os motivos de sua demissão. Está preocupado o Moutinho? Foi anunciado nesta semana que o treinador será comentarista da emissora “Bein Sports” e irá faturar 60 mil libras (cerca de R$ 285 mil) por partida que comentar. Mourinho já está confirmado em duas transmissões, Arábia Saudita e Catar pela Copa da Ásia e Arsenal x Chelsea pela Premier League. Bein Sports é uma rede de televisão por assinatura subsidiaria da Al Jazeera.

MEMÓRIA
16/01/2006 – “PRESTA ATENÇÃO”

Pelo que pude conferir, dos 15 que tiraram dos sócios o poder de escolher o presidente, apenas dois estavam presentes nas cadeiras do HH. O presidente do Conselho de Administração, Jose Ijair Conti que voltou depois de muito tempo e o Woimer Conti, torcedor fanático que não perde um jogo sequer. Os demais não mostraram nenhuma preocupação com o time. Devem estar conscientes que prestaram um desserviço ao clube. 
 

João Nassif
Por João Nassif 15/01/2019 - 13:09

Com a fundação da CBF em setembro de 1979, no ano seguinte a entidade promoveu o campeonato brasileiro com duas divisões, sendo que a segunda divisão foi jogada por 64 clubes divididos na primeira fase em oito grupos de oito clubes em cada um deles.

O Criciúma, em 1980, disputou pela segunda vez uma competição nacional e ficou inserido no grupo H junto com Juventus de São Paulo e Comercial de Ribeirão Preto, Atlético Paranaense e Londrina, Brasil de Pelotas e Juventude e também a Chapecoense. 

Pelo regulamento os primeiros colocados de cada grupo disputaram um playoff classificatória para a primeira divisão. Os segundos e terceiros colocados se classificaram para a segunda fase da segunda divisão.

O Criciúma disputou sete jogos e venceu apenas um, por 1x0 contra a Chapecoense no Heriberto Hülse. Empatou duas vezes, 2x2 contra o Brasil em Pelotas e 0x0 em casa contra o Atlético Paranaense.

Sofreu quatro derrotas, duas no Heriberto Hülse contra o Londrina por 2x1 e contra o Comercial por 1x0.

As outras duas derrotas foram fora de casa, contra o Juventude por 3x1 no Alfredo Jaconi e contra o Juventus por 2x1 na Rua Javari.

O Juventus foi para o playoff com 11 pontos e o Criciúma ficou na penúltima posição com apenas quatro pontos conquistados. O Tigre marcou seis gols e sofreu 10. 

David, Serrano, Pradera, Laerte, Hamilton e Jorge marcaram os gols do Criciúma em sua segunda participação em campeonatos brasileiros. 
 

João Nassif
Por João Nassif 15/01/2019 - 07:35

Ontem no Debate Aberto da Rádio Som Maior, junto com alguns companheiros tive o prazer de poder conversar com Doriva, técnico do Criciúma. Pude confirmar tudo que pensava sobre sua pessoa sem nunca termos trabalhado juntos. Bom papo, transparente não se furtou às questões colocadas e deu algumas pistas sobre o que pretende com o time já para o começo do campeonato. Tem esperanças de uma boa temporada mesmo sabendo das dificuldades financeiras para montagem de um plantel mais encorpado em qualidade. Em princípio gostou do que tem em mãos.

LEITURA SIMPLES E DIRETA
Conforme eu havia abordado na coluna de ontem, o setor defensivo é o que menos preocupa, pois com o retorno do zagueiro Nino a única alteração em relação ao ano passado é na lateral direita. Sem Suéliton, Maicon e Carlos Eduardo disputam a posição com vantagem inicial para o segundo em função de ser mais jovem e estar em melhor forma física. Maicon em forma e motivado gradativamente ganhará a titularidade. No gol, sem problemas, com Bruno Grassi à altura do Luís o time fica bem servido.

ALTERNATIVAS
Para composição de meio campo as opções são as mais variadas, pode ter um volante apenas de contenção, da mesma forma que dois que saem mais para o jogo. Jean Mangabeira está no primeiro caso e também haverá a espera pelo Jackson Caucaia. Na segunda maneira, sem o chamado brucutu, Zé Augusto e Eduardo. Pelas meias Daniel Costa é indiscutível com Marcinho Júnior e Gabriel Honório como parceiros na preparação. No ataque apenas Pedro na referência e outros como Reis pelos lados do campo. São alternativas e opções que somente os jogos irão definir.

ESQUEMA TÁTICO
Doriva afirmou que seus times jogam sempre buscando atacar. Gosta de atacantes que pressionam o adversário nas saídas de bola. Quer sempre mais aproximação dos defensores e volantes para ganhar a segunda bola e por aí vai. Claro que no início sem o condicionamento físico ideal tudo fica apenas na teoria, mas com o currículo de dois títulos estaduais, um paulista com o pequeno Ituano e outro carioca com o Vasco da Gama dá ao técnico credibilidade para se apostar em uma briga direta pelo título catarinense que o Criciúma não ganha desde 2013.

OUTRA DECISÃO
O Figueirense, único time catarinense sobrevivente na Copa São Paulo tem hoje à noite outro desafio para continuar na busca do bicampeonato. Irá enfrentar o Palmeiras pelas oitavas de final. O Figueirense já eliminou o Flamengo atual campeão e sonha em derrubar mais um grande do futebol brasileiro.

MEMÓRIA
15/01/2009 – “REFORÇO CASEIRO”

O time do Criciúma é um dos menos qualificados dos últimos tempos. A mescla da experiência com juventude não produziu e nem produzirá efeito se não houver mais qualidade naqueles que foram contratados neste início de temporada. É verdade que alguns ainda não estrearam e não sabemos de seus potenciais, mas aqueles que já jogaram não deram a contribuição esperada. Podem achar que estou sendo precipitado, mas às vésperas do campeonato nenhum milagre poderá ser produzido. Menos mal que o Basílio e o Adriano voltaram e ficarão no clube. São dois titulares indiscutíveis e com eles o time ganhará uma pegada melhor na marcação e qualidade na armação do jogo, duas situações impensáveis no time que vem treinando.
 

João Nassif
Por João Nassif 14/01/2019 - 15:32

Thiago Ávila *

A Formula-E, a maior categoria de carros elétricos do mundo, voltou às pistas neste sábado em Marrakesh, no Marrocos. No ano passado, Felix Rosenqvist, da Mahindra, venceu a etapa sem muitos problemas e assumiu a liderança daquele campeonato para se lamentar, de muitos erros da equipe e perda de rendimento do carro na reta final.

Sem Rosenqvist e com a Mahindra se figurando como terceira ou quarta força, chegamos a segunda etapa da quinta temporada da Formula-E. As BMW vieram fortíssimas nos treinos conseguindo colocar dessa vez, além de Félix da Costa, também o novato Alexander Sims no Top-6. O campeão da última temporada Jean-Éric Vergne consegue a segunda posição.

Mas o grande nome da vez é Sam Bird, que renasce das cinzas depois de sofrer uma batida momentos antes de sua volta rápida e ainda faz o melhor tempo. Pelo lado dos brasileiros, Piquet é nono, Di Grassi é 11º e Massa, o 15º.

A largada é caótica. Vergne, no melhor estilo Sebastian Vettel, tenta a ultrapassagem em Bird, mas acaba rodando. Os dois carros da BMW pulam para segundo e terceiro. Lucas Di Grassi acerta em cheio o carro do estreante Pascal Wehrlein, o tirando da corrida, e também prejudicando Nelsinho Piquet e Sebastien Buemi.

Jerome D'Ambrosio vencedor em Marrakesh

Quinze minutos mais tarde, Da Costa e Sims passam Bird um em cada lado na reta principal e assumem a liderança da corrida. Faltando 21 minutos para acabar, D’Ambrosio fazendo uma excelente corrida, pega o modo ataque e ultrapassa Di Grassi e as Virgins de Bird e Robin Frinjs, assumindo a terceira posição. Logo em seguida é a vez do brasileiro passar pelo modo ataque e passar à frente das Virgins. Mas a quarta posição do brasileiro não durou muito tempo, até que as Bird, Frinjs e até Vergne, fazendo uma ótima corrida de recuperação, pegam o modo ataque e jogam Lucas para sétimo.

Folgados, Da Costa e Sims aproveitavam tranquilo a dobradinha da BMW que colocava a equipe numa situação mais que confortável na tabela de pilotos (com o português mais líder do que nunca) e de construtores. Mas faltando nove minutos para o fim, o britânico parte para cima do português na curva e Da Costa demora demais para frear, fazendo este bater no muro e aquele sair da pista. Sims consegue voltar à pista, agora na quarta posição, já António Félix da Costa é obrigado a abandonar. Uma falha de comunicação tremenda da equipe BMW, uma coisa dessas pode prejudicar um campeonato. Como já diria Téo José: “Não é assim!”

D’Ambrosio assume a ponta, com Frinjs em segundo e Bird em terceiro, e a corrida se mantém assim até o final, para a festa da equipe Mahindra, novamente no topo. Com o resultado, o belga assume a liderança do campeonato com 40 pontos, Da Costa e Vergne seguem logo atrás com 28 pontos. Nos construtores, a Techeetah é líder, seguido de Mahindra e BMW.

A Formula-E volta dia 26 em Santiago, no Chile.

* Thiago Ávila, Estudante de Jornalismo da PUCRS
 

Tags: Fórmula-E

João Nassif
Por João Nassif 14/01/2019 - 13:01

Foi uma loucura total o campeonato brasileiro de 1979 quando o Criciúma fez sua estreia em competições nacionais. O regulamento foi uma miscelânea difícil de ser entendido e que conseguiu acomodar 94 clubes que disputaram o título sem que houvesse descenso de qualquer um deles. 

Depois da desistência de alguns, de várias fases e os clubes divididos em vários grupos a final foi entre Internacional e Vasco da Gama com o time gaúcho ganhando o campeonato pela terceira vez.

O Criciúma entrou na primeira fase num grupo com 10 clubes que jogaram em turno único por pontos corridos com a classificação dos cinco primeiros para a fase seguinte.

O Criciúma do técnico Leôncio Vieira fez os três primeiros jogos no Heriberto Hülse e na estreia goleou o Operário de Ponta Grossa-PR por 4x0, no segundo jogo derrotou a Caldense de Poços de Caldas-MG por 2x0 e empatou em 0x0 com o Caxias de Caxias do Sul-RS. 

Na sequencia fez dois jogos fora de casa e perdeu os dois. Para o Brasil de Pelotas por 3x0 e para a Desportiva-ES por 1x0. Voltou para casa e teve outra derrota, para o Colatina, também do Espírito Santo e ganhou do São Paulo de Rio Grande por 2x1.

Finalizou sua participação com dois jogos fora de casa. Derrotou a Chapecoense no Índio Condá por 1x0 e na última partida perdeu para o Grêmio Maringá no Willie Davis por 2x0.

Resumindo, o Criciúma não conseguiu ultrapassar de fase, pois terminou na sexta posição em seu grupo com nove pontos conquistados por quatro vitórias e um empate. Foi derrotado em outros quatro jogos, marcando nove gols e sofrendo oito.

O artilheiro foi o atacante Helinho que marcou três gols.
 

João Nassif
Por João Nassif 14/01/2019 - 07:56

Não será fácil a vida do técnico Doriva na missão de acertar o time e dar ao Criciúma um bom início de temporada. Se o setor defensivo tem entrosamento, pois quase todos jogadores são remanescentes de 2018, exceção da lateral direita. Maicon em forma deverá ser titular e irá acrescentar muito com sua experiencia e qualidade. Será um compartimento com capacidade de dar tranquilidade ao novo técnico.

SETORES EM AJUSTES
Se a defesa está praticamente arrumada o mesmo não acontece com os outros dois compartimentos, meio campo e ataque. São poucos os que ficaram do ano passado e não é de uma hora para outra que os novos reforços atinjam um nível melhor de entrosamento. Para que tal aconteça é necessário tempo e trabalho o que, convenhamos o calendário brasileiro não permite. Como a estreia no campeonato catarinense ocorrerá com apenas duas semanas de trabalho o técnico Doriva terá que ir arrumando o time em meio à competição. Lembrando que daqui a exatos 30 dias o Criciúma fará seu primeiro jogo pela Copa do Brasil em Santarém-PA. 

DE OLHO NO ELENCO
Os dois jogos treinos que o Criciúma realizou na pré-temporada deve ter dado subsídios importantes ao técnico Doriva. Não importam os resultados, vitória e derrota, a movimentação serviu para que Doriva tenha tirado algumas conclusões para colocar em prática seu sistema de jogo e certamente também a escalação. O grupo ainda carece de mais reforços que o andamento do campeonato irá mostrar com mais ênfase. Com confiança na competência do treinador e na preparação física de um profissional capacitado o Criciúma poderá fazer neste estadual diferente do que mostrou nos anos anteriores.

TEMOS FIFA
A ascensão de Braúlio da Silva Machado ao quadro de árbitros da FIFA coloca Santa Catarina novamente no cenário da arbitragem mundial. Braúlio segue os passos de Dalmo Bozzano, o primeiro árbitro catarinense a ostentar o escudo da FIFA. Não tenho lembranças de nenhum outro criado na Federação Catarinense com este privilégio. Alguns que pertenceram ao quadro FIFA foram importados de outros estados como Wagner Tardelli, Heber Roberto Lopes e por último Sandro Meira Ricci.  

SOBREVIVENTE
Apenas o Figueirense continua na Copa São Paulo. É o único catarinense dos cinco que começaram o torneio. Criciúma e Chapecoense foram eliminados na primeira fase. No sábado voltaram para casa Avaí e Tubarão eliminados nos pênaltis. O Figueirense passou com folga pela terceira fase com goleada sobre o Trindade-GO por 4x1. Pode ir mais longe.

MEMÓRIA
14/01/2003 – “SOBREPOSIÇÃO”

Não tenham dúvidas que haverá retaliação por parte das Federações e mais à frente da CBF, pois a coincidência de datas não irá privilegiar os clubes que participam dos regionais. Em Santa Catarina, Criciúma e Figueirense, os dois candidatos lógicos ao título terão problemas para o remanejamento de seus jogos. O mesmo vale com relação à Copa do Brasil e num futuro próximo ao Campeonato Nacional. Se os grandões, Cruzeiro, Atlético-MG, Grêmio e Internacional entrarem de cabeça na briga, pode ser que haja um refresco, senão os pequenos irão se complicar.
 

João Nassif
Por João Nassif 13/01/2019 - 22:13Atualizado em 14/01/2019 - 07:16

O Campeonato Britânico de Seleções foi a primeira competição entre seleções disputadas em todo o mundo. Os quatro países do Reino Unido, Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda que a partir de 1956 passou a ser Irlanda do Norte, disputaram o torneio que teve sua primeira edição na temporada 1883/1884 e sua última na temporada 1983/1984.

Antes do futebol ser considerado um esporte oficial a partir das Olimpíadas de 1908 os vencedores do Campeonato Britânico de Seleções eram considerados os melhores do mundo.

Jogo do primeiro torneio de seleções da história

O torneio foi criado como continuação dos amistosos que as quatro seleções realizavam entre o final da década de 1870 e o início da década seguinte. Até a temporada 1979/1980 o torneio era decidido apenas na contagem de pontos, por isso em vários deles o título foi dividido entre duas ou mais seleções.

Entre 1914 e 1919 o torneio não foi realizado em virtude da Primeira Guerra Mundial. Entre 1939 e 1945 o torneio foi cancelado devido à Segunda Guerra Mundial.

Depois de iniciado na temporada 1980/1981 o torneio foi cancelado nas rodadas finais por conta do conflito na Irlanda do Norte.

A Inglaterra é a maior vencedora com 54 títulos, alguns compartilhados com outros adversários. Em seguida vem a Escócia com 41 títulos, o País de Gales foi campeão em 12 torneios e a Irlanda/Irlanda do Norte tem oito troféus de campeã.
 

4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16