Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 26/02/2018 - 17:00Atualizado em 26/02/2018 - 17:25

Na última sexta-feira me reuni com 45 mulheres para compartilhar nossas experiências, sucessos e angústias em viver em/com um corpo feminino. Foi forte, foi rico, mas também foi dolorido. Quer saber por quê? Veja esses números:

 

Quando o assunto é “beleza”:

4 a cada 100 mulheres têm diagnóstico de transtorno alimentar no Brasil.

85% dos casos de transtornos de imagem acontecem com mulheres, sobretudo na adolescência.

Brasil é o 2º país que mais faz cirurgia plástica e o 3º país que mais consome cosméticos no mundo.

 

Quando falamos sobre a mulher no trabalho:

52% das mulheres já sofreram assédio sexual no trabalho.

Mulheres recebem 25% a menos do que os homens, nos mesmos postos de trabalho, 35% a menos em cargos de chefia e liderança.

Santa Catarina é o quarto estado no ranking brasileiro da desigualdade salarial entre homens e mulheres.

Mulheres tem carga horária semanal de 5h a mais que os homens.

 

Se formos falar de publicidade:

Mulheres são responsáveis por 80% das decisões de compra, mas 75,7% das marcas dirigem seus comerciais apenas aos homens.

 

E tudo isso resulta em:

1 em cada 3 brasileiros culpa a vítima pelo estupro.

54% dos brasileiros afirmam que conhecem uma mulher vítima de violência conjugal.

56% dos brasileiros afirmam que conhecem um homem agressor.

85% das brasileiras temem violência sexual.

1 mulher apanha a cada 15 segundos no Brasil, o que representa 4 mulheres por minuto.

1 mulher morre a cada 1 hora e meia no Brasil (55% dos feminicídios são cometidos por familiares, 33% por parceiros ou ex parceiros).

Brasil é o 5º país que mais mata mulheres no mundo.

 

Viver em um corpo feminino é viver conforme essas estatísticas. Viver em um corpo feminino é viver com coragem - sejamos corajosas!

Fonte: ONU Mulheres

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 23/02/2018 - 11:00Atualizado em 23/02/2018 - 11:33

Você conhece o mito grego do Leito de Procusto?

Procusto é um bandido que assalta viajantes e os obriga a se deitar em seu leito de ferro. Caso a vítima seja maior que o leito, Procusto amputa o excesso de comprimento. Se for menor, estica. Como nenhuma pessoa é exatamente do tamanho da cama, ninguém sobrevive.

Por que, em plena sexta-feira, eu decidi reviver o blog e falar de mitologia grega? Porque, como nós já conversamos aqui, por mais evoluída e moderna que possamos pensar ser nossa sociedade, "padrão" ainda é um termo muito utilizado. Moda, arquitetura, beleza, sexo... corpo - aparentemente, sempre há uma determinada noção de certo x errado.

Como mulher, percebo que este padrão de Procusto é imperativo quando se trata do corpo. O corpo feminino está em alta: alta cotação, alto investimento, alta padronização... alta frustração. Por isso, nesta sexta-feira, dia 23, estarei com um timaço de mulheres conversando sobre as nossas experiências, que às vezes é de amor e, às vezes, nem tanto.

Se a sua relação com o seu corpo está sendo difícil no momento, vem conversar com a gente! Se você já encontrou o amor no corpo que possui, venha nos inspirar!

Olha só quem vai estar lá:

Ah, é gratuito, mas os lugares são limitados! Até mais tarde ;)

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 08/02/2018 - 16:50Atualizado em 08/02/2018 - 16:58

No que se refere à trajetória escolar, provavelmente a data mais significativa é a ida para o 1º ano do ensino fundamental - para as crianças e para os familiares. Depois do susto em se dar conta do quão rápido a criança cresceu, é importante que os pais e mães passem tranquilidade para a criança, afinal de contas, se mudanças já não costumam ser fáceis, aqui ainda inicia a preocupação e cobrança com a alfabetização. Por isso, vamos conversar sobre o que você pode fazer para tornar esta transição da educação infantil para o ensino fundamental mais suave?

1) As escolas precisam seguir os Parâmetros Curriculares Nacionais e, por isso, é bem provável que o conteúdo seja dividido por disciplinas. Mas, pra criança, é difícil lidar e se adaptar com esta abstração e segmentação. Uma sugestão então é levar o lúdico para casa e, assim, ajudar sua filha ou seu filho a integrar as disciplinas. Por exemplo: pegue um livrinho de conto de fadas, que trabalha a leitura, e complemente pesquisando a vida nos castelos (história) e depois os alimentos da época (ciências).

2) As tarefas escolares também costumam vir com mais frequência para casa. Então, você vai precisar acompanhá-la, dar suporte na execução, e ajudá-la a organizar qual disciplina será estudada a cada dia. Também é importante criar um espaço aconchegante e interessante para que ela se concentre. Nada de tarefa no tapete da sala, ok?

3) A maioria das escolas trabalha com um professor regente, que dá quase todos os conteúdos, e outros professores apenas em disciplinas como artes, educação física ou inglês. Este formato não é familiar para a criança, então é provável que ela se sinta intimidada. Converse com ela e construa situações em que a criança possa ver você conversando com estes professores. Assim, ela se sentirá mais segura e confiante de que todos estarão ali para ajudá-la.

4) Aqui em nossa região é bem comum que a criança mude de escola neste momento. Desta forma, além da mudança na rotina e dos professores, sua antiga turma não o acompanhará.  Incentive sua filha ou seu filho a enxergar esta mudança como uma oportunidade de fazer novos amigos.

5) Se você perceber que o tempo de brincar na nova escola ficou muito restrito, vem aqui a sua maior tarefa: garantir que a criança consiga brincar. Por isso, não lote a agenda dela com inúmeras atividades extra curriculares. Judô, futebol, balé, música, enfim, tudo isso pode esperar, afinal ela só tem 6 anos e ainda precisa brincar livremente em casa, no parque, na rua e, porque não, na escola.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 01/02/2018 - 11:00Atualizado em 07/02/2018 - 10:18

O ano acabou de começar, mas janeiro já foi embora e aí não tem outra saída: fim de férias e as crianças precisam ir para a escolinha. Novo ambiente, rostos, cheiros... estes são apenas alguns dos fatores que marcam o início da vida escolar da criança. Além disso, elas precisam aprender a ficar longe dos pais e mães. Fazer dar certo nem sempre é fácil, mas existem algumas estratégias que podem auxiliar:

1) A família precisa, antes de mais nada, confiar na escolha que fez dentre todas as opções de escolinhas. Afinal, é lá que seu pequeno ou pequena ficará na sua ausência.

2) É importante que os pais sejam acolhidos pela equipe da escola durante o processo de adaptação da criança. Não tenha medo nem vergonha de ser chato, de questionar nem mesmo de querer participar. Por outro lado, não esqueça que é importante confiar na sua escolha, logo, é importante também levar a sério as orientações da equipe de profissionais.

3) É normal a família se sentir insegura neste período, afinal a adaptação é, também, para os adultos, que precisarão se acostumar a deixar a criança ir para o mundo. Mas é importantíssimo não deixar isso transparecer para a criança. Ora, como a criança acreditará que tudo vai ficar bem se o papai e a mamãe estão chorando no portão?

4) Se com a mãe, por exemplo, a adaptação estiver muito difícil, vale a pena tentar que o pai assuma o processo por um período.

5) Não fuja ou se esconda. É fundamental comunicar a criança todas as vezes em que você for se afastar, até que possa se despedir dela e retornar apenas na saída da escola.

6) Converse com a criança sobre o que irá acontecer. Se possível, visitem a escola antes das aulas quantas vezes forem necessárias até que ela minimanente consiga se sentir confortável. Um sinal de conforto? Ela solta sua mão e brinca no parquinho.

7) Leve para a escolinha um objeto de transição, algo de casa que transmita confiança, como a "naninha" ou o brinquedo preferido.

Claro, isto não é um manual. Você, certamente, conhece seu filho e, assim, conhece também seus sinais - leia-os! Crianças são espontâneas e sinceras, é só você direcionar seu olhar e saber o que perguntar ;)

Tem alguma dúvida? Alguma dica que deu certo com você? Comenta aqui embaixo. Você já sabe, este é um espaço de diálogo e eu quero te ouvir.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 31/01/2018 - 11:00Atualizado em 31/01/2018 - 11:28

Eu não sou uma especialista em Marketing, mas gosto de compartilhar as campanhas que questionam nossos lugares comuns e provocam algum tipo de desenvolvimento subjetivo ou social. Um exemplo disso é a campanha #LikeAGirl da marca Always.

Em português, o que seria fazer coisas "TipoMenina"? Depois de responder à esta pergunta, assista o vídeo abaixo. Ele é legendado ;)

 

 

"Continue fazendo como uma garota, porque está funcionando."

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 29/01/2018 - 13:50Atualizado em 29/01/2018 - 13:57

Vocês conhecem a Deise Duarte? No ano passado ela publicou seu primeiro livro, mas continua escrevendo crônicas incríveis, como esta que compartilho com vocês abaixo:

 

"Faz alguns anos que outubro é um mês cor de rosa.

Em outubro a pauta na TV, Rádio, atividades educativas em empresas e escolas é a saúde da mulher.

Meu preventivo e mamografia são feitos em outubro. Se eu me esquecesse, os jornais me lembrariam.

Novembro é azul. E mesmo que ainda haja uma resistência masculina com os cuidados da saúde, eles vão aprender sim, a lavar o pinto e identificar os sintomas de doenças de próstata em novembro.

Dezembro é comecinho do verão. Só podia ser amarelo. Vamos aprendendo a tomar sol.

Janeiro, o mês de recomeço, de renovação, é branco.

Acho bem significativo que o mês que guarda nossos sonhos de vida nova, seja conhecido pelo branco.

Janeiro é mês de falar sobre saúde mental.

Eu poderia separar minha vida entre antes e depois das visitas aos consultórios psiquiátricos e psicólogos, e aposto que um janeiro branco teria trazido consciência da necessidade dessa ajuda muito antes de tanta dor e sofrimento. A mídia falando sobre saúde mental pode ser aquele estímulo que te separa de transformar a sua história.

Quando a gente tem uma dor de cabeça, sabe que pode tomar um analgésico. Mas, se formos acertados por um machado, devemos procurar o hospital.

A saúde mental não é tão clara e objetiva. Mesmo sendo frequentadora assídua dos divãs de terapeutas (e aqui, vale informar que não, não se parecem com os dos filmes. É uma decepção descobrir um simples sofá!) muitas vezes não sei distinguir meus sentimentos e não sei se é hora de invadir o consultório, engolir pílulas ou sentar no cantinho e esperar a dor passar.

Os transtornos mentais, tratados anteriormente como privilégio de gente mimada têm trazido sofrimento para muitas pessoas.

É preciso aceitar que a alma dói e que ignorar isso faz doer ainda mais.

Quando você tem gastrite, as pessoas que amam você entendem que você precisa fazer endoscopia, tomar omeprazol e mudar a alimentação.

Quando você tem depressão, as pessoas que amam você sugerem que você se esforce para melhorar.

Entendo que não há maldade em dizer que você deve se esforçar, mas de vez em quando esse esforço é tão eficiente quanto refrigerante para gastrite.

O janeiro é branco e é tempo de dar nome aos bois.

Se não está claro pra você o que você sente, talvez essa luz seja encontrada na sala branca de um psicólogo ou psiquiatra.

Talvez a paz que você procura more em um comprimido que vai equilibrar seus hormônios ou em uma longa conversa com um semi-desconhecido capaz de te ouvir sem julgamentos.

Não vamos menosprezar a dor, nem transformar sentimentos naturais em doença. Sentir medo, preocupação, frio na barriga é normal.

Não ir trabalhar por não controlar esses sentimentos merece atenção.

Sentir tristeza, desânimo, cansaço é normal. Não realizar atividades rotineiras por causa disso, merece atenção.

Mudar de ideia não é bipolaridade,mas se você tem feito pessoas sofrerem por ‘parecer outra pessoa’,merece atenção.

Eu não sou profissional de saúde mental.

Eu só sou maluca. Mas uma maluca mais feliz desde que resolvi trazer esse branco do mês de janeiro pra todos os dias da minha vida."

Publicado originalmente aqui.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 25/01/2018 - 22:00

Vamos falar sobre carga mental? Talvez você nunca tenha ouvido falar sobre o tema, mas certamente conhece alguém que vive esta situação - talvez, inclusive, seja você.

As questões relacionadas à carga mental começaram a ser estudadas com mais afinco no final do século passado, quando pesquisadores identificaram que pessoas, sobretudo mulheres, que eram responsáveis por toda o planejamento e gestão familiar eram as mais acometidas por transtornos mentais comuns (grosso modo: depressão, ansiedade e somatizações). Carga mental é o nome que damos à necessidade de pensar sem parar nas coisas que precisam ser feitas, planejá-las e aí, algumas vezes, delegá-las. É pensar em todo o trabalho quase que invisível que faz o um ambiente doméstico funcionar, como a preocupação porque logo vai acabar o papel higiênico e é preciso colocá-lo na lista de compras, o medo de esquecer de marcar uma consulta médica, lembrar de comprar a ração do cachorro, providenciar a manutenção do terno que será usado no casamento do final de semana, renovar a matrícula da escola das crianças… Enfim, para que você possa se dedicar para estas coisas - ou até para que você possa delegá-las - é preciso primeiro pensar sobre cada uma delas.

Com o final das férias, esta semana meu consultório ficou cheio de mulheres que diziam não aguentar mais. Segundo elas, não fizeram nada nas férias: elas não trabalharam, tiveram ajuda dos familiares, mas, ainda assim, estavam sem energia alguma. Aí, quando nós começamos a questionar as razões do sofrimento, percebemos que a questão está justamente na ajuda: elas não lavavam a louça após o almoço, mas isso só acontecia porque já haviam solicitado que o filho mais velho lavasse enquanto o pai levava o cachorro para passear e  elas davam uma ajeitadinha no banheiro. O esposo, segundo algumas, até colaborou com a organização, sempre que elas pediam para não deixar o chinelo de praia na porta da casa. Ou seja, este trabalho é interminável e, pior, invisível.

A carga mental costuma adoecer quem precisa lidar diariamente com ela, mas também adoece seus relacionamentos nucleares. Perde-se energia, humor e desejo de viver, o que acaba, inevitavelmente, repercutindo em quem está ao seu redor. Por isso, que tal se, mais do que fazer aquilo que ela pediu, nós conseguirmos nos antecipar ao pedido? Aqui eu costumo ouvir, sobretudo dos esposos “Se as mulheres querem que deixemos de ser menos “executores”, talvez elas devessem deixar de nos dizer que tal coisa deveria ser feita de outra maneira ou que não era necessário fazer isso ou aquilo” - e a verdade é que eles não estão de todo errados.

Sendo assim, minha sugestão é: identifique qual a sua posição. Eu sou a pessoa que centraliza a gestão e antecipa as ações dos meus familiares? Então é preciso que eu aprenda a deixar o outro fazer, da forma e no tempo dele. Se, por outro lado, eu sou aquela que aguarda as orientações e diretrizes para agir, seria necessário treinar o olhar para dividir o peso, a carga mental, para que cada um seja o gestor de seu próprio setor – afinal, não é isso que nos ensinam as empresas?

Lembre-se: sua família é um sistema. Todas as peças precisam funcionar bem e juntas. Até porque, se uma delas adoece, todo o sistema sofre.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 24/01/2018 - 22:00Atualizado em 24/01/2018 - 23:45

Você já ouviu falar de Carl Gustav Jung? Você pode saber mais aqui mas, em síntese, é o psiquiatra e psicoterapeuta suíço que desenvolveu a teoria conhecida como “psicologia analítica”. Feita esta breve apresentação, vamos ao motivo de trazê-lo aqui para o blog.

“Fanatismo é sempre um sinal de dúvida reprimida”. Apesar de Jung ter escrito no início do Séc XX, esta foi a frase que permeou meus pensamentos no dia de hoje.

Lula, Lula, Lula, Lula. Moro, Moro, Moro, Moro. Bolsonaro, Bolsonaro, Bolsonaro, Bolsonaro. No elevador, no restaurante, no  posto de combustível... cenários diferentes que sempre me provocavam a mesma impressão: ecos infinitos da “minha opinião” vestida de “verdade absoluta”. Assim, pouco importa se você ouviu e menos ainda o que pensa a respeito. Virtualmente, o encerramento do monólogo costuma ser premiado com o comentário “lacrou!”. E, você sabe, o que está lacrado não pode ser mexido.

Ódio, raiva, agressividade, ressentimento. Lacre. Jung, sempre sábio, continua o texto dizendo que “quando alguém está realmente convicto torna-se perfeitamente calmo, pode discutir a sua crença como um ponto de vista pessoal sem ressentimentos de espécie alguma”. Assim, quando for falar de Lula, Moro, Bolsonaro, Jung ou qualquer outro, guarde suas certezas e leve suas interrogações. O dilema herói x vilão é perfeitamente saudável, desde que restrito aos livros de contos de fadas. A realidade, caro leitor, costuma trazer um pouco de mal no bem e um tanto de bem no mal.

 

Fonte: A vida simbólica - Carl Gustav Jung.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 18/01/2018 - 14:00Atualizado em 18/01/2018 - 14:24

Zygmunt Bauman, importante sociólogo polonês, dizia que a modernidade é líquida. Assim, os relacionamentos modernos seriam fluídos, volúveis, momentâneos e, em minha opinião, não há como retratar isso melhor senão com os aplicativos de namoro.

Tudo bem, os "serviços de paquera" não são novidade: em 1930 um restaurante em Berlim colocou telefones em suas mesas, o que permitia que, caso um cliente tivesse interesse por outro, pudesse facilmente fazer uma ligação para o número da sua mesa-alvo. Ainda assim, há 15 anos, apenas 2% dos casais se uniram por meio de sites de namoro. Em contrapartida, a tendência é que até 2040, 70% dos casais se conheçam por meios virtuais.

É claro que há ganhos com esta realidade. Vejo no consultório, por exemplo, que pessoas com dificuldades relacionais tendem a se sentir mais à vontade no ambiente virtual, inclusive para iniciar uma conversa ou demonstrar claramente seu interesse afetivo-sexual. Isto porque a exposição é menor: caso você não ganhe o match, ou seja, caso aquele por quem você se interessa não se interesse também por você, foi apenas um deslize de tela para a opção “sim” e não tempos de investimento de energia e clara demonstração de afeto. Além disso -e este ponto torna-se vantajoso ou não de acordo com seus interesses ou dificuldades - amores sinceros se perdem entre tantos “sins" para relações casuais.

Agora, em contrapartida, estudos das áreas de sociologia e psicologia já apontam um alto grau de desinteresse, de forma aligeirada, nas pessoas que utilizam estes aplicativos. Em uma sociedade como a nossa, em que você pode ter tudo rapidamente e com facilidade à sua disposição, escolher alguém por uma ou duas fotos e uma breve descrição é cabível, mas não dá pra dizer que não é, ao menos inicialmente, superficial.

Por isso, tudo bem se você quer utilizar os aplicativos. Estas e outras tecnologias estão disponíveis, afinal de contas, para facilitar a nossa vida. Mas se o seu objetivo vai além de um encontro casual, talvez seja importante escrever verdadeiramente quem você é e usar as fotos que você realmente se sentiu a vontade - não aquelas que os seus amigos disseram que você saiu bem. Assim, quando um match acontecer, a pessoa já terá uma ideia de quem você é – de verdade. E, quando encontrar alguém, invista em ir além da superficialidade. As histórias das comédias românticas, aquelas que dão a ideia de que o amor é algo que "simplesmente acontece” conosco, não são exatamente o que eu chamaria de retrato da realidade. Além do mais, a falsa impressão de ter algum controle sobre isto dando vários matchs - afinal, se tem que acontecer, por que fazer um grande esforço? - também não é completamente verdadeira.

O fato é que as tecnologias são um grande atalho inicial, mas o amor é mais complexo que isso: requer cuidado, atenção, risco e, inevitavelmente, exposição.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 17/01/2018 - 12:00Atualizado em 18/01/2018 - 14:23

Seguindo no tema do texto de ontem, hoje quero lhes apresentar o projeto "Perceptions of Perfection", desenvolvido pela companhia Superdrugs Online Doctors.

Em 2015, a SOD recrutou 18 designers mulheres de diferentes países e deu à elas a tarefa de ajustar a figura de uma mulher ao padrão de beleza vigente em seu país. Abaixo a foto original:

Agora, veja o resultado do projeto:

Argentina
China
Colômbia
Egito
Itália
México
Holanda
Peru
Filipinas
Romênia
África do Sul
Espanha
Síria
Reino Unido
Ucrânia
Venezuela
Estados Unidos

Aqui, efetivamente se percebe que o padrão de beleza é uma visão parcial de uma mesma realidade: o corpo feminino. A questão é que manter uma régua de certo e errado no que se refere ao corpo por muito tempo acabam resultando num grande impacto cultural, que resulta numa pressão que, de uma forma ou de outra, adoece. Por isso, pare um minutinho agora e se pergunte:

Quem é que lhe disse que este ou aquele corpo é belo?

Em seguida, questione:

É isto que eu considero belo?

O quão realista esta beleza é para mim?

O que há de belo no meu corpo?

Agora, respire fundo, levante o queixo e enfrente o mundo ;)

 

 

P.S.: Para saber mais, visite o site da Superdrugs Online Doctors.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 16/01/2018 - 17:00Atualizado em 16/01/2018 - 17:18

A cantora Dolores O'riordan, do The Cranberries, faleceu nesta segunda-feira aos 46 anos. Apesar de a causa da morte ainda não ter sido revelada, reacendeu a discussão sobre os transtornos alimentares, já que, em 2014, a cantora declarou numa entrevista que sofria de anorexia.

Há alguns anos eu acompanho pacientes que sofrem com distorção de imagem e transtornos alimentares. E sim, elas sofrem.

Elas (85% são mulheres) não se enxergam seus corpos como realmente estão. Elas não comem. Quando comem, sentem uma culpa intensa, e então provocam vômito, tomam laxante ou se embrenham de forma demasiada na atividade física. Elas têm rituais de auto-medição. Além da culpa, há uma sensação que as acompanha diariamente: a de estar sempre em débito, devendo algo, seja para si, para seu corpo, para a família, para os parceiros ou para a sociedade.

Aí, no consultório, fazemos um trabalho quase arqueológico para entender as razões por trás deste sofrimento - e não é menos doloroso descobrir. Mas, já dizia minha avó, "o que arde cura", e assim começamos a trilhar no caminho do bem-estar. A ponto de, na busca por aceitar seu corpo e as marcas que ele trás, elas tiram fotos de seus corpos magérrimos, ainda em recuperação, e fazem o que todos nós fazemos: postam nas redes sociais - e é este o ponto que quero conversar com você hoje.

Logo que a foto é postada, há uma chuva de likes e de comentários: Linda! Magra! Que corpão! Fiu fiu! Dia desses me deparei com o comentário de um homem (que ostentava sua barriguinha de cerveja) pedindo para que a mulher na foto passasse a receita da dieta para sua esposa. A questão aqui é: é imperativo que elas aceitem e reconheçam o corpo como sua casa, mas para isso precisam abdicar de um ideal de beleza que as faz sofrer absurdamente. E o seu comentário, por mais bem intencionado que seja, só reforça que a beleza está em ser magérrima, num corpo onde é possível estudar a anatomia dos ossos e músculos sem retirar a pele e que só é alcançado com muita dor e autolesão.

Por que será que boa parte dos elogios é destinado aos corpos? Que beleza é essa que está sempre vinculada à díade magreza-juventude e que, assim, é obviamente finita?

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 11/01/2018 - 12:00Atualizado em 11/01/2018 - 12:21

O que será que nos deixa realmente felizes?

Bem, a verdade é que eu, Ananda, não tenho condições de responder sozinha à esta pergunta. Por isso, quis trazer para vocês um dos maiores estudos da história das ciências humanas, que em 2018 completa 80 anos. Desde 1938, a Universidade de Harvard, nos EUA, se propõe a descobrir o que realmente nos deixa felizes - e eles continuam buscando essa resposta. Inicialmente, o estudo era realizado com 700 jovens do sexo masculino, entre estudantes da própria universidade e moradores de bairros pobres de Boston, que foram acompanhados durante toda a vida para o monitoramento de seu estado mental, físico e emocional. Nos dias atuais, os sujeitos da pesquisa são os filhos dos primeitros participantes, que somam mais de mil homens e mulheres.

É claro que um estudo desta magnitude leva à uma série de conclusões. No entanto, o fundamental, segundo o atual diretor da pesquisa, um psiquiatra estadunidense chamado Robert Waldinger, é que o importante para nos mantermos felizes e saudáveis ao longo da vida é a qualidade dos nossos relacionamentos.

Mais do que fama ou dinheiro, são as conexões que estabelecemos que nos fazem ter uma vida plena. A pesquisa descobriu, por exemplo, que quando os participantes chegaram aos 50 anos (lá na década de 80) a qualidade das relações que eles haviam construído pesou mais do que a taxa de colesterol para determinar a expectativa de vida de cada sujeito. Isso porque são as nossas conexões que fazem com que tenhamos com quem compartilhar alegrias e tristezas. São elas que criam em nós uma sensação de pertencimento, elemento que outros estudos também apontam como uma das bases para a felicidade. 

Mas que tipo de relacionamento é este? Segundo a pesquisa, uma relação de qualidade é uma relação em que você se sente seguro e pode ser você mesmo. Um relacionamento que te abriga, te acolhe, e onde sua espontaneidade é bem vinda.

Por isso, se seu plano para 2018 é ser feliz, aposte nos seus relacionamentos. Se seu plano é ter saúde, invista nos seus relacionamentos. Se seu objetivo é ter uma vida leve e plena, atente-se aos seus relacionamentos. Eles, certamente, não resolvem tudo, mas 80 anos de pesquisa merecem atenção, não é mesmo?

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 31/12/2017 - 14:00

Antes que o ciclo de 2017 se feche, eu quero agradecer!

Agradecer aos meus pacientes, que estiveram comigo no 1.357 atendimentos realizados neste ano. Obrigada por confiarem tanto do que mais lhes dói a mim e pela fé numa vida mais leve e feliz!

Agradecer aos meus alunos, por se lançarem comigo à muitos pontos de interrogação e não à respostas rápidas e prontas. Se são as perguntas que movem o mundo, vocês nos levarão para realidades incríveis!

Agradecer aos meus parceiros e colegas do portal 4oito e do Jornal das Nove, na rádio Som Maior. Estar com vocês é uma honra e um prazer. Obrigada!

Por fim, agradecer a você, leitor. Meu blog foi lançado no dia 22 de agosto e, desde então, 15.967 pessoas como você dedicaram uns minutinhos de seu dia para ler e comentar meus textos - muito mais do que eu poderia esperar! Muito obrigada! E ah! Aqui, como você sabe, será sempre bem vindo na conversa, viu? Venha sempre! 

Que estejamos juntos novamente em 2018!

Com carinho,

Ananda

 

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 30/12/2017 - 09:00Atualizado em 30/12/2017 - 09:49

2017 está acabando e por todo lado se vê “feliz ano novo!”. Datas fazem isso conosco: nos dão a sensação de ciclos. 365 dias se passaram, 365 dias que guardam momentos que não voltam mais.

Todo fim, felizmente, traz um novo começo. 2018 vem aí! Outros 365 dias estão a caminho e esta época parece nos lembrar da tarefa de construir um ano realmente novo. Velhos hábitos? Ficarão em 2017. Problemas na carreira? Ficarão em 2017. Relacionamentos tóxicos? Ficarão em 2017. Dificuldades familiares? Ficarão em 2017. Seja lá qual for o problema, ficará em 2017.

Linda esta oportunidade de construir o novo, não é mesmo? O ponto é que o seu antigo eu não é capaz de construir um ano novo. Novos anos vêm, inevitavelmente, através novas pessoas. E tudo bem, eu sei que, na prática, abandonar aquilo que lhe aprisiona não é tão simples quanto o caminhar do relógio que anuncia o réveillon. Mas é no seu mundo interior que mora a mudança, é lá onde o novo é gestado.

Logo, aproveite o final deste ciclo para refletir e identificar o quê de antigo precisa sair para dar espaço ao novo. Afinal, um novo ano vem aí - que tal apresentar um novo você para ele?

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 22/12/2017 - 16:30Atualizado em 22/12/2017 - 16:44

Ontem foi a final do The Voice Brasil e a vencedora foi Samantha Ayara. A estória da cantora no programa já é uma lição: no ano passado, Samantha não passou das audições às cegas, primeira fase do programa. Mas, aqui no blog, quero chamar atenção para a música que ela escolheu para sua apresentação da noite.

Dê play no vídeo abaixo - que está legendado ;) - e, para além do talento da cantora original na música, Jessie J, repare na letra. É possível que ela traga muitas coisas que você precisa ouvir.

Se o nosso desejo tem força, desejo que você seja verdadeiro com quem você é!

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 21/12/2017 - 11:50Atualizado em 29/01/2018 - 13:39

Nossa vida, caro leitor, é inteiramente marcada por fases. Primeiro bebês, depois diversas etapas da infância, adolescência e, de repente, adultos. Nesse estágio, são muitas as fases que se definem pelas escolhas, mas também pelos fatores e circunstâncias externas. E ai, chega a velhice, outro período repleto de particularidades e também de limitações. O fato é que todas essas fases possuem entrançamentos no tempo, ou seja, elas são completamente intermediadas pela finitude: tudo que começa, em algum momento, experimenta seu fim.

Somos sempre convocados a refletir acerca de nossas decisões, escolhas, reações e comportamento, afinal, a janela da mudança e da renovação está sempre aberta para nós. Assim acontece quando, por exemplo, mudamos de emprego, iniciamos um relacionamento amoroso ou fazemos aniversário. Igualmente, parece que o natal nos chama à uma grande reflexão: ele nos chama à pensar sobre as nossas relações familiares. É claro que não é o natal, digo, a data em si. A questão é que por todos os lados nós ouvimos chamados à celebrar a data com os seus, à comemorar a família com a família. E sim, isto é maravilhoso, não é mesmo? Aliás, na cultura cristã, este é um dos verdadeiros sentidos do natal.

Mas, contraditoriamente, todos os finais de ano, o meu consultório fica cheio de pessoas preocupadas em resolver seus conflitos familiares para tentar amenizar os possíveis problemas dos encontros natalinos; ou de pessoas cuja relação familiar não é nem de longe saudável como a televisão pinta; ou ainda daquelas pessoas que se incomodam com o ar de bem estar que se instala na ceia entre pessoas que brigaram durante todo o ano. E talvez você faça parte do grupo daqueles que amam o natal e veem sentido nos encontros familiares, e eu fico feliz por isso. Mas, talvez você não esteja neste grupo...

Então quer dizer que é errado ou perda de tempo celebrar o natal? Lógico que não! Estar aberto ao renascimento, à esta nova vida que é apresentada pela ideia de natal repercute num cenário bastante favorável para a saúde psíquica, de modo que as ocasiões ou as pessoas das quais você não é muito fã podem se tornar fontes de aprendizado, superação e até de surpresa positiva, quem sabe, né? Portanto, não importa se você crê em Jesus, Papai Noel, Iemanjá ou se não crê em nenhum deles, pois a questão central é poder encarar o Natal como uma porta a se abrir, uma nova chance de ser e fazer melhor, independente do que passou, seja no seu relacionamento familiar ou até no seu relacionamento consigo mesmo.

Quando nosso olhar está atento às possibilidades de crescimento, nós temos muito mais condições de transformar nós mesmos e nossa realidade - isso serve para todos nós, independente do quão saudável ou não é nossa relação com a família. E ai, se você conseguir enxergar esta possibilidade na mesa da ceia, rodeado de seus familiares, tudo bem. Se não for lá, tudo bem também. No fundo, no fundo, este é um ciclo de muitos que você vai iniciar e concluir em sua vida. Aliás, todo dia é um novo ciclo. O que você está fazendo com o ciclo de hoje?

Do seu jeito, com o seu normal, eu desejo um feliz dia de natal!

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 20/12/2017 - 11:30Atualizado em 21/12/2017 - 09:06

Você leu meu texto de ontem sobre o projeto Escola sem Partido? Lá eu te convido para conversar e, como resposta, alguns leitores me falaram da preocupação com a idade das crianças e como acreditam que elas são facilmente influenciadas. Pois bem, vamos falar deste ponto então.

Me parece legítima a preocupação. Afinal de contas, o que nós não queremos é que a próxima geração seja tão "não-pensante" quanto a nossa, não é mesmo? Nós somos muito bons em reproduzir e reproduzir e reproduzir e reproduzir novamente discursos, sejam eles do assunto que forem. Somos ótimos em emitir opiniões razas, baseadas em fake news ou naquele programa de televisão. Somos repentinamente influenciados a comprar este ou aquele produto porque fulano-de-tal-disse-no-instagram-que-é-bom (aliás, não é só bom, ele faz milagre!). Diante de tudo isso, compartilho da preocupação de vocês em não criarmos uma nova geração de pessoas vulneráveis, impressionáveis e manipuláveis. Mas será que as crianças e adolescentes são realmente assim?

Vamos iniciar com outra pergunta: quando você diz que "não" para seu filho ou filha, ele prontamente o obedece? No meu círculo social e nas famílias que costumo receber no consultório, a realidade não é bem esta. Desde os três anos, quando a criança vivencia a popularmente chamada "fase dos porquês", nós, adultos, precisamos nos esforçar bastante para dar conta de responder às indagações curiosas das crianças. Depois, elas crescem um pouquinho e chegam à adolescência, mas o enfrentamento, o questionamento e a dúvida permanecem ali. Se você convive com algum adolescente, já deve ter observado que eles não costumam aceitar qualquer resposta. Inclusive, preferem que sejam eles aqueles que dão a última palavra. Tanto que não raro ouvimos as palavras "adolescente" e "revolta" na mesma frase, não é mesmo?

Este fato, que muitos chamam de "problema de autoridade", não é uma dificuldade restrita ao ambiente doméstico. Especialmente na fase do adolescer, todos os dias vimos professores, diretores e outras "autoridades" educacionais gritando suas dores e pesares sobre "como a educação não é mais a mesma". Correndo o risco de simplificar o problema em demasia, a questão é: se você impõe, o adolescente se opõe.

Enfim, o que quero dizer é que enxergar a criança ou o adolescente como uma folha em branco é uma compreensão parcial e incompatível com os dias atuais. Ainda que a infância ou adolescência fossem momentos de construção linear de personalidades, visões e posicionamentos de mundo, tenho grandes dúvidas se o local de recebimento de informações seria a escola, já que o smartphone parece muito mais atrativo. De todo modo, uma coisa nós sabemos: antes de ir para a escola, a criança já tem perguntas. Você pode fomentar no seu pequeno ou pequena o pensamento científico, aquele que questiona e duvida e que a acompanhará por muitos anos, ou pode responder o que provavelmente responderam para você: "porque sim". Dá menos trabalho, é verdade, mas, por favor, depois não projete a sua responsabilidade no outro caso seu filho ou filha seja "influenciado" ou "doutrinado" com verdades absolutas e respostas simples.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 19/12/2017 - 10:20Atualizado em 19/12/2017 - 12:34

No último dia 11 a Câmara de Vereadores de Criciúma aprovou o projeto "Escola sem Partido". Não pretendo apresentar o projeto, que já foi citado aqui no portal algumas vezes e cujo texto inicial você pode ler aqui. Minha intenção neste texto é compartilhar minha opinião sobre o projeto. Entre, sente, pegue um chá e vamos conversar...

Em tempos em que os partidos políticos e seus representantes tomaram os meios de comunicação e têm sido o principal assunto, tenho ouvido muito a frase "não gosto de política". Entendo. Na medida em que a política tem sido apresentada como sinônimo de política partidária, negar a participação ou mesmo o gasto de energia mental em algo tão corrompido é totalmente compreensível. Mas será que política é só isso mesmo?

A palavra “política” provém do grego “politéia”, termo que era usado para se referir a tudo relacionado a pólis (cidade-estado) e à vida em coletividade. Desta forma, podemos afirmar que a política está relacionada diretamente com a vida em sociedade, de modo a fomentar que cada indivíduo expresse suas diferenças e conflitos sem que isso seja transformado em um caos social. Em outras palavras, política tem relação direta com o exercício da cidadania.

O projeto Escola sem Partido acredita que as escolas têm sido palco de doutrinação partidária. Desconheço as fontes desta crença, mas julgo os fatos apresentados no site como movimento de construção e promoção de consciência política crítica. Ou seja, para mim, quando o movimento ESP vê partidos, eu vejo política, no seu conceito mais amplo. 

Falar de Karl Marx é falar de política. Falar de Adam Smith é falar de política. Enquanto ideologia, eles estão nos extremos opostos e, sim, dão origem à partidos políticos. Mas não são partidários, tampouco falam de instituições partidárias. Repito: eles falam de política, ou seja, acreditam e defendem uma forma de viver em sociedade, sem que os conflitos e diferenças provoquem um caos social.

Você, que viu o título deste texto, entrou, sentou, pegou um chá e dedicou uns minutinhos do seu dia na leitura, acredita em um determinado modelo de sociedade. Eu, aqui deste lado do computador, também. E sabe como você, aqui nestas linhas finais, concluiu se concorda ou não com a minha forma de ver a sociedade? Conhecendo o meu modo de pensar. E olha que é só o MEU modo de pensar, guardado na sua insignificância. Estes caras que o ESP buscam proibir na escola são nomes conhecidos e estudados mundialmente, ao longo de centenas de anos. E sabe como é que a gente sabe se concorda ou não com eles? Conhecendo. Até porque, eles falam de política, e pode ser que o Sr. Prefeito determine uma escola sem política. Mas, aí, espero que ele determine também que todas as outras instituições sejam sem política. Já pensou a saúde pública sem partido? Como é que você vai conseguir dar um jeitinho de acelerar o agendamento daquela consulta médica pelo SUS?

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 14/12/2017 - 16:00Atualizado em 14/12/2017 - 16:30

Estamos finalizando a primeira quinzena de dezembro e nosso pensamento já está nas celebrações de final de ano. Mas, no meio disso, vem a notícia: seu filho ficou de recuperação. É verdade que o boletim dele já não estava exatamente aquela maravilha, mas ainda assim, a possibilidade de reprovação lhe deixou preocupado e sem saber como agir, não é mesmo?  Tudo bem, esse é um sentimento bem comum que se constrói frente às expectativas que costumamos construir de que "tudo dará certo".

Diante da recuperação nós logo compreendemos que a criança precisará de ajuda para estudar, e isto é um fato. Se as dificuldades dela forem pontuais, o auxílio de um professor pode ser de grande valia, já que ele pode trabalhar com a criança os mesmos conteúdos, só que de maneiras mais lúdicas e atrativas que irão auxiliar na fixação. Agora, se a dificuldade for global, é difícil tentar aprender em alguns dias tudo o que não foi assimilado durante o ano todo.

De todo modo, para além do auxílio com os estudos, a também precisa de acolhimento. Afinal de contas, se você já está decepcionado, imagine ela que corre o risco de repetir o ano, perder o convívio com os amigos e ainda ouvir um belo sermão.

É importante lembrar que o objetivo da recuperação vai além das notas: é preciso ter a certeza de que a criança adquiriu a base de conhecimentos necessária para a etapa seguinte. Vamos imaginar que o problema seja com continhas de dividir, por exemplo. Se a criança não desenvolve a habilidade de calcular na divisão básica, o problema irá reaparecer na hora de aprender números decimais e frações. Aí, um problema que era pontual se torna uma bola de neve e a criança terá sempre dificuldades de aprendizagem na matemática.

Isso não quer dizer que seu filho deva estudar sem parar para "tirar o atraso". A neurociência já comprovou que horas seguidas de estudo, sem intervalo, atrapalham mais do que ajudam - até porque geram um grande estresse na criança. Agora, se mesmo com tudo isso, este ano foi difícil e a criança reprovou, respire fundo e a apoie. Entenda que a escola é um ensaio pra vida e que seus filhos precisarão refazer muitas tarefas ainda, sempre que, mesmo por um detalhe, as dificuldades que ele tem o impeçam de entregar o resultado que esperavam.

Depois das férias, quando o próximo ano letivo começar, virão as reflexões e ações corretivas. É importante observar aquilo que não funcionou na escola e também em casa. Lembre-se que seu filho precisa de rotina, ou seja, principalmente nos dias de semana, estabeleça horários para comer, descansar, brincar, dormir e estudar (lembrando que crianças que não se alimentam bem ou não tem um sono de qualidade podem ter dificuldades de concentração e aprendizagem). Seu filho também precisa de um cantinho de estudo e é simples entender o porquê: quantos adultos você conhece que conseguem se concentrar em estudar ou trabalhar na mesa da cozinha ou no sofá da sala? Por fim, seu filho precisa perceber que você está com ele pelo seu empenho, independente da nota. Mostre que o esforço real que ele fez e faz já é suficiente para que você se orgulhe dele e o ame. Afinal de contas, é isso que constroi a autoconfiança, o sentimento de que "sou capaz" e, na realidade, isso vale mais do que qualquer nota ou aprovação.

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 07/12/2017 - 18:00Atualizado em 08/12/2017 - 10:05

Estes dias atendi uma família e, ao final da sessão, a criança começou a chorar, aparentemente porque não queria ir embora. Os pais tiveram uma reação bastante comum, que eu tenho certeza que você já viu: diante do choro da criança, eles falaram: "Para de chorar! Você fica tão feio chorando! Se não parar, em casa te dou um motivo de verdade pro choro!". Como nosso tempo havia acabado, eu tive que guardar este assunto para a próxima sessão, mas fiquei pensando qual seria a resposta se nós invertêssemos os personagens dessa história. O que eu quero dizer é: você já experimentou chorar na frente de uma criança?

Pela minha experiência, eu arrisco dizer que a criança vai olhar para você com um rostinho preocupado e tentar lhe acalentar de alguma maneira. Pode ser que ofereça um brinquedo, um abraço ou qualquer outra forma de carinho que ela conheça. Mas eu duvido que a criança vá reprimir ou julgar o seu choro.

Esse julgamento, ou seja, esse impulso que temos em instantaneamente qualificar o sofrimento do outro como válido ou não, é ensinado geração após geração. Do mesmo jeito que costuma acontecer com os hábitos e tradições familiares, nós não nos questionamos dos porquês e das consequências dessas palavras. Ora, fomos tantas vezes desrespeitados em nossa infância, desconsiderados em nosso sentir, que desaprendemos a acolher. Claro, nossos pais e mães não fizeram de propósito para que nós sofrêssemos, assim como aquela família de quem falei também não quis o mal da criança. O fato aqui é que este dedo em riste é aprendido. Em essência, nós somos compassivos, empáticos, cuidadosos. 

E não, eu não estou aqui dizendo que você tem que atender a todos os desejos de uma criança, mas menosprezar o seu sentir certamente não é a outra única opção. Se quiser aprender a fazer diferente, aproveite a criança mais próxima pra relembrar como agir quando alguém chora. Quebre esse ciclo! Oferte um abraço, um ombro amigo! Substitua o "cale a boca" por um "eu sinto muito!".  Aí, caso sua ferida seja tão grande que lhe impede de acolher, é sinal de que chegou a hora de cuidar dela ao invés de criar novas feridas nos outros. Afinal, os outros não merecem ouvir essas palavras. Seu filho não merece. Você também não mereceu. Na verdade, bem na verdade, ninguém merece.

1 2 3 4 5 6