Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Para as mamães: Aquilo que não se fala sobre a maternidade

Ananda Figueiredo
Por Ananda Figueiredo 07/10/2017 - 09:30

Bom dia!

Compartilho com vocês um texto de autoria de Rafaela Carvalho que trata sobre... bem, trata sobre você. Veja só:

Não se escuta do obstetra nem do pediatra. Passa batido pelo chá de bebê. Não está nos livros, não se aprende nas classes. Até a mais incrível das amigas falha ao tentar explicar. Não, não vim falar do amor. 
É sobre a importância. 
Bem vinda a maternidade, onde um ser de 50 centímetros que não aguenta segurar o próprio pescoço precisa de você.
Você.
Você com o abdômen recém cortado ou com o períneo extremamente magoado (leia-se puto da cara).
Você sem saber segurar direito, amamentar direito, trocar fralda direito, dormir direito.
O bebê precisa de você. 
Você.
Você com baby blues no coração, nas olheiras, no cabelo preso de qualquer jeito.
Você admirando a perfeição do rosto adormecido, com medo da falta de liberdade, soluçando ao sentir o vazio.
O bebê precisa de você. 
Você.
Você com o seio mais duro do que o seu bumbum jamais será, morrendo de medo da primeira ida ao banheiro (nº 2), e com o coração transbordando amor.
Você dormindo em pé, torcendo para o corpo voltar, e para "pelamordedeus" pararem de palpitar.
O bebê precisa de você. 
Você.
Você fazendo arrotar, andando de lá pra cá, embalando depois da mamada das ‪3:48‬. Cansada, frustrada, completa.
Você sem saber como sobreviveu a noite passada, a primeira semana, o primeiro mês, o primeiro ano.
O bebê precisa de você. 
Você.
Você tentando consolar, e amar, e fotografar, e viver, e lembrar.
A cólica precisa de você, o choro, o trocar, o alimentar, o banhar, o cuidar.
O bebê precisa de você. 
Você.
Você rezando para que a madrugada acabe, mas implorando para que o tempo passe mais devagar.
Ah o tempo... É ele quem devagarinho traz outras coisas que precisam de você.
O sorriso precisa de você, o abraço, o olho no olho, as gargalhadas precisam de você.
O "mamãe eu te amo" precisa de você, o dividir alegrias, o soprar as velinhas, o "olha mamãe" precisa de você.
O amor precisa de você, as emoções, os primeiros passos, o frio na barriga precisa de você.
E como nos filmes onde no final tem uma revira-volta, a gente cai na real.
A partir do momento que você segura o seu bebê no colo, na eternidade do sopro no ouvido "tá tudo bem, a mamãe tá aqui", acontece.
Você precisa do bebê. 
Você.

 E então, mamães, na sua casa, quem precisa de quem?

4oito

Deixe seu comentário