Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito
Thiago
Por Thiago 16/09/2021 - 19:14Atualizado em 16/09/2021 - 19:16

O mercado de pilotos da Formula 1 sempre é um assunto que gera muitas notícias e discussões entre os frequentadores do paddock. Todo ano, entre o período de julho e novembro, temos a chamada "Silly Season" - a temporada de boatos -, que é quando as equipes negociam seus contratos e rumores começam a surgir de quem vai ocupar cada vaga no grid.

Diferente do futebol ou outros esportes, que esse mercado é muito aquecido e equipes milionárias fazem várias contratações de grande peso, na F1 é muito mais limitado, pois existem apenas 20 assentos para competir uma temporada completa, e desses 20, pelo menos dez sempre já estão com contrato firmado por múltiplos anos. Portanto vagas para estreantes sempre acabam sobrando no máximo quatro, e as outras, se houver, são trocas entre equipes ou retornos de pilotos experientes.

George Russell, a grande aposta da Mercedes para substituir Hamilton (Foto: Steve Etherington)

Se não existe um piloto brasileiro na F1 é justamente por esse número limitadíssimo de vagas, um campeonato que tem menos atletas que um time profissional de futebol.

Para 2022, Red Bull, Ferrari, McLaren, Alpine, Aston Martin, AlphaTauri e Haas mantiveram suas duplas deste ano, e apenas três equipes trocaram seus pilotos.

Depois de cinco anos na Mercedes, Valtteri Bottas foi anunciado na Alfa Romeo com um contrato multianual, e em seu lugar, o britânico George Russell, de 23 anos, chegou vindo da Williams como grande promessa da montadora alemã. Já para ocupar a vaga que ele deixou, o tailandês Alexander Albon retorna à categoria depois de um ano sabático. Kimi Raikkonen anunciou a aposentadoria aos 41 anos e agora apenas uma vaga na Alfa Romeo está em aberta.

Antonio Giovinazzi, dono da posição, ainda não tem contrato renovado e pode ser dispensado ao final de 2021. Em seu lugar aparecem nomes como holandês Nyck De Vries, campeão da Formula-E, o chinês Guanyu Zhou, segundo colocado na F2, o experiente Nico Hulkenberg e o britânico Callum Illott, que pertence a academia júnior da Ferrari. A escuderia italiana deve anunciar em breve a última vaga restante na Formula 1.

Thiago
Por Thiago 12/09/2021 - 20:07Atualizado em 12/09/2021 - 20:23

A Porsche Cup encerrou neste domingo a quinta etapa do campeonato de Sprint, em Curitiba. Nossos representantes da região, o piloto André Gaidzinski e a equipe Farben, estiveram mais uma vez na pista.

Foto: Luca Bassani

Na primeira corrida do dia, da categoria Carrera 4.0, Enzo Elias, piloto oficial da Farben, fez uma ótima largada pulando de oitavo para quinto, mas um acidente feio sofrido por Rodrigo Mello, na qual o carro capotou várias vezes, fez a bandeira vermelha ser acionada.

Com isso, os pilotos retornaram à posição original e relargaram em fila indiana. Enzo ainda teve boas disputas com Marçal Muller e Alceu Feldmann, mas só conseguiu terminar na sexta posição, após mais uma bandeira vermelha por conta da batida de Chico Horta.

“A gente tinha um bom carro, uma boa equipe, mas não contamos com a sorte nessa corrida. No final brigamos pelo pódio, mas veio mais uma bandeira vermelha e comprometeu nossa briga”, destacou Enzo.

Já na GT3 3.8, André conquistou um pódio que parecia improvável, mas que não deixou o piloto muito contente. Largando de 21º, Gaidzinski se aproveitou de um grande acidente envolvendo diversos carros na primeira volta para pular para 9º, quarto na categoria Sport. Durante a prova, fez mais uma ultrapassagem sobre Leo Sanches e assim como a bandeira vermelha comprometeu a corrida de Enzo, a amarela apareceu no final para frustrar o criciumense, que perdeu duas posições na relargada.

“Fui na brita na relargada, não sei se fiz o certo, estava em terceiro, perdi duas posições. Deu para salvar um pódio, tenho que agradecer a todo o pessoal da minha equipe, mas pelo embalo do campeonato esperava que não acontecesse tanta coisa”, comentou o piloto, que no sábado já havia se envolvido num acidente quando brigava por pódio.

A vitória, no entanto, ficou com Caio Castro, ator, que agora também é piloto. A Porsche Cup retorna em Goiânia dia 9 de outubro para mais uma etapa da Sprint.

Thiago
Por Thiago 11/09/2021 - 17:50Atualizado em 11/09/2021 - 17:51

Neste sábado tivemos as primeiras corridas da Porsche Cup em Curitiba, das categorias Carrera 4.0 e GT3 3.8.

Na primeira corrida do sábado, Alceu Feldmann venceu após uma bela largada ultrapassando Pedro Aguiar. Já a equipe Farben, de Içara, que tem o brasiliense Enzo Elias como piloto titular, fez uma excelente prova de recuperação. Largando de 12º, ele terminou em oitavo, como um dos pilotos com mais ultrapassagens e fazendo a melhor volta.

“Foi uma corrida muito difícil, o classificatório não ajudou a gente, então acabou que complicou nossa corrida, mas a gente fez um ótimo trabalho, o carro estava muito bom, fizemos a volta mais rápida, o que comprova isso”, comentou piloto, que larga amanhã na mesma posição que terminou, buscando dessa vez alcançar o pódio.

Vale destacar também que no carro amarelo e preto da Farben está estampado uma homenagem aos 87 anos do Sr. Jayme Zanatta, que é o fundador da empresa.

Já na GT3 3.8, André Gaidzinski foi o 12º na classificação e vinha ganhando boas posições até se envolver num toque com Raijan Mascarello e ser obrigado a abandonar a prova. A vitória ficou com o pole position Lucas Salles.

“Tem que esquecer essa corrida e virar a página, e amanhã a gente buscar tudo de volta, sabemos o potencial que temos para andar aqui, na última vez foram dois pódios”, destacou Gaidzinski, que amanhã larga em 21º visando grandes ultrapassagens, já que os pilotos à sua frente, em sua maioria, são de uma categoria inferior – a Trophy -, portanto motores menos potentes. “Depois que eu encostar na minha categoria, que é a Sport, vou buscar chegar entre os dez primeiros”, completou o criciumense.

A Porsche Cup retorna neste domingo para mais duas provas a partir das 13:20, com transmissão da Band, do SporTV e do Youtube da Porsche Cup. A Som Maior tem cobertura in loco de todo o evento.

Thiago
Por Thiago 10/09/2021 - 16:45Atualizado em 10/09/2021 - 17:44

Neste sábado e domingo a Porsche Cup visita o autódromo de Curitiba para a quinta etapa do campeonato de Sprint das categorias Carrera 4.0 e GT3 3.8.
 
Nossos representantes de Criciúma estarão mais uma vez na disputa, com André Gaidzinski no carro #14 e a equipe Farben, que tem o carro #73 pilotado pelo brasiliense Enzo Elias.
 
Gaidzinski chega com uma pintura nova, com a bandeira de Santa Catarina estampada no teto do seu carro, que é algo que ele está acostumado a levar aos seus pódios, mas agora estará o acompanhando durante todo o final de semana. “Tenho muito orgulho de representar a nossa terra em um dos campeonatos mais cobiçados do mundo”, destaca o piloto.

Sobre a expectativa para a corrida, André busca ficar entre os seis primeiros no treino classificatório, visando conquistar um bom resultado na corrida de sábado, para largar mais à frente na prova de domingo.
 
Já a Farben, com seu tradicional carro amarelo e preto, chega mais uma vez na condição de disputar sua primeira vitória. Enzo Elias, piloto oficial da marca, não tem lembranças muito positivas de Curitiba neste ano, visto que o piloto se envolveu em um acidente com Pedro Aguiar, que comprometeu boa parte do carro.
 
“Foi uma infelicidade, são coisas que o mundo das corridas proporciona, ficamos de mão atadas, mas a expectativa realmente é de conseguir provar aqui em Curitiba o que foi tirado de nós a possibilidade na última vez que estivemos aqui”, falou o brasiliense.
 
As provas da Farben ocorrem neste sábado às 12:20 e domingo às 13:20. Já André vem à pista às 14:55 do sábado e às 14:13 no domingo. Tudo isso com transmissão da Band, do SporTV e do Youtube da Porsche Cup, e com cobertura in loco da Rádio Som Maior e do Portal 4oito.
 

Foto: Thiago Ávila


 
 

Thiago
Por Thiago 06/09/2021 - 10:49Atualizado em 07/09/2021 - 10:42

O criciumense Danilo Alamini venceu neste domingo em Curitiba pela Copa Truck. Num final de semana recheado de troféus, quatro conquistados ao longo do sábado e domingo, Danilo terminou a etapa com o resultado que tanto esperava..

Largando da 10ª colocação, Alamini, com uma pilotagem sempre bem agressiva, terminou a primeira prova do domingo em sétimo e, assim como no sábado, se beneficiou do grid invertido e conquistou a primeira fila da prova 2.

André Marques superou o criciumense na primeira volta, mas o piloto do caminhão #00 não perdeu o ritmo durante as voltas seguintes. Com a entrada do caminhão de segurança por conta de detritos na pista, a distância em relação aos demais foi embora e Felipe Giaffone e Paulo Salustiano o ultrapassaram, terminando na classificação geral em quarto. Mesmo assim, conquistou sua primeira vitória na categoria Super, dedicada aos pilotos menos experientes.

"Perdemos uma posição no final por conta da bandeira amarela, mas estou feliz, muito contente com essa primeira vitória", contou o piloto da R9 Competições.

Essa é apenas a temporada de estreia do criciumense de 35 anos, que ocupa a quarta colocação no campeonato com 173 pontos, 28 atrás do líder Felipe Tozzo. "Dá para buscarmos o título ainda este ano, mas o que pretendo mesmo é focar no ano que vem, que terei o Beto Monteiro como meu coach. Divido os boxes com ele, e ele vem me ajudando, olhando no computador de bordo, vendo onde pode melhorar", comentou o piloto. Monteiro é tetracampeão da Formula/Copa Truck e fará essa parceria com Danilo, algo que é muito comum na categoria entre pilotos mais experientes e os mais jovens.

A Copa Truck retorna dia 3 de outubro no autódromo de Potenza, em Minas Gerais.

Thiago
Por Thiago 03/09/2021 - 12:19Atualizado em 03/09/2021 - 12:24

A Formula 1 está de volta à Holanda depois de 36 anos. Isso tudo graças ao novo fenômeno da F1, que trouxe uma torcida enorme nas arquibancadas, lotou os autódromos de laranja. Estou falando de Max Verstappen, vice-líder do campeonato e sensação da F1 2021.

Neste domingo teremos o GP da Holanda, corrida que o torcedor holandês espera poder assistir desde 1985. Na época da última corrida, Verstappen não era nem um projeto de vida e provavelmente boa parte do público que está nas arquibancadas nunca assistiu a uma corrida no seu país.

Créditos: Wouter Kingma

O circuito de Zandvoort tem 4.259 metros de extensão, com 14 curvas e uma característica única, que não está presente em mais nenhum circuito do calendário. As curvas 13 e 14 tem inclinações de 18 graus, trechos que lembram os ovais americanos, já que ele também é feito com pé no fundo.

Apesar de ser uma pista nova no calendário, praticamente todos os pilotos já correram nessa pista, inclusive alguns venceram por aí. Uma das principais corridas das categorias de base da F1 é o Masters de Formula 3, disputado desde 1991 no circuito holandês. Lewis Hamilton, Valtteri Bottas (duas vezes), Max Verstappen e Antonio Giovinazzi são alguns dos pilotos que já venceram neste tradicional evento.

Na Formula 1, Jim Clark é o maior vencedor, com quatro triunfos, e a Ferrari é a equipe que mais vezes chegou na frente em 30 anos disputados. Nelson Piquet é o único brasileiro a vencer nessa pista, em 1980.

Thiago
Por Thiago 30/08/2021 - 11:01Atualizado em 30/08/2021 - 14:33

Choveu em Spa. Choveu na sexta, no sábado e no domingo. Choveu tanto que ficou impossível de realizar uma corrida até às 19 horas.

Esse foi o final de semana da Formula 1, tão adiada por conta das condições climáticas que a direção de prova foi obrigada a encerrar a corrida com apenas uma volta dada. E ainda valeu pontuação pela metade: Verstappen venceu, com o impressionante George Russell em segundo (depois de ser um mago da chuva no treino de sábado) e Lewis Hamilton em terceiro.

Se não teve F1, teve Fórmula 3, ea pista molhada não deixou de comparecer em todas as três provas. O brasileiro Caio Collet deu um show de pilotagem, sendo um dos grandes destaques do final de semana. Na primeira corrida de sábado, fez uma ultrapassagem tripla na Eau Rouge para assumir o quinto lugar [vídeo abaixo]. Repare como estava apertadíssima a chuva em Spa-Francorchamps.

Infelizmente, uma direção de prova puniu o piloto com cinco segundos por ter tirado vantagem com os limites de pista. Na segunda corrida, fez uma bela ultrapassagem na largada e pulou para quarto, permanecendo por lá até o final, muito devido às diversas paradas pelo Safety Car.

Na corrida principal de domingo, foi o quarto, encerrando o final de semana como o terceiro maior pontuador da rodada. Caio Collet agora é o oitavo no campeonato e o segundo melhor estreante da Fórmula 3.

Thiago
Por Thiago 26/08/2021 - 09:36Atualizado em 26/08/2021 - 16:19

Esse final de semana, os carros de corrida mais badalados do mundo estarão no lendário circuito de Spa-Francorchamps, na Bélgica, para o retorno da Formula 1, depois de um mês de férias.

Uma pista de 7 mil metros de comprimento, a maior do calendário da F1, com 19 curvas, esteve na primeira temporada, em 1950, juntamente com Monza, Mônaco e Silverstone. Uma das pistas mais velozes e desafiadoras do mundo, Spa contem um trecho memorável nas curvas 3, 4 e 5, a famosa Eau Rouge. Um 'S' que o carro percorre a 300 km/h sem frear, com uma gigantesca subida e em seguida completar a curva 7 com mais uma reta enorme, chamada Kemmel. O nível de periculosidade é altíssimo.

Devido a isso, Spa-Francorchamps já teve acidentes fatais. O mais recente deles em 2019, na Formula 2, com o francês Anthoine Hubert. O acertou em cheio o muro depois de desviar de um acidente no tal trecho, e levar uma panca lateral de Juan Manuel Correa.

Michael Schumacher é o maior vencedor nesta pista, com seis vitórias, em seguida vem Ayrton Senna com cinco. Dos pilotos atuais, dois são os que mais se destacam, com Kimi Raikkonen e Lewis Hamilton somando quatro triunfos cada. A sensação do campeonato, Max Verstappen, nunca venceu na Bélgica, e deve chegar com a faca nos dentes, depois de duas corridas consecutivas sem poder completar uma volta por conta de acidentes envolvendo carros da Mercedes.

GP DA BÉLGICA

Sexta-feira (27/08) Treino livre 1 às 6:30 

Sexta-feira (27/08) Treino livre 2 às 10:00

Sábado (28/08) Treino livre 3 às 7:00

Sábado (28/08) Classificação a partir das 10:00

Domingo (29/08) GP da Bélgica às 10:00

Onde assistir: Band e BandSports

Thiago
Por Thiago 23/08/2021 - 11:16Atualizado em 23/08/2021 - 11:20

Final de semana histórico para o automobilismo com mais uma edição da famosa e tradicional 24 Horas de Le Mans, a maior prova do mundo. 65 carros e 186 pilotos em quatro classe de carros diferentes correndo a 300 km/h por um dia inteiro, sem praticamente nenhum tempinho para descansar.

Pelo quarto ano consecutivo, a Toyota conquistou a vitória geral, e dessa vez com dobradinha. Largando na pole position, o trio do carro #7 não teve perdão de seus adversários e liderou praticamente todas as 24 horas de prova. Já o #8 rodou três vezes nas primeiras voltas, quando era pilotado por Buemi, mas conseguiu se recuperar durante a corrida para levar o segundo lugar, mesmo estando duas voltas atrás do líder. Nas voltas finais, a Toyota chamou os dois carros para pararem simultaneamente e encerrar a corrida lado a lado, ao melhor estilo Ford 1966.

Dobradinha Toyota 2021
Trifeta da Ford GT em 1966

 

Um dos vencedores foi o argentino José Maria Lopez, que se tornou o segundo sul-americano a conquistar a coroa de Le Mans. O primeiro havia sido o também argentino José Froilan Gonzalez, em 1954.

Entre os brasileiros, André Negrão conquistou o terceiro lugar com sua Alpine e Felipe Fraga foi o segundo na classe GTE Am, que se envolveu em um acidente na madrugada quando liderava a prova.

Thiago
Por Thiago 20/08/2021 - 14:40Atualizado em 20/08/2021 - 15:23

Você sabia que um piloto de Criciúma já correu ao lado do postulante ao título da F1 Max Verstappen?

Jeff Giassi, piloto de simulador da Porsche, que chegou a conquistar um pódio na etapa do Endurance da Porsche Cup no final de semana passado, contou pra gente como foi sua experiência nas 24 horas de Spa-Francorchamps virtual, na qual correu pela equipe Red Line e foi parceiro de Verstappen e do alemão Gianni Vecchio, terminando na quinta colocação geral.

     

"O Max é um dos caras mais atenciosos e dedicados. Todos da equipe tem acesso à telemetria um do outro, que são os gráficos de pilotagem, é ali onde você analisa o que você pode melhorar, e a gente não só tinha acesso aos dados dele [Verstappen], como ele fazia questão de explicar. Onde estava melhor do que a gente, porque ele é o Max Verstappen (risos), ele explicava porque ele estava sendo mais rápido, o que ele estava fazendo, o que a gente podia fazer para melhorar. E em uma ou outra curva que alguém estava sendo melhor do que ele, ele tinha a humildade de estudar e trabalhar junto para ver o que podia evoluir", contou Jeff em entrevista ao @HoradeAcelerar.

Depois de uma semana em Interlagos, Giassi agora volta a se dedicar aos treinos no simulador, onde deve disputar a Porsche Cup Brasil virtual e em janeiro o campeonato mundial da Porsche eSports, onde compete desde 2020.

Thiago
Por Thiago 19/08/2021 - 11:19Atualizado em 19/08/2021 - 11:35

A Porsche Cup Brasil revelou em um evento em sua sede o novo carro para a temporada 2022: o Porsche 911 GT3 Cup - 992. O piloto criciumense André Gaidzinski esteve presente, acompanhado de sua namorada e chefe de equipe, Cintia Pieri, e trouxe detalhes do novo bólido.

Gaidzinski esteve presente no lançamento do 992 (Foto: Luca Bassani)

Lançado oficialmente na Alemanha em dezembro de 2020, o modelo tem câmbio sequencial de seis velocidades, sistema de troca de marcha 100% eletrônica, redução de 2,5kg do peso do sistema de troca de marchas, proporcionando maior precisão na mudança de marcha, além de maior velocidade e responsividade na alteração de marchas. Sobre o motor, o novo carro terá potência de 510 HP (25 a mais que na versão anterior) e um torque de 470 Nm.

"Ele é praticamente outro chassis, as rodas da frente são uma polegada mais larga. A suspensão dianteira deste carro chamou muito a atenção, porque são dois triângulos, não mais a suspensão McPherson, que é usado em carros de rua, isso dá muito mais estabilidade, o carro aponta muito melhor para fazer uma curva. Os faróis são de led, então dá até pra fazer corrida à noite", comentou Gaidzinski.

Cintia Pieiri, André Gaidzinski e Dener Pires, proprietário da categoria (Foto: Luca Bassani)

O 992 GT3 estreou este ano em algumas etapas do WEC, e esteve no campeonato alemão de GT, na Porsche Supercup e em alguns campeonatos regionais da Porsche, além de integrar o grid do DTM (campeonato de turismo alemão) para as próximas etapas.

Colaboração: Juliana Pamplona

Thiago
Por Thiago 16/08/2021 - 11:09Atualizado em 16/08/2021 - 11:13

A Porsche Cup esteve em Interlagos para a primeira etapa do campeonato de Endurance deste ano, que são as corridas de longa duração. E a equipe Farben, de Içara, esteve presente na prova que teve 300km de extensão, com o brasiliense Enzo Elias e o criciumense Jeff Giassi, a grande estrela do automobilismo virtual. A dupla conquistou o segundo lugar na classificação geral e ainda levaram a vitória na classe Trophy.

Foto: Luca Bassani

Largando de décimo, Enzo pulou para sexto na largada e entregou o carro em quinto, depois de ganhar a posição de Renan Pizii. No segundo stint, já com Jeff no comando, o carro #73 ultrapassou Werner Neugbauer e assumiu a quarta posição.

Vindo num bom ritmo, Giassi se aproximou de Thiago Camilo e disputou ferozmente a posição de pódio, até que o carro #7 de Dennis Dirani estaciona por problemas e em seguida o #1 de Camilo também fica lento na pista e é forçado a abandonar.

Já na segunda colocação, Enzo retomou o carro a um abismo de distância para o líder Guilherme Salas. Embora a vitória no geral ainda não tenha chego, a Farben venceu na classe Carrera Trophy e foi segundo na classe Sport, levando três troféus para casa.

“Estou muito feliz, demais. Os treinos foram bem difíceis, me adaptando com o carro. Não foi fácil e trabalhamos muito. Na tomada me achei um pouco melhor e depois de muito estudo e muita dedicação, inclusive horas e horas de análise de telemetria o esforço foi recompensado com essa performance muito boa na corrida”, comentou Giassi.

“Acho que nosso time mostrou o que tinha para mostrar na pista. Mostramos que estamos bem na categoria e no geral. Jeff foi muito bem e eu fiz o meu papel também. Somos concorrentes fortes no campeonato e isso ficou claro aqui hoje. Logo na largada conseguimos um grande posicionamento e daí para frente foi calculando o ritmo, diferença de tempo para os adversários etc. Foi muito difícil, pois num grid qualificado como este ficar entre os 5 primeiros o tempo todo é motivo de orgulho”, foi o que disse Enzo Elias.

Thiago
Por Thiago 12/08/2021 - 11:04Atualizado em 12/08/2021 - 11:14

No automobilismo de hoje muito se fala que o piloto tem cada vez menos influência no carro, já que as equipes, com seus engenheiros e vários computadores, tem muitos dados que são de extrema importância para atingir a melhor performance do carro, ajudado, claro, com o braço do piloto.

Esses dados é o que chamamos de telemetria, que são informações recebidas em tempo real através de diversos sensores que captam, além da velocidade bruta, temperatura, pressão, carga mecânica e aerodinâmica, aceleração, deslocamento, e mais diversos outros fatores. Na Formula 1, são centenas de sensores espalhados pelo carro, o que faz com que os membros das equipes saibam praticamente tudo o que está acontecendo dos boxes ou da fábrica, mesmo sem nem estar presentes numa corrida.

Na Stock Car, essa coleta de dados é um pouco diferente. Não existe de fato uma telemetria, que passa os dados em tempo real, por sinais de telefone, internet, etc., mas sim um Sistema de Aquisição de Dados, que são coletados por um cabo USB quando o carro está parado.

O @HoradeAcelerar conversou com o Tiago Cortez, engenheiro da equipe R.Mattheis, que explica tudo como funciona esse sistema. Confira o vídeo abaixo:

Thiago
Por Thiago 09/08/2021 - 20:03Atualizado em 09/08/2021 - 20:04
Foto: Instagram Aldoir Sette

Depois de conquistar a vitória no Velopark, o criciumense Bruno Smielevski, de 19 anos, fez mais um pódio no Império Endurance Brasil. Parceiro de Aldoir Sette, pilotando o carro MRX #7, a dupla fez uma boa participação nas 4 horas de Interlagos, pela categoria de protótipos P3.

Partindo de último lugar, após uma classificação atormentada por um problema na parte eletrônica do motor, Bruno fez uma excelente largada pulando para a liderança da categoria. Após aproximadamente 30 minutos de prova, uma das mangueiras do freio estourou e o piloto foi obrigado a fazer uma parada não planejada. "Ficamos 15 minutos parado e acabou nossa corrida", comentou Smielevski

Retornando na sexta colocação, a dupla teve que fazer uma prova de recuperação. Ultrapassou três carros para chegar em terceiro e conquistou mais um pódio para a equipe. "Fora o problema no freio, o nosso carro era o mais rápido na pista, era o que mais tinha ritmo".

O Endurance Brasil retorna mês que vem em Santa Cruz do Sul, mas Bruno deverá ficar de fora para se dedicar aos estudos.

Thiago
Por Thiago 06/08/2021 - 10:25Atualizado em 06/08/2021 - 10:57

Com a Formula 1 de férias, o final de semana contará com retorno da MotoGP, da Indy, Nascar e também a Stock Car voltando à Curitiba para uma segunda etapa consecutiva.

Uma das novidades da etapa brasileira será o traçado no anel externo do circuito paranaense, uma espécie de oval, que torna a pista uma das mais rápidas do Brasil, chegando a uma média de 185 km/h. Rubens Barrichello fará dupla com seu filho Dudu, numa homenagem de dia dos pais, e Pietro Fittipaldi fará sua estreia na categoria substituindo Tony Kanaan, que está nos Estados Unidos.

Foto: Duda Bairros/Vicar

Em contrapartida, os americanos, que são muito chegados nas pistas ovais, terão duas provas em traçados mistos. A Indy chega a Nashville e a Nascar em Watkins Glen. Enquanto a MotoGP fará uma rodada dupla na Áustria.

MOTOGP - GP ESTÍRIA

Sábado (07/08) - Classificação a partir das 9:10

Domingo (08/08) - GP Estíria às 9:00

Onde assistir: Fox Sports

STOCK CAR - CURITIBA

Sábado (07/08) - Classificação a partir das 14:00

Domingo (08/08) - Corrida 1 às 11:10

Domingo (08/08) - Corrida 2 às 11:48

Onde assistir: Band e SporTV

FORMULA INDY - NASHVILLE

Domingo (08/08) - GP de Nashville às 6:30

Onde assistir: TV Cultura

NASCAR - WATKINS GLEN

Sábado (07/08) - Corrida Truck Series às 13:30

Sábado (07/08) - Corrida Xfinity Series às 17:00

Domingo (08/08) - Corrida Cup Series às 16:00

Onde assistir: Fox Sports

Thiago
Por Thiago 02/08/2021 - 11:25Atualizado em 02/08/2021 - 11:27

O domingo começou em Hungaroring com um possível duelo entre Mercedes e Red Bull. Os alemães largavam na primeira fila com pneus médios e os austríacos logo atrás de macios, com a estratégia favorecendo mais a equipe de Max Verstappen.

Mas a chuva veio e mudou completamente a história deste GP que iria terminar o "primeiro turno" da temporada. Fazendo uma péssima largada, Bottas caiu de segundo para sexto, escorreu no asfalto molhado e fez um strike logo na primeira curva, que vitimou um terço do grid. Verstappen foi um dos afetados.

Créditos: Mark Sutton / Motorsport Images

Sobrando apenas 14 carros, a corrida recomeçou com pista seca. Todos os pilotos foram aos boxes para colocar pneus médios, com exceção de Lewis Hamilton que ficou parado para a formação do grid. Na volta seguinte, Lewis parou e assim retomou a corrida em último. Em uma pista muito difícil de ultrapassar, ficou preso atrás de Giovinazzi até colocar os pneus duros e assim iniciar seu show de ultrapassagens e voltas rápidas.

Verstappen, que ainda permanecia na corrida com um carro visivelmente avariado, ficou preso atrás de Ricciardo por praticamente 60 voltas e terminou apenas em 10º lugar. Já Hamilton conseguiu um pódio, e ainda dava para vencer a corrida, se não ficasse tanto tempo numa disputa com Fernando Alonso. A vitória foi para o francês Esteban Ocon, da Alpine, primeira vitória do piloto e da equipe na história, e Sebastian Vettel ficou com o segundo lugar.

Hamilton agora assume a liderança com 192 pontos, seis pontos à frente de Max Verstappen. A Formula 1 agora entra em férias e retorna apenas 29 de agosto no GP da Bélgica.

Thiago
Por Thiago 29/07/2021 - 14:10Atualizado em 29/07/2021 - 14:15

Esse final de semana inicia o segundo ato do grande embate do momento entre Lewis Hamilton e Max Verstappen. Depois de nove corridas marcadas por algumas disputas de pista, arrancada de Verstappen e perda de domínio da Mercedes, a Formula1 conheceu o primeiro ponto de virada dessa nova versão do filme Rush - que conta a história da rivalidade entre Niki Lauda e James Hunt.

Para quem não se lembra ou ainda não sabe da história, o enrosco entre os dois logo na primeira volta resultou num contato roda a roda, que tirou Max da prova. A batida foi bem forte e provocou revolta da Red Bull, que achou leve uma punição de dez segundos para Lewis. Hamilton venceu a prova e reduziu a distância, que era de 33 pontos, para apenas oito.

Hungaroring deverá ser o palco do início dessa segunda parte do campeonato. Hamilton é o maior vencedor nessa pista, são oito vitórias em 14 corridas disputadas. A Red Bull parece estar com um carro mais veloz, mas em uma pista com muitas curvas, a Mercedes pode se sobressair. Veremos o que o Grande Prêmio da Hungria nos reserva.

GP HUNGRIA - HUNGARORING

Sexta-feira - Treino Livre 1 às 6:30

Sexta-feira - Treino Livre 1 às 10:00

Sábado - Treino Livre 3 às 7:00

Sábado - Classificação às 10:00

Domingo - GP da Hungria às 10:00

Onde assistir: Band e BandSports

Thiago
Por Thiago 26/07/2021 - 15:32Atualizado em 26/07/2021 - 15:39

Em 2012, o Comitê Olímpico Internacional reconheceu a FIA como uma federação esportiva e incluiu o automobilismo como um esporte possivelmente olímpico, assim como o motociclismo. A cláusula que impedia que esportes à propulsão de motor fossem considerados olímpicos foi revogado em 2007.

Nas próprias olimpíadas de Londres, o automobilismo chegou a ser cogitado a ingressar nos jogos, mas o então presidente do COI, Jacques Rogge, afirmou que "o conceito que temos é que os Jogos são competições entre atletas e não equipamentos", que é uma discussão bastante válida.

Inclusive na própria Formula 1 se questiona o quanto de influência um piloto tem em proporção ao carro. Todos os atletas da categoria estão em um nível técnico altíssimo e deveriam competir de igual para igual, e não haver uma dominância tão discrepante.

Da mesma forma que esportes olímpicos também tem influência não-humanas, como os cavalos nos esportes equestres, as bicicletas no ciclismo, que podem ter variados conceitos aerodinâmicos, e os trenós do bobsled (jogos de inverno), que são praticamente carros sem motor, só usando a força da gravidade, mas que também entram na questão de equipamentos desenvolvidos para ter melhor aerodinâmica e um peso ideal para atingir a máxima velocidade de descida.

Outra situação que entra é a de o esporte ter sua própria força sozinha, sem nunca ter precisado do auxílio de um evento grandioso, assim como o futebol, que apenas atletas sub-23 participam. De um modo geral, não existe interesse dos grandes pilotos participarem de uma competição olímpica, visto que já estão muito consolidados no esporte e tem um alto índice de investimento de empresas do mundo inteiro.

Mas o principal fator que impede que tudo isso aconteça é a Carta Olímpica, que indica que a modalidade precisa ser praticada em pelo menos 75 países e quatro continentes diferentes, e mulheres de 40 países e três continentes. E não existe uma categoria específica que preencha todos estes requisitos, visto que cada competição tem um regulamento diferente, com regulações de carros distintos. Fora que também não existe muitas competições femininas, o que descartaria completamente a entrada do esporte nos jogos.

A única maneira de o esporte à motor se tornar parcialmente viável seriam com carros de modalidade única, como os de Formula 3 e F4, ou até mesmo migrar para o kartismo.

Lógico que para o amante da velocidade, seria interessantíssimo ver os grandes pilotos defenderem as cores de seu país. Já imaginou, por exemplo, Senna e Piquet representando o Brasil e disputando medalhas?

Thiago
Por Thiago 19/07/2021 - 13:42Atualizado em 19/07/2021 - 13:59

A Porsche Cup e a Copa Truck foram os grandes destaques do automobilismo nacional neste final de semana. E, claro, não pôde faltar nossos representantes da casa.

Em Interlagos, André Gaidzinski conquistou dois pódios em sua categoria, com dois quartos lugares – vale lembrar que o pódio na Porsche Cup é composto por cinco pilotos – além de ter largado na pole position na corrida de domingo.

Luca Bassani

Ele começou o sábado com uma batida forte no treino classificatório, mas ainda conseguiu fazer o 10º melhor tempo. E largando em primeiro no domingo, depois do grid invertido, se envolveu em um toque com Raijan Mascarello, que o levou para a oitava posição no geral.

“Infelizmente, participei de um acidente, o que me fez perder algumas posições. Poderia ter chegado mais para frente, mas nós temos que comemorar que pelo menos ficamos na pista depois do acidente que teve”, contou o criciumense. A surpresa, no entanto, foi que a vitória ficou com o ator da Globo Caio Castro, que vem em sua temporada de estreia na categoria.

Danilo Alamini, piloto da Copa Truck, disputou mais duas etapas no circuito de Cascavel. Ele levou dois troféus para casa, com um segundo lugar no sábado e um terceiro lugar no domingo, fazendo uma ótima corrida de recuperação depois de ter largado em último, por causa de uma batida na primeira corrida do dia.

“Estou muito feliz em conseguir novamente pegar um pódio e representar a minha cidade, o meu estado. Poderia ter levado mais um troféu pra casa, mas já está ótimo”, celebra Danilo.

A Equipe Farben, representada pelo piloto Enzo Elias, também teve seu momento de glória nesse domingo na Porsche Carrera Cup 4.0. Depois de ficar em sexto no sábado, ainda sofrendo de problemas no carro desde a etapa de Curitiba – quando se envolveu em toque com Pedro Aguiar -, Enzo conquistou o segundo lugar no domingo.

“A gente tinha um ritmo forte no começo, chegando no Werner [Neugebauer]. Mas na relargada ele teve vantagem e eu fui no instinto. Depois comecei a ter problemas com a traseira do carro, ficando bem solto. Felizmente consegui me defender e terminar em segundo, voltando a pontuar bem no campeonato”, conta o piloto como foi a corrida.

Thiago
Por Thiago 15/07/2021 - 12:00Atualizado em 15/07/2021 - 17:46

2022 será um ano diferente para a Formula 1. Isso porque o regulamento terá uma drástica mudança que deve criar uma nova era na categoria.

Na manhã desta quinta-feira, foi apresentado o conceito dos novos carros para o ano que vem, priorizando um alto corte de gastos e um modelo padronizado, algo próximo da Formula Indy.

A primeira novidade é o 'efeito solo'. Banido no início dos anos 2000 por questões de segurança, o sistema gera downforce na parte inferior do carro, dando estabilidade e a mais pura velocidade de um carro de Formula 1. Desta maneira, todos os outros artifícios criados para amenizar este efeito, como as asas e a estrutura lateral serão simplificadas.

 

 

Nota-se também que o bico e a asa dianteira não são as mesmas em todas as fotos, portanto as equipes poderão fazer algumas alterações na questão aerodinâmica.

Sobre a questão dos motores, que deve fazer a diferença para os carros do ano que vem, eles serão congelados até 2025, quando a configuração atual dos V6 Turbo Híbrido será substituído. Segundo o ex-engenheiro de motores da Renault, o brasileiro Rico Penteado, em entrevista ao site Motorsport.com, "2022 será muito importante para definir o campeonato dos próximos três. Quem ganhar em 2022 provavelmente vai ganhar 2023, 2024 e talvez 2025".

1 2 3 4