Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Samuel Alano
Por Samuel Alano 06/12/2017 - 01:50Atualizado em 06/12/2017 - 01:51

Com audiência muito baixa, a final do Masterchef Profissionais foi apenas mais um episódio da mesmice que os episódios anteriores trouxeram, porém com o glamour de uma final.

De novo sem mostrar o número de twitters, a Band mostra ao público que as coisas não foram muito bem nesta temporada.  

Francisco e Pablo cozinharam muito!!!  Realmente mostraram porque foram os finalistas. Com cardápios complexos e cheio de técnicas, os finalistas impressionaram a todos.  

A final do Masterchef é gravada em duas etapas. A prova é feita anteriormente, mas o resultado é ao vivo. 

Pablo em seu discurso, conta mais uma vez que foi um prazer ter um ex patrão como seu avaliador, e revela que também já passou alguns dias dentro da cozinha da outra jurada Paola Carosella, e ainda fala que tem vários amigos em comum com Henrique Fogaça. 

Francisco em seu depoimento final, apenas agradece pela oportunidade e em um desabafo fala que muitos falam que sua estrela Michelin não é sua mas sim do restaurante. E que com o prêmio Masterchef, ninguém poderá falar isso.  (Lembrando que a estrela Michelin é sim do Chef e não do restaurante) 

Já ao vivo, com a cozinha toda descaracterizada e cheia de cadeiras, todos estavam com os nervos à flor da pele pela ansiedade e tensão pré-resultado. 

Com discursos cheio de bajulação dos jurados, os finalistas chegaram às lágrimas. 

Sempre inovando com o patrocinador da divulgação do resultado, a Band revelou o ganhador para os telespectadores alguns segundos antes do que para quem estava nos estúdios. Através de uma rede social, uma espectadora redigiu o texto que revelou Pablo como ganhador do Masterchef Profissionais 2017. 

O ex funcionário de dois dos três jurados, leva pra casa o prêmio.

Com esse resultado, eu, Samuel Alano, confesso que perdi todo interesse pela versão brasileira do Masterchef, e não acompanharei mais com o mesmo entusiasmo que outrora tive. 

É claro que teve apadrinhamento! 

É inaceitável que um ex funcionário de dois dos três jurados seja participante do programa!!! É como se eu e minha mulher fôssemos avaliar nossas gatas num concurso de felinos.  Me arrisco a dizer que é como se fosse uma forma de nepotismo.  

Mas...   parabéns ao Pablo!!! Sucesso em sua nova trajetória apadrinhada!!! 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 30/11/2017 - 05:00Atualizado em 30/11/2017 - 05:10

É chegada a reta final do Masterchef Brasil Profissionais... 

Os semifinalistas: Francisco, Pablo e Irina tiveram que suar a dólmã pra chegar até aqui. 

Foram semanas duras e quentes, com pegadas de cozinha profissional, porém sob os olhares e avaliações de três jurados barra pesada. 

No episódio da última terça-feira, tiveram como primeira prova, o desafio de fazer um prato fotogênico. Tiveram que criar pratos pra serem fotografados por profissionais renomados.      

Pensando em pratos coloridos, os Chefs tiveram 1 hora pra criar seus pratos. 

Francisco, ainda sofrendo com as dores e bolhas da queimadura do episódio anterior, falou em seu depoimento que pensou em desistir da prova. 

Irina optou por dar o toque final de seu prato com flores comestíveis. 

Pablo, já foi no “safe-side” e ficou na sua zona de conforto. 

Ao final dos 60 minutos eles entregaram suas obras de arte para que os fotógrafos escolhessem o melhor, que teria vantagem na próxima prova.  

Mas...   como o Masterchef sempre tem suas pegadinhas... 

Sem saber qual prato foi o mais fotogênico, os três finalistas foram instruídos à fazer mais 7 pratos idênticos ao primeiro que foi apresentado aos fotógrafos, que seriam avaliados desta vez pelo sabor. 

Tiveram 90 minutos pra execução dos pratos.

O escolhido pelos fotógrafos teria 30 minutos a mais na prova de eliminação, e se fosse escolhido novamente pelo sabor, já estaria na final. 

Pablo se complicou com as 7 porções de peixe que grudaram na frigideira e se despedaçaram ao serem tirados. Porém ele conseguiu esconder o defeito. 

Francisco trouxe em seu prato a cozinha típica brasileira. Peixe namorado, com feijões e quiabo. 

Irina fez um combinado de camarão e abóbora com coentro e Jambú. Pecou em servir camarão cru para o jurado Fogaça. 

Já nos estúdios da BAND, foi revelado o ganhador do prato estética e do prato sabor. 

Irina teve seu prato escolhido pela beleza da fotografia que o prato trouxe, e Pablo foi escolhido pelo sabor. Ambos ganharam vantagens pela vitória, Irina 30 minutos e Pablo 15 minutos a mais na seguinte prova. Prova esta que confesso que deixa qualquer chefe um tanto temeroso. 

Um peru recheado com pato e frango. Nível alto de dificuldade, pois os pontos das carnes tem tempos de cocção diferentes, como também os temperos seriam diferentes.

Francisco teve 150 minutos, Pablo 165 minutos, e Irina 180 minutos. 

Todos conseguiram entregar seus pratos no tempo certo. 

Irina foi a primeira a ser avaliada, porém não agradou muito nas guarnições servidas e na acidez do molho que acompanhava. 

Francisco ao apresentar seu prato, fez Paola chorar de emoção. Foi um trabalho perfeito, sem margem alguma para críticas. 

Pablo deixou a pele do Peru passar do ponto e ficou com cores fortes que indicavam queimaduras. Servido com um molho de laranja e arroz, foi um trabalho equilibrado. 

Ao final das avaliações, o prato destaque da última prova de eliminação desta temporada foi descrito por Paola assim: 

“Perto da harmonia sublime de sabor, cores, texturas, elegância, conhecimento e técnicas”

Francisco mesmo tendo o menor tempo de prova, mostrou sua experiência de décadas, foi o melhor e garantiu sua vaga com maestria de veterano na final do Masterchef Profissionais Brasil 2017, deixando Irina e Pablo na briga pela última vaga.

Fogaça foi o encarregado de revelar o nome do eliminado da noite.  Quase que às lágrimas, o Chef hardcore falou da trajetória do dia dos Chefs que estavam na berlinda. Com muitos elogios, Irina deixa a competição, não por apresentar um prato ruim, mas por estar não tão bom quanto o prato de Pablo. 

Pablo, o mineiro e ex funcionário de um dos jurados, se uniu à Francisco no mezanino e ouviu o ex-patrão Jacquin revelar que Irina também já havia trabalhado pra ele. 

Daí eu me pergunto: “Será que é coincidência três conhecidos ex-funcionários de um dos jurados (Pablo, Ravi e Irina) estarem numa mesma competição, e serem avaliados pelo ex-patrão???” 

Está escrachado o protecionismo e a politicagem na seleção dos participantes do reality gastronômico da Band. 

Desde o primeiro episódio eu já tinha Francisco na minha lista Top5. Acertei desta vez!!! 

Torço por ele e sou totalmente contra que pessoas com vínculos com produção ou jurados possam participar da competição. 

Mas...   como disse Vin Diesel no filme velozes e furiosos: “THIS IS BRAZIL!!!” (Isso é Brasil) 

Corrupção até onde menos se espera. 

Lamentável!!! 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 22/11/2017 - 10:30Atualizado em 22/11/2017 - 10:31

Ainda surpreso com a repercussão do último post que atingiu mais de 13 mil acessos, mais uma vez venho fazer um breve resumo do Masterchef de ontem.

A primeira prova da noite foi um serviço para 30 pessoas sob a gerência da jurada Paola.  

Francisco, Pablo, Irina e Raissa tiveram ajuda dos ex participantes do Masterchef amadores 4. Vítor, Mirian, Fernando e Yuko, entraram novamente na cozinha mais famosa do Brasil pra ajudar os veteranos na preparação de um serviço de 30 convidados, e assim conseguir mais uma hora de fama. 

Foram 6 opções de pratos para os convidados.

Raissa foi quem mais uma vez se complicou na primeira prova. Desorientada e completamente sem foco, ela não deu conta da sua praça. 

Pablo se atrapalha ao fazer fogo nas churrasqueiras e se abalando início da prova, mas consegue contornar a má situação e acaba o serviço muito bem, tendo tempo ainda de ajudar Raissa. 

Francisco fica tranquilo nas massas, faz seu trabalho com maestria, mas recebe fortes críticas por não ajudar ninguém. 

Irina fica nas entradas e não consegue seguir as receitas de Paola. Mas no decorrer do serviço ela fez ajustes que foram muito benéficos. Tendo tempo também de ajudar Raissa no empratamento das sobremesas.

Ao final do serviço Francisco e Pablo tiveram os pratos mais elogiados, porém Pablo foi o melhor pelo seu trabalho em equipe, sagrando-se assim o primeiro semi-finalista desta temporada. Será que o fato dele ter sido funcionário de um dos jurados tem algo haver com sua classificação??? 

Raissa, Irina e Francisco foram para a eliminação, e tiveram que fazer “Lagosta Wellington”. 

Se fosse eu...   eu estaria na minha zona de conforto, pois trabalhei com o mestre do “Wellington”, Gordon Ramsay.  Perdi a conta das centenas de Wellingtons que fiz nestes 12 anos de cozinha. 

Por ser um prato com muitas técnicas precisas, acaba se tornando um prato dificílimo para quem não tem prática. 

Raissa apresentou seu prato cru e salgado. 

Irina inovou em colocar purê de banana na receita, mas seguiu na mesma estrada de Raissa. Cru e salgado também foi o resultado final. 

Francisco, decidiu fracionar seu Wellington em 3 partes para que o cozimento fosse mais rápido e uniforme. Deixou pra tirar do forno nos últimos segundos e queimou bastante os dedos ao tentar desenformar o Wellington. Porém se deu bem. Foi o melhor dos 3 e se juntou à Pablo no mezanino se tornando o segundo semi-finalista desta temporada. 

Com Irina e Raissa na berlinda, os jurados se reuniram para definir qual das duas seria eliminada da competição. 

Às lágrimas, os jurados e os Chefs entraram pro bloco final do episódio. 

Raissa deixou a competição! 

Não deu pra manter o protecionismo por muito tempo. Foram muitos erros grotescos da jovem Raissa.  

Porém vale relembrar aquilo que tenho dito nos posts anteriores: “Raissa é uma menina que sabe muito de cozinha, só não tem experiência ainda e precisa maturar seu conhecimento trabalhando com Chefs mais experientes”. 

Irina só se salvou pela inovação da receita, a banana deu um toque brasileiro ao prato.

Pablo, Francisco e Irina são os semi-finalistas da segunda edição do Masterchef Profissionais 2017.  

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 15/11/2017 - 23:40Atualizado em 16/11/2017 - 00:10

Hoje vou mudar meu jeito de comentar o Masterchef e vou ser um pouco mais crítico.  Se a cozinha Masterchef fosse a de um restaurante aberto ao público, eu não aconselharia ninguém a comer lá. A falta de higiene e bons modos é visível a cada episódio que passa.   

Cabelos longos soltos, dedos lambidos colocados  na comida, candidatos ao troféu tocam no cabelo e barba, e até limpam o suor e logo em seguida tocam na comida sem lavar as mãos.  

No episódio da última terça-feira houve até carne derrubada no chão. Mas o que me deixou em choque foi o fato da carne ser pega do chão e colocada dentro do recipiente com os outros cortes que seriam utilizados. É sério isso? Pode isso Arnaldo?

Irina a feitora da lambança nem foi repreendida pelos jurados que viram o ocorrido e não falaram nada.

Está na hora da Band rever os conceitos usados na hora da seleção dos candidatos. 

Se são profissionais, então que coloquem Profissionais que atuem como profissionais!!! 

Os Top5 ainda no programa, Francisco, Pablo, Irina, Raissa e Lubyanka, tem que fazer por merecer as participações no programa. 

Há rumores de uma total reestruturação do programa pra próxima temporada. “Tomara!!!” 

O episódio de ontem teve carne de avestruz como protagonista do prato da primeira prova. Mas a pegadinha eram as  várias combinações de técnicas de cozimento que foram usadas. Irina foi a encarregada de escolher os métodos que cada chef usaria para cozer o avestruz.   

Farpas rolaram nos comentários sobre as escolhas de Irina. Os jurados comentaram que esta prova seria a prova que iria separar os adultos das crianças. 

Com apenas uma hora de prova, os cinco remanescentes correram para entregar seus pratos, e ao final do tempo, Pablo foi o primeiro a ser chamado pra apresentar seu prato com polenta defumada e um grelhado da carne, Pablo dividiu a opinião dos jurados, mas foi bem elogiado. 

Raissa, a até então queridinha dos jurados, teve legumes cozidos no sou-vide e assados na brasa, a carne também foi assada na brasa.  Colocando a carne e legumes na brasa, ela não tomou o cuidado proteger o alimento pra evitar a contaminação com o carvão.  Desta vez ela foi fortemente criticada por Paola. “Amém por isso”. Paola falou que sua comida estava completamente sem sabor.

Francisco fez a carne abraseada e os vegetais sou-vide.  Foi criticado por Jacquin e Fogaça.

Irina fez a carne recheada com bacon, e legumes salteados na manteiga de garrafa.  Cheia de explicações pra justificar a bagunça do prato com muitos ingredientes, teve o prato elogiado, mas levou puxão de orelha pelo excesso. 

Lubyanka teve o defumado e o assado como formas de cozimento. Fez um saltinboca  e foi elogiada e criticada. Idéia boa porém mal executada. 

Com Pablo, Lubyanka e Irina como melhores da prova, apenas Pablo subiu ao mezanino por ser o melhor dos três.

Francisco e Raissa, tiveram desvantagem pra próxima prova pois foram os piores da prova anterior. 

A prova seguinte foi de reprodução. 

Tiveram que reproduzir um prato do chef Luca Gozzani, o prato era uma pasta chamada “Farfalle com camarão e bottarga”.

Sem muitas dicas, Gozzani apenas fala alguns ingredientes e deixa eles provarem. 

Aparentemente dificílimo, o prato aproxima os chefes num grupo pra discutir possíveis técnicas. 

Francisco e Raissa não puderam usar o cilindro pra abrir a massa como punição. 

Sem exceção, todos os Chefs estavam em pânico com a prova. Foi como compará-los à um motorista vendado dirigindo contra-mão numa avenida movimentada. 

Ao final dos 60 minutos eles pareciam aliviados, mas temerosos por possíveis desastres.

Irina ao entregar seu prato confessou que estava um tanto abalada e desorganizada. Fogaça citou e excesso de sal e Paola a falta de acidez.  Teve a apresentação elogiada, mas a execução questionada.

Raissa foi bajulada antes mesmo de ter seu prato provado. Usou creme de leite e não devia, e com a massa um pouco crua, ainda foi elogiada principalmente por Paola. 

Lubyanka achou difícil, e pouco tempo de prova, porém entregou seu prato.  Com falta de sal e com a massa passada, Luby saiu decepcionada com sua performance. 

Francisco, como os outros, achou o desafio dificílimo, e com o agravante de de ser alérgico à camarão teve sua desvantagem aumentada.  Jacquin elogiou o ponto da massa, Fogaça e Paola também elogiaram o prato, só reclamaram a falta de pistache no prato. 

Chef Luca Guzzati, depois de uma breve conversa com os jurados, elegeu Raissa como melhor da prova. Eu confesso que achei a escolha muito tendenciosa pois usou ingredientes que não eram pra serem usados.

Já no restaurante Masterchef, os jurados decidiram quem seria o eliminado. 

Paola foi a oradora. Com Irina, Francisco e Lubyanka na berlinda, a Jurada Paola foi discreta em seus comentários e soube disfarçar a decisão que ao meu ver foi tendenciosa e protecionista.  Não entendo a falsidade de alguém que te elogia e logo após te esculacha, ou te põe no lixo e depois te exalta como rei ou rainha.

Irina foi a próxima a se livrar da berlinda, deixando Francisco e Lubyanka em maus lençóis.

Muito estranho... pois Francisco foi super elogiado na hora da degustação. E após os comentários finais de Paola,

Lubyanka deixa a prova pela massa passada e insossa. Às lágrimas, ela deixa a prova agradecendo a oportunidade e reclamando da saudade da família que está em João Pessoa.

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 08/11/2017 - 02:00Atualizado em 08/11/2017 - 03:54

Como de costume... a edição de ontem do Masterchef começou com 15 minutos de atraso. Será que é coincidência o programa começar só após o término da novela na Globo? 

Mais uma vez sem colocar a contagem dos tweets no canto superior da tela, a produção assume que a audiência vai decrescendo semana após semana. 

 Os seis remanescentes “tremeram na base”, ao saber que a primeira prova seria dentro do restaurante do jurado Fogaça. 

Com todos trabalhando num mesmo time, os seis foram divididos em três grupos, sendo Irina e Lubyanka nas entradas, Pablo e Francisco nos principais, e Raissa e Monique nas sobremesas. 

A Correria foi grande! 

Com Fogaça no comando, os chefs no início pareciam um tanto rudes uns com os outros, mas aos poucos foram se acertando. 

O compromisso era de cozinhar pra 50 convidados que teriam a opção de 6 pratos no total. 

Foi o melhor trabalho em equipe de até agora. Só a sobremesa que teve problemas na execução do sorvete e do brigadeiro. 

Já na cozinha Masterchef, os jurados revelam os destaques positivos e os negativos. 

Francisco e Pablo foram muito elogiados pela excelente performance e sabor nos pratos principais, por isso subiram ao mezanino, livrando-se da prova de eliminação e garantindo-se nos Top5. 

Com quatro mulheres na berlinda, a prova era de invenção.  Dubai foi o tema. 

Uma bandeja com 43 ingredientes do Oriente Médio foi apresentada às quatro Chefs. 

Foco seria fundamental pra garantir a permanência na competição. Muitos ingredientes podem complicar a vida de qualquer Chef. 

Com liberdade pra cozinhar aquilo que quisessem com os 43 ingredientes, pratos salgados e doces começaram a ser elaborados. 

Raissa se complica em seu primeiro plano depois de 35 minutos de prova, sendo que a prova tinha apenas uma hora de duração. 

Lubyanka, muito insegura, não se cansa de pedir conselhos aos imunes da eliminação. 

Monique se complica ao abrir a panela de pressão, e pede ajuda para Fogaça. 

Irina, a mais focada na prova, está bem confiante. 

Ao final dos 60 minutos de prova, todas entregaram seus pratos sem muito estresse. 

Com um filé de cordeiro com purê de berinjela, e farofa de quiabo, Lubyanka é a primeira a ser chamada.  Não foi muito elogiada pois o purê estava ácido pelo excesso de vinagre. 

Monique optou por servir pernil de cabrito ensopado com curry, servido também com purê de berinjela, e milho verde. Salgado, gorduroso e duro foram as falhas de seu prato.  

Irina, serviu filé cordeiro sobre um refogado de legumes com bastantes especiarias. Embora Fogaça tenha falado que o prato estava um pouco salgado, o prato de Irina foi bem elogiado pelos três jurados. 

Raissa, temerosa e insegura com seu prato, é a última a ser avaliada. A única que fez doce, usou cabelo de anjo, com romãs e figos frescos. Até que não ficou ruim como plano B feito em 25 minutos. Sendo a queridinha dos jurados, não poderia ser diferente das edições anteriores, foi elogiada por todos. (Pra mim, é protecionismo escrachado)

Já na pequena reunião que os jurados fazem antes de anunciar o eliminado, eles não precisaram de muito tempo pra chegar ao veredicto. 

Já sabido, previamente pelo protecionismo explícito dos jurados, Raissa foi escolhida como a melhor. (Deixando claro que, ao meu ver, ela foi a melhor das piores, pois se fosse realmente a melhor, ela estaria no mezanino desde o início da prova). 

Irina foi eleita a segunda melhor, e assim, subiram as duas ao mezanino com Pablo e Francisco. 

Lubyanka e Monique foram eleitas as piores cozinheiras do episódio, mas Monique foi a eliminada pelo excesso de sal em seu ensopado, deixando Lubyanka aliviada por estar também nos Top5 do Masterchef Profissionais 2017.

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 06/11/2017 - 17:00Atualizado em 06/11/2017 - 17:08

Quem não lembra de Anton Ego??? O crítico gastronômico do famoso desenho "Ratatouille".

Ele era terrível em suas críticas, mas o fazia, pelo amor que tinha por um bom prato, e sempre se rendia ao bom sabor.

A função de um crítico gastronômico é basicamente a de avaliar sabores, texturas, cheiros, a apresentação do ambiente e a forma como é possível saborear o alimento em um determinado restaurante.

Os comentários não são apenas baseados na comida, mas voltados, também, à atmosfera, ao conhecimento dos funcionários, à velocidade do serviço, à educação, ao atendimento e às impressões gerais que se tem do local.

Não é tarefa fácil, e não necessariamente o crítico será adorado por todos os representantes e funcionários dos locais visitados. Entretanto, com uma avaliação justa, imporá respeito, além de ter o trabalho considerado como de boa qualidade, assim melhora o atendimento prestado pelos restaurantes.

TODOS NÓS PODEMOS SER CRÍTICOS GASTRONÔMICOS, fazendo isso, melhoraremos consideravelmente o serviço prestado.

A satisfação do cliente pode decidir o futuro do restaurante.

A nossa busca constante por um lugar em que se possa ter uma refeição agradável nunca pára. Mas será que existe este lugar?

Cardápio agradável, fácil localização, limpo, com funcionários simpáticos e prestativos, preço que caiba em qualquer bolso, com estacionamento e seguro, são agumas das coisas que procuramos quando vamos sair de casa pra comer.

É uma busca sem fim, pois mesmo sendo clientes fiéis em determinados estabelecimentos, nós sempre continuamos a buscar por algo que nos impressione.

Enfim chegou a hora de contar as experiências que estou tendo nos restaurantes da região. Muitas delas, superaram todas as expectativas, mas algumas deixam MUITO a desejar.

Houve locais em que jantei e tive tratamento superior até mesmo se comparado aos muitos restaurantes internacionais que frequentei. Com cardápios bem harmonizados dando ênfase às técnicas peculiares usadas pelos chefs da casa onde eu pude perceber grandes talentos escondidos nas cozinhas da região.

Mas também teve um estabelecimento em que tive que esperar 55 minutos por um pedido e ainda recebi um produto vencido há 27 dias. Isso mesmo!!! produto servido ao cliente vencido há quase um mês.

“Creio que está na hora dos restaurantes terem um pouco mais de respeito pelos clientes” 

Nas visitas que farei para avaliar os estabelecimentos, eu usarei minha experiência de 12 anos dentro da gastronomia, e usarei como base, apenas sete, dos inúmeros princípios que poderiam ser usados. Sendo eles:

1- Atendimento

2- Cardápio

3- Higiene da mesa e local

4- Tempo de espera pelo pedido

5- Avaliação do pedido (harmonização dos ingredientes, empratamento, textura, cheiro, sabor e a sensação sentida na degustação)

6- Feedback da casa ao meu pedido

7- Custo/benefício = Preço final

Espero poder divulgar apenas bom resultados e boas notas. As notas serão o resultado do conjunto de quesitos avaliados, e serão de 0 à 10. E dependendo da nota divulgada, você, amante da boa comida assim como eu, poderá escolher o melhor local para uma refeição agradável.

 

 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 01/11/2017 - 06:30Atualizado em 01/11/2017 - 09:42

Mais do mesmo!!!  Assim foi a edição de ontem do Masterchef Profissionais. 

Novamente sem a contagem dos tweets, a Band luta pra melhorar a audiência do programa que vem caindo vertiginosamente episódio após episódio, porém sem sucesso.

A primeira prova da noite foi de cozinha molecular, que pra mim, não é cozinha então me abstenho de comentários.     

Irina e Pablo foram destaques positivos e foram pro mezanino, já Francisco, Ravi, Raissa, Monique e Lubyanka foram pra prova temida da noite que foi “Ensopados”.   

Lubyanka, a primeira a ser chamada arrancou elogios dos três jurados.

Francisco fez um caldo grosso e colocou frutos do mar sobre o caldo. Pecou na falta de caldo, mas foi elogiado pelo sabor. 

Raissa, a queridinha dos jurados, optou por fazer um caldo que lembrasse uma moqueca capixaba. Caldo forte com peixe, servido com farofa e salada. Elogiada, mas nem tanto, ela continuou sendo bajulada principalmente por Paola. 

Ravi, iniciou a prova um tanto desconcentrado, mas após provar seu caldo, ficou super confiante e terminou bem antes do tempo. E é esse tempo ocioso que faz cozinheiros pecarem por excesso. Ravi então usou esse tempo pra enfeitar seu prato com vários ingredientes desnecessários. Não recebeu elogios de nenhum dos jurados e saiu contrariando as críticas. 

Monique fez uma feijoada do mar. Muito semelhante ao cassoulet, os jurados, um a um provam calados. Mas... na hora dos comentários, foram só elogios.  

Difícil foi a decisão do trio de jurados. Sendo a prova do ensopado, alguns dos Chefs fizeram caldos grossos mas com muito sabor. 

Raissa, Lubyanka e Monique, mesmo com menos tempo de prova pois foram punidas pelo pobre desempenho na prova anterior, foram as melhores. 

Lubyanka foi a melhor das melhores, e subiu com as amigas pro mezanino pra acompanhar Pablo e Irina. 

Francisco e Ravi com os pratos que não agradaram tanto os jurados foram para a berlinda. Francisco pelo caldo que parecia um pirão, e Ravi pelo caldo ralo e gorduroso. 

Jacquin foi o encarregado de falar quem seria eliminado.  Emocionado ao falar da trajetória de até agora dos dois na competição, Jacquin destaca os momentos importantes dos Chefs. 

Tensão e expectativa eram palpáveis na Cozinha mais comentada do Brasil.  

Ravi deixou a competição às lágrimas.  Paola confessa que queria ver Ravi na final, e Jacquin o acompanha até a porta. 

Eu particularmente cria que Ravi seria um dos top3 e fiquei triste com sua eliminação.

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 27/10/2017 - 11:50Atualizado em 27/10/2017 - 11:50

 

Quer que eu cozinhe em sua casa, pra você e mais 3 convidados, sem você ter que gastar nada?????
Então participe da promoção!!!

Regras: 
(Somente Criciúma e arredores)
1- curta a pagina SAMUEL ALANO CHEF  no Facebook usando o link abaixo
2- compartilhe o post da promoção em sua timeline 
3- mencione 3 amigos nos comentários do post, e eles também PRECISAM CURTIR a página pra que você esteja apto a concorrer
4- siga o meu perfil @SAMUELALANOCHEF no Instagram usando o link abaixo

Sorteio será realizado sexta-feira, 01/12/17 e a janta será na segunda semana de dezembro.

https://www.facebook.com/samuelalanochef/

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 25/10/2017 - 07:45Atualizado em 25/10/2017 - 10:58

Semana com duelo de grupos, tendo Pablo como líder da equipe vermelha, e Francisco como líder da equipe azul. 

Com a missão de cozinhar para o elenco e equipe de produção do “Musical Les Miserables”, as equipes sentiram na pele a pressão da cozinha profissional, porém sem comando nem controle na equipe vermelha. A insubordinação foi visível!!!  

Já no salão, as opiniões dos convidados foram bem divididas.   

Os jurados foram brandos nas considerações de antes da revelação da equipe vencedora, e mesmo com a bagunça, a equipe de Pablo, Ravi, Lubyanka e Monique, venceu de lavada.  

Já na eliminação, Francisco, Raissa, Clécio e Irina, tiveram que cozinhar um doce  típico do leste europeu. 

“Dobos Cake” um bolo típico da Hungria, foi o vilão dos que estavam na berlinda. 

Por ser um prato que é muito técnico e onde a repetição leva à perfeição, todos os chefes estavam no mesmo nível pois nenhum deles conhecia o prato. 

Baseado em creme de manteiga sabor chocolate, caramelo e pão-de-ló, os chefes não tiveram mercado pois os ingredientes já estavam nas bancadas.

Por não saber fazer caramelo, Irina se complicou no início, e também teve que refazer seu creme de manteiga pois usou o açúcar errado na primeira tentativa. 

Já Francisco estava confiante por ter vasta experiência em confeitaria. 

Clécio e Raissa estavam um tanto preocupados por não ter leite na bancada.

Ao final das duas horas de prova,  todos os chefes conseguiram entregar seus trabalhos.  

Irina, a primeira a ser avaliada, mesmo com o pânico no início da prova, foi bastante elogiada.

Raissa, mesmo confiante, se perdeu na apresentação do seu bolo, e teve seu prato fortemente criticado em estética e teve o trabalho comparado à um vazamento de óleo em um prato.

Clécio teve elogios pela execução e apresentação, mas levou puxão de orelha por adoçar de mais seu bolo e também pelo fato do pão-de-ló estar seco.

Francisco teve elogios por dar um toque de limão ao seu creme de manteiga, mas foi criticado por adicionar mel deixando o bolo muito doce.  

Os jurados foram decidir quem seria o destaque positivo e assim também decidir a pessoa que seria eliminada. 

Ao voltar, os jurados anunciaram Irina como destaque da prova, e... “deram mais um tiro no pé”!!! 

Anunciaram Raissa também como destaque positivo e pediram pra que ela acompanhasse Irina ao mezanino. 

“””Como assim???”””  Esculacham o prato dela e a livram da eliminação deixando dois pratos que foram elogiados na berlinda???  

Eu, pela experiência que tenho, mais uma vez pude confirmar que é um programa de cartas marcadas. 

Francisco e Clécio sendo os destaques negativos da prova, ficaram à espera de ouvir o nome do eliminado.

Francisco, o paizão e veterano da competição suspirou aliviado mas insatisfeito com sua performance numa prova onde ele era o mais experiente e deveria ser destaque positivo.

Clécio, eliminado, deixa a competição abalado, mas feliz por saber que vai voltar ao convívio familiar, mas agora com experiência Masterchef.  

Logo após o término do episódio, as redes sociais bombaram com os comentários que na grande maioria foram em favor de Clécio que fora eliminado.  Embora  Clécio não era o candidato mais amado pelos internautas, e sempre muito criticado por sua atitude de sempre bajular os jurados, ele desta vez pagou uma conta que não era sua.  

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 23/10/2017 - 12:35Atualizado em 23/10/2017 - 12:40

Você é aquilo que você come!

Melhore seu humor!

Sabendo escolher os alimentos, você favorece a produção de substâncias que transmitem serotonina, dopamina, noradrenalina e acetilcolina.

Todas estas substancias são responsáveis pelos sentimentos bons que podemos ter, como o bem-estar, a alegria e a felicidade.

 

Banana (madura)

Apesar de ter alto teor de frutose que é o açúcar da fruta, a banana contém carboidrato e vitamina B6, ambas substâncias que auxiliam o humor. A banana é excelente para a redução da ansiedade e pode trazer boas noites de sono.

 

Ovos

Rico em niacina, colina e tiamina que são vitaminas do complexo B, o ovo é a opção indicada para a manutenção e desenvolvimento da memória, sendo também responsável pela boa coordenação motora e funções cognitivas. Traz felicidade e bem-estar.

 

Peixes e Frutos do mar

Grande fonte de minerais indispensáveis para a boa atividade cerebral, ricos em selênio e zinco, os frutos do mar beneficiam o bom-humor e combatem ansiedade, fadiga e cansaço.

 

Jabuticaba

Com alta dose de vitamina C e rica em vitamina B, a jabuticaba combate ao estresse e previne a fadiga colaborando para as defesas do nosso corpo.

 

Chocolate amargo (70%)

Poderoso antioxidante, o chocolate é rico em manganês zinco, cobre e magnésio, tendo também tirosina que estimula a produção de serotonina, dopamina e endorfina, responsáveis pelo bem-estar e relaxamento.

 

Leite

Também com poderes relaxantes, o leite possui triptofano que estimula a serotonina. Rico em cálcio, o leite dá resistência óssea e tem outros benefícios como: pele mais suave, sistema imunológico mais forte, prevenção de doenças como a hipertensão, cárie dental, desidratação, problemas respiratórios, obesidade, osteoporose e até mesmo algumas formas de câncer.

 

Pimentas

Contendo capsaicina que é responsável pela sensação de ardência, as pimentas fazem com que o cérebro produza mais endorfina responsável pela euforia. As melhores para o humor são: pimenta-de-cheiro, a vermelha e a malagueta.

 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 18/10/2017 - 06:00

Os oito eliminados nos episódios anteriores voltaram à cozinha Masterchef pra tentar em três provas uma nova chance de permanência no programa. 

Com “foie -gras” na primeira etapa, os chefs tiveram como de costume, os 3 minutos de mercado e 20 minutos pra finalizar o prato com o caro e delicado ingrediente. 

Com todos os nervos à flor da pele, os candidatos a volta não viram o tempo passar e quase não entregaram seus trabalhos.

Com um candidato que não sabia o que era sagu, e outros que se perderam na escolha dos ingredientes do prato, teve Chefs que serviram até comida crua! 

Três Chefs foram eliminados nessa primeira etapa do “foie -gras”. 

A segunda etapa foi com os mesmos tempos, mas a proteína escolhida desta vez foi o filé mignon.  

Os cinco chefs foram satisfatoriamente bem, afinal, tendo filé mignon como ingrediente, tudo fica mais fácil.

Só que não!!!   

Alguns não fizeram jus ao uso da dólmã profissional, e deixaram bastante a desejar. 

Com mais tres eliminados com seus pífios filés, os dois últimos candidatos à volta foram para o que seria como uma final, tendo como prêmio, a volta para a competição. 

Tema livre! 

Guilherme e Willian puderam cozinhar o que quiseram.  

E na batalha entre o Pato com risoto e o Carré de vitela, Guilherme com seu pato com risoto voltou para a competição, direto já pra maior prova de eliminação de todas as temporadas. 

Todos os participantes participaram da prova que era de reinvenção da cozinha oriental. 

“Pad Thai” foi o prato escolhido.  

Com características destintas num só prato, sendo doce, salgado, amargo e picante, com certeza é um prato dificílimo e cheio de técnicas. 

Foi difícil, mas todos concluíram a prova satisfeitos com seus trabalhos. 

Mas poucos souberam como recriar o prato asiático. 

Francisco, o veterano, foi o destaque positivo da prova, levando consigo para o mezanino: Irina, Ravi e Pablo que também tiveram seus pratos bastante elogiados pelos jurados. 

Guilherme que acabara de voltar após a repescagem, Raissa e Lubyanka foram os piores da noite e ficaram na berlinda prestes a terem que ouvir um nome que seria eliminado.   

E por não ter feito a releitura asiática, Guilherme mal esquentou o seu umbigo nos fogões da cozinha Masterchef e foi eliminado pela segunda vez na competição, logo após sua reentrada.  

Com arrogância, ele que servira fígado de boi cru aos jurados em sua primeira eliminação, reclamou, discordando mais uma vez da avaliação dos jurados.

E assim, sem muitas novidades, acabou mais um episódio do Masterchef, deixando a desejar em audiência e dinâmica.

 

 

 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 11/10/2017 - 07:30Atualizado em 11/10/2017 - 15:17

 

Quarta-feira...  dia de resenha Masterchef. 

Mais uma vez, a produção do programa optou por não divulgar o descenso da audiência e não mostrou o número dos tweets, que na semana passada foi vergonhoso.  

A primeira prova do episódio de ontem foi de limpar e preparar 3 peixes que foram: Salmão, linguado e tamboril.  

Os 20 minutos para completar a tarefa, realmente foi pouco tempo, mas os 9 participantes divididos em 3 grupos, fizeram o manuseio dos peixes com maestria. 

Após o preparo dos 3 peixes, a equipe de Clécio, Francisco e Irina foi a vencedora da primeira de quatro etapas. 

Na segunda etapa as equipes tiveram mais 20 minutos pra apresentar o linguado, e servir à altura de um prato Masterchef. E novamente quem levou a melhor foi a equipe de Clécio, que acumulou 2 dos 4 pontos do dia. 

Com mais 20 minutos de prova pra fazer o tamboril com molho, as equipes que ainda não pontuaram deram seu máximo para evitar o terceiro ponto e vitória da equipe de Clécio.  

Deu certo o esforço extra, pois a equipe de Monique, Lubyanka e Angélica ganharam a terceira etapa. 

Com mais 20 minutos pra fazer o salmão unilateral (cozido pela pele, tendo três pontos de cocção) a equipe de Clécio empatou com a equipe de Monique e lacrou a quarta etapa chegando a 3 pontos dos 4 disputados e sagrou-se campeã da prova. 

Com 6 chefs na berlinda da prova de eliminação, podendo fazer o prato que quisessem, eles já foram mais soltos para a prova. Porém sempre tem pegadinha. A equipe vencedora da prova anterior teve que escolher as especiarias que seriam obrigatórias no prato dos Chefs da prova. 

Entre doces e salgados, os chefes correram no tempo de uma hora de prova. 

Com pratos bem interessantes e que desta vez surpreenderam positivamente,  o prato que se destacou na prova foi o de Pablo que fez um arroz doce com frutas vermelhas, queijo de cabra e pimenta preta. 

E o prato eliminado foi o “menos melhor” pois todos foram bons. 

Com a cabeça erguida, mas muito triste, Angélica deixa a competição aos prantos. 

Sem dúvida, este foi o melhor episódio desta temporada. Os chefs mostraram técnica e habilidade em toda a prova. 

O próximo episódio terá a tão sonhada repescagem, onde um dos até agora oito eliminados poderá voltar à competição. (Eu particularmente torço por Mirna) 

Que volte o melhor!!! E que esta temporada tenha um pouco mais de “TOMPERO”.  

(Jurado frances Jacquin não consegue pronunciar a palavra tempero) 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 09/10/2017 - 13:00

Controverso né? Ouvir de um chef com 12 anos de experiência internacional ainda apaixonado pela profissão, o conselho de não seguir carreira no ramo gastronômico, é sem dúvida um tanto estranho.

Mas é a mais pura verdade!

Engana-se quem pensa que qualquer pessoa pode trabalhar em harmonia dentro de uma cozinha profissional.

Se você está disposto a sacrificar todo e qualquer luxo de uma vida normal, então você já pode se considerar um candidato, pois cozinha profissional é para os fortes.

Sabe aquele ditado: “Sangue, suor e lágrimas”? pois é! Acho que foi criado por um chef.

Convívio social, família, colocar os filhos para dormir, amigos, diversão, natal, páscoa, feriados e datas especiais pra você, são apenas algumas das coisas que você pode tirar da sua vida, pois você sempre estará dentro da cozinha se cortando, queimando e falando palavrões que nunca falaria na frente de sua mãe.

Está equivocado aquele que também pensa que cozinheiro come bem. Sem horário fixo para as refeições, o cozinheiro passa o dia inteiro apenas na base do café e petiscos, e quase nunca senta pra comer, e assim acaba por prejudicar sua saúde e seu senso de humor que na maioria das vezes é zero.

Já ouviu a frase: “Não confie num cozinheiro magro”? É realidade no ramo, mas não por causa da boa e regrada alimentação...   É sim pela vida completamente desregrada que os cozinheiros levam, fazendo assim que o corpo pague o preço.

Diabetes, alto colesterol, níveis absurdos de tireoide e hipertensão são algumas das doenças crônicas de um cozinheiro profissional.

Não estou falando dos cozinheiros dos finais de semana. Falo daqueles que passam no mínimo de 12 a 16 horas dentro da cozinha, 6 ou as vezes 7 dias por semana.

Em Londres, meu recorde de horas dentro de uma cozinha foi de 31 horas. Foi em 2012, nas olimpíadas de Londres. Naquela semana eu fiz 120 horas. Foi muito duro, mas eu faria tudo novamente. O faria porque me considero um dos poucos apaixonados pela gastronomia. Meu maior pagamento é ver o sorriso que o cliente dá logo após a primeira garfada.

Tudo isso que mencionei acima, é a mais pura verdade! Só permanece no ramo gastronômico aqueles que amam a profissão e estão dispostos a sacrificar suas vidas em favor da boa gastronomia.

Só permanece no ramo, aquele que se entrega por inteiro à profissão.

O índice de divórcios na gastronomia é bem maior de que em qualquer outra profissão.

Álcool, cigarro, jogatina e drogas ilícitas são o escape que a grande maioria toma para fugir de depressões causadas pelo estresse do ramo gastronômico.

Chef Marco Pierre White, meu ídolo na gastronomia

Graças a Deus, o único vício que adquiri foi o do café, mas já passei por divórcio e tive minha vida social resumida a nada. 

Sem fumar ou beber exageradamente, eu me orgulho em dizer que nunca experimentei nenhum tipo de droga ilícita, mesmo convivendo e trabalhando com dependentes. E espero continuar assim até nao poder fisica e ativamente entrar numa cozinha profissional.

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 04/10/2017 - 06:30

 

O 5º episódio da 2ª temporada Masterchef profissionais exibido ontem começou como de costume muito atrasado.  Anunciado para começar às 22:30hs, nunca cumpriu o horário, e no episódio de ontem começou às 22:50hs.  

A primeira prova de ontem foi cozinhar “comida de boteco” para 80 pessoas divididas em dois grupos assim como os Chefs, que foram divididos em dois times para a batalha entre equipes.  

Raissa, a queridinha desta edição, perdeu o controle da equipe que liderava. Talvez por falta de experiência. 

Já Francisco, experiente, comandou a outra equipe com pulso e maestria, terminando de servir as primeiras 40 pessoas muito antes da equipe da Raissa. 

Assim que começou a segunda leva de almoços, Ravi que estava na equipe da Raissa tomou as rédeas da líder e deu um pouco mais de rumo à equipe.  

Se analizar a organização da cozinha, a equipe de Francisco deu um show. 

Mas... quem decidiu a equipe vencedora foram os 80 clientes, e foi o sabor que falou mais alto.

A equipe de Raissa venceu de lavada e se livrou da prova de eliminação que foi o grande temor de todos osChef: sobremesa com “escultura de chocolate”. 

A equipe de Francisco foi com muito medo pra essa prova que eliminaria mais um participante da competição.  

Temperar chocolate é uma arte que exige muita técnica...  

Sobremesas com esculturas sem muita ambição foram o resultado da prova. 

O destaque positivo da prova foi Angélica que fez uma onda de chocolate que cobria um biscoito com frutas vermelhas. 

E o de destaque negativo, sendo a Chef eliminada, foi Mirna, que não agradou os jurados nem com sabor e nem no quesito escultura. 

Voltando a colocar a contagem de tweets na tela, a produção do Masterchef tornou pública a decadência que o programa tem sofrido.

Com 58.081 tweets, o episódio de ontem não chegou nem perto do recorde que é de mais de 1,8 milhão de tweets e 81 milhões de impressões (vezes em que tweets relacionados ao programa foram visualizados na plataforma). 

Será que a franquia Masterchef está com os dias contados no Brasil???

 

 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 27/09/2017 - 03:00

No quarto episódio do Masterchef Profissionais exibido ontem na BAND, o show de inexperiências profissionais continuou!!! 

Considerada a pior temporada de todos os Masterchef Brasil até agora exibidos, o episódio de ontem contribuiu grandemente pra afundar ainda mais a audiência da emissora paulista que optou por nem colocar a contagem dos Twitters no canto direito superior da tela como de costume.

A pressão da caixa misteriosa que continha carré de cordeiro como item principal foi aumentada com a revelação de mais um ingrediente surpresa que foi diferente pra cada Chef.  Alguns muito estranhos e desconhecidos como o Melão de São Caetano.

Com destaque positivo, já garantindo seu lugar no mezanino e livrando-se da prova de eliminação, Francisco combinou café e maracujá num purê que impressionou aos três jurados. 

Lubyanka, Pablo e Guilherme, por serem os destaques negativos, tiveram a desvantagem de não poder participar da pré-prova de eliminação que foi de massa dura, e salvaria mais um Chef.

O destaque desta Mini-prova que foi de apenas 20 minutos, foi Irina com a clássica combinação de bacon, tomate e massa que a tirou também da prova de eliminação, juntando-se à Francisco e Raissa que foram os destaques da primeira prova. 

Com uma vaca literalmente viva dentro do studio, os 7 participantes da prova de eliminação participaram de um leilão, onde trocaram minutos da prova por cortes de carne. 

Até que foi interessante, mas a falta de sabedoria e estratégia fez alguns chefs pagarem muito caro por cortes duros que precisavam de muito tempo para concluir a cocção.

De carne matutada 41 dias à língua, os tempos variaram de 55 à 15 minutos. 

Falta de coordenação, foco e vontade de permanecer na competição foram os métodos usados pelos que estavam na berlinda. Decepcionante!!!  

Como destaque positivo, Ravi mais uma vez foi o melhor dos piores e conseguiu se salvar.

Como destaque negativo, e sendo eliminado da competição por servir bife de fígado “cru” com arroz e feijão, Guilherme se despede do programa discordando da avaliação dos jurados. 

Por se tratar de uma competição de profissionais, o Masterchef Brasil está num nível bem abaixo das competições de fora do Brasil. 

Acostumado com os Masterchefs britânico, espanhol e australiano, eu falo com propriedade. Masterchef Brasil está deixando a desejar, e a baixíssima audiência do programa está mostrando isso. 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 26/09/2017 - 11:20

É uma prática bem comum em muitos lares, mas lavar o frango cru pode colocar sua saúde em risco, e nos piores casos pode levar à morte. 

A carne de frango carrega mais de 1000 bactérias, muitas delas inofensivas, mas algumas que podem levar você à morte em poucos dias.  

A carne de frango deve ser consumida sempre bem passada, e nunca ao ponto. 

Pra ter certeza de que está bem passada, a temperatura não pode ser inferior a 75ºC. Um termômetro pode ajudar na medição, basta espetar o termômetro na parte mais grossa da peça do frango.  

NUNCA LAVE FRANGO CRU!!!  

 

Quando você lava o frango cru, você acaba espalhando bactérias Campylobacter nas mãos, roupa, pia e utensílios, devido ao espirro das gotas de água. Com isso você acaba contaminando toda área ao seu redor.

Não há necessidade alguma de lavar o frango, pois todas as bactérias morrem quando passam por altas temperaturas.  

A contaminação cruzada é a causa campeã em intoxicação alimentar.  É quando levamos bactérias até alimentos já descontaminados. 

Exemplo clássico é picar saladas ou alimentos prontos pra comer em uma tábua que você acabou de cortar frango cru. 

O bom é ter uma tábua de corte só para carnes cruas. 

Carnes cruas devem sempre ser armazenadas na parte de baixo da geladeira pra evitar pingos em alimentos já prontos pra consumo.

Os sintomas mais comuns de intoxicação alimentar são: 

Diarréias, dores de estômago, cólicas, febre, dores no corpo e mal estar, podendo durar alguns dias. Mas também pode agravar-se, podendo levar ao infectado à problemas graves de saúde como SÍNDROME DO INTESTINO IRRITÁVEL e a SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRE que ataca todo o sistema nervoso. 

A intoxicação alimentar pode matar. 

Os mais vulneráveis são crianças, idosos, gestantes e pessoas com imunidade baixa. 

Previna intoxicação alimentar! 

Evite contaminação cruzada, Lave constantemente as mãos, use sempre utensílios limpos, organize sua geladeira, verifique o prazo de validade dos alimentos e escolha sempre alimentos frescos 

Com alguns simples procedimentos e bons costumes, podemos evitar situacoes desagradáveis.

Sendo bem preparado, nao importa qual o prato, o frango pode ser o protagonista real de seu prato!

 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 25/09/2017 - 11:20

“Olha a faca! Cuidado com essa faca! Não vá se cortar com essa faca!” 

Que atire a primeira pedra quem nunca ouviu ou disse alguma destas frases. 

Por ser um dos utensílios mais usados em toda e qualquer cozinha, a faca é sem duvida o maior causador de acidentes tanto em cozinhas profissionais como em residenciais. 

Considerada como arma branca, a faca também pode ser utilizada em crimes,  onde a vida da vítima fica à mercê do infrator. 

Mas hoje o assunto é “faca na cozinha”.

Em meu tempo de cozinha, já vi varios acidentes com facas. Alguns até sem gravidade, que bastou um curativo e luvas pra que o Chef pudesse voltar ao trabalho normalmente, mas também vi acidentes bem graves em que a pessoa teve que se afastar do trabalho por semanas. 

A grande maioria  dos acidentes envolvendo facas é sem sombra de dúvidas o “momento de bobeira”. 

É quando não prestamos atenção naquilo que estamos fazendo, ou não preparamos a área em que vamos trabalhar. 

Ao usar tábua de corte, a mesma deve estar bem fixada à bancada, pia ou mesa em que será usada.  Uma toalha ou papel toalha levemente umedecidos devem ser colocado entre a tábua e a superfície pra dar aderência e evitar que a tábua deslize durante o corte. 

A faca deve ser bem amolada pra evitar o uso excessivo de força ao praticar os cortes. 

Sempre se deve usar as costas do dedo como guia, evitando de expor a ponta dos dedos na hora do corte.  

Evitar brincadeiras com facas é fundamental pra evitar acidentes.

O vídeo abaixo te dará uma noção básica pra evitar acidentes com facas na cozinha. 

Sempre lembrando que utencílios de cozinha não sao brinquedos, e devem ser sempre mantidos fora do alcance de criancas e pessoas despreparadas.

 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 20/09/2017 - 06:30

Neste terceiro episódio da segunda temporada do Masterchef Profissionais exibido na noite de ontem, os Chef's tiveram o desafio de cozinhar pra 250 convidados de um casamento. 

Foram 1000 pratos, sendo: uma entrada, dois pratos principais, e uma sobremesa. 

Eu particularmente achei muito fácil, pois meu dia-a-dia em Londres era em média 250 pratos dia, sendo que minha brigada por turno era de apenas 4 chefs. 

Meu recorde de pratos, foi nas olimpíadas de Londres, onde foram 2400 pratos dia, por 9 dias consecutivos, com 12 chefs por turno. (Foi punk!) 

No episódio de ontem, a comunicação foi "zero". Ninguém se entendia, eram opiniões desencontradas numa briga de egos, que somanda à falta de liderança da Mirna, tudo se tornou um caos!!!  

E mais uma vez os chefs não souberam manusear o forno combinado, atrasando o serviço em quase 20 minutos, e quase serviram peixe cru. 

O terceiro prato foi no mesmo ritmo de desorganização. Pecaram na contagem das porções, tendo que improvisar servindo cortes diferentes e com variações na temperatura de cocção, novamente servindo carne crua, mas desta vez ao noivo. 

A sobremesa foi o ponto positivo da festa, sendo aprovada pela noiva antes mesmo de ser servida aos convidados. 

Já na cozinha Masterchef, as críticas aos 12 chefs ainda no jogo foram bem pesadas. Os três jurados pegaram pesado. As trocas de acusações foram sem limites entre os participantes, mas depois de algum tempo eles se acertaram e o clima apaziguou. 

A prova de eliminação teve como base, frutos do mar. 

E como no Masterchef, tudo pode acontecer... Um a um eles foram tirando 5 ingredientes de cada cesta que continha 10 ingredientes no total. Ali pude ver os verdadeiros estrategistas e jogadores. 

"Foi cobra comendo cobra" 

Os 9 chefs que foram pra prova de eliminação estavam com "sangue nos olhos" e mostraram um pouco de suas técnicas trabalhando solo. 

Teve pratos criativos mas sem muitas novidades, e como sempre acontece nas provas de eliminação, teve os que deram um "tiro no pé". 

O destaque da prova foi a jovem Raissa que fez um prato à altura de qualquer bom restaurante internacional. E com o pior prato da noite, Willian foi eliminado da competição pois pecou feio ao não limpar o camarão que era o protagonista de seu prato. Erro terrível que não é tolerado nem mesmo entre os amadores. 

E assim acabou o terceiro episódio do Masterchef profissionais 2017, sem melhoras visíveis no desempenho dos competidores. 

Algo de extraordinário terá que acontecer pra virar o jogo em favor dos chefs.

 

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 18/09/2017 - 08:15

É uma pergunta impertinente: 

"Por que comemos tanto nos finais de semana???" 

Muitas teorias, poucas respostas e várias tentativas frustadas de comer menos.  E no final, nunca cumprimos as promessas.

Eu mesmo, há exatos 30 dias comecei uma  dieta pelo bem de minha saúde que já está ficando debilitada com a chegada da idade. Em menos de 2 meses após minha volta ao Brasil,  engordei 10kg, enquanto o plano era emagrecer 10.  Que decepção!!!

Então agora o objetivo é perder 15kg  em 90 dias, sem deixar de me alimentar saldavelmente.  É uma tarefa quase que impossível devido as vantagens que minha profissão proporciona, mas em 30 dias já perdi mais de 4kg, e já é visível o resultado pois durmo melhor e até nem sofro tanto ao amarrar os cadarços.  (Estava difícil) 

Este final de semana foi uma comilança generalizada!!! 

Comecou na sexta-feira com um passeio com os filhos  que foi recheado de pecados mortais impostos por todo e qualquer nutricionista, mas que compensa muito pela alegria do encontro com os filhos que são bençãos em nossas vidas!!!   McDonalds com sorvete de sobremesa no almoço, 

e pra encerrar o dia, um risoto de camarão pra comemorar o aniversário de minha prima Cristiane Alves.   

O sábado foi o dia da culpa...   comendo pouco pois sabia que o domingo seria mais um dia de fartura. 

Impossivel resistir ao churrasco do meu sogro!!!  E de quebra, a sobremesa que foi a minha versão do Eton-Mess, que na tradução livre é BAGUNÇA.  

É uma sobremesa que reúne: chantilly, morangos, suspiro, sorvete, chocolate e coulis de morango, tudo isso numa base de biscoito de chocolate.

Agora é batalhar pra eliminar o excesso de peso ganho no tão temido final de semana.

 

Samuel Alano
Por Samuel Alano 13/09/2017 - 08:15

Este segundo episódio da segunda edição do Masterchef Profissionais exibido na BAND na noite de ontem, veio com "velhas novidades".  

Chefes supostamente experientes correndo atrás do reconhecimento profissional, mas sempre querendo que o oponente tropece e caia no meio da jornada. 

A tão temida Caixa Misteriosa veio com ingredientes vegetarianos onde alguns chefs deixaram bastante a desejar em seus pratos, incluindo uma chef que colocou flor de Jambu in natura, fazendo adormecer a boca dos jurados.  

No episódio de ontem, também teve o desequilíbrio seguido do tombo da jurada Paola Carosella que culpou o salto alto de mais.

Os chefs que não agradaram na prova da caixa, foram pra primeira fase da prova de eliminação que era desossar um frango obtendo 10 cortes em 10 minutos, sendo que cada corte bem feito daria direito a 1 ingrediente no mercado. 

Foi literalmente um show de horrores!!!  Como pode alguém que se diz chefe profissional, não saber desossar um frango??? 

Decepcionante! 

Poucos conseguiram as 10 peças pedidas e tiveram as chances aumentadas pra passar pela prova de eliminação. 

Eliminada pela falta de criatividade e falta de técnica, a professora de gastronomia Berta, saiu da cozinha às lágrimas, e já no vestiário, lamentou sua precoce trajetória. 

Como eu já disse anteriormente: "por ser Masterchef Profissionais, esta temporada está deixando a desejar pela escolha apadrinhada dos participantes".  Chefs profissionais que não sabem técnicas e processos  básicos da gastronomia.   

Ao analizar estes dois primeiros episódios, eu já tenho meus palpites pros cinco finalistas. Mas vou analizar um pouco mais, e  logo eu passo os cinco melhores na minha opinião.

 

« 1 2