Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

A artilharia de Jessé e Salvaro contra Carlos Moisés

Governador está na mira do deputado, que o chama de "governador moita", e do prefeito, que acusa ele de se "esconder no palácio"
Denis Luciano
Por Denis Luciano 08/05/2020 - 10:19Atualizado em 08/05/2020 - 10:33

A postura do governador Carlos Moisés (PSL) na condução da pandemia de Covid-19 em Santa Catarina vem rendendo críticas. Dois atores da cena política de Criciúma, em especial, têm sido um tanto protagonistas nessa artilharia pesada contra o ocupante da Casa da Agronômica: o prefeito Clésio Salvaro (PSDB) e o deputado estadual Jessé Lopes (ainda no PSL).

Em ato ontem na prefeitura, enquanto era exposto o Projeto do Executivo que visa a volta do transporte coletivo em Criciúma na próxima semana, Salvaro mandou vários recados para Moisés. A principal reclamação do prefeito em relação ao governador reside na falta de diálogo. Inúmeras vezes, Salvaro pediu publicamente para que Moisés compartilhe com os prefeitos as decisões sobre isolamento social. "Eu capitaneei reunião com os 15 prefeitos das principais cidades, mas não adianta, o governador não dialoga. Vamos fazer o que? Colocar uma arma na cintura e invadir o palácio? É dentro do palácio que ele se esconde, é de lá que ele toma as decisões", disparou.

Salvaro entende que Moisés chamou para si a responsabilidade sobre 295 municípios, sem sequer ouvir os prefeitos, contrariando o que fizeram os seus colegas do Rio Grande do Sul e Paraná, Eduardo Leite (PSDB) e Ratinho Júnior (PSC).

Antes, em 17 de abril, em reunião na Acic, Salvaro já havia disparado contra Moisés, afirmando que faltava apoio do Estado aos municípios. "Queria pedir aos deputados para convencer o governador deixar os prefeitos tomar decisões pelas cidades, quem sabe o que acontece na cidade é o prefeito, é quem vive nela, não é o governador que está encastelado no Palácio cercado por quatro ou cinco pessoas para decidir os rumos de uma cidade, do Estado", afirmou, na ocasião, pedindo também um canal de diálogo com o governador.

Jessé x Moisés

Embora eleito pelo mesmo partido de Moisés, o deputado estadual criciumense Jessé Lopes é um dos mais ácidos críticos do governador, e não é de hoje essa postura dele na Alesc. Logo no princípio do mandato, chegou a responder um processo disciplinar no PSL, com risco de cassação, quando retirou da parede do seu gabinete uma foto de Moisés, "colocando-o de castigo". Na época, o parlamentar brigava com o Executivo contra a elevação de impostos da cesta básica e do ICMS dos defensivos agrícolas.

Nesta sexta-feira, 8, Jessé usou de novo as redes sociais para, com uma dose de bom humor, chegar em Moisés. Ilustrada por uma foto com ele, Jessé, mexendo em uma moita diante de uma unidade do Corpo de Bombeiros, o deputado pergunta: "estou procurando um bombeiro, você viu por aí?". O deputado conta que Moisés sempre teve fama de inacessível. "Só o vemos através de lives, onde fala com seu público", apontou, citando que há os excluídos das páginas sociais de Moisés (depreende-se que Jessé é um desses excluídos) que não podem assistir as transmissões. "Desta vez, nem atrás da moita o governador está. Queremos respostas", reforçou. Jessé questiona os R$ 33 milhões para os respiradores, via Veigamed, mas também é um crítico desde o princípio do modelo de isolamento social colocado em prática pelo Governo do Estado. Abaixo, a reprodução da postagem de Jessé:

Reprodução / Instagram

 

4oito

Deixe seu comentário