Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Juiz Varella e Monsenhor Agenor Neves Marques

Por Henrique Packter 18/09/2023 - 08:30 Atualizado em 18/09/2023 - 08:32

Para Edgar Roquete Pinto, célebre radialista carioca, o rádio queria atingir os excluídos, seria o “jornal de quem não sabe ler, mestre de quem não pode ir à escola, diversão gratuita dos pobres, animador de novas esperanças, consolador dos enfermos, guia dos sãos”.  Esse o papel do rádio.

Em sua infância, Guglielmo e a mãe Anna, passavam muito tempo viajando pela região do porto de Livorno, costa oeste da Itália, onde vivia uma tia. Dessas viagens a Livorno, vem a atração de Marconi pelo mar. Em Livorno estava instalada academia da marinha real italiana, a Regia Marina. Marconi tinha o incentivo do pai (Giuseppe) para entrar na academia naval, coisa que não conseguiu; no entanto, seu encanto pelo mar o acompanhou pela vida.

Inventor do primeiro sistema prático de telegrafia sem fios (TSF -1896), Marconi baseou-se em estudos elaborados em 1897 por Nikola Tesla para, em 1899, realizar a primeira transmissão através do Canal da Mancha. A teoria de que as ondas eletromagnéticas poderiam propagar-se no espaço, (James Clerk Maxwell e comprovada por Heinrich Hertz, 1888), foi utilizada por Marconi entre 1894 e 1895. Em 1894, contando apenas vinte anos, transformou o celeiro de sua casa em laboratório e estudou os princípios elementares da transmissão radiotelegráfica: bateria para fornecer eletricidade, bobina de indução para aumentar a força, faísca elétrica emitida entre duas bolas de metal, gerando oscilação; um Coesor, como inventado por Édouard Branly, situado a alguns metros de distância que, ao ser atingido pelas ondas, acionava uma bateria e fazia uma campainha tocar.

1896 e está na Inglaterra, após constatar que não havia interesse por suas experiências na Itália. Em 1899 é bem sucedido na transmissão sem fios do código Morse através do Canal da Mancha. Dois anos após consegue que sinais radiotelegráficos (letra S do código Morse) emitidos de Inglaterra, fossem ouvidos claramente em St. John's (Terra Nova, hoje no Canadá), cruzando o Atlântico Norte. Faz, então, descobertas básicas na técnica rádio.

Em 1909, 1700 pessoas salvam-se de naufrágio graças ao sistema de radiotelegrafia Marconi. Em 1912 a companhia Marconi produzia aparelhos de rádio em larga escala, especialmente para navios. Em 1915, durante e após da Primeira Guerra Mundial assumiu várias missões diplomáticas pela Itália; em 1919 é delegado italiano na Conferência de Paz em Paris.

Em 1920, parte para sua primeira viagem no Elettra, navio de 61 metros, comprado e equipado para ser seu lar e laboratório no estudo de ondas curtas. Além da família, as cabines do Elettra recebiam visitas ilustres, como os reis da Itália, da Espanha e Jorge V e sua rainha Mary of Tech.

A RÁDIO MARCONI. A ANDORINHA MENSAGEIRA

Em 10.2.1951 Monsenhor funda a Rádio Marconi, a Rádio Difusora de Urussanga Ltda., que em 19.10.1951 obteve permissão para operar. Logo vem a Andorinha Mensageira, programa mais longevo do rádio catarinense. Hoje são 72 anos no ar. Nos domingos, Rosa Miotello, desde 1975, responde pelo programa de rádio e pelo Paraíso da Criança.

MONSENHOR, O ESCRITOR

Escreveu vários livros. O Catequista Ideal é de 1955, ano em que foi nomeado Diretor de Ensino da Arquidiocese de Florianópolis. Escreveu entre outros livros História de Urussanga (1990), Imigração Italiana (1977), Magnólia Branca (1978), Agricultor em Marcha (1980), Magos (1980), Abelha Maravilha (1993), Clarice em branco, Clarice em preto (2005). Desde 1977 Magnólia Branca é a flor oficial de Urussanga. Bandeira, brasão, e hino Urussanguense são de sua autoria. Segundo Maestrelli, POLÍTICA, no entendimento de Monsenhor, seria o único caminho para realizar as coisas.

Monsenhor escreveu os hinos de Urussanga, Jaguaruna, Morro da Fumaça, Grão-Pará, Cocal do Sul, Timbé do Sul. Também o Hino do Imigrante e o Hino da Agricultura com o qual ganhou concurso nacional. É autor, do Hino da Agricultura de SC. Ampliou o perímetro urbano de Urussanga, participou de vários grupos de intelectuais como a Academia Internacional dos Poetas, Academia Urussanguense de Letras, Academia São José de Letras. Criou em 1988 o Museu de História Municipal de Urussanga. Esteve nas origens do Jornal Vanguarda, mesmo nome do primeiro jornal fundado na cidade.

A SAGA OFTALMOLÓGICA DE AGENOR NEVES MMARQUES

Em 03.3.1960, quando o futuro Monsenhor contava 45 anos, procurou-me ele para troca de lentes. Era míope. Tinha 2 graus de miopia no olho direito (OD) e 1,75 no olho esquerdo (OE). Receitei-lhe lentes bifocais, trocadas depois em 21.6.1965. Voltou em 15.4.1975, com 60 anos de idade. Posteriormente esteve em meu consultório em 25.8.1980, 10.3.1981, 26.11.1984 (70 anos), desta última vez com queixa de nuvem no OD. Tinha crises de bronquite asmática e tomou cortisona por longos anos. Sabia ser diabético e para esta moléstia estava medicado. Tinha catarata em ambos os olhos, mais densa no OD. Sua pressão intraocular era 14 nos dois olhos (AO). Entre outros medicamentos tomava Diabinese e Meticorten. A visão era 0,1 no olho direito e 0,4 no olho esquerdo com uso de lentes de grau. Em 3.4.1987 operei seu OD de catarata, implantando-lhe lente intraocular (MODIFIED J: BLUE FLEXFIT 10 Degrees 13.50mm Power: 17.00 Ster.Exp:91/07/01 N0.17.00 071782 J 07 5812). Em 01.11.1989 teve hemorragia intraocular pelo diabetes. Depois, operei sua catarata do OE com implante de lente intraocular (12.12.1989) com bom resultado visual. A lente era IOLAB de 16.0 dioptrias Nº de controle 26E07 - 085 Em 02.7.1991 teve hemorragia no branco do olho (conjuntival) quando indiquei procedimento cirúrgico ocular no OD, uma capsulotomia posterior. Em 26.8.1993 queixava-se de ver as imagens em diplopia (visão dupla), tinha paralisia de músculo do olho, pelo diabetes. Em 26.08.1993 atendi-o pela última vez. Monsenhor Agenor Neves Marques faleceu em 31.8.2006, aos 91 anos de idade e 66 de sacerdócio. Foi sepultado no Cemitério Municipal de Urussanga. Já Natalino Neves Marques, pai de Monsenhor e surdo, operei de catarata em 8.2.1979, OE, aos 94 anos de idade. Seu último exame foi em 26.11.1984, estava bem, tinha catarata madura no OE, pressão intraocular normal, 14/14.

O FINAL

Também tem a história dos 4 sinos de Bassano para a igreja matriz de Urussanga de 1904, mas esse relato já se alonga em demasia e vamos deixar esse restante para outra ocasião.

Copyright © 2022.
Todos os direitos reservados ao Portal 4oito