Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Curiosidades da medicina de muito antigamente

Henrique Packter
Por Henrique Packter 14/01/2020 - 07:10Atualizado em 31/01/2020 - 09:22

Se você fosse acometido de congestão nasal e vivesse na Idade Média seria tratado com fezes de cachorros brancos, folhas de repolho secos ou, na melhor das hipóteses, com extratos vegetais. Médicos chineses foram os primeiros a empregar ervas medicinais que continham efedrina, há 5.000 anos, embora essa substância só viesse a ser conhecida e isolada em 1887.

O Papiro de Edwin-Smith (1900 a.C.) descreve o tratamento usado pelos egípcios nos ferimentos da região temporal sem fraturas: curativo com carne fresca no primeiro dia, seguido de curativos diários com unguentos e mel. Lesões complicadas por fratura do osso temporal eram consideradas gravíssimas e incuráveis.

Era crença dos antigos que o tamanho do nariz era proporcional ao dos órgãos genitais: nariz grande era sinônimo de virilidade. Virgílio, na Eneida, descreve o costume de amputação da pirâmide nasal em homens e mulheres como punição ao crime de adultério. Documentos hindus traduzidos do sânscrito (700 a.C.), descrevem as primeiras tentativas de rotação de retalhos para correção da deformidade da pirâmide nasal nos condenados por adultério.

Hipócrates afirmava nos Aforismos que o surgimento de espirros na mulher em trabalho de parto era um sinal de boa resolução, mesmo em partos difíceis. O Pai da Medicina também foi um estudioso da redução de fraturas e aconselhava os médicos da época a efetuar a redução das fraturas nasais no máximo em 24 a 36 horas apôs o trauma, para obter melhores resultados.

Os gregos antigos acreditavam que seres vivos respiram pelas orelhas. O filósofo Anaximenes (580aC) escreveu que o sopro da vida entra pela orelha direita, o sopro da morte pela orelha esquerda.

Aristóteles (384-322 a.C.) foi dos primeiros a afirmar que animais não respiravam através das orelhas. Escreveu n'A História dos animais, sem nunca ter conhecido o ex-senador Calheiros ou o ex-deputado Cunha que pessoas com orelhas grandes e salientes têm tendência para fofocar e malversação do dinheiro público.

Na Medicina hebraica as otites eram tratadas com a instilação do caldo de cozimento de rim de cobra no meato acústico externo, de acordo com relatos do Talmude babilônico (325-427).

A surdez era tratada com a instilação de urino do próprio paciente nas orelhas durante a Idade Média.

A anatomia dos seios maxilar e frontal já aparecem nos desenhos perfeitos de Leonardo da Vinci (1452-1519).

A primeira laringotomia, precursora da traqueotomia, parece ter sido realizada por Brasavola na Itália, 1545.

O primeiro livro dedicado à descrição das técnicas cirúrgicas para rinoplastia, Tratado sobre a Rinoplastia de Gaspare Tagliacozzi, professor da Universidade de Bolonha, é de 1597.  2730

4oito

Deixe seu comentário