Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Sobre flores e ervas daninhas

Arthur Lessa
Por Arthur Lessa 08/07/2021 - 18:14Atualizado em 08/07/2021 - 18:15

Conta a lenda em Wall Street que Warren Buffet ligou para Peter Lynch (duas grandes referências do mercado financeiro mundial) pedindo para usar uma frase do livro One Up on Wall Street (de Lynch) em seu comunicado anual da Berkshire Hathaway. Esta frase seria: Vender suas ações vencedoras e segurar suas perdedoras é como cortar as flores e regar as ervas daninhas.

Essa frase, bastante repetida quando se fala na estratégia de investimento buy and hold (comprar e segurar), resume em poucas palavras o que o próprio autor considera o pior erro da sua carreira, marcada por rendimentos anuais de quase 30% ao ano por 13 anos gerindo o fundo Magellan.

Lynch menciona exemplos de ações vencedoras que ele vendeu cedo demais. Home Depot (rede de lojas de departamento voltada principalmente à construção) talvez tenha sido a mais memorável. Lynch vendeu a empresa depois que a cotação triplicou, mas a empresa multiplicou por mais de 50 posteriormente.

Eu conheci essa história há pouco tempo, mas pouco antes tive uma experiência bem parecida. E eu vou contar pra você.

Senta que lá vem a história

Como diria Galvão Bueno, o primeiro semestre de 2020 foi “teste pra cardíaco, amigo!”. Em 22 dias entre fevereiro e março o Índice Bovespa (considerado o termômetro da Bolsa brasileira) desvalorizou mais de 45%, com desvalorização registrada de 14% em um único pregão.

Se o Ibovespa caiu, significa que muitas empresas caíram. Se as que compõe o índice são as principais e viram suas ações derreter, as menores então nem se fala. Entre elas está a Portobello, que havia entrada no meu radar no começo desse movimento. Ticker PTBL3. Empresa catarinense, com bom nome no segmento cerâmico.

Em 24 de janeiro de 2020 sua ação fechou valendo R$ 6,34. Em 3 de abril encerrou o pregão a R$ 1,68. Desvalorização de 73,5% em praticamente dois meses. Em uma empresa que não está no meio de uma crise interna ou algo do tipo, pode ser uma oportunidade.

Me interessei enquanto me preparava para cobrir para a rádio a ExpoRevestir, grande feira de revestimentos brasileira. Estudei os múltiplos, conversei com minha arquiteta de confiança (que é a Rafaela, minha esposa), o parecer foi favorável e comecei a colocá-la na carteira.

De fevereiro a maio comprei a ação por preços que variaram de R$ 5,08 a 2,46. Em agosto mais uma parte por R$ 5,43. Preço médio ficou em cerca de R$ 2,84. Não aumentei mais a posição desde então porque achei que ela já tinha valorizado muito quando começou a superar os R$ 7,00 por ação. Por eu ter pago, em média, menos de R$ 3,00 por ação, aquilo parecia um exagero.

Essa percepção é uma das armadilhas que a cabeça prega no investidor. É o chamado viés de ancoragem, que explica por que as primeiras informações recebidas (nesse caso, o preço da ação) servem como base para decisões futuras.

Em abril desse ano, após mais um movimento de boa valorização da empresa, acabei me desfazendo da posição inteira pelo preço de R$ 9,23 por ação, 225% a mais do que eu havia pago. Um rendimento substancial, sem dúvida. Mas foi um erro!

Na última segunda-feira (05/07) a Portobello fechou o pregão valendo R$ 19,28 por ação. Isso é mais que o dobro do preço que pagaram pelas minhas. Se tivesse mantido, aquela posição estaria agora com um rendimento acumulado de 579%. E subindo, provavelmente.

Ganhei, mas perdi

Se por um lado fui bem-sucedido numa operação que gerou lucro, com um rendimento substancial, por outro anulei parte do rendimento futuro do meu patrimônio. A posição dentro da minha carteira nesse caso era bem pequena, algo em torno de 4% ou 5%, mas poderia ser maior e seguir crescendo, tanto por aportes quanto pela própria valorização.

O outro ponto da frase célebre de Lynch que também devemos tratar é “cultivar as ervas daninhas”. Aqui o raciocínio enviesado é o oposto: investimentos ruins dos quais não nos desfazemos. É aquela máxima de “só é prejuízo se vender”, muitas vezes mal interpretada.

Se você é investidor já deve ter notado que tem casos em que você vê que jogou errado mas fica esperando reverter, como se aquela posição te devesse alguma coisa. O investidor cria uma relação de dívida, do ativo com ele. E isso não poderia estar mais errado.

Para esse caso, uma lição que está no Axioma 6 do livro Os Axiomas de Zurique: Numa operação que não deu certo, não se deixe apanhar por sentimentos de lealdade e saudade.

Em resumo, as lições desse texto são bem simples:

1) identifique as suas flores e as regue;

2) identifique as ervas daninhas e as arranque;

3) pare de fazer o contrário das lições anteriores.

4oito

Deixe seu comentário