Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

(VÍDEO) A saída do delegado Akira e a nova crise no Governo Moisés

Deputado Kennedy Nunes detalha informações sobre as causas da saída
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 02/10/2021 - 08:09Atualizado em 02/10/2021 - 08:52

A saída inesperada do delegado geral da Polícia Civil, Akira Sato, está alimentando um ambiente de nova crise no Governo Moisés.

O deputado Kennedy Nunes acaba de divulgar que o delegado pediu exoneração porque teria sido "orientado" a afastar delegados que investigam irregualridades que chegaram à pessoas próximas do Governador.

Disse que vai levar o assunto com mais detalhes ao plenário da Assembléia na próxima semana (veja vídeo abaixo).

O deputado Ivan Naatz anunciou que vai protocolar pedido de convocação para o delegado Akira prestar depoimento na Assembléia para detalhar os motivos da sua saida.

O ambiente no Governo é tenso.

O delegado Akira Sato é muito respeitado na categoria e entre os políticos.

O Governo ainda não se manifestou sobre as razões da saída do delegado geral.

O delegado Marcio Ghizzoni, que é do sul do estado, teria sido convidado para assumir o cargo, mas declinou.

Delegados próximos de Akira Sato informam:

"quiseram que ele mexesse na Deic pra afastar colegas que estavam fazendo a investigação, ele não aceitou e entregou o cargo".

Akira havia assumido como delegado geral faz 10 dias.

Um dos delegados que seriam “afastados se o pedido fosse atendido” seria Rodrigo Schneider, coordenador estadual das Delegacias Especializadas no Combate à Corrupção da Polícia Civil de Santa Catarina. Rodrigo estava à frente das investigações da suposta corrupção no Governo.

Pelo menos um secretário de estado estaria envolvido.

Akira Sato teria dito  na reunião que não compactuava com o pedido de afastameto dos delegados e classificou o pedido como coação.

Por fim, anunciou que a Policia Civil não iria abafar um caso de corrupção, entregou o cargo e saiu da reunião.

Teria frisado, ainda, que a Polícia Civil não iria abafar um caso de corrupção.

Em principio, o caso envolve uma empresa de software que fez contratos com o estado.

 

 

 

4oito

Deixe seu comentário