Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Venda de avião e palácio

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/11/2019 - 05:58Atualizado em 06/11/2019 - 06:41

A proposta de venda da residência oficial do governador do estado pode ser criticada, questionada, considerada radical, sem sentido. Mas, ela está em perfeita sintonia com o jeito de fazer do governador Carlos Moisés, PSL.

Afinal, quem vende o avião do governo para conter gastos, e cortar privilégios, por que não pode vender o palácio do governo?

Romeu Zema, governador de Minas Gerais, não vendeu, mas não usa o palácio do governo. Mora numa casa alugada em Belo Horizonte.

Moisés assumiu com o anúncio de medidas extremas para conter os gastos públicos, chegando ao corte do cafezinho nas repartições públicas, e decretou fim dos privilégios. Mandou vender o avião do governo, passando a usar vôos comerciais, como qualquer cidadão catarinense.

A residência oficial do governador tem um custo mensal que passa dos R$ 200 mi

O projeto do deputado criciumense Jessé Lopes, PSL, protocolado ontem na Assembleia Legislativa, deve ser aprovado rapidamente nas comissões técnicas e no plenário.

O deputado incluiu também a casa da vice-governadora, no Estreito.

Mas, o projeto trata apenas da “autorização para venda”. Vai revogar uma lei anterior que proíbe a venda da Casa da Agronômica.

Deputado não tem poder constitucional para tomar a iniciativa de vender patrimônio público. Precisa de projeto do Executivo para isso.

Mas, o principal efeito prático do projeto do deputado Jessé será o desgaste que por ventura será acumulado pelo governador.

4oito

Deixe seu comentário