Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

João Rodrigues, Ricardo Guidi e outras da coluna

TRE confirma que decisão de Gilmar não ameaça mandato de Guidi
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 17/04/2019 - 06:54

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral, Ricardo Roesler, foi taxativo no despacho dado do recurso protocolado pelos advogados do ex-deputado João Rodrigues, PSD. Eles queriam que o Tribunal reconhecesse a votação de João em 2018 e o diplomassem como deputado federal, na vaga do criciumense Ricardo Guidi, PSD. Roesler escreveu:
"Ciente da respeitável decisão (do ministro Gilmar Mendes), constato que a liminar parcialmente deferida restringiu-se a suspender a inelegibilidade do postulante, em nada alterando a situação do seu registro de candidatura ao cargo de Deputado Federal (eleição de 2018), o qual permanece indeferido”.
E nada mais a ser registrado. Fim de conversa. E fim de linha.
O presidente do TRE confirmou raciocínio desenvolvido aqui, na segunda-feira. A decisão liminar (por isso, provisória) do ministro Gilmar Mendes vale para frente. Para ele sair candidato a prefeito de Chapecó em 2020, por exemplo. 
Mas, não tem poder de retroceder a 2018. Aquela eleição, acabou. O mandato de Guidi está assegurado.
Para o Sul do estado, foi a melhor decisão.
Sem o mandato de Guidi, a região ficaria enfraquecida na representação política e perderia alguns milhões de reais do Governo Federal, repassado aos municípios por emendas parlamentares. Em torno de R$ 16 milhões ao ano apenas na emendas individuais. 
Ainda tem as emendas coletivas, que o deputado interfere, e as emendas de bancada. Na soma, outro tanto. Dinheiro que vem para a região. 
De outro lado, com um deputado federal e um estadual (que é o presidente da Assembleia), e mais o vice-prefeito e dois vereadores (com outros dois que estão a caminho), o PSD aumenta o seu “cacife" político para a eleição de 2020.

Agora vai!

O deputado Julio Garcia, presidente da Assembleia, e os deputados do Sul, voltaram muito bem impressionados das reuniões nas associações empresariais de Criciúma, Araranguá e Tubarão.
Entendimento geral - foram reuniões produtivos e altamente representativas.
Ontem, o deputado Julio Garcia já conversou com o governador Carlos Moisés para informar das reuniões e repassar as principais reivindicações.

Voo da Latam

Ás vezes, por tudo que tem sido dito, fica até a impressão que há uma “birra" entre a empresa RDL, que administra o aeroporto regional, e a Latam.
O que é fato (e importa) é que a Latam ampliou a suspensão dos voos até o dia 1º de maio e manteve a decisão.
RDL continua insistindo que não é obrigatório ter os bombeiros, que a Latam exige, pelo volume de passageiros no aeroporto.
Mas, a Latam insiste que só voa em aeroporto que tem os bombeiros a postos, e habilitados.
E A Anac, ao fiscalizar o aeroporto na semana passada, registrou que a habilitação dos bombeiros está vencida.
Se a RDL continuar apenas esticando a corda, a região vai perder os voos da Latam.
Se não resolver o assunto até o dia 1º de maio, é muito provável que a Latam não decida por esticar mais uma vez o prazo. Deve simplesmente cancelar a operação em Jaguaruna. Em prejuízo do sul catarinense.

Com Anac

Os deputados federais de Criciúma, Daniel Freitas, Geovania de Sá e Ricardo Guidi, se reuniram, ontem, em Brasília para tratar do Aeroporto de Jaguaruna.
Telefonaram na hora para o governador Carlos Moisés, pedindo a intervenção do estado no assunto.
Os três marcam audiência na Anac na terça-feira para esclarecer a situação.

Até o padre

Os exemplos são muitos. O cancelamento dos voos da Latam no Aeroporto de Jaguaruna impacta diretamente na vida de muitas pessoas que têm compromisso seja a passeio ou a negócios. Ontem, o padre Antônio Vander, reitor do Santuário Sagrado Coração de Jesus, disse que já precisaram mudar os planos para o fim de semana. O padre Antônio Maria que iria desembarcar em Jaguaruna vai descer em Florianópolis.

Por poucos dias

Eduardo Moreira retomou a agenda política, depois de um período de dois meses na Inglaterra, e ontem se reuniu com a bancada do MDB na Assembleia.
Mas, deixou claro que não existe a menor possibilidade de assumir a presidência estadual do partido.
No dia 24, próxima semana, Eduardo volta para Londres (onde ficou sua esposa, Nicoli, com os pais). Voltará em definitivo somente no final de maio.

Casan - movimentação de bastidores

Nem Prefeitura, nem Casan, tem se manifestado em público sobre a possibilidade de rompimento de contrato. Mas, os dois lados estão trabalhando intensamente nos bastidores.
Os advogados, dos dois lados, estão trabalhando muito.
Já está sendo feito o inventário de bens e quitamentos da Casan em Criciúma, por decisão da Justiça atendendo pedido da Prefeitura. Uma forma de garantir que nada será retirado da cidade.
No dia 22, segunda-feira, a presidente da Casan estará em Nova Veneza, para reunião com gerentes e técnicos da região.
Ontem, a direção do Sindicato dos Servidores da Casan esteve em Criciúma para “alertar" que o cancelamento do contrato vai implicar em indenização a ser paga pela Prefeitura de mais de R$ 200 milhões.
Em Florianópolis, o governador Carlos Moises mandou novo recado - "romper com a Casan é deixar de ter a presença do Estado no município”.
Em Criciúma, o prefeito Salvaro reagiu - “então, o Estado não vai estar presente também em Joinville, Blumenau, Lages, e nem em Tubarão, porque todas estas cidades romperam com a Casan?”.
E acrescentou - “não pode misturar as estações, o Estado precisa estar aqui para concluir o anel viário, a via rápida, resolver os nós do aeroporto, muitas outras obras estruturantes”.

Os primeiros

Sebastião Moraes Mattos, proprietário da Vivenda Construções, de Criciúma, foi a primeira testemunha ouvida pela CPI que investiga as intermináveis obras na Ponte Hercílio Luz. A empresa dele celebrou contrato com o antigo Departamento de Estradas de Rodagem (DER) para realizar serviços na ponte e, conforme o relator da CPI, deputado Bruno Souza (PSB), atuou entre setembro de 1990 e janeiro de 1992.
A segunda testemunha ouvida pela CPI foi o engenheiro civil Vilmar Tadeu Bonetti. Ele foi sócio de Sebastião Mattos na Vivenda entre os anos de 1988 e 1992.
Bonetti também não reconheceu a assinatura do termo aditivo como sendo a de seu sócio. Questionado sobre a existência de termos aditivos, ele também se mostrou surpreso e afirmou que não se recordava desses termos.
Os dois são da região e foram secretários da Prefeitura de Criciúma em governos do MDB.

Conectada

A deputada Ada De Luca (MDB) tem se mostrado bastante ativa nas redes sociais. Ontem, lançou uma campanha de apoio à permanência do atual formato do Procon estadual. O selo “Eu apoio o Procon” utilizado na foto de perfil do Facebook (foto), pode ser implantado por qualquer usuário da rede. Antes havia um questionamento nas redes sobre o fechamento do Procon.

Itinerante

A sessão de ontem da Câmara de Vereadores de Criciúma não foi realizada na sua sede. Foi para o Morro Estevão (foto). O objetivo é ampliar a participação das comunidades no Legislativo. Foi a primeira reunião itinerante do ano.

Saer

A intenção que já vinha sendo estudada de transferir a base do Saer para o Aeroporto Diomício Freitas, no limite entre Criciúma e Forquilhinha, ganhou força na Câmara de Vereadores da cidade. A mudança foi defendida pelo vereador Maciel Da Soler, que solicitou que a Prefeitura de Forquilhinha estude a possibilidade.

4oito

Deixe seu comentário