Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Clésio com Dória, Casan e outras da coluna

Governador Moisés e prefeito Salvaro decidem futuro da Casan
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 03/04/2019 - 06:54

O prefeito Clésio Salvaro, PSDB, voou de São Paulo para Florianópolis ontem ainda, depois da reunião que teve à noite com o governador João Dória, PSDB, porque às 11h estará com o governador Carlos Moisés, PSL. Vão fazer uma conversa definitiva sobre Casan.
A reunião foi marcada pelo governador. O seu objetivo principal é tentar dissuadir o prefeito a romper o contrato de Criciúma com a Casan.
Moises levará para a reunião a presidente da Casan, Roberta dos Anjos.
Para o governo, perder Criciúma terá impacto imediato e profundo nas contas da Casan.
De outro lado, atender a proposta de Salvaro vai produzir desdobramentos em escala no estado.
Salvaro pede redução de 40% na tarifa de esgoto e 7% de repasse da receita da Casan no município.
A presidente da Casan, na reunião que teve em Criciúma, em março, concordou com repasse de 7%, mas descartou mexer na tarifa.
Na reunião de hoje, a presidente Roberta e o governador Moisés devem tentar encaminhar discussão sobre revisão de tarifa, mas isso teria relação com a definição da agência reguladora.
Ontem, a Câmara de Vereadores aprovou projeto do prefeito Salvaro que estabelece o Consórcio Intermunicipal de Saneamento Ambiental (CISAM-SUL) como nova agência reguladora.
Ainda em São Paulo, ontem à noite, no aeroporto, Salvaro disse que vai para a reunião para “ouvir”.
E arrematou: “quando o prefeito tem conhecimento de decisão do STF e do STJ que torna ilegal um contrato que existe, ele não pode ignorar, sob pena de ser enquadrado por prevaricação”.
Ele se referia as sentenças recentes que consideram ilegais os contratos assinados por prefeituras com a Casan, por se tratar de empresa de economia mista e neste caso a lei exige a realização de licitação (chamamento público).

Animados por Dória

O prefeito Clésio Salvaro e a deputada Geovania de Sá saíram muito animados ontem à noite de reunião com o governador João Dória, PSDB, em São Paulo.
Ouviram que o novo comando do partido, que será presidido pelo deputado federal Bruno Araújo, indicado por Dória, vai fazer o reposicionamento do partido e encaminhar um processo de renovação.
O governador disse que é possível fusão com outros partidos e que o PSDB vai se definir como partido de centro.
Clésio e Geovania gostaram muito da postura de Dória, do seu jeito objetivo e focado.

Vinda a Criciúma

O prefeito Salvaro convidou Dória para vir a Criciúma.
O governador descartou, pelo menos por enquanto. Disse que por um bom tempo não vai viajar pelo país para não precipitar especulações sobre sua candidatura à presidência da República.

Candidatura na pauta

A reunião com Dória fez com que a deputada Geovania de Sá voltasse a avaliar a possibilidade de assumir a presidência estadual do PSDB.
Ele disse que vai procurar o ex-deputado Marco Tebaldi, de Joinville, que está em campanha pela presidência.
Geovania descarta disputa, mas vai tentar um entendimento.

Em Harvard

Deputada Geovania de Sá só vai procurar Tebaldi depois que voltar de Harvard.
Ela viaja hoje para os Estados Unidos.
Vai participar como palestrante de um evento sobre relações entre estado e religião no Brasil.
Além dela, participarão o ministro Luís Barroso, do STF, e a procuradora geral da República, Raquel Dodge.

Novo rumo

O ex-prefeito de Arroio do Silva, Evandro Scaini, é outro político da relação do deputado Gelson Merisio, presidente estadual do PSD, que pode migrar para o DEM.
Ele já se reuniu com o presidente estadual do DEM, ex-deputado João Paulo Kleinubing, que o procurou em Araranguá.
Evandro nasceu e mora no Arroio, mas é comerciante em Araranguá.
Pelo estado, vários políticos da relação de Merisio estão migrando para o DEM. O primeiro foi o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon. Mas, Merisio negocia com o PP.
Há especulações também sobre possível ida de Evandro para o PP ou PSDB.
Ontem, ele disse que não tem definição sobre nova filiação e que só projeta disputar de novo eleição para deputado estadual (ele foi candidato em 2018).

Mudança técnica

O governador Carlos Moises, PSL, pediu mais uma votação, ontem, na Assembleia (foi derrubado o veto a um projeto aprovado pelo plenário).
Ao mesmo tempo, o secretário de Administração, Jorge Tasca, enfrentou uma “saraivada" ao tentar explicar pontos da reforma administrativa.
Foi evidente que a articulação do governo na Assembleia não estava funcionando.
Resultado - o governador decidiu substituir o seu líder de governo.
Deputado Mauricio Eskudlark, PR, segundo mandato, vai substituir o deputado Coronel Mocelin, estreante do PSL.

Municipalismo

Governador Moisés vai reunir amanhã, em Florianópolis, todos os presidentes de associações de prefeitos do estado.
Vai avançar na proposta de parcerias com as associações, para municipalizar ações, principalmente na área de infraestrutura (manutenção de estradas).
Esse movimento que o governador faz na direção do municipalismo pode ser a principal marca do seu mandato.

Em prol das comunitárias

A reitora da Unesc, Luciane Ceretta, esteve em Florianópolis, ontem. Esteve na Assembleia Legislativa com os demais reitores do Sistema Acafe. O grupo foi recebido pelo presidente, Julio Garcia. Ao longo da tarde o grupo foi recebido ainda nos gabinetes dos deputados Rodrigo Minotto, Luciane Carminatti, Ana Paula da Silva, Jessé Lopes e Ada De Luca. Uma importante conquista é a criação da Comissão Parlamentar para Universidades Comunitárias, que será instalada no próximo dia 9 e presidida por Minotto. O principal assunto será o repasse por parte do Governo do Estado para o Artigo 170.

Críticas à Saúde

A área da atual Administração Municipal que mais recebe críticas na Câmara de Vereadores de Criciúma, com certeza, é a saúde. Dificilmente passa uma sessão em que casos não sejam relatados pelos vereadores. Vem sendo assim desde o ano passado e nesta semana não foi diferente. O assunto de falta de médicos e a dificuldade de conseguir consultas e exames foi levantado nas duas sessões.

Um dos vereadores que mais vem batendo na tecla é Paulo Ferrarezzi (MDB) e nessa semana não foi diferente. O pastor Jair Alexandre (PSC) também usou a tribuna para criticar a dificuldade de conseguir uma consulta. Segundo ele, na unidade central, eram para estar sendo atendidos 300 pacientes por semana, mas esse número não ultrapassa os 80 devido a falta de médicos.

Candidato do Novo

O partido Novo de Criciúma também se articula para a eleição do ano que vem. A intenção é lançar candidato a prefeito e vice. A avaliação é que precisa aumentar o número de filiados. Precisa passar dos atuais 70 para mais de 150 filiados. Ontem à noite realizou a primeira reunião de planejamento, liderada pelo engenheiro civil e gestor empresarial André Casagrande Teixeira.

4oito

Deixe seu comentário