Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Seleções históricas

Minha coluna de hoje em A TRIBUNA
João Nassif
Por João Nassif 15/12/2018 - 11:06

INÉDITO
O Criciúma terá confronto inédito pela primeira fase da Copa do Brasil-2019. Irá enfrentar o São Raimundo de Santarém cidade do interior do Pará. O São Raimundo disputou a série D nesta temporada e não conseguiu se classificar para a segunda fase. Terminou na terceira posição perdendo a vaga para seu xará de Roraima pelo saldo de gols.

RANKING COMO REFERÊNCIA
Por estar à frente do São Raimundo no Ranking Nacional de Clubes da CBF o Criciúma poderá se classificar se conseguir em Santarém uma vitória por dois ou mais gols de diferença. O jogo será no Estádio Municipal Colosso dos Tapajós com capacidade para quase 20 mil expectadores. Tem o tamanho do Heriberto Hülse. 

PRIMEIRA GIGANTE
A história do futebol que nós conhecemos começou a ser contada na segunda década do século passado. Depois de engatinhar nos Jogos Olímpicos, sem o reconhecimento do COI, em 1924 surgiu a primeira grande seleção que ficou registrada na história. A depois denominada de Celeste Olímpica foi medalha de ouro em 1924 em Paris e em 1928 em Amsterdam, Holanda. Confirmou os títulos vencendo a primeira Copa do Mundo jogando em sua própria casa.

MÁGICOS MAGIARES
No início da década de 1950 foi que surgiu outra seleção que ficou na história. A Hungria foi campeã olímpica em 1952 em Helsinki na Finlândia e no ano seguinte aplicou 6x3 na Inglaterra, sendo a primeira seleção de fora do Reino Unido a derrotar os ingleses em pleno Estádio de Wembley. Como grande favorita fez uma campanha arrasadora com direito a um 8x3 na Alemanha Ocidental na primeira fase do Mundial de 1954.Por ironia do destino foi derrotada na final pela mesma Alemanha Ocidental.

NASCEU A SELEÇÃO CANARINHO
A partir de 1958 o domínio do futebol mundial passou para a seleção brasileira. Na Suécia surgiu o fenômeno Pelé que se tornaria Rei e o Brasil empilhou três de quatro Mundiais disputados. Depois do título na Suécia, o mesmo time sem Pelé machucado e com Amarildo em seu lugar conquistou o bicampeonato no Chile. Pausa em 1966 pelo péssimo planejamento que eliminou a seleção ainda na primeira fase. De novo com o Rei, único remanescente do bicampeonato, o tri foi alcançado numa memorável jornada em gramados mexicanos. Terminou a era de ouro do futebol brasileiro.

LAMPEJOS
Depois do tri brasileiro no México, somente duas seleções ficaram na história reconhecidas pela qualidade na disputa das Copas do Mundo. A Holanda com seu famoso carrossel comandado por Johan Cruijf em 1974 e o Brasil em 1982, seleções que não ganharam o título, mas apresentaram o melhor comparando com as campeãs. A Argentina campeã em 1986 ficou na lembrança somente pelo gênio Maradona. 

SEM GRAÇA
Desde 1982 não temos uma seleção com poderio indiscutível e que ficaram na memória de quem vive o futebol. Desde a Copa de 1990 o predomínio europeu é indiscutível. De lá até hoje foram disputados oito Mundiais e as seleções da Europa venceram seis. Somente o Brasil com dois títulos quebrou esta hegemonia que pelo andamento irá perdurar por mais tempo. Em todas estas oito Copas, nenhuma seleção encheu os olhos do mundo.

MEMÓRIA
15/12/2005 – “Há 13 anos, igual aos dias de hoje”
BATATA QUENTE

A demora na escolha do presidente e diretoria executiva do Criciúma indica a dificuldade de se chegar a um nome que poderia cair no gosto do torcedor. O processo tumultuado que tirou dos sócios patrimoniais o direito de escolher o comandante do clube na próxima gestão, ainda não terminou, pois os que decretaram esta nova ordem jurídica estão no mínimo temerosos de terem enfiado os pés pelas mãos.
 

4oito

Deixe seu comentário