Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Maicon: da chuteira furada à Seleção e o retorno aprovado por 81%

Enquete apontou alta aprovação da contratação do lateral pela torcida do Criciúma. Há vinte anos, Maicon teve inicio humilde na base do Tigre
Denis Luciano
Por Denis Luciano 23/12/2018 - 23:40Atualizado em 23/12/2018 - 23:44

O Criciúma chegou à semifinal da Taça Belo Horizonte Sub-20 em 99. Perdeu para o Flamengo, nos pênaltis, a vaga na decisão. Naquela campanha, um jovem lateral direito tanto despontava que, meses depois, se transferia para o Cruzeiro.

Mas ele teve um jogo não muito bom naquela campanha. Lá pelas quantas, o Criciúma venceu o Internacional por 3 a 0 e o menino vinha errando os cruzamentos. Ao ser indagado pelo então supervisor Gilberto Custódio sobre a razão, o jovem Maicon, que era dos destaques do time do técnico Ademir Patrício, apontou para o pé. Estava jogando com chuteiras tão velhas que dedão do pé e calcanhar apareciam. Essa história tomei emprestada lá do blog do Gilberto Custódio, do qual anos depois fui colega na Rádio Eldorado.

Maicon, o primeiro agachado à esquerda / Foto: Blog do Gilberto Custódio

Em 1.999, Taça Belo Horizonte de futebol júnior, num jogo contra o Inter de P. Alegre, vencido pelo Tigre: 3 a 0, Maicon não estava acertando os cruzamentos. Calçava chuteira número 44, algumas marcas...45. O técnico Ademir Patrício já estava indignado! Eu mesmo, na oportunidade como então supervisor do Criciúma, reclamei: “Ô Maicon...o que ta acontecendo? Não ta acertando um cruzamento??!! “ . Rapidamente veio a resposta: “Ô Giba...olha a chuteira!!”. Observei e Maicon estava jogando com uma chuteira rasgada e aparecendo o dedão num pé e o calcanhar do outro pé! Os recursos eram escassos no Clube. Maicon também não tinha dinheiro pra comprar. Acabei comprando eu mesmo, autorizado pelo ex-diretor já falecido, Mário Ribeiro.

Quatro anos depois dessa histõria, Maicon Sisenando chegou à Seleção Brasileira principal, depois de várias passagens pelos times de base da CBF. Ficou até 2004 no Cruzeiro, quando se transferiu para o Monaco, da França, onde ficou até 2006. Daí, transferiu-se para a Inter de Milão. Na Inglaterra, defendeu o Manchester City entre 2012 e 2013, quando foi para a Roma, onde permaneceu até 2016. Voltou ao Brasil em 2017 para defender o Avaí e agora, aos 37 anos, está de volta ao Criciúma.

Maicon com a família assistindo um Criciúma x Santos em 2013 no Majestoso

O lateral, agora com 37 anos, será apresentado na quarta-feira. Assinou um contrato por produtividade. Fizemos uma enquete em nossas redes sociais para medir a aceitação dos torcedores sobre a contratação. Entre os nossos seguidores do Facebook, colhemos 441 votos, e Maicon ali teve aprovação de 81% dos participantes.

A camisa 13 que Maicon usará no Criciúma

No Twitter a vantagem foi um pouco menor, 76%.

Nas opiniões da galera, de tudo um pouco. A grande maioria, aprovando. Vai desde a ajuda com a experiência até a qualidade que o jogador pode ainda ter.

 

4oito

Deixe seu comentário