Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Eduardo Moreira deu o recado. E bem

Horas depois de passar o bastão para o Comandante Moisés, ex-governador relaxa, comemora e foca o futuro
Denis Luciano
Por Denis Luciano 01/01/2019 - 22:25Atualizado em 01/01/2019 - 22:27

É justa a comemoração que Eduardo Pinho Moreira faz na noite desta terça-feira em um restaurante mexicano de Florianópolis. Com os seus mais chegados, da equipe com a qual tocou Santa Catarina nos últimos meses, relaxa um pouco.

Eduardo, a esposa Nicole e amigos em comemoração agora à noite na Capital

Fez um bom governo. E o diz isso um jornalista que observava com certa desconfiança a gestão de Pinho Moreira. Hoje, e já faz um tempo que isso é possível, se faz uma leitura clara de uma boa gestão. Certamente melhor que a outra interinidade, do então vice, entre os governos de Luiz Henrique da Silveira.

E, meio que sem querer, ele desnudou as dificuldades da gestão Raimundo Colombo, do qual herdou um Estado com quase R$ 2 bilhões de déficit. De 16 de fevereiro - quando assumiu provisoriamente -, passando por 6 de abril - quando efetivado na renúncia de Colombo para concorrer ao Senado -, o governador liderou um processo de corte de gastos que enxugou a máquina e fez o déficit cair e muito, para R$ 500 milhões.

A região não tem do que reclamar. Além da Via Rápida, inaugurada ainda enquanto Eduardo vice, mas com o óbvio prestígio dele, vieram a revitalização da SC-445, da SC-390, a estadualização do Hospital Materno Infantil Santa Catarina (HMISC), mais investimentos em esgoto e outras obras mais. 

Eduardo tirou proveito desses quase 11 meses para pavimentar um caminho seguro, de uma natural liderança no MDB catarinense, do qual provavelmente voltará a ser presidente, e daí trabalhando para o seu desejo, de buscar uma cadeira no Senado em 2022. Terá o percurso aberto, na medida em que estará em disputa uma vaga, a do emedebista Dário Berger. Colombo talvez tente de novo, Paulo Bauer idem, algum nome novo a surgir.

Seja como for, Eduardo Moreira reabilitou seu nome na sua região e o estadualizou com eficiência. Fruto de um bom governo. Ele que nos reconheceu o voto no Comandante Moisés no segundo turno, e no discurso de hoje, na posse do sucessor, o associou diretamente aos ventos da mudança. Fez uma transição tão cordial que o governo que entra tem figuras destacadas em postos-chave que seguem, como o secretário Paulo Eli, da Fazenda, Leandro Lima, no segmento penitenciário, e o coronel Araújo Gomes, no comando da PM.

Eduardo hoje com Carlos Moisés na posse / Foto: Maurício Vieira / Secom

E Criciúma? Chegada é a hora de Eduardo voltar a exercer efetiva liderança na sua cidade. Ele já lançou fichas no deputado Vampiro como um provável candidato a prefeito para 2020. Porém, em conversa conosco na Som Maior na segunda-feira, Luiz Fernando Cardoso realçou que quer seus quatro anos na Alesc e entende que o movimento do MDB deve ser em torno da atração de um empresário, um nome novo para representar o projeto do partido daqui a dois anos. Ocorre que, de olho nas pretensões de 2022, que aparentemente são distintas e complementares, Eduardo Moreira e Clésio Salvaro - que aproximaram-se e bem neste ano - devem conversar. E não será surpresa se essa conversa girar em torno de 2020. Praticamente tudo pode acontecer.

Enquanto isso, está liberado para o doutor Eduardo hoje uma tequila entre as iguarias do México e depois, com a sua Nicole, terá a viagem internacional que vinha planejando.

4oito

Deixe seu comentário