Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Douglas Borba não é mais vereador

Ex-secretário da Casa Civil tinha cadeira na Câmara de Biguaçu, mas renunciou ao mandato
Denis Luciano
Por Denis Luciano 19/05/2020 - 16:17Atualizado em 19/05/2020 - 16:43

Segundo mais votado na eleição à Câmara de Biguaçu de 2016, na ocasião pelo Partido Progressista (PP), Douglas Borba somou 1.313 votos. O mandato foi interrompido pela vitória de Carlos Moisés da Silva (PSL) para o governo de Santa Catarina e o consequente convite para ser chefe da Casa Civil. Borba, então, licenciou-se do Legislativo na sua cidade para ocupar uma das mais importantes secretarias do novo colegiado empossado em janeiro do ano passado.

Viveu momentos importantes de liderança tanto das ações do governo quanto da estruturação do PSL em Santa Catarina. Foi ele, por exemplo, quem tentou convencer o ex-deputado federal Jorge Boeira a filiar-se no partido de Moisés. E foi recentemente. Para constar, Boeira não aceitou, e o PSL de Criciúma apostou suas fichas no vereador Julio Kaminski, recentemente egresso do PSDB.

Agora, afundado nas denúncias que pautam a CPI dos Respiradores, e que o tiraram da Casa Civil, Douglas Borba deixa também de ser vereador em Biguaçu. Ele tinha direito a retomar o mandato que era seu, conquistado nas urnas, mas o ex-secretário de Estado optou pela renúncia. A carta foi entregue na tarde desta terça-feira, 19, à presidência da Câmara de Biguaçu. Na carta, Borba refere que serviu ao município por 12 anos, seja na Câmara, seja como secretário municipal, mas que agora é hora de "se desligar da atividade política", revelando sua intenção de dedicar-se à família e a atividades privadas.

Douglas deverá ir à CPI na Alesc na próxima terça-feira, 26, e corre risco de encarar uma acareação com o também ex-secretário de Saúde, Helton Zeferino, e com a servidora Márcia Pauli, que nas denúncias responsabilizou o ex-chefe da Casa Civil pelas negociações que culminaram na compra dos 200 respiradores por R$ 33 milhões junto à Veigamed.

Confira abaixo a carta de renúncia de Douglas Borba:

A carta de renúncia de Douglas Borba

 

4oito

Deixe seu comentário