Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

PSL na pesquisa, liderança de Colombo e Amin e outras da coluna de hoje

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 18/04/2018 - 06:02Atualizado em 18/04/2018 - 08:19

Até poucos dias atrás, ninguém tinha ouvido falar em PSL. Hoje ainda, é provável que ninguém saiba o seu "nome completo”. Partido Social Liberal.

Na pesquisa do Instituto IPC em Criciúma, no entanto, quando o entrevistado foi questionado sobre o partido em que está filiado ou é simpatizante, o PSL teve 0,64%. É pouco. Menos de um 1%. Mas, ele ficou perto do PP, que teve o prefeito da cidade faz menos de dois anos, elegeu dois vereadores na ultima eleição e só tem 0,80%.

O PSL está na frente de partidos “cascudos” como PSD, PDT, PRB, PSB e PSC.

PSD tem um deputado e três vereadores na cidade. O PDT tem um deputado. O PSB tem um deputado e o presidente da câmara de vereadores. PSC tem um vereador. O PRB também.

O PSL não existia em Criciúma até o início de abril, quando teve sua primeira comissão provisória constituída.

Mas, é o partido do Bolsonaro. Foi isso que o colocou onde está.

É mais um dado para ilustrar o confuso quadro pré-eleição em 2018. Onde a “onda Bolsonaro” é fato real.

Até quando sobrevirá, ou resistirá, impossível saber. Como toda onda, pode começar a perder força a qualquer momento. Ou, pode se manter por mais tempo. Até a eleição, talvez!

Há quem aposte que a prisão e provável afastamento de Lula da eleição pode “esfriar" Bolsonaro. Porque os dois estão nas “pontas" do processo politico e se alimentam. Pelo contraponto. Porque um é o oposto do outro.

O tempo vai dizer se é assim mesmo.

De qualquer forma, fica evidente que o desempenho do desconhecido PSL mostra o quanto o eleitor não está nem aí para partidos. E que mão são eles que influenciam e “conduzem" o eleitorado.

 

Colombo e Amin

A pesquisa do Instituto IPC sobre intenção de voto do eleitor de Criciúma na eleição para o senado deu o previsto. Raimundo Colombo na frente, com Esperidião Amin “ao lado”. Tecnicamente empatados.

Numa simulação, Colombo tem 14,72% e Amin 13,44%. Na outra, Colombo vai a 14,80% e Amin 14,56%.

São dois ex-governadores e ex-senadores. Políticos de muitos mandatos. Vencedores de muitas eleições.

Quem aparece mais perto deles é Paulo Bauer, com 5,84%.

Se nada surgir de novo (e muito forte), independente das chapas e alianças, os dois são os favoritos para eleição ao senado. Que neste ano terá duas vagas.

 

O efeito pesquisa

Os números da pesquisa para governador foram comemorados pelos empolgados defensores de Jair Bolsonaro em Criciúma e acionou sinal de alerta no PSDB (e no comando da prefeitura de Criciúma). Afinal, os candidatos do prefeito Clesio Salvaro se deram muito mal.

Geraldo Alckmin não passou de 3% das intenções de voto. Paulo Bauer ficou em 11%.

 

Efeito pesquisa 2

No PMDB, euforia com a pesquisa.

Foi a melhor noticia que os aliados de Eduardo Moreira poderiam esperar.

Para eles, representa “virada de página”. Fim da fase de “abutre”, denúncias e acusações.

Apostam que Eduardo está voltando a se firmar como liderança reconhecida.

 

Bauer lançado

O PSDB fará lançamento amanhã da candidatura de Paulo Bauer a governador, em Florianópolis.

O PSDB espera fechar aliança com PMDB ou PP e PSD. Mas, por enquanto, vai insistir com Bauer na “cabeça”.

Há no partido, inclusive, um grupo forte que sustenta a tese de “chapa pura”. Neste caso, Geovania de Sá pode ser candidata ao senado ou vice-governadora.

 

Desvio de rota

A ex-prefeita de Bombinha, Ana Paula Silva, a Paulinha, disse ontem na rádio Som Maior queria pretendia ser candidata a governadora. Tentou convencer o partido que tinha condições de apresentar como novidade e atrair votos dos tantos que estão cansados da mesmice.

Mas, não conseguiu vencer internamente. Por isso, será candidata a deputada estadual e esta correndo o estado numa campanha praticamente suprapartidária. Com apoiados de vários partidos.

Na região, por exemplo, que montou sua agenda foi Giovani Felipe, DEM.

O coordenador da sua campanha na AMREC é o sindicalista Pirigueti, presidente dos mineiros de Criciúma.

 

Não vai

O médico Márcio Zacaron, ex-vereador, já comunicou ao prefeito Clesio Salvaro que não será presidente do PSDB.

Agradeceu o convite do prefeito, que está organizando a nova executiva, mas declinou.

No Paço, o sentimento é que o atual presidente, vereador Dailto Feuser, não será reconduzido.

Presidente pode ser a suplente de vereadora Roseli de Luca, atual secretária municipal de educação. 

 

Segurança

O deputado Luiz Fernando Vampiro, PMDB, se reuniu ontem com o secretário de segurança pública do estado, Alceu de Oliveira Pinto Junior, para tratar da “onda de assaltos" a veículos na região carbonífera .

O secretário garantiu que será intensificada a atuação em torno de quadrilhas  

 

4oito

Deixe seu comentário