Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Prefeito Salvaro convence deputada Geovania a ser vice de Paulo Bauer

Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 23/07/2018 - 05:54Atualizado em 23/07/2018 - 16:19

No sábado, início da manhã, o celular do prefeito Clesio Salvaro recebeu mensagem do senador Paulo Bauer - “é assim que uma candidatura começa a cair”. Juntou print da informação exclusiva dada nesta coluna, edição de sábado, sobre o convite feito para a deputada Geovania de Sá ser candidata a vice-governadora, que ela recusou. Disse que preferia ser candidata à reeleição.

Bauer veio em silêncio ao sul na sexta-feira, sozinho, só para se reunir com Geovania e fazer o convite. Eles conversaram em Laguna, onde a deputada cumpria roteiro de campanha à reeleição.

Logo que recebeu a mensagem, Clesio telefonou para Bauer, mas não falaram.

Então, devolveu mensagem. Disse que Geovania sempre defendeu aliança, é contra chapa pura e não pode agora ser cobrada por nada.

Depois disso, cutucou - “quem defende chapa pura é que deve se apresentar”. Numa referência indireta ao deputado Marcos Vieira e ex-prefeito Napoleão Bernades.

Mas, a “cobrança" de Bauer não foi isolada. O comando do partido fez o mesmo discurso durante todo o fim de semana. 

O prefeito Salvaro acabou responsabilizado pela posição de Geovania. O argumento é que ele faz isso porque defende aliança com o PP de Amin.

No sábado, o senador Dalirio Beber convidou Clesio para uma reunião do partido em Ituporanga. Ele não foi. Conversou com Dalirio por telefone. E também com o presidente estadual do partido, deputado Marcos Vieira.

Clesio repetiu no fim de semana que defende aliança e voltou a alertar para o risco de isolamento do partido, que não interessa nem ao presidenciável Geraldo Alckimin.

Ontem à noite, no entanto, ao perceber que estava aumentando a cobrança sobre a deputada Geovania de Sá, e contra ele próprio, inclusive imputando aos dois possíveis desdobramentos, o prefeito procurou a deputada e aconselhou que aceitasse o convite para ser vice. 

Ela comunicou ontem à noite a sua decisão à direção estadual do PSDB e deve participar hoje na reunião da executiva estadual, em Florianópolis.


Na vaga de Geovania

Clesio Salvaro e Geovania de Sá vão tratar juntos durante a semana  da “sucessão” na candidatura a deputado federal pelo sul, se for confirmada a chapa pura e Geovania na vice.

O vereador Aroldo Frigo, de Nova Veneza, e o vereador Julio Kaminski, de Criciuma, estão cotados.


Tem lado

Pela preferência pessoal Clesio Salvaro, o PSDB faria aliança com o PP e apoiaria a candidatura do deputado Esperidião Amin a governador. 

Pelas suas contas, mais de 90% das bases do PSDB no sul rejeitam aliança com o MDB.

Mas, em público, ele apenas defende aliança. Sem direcionar com quem.


Semana tucana

PSD e PP esticaram a decisão sobre aliança porque vão esperar o PSDB, que fará convenção no próximo sábado.

A semana será de articulação dos tucanos, e em torno deles.

MDB e PP disputam o apoio do PSDB.

Mauro Mariani, MDB, e Esperidião Amin, PP, pilotam pessoalmente as conversações.


A chapa de JKP

Trecho de mensagem enviada pelo ex-senador e ex-ministro Jorge Bornhausen ao colunista Prisco Paraíso, sobre composição de chapa: 

“Juntar numa chapa só os que têm votos será bom para SC. Torço que isto aconteça. Desejo, na mesma chapa, Raimundo (Colombo), Paulo Bauer, (Esperidião) Amin e (Gelson) Merisio. Espero que a racionalidade e o espirito público os levem a um entendimento”.

Bornhausen defendia Bauer como candidato a governador e passou a defender Amin.


Centro das atenções

A principal atração na convenção do PSD, sábado, foi o deputado Esperidião Amin, PP.

Com o presidente do partido, Silvio Dreveck, ao seu lado, e toda a cúpula do partido, Amin falou muito, mas disse pouco. Não fechou nada. Deixou tudo em aberto.

Repetiu o discurso da “frente ampla” de oposição ao MDB e pediu PSDB e DEM na aliança.


Tudo pode!

O PSD fez o que foi previsto. Convenção aprovou a candidatura de Gelson Merisio ao governo e Raimundo Colombo ao senado, mas delegou poderes a executiva para fechar aliança e chapa.

A rigor, tudo pode mudar. Até a candidatura ao governo. Só que neste caso, Merisio agora precisa renunciar. E a executiva indicaria novo candidato, que pode ser de outro partido.


Tudo definido, mas indefinido

Assim como já era esperado, a convenção do PSD confirmou o nome de Gelson Merisio na corrida pelo Governo do Estado e de Raimundo Colombo ao Senado. As outras duas vagas da majoritária seguem aberto para atrair novas coligações. Merisio fez um discurso de fortes críticas ao MDB e com postura de candidato ao governo. Citou, inclusive, o combate as desigualdades entre as regiões do estado, entre elas, o Sul. Mas, depois admitiu aos jornalistas, que nada impede que ele ainda abra mão da posição e que conversas seguem. Tudo se definirá em 5 de agosto.


A presença do PP

Esperidião Amin chegou empolgado à Assembleia Legislativa para a convenção do PSD. Com seu jeito característico cumprimentou todos e brincou, fez piadas. Ao encontrar com Gelson Merisio seguiu no mesmo clima. Deu um ar de entendimento. Mas, sempre sem deixar claro o que acontecerá até o prazo final, dia 5 de agosto.


Os que não foram

A presença do PP na convenção do PSD dá sinais de que se ainda não houve entendimento, pelo menos, se busca um. Por outro lado, PSDB e DEM não foram. As falas de quem estava presente seguiram no mesmo caminho: o diálogo permanece aberto.


Apoio ao projeto

Além da convenção do PSD, outras 10 aconteceram no mesmo espaço da Alesc e em salas ao redor. Gelson Merisio fez questão de passar em todas elas. Depois, todos se reuniram na convenção do PSD e cada líder levou sua mensagem de apoio. PRB, Solidariedade, PSB, PSC, PDT, PROS, PRP, Podemos, PHS e PCdoB confirmaram aliança.


Presidenciável

A maior convenção, em números de presentes, foi a do PDT. O Auditório Antonieta de Barros ficou superlotado. Teve direito à até bateria de escola de samba. O candidato do PDT à presidência da República, Ciro Gomes, homologado um dia antes na convenção nacional, esteve presente.


Novas siglas

O PSD ainda conversa com o PSL, de Jair Bolsonaro. Merisio acredita que nessa semana pode ter o anúncio de mais esse apoio.


Palanque

Gelson Merisio garante que não irá, pessoalmente, se definir por um candidato a presidente no primeiro turno. A coligação que o cerca conta com, pelo menos, dois presidenciáveis: Ciro Gomes (PDT) e Álvaro Dias (Podemos). Sem contar que o PSD nacional está com Geraldo Alckmin, do PSDB. Agora, terá a chance de ter Jair Bolsonaro, do PSL.


Proporcional

Para a proporcional se encaminham duas chapas. Uma com todas as siglas consideradas menor, o chamado chapão, e outra com o PSD e PP (se confirmar aliança).


Maioria na Alesc

O cálculo de Gelson Merisio o coloca com maioria na Assembleia Legislativa. Espera eleger 23 deputados. Sendo, sete ou oito do chapão e mais 15 do PSD/PP. Se o PSD ficar sozinho, espera eleger oito ou nove deputados estaduais. A projeção para a Câmara Federal é de nove deputados – dois ou três do chapão e seis do PSD/PP.

Unidade

Prefeitos e dirigentes do MDB do sul ficaram impressionados com o comício de Içara com Mauro Mariani, na sexta-feira à noite, pela número de pessoas e o ambiente de unidade.

Prefeito Murialdo Gastaldon afirmou - “foi o maior evento político realizado no sul neste ano”.

4oito

Deixe seu comentário