Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Julio Garcia reage e tem solidariedade dos deputados

Presidente da Alesc vinha sob fogo cruzado por denúncias do Ministério Público Federal
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 06/10/2020 - 17:26Atualizado em 06/10/2020 - 17:52

Julio Garcia fez o que precisava fazer. Reagiu ao bombardeio sistemático a que vem sendo submetido, a partir de denúncias vazadas pelo Ministério Público Federal.

Deu explicações sobre as duas denúncias do Ministério Público Federal protocoladas na Justiça Federal, com acusações de supostos ilícitos de lavagem de dinheiro, peculato e corrupção.

Citou operações anteriores do Ministério Público Federal, inclusive com prisões, mas todas com execração pública dos envolvidos, que mais tarde acabaram absolvidos.

Entre outras, a operação contra o reitor da UFSC, professor Cao Cancelier, que não resistiu ao desgaste e se suicidou, e a que levou o prefeito Gean Loureiro, da Capital, à prisao, e mais tarde a denúncia contra ele foi arquivada.

Durante o seu procunciamento de 30 minutos, silêncio absoluto em plenário.

Depois, mais de uma dezena de deputados fizeram manifestações de solidariedade, incluindo a líder do governo Moisés na Assembléia, deputada Paulinha.

No tatal, deputados de dez partidos se manifestaram (MDB, PDT, PSL, PP, PSDB, PSB, Republicanos, PL, PSD, PSC).

Júlio Garcia disse que está sendo vitima de perseguição e que as denúncias tem relação com o fato de ser o primeiro na linha sucessória, no caso de afastamento do Governador e da Vice.

Disse que as denúncias foram feitas de forma precipitada depois das decisões do legislativo sobre o processo de impeachment contra Carlos Moisés e Daniela Reinehr.

Ele atacou a delação premiada que subsidia parte das denúncias. e criticou várias vezes a força tarefa do Ministério Público Federal, acusando de abuso de autoridade e perseguição política.
Fez critica direta ao Ministério Público Federalpor divulgar em seu portal na internet detalhes da denúncia, classificando a atitude de ilegal, alegando que o inquérito e a denúncia correm em segredo de Justiça.

 

 

 

4oito

Deixe seu comentário