Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Fiesc pede somente pela BR-470

Presidente da Federação reuniu-se com ministro para tratar de rodovia
Adelor Lessa
Por Adelor Lessa 05/09/2019 - 18:27Atualizado em 05/09/2019 - 18:28

Estamos com um problema na BR-285. Não por agora. A obra está em andamento, e pelo que está projetado a obra vai ficar quase pronta nesse ano, terminando 2019 com 85% dela pronta, é isso que o governo tem dito, ficando para o ano que vem de 10% a 15% da obra. O orçamento federal para 2020, que foi entregue na sexta-feira à Câmara, não tem um centavo previsto para a obra da BR-285. Assim, a obra vai parar em janeiro.

Diante disso, os deputados da região estão se mexendo. Daniel Freitas, Geovania de Sá e Ricardo Guidi formalizaram um pedido de audiência com o ministro da Infraestrutura. O governo não cortou somente o dinheiro da BR-285, mas também de outras obras de infraestrutura. Cortou 50% de uma obra, tudo de outra obra. Duas rodovias foram cortadas parcialmente e de três rodovias federais tiraram tudo. São cinco atingidas no estado.

Está no Blog do Moacir Pereira a informação: "Fiesc vai a Brasília pedir recursos pela duplicação da BR-470". O colega informa que o presidente da Fiesc foi hoje a Brasília, o presidente Mário Cezar de Aguiar, para uma audiência com o ministro Tarcísio de Freitas pedindo suplementação de R$ 80 milhões no orçamento de 2019 para duplicação da BR-470 em Itajaí. Mas por qual razão a Fiesc foi tratar somente dessa rodovia se cinco foram atingidas pelo corte?

A Fiesc é do estado, inclusive do sul do estado, não é somente das indústrias do Vale do Itajaí ou da região norte. Por qual razão o presidente sai daqui para brigar por apenas uma rodovia? Os três deputados do sul não conseguiram audiência, o presidente da Fiesc conseguiu, mas só tratou da BR-470. Isso mostra a importância de o sul se articular para, unido, emplacar nomes na próxima diretoria executiva da Fiesc, que até tem gente daqui, mas em cargos que não estão no núcleo de poder, na diretoria executiva. Não por culpa deles, mas por questão histórica. Historicamente o comando da Fiesc está no norte e Vale do Itajaí. Está na hora de começar a reverter isso.

4oito

Deixe seu comentário