Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Redenção

Minha coluna de hoje em A TRIBUNA
João Nassif
Por João Nassif 21/01/2019 - 07:52Atualizado em 25/01/2019 - 12:13

Nada no futebol é definitivo. Depois da derrota em casa na estreia muitos torceram o nariz, lembraram dos fracassos dos últimos anos e preocupados fizeram a previsão de outra campanha sofrível no campeonato estadual. A vitória em Itajaí, se não devolve de vez a confiança pela fragilidade do Marcílio Dias, pelo menos diminui a pressão para o jogo em Chapecó na próxima quarta-feira. É somente o segundo jogo e continuou com a opinião que haverá crescimento com este grupo e se houver investimentos o Criciúma certamente brigará pelo título até o final.

DEFICIÊNCIAS
Claro que ainda falta um atacante mais efetivo, aquele que pode ser chamado de matador, claro que é peça rara no mercado, mas hoje o Criciúma tem pelo menos dois captadores. Nei Pandolfo que está aí a mais tempo e Ricardo Rocha. São eles os responsáveis para acertar o plantel.
 
RESPEITO ACIMA DE TUDO
Quem acompanha o futebol inglês nota com absoluta clareza a diferença entre os jogos de lá com os que são disputados no futebol brasileiro. Outro dia abordei aqui o comportamento dos torcedores que respeitam seus limites, caso contrário são unidos e afastados dos estádios. O respeito dos atletas para com os árbitros, não se reclama das marcações, pois todos entendem que não há reversão das decisões tomadas. Não se simulam lesões para fazer o tempo passar. Enfim, são alguns componentes que fazem a diferença e que não são observados por aqui.

INTENSIDADE TOTAL
Time pequeno na Inglaterra é diferente do pequeno brasileiro. É normal vermos jogadores de ótimo nível jogando em equipes que apenas lutam contra o rebaixamento. Estas equipes quando enfrentam os grandes não ficam especulando na defesa atrás de uma única bola. Jogam para frente buscando igualdade técnica que quase nunca é possível, mas não fogem do jogo jogado e às vezes se tornam zebras.

JUSTIÇA FINANCEIRA
A Premier League, equivalente à série A do Campeonato Brasileiro permite que os pequenos invistam em qualidade pela divisão das receitas do campeonato, principalmente as cotas de televisão. O Campeonato Inglês é vendido para centenas de países e o dinheiro tem uma divisão justa entre os 20 integrantes da Premier League. Metade da receita é dividida igualmente entre os clubes, os outros 50% são distribuídos proporcionalmente pela colocação na competição. O campeão recebe mais que o 20º colocado que mesmo rebaixado tem sua cota preservada. Por isso é o campeonato com a maior visibilidade do planeta.

MEMÓRIA
21/01/2009 – “DA ÁGUA PARA O VINHO”

A queda para a série C foi um duro golpe na região, mas pelas modificações processadas em relação ao último ano reacenderam-se as esperanças de uma guinada completa no planejamento do futebol do clube. Finalmente o Criciúma tem uma direção de futebol atuante, com o Rampinelli e o Lesbon sempre ao lado dos atletas, seja no dia a dia ou nas viagens. O trabalho de vestiário que ficou acéfalo durante muito tempo finalmente apareceu o que remete para uma unidade maior do plantel, enfim tudo o que pessoas competentes fazem quando se infiltram no futebol.

4oito

Deixe seu comentário