Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Queda livre

João Nassif
Por João Nassif 22/02/2018 - 11:50

Cada sonho vai se transformando em pesadelo e o Criciúma cada vez mais se perdendo nesta temporada.

Na sequência de uma participação lamentável no campeonato estadual a desclassificação em casa na Copa do Brasil escancarou de forma definitiva a total falta de organização no clube em todos os níveis, da gestão ao futebol sofrível que vem sendo tripudiado por vários adversários, muitos sem a sua estrutura e a sua grande história.

O futebol é sábio e não perdoa a incompetência, o que começa errado dificilmente tem conserto. Ah! Mas o zagueiro tirou a bola em cima da linha do gol. Ah! Pênalti é loteria. Ah! Atacamos mais e o goleiro adversário fez milagres.

Nada disso serve para encobrir as deficiências de um mal planejamento, de uma cautela nos investimentos e de apostas em profissionais sem o perfil para enfrentar as dificuldades de qualquer competição de alto rendimento.

Não quero que crucifiquem o Grizzo, técnico interino, o Carlos Eduardo que perdeu o pênalti final e de tantos outros que somados a estes dois são vítimas de uma estrutura que perdeu sua validade.

No começo da gestão com o ex-presidente tudo estava maravilhoso, o time subindo os degraus do futebol brasileiro até chegar ao topo. Ótimos patrocínios, estádio cheio e o orgulho da região em ter um time vencedor.

Heriberto Hülse nos velhos e bons tempos (Foto: youtube.com)

Até que veio uma incrível e inconsequente mudança do roteiro. O futebol foi cair em mãos amadoras que as enfiaram pelos pés. A gestão começou a fazer agua e os tombos foram inevitáveis. Mudança de rumo e o que poderia ser uma retomada se mostrou muito pior.

Hoje sem qualidade de plantel, com o estádio às moscas, qualquer time chega no Heriberto Hülse e joga como se estivesse em sua própria casa e o Criciúma se afundando cada vez mais em sua trajetória.  Por isso afirmo que os atuais profissionais não têm culpa de absolutamente nada e não podem ser tratados como vilões.

Heriberto Hülse hoje em dia (Foto: Forquilhinha notícias)

No começo da temporada fiz um post aqui no blog falando de esperança e incertezas. Hoje restou apenas uma certeza, em não havendo uma profunda mudança na forma de se fazer futebol o Criciúma irá atingir o fundo do poço.
 

4oito

Deixe seu comentário