Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Quase um dilúvio

Minha coluna de hoje em A TRIBUNA
João Nassif
Por João Nassif 24/01/2019 - 07:35Atualizado em 25/01/2019 - 12:12

Com a tempestade que caiu em Chapecó e a paralizacao do jogo por quase uma hora ficou evidente que a suspensão temporária tirou o embalo do Criciúma que havia feito um bom primeiro tempo. Teve gol anulado que pelo ângulo precário das câmeras de transmissão não deu para avaliar, mas o conjunto da obra foi bom mostrando que o time vai adquirindo gradativamente uma forma de jogar que permite pensar em terminar a fase de classificação na zona das semifinais.

DRENAGEM DE PRIMEIRO MUNDO
Mesmo que a partida tivesse que ser paralisada em função do volume de água que desabou na cidade, o gramado da Arena Condá suportou com eficiência o quase dilúvio e após o arrefecimento da tromba d’água o jogo teve sua sequencia quase normal. Só o Criciúma sentiu a paralizacao.  

“ESPANHOLIZAÇÃO”
Num passado recente a distância na distribuição das cotas de televisão dava a Flamengo e Corinthians um valor imensamente superior em relação aos demais clubes do futebol brasileiro. Temia-se que a dupla poderia ser comparada a Real Madrid e Barcelona que dominam as receitas da Liga Espanhola, daí o termo “espanholização”. Depois da implosão do Clube dos 13 os clubes passaram a negociar individualmente com a Rede Globo e os dois clubes de maior torcida saíram beneficiados.

INTRUSO NA BRIGA 
Num curto espaço de tempo surgiu uma nova força que derrubou o domínio financeiro de Flamengo e Corinthians. O Palmeiras conseguiu um patrocínio acima do próprio mercado e a parceria com a Crefisa e a Faculdades FAM assumiu a liderança no faturamento e em quatro anos já conquistou três títulos nacionais. E a cada ano a receita via patrocínio aumenta e ontem foi assinada a renovação de contrato com os parceiros que pode render R$ 410 milhões até 2021.

RIVAIS 
Se no início a “espanholização” era em função das cotas de televisão, com o Palmeiras no jogo e que não depende da TV Globo pela força de seu patrocínio, o Flamengo é quem atuou de forma agressiva nesta pré-temporada para montar um time que vai competir forte em 2019. Os recursos do Flamengo vieram da venda de duas revelações para o futebol europeu. Com as outras forças do futebol brasileiro correndo atrás, Palmeiras e Flamengo agora são os que mais se aproximam da dupla que domina o futebol espanhol. 

TORNEIRA FECHADA
Agora é definitivo, Pedro Guimarães presidente da Caixa Econômica Federal afirmou que o banco não irá mais bancar times de futebol. Os últimos patrocínios vencem em março e não serão renovados. É um desfalque muito grande em vários clubes e o Criciúma é um deles.

MEMÓRIA
24/01/2005 – “DONO DO JOGO”
 
Quem roubou a cena foi o garoto Eder. Jogou meio tempo, fez dois gols e levou pânico à defesa do Sindicato. Levou tanta botinada que dois jogadores adversários foram expulsos. Vai confirmando tudo o que já se falou de seu futebol e está deixando de ser promessa, mostrando a cada dia um futebol de gente grande. O Barbieri falou no final que não irá precipitar sua entrada em definitivo no time. Dará ao jogador um tempo para recuperação do desgaste sofrido, pois o Eder quase não teve descanso nos últimos meses. 

4oito

Deixe seu comentário