Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

País do jeitinho e da maracutaia

Jogo empatado
João Nassif
Por João Nassif 09/02/2019 - 07:52Atualizado em 09/02/2019 - 07:52

O poeta disse que vivemos num país tropical, abençoado por DEUS e bonito por natureza. Alguém afirmou que DEUS depois de abençoar o Brasil, para equilibrar colocou por aqui uma das piores espécies do ser humano. Ambos têm razão, o poeta e esse alguém. Se DEUS nos abençoou e nos livrou de catástrofes que assolam povos dos quatro quadrantes da Terra como terremotos, tsunamis e afins, por aqui de tempos em tempos somos abalados por tragédias que são obras exclusivas de pessoas sem o mínimo de escrúpulos quando se trata de zelar pelas vidas alheias.

FIZERAM A TRINCA
Somente este ano que está praticamente começando três catástrofes abalaram o país por causas mais diversas, mas que poderiam ser evitadas houvesse um mínimo de cuidado por parte dos responsáveis. Brumadinho, Rio de Janeiro e por último o CT do Flamengo, tragédias que ceifaram centenas de vidas.

JÁ TE VI
Em Brumadinho a corrupção e o descaso são a marca da forma como funciona a relação empresa/poder público. Propinas, falta de fiscalização e o empurrar com a barriga são marcas desta relação espúria onde agentes públicos são cooptados para garantir os lucros exorbitantes de empresas que não dão a mínima para prevenir catástrofes que pela segunda vez chocou o mundo. Lembram-se de Mariana?

DE ESTACIONAMENTO À ARMADILHA
No Ninho do Urubu, pelas informações de um garoto que sentiu na pele o perigo, o fogo começou no ar condicionado de um dos quartos do alojamento e rapidamente se espalhou pela ala dormitório do Centro de Treinamentos. A informação é que não havia o exigido laudo do Corpo de Bombeiros e mesmo assim a obra foi concluída e habitada. O local era para ser um estacionamento. Os dirigentes do Flamengo que lamentam a tragédia terão que ser responsabilizados por não respeitarem a lei.

GOVERNADORES NA CADEIA
O dilúvio que caiu sobre o Rio de Janeiro é pura obra do incontrolável. Agora tantas vítimas que habitam em zona de risco são produtos de um crescimento desenfreado, de construções que não obedecem às normas de segurança pela falta de fiscalização do poder público. O Estado fecha os olhos e permite que a cidade vá crescendo por onde a população entende e o risco de catástrofes é iminente, mesmo com o imponderável.  

FALA MUITO!!!
Ah! E hoje tem Criciúma. Estou curioso para saber se Abel Ribeiro, novo técnico do Metropolitano irá usar na preleção os arroubos do presidente do Criciúma na última quarta-feira.

MEMÓRIA
09/02/2009 – “DESVIO DE FOCO”

Enquanto o time do Criciúma vai fazendo esta boa campanha no estadual, algumas pratas da casa viraram alvo de especulações sobre possíveis negociações. Jogadores como Lima e Mateus passam por excelente momento, são titulares absolutos e é normal que o assunto negociação seja constante nos noticiários. O clube está administrando a situação com ponderação, pois sabe melhor que todos o que representa revelar jogadores que pela força da lei não garante o vínculo por muito tempo. Quase sempre jogador revelado na base quando sobe vem com salário pequeno e por consequência a multa não é grande. Quando o clube se dá conta que o contrato do atleta está chegando ao final tenta um reajuste para aumentar a multa rescisória. Só que o jogador, orientado pelo procurador não aceita e aguarda o final do contrato para ficar livre.

Tags: DEUS

4oito

Deixe seu comentário