Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

O que está acontecendo com Vettel?

Título Mundial por uma corrida
João Nassif
Por João Nassif 09/10/2018 - 14:50

Thiago Ávila *

Depois de mais uma derrota frustrante no Japão, Vettel vê a liderança se distanciar para 67 pontos, número praticamente inalcançável, e a briga que se instaurou desde o início do ano vai indo por água abaixo, como no ano passado. Mas o que se explica esse declínio repentino da equipe de Maranello, que até o GP da Itália vinha se figurando como o melhor carro? Justificativa é o que não falta.

O primeiro e talvez o mais importante dos motivos é o falecimento do ex-presidente do Grupo Fiat, Sergio Marchionne. O italiano era ativamente ligado a equipe e foi o primeiro a dizer que queria ver Charles Leclerc na Ferrari. Vítima de embolia, o empresário morreu no dia 25 de julho e a partir de então os ânimos dentro da equipe só caíram.

Uma briga interna se instaurou e dois grupos se formaram: o liderado por Maurizio Arrivabene, chefe de equipe, que defendia a permanência de Raikkonen; e o outro comandada pela nova cúpula da Ferrari, formada por John Elkann e Louis Camilleri, que seguiam com o desejo de Marchionne. A perda de controle de Arrivabene foi tão grande que ele chegou a ser cotado para assumir a Juventus e ainda nada foi confirmado sobre sua permanência na próxima temporada.

Tetracampeão questinado

O crescimento de desempenho de 2017 para 2018 também colocou uma pressão gigante nas costas de Vettel. Sim, ele cometeu erros, tinha uma chance de ouro de ganhar o título, mas o psicológico afetou, as discussões internas, ainda mais a imprensa e fãs. Até Hamilton defendeu o alemão no Instagram: “Sinto que a mídia precisa mostrar um pouco mais de respeito por Sebastian. Vocês simplesmente não podem imaginar o quão difícil é fazer o que nós fazemos em nosso nível”.

Não há uma resposta ao mau desempenho da Ferrari, mas sim uma série de motivos, que inclui dirigentes, estrategistas e pilotos. E não dá para jogar a culpa toda no alemão. Vejo muitas pessoas dizendo que ele ganhou os quatro títulos pela Red Bull porque o carro guiava por ele, o que não é verdade. Ele é talentosíssimo, mas anda precisando de um psicólogo.

* Thiago Ávila, Estudante de Jornalismo da PUCRS
 

4oito

Deixe seu comentário