Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

O experiente x A nova geração

A melhor corrida do ano
João Nassif
Por João Nassif 05/08/2019 - 08:15

Thiago Ávila *

O GP da Hungria deste domingo mostrou o quão na frente estão Max Verstappen e Lewis Hamilton dos demais concorrentes. Max, por sua vez, ainda conseguiu um triunfo histórico: sua primeira pole na carreira, mesmo já com sete vitórias no bolso. Já Lewis voltava a mostrar porque é pentacampeão mundial e faz jus por ter o melhor carro.

E mesmo para os mais fanáticos fãs holandeses de Verstappen, a vitória do britânico foi de tirar o chapéu. Com certeza não será apenas mais uma para ele, mas sim uma de suas corridas mais brilhantes em seus 13 anos de F1.

Ultrapassagem final na Hungria

O holandês fez uma excelente classificação, uma ótima largada, aguentou muito bem a pressão do britânico, correu mais do que podia com um motor inferior ao da Mercedes, mas perdeu na estratégia. Os dois se destoaram tanto dos demais que Vettel, que era terceiro colocado, ficou a mais de um minuto dos dois líderes. Uma disputa tão intensa que mereciam ter seus pontos dobrados.

Sim, Vettel, Leclerc e Bottas também tiveram seus bons momentos esse ano, mas ninguém se aproxima do nível desses dois.

Um destaque nessa corrida também vai para Carlos Sainz e George Russell. O espanhol largou em oitavo e superou seu companheiro de equipe Lando Norris e Pierre Gasly e conseguiu o quinto lugar pela segunda vez consecutiva. Já o inglês conseguiu colocar a Williams (a pior equipe do grid com sobras) em 16º lugar na classificação e na corrida chegou a estar em 13º. Terminou na posição que largou, ainda na frente de Stroll e Giovinazzi, mas isso já mostra um interessante crescimento da equipe de Grove.

Agora vem as férias. Momento crucial para sentar na fábrica e ver o que dá para melhorar no carro. A Ferrari e a Williams são as que mais tem de fazer essa análise, estão muito atrás de seus rivais no campeonato. O carro vermelho continua rápido de reta, mas perdem muito nas curvas. A Red Bull conseguiu corrigir bem isso durante a temporada e pode-se esperar que os austríacos voltem no mesmo nível da Mercedes, e principalmente tentar ajudar Gasly, que vai perdendo muita distância dos verdadeiros rivais e está sofrendo contra as McLaren.

Já a Mercedes basta aguardar, é líder com folga, tem um ótimo carro e um excelente piloto nas mãos. Basta fazer o que já vem fazendo a cinco anos.

A F1 volta dia 1º de setembro na perigosa Spa-Francorchamps, na Bélgica.

* Estudante de Jornalismo da PUCRS

4oito

Deixe seu comentário