Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Mais um ponto fora de casa em 2002

Almanaque da Bola #745
João Nassif
Por João Nassif 06/08/2020 - 09:45

Saindo do interior do Ceará, antes de voltar para casa o Criciúma fez uma parada no Estado do Rio de Janeiro para jogar a décima-primeira rodada do campeonato brasileiro da série B de 2002, sua quinta partida longe de casa.

A revista “Mais uma estrela” registrou o jogo contra o Americano desta forma: “E a maratona continuava. Outras quatro horas de ônibus de Sobral a Fortaleza com destino ao Rio de Janeiro. Mais quatro horas até Campos dos Goytacazes e o campeonato não dava nenhuma folga.

Voltavam os suspensos em Sobral e ficava fora o Juca pelo terceiro cartão amarelo. Até então o time registrava apenas desfalques pelos cartões. Mesmo com a sequência desumana de jogos e viagens, nenhum jogador ficou fora por problemas físicos, o que comprova a excelência da preparação física comandada pelo professor Álvaro Andreis.

O jogo foi em câmera lenta, com o Criciúma não encontrando o caminho do gol. O Americano era outro que lutava para não cair e dependia apenas de seu ala esquerdo Rondinelli, o artilheiro do time, que tem chute poderoso, mas totalmente descalibrado neste jogo.

O empate levou o Criciúma para a terceira colocação, empatado com o Fortaleza com 23 pontos. O Avaí foi a 27 e disparou na liderança.”  

Num jogo de 0x0 o Criciúma jogou com Fabiano, Paulo César Baier, Cametá, Luciano, Alonso; Edinho, Cléber Gaúcho, Paulo César, Douglas (Dejair); Delmer, Tico (Carlos Henrique). A arbitragem foi do capixaba Antônio Buaiz Filho.

No rodapé da página 29 está escrito: “Nas 07 Copas do Brasil que disputou, O Criciúma EC marcou 56 gols e sofreu 35.”   
 

4oito

Deixe seu comentário