Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Jean-Eric Vergne é bicampeão da Formula-E

Fim de uma temporada eletrizante
João Nassif
Por João Nassif 14/07/2019 - 21:15

Thiago Ávila *

A quinta temporada da principal categoria de carros elétricos chegou ao fim nesse final de semana. O campeonato, extremamente equilibrado, com sete vencedores diferentes em 13 etapas, terminou novamente com francês Jean-Éric Vergne como campeão.

Jean-Éric Vergne

A temporada 2018-19 iniciou com um domínio evidente da equipe BMW, com o português António Felix da Costa vencendo a primeira prova, na Arábia Saudita, em uma boa disputa com Vergne. Em Marrakesh, o português tinha tudo para repetir o resultado, até se enroscar com seu companheiro de equipe e entregar a vitória para Jerome D’Ambrosio, da Mahindra.

No Chile, um novo integrante apareceu na disputa: Sam Bird e o motor Audi. O inglês foi brilhante em Santiago e botou a Virgin nas cabeças do campeonato. A Audi continuou surpreendendo, com um belo desempenho de Lucas Di Grassi, que venceu Pascal Wehrlein na linha de chegada no México. A Mahindra, a Virgin e a Audi agora assumiam o posto de equipes a serem batidas no momento.

Aí veio a virada do campeão na China. Vergne foi o sexto vencedor diferente em seis provas e entrava na disputa. Com Mahindra e BMW em decadência, foi a vez das asiáticas Techeetah e Nissan entrarem em ação. As equipes dividiram o posto de pole position em seis corridas consecutivas. Nesse período, o francês campeão do ano passado venceu mais duas e chegou a prova decisiva em Nova York com 32 pontos de vantagem sobre o brasileiro Lucas Di Grassi.

Na rodada dupla americana – ou seja, uma corrida no sábado e outra no domingo – oito pilotos de seis equipes diferentes ainda tinham chances matemáticas de serem campeões. Os favoritos eram claramente Vergne e Di Grassi, experientes, ambos buscavam o inédito bicampeonato da categoria.

Na primeira prova, corrida perfeita de Sebastien Buemi, o segundo campeão da Formula-E, que volta a vencer uma corrida depois de dois anos, e ainda entregou a primeira vitória para a equipe Nissan. O neozelandês Mitch Evans foi o segundo, com Di Grassi o quinto. Vergne abandonou depois de um enrosco com Felipe Massa.

O título do francês foi adiado para o dia seguinte. Agora a briga pelo caneco se reduziu a quatro pilotos (os quatro citados anteriormente). Buemi era o mais distante, precisava fazer outra pole e vencer a corrida, e Di Grassi, o vice-líder, precisava de uma vitória e torcer para que Vergne ficasse atrás de sétimo.

O suíço bateu na trave, foi o terceiro lugar no classificatório e caiu fora da disputa. Evans, Di Grassi e Vergne ficaram enfileirados na 9ª, 10ª e 11ª posições. A prova, muito movimentada, teve Buemi sofrendo com o carro para se manter na terceira colocação e confirmar o vice-campeonato. O holandês Robin Frinjs volta a colocar a Virgin no topo, com Alex Sims em segundo.

Evans e Di Grassi brigavam com Daniel Abt pela quinta colocação no final da prova até se tocarem na última volta e jogar todas as esperanças, que já eram quase zero, no lixo. O francês se aproveita, faz uma prova limpíssima e termina em sétimo. Di Grassi cai para terceiro na classificação e Frinjs assume a quarta.

Jean-Eric Vergne, que ano passado venceu com certa folga, porém não convenceu muito os fãs, este ano foi brilhante, e mesmo com o campeonato superequilibrado, foi sem dúvidas o mais regular e o mais preparado para levantar a taça. Além do mais, seu time, a Techeetah, também levou o campeonato de equipes, coroando ainda mais o desempenho.

No balanço geral, uma temporada deprimente para os brasileiros. Além de Nelsinho Piquet e Felipe Nasr, que desistiram durante a temporada, Felipe Massa foi péssimo. Conquistou um pódio em Mônaco em uma corrida de exceção e foi constantemente derrotado por seu companheiro Edoardo Mortara. Lucas Di Grassi foi o que teve melhor desempenho, com o terceiro lugar, mas perdeu duas rivalidades importantes, contra Vergne e principalmente para Buemi, que foi muito irregular.

E assim terminamos mais uma temporada para os carros elétricos, com um equilíbrio jamais visto no esporte a motor, e se espera muito mais da temporada 6.

* Estudante de Jornalismo da PUCRS

4oito

Deixe seu comentário