Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
* as opiniões expressas neste espaço não representam, necessariamente, a opinião do 4oito

Isso é Silverstone

Emoção até a última volta
João Nassif
Por João Nassif 10/07/2018 - 08:20

* Thiago Ávila

O empolgado torcedor inglês acordou animado neste fim de semana: GP de Silverstone, jogo da Inglaterra... O que só é mais esperado pelos supporters é que seus compatriotas façam o serviço completo. Numa pista que tem um histórico recente de vitórias da Mercedes, o que se espera é Lewis Hamilton faça o dever de casa.

Sofrendo dores na nuca, devido a introdução de ondulações na pista para diminuir a velocidade nas retas, Vettel quase perdeu o treino classificatório, mas horas antes garantiu que estaria tudo certo e que isso não teria problema. E não teve problema mesmo! O alemão fez simplesmente uma volta espetacular, com tempo de 1:25,936, recorde da pista. 

Hamilton voltou à pista nos minutos finais e tinha que fazer a melhor volta da vida para alcançar mais uma pole. Foram quatro milésimos acima no primeiro setor, foi sensacional no segundo, e apesar de ter ido mal no terceiro, baixou o tempo de Vettel em 44 milésimos. Raikkonen chegou perto, foi melhor no setor 1 e 3, mas ficou apenas na terceira posição. 

Comemoração da Mercedes, festa ainda maior dos ingleses depois da vitória de 2x0 para cima da Suécia e a classificação para as semifinais depois de 28 anos.

Mas no domingo a coisa foi outra. Vettel largou bem, ao contrário de Hamilton, que se envolveu em um incidente com Raikkonen e caiu para último, Bottas, esperto, assumiu a segunda posição.

Sebastian Vettel-vencedor em Silverstone

Enquanto Lewis passava um por um lá atrás, quem fazia o alvoroço era Raikkonen, que depois de cair para quinto, ultrapassou Ricciardo e fez uma briga feroz com Verstappen. Ele ainda tomou uma punição de dez segundos pelo incidente no início da prova.

Pit stops feitos, punições pagas, o top-6 seguia na volta 26 com Vettel, Bottas, Verstappen, Ricciardo, Raikkonen e Hamilton. O australiano ainda fez mais uma parada inesperada e caiu para sexto.

O que já vinha ficando interessante, com as ameaças de Kimi a Verstappen e a aproximação de Lewis, ficou ainda melhor com a entrada do Safety Car na volta 32 – devido a batida sozinho de Marcus Ericsson no muro. As duas Ferraris e Verstappen pararam, Bottas assumiu a liderança e Hamilton pulou pra terceiro.

A relargada se deu cinco voltas depois, com Raikkonen e Verstappen fazendo um duelo fenomenal pela quarta posição. Mas não durou muito tempo, já que Grosjean (DE NOVO!), se envolve em um incidente com Sainz e o SC é chamado novamente.

Faltando dez voltas para acabar, a corrida recomeça. Vettel, de pneus macios novos, ameaça Bottas, enquanto que Verstappen e Raikkonen reiniciam o duelo do dia.

Perdendo tempo em relação a Hamilton, Raikkonen se vê na obrigação de ultrapassar Verstappen, e o faz na volta seguinte. Três voltas mais tarde, o holandês roda e perde diversas posições.

Nas cinco voltas finais a emoção se intensifica, com os quatro primeiros separados por menos de um segundo. Vettel ganha a liderança de Bottas, que não aguenta a pressão de Hamilton e Raikkonen e cai para quarto.

Vitória da Ferrari, corrida espetacular de Kimi e recuperação sensacional do piloto da casa. O torcedor inglês pode ter ficado com um gosto amargo pelo resultado, mas certamente valeu a pena.

Isso é Silverstone. Não importa as condições, você nunca sabe o que esperar.

*Thiago Ávila, Estudante de Jornalismo da PUCRS
 

4oito

Deixe seu comentário